Terça-feira, 6 de Dezembro de 2016

O Cavalo nasceu para ser livre...

 

... não para ser usado e abusado pelo homem-predador.

É assim que gosto de os ver: livres, soltos, sem arreios, sem selas, sem freios…

É assim que os Cavalos devem viver:

Belos e Selvagens 

CAVALOS.jpg

 Origem da imagem: Internet

 

 

Eis algumas curiosidades sobre os Cavalos:

 

A gravidez de uma égua dura, em média, 336 dias, e quando nasce um potro, o mundo maravilha-se com um dos animais mais belos existentes na Natureza.

 

Os recém-nascidos conseguem ficar em pé em apenas duas horas após o nascimento.

 

Os Cavalos têm uma excelente memória. Dizem os cientistas que são capazes de reconhecer uma pessoa muitos anos depois de a ter visto pela última vez. Os Cavalos são capazes de reconhecer sons a longas distâncias, além de vozes familiares.

 

Um Cavalo bebe aproximadamente 50 litros de água por dia!

 

Existem mais de 300 raças de póneis e cavalos.

 

As raças de Cavalos mais valorizadas são quarto de milha, puro sangue inglês, appalooza, percheron, paint horse, lusitano, mustang, andaluz, Galloway, frísio, shire, bretão e árabe.

 

Entre as raças de Cavalos, a mais veloz é o puro sangue inglês, que chega a atingir 80 Km/h.

 

Os Cavalos tanto dormem em pé como deitados. O especialista em equino-cultura, Roberto Losito de Carvalho, da Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paul, em entrevista à Superinteressante, salientou que «para poderem dormir em pé, os Cavalos desenvolveram uma postura chamada “estação livre”: ele apoia 60% do seu peso sobre as duas patas da frente e o restante peso apoia ora numa das pernas traseiras, ora na outra».

 

Os Cavalos brancos atraem menos moscas do que os demais, de acordo com os investigadores da Universidade de Eotvos, Hungria, os quais colocaram uma substância pegajosa em três cavalos (um preto, um acastanhado e um branco). Passados dois meses, foram observar a quantidade de moscas presas ao pelo: o cavalo branco tinha 25 vezes menos moscas do que os outros. Supõe-se que isso acontece porque os pêlos escuros reflectem a luz de forma alinhada, o que os torna mais atraentes aos insectos.

 

Eles não nasceram para puxar carroças ou charretes, para corridas ou hipismo ou touradas, ou para animais de carga.

O Cavalo, bem como todos os outros animais não-humanos nasceram para serem tão livres quanto o homem.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/pan.sintra/photos/a.254545384629588.60895.187128991371228/1099878916762893/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:20

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 18 de Julho de 2016

Um comentário desprezível a propósito da proposta do PAN de proibir o uso de carroças puxadas a Cavalos

 

 

Pois, ó rico, se a si lhe deu um fanico, a nós deu-nos um grande asco quando lemos este comentário, por ser retrógrado, desactual, desadequado e impróprio de seres evoluídos.

 

COMENTÁRIO PAN.jpeg

 

Não que nos surpreendesse tal arengada, porque estamos fartos de saber que os acéfalos não pensam, nem têm sentimentos e seguem os instintos primitivos próprios de seres que ainda não evoluíram.

 

Mas sempre ouvimos dizer que água mole em pedra dura tanto dá até que fura, portanto não desistimos.

 

E ainda que ninguém encomendasse qualquer sermão, ele aqui vai desafrontadamente…

 

O PAN também não desiste, porque está representado na Assembleia da República Portuguesa pelo André Silva, um Homem evoluído, avançado no tempo, um espírito do futuro, que trouxe àquele lugar velho (que é o hemiciclo da AR, onde uma esmagadora maioria de gente que, apesar de nova, já nasceu velha, se senta, e faz discursos velhos, e aprova leis retrógradas no que concerne aos Direitos dos Animais e das Crianças), um discurso novo e adequado aos tempos modernos e ao avanço dos conhecimentos que hoje temos sobre a senciência animal, e que, os que optam pela ignorância e recusam esse conhecimento, desconhecem.

 

A proposta do PAN quanto à proibição do uso de carroças, charretes e “charabans” (charabãs) de tracção animal provém de uma mente aberta, arejada, evoluída, futurista, uma mente do século XXIII (assim 23 ou mais) depois de Cristo.

 

O que diria a rainha de Inglaterra?

 

E o que nos interessa o que diria a rainha de Inglaterra, uma nonagenária que não evoluiu o suficiente para saber que os Cavalos não nasceram para servir o pré-humano (aquele que ainda não evoluiu para Homem), e são seres extremamente sensíveis, e sofrem horrores a puxar carroças para que rainhas andem de traseiro tremido em cima delas.

 

E sim, há-de chegar o dia em que vai ser proibido montar Cavalos.

 

E sabe porquê rico?

 

Dizemos-lhe, para que não diga que não lhe disseram: porque não é só o esforço físico que muito custa aos Cavalos. São os ferros na boca que magoam e ferem as gengivas, a língua, o palato, a mandíbula, se for barbela, a pressão dolorosa sobre o chanfro, se for serrilha, dor e ferida por um arreio mal adaptado, e os malditos chicotes. E isto não é coisa nossa. Isto é o saber do Médico-Veterinário, Dr. Vasco Reis, que durante vários anos cuidou de Cavalos, no estrangeiro.

 

Mas os montadores não podem ver (ou não lhes interessa ver) os esgares de dor que os Cavalos exibem, quando são montados, quando puxam carroças, arados, charretes, enfim, quando são usados e abusados pelos pré-humanos.

 

O rico do PAN é rico, sim. Mas é rico em sentimentos, em sensibilidade, em inteligência, em saber, em evolução, em ética, em essência humana, e claro quando se fala em touradas, tanto defende o Touro como o Cavalo, obviamente, pois ambos estão incluídos nesta selvajaria.

 

Mas há aqui um pormenore que urge salientar: o PAN ou outro qualquer partido anti-tourada, não pode levar para a Assembleia da República uma proposta abolicionista destas práticas cruéis primitivas, por um motivo simples: é que o lobby tauromáquico está lá instalado de malas e bagagens, e se não passa um projecto de lei de protecção às crianças para que não assistam nem pratiquem estes horrores, como há-de passar um projecto de lei para proteger os animais, que para a esmagadora maioria dos deputados da Nação são apenas os Gatos e os Cães, que não sejam de circo ou de corrida?

 

A proposta abolicionista só fará sentido quando Portugal estiver representado por deputados evoluídos. Contudo, até lá, estas práticas bárbaras deixarão de existir porque a juventude prefere assistir ao Festival Super Bock Super Rock, e outros que tais, do que ver torturar bovinos e Cavalos indefesos, numa arena cheia de sádicos.

 

Apenas uma minoria inculta, retrógrada e a cair de velha (em idade, uns, e em mentalidade, outros) se dispõe a ir a uma arena de tortura.

Ó rico, não admira que não consiga entender onde quer chegar o deputado do PAN. E sabe porquê? Porque ele está distanciado de si milhares de anos-luz. E não só de si, como também de todos os que se recusam a ver o óbvio e a evoluir.

 

E quer saber, o deputado do PAN nunca iria propor que as carroças, as charretes e os seus “charabans” só poderiam circular se puxados por ricos encartados para o efeito, porque o deputado do PAN é um Homem civilizado.

 

Mas que apetece dizer que seria uma boa ideia, lá isso apetece. Assim os ricos iriam sentir o que custa puxar carroças, e talvez mudassem de ideias e evoluíssem e deixassem os Cavalos em paz.

 

Sabe, rico, dizer que “gosta muito de animais” e depois os tortura ou gosta de os ver torturados, não é de seres humanos, mas sim de seres desumanos.

 

Quem defende um Cavalo defende de igual modo um Homem, porque ambos são animais com ADN muito, muito semelhante.

 

Mas não nos peça para defender um rico, como o que escreveu este comentário, porque só defendemos animais humanos e não-humanos. Não defendemos animais pré-humanos ou desumanos.

 

E corram, corram bastante até perderem o fôlego, para ver se ainda conseguem alcançar o comboio da evolução, que já percorreu vários séculos, e vocês ainda não se deram conta de ele ter passado pela vossa rua…

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:45

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 19 de Maio de 2016

Dia histórico: Cavalos que puxam charretes na Ilha de Paquetá (Rio de Janeiro) foram libertados

 

Eu, que conheço Paquetá, devo dizer que esta era a sua nódoa mais negra, entre a exuberante beleza daquela ilha. Estou feliz pelos Cavalos que eram (ab)usados, explorados, torturados, escravizados há longos, longos anos, e, finalmente, vão viver em liberdade. Esta foi uma delongada luta dos Defensores dos Animais, mas valeu a pena.

 

Segundo as notícias, os Cavalos estão a ser levados para a Fazenda Modelo, e daí seguirão para Santuários.

 

Esperamos que os Cavalos da zona SINTRA/CASCAIS sejam também brevemente libertados.

Os Cavalos não nasceram para ser escravizados pelo homem-predador. São seres magníficos, sensíveis, sencientes, amorosos e não merecem tão triste destino.

 

Isabel A. Ferreira

 

PAQUETÁ.jpeg

 (Foto de Andrea Lambert)

 

Acompanhem a evolução desta libertação, com imagens do local em tempo real, neste link:

http://www.ogritodobicho.com/2016/05/dia-historico-libertacao-dos-cavalos-de.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:20

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 15 de Março de 2016

A vergonha de Sintra: as charretes de tracção animal

 

«Moro ao lado dos estaleiros dos coches de Sintra e uma coisa vos posso garantir, os animais são tratados como m#%$a e os criadores são uns autênticos psicopatas a quem não se pode fazer reparo nenhum sem se receber ameaças e gritos de volta. A lei neste sítio não se aplica, vários agregados familiares vivem o ano todo mergulhados num constante enxame de moscas e cheiro a fezes e urina, não podemos usufruir dos nossos quintais no Verão. A GNR e a junta de freguesia acham que está tudo conforme a lei...
 

Quando os cavalos saem da vista do público para o estaleiro (a curva onde eu moro) começam as coças. Os animais sabendo o que vem aí, antes da curva mandam-se desesperadamente contra os muros a tentarem livrarem-se do coche e do cocheiro e as tareias a sério começam, tentar filmar é um convite a levar um tiro. Por falar em tiro, é esse o método de abate utilizado por eles quando substituem um cavalo por um semelhante. Acontece 4 a 5 vezes por ano especialmente no Verão.»  (Tiago Lamas de Oliveira)

 

SINTRA.jpg As buzinas, o barulho, o chicote, o peso que é obrigado a suportar, o facto de estar preso sem poder fugir. Tudo é fonte de agonia para o Cavalo.

 

PETIÇÃO

 

ACABAR COM AS CHARRETES DE TRACÇÃO ANIMAL

 

Para: 

Assembleia da República; Liga Portuguesa dos Direitos do Animal; Câmara Municipal de Sintra

 

Exmo. Senhor Presidente da Assembleia da República

Exmos. Senhores Membros da Liga Portuguesa dos Direitos do Animal Exmos. Senhores da Câmara Municipal de Sintra

 

Os cidadãos do município de Sintra e todos os demais cidadãos portugueses, em boa consciência, discordam com a forma como os animais têm sido tratados até aos dias de hoje. Estes, não devem ser tratados como objectos, mas sim como seres sencientes que são, merecedores da nossa atenção e cuidado.

 

Vimos solicitar a Vossas Excelências um pouco da vossa atenção para o sofrimento que, nós humanos, temos infligido aos animais.

 

As charretes de atracção turística têm sido utilizadas durante todos estes anos como forma de passeio, ignorando assim, que para que exista esta atracção colocamos os cavalos em condições pouco humanas. Eles estão expostos a alterações climatéricas, que geralmente são altamente desfavoráveis à boa saúde dos animais.

 

Não lhes é dado qualquer descanso durante todo o seu período de trabalho. Este tempo de trabalho que o animal exerce é prolongado por mais horas do que devia, expondo o animal a mais dores e cansaço.

 

O peso da charrete é sempre igual ou superior ao peso do próprio animal. Forçando assim a sua musculatura a fim de puxar os visitantes da nossa vila. Mas não é apenas o peso da charrete que eles puxam. É também o seu próprio peso, o peso do cocheiro, e o peso dos que estão sentados na viatura.

 

Estes animais estão também expostos num ambiente que não lhes é natural. Sofrem de stress com o trânsito á sua volta, o grito de crianças, ou o flash de algumas fotografias dos visitantes, o barulho de motores e das buzinas.

 

O sofrimento que lhes é causado quando o freio é colocado e utilizado na sua boca. Estas feridas são permanentes nas suas bocas, e em muitos casos tornam-se doenças mais graves. Os antolhos que os impedem de observar o ambiente para poderem mover-se em segurança, ao chicote com o qual são açoitados para atenderem aos comandos do cocheiro, tudo é fonte de agonia para o animal. Facilmente podemos reconhecer que são escravos das nossas vontades. Não existe necessidade de expormos animais que são sensíveis a este tormento. São animais dotados de sensibilidade, consciência, e inteligência.

 

Face ao exposto, vimos pedir a alteração da tracção animal para tracção motora. Desta forma, é possível manter os postos de trabalho, a atracção turística, e ainda fazer uma poupança na manutenção destas viaturas. Sendo que não será necessário as consultas de veterinário, e o motor eléctrico é menos dispendioso do que a alimentação destes animais. Sendo que não polui o ambiente.

 

Posto isto, vimos pedir a V. Exas. a tomada das seguintes medidas:

 

- A substituição da tracção animal, por tracção motora.

 

- Dar um prazo máximo de um ano (doze meses) para dar a oportunidade dos cocheiros poderem fazer as modificações necessárias às suas viaturas de passeio turístico.

 

- Manter os postos de trabalho, desde que estes cumpram as duas primeiras medidas.

 

(…)

 

***

Se é contra a tracção animal, e quer ajudar a acabar com ela, por favor, assine esta petição:

 

http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=PT77670

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:58

link do post | Comentar | Ver comentários (39) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
21
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

O Cavalo nasceu para ser ...

Um comentário desprezível...

Dia histórico: Cavalos qu...

A vergonha de Sintra: as ...

Arquivos

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt