Terça-feira, 17 de Agosto de 2021

António Ribeiro Telles hospitalizado com gravidade depois de ter sido colhido por um Touro, que não fez mais do que defender-se do seu carrasco

 

Quem gosta de andar à chuva, é porque adora encharcar-se.

Espero que o Touro e o Cavalo estejam bem.

Para este tipo de gente tolerância ZERO.

Já é tempo de acabar com estas barbaridades, subsidiadas com os impostos dos Portugueses.

 

Telles corneado.jpeg

António Ribeiro Telles ficou gravemente ferido, depois de o Touro, que ele torturava barbaramente, o ter colhido ao tentar, legitimamente, defender-se…

Fonte da imagem:

https://odigital.sapo.pt/reg-de-monsaraz-cavaleiro-antonio-telles-transportado-para-o-hospital-apos-colhida-grave/

 

Os torturadores de Touros vão para as arenas porque GOSTAM de ver seres vivos a SOFRER.

 

A notícia diz que o Telles foi colhido com gravidade, durante uma tourada,na terrinha troglodita de Reguengos de Monsaraz, quando cravava um ferro no Touro. Ora se a coisa fosse ao contrário? E se um carrasco qualquer espetasse um ferro no Telles? O que sentiria o Telles?

 

O problema destas tristes personagens é que não são dotadas do sentimento e da virtude mais nobres do ser humano: a EMPATIA e a COMPAIXÃO.

 

Charles Darwin.jpg

 

De acordo com o testemunho de aficionados, o montador de Cavalos e torturador de Touros esteve cerca de cinco minutos inanimado na arena, sem que os restantes carrascos conseguissem afastar o Touro que, ferido e sofrendo de dores atrozes, arremetia numa tentativa de defender-se, atingindo o seu carrasco, como era de seu direito.

 

Como as coisas não estavam fáceis para o Telles, levaram-no para o Hospital Espírito Santo, em Évora, com acompanhamento do médico da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) do Hospital de Évora, e tudo isto PAGO com os impostos dos Portugueses, que ABOMINAM estas práticas bárbaras, apoiadas chorudamente pelos governantes trogloditas portugueses.

 

Não há meio de isto acabar? É que as touradas são uma prática abominável, não só para os Touros e Cavalos, como também para os torturadores que levam cornadas, e NÓS, que abominamos esta prática troglodita, é que temos de pagar os tratamentos.



Isabel A. Ferreira

 

Fonte da notícia:

https://www.radiocampanario.com/ultimas/regional/antonio-telles-levado-para-o-hospital-com-gravidade-apos-ser-colhido-em-reguengos-de-monsaraz-202108152048?fbclid=IwAR2PeAzvQvHEi-ll5DG3-j8DvWOUryXNjVOw1VqinwgeIDo5QDZTuMbWSXk

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:40

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 22 de Setembro de 2020

Carta aberta a D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa

 

Em 23 de Fevereiro de 2012, numa carta aberta a D. Manuel Clemente, na altura, Bispo do Porto, dirigi-lhe um apelo, contando com a clemência (implícita no nome) que todos esperamos de um servidor de Deus, para a Causa da Abolição das Touradas em Portugal.

 

O meu apelo não foi considerado.

 

Hoje, repetindo as mesmas palavras da carta de 2012, até porque passados todos estes anos, nada mudou em Portugal, a este respeito, continuando-se a torturar seres vivos, para diversão de sádicos, com a bênção da Igreja Católica Portuguesa, reitero o mesmo apelo, agora que D. Manuel Clemente é Cardeal-Patriarca de Lisboa.

 

Espero que, desta vez, me ouça e interfira, porque o tempo é outro, e é preciso evoluir, mas, principalmente, é preciso sermos clementes para com todas as criaturas de Deus: as humanas e as não-humanas.

 

Touro.jpeg

 

Exmo. Sr. D. Manuel Clemente,  Cardeal-Patriaca de Lisboa,

 

Já, por várias vezes, nos encontrámos em Arouca, em Braga, no último Congresso de Cister, enfim, e pelo que tive oportunidade de observar, fiquei com a impressão de que o Senhor D. Manuel Clemente é um homem inteligente, sensível e zeloso das suas obrigações Cristãs.

 

Por isso atrevo-me a dirigir-lhe estas linhas, com todo o respeito.

 

É que sendo eu uma defensora dos Direitos dos Animais, Humanos e Não-Humanos, e estando neste momento envolvida na Causa da Abolição das Touradas em Portugal e no Mundo, não compreendo a posição da Igreja Católica Portuguesa a este respeito, sabendo, como sabemos, que «a Tauromaquia é uma modalidade que assenta em primeira linha na exploração violenta e cruel do touro, sempre, e do cavalo nos programas em que ele é utilizado como veículo do actor tauromáquico e obrigado a tornar-se “cúmplice” da lide, sofrendo ansiedade e esgotamento e arriscando ferimento e morte», segundo a opinião do Dr. Vasco Reis, Médico-Veterinário.

 

Sabendo, como sabemos, que «a não-violência é a lei da nossa espécie assim como a violência é a lei dos brutos. O espírito jaz dormente no bruto e ele não conhece nenhuma outra lei a não ser a da força física. A dignidade do ser humano requer obediência a outra lei – à força do Espírito!», de acordo com Mahatma Gandhi.

 

E ainda, sabendo, como sabemos, que «(...) se fazem  reclames entusiastas de espectáculos, como as touradas de praça onde por simples prazer se martirizam animais e onde os jorros de sangue quente, os urros de raiva e de dor e os estertores de agonia só podem servir para perverter cada vez mais aqueles que se deleitam com o aparato dessa luta bruta e violenta, sem qualquer razão que a justifique», como refere Adriano Botelho (ilustre cidadão da Ilha Terceira – Açores).

 

Posto isto, Senhor D. Manuel Clemente, pergunto por que motivo a Igreja Católica é CÚMPLICE desta selvajaria (há muitos padres católicos aficionados), e “abençoa” os torturadores de Touros (vulgo toureiros), antes destes irem para arena massacrar um ser vivo, que tem um ADN semelhante ao humano? Um ser que sofre e sente a dor tal como nós a sentimos?

 

Não serão o Touro e o Cavalo também criaturas de Deus?

 

Jesus Cristo ensinaria ao homem a prática da violência sobre os seres vivos? Foi para isso que viria ao mundo?

 

Escrevo-lhe para solicitar a douta interferência do Senhor D. Manuel Clemente, Cardeal-Patriarca de Lisboa, nesta matéria, para que a Igreja Católica Portuguesa tome uma posição pública contra esta barbárie, como é de seu DEVER, até porque se a Igreja interferir, estes massacres acabam por acabar.

 

Não é de um bom cristão torturar seres vivos para se divertir, mas os torturadores de Touros e Cavalos são cristãos e torturam seres vivos para ganharem dinheiro e divertirem os sádicos.

 

Penso que o Senhor D. Manuel Clemente, como homem sábio que é,  estará de acordo comigo.

 

Repare-se na cara patética deste “cristão”, na imagem mais acima,  que além de torturador é cobarde, e no sofrimento atroz estampado na expressão do Touro, caído no chão, exaurido, dorido, esvaziado da sua dignidade de ser vivo.

 

São estes ensinamentos que a Igreja pretende que se transmita às crianças?

 

E a Igreja Católica Portuguesa nada terá a dizer sobre isto?

 

Isto faz parte de um tempo primitivo e obscuro. Estamos no Século XXI, depois de Cristo. É preciso evoluir, Sr. D. Manuel Clemente.

 

É preciso colocar Portugal entre os países evoluídos. E a Igreja Católica, tendo a influência que tem no nosso povinho, ainda tão ignorante, tem o DEVER de esclarecer esse povo, e não ser passiva quanto a esta matéria tão cruel, que só desprestigia o Ser Humano.

 

O senhor D. Manuel Clemente, tal como eu, historiador, saberá que os factos históricos são importantes. A Igreja Católica ficará manchada, para a História, como CÚMPLICE desta barbárie, se não tomar uma posição firme e essencialmente cristã, assim como ficou tristemente enlameada em tantas outras ocasiões, por nada ter feito, como na vergonhosa cumplicidade com as atrocidades cometidas durante a II Guerra Mundial contra os judeus, e nas Santas Cruzadas, e na Santa Inquisição, (apenas para referir os mais conhecidos casos de omissão da Igreja Católica). E é CÚMPLICE quem sabe e nada faz.

 

Espero que esta minha carta possa servir para acordar a “adormecida” Igreja Católica Portuguesa para esta grave lacuna, do seu apostulado. Os púlpitos são lugares apropriados para passar a mensagem da não-violência contra todos os seres humanos e não-humanos. Não é lugar para se falar de política. É lugar para se falar no que Jesus Cristo nos deixou de mais valioso, o preceito áureo: «não faças aos outros (e nesses outros estão incluídos todos os seres não-humanos) o que não gostas que te façam a ti.» Se todos os homens cumprissem esta simples regra, o mundo seria o lugar ideal para se viver, sem leis, sem governantes, sem polícias, sem armas, sem guerras, sem todos esses horrores, que o animal humano, e apenas o animal humano, inventou.

 

Porque é preciso acabar de uma vez por todas com esta macabra, patética, sangrenta e sádica prática chamada TOURADA, onde dois magníficos seres vivos (Touro e Cavalo) são barbaramente torturados por psicopatas.

 

E a Igreja Católica Portuguesa tem o seu quinhão de culpa nisto.

 

Com os meus melhores cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte:
https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/87535.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:49

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 23 de Abril de 2019

Quem verdadeiramente ama os Cavalos não os monta, se os monta saiba que está a torturá-los barbaramente

 

Como diz a Dra. Sônia T. Felipe "Se ama os cavalos, não os monte", mas na verdade nem sequer precisa de os amar, basta que os respeite, não os montando. Deixando-os livres na Natureza, como é do seu direito.

A este respeito só é ignorante quem quer, porque existe bastante informação.

 

CAVALO.png

 

Um excelente texto de Luís Vicente, que testemunha a tortura constante que os “cavaleiros” cruelmente infligem ao Cavalo, um dos seres mais magníficos e sensíveis do Reino Animal.

 

«Um textozinho a todos aqueles que dizem amar os Cavalos e que dizem até que os ditos equídeos são animais mui nobres. Para mim, enquanto Biólogo que deambula entre o comportamento animal e a neurologia, esta nova taxonomia dicotómica que distingue   animais nobres de animais plebeus é deveras surpreendente. Nem o bom velho Lineu se lembrou de tal. Mas pronto, aqui vai para os que amam os nobres Cavalos e que me fazem cada vez mais pensar que o amor é um lugar deveras estranho (como diria o meu irmão José Augusto). 

 

«Mamíferos gregários ungulados, em particular perissodáctilos de um dedo e artiodáctilos de dois dedos, por razões adaptativas, em geral não exteriorizam dor nem sofrimento, pelo menos de forma perceptível para animais de outras espécies, em particular os seus predadores. É uma estratégia evolutiva e de sobrevivência. Por outro lado, tratando-se de um animal gregário que vive em grupos com uma organização social baseada em hierarquias de dominância, mostrar debilidades pode pôr em causa a sua posição no grupo e, consequentemente, fazer diminuir o seu sucesso reprodutor. Não exteriorizar sofrimento é não mostrar fraqueza e mostrar ou não fraqueza pode ser a diferença entre a vida e a morte.

 

Mas a contenção na exteriorização dos sinais de sofrimento não significa que os cavalos não sintam dor. Os cavalos sentem dor. Aliás, como veremos, muita dor camuflada.

 

Sabemos que sentem e, muito provavelmente, de forma mais aguda do que nós, humanos.

 

A epiderme do cavalo é significativamente mais fina do que a nossa, ou seja, a camada de células entre o meio externo e os receptores de dor é menos espessa, estando os receptores de dor, portanto, mais expostos. No cavalo os receptores de dor estão protegidos por uma camada de epiderme de 0,05 mm de espessura, enquanto que nos humanos essa camada tem 0,08 mm. Ainda por cima a densidade de receptores dérmicos de dor no cavalo é superior à dos seres humanos.

 

O chicote ou as esporas devem, logicamente, causar dores mais atrozes do que em nós.

 

Quem se serve destes animais e tem um conhecimento empírico, não científico, está redondamente enganado quanto à insensibilidade à dor dos cavalos. É que uma coisa é sentir, mas outra completamente diferente é exibir. Avaliar a sensibilidade de um animal na forma como ele exterioriza a dor é, do ponto de vista científico, um absurdo. As minhocas também não gritam, nem os caracóis quando são mergulhados em água a ferver.

 

É muito bonito dominar outro ser vivo, seja da nossa espécie, seja de outra. Fazê-lo obedecer. Obedecer é memória e o cavalo tem memória como qualquer ser vivo. É a memória de uma dor que seria bem maior caso não obedecesse.

 

Fazer com que obedeça. Controlar. Quando queres controlar alguém, como fazes? Certo. Descobre o “ponto fraco”. O “ponto fraco” mais fácil de manipular é a dor. Chicotes, esporas e embocaduras conjugam-se no filme de terror da vida dos cavalos.

 

O simples facto de ser montado deve causar sofrimento. Após um período de doze a quinze minutos de transporte de um adulto humano médio começa a haver comprometimento da microcirculação da musculatura dorsal e a partir de vinte e cinco minutos começam a surgir isquémias e a ocorrer pequenas lesões do tecido muscular com consequente dor.

 

Particularmente significativa deverá ser a dor causada pelas embocaduras. Embocaduras são aquelas peças metálicas que se colocam dentro da boca do cavalo para o “controlar”. Embocaduras há-as de vários tipos e de vários materiais. Bridão, bridão-freio e freio são as mais comuns. O bridão pode ser de borracha cujo uso é aconselhado por alguns “peritos” nas primeiras fases de adestramento e que, dizem estes “sábios”, preparam o animal para mais facilmente tolerar as embocaduras metálicas. O bridão, o bridão-freio e o freio são usualmente de ferro ou de aço inoxidável.

 

No que respeita aos efeitos, a diferença fundamental entre o bridão e o freio está na multiplicação da força do cavaleiro ao manipular as rédeas. O freio promove a multiplicação da força com que as rédeas são manipuladas, por efeito de alavanca.

 

maxresdefault[1].jpg

 

O bridão actua, não só mas fundamentalmente nas comissuras labiais enquanto que o freio actua no diastema (espaço mandibular sem dentes). O primeiro tende a levantar a cabeça e o pescoço e o segundo a baixar a cabeça e a induzir a flexão da nuca.

 

Defendem os “amantes dos cavalos” que o bridão é uma embocadura mais suave do que o freio. Falar em profundidade destas embocaduras todas seria uma longa conversa e faria perder a paciência aos leitores menos interessados em pormenores técnicos. De qualquer forma, basta uma busca na net para encontrar descrições muito pormenorizadas dos diferentes tipos de embocadura e da sua utilização.

 

O que escrevo a seguir aplica-se totalmente às embocaduras ditas suaves, os bridões, os quais podem ainda ser leves ou pesados. Ficar-me-ei pelos leves e, tudo o que eu pudesse vir a dizer de todos os outros seria bem mais aterrador.

 

Tenho ouvido aos que dizem que “amam” os cavalos que a “arte de bem cavalgar toda a sela”, como escreveu el-rei D. Duarte, passa por nunca exercer força na boca do cavalo, nunca puxar, nunca magoar o cavalo. Portanto, depreendo que para estes “apaixonados” o bridão não passa de um adorno dentro da boca do cavalo, o que me leva a interrogar-me, então, neste caso, para que raio serve o bridão? Expliquem-me.

 

O bridão é uma peça dupla articulada e a articulação fica dentro da boca sobre a língua do cavalo. Actua exercendo pressão directa na boca do cavalo. Cada um dos dois extremos que ficam fora da boca possui uma argola onde se prendem, tanto as rédeas como a cabeçada.

 

Quando o cavaleiro exerce pressão nas rédeas, o bridão exerce pressão na língua, nas comissuras labiais, nos dentes, na gengiva, no palato e nas barras maxilares inferiores do cavalo.

 

Aprofundemos então o efeito dessas coisas metálicas dentro da boca do cavalo e que, segundo tenho ouvido argumentar, em nada perturbam o bem-estar do cavalito que já é obrigado a suportar um peso-morto de 60, 70, 80, 90 ou 100 kg às costas, sem que para isso tenha sido consultado.

 

Logo à partida, imagino que seja bastante desconfortável respirar pela boca com a garganta seca. É que o bridão pressiona a língua, o que impede o cavalo de engolir normalmente a saliva e que faz com que as partículas aspiradas vão direitinhas para os pulmões sem qualquer processo de filtragem. É que a saliva também tem esse papel.

 

A boca de qualquer animal é uma região extremamente sensível e possui uma grande quantidade de ramificações nervosas. Pensem na vossa, não é preciso ir mais longe. Os bridões impactam nessas ramificações nervosas. O resultado é uma dor intensa que se propaga a todo o rosto e pescoço do animal, o que é facilmente comprovado por imagiologia térmica. Aliás, seria muito estranho se não houvesse dor, desconforto e lesões.

 

Estudos mostram que um forte puxão no bridão gera um impacto de 300 kg/cm² na boca do cavalo, enquanto que uma pressão suave gera um impacto de 50 a 150 kg/cm². Esta pressão leve nas rédeas já deve ser suficiente para gerar impacto significativo e consequente dor ao animal.

 

O bridão actua no diastema, como referi, o espaço sem dentes do maxilar. Ora é no diastema que se localiza o troço mais sensível do nervo trigémeo. O ferro pressiona e impacta exactamente nesse ponto, causando dor aguda. Essa pressão repetida no osso hipersensibiliza os nervos faciais. Desenvolve-se a chamada neuralgia trigeminal. É em consequência dessa dor que se torna crónica que o cavalo faz movimentos repetitivos com a cabeça.

 

É frequente observar uma baba branca e espessa na boca dos cavalos submetidos ao uso destes instrumentos de tortura, desculpem, de controlo. Conjugam-se três factores que determinam a produção dessa baba. A toxicidade do metal do bridão, a dificuldade em engolir saliva que leva a um ressecamento da garganta, e lesões nas glândulas salivares pela pressão do bridão na língua. A conjugação destes factores altera a composição química da saliva o que, ainda por cima, pode estar na origem de gastrites e outras lesões gástricas.

 

A articulação do bridão, normalmente entre a língua e o palato, exerce um atrito permanente sobre este último, causando inflamação “de contacto” e ulcerações recorrentes muito dolorosas. Acontece frequentemente, para combater estas dores, os cavalos colocarem a língua entre a articulação do bridão e o palato, causando úlceras na face inferior da língua, o que também é extremamente doloroso.

 

E desenganem-se os que julgam que eu escrevi muito. Apenas levantei a ponta do iceberg. Se querem saber mais, procurem, por exemplo, os trabalhos do meu colega Robert Cook. Tem vários online bem elucidativos.

 

Espero que o que aqui deixo seja já suficiente para compreenderem que há outras formas de amar os cavalos.

 

Como diz a minha amiga Isabel, “Quem ama os Cavalos não os monta!"  

 

Luís Vicente

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10156236191473837&set=a.10150637539043837&type=3&theater

 

***

Para complementar o que o meu amigo Luís Vicente escreveu, deixo aos leitores mais dois textos que se completam.

Porque, na realidade, quem verdadeiramente ama os Cavalos jamais os monta, porque se os monta, pode ter a certeza absoluta de que está a torturá-los barbaramente.

 

EM LOUVOR DOS CAVALOS

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/em-louvor-dos-cavalos-738102

 

«SE AMAM OS CAVALOS NÃO OS MONTEM»

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/se-amam-os-cavalos-nao-os-montem-493785

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:21

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 29 de Julho de 2018

Senhor vereador da CM de Azambuja, acha que os Portugueses são assim tão parvos?

 

 

Eles não têm a noção do ridículo. Não é que tenhamos alguma coisa contra os parvos, até porquê parvos sempre os teremos entre nós, enquanto o mundo não chegar a uma etapa de evolução mais elevada.

 

Mas somos absolutamente contra a mania dos políticos quererem fazer de nós parvos.

 

O Município de Azambuja pretende “elevar” a selvajaria que vemos neste vídeo, a património imaterial, obviamente, só se for a património imaterial da mais colossal estupidez, que é uma praga urbana que se desenvolve a partir da classe política e se alastra descontroladamente por todo o País, abrangendo a população menos esclarecida.

 

 

Depois ficam muito ofendidos se dizemos que o indivíduo que ficou gravemente ferido, quando tentava puxar o rabo ao Touro, estava mesmo a pedi-las...

 

E como é que o município de Azambuja justifica a candidatura desta selvajaria?

 

Justifica-a de um modo inacreditável, apresentando um argumento socialista: a ancestralidade taurina, como se a ancestralidade de uma prática bárbara pudesse pertencer à categoria de argumento válido.

 

Mas o mais espantoso foi o que o vereador do pelouro da cultura (será mais a pender para a coltura) da Câmara Municipal de Azambuja, António José Matos, do muito monarquista PS (algo deveras inconcebível num partido que se diz socialista) disse em declarações à Lusa: «Foi feito um levantamento intenso e percebeu-se que já vem de há muito a nossa génese no que diz respeito à tauromaquia, no que diz respeito ao adorar o touro, à diversão com o touro, à divindade do touro. Há uma trilogia touro, cavalo e campino que representam muito daquilo que somos».

 

Pois senhor vereador, não duvidamos que tivessem feito um levantamento intenso, e que tivessem chegado à conclusão de que a vossa génese selvática tem uma certa ancianidade, que remonta aos finais do século XVI, quando o Rei Filipe II de Espanha, I de Portugal, introduziu este costume bárbaro monárquico no nosso País. Quanto ao resto: adorar o Touro (o que dizer se não adorassem!) divertirem-se com o sofrimento atroz do Touro, divindade ao Touro (e adora-se uma divindade atacando-a barbaramente), e trilogia de Touro, Cavalo e carrasco (de Touro e Cavalo), na verdade, isto diz muito do monumental atraso civilizacional, não só de Azambuja, como de todos os municípios alentejanos que, unicamente por interesses económicos e absolutamente nada culturais mantêm esta prática selvática.

 

Mas o autarca foi ainda mais longe na sua estultícia, como se todos fôssemos muito estúpidos. Disse ele que uma das particularidades do município, relativamente a outros com ligações taurinas, é que os seus habitantes "mesmo que não sejam dos mais aficionados às corridas de touros são em relação à figura do touro".

 

Então não são? Eles gostam tanto, mas tanto, dos Touros, que se divertem a torturá-los com toda a brutalidade dos que não têm um pingo de bom senso e sensibilidade civilizacionais.

 

E o vereador da coltura de Azambuja disse mais: «Ninguém no actual executivo municipal é anti-touradas, o que também facilita a elaboração do processo de candidatura», que será submetido à Direcção-Geral do Património Cultural.

 

No executivo camarário de Azambuja não existe senso comum? Nem civilidade? Nem bom senso? Logo, o município de Azambuja diz que vai avançar sozinho nesta candidatura (pasmemo-nos) reivindicando particularidades e uma ancestralidade taurina, e que não sendo um concelho taurino de agora, mas de há muito tempo, está na génese dos azambujenses divertirem-se a torturar Touros, em pleno século XXI d.C.

 

Isto só de mentes socialistas desalumiadas!

 

Bem podem candidatar-se ao que quiserem, inclusive, ao Prémio Nobel da Estupidez, bem podem até elevar a selvajaria que se vê no vídeo a património, porque essa elevação valerá zero aos olhos do mundo civilizado, contribuirá para o empobrecimento cultural do nosso País, e deixará muito mal na fotografia o Partido Socialista, o governo português e o ancestral povo de Azambuja, os quais não acompanharam o evoluir dos tempos!

 

Isabel A. Ferreira

 


Fonte: 

https://www.publico.pt/2018/07/27/local/noticia/camara-quer-candidatar-tauromaquia-a-patrimonio-imaterial-1839345

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:39

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 2 de Abril de 2018

As grandes mentiras e as grandes verdades da tauromaquia

 

O mundo tauromáquico assenta em três grandes pilares:

Mentira, Ignorância e Estupidez.

 

Durante séculos mentiu-se, ignorou-se o óbvio e praticaram-se (e continuam apraticar-se) os mais estúpidos actos, em nome deste divertimento de brutos:

 

 

Hoje, não podem dizer que não há informação. Ela existe às carradas, mas ainda assim, as mentes atrasadas recusam-se a informar-se e a acatar o desenvolvimento científico, que coloca os Touros e os Cavalos no rol dos seres mais sencientes do Planeta.

 

E como a ignorância é muita, e a vontade de evoluir é nula, os adeptos desta prática selvática mentem para si próprios, porque recusam a realidade e a evolução.

 

Por isso espalham por aí estas grandes mentiras em que a tauromaquia assenta. Mas para as grandes mentiras, existem as grandes verdades.

 

A maioria dos Portugueses gosta de touradas

– Mentira

 

A esmagadora maioria dos Portugueses abomina as touradas

- Verdade

 

Cada vez mais Portugueses vão assistir a touradas

– Mentira

 

Cada vez mais Portugueses se afastam das touradas

- Verdade

 

Os tauricidas dizem que amam o Touro

– Mentira

 

Os tauricidas amam torturar o Touro

- Verdade

 

A tauromaquia não é financiada com dinheiros públicos

– Mentira

 

A tauromaquia é financiada com os impostos dos Portugueses

- Verdade

 

A tauromaquia subsidia-se a si própria

– Mentira

 

A tauromaquia sem o financiamento do Estado Português desaparecia

- Verdade

 

O touro vive como um rei durante quatro anos

– Mentira

 

Durante quatro anos o Touro sofre as maiores sevícias, para se tornar “bravo” para a lide

- Verdade

 

O Touro nasceu para ser toureado

– Mentira

 

O Touro é um bovino, herbívoro e manso, que nasceu para viver tranquilamente a pastar nos prados

- Verdade

 

O Touro gosta de ser toureado

– Mentira

 

O Touro, como animal que é, não gosta de ser toureado, e a prova disso é quando, na arena, ele manda um carrasco, desta para melhor, em legítima defesa

- Verdade

 

O touro não é torturado, física e psicologicamente antes de uma corrida

– Mentira

 

O Touro é torturado barbaramente, física e psicologicamente, antes da corrida

- Verdade

 

O Touro não é torturado nas corridas de touros

– Mentira

 

O Touro é torturado barbaramente, antes, durante e depois da lide

- Verdade

 

O touro não sente dor

– Mentira

 

O Touro, sendo um animal mamífero, possuidor de um sistema nervoso central sente dor tal como os homens

- Verdade

 

O Touro não sofre

– Mentira

 

O Touro, ser senciente, tem emoções e sofre tal como os homens sensíveis

- Verdade

 

E todas estas verdades estão comprovadas cientificamente, e que não estivessem, basta ser-se humano para não fazer aos outros o que não gostaríamos que nos fizessem a nós.

 

Não é esta a regra de ouro dos cristãos?

 

E não é a actividade tauromáquica apoiada pela igreja católica? Então onde fica a compaixão cristã, a regra de ouro, a piedade pelo sofrimento de um animal que tem um ADN semelhante ao do Homem?

 

Vivemos tempos bárbaros, governados por bárbaros, em pleno retrocesso…


Em suma, uma vergonha!

 

Isabel A. Ferreira

 

Tema inspirado no texto do Mário Amorim:

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2018/03/29/a-mentira-compulsiva-e-um-indicio-claro-de-uma-mente-psicopata/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:06

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 12 de Fevereiro de 2018

A PERVERSÃO TAUROMÁQUICA NO MUNDO

 

São apenas oito, os países que ainda mantém esta prática medievalesca. Entre eles, encontra-se Portugal, que à conta disso, carrega o estigma de um atraso civilizacional terceiro-mundista.

E em pleno século XXI da era cristã, estarmos aqui a falar da tauromaquia no mundo é algo indigno para a Humanidade.

Mas enquanto esta praga não for extinguida, temos de continuar a combatê-la até que o último Touro e o último Cavalo sejam libertados das mãos dos seus carrascos.

 

ONU.jpg

 

Comecemos pela recente recomendação da ONU

 

Recentemente, um comité sobre os Direitos das Crianças da ONU recomendou a Espanha (e apenas a Espanha, por que não também a Portugal ou à França, para referir apenas os três países da muito civilizada Europa que teimam em manter um pé na Idade Média?) a proibição da participação de crianças nas touradas, apontando nas suas conclusões que considera preocupantes os “efeitos dos danos” nas crianças nelas envolvidas.

 

Isto será uma manobra de diversão? A gota de água que não esvaziará o “copo tauromáquico”, porque a ONU esqueceu-se de que os “efeitos dos danos” também se fazem sentir nos adultos tornando-os insensíveis, sádicos e a anos luz da civilização.

 

Gehad Madi, membro do Comité, disse a este propósito, esta coisa espantosa: «O organismo, em geral, não é contra a tauromaquia na Espanha, já que é um evento histórico e cultural, mas usar crianças como toureiros é um exercício violento”.

 

Como disse, senhor Gehah Madi? A tortura de Touros e Cavalos é um evento histórico assim do género de um desfile onde se recria a corte de Isabel, a Católica, de Espanha? Ou um evento cultural, assim como o lançamento de um livro, ou um concerto de música clássica, ou uma peça de teatro?

 

Isto é inacreditável. O senhor Gehadi Madi não deve fazer a mínima ideia do que é uma tourada, para lhe chamar o que chamou.

 

E a ONU, para fazer esta triste figura, mais valia estar CALADA.

 

***

Lixo tauromáquico regressa à Ásia…

 

através de um projecto turístico (?) desenvolvido pelo montador português Marco José, em Guizhou, na China, (pasmemo-nos) destinado a mostrar a multiculturalidade de vários países, entre eles o nosso pobre país, tão mal representado por aí...

 

E como Portugal nada tem para exportar da sua Cultura Culta, exporta o lixo tauromáquico, com o aval do governo português.

 

Bem, isto nem sequer é para levar a sério, nem vai vingar, porque a China está a civilizar-se e as organismos animalistas estão atentas.

 

Um "tuguinha" (porque ser português é outra coisa) que precisa de sair da Europa e ir para os confins do mundo, carregando o lixo tauromáquico às costas, significa apenas uma coisa: a selvajaria tauromáquica está com os dias contados. Até porque isto não é uma tradição, e muito menos portuguesa. Isto é um costume bárbaro espanhol que os reis Filipes, de má memória, introduziram em Portugal para os atrasados mentais da época se divertirem. E foi ficando em Portugal, porque a raça dos parvos ainda não se extinguiu.

 

Mas já está em vias de extinção...

 

Isto é uma vergonha para Portugal.

 

Desejo ao montador português que tenha o maior fracasso para a sua empreitada, porque isto  não é maneira de prestigiar Portugal nem a sua Cultura.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:05

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 4 de Outubro de 2017

O QUE ACONTECE QUANDO COLOCAMOS UM TOURO E UM CAVALO JUNTOS

 

 

«O que acontece quando colocamos um touro e um cavalo juntos, sem bandarilhas nem toureiros? Ambos brincam sem maldade como se pode ver neste maravilhoso vídeo.

 

As touradas são uma farsa, plena de crueldade com os animais, onde se promove um combate desigual e a crueldade com touros e com os cavalos. Hoje assinala-se o Dia Mundial do Animal. É o dia deles também e um momento para reflectir. Vejam e partilhem. As touradas são uma farsa, plena de crueldade com os animais, onde se promove um combate desigual e a crueldade com touros e com os cavalos.

 

Hoje assinala-se o Dia Mundial do Animal. É o dia deles também é um momento para reflectir.

 

Vejam e partilhem

 (Plataforma Basta de Touradas)

 

 

 

(LUTA BRUTA é algo que não existe no vídeo... mas os homens gostam de brutalizar tudo à medida do mundo deles)...

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:34

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 23 de Março de 2017

«Vinho, Touros e Mulheres»...

 

Um estudo que realizei em 2012, assente numa troca de palavras com tauricidas, quando, certa vez, decidi tomar-lhes o pulso, nas páginas deles, no Facebook, não estava ainda bloqueada. Depois disto, bloquearam-me, mas o estudo ficou feito. E o resultado é o que aqui apresento.

 

Infelizmente está actualíssimo, o que significa que Portugal não evoluiu absolutamente nada, nesta matéria de crueldade, violência, estupidez e ignorância, que dá pelo nome de tauromaquia.

 

VINHO TOUROS E MULHERES.jpg

 Cena do filme «Matador», de Almodovar

 

Por vezes deambulo pelas páginas dos tauricidas, no Facebook, para lhes “tomar o pulso”.

 

Quando me permitem, provoco-os, porque “a alma não tem segredo que a conduta não revele”, e é precisamente nessa revelação que podemos conferir o carácter dos tauricidas e dos aficionados.

 

É que é extremamente importante conhecer a mente deles, para avaliarmos da legitimidade que dizem ter para cometer o tauricídio, e aquilatarmos da permissividade e cumplicidade dos estéreis intelectos das autoridades deste nosso País.

 

Quase sempre sou bloqueada nessas páginas, talvez pelo modo nu e cru como digo as coisas que os outros também dizem sob uma capa dourada e bem cozinhadas. Ou apenas porque o que digo é dito por uma mulher. E os machistas torcionários odeiam que as mulheres os afrontem.

 

Ser bloqueada não é coisa que me incomode, nem pouco mais ou menos.

 

Contudo, desta vez, talvez por ser a página de um evento («Eu vou defender a festa», da "prótoiro"), e não poder bloquear-se ninguém (não sei se é possível, o facto é que não fui bloqueada), consegui ficar ali a “picá-los”, utilizando as palavras como “bandarilhas” (a palavra é a arma com que vou para as “guerras” que travo com os homens predadores do nosso Planeta, e não são só com tauricidas, e nem só com os portugueses).

 

E obtive resultados magníficos, precisamente os que esperava ter.

 

Entretanto já havia esgrimido com os torcionários limianos, devido à minha intervenção contra a “Vaca das Cordas” (um ritual também primitivo e irracional que me chocou) os quais me atulharam de matéria-prima, para este “estudo de carácter” a que me propus.

 

As conclusões a que cheguei resumem-se à frase que deu título a este texto, saída da boca de um forcado (mais do que uma vez) que tem o maior orgulho de o ser, como se pegar um Touro já exaurido, moribundo, mas ainda com um forte instinto de defesa, fosse a maior proeza e a suprema honra do mundo.

 

Descobri que «vinho, Touros e mulheres» (por esta ordem, segundo o tal forcado) é o lema dos tauricidas, forcados e aficionados, e de todos os que gostam de divertir-se à custa da tortura de Touros, seja em que modalidade for (há muitas variantes do arcaico ritual taurino), tendo sido utilizado várias vezes, por vários indivíduos.

 

Primeiro é-lhes servido o vinho, pois sem ele não teriam “coragem” de ir para uma arena enfrentar um Touro, ainda que já meio depauperado, pela tortura preliminar a que é sujeito, nos bastidores. O que chamam a “bravura” do Touro na arena é simplesmente o instinto de defesa comum a TODOS os animais, humanos e não-humanos. Podemos comparar o que se passa numa arena entre um Touro e um tauricida, com o que se passava nos circos romanos entre os homens e os leões esfomeados, ou entre dois gladiadores, onde o instinto de sobrevivência dos intervenientes humanos e não-humanos era o que fazia a diferença entre viver e morrer.

 

Já com o vinho a correr-lhes nas veias, mais do que o sangue, lá vão eles para a arena, de fatinho justo, a marcar-lhes a formas do corpo, e collants cor-de-rosinha, demonstrar toda a selvajaria de que são capazes, mascarando aquelas caras com expressões diabólicas e grosseiras (existem várias fotos que o demonstram), ao mesmo tempo que desvendam o verdadeiro sentido do que os leva ali: a busca da  “virilidade” que não têm.

 

Depois de torturarem o Touro e o Cavalo (quando o tauricídio o requer) com requintes de malvadez, deixando os animais num estado absolutamente deplorável, em extrema agonia, o que lhes acende a chama da tal “virilidade” que buscam desesperadamente, os tauricidas deixam a arena, com ares de heróis bonifrates, a bambolearem-se, tal como aqueles “machos” dos filmes mexicanos de má qualidade.

 

Saem da arena, com florzinhas nas mãos, e vão para os braços das mulheres, porque só depois do vinho e de descarregarem sobre o Touro toda a imbecilidade que lhes corrói as entranhas, conseguem o que normalmente não lhes é acessível...

 

Pobres mulheres, aquelas que são casadas! É a única ocasião em que podem ser mulheres...

 

(Atenção! Isto não sou eu que digo. São elas).

As outras, bem... lá sabem...

 

Posto isto, consegui chegar a muitas outras conclusões, bem patentes nos comentários que se seguiram às “bandarilhadas” que lhes mandei, na tal página do Facebook, e noutras onde consegui infiltrar-me, sem que eles se dessem conta de que estavam a ser “toureados”.

 

Neste estudo, está incluída para cima de uma centena e meia de pessoas de ambos os sexos, ligadas ao tauricídio (portuguesas e espanholas), com quem tive oportunidade de esgrimir ao longo destes dois últimos anos.

 

Afinal, qual o perfil de um tauricida e dos aficionados, na sua generalidade?

 

Todos têm algo em comum: pouca ou nenhuma instrução. Mesmo aqueles que se dizem “licenciados”, não demonstram qualquer tipo de saber. O que sabem é resumidamente isto: «tourada é tradição, é cultura, é arte, é um símbolo nacional, tal como o Fado, a Bandeira Portuguesa ou o Hino Nacional, e que se se é português, é-se aficionado, e que a tourada não pode acabar, porque o Touro extinguir-se-á com ela, e quem não gosta, não vá; e que têm direito à liberdade...» enfim, uma lengalenga aprendida em criança e que os seguiu até à fase adulta, sem terem questionado o que quer fosse, porue lhes falta a massa crítica.

 

Da Cultura Culta estão a anos-luz de distância.

 

Não têm noção alguma do que é a civilidade, a lucidez, o bom senso, e o QI deles é do nível mais baixo.

 

Possuem uma “coltura” tosca, pobre em pensamentos, palavras e obras. Vivem num mundo redondinho, fechadinho, que não vai além do quintalinho ou das quintas muradas, onde passam os dias. Os horizontes não estão ao alcance deles.

 

A mentalidade é extremamente rude e enlatada. Cristalizada. Naquelas cabeças não entrará mais nada. Nasceram e cresceram a ouvir que «tourada é tradição, é cultura, é arte, é um símbolo, ta ta ta, ta tat ta, ta ta ta...» e vão morrer com essas ideias impingidas logo à nascença.

 

Não sabem que o Touro é um animal como eles, porque eles também não sabem que são animais. Pensam que são outra coisa. O quê? Não conseguiram explicar.

 

Sabem também que o Touro nasceu para ser linchado com “honra”, numa arena, porque, dizem eles, é disso que ele (o Touro) gosta. Uma conclusão bem patente nas expressões dolorosas que qualquer pessoa lúcida pode ver na fisionomia dos desventurados animais, no fim da lide, à excepção dos tauricidas, que nem sequer conseguem distinguir um Touro vivo de um Touro moribundo ou morto.

 

Não conseguem fazer um raciocínio lógico, a partir do mais simples tema.

 

Não sabem argumentar, nem sequer conseguem alcançar o significado de determinadas palavras.

 

Misturam alhos com bugalhos, e andam ali às escuras e às voltinhas, sem darem com a saída.

 

Não são capazes de seguir um discurso que tenha mais do que meia dúzia de vocábulos.

 

Justificam o injustificável, com insultos, muitos deles dos mais ordinários e violentos que existem, o que não admira, pois condizem perfeitamente com a própria “coltura” deles.

 

Enfim, demonstram uma incultura crassa, que diz da pobreza do sistema político português que, desde o tempo da ditadura salazarista e do pós-25 de Abril, também combato.

 

Não interessa aos governantes portugueses um povo culto, instruído, educado. Um povo que saiba raciocinar e que tenha massa crítica. Um povo que saiba separar o trigo do joio (é por isso que temos os governantes que temos).

 

Um povo culto é, naturalmente, insubmisso. O que não convém aos governantes.

 

Um povo submisso não lhes faz frente. É mansinho. Diz que sim a tudo. E é disso que os governantes gostam.

 

Por isso, o nosso sistema de ensino é a pobreza que se vê. Não se ensina para pensar, mas para dizer Ámen.

 

Por isso, a ignorância e o vil metal são as palavras-chave de toda esta hipocrisia que anda ao redor do tauricídio, uma “tradição” degradante, envolta em rituais primitivos, cruéis e sanguinários, que colocam Portugal entre os países menos civilizados do mundo.

 

Lidar com esta gente não foi fácil, mas mais difícil é fazer com que os governantes portugueses (quase todos senhores doutores e engenheiros) e a Igreja Católica portuguesa (que abençoa os tauricidas) consigam fazer um raciocínio lógico e acabem, de uma vez por todas, com algo que está alicerçado na ignorância e (pasmemo-nos!) no vinho...

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:32

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

«TOURO, CAVALO, HOMEM…»

 

Um texto do médico veterinário Dr. Vasco Reis

Para ler e reflectir… e depois disto só quem for completamente acéfalo é que continuará a dizer que os touros e os cavalos não sofrem…

 

EMBRIÕES.png

 Aqui estão os embriões de um cavalo, de um bovino (touro) e de um ser humano. Quem conseguir dizer que embrião pertence a qual espécie... saberá muito mais do que imagina… Mas se não souberem, perguntem e responderei. E depois pasmem-se...

 

«Touro, Cavalo, Homem.

 

Nas 3 espécies:

 

O desenvolvimento embrionário é idêntico nas primeiras fases e pouco diverge nas fases seguintes, além de aspectos morfológicos e de alguns órgãos não essenciais.

 

Pode verificar-se que o esquema anatómico (aparelhos e sistemas) é comum; fisiologia e neurologia são idênticas.

 

A semelhança de sistema nervoso (centros nervosos, nervos) é flagrante.

 

A partir de encéfalos (central onde se processa o sentir, o pensar, o compreender, o decidir, o reagir) com estruturas correspondentes nas 3 espécies, é de se esperar que senciência/sentidos, emoções, consciência, sentimentos, estados de disposição, reacções sejam muito semelhantes nas três.

 

Os vários comportamentos confirmam isso mesmo, implicando semelhanças de necessidades (ar, alimento, água, movimento, espaço, liberdade); de sentidos; de consciência do que se passa à volta; de inteligência; de sentimentos; de emoções; de humores; de reacções a agressão, dor, ferimento, susto, prisão, cio; de confiança e desconfiança; de amizade; de sentido de guarda e de protecção; de ligação sentimental maternal, filial, paternal, fraternal, de grupo; de gosto por carícia, por desafio, por provocação, por brincadeira, etc.

 

Agressão a um touro ou a um cavalo - seres sencientes - é causadora de sofrimento, não muito diverso do que sofreria um ser humano em circunstâncias análogas.

 

Sofrimento físico (dor) é fundamental para compelir o ser a defender-se, a afastar-se do agente causador e a procurar segurança e alívio. A dor é assim fundamental e imprescindível para a defesa e a sobrevivência do ser e da espécie.

 

Não é reacção que se ponha de lado com mais ou menos excitação ou com mais ou menos hormonas (ao contrário do que Illera pretende na sua pseudociência).

 

As plantas são seres desprovidos de sistema nervoso e, portanto, não podem sentir dor, não têm consciência, não podem reagir rapidamente, não podem fugir. Não sofrem!

 

Vasco Reis, médico veterinário

Aljezur, 13 de Janeiro de 2014.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/vmmreis/posts/1206826349407743?notif_t=notify_me&notif_id=1484337081059237

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:54

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 8 de Outubro de 2016

COMPAIXÃO – SENTIMENTO COMUM A TODOS OS SERES SENCIENTES

 

«É bem evidente que este cavalo sentiu compaixão pelo touro ensanguentado e já ajoelhado no chão, sem forças para se erguer.

 

Sim, os animais também podem sentir compaixão. Não é por acaso que eles acolhem e cuidam até de animais de espécie diferente.

 

Este impressionante momento entre cavalo e touro, é arrepiante, e devia ser um aguilhão na consciência dos homens, que estes dois seres sencientes e sofridos parecem interrogar.» (Maria João Gaspar Oliveira)

 

SENCIÊNCIA ANIMAL.jpg

 

Fonte:

https://www.facebook.com/1557855044442398/photos/a.1858361251058441.1073741828.1557855044442398/1858373357723897/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:00

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
15
16
19
20
22
23
27
28
29
30
31

Posts recentes

António Ribeiro Telles ho...

Carta aberta a D. Manuel ...

Quem verdadeiramente ama ...

Senhor vereador da CM de ...

As grandes mentiras e as ...

A PERVERSÃO TAUROMÁQUICA ...

O QUE ACONTECE QUANDO COL...

«Vinho, Touros e Mulheres...

«TOURO, CAVALO, HOMEM…»

COMPAIXÃO – SENTIMENTO CO...

Arquivos

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt