Quinta-feira, 31 de Janeiro de 2019

Circo Nery desconhece que os Tigres não precisam de "festinhas" de domadores, Mas de liberdade no "habitat" deles: a Selva

 

Num comunicado e num vídeo de propaganda fraudulenta, o Circo Nery insulta a inteligência humana, recusando a acusação de maus-tratos aos Tigres, que mantém enjaulados e amestrados (e sabemos como são amestrados), e hipocritamente a fazer-lhes “festinhas” diante das câmaras de vídeo, mas não mostrando como são barbaramente torturados nos bastidores (como é do conhecimento público).

 

Mas vamos dizer ao Circo Nery o que são maus-tratos.

 

CRCO NERY.png

Para ver o vídeo neste link:

https://www.facebook.com/190175794849116/videos/218991575300871/?hc_ref=ARQi6qVohPOUzMaq3T1nI6nZn57r6PEEPMyrtVwSJknQn0PL1u_kUtH-20phDmsUiF0&fref=gs&dti=111269965578458&hc_location=group

Façam um vídeo a mostrar como amestram os Tigres, e como os “convidam” amavelmente a fazerem coisas para as quais eles não nasceram. São “homens” para isso?

 

Os maus-tratos aos animais da Selva, usados nos circos terceiro-mundistas, não se baseiam apenas nas pauladas ou nos choques eléctricos que lhes infligem, para que façam o que não lhes foi destinado, pela Natureza, fazerem.

 

Os maus-tratos começam no acto da retirada deles do seu habitat, quando são roubados às suas progenitoras. Depois, ao serem colocados em camiões e jaulas e transportados sem as mínimas condições, e são aprisionados e torturados, para trabalharem o resto da vida a entreter pessoas que, por uma hora de “espectáculo” (degradante e agressivo) condenam estes magníficos animais a uma vida inteira de grande sofrimento, solidão e confinamento à jaula.

 

Ao fazerem-lhes isto, os Tigres perdem a sua dignidade, a sua vontade de viver, estão aprisionados, escravizados, não podem correr livremente e nadar, como é da sua condição, resignam-se à prisão, confinados a uma jaula e, por medo dos bárbaros castigos, OBEDECEM aos seus carrascos, tal como os escravos humanos obedeciam (e ainda hoje continuam a obedecer).

 

Nenhum animal, à excepção do HOMEM, nasceu para o Circo. O circo foi a mais humilhante e aterradora “humanização” que os “homens” fizeram aos animais, ao longo de séculos: obrigá-los a saltar sobre o fogo, a andar de bicicleta, colocá-los de joelhos em cima uns dos outros, vestirem-nos, subjugados pelo chicote constantemente, tudo condutas para as quais não nasceram. Em nome de quê?

 

O habitat dos Tigres é a Selva, não é dentro de camiões e espaços pequenos vedados, não é dentro da jaula de um circo terceiro-mundista.

 

Já existe uma moratória, que obriga a que os animais selvagens aprisionados em circos sejam entregues a reservas, onde estarão livres e em segurança 24 horas por dia, onde poderão ser bem alimentados, e correr e nadar e estar junto dos da sua espécie, e com sorte, voltar à Selva. Eles não querem saber para nada, das “festinhas hipócritas” que os seus carrascos lhes fazem à frente das câmaras.

 

Por tudo isto, ou o Circo Nery entrega os Tigres, ou continuaremos a fazer campanhas para o boicotar.

 

Isabel A. Ferreira

 

Texto adaptado do original, neste link:

https://www.facebook.com/groups/CampanhaAntitouradasPortugal/permalink/2168190419886392/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:53

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 25 de Outubro de 2016

É isto a tourada protegida pelo estado Português…

 

O que se segue é uma descrição realista da descomunal crueldade e violência da selvajaria tauromáquica, que em Portugal é “servida à mesa” como uma refeição gourmet…

 

E depois a besta humana quer ser tratada do mesmo jeito que um Ser Humano…

 

Por muito menos, Jesus Cristo chicoteou os vendilhões do templo.

 

Não me peçam tolerância para monstros desta envergadura... (IAF)

 

TORTURA.png

 

Texto de Pedro Martins Santos

 

«Debaixo de um calor de mais de 30º, sem vento e depois de terem permanecido mais de 12 h metidos numa divisória de metal de um camião onde mal se podem mexer, os 6 touros vão ser "lidados" na praça. Vão ser perfurados com ferros (bandarilhas) que medem 70 cm de comprimento, enfeitadas com papel de seda de variadas cores e rematadas com um ferro de 8 cm, com um arpão de 4 cm de comprimento e 20mm de largura, com farpas ou ferros compridos e ferros curtos que medem, respectivamente, 140 cm e 80 cm de comprimento, com ferragem idêntica à da bandarilha, mas com dois arpões enfeitados e rematados da mesma forma que as bandarilhas.

 

Os ferros que lhe penetram e rasgam o músculo, provocarão uma dor lancinante (o touro sente até uma mosca pousar-lhe no dorso - daí abanar com a cauda para a enxotar - porque não haveria de sentir dor se é feito de carne e osso como nós?). Depois de lhe serem cravados os ferros, exaustos e debilitados, enfraquecidos, vão ainda ser atormentados por 8 “homens” que o vão provocar, tentar imobilizar, saltar-lhe para cima e puxar-lhe violentamente a cauda (vértebras serão partidas) e humilhá-lo.

 

Depois será obrigado a recolher ao camião, como alguém me dizia hoje de manhã, "puxado e arrastado tão violentamente por cordas que se fica com a sensação que lhe vão arrancar os cornos".

 

No camião, ser-lhe-ão arrancados os ferros, a sangue frio, cortando a carne à volta do arpão com uma faca, deixando-lhe o dorso esburacado em carne viva...

 

Depois da "festa rija", quando os espectadores tiverem dificuldade em manter-se em pé, o touro vai ser levado para o matadouro, no mesmo camião onde não se pode mexer, deixando atrás de si um rasto de sangue e diarreia.

 

Hoje é sexta-feira.

Amanhã é sábado, os matadouros não trabalham.

Domingo também não.

 

Com sorte e, se não tiverem morrido até lá, os touros serão finalmente mortos na segunda-feira, depois de atordoados com choques eléctricos e pendurados de cabeça para baixo.

 

Terão Paz afinal.

 

É ISTO QUE A RTP TRANSMITE COM O MEU DINHEIRO??

 

Pedro Martins Santos»

 

Fonte: 

https://m.facebook.com/RiseupPortugal/photos/a.439731719383613.94950.435456119811173/963380007018779/?type=1

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 22 de Abril de 2016

BASTIDORES DE UMA TOURADA

 

«Fechados num contentor minúsculo durante longas horas sem comida nem bebida, suportando temperaturas elevadíssimas sem se poderem mexer, os touros, nas touradas portuguesas, são forçados a entrar na arena com recurso a choques eléctricos. No fim da tourada são recolhidos puxados com cordas novamente para o interior do camião, feridos e a sangrar profundamente onde permanecem em stress durante horas ou dias em condições extremas até serem levados para o matadouro. Alguns morrem antes de lá chegar... (filmado em 2009 no município do Marco de Canaveses)»

 

De 2009 a 2016 nada mudou, apesar da existência de um Regulamento Tauromáquico que nenhuma autoridade faz cumprir.

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 13:53

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
17
18
19
20
22
23
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

Circo Nery desconhece que...

É isto a tourada protegid...

BASTIDORES DE UMA TOURADA

Arquivos

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt