Domingo, 22 de Junho de 2014

A CORRIDA DO PORCO PRETO, NO SÃO JOÃO DE BRAGA, ATIROU A CIDADE PARA O NÍVEL ABAIXO DE LIXO

 

Quiseram desenterrar costumes bárbaros medievais, e o retorno a um passado onde a ignorância e a crueldade imperavam manchou a ex-moderna cidade de Braga.

 

A estupidez medieval aconteceu. Espera-se que pela última vez.

 

 

Foto: Ana Barros in https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10202294374460583&set=a.10202294292538535.1073741922.1227891809&type=1&permPage=1

 

Este é o infeliz Libório, que foi retirado do seu habitat e, em pânico, com o barulho dos bombos e dos foguetes, foi perseguido e maltratado por um bando de gente histérica.

 

***

 

(Para verem este vídeo têm de carregar onde diz YouTube, no canto direito, em baixo.) 

 

REGRESSO AO PASSADO

 

Por Noémia Pinto

 

(Subscrevo integralmente este magnífico texto - I.A.F.)

 

«Parece que ontem, dia 20 de Junho, se cumpriu uma «tradição» em Braga, manchando a festa alegre que se pretende que o S. João seja. Uma tradição que não era cumprida há 98 anos. Saudosa, portanto!

 

Diz quem viu e até faz (má) locução na TV Minho que foi «um momento bonito». Eu olho para aquelas imagens e ocorrem-me vários adjectivos. Nenhum deles será bonito. Bonito, bonito seria deixarem o Libório no seu cantito.

 

Foi-me garantido, ainda na véspera de tão fantástica ressurreição, por um amigo próximo que estava na organização de tamanha crueldade, que o animal não sofreria qualquer dano. Eu, conhecedora do comportamento humano quando em «matilha» e frequentemente em estado de pouca sobriedade, imaginava o que por aí viria.

 

Infelizmente, pelo que li de relatos de quem viu o acontecimento e foi mais imparcial do que o magnífico repórter da TV Minho e pelo que vi nas imagens, a realidade foi mais ou menos como eu a imaginara.

 

O pobre porco, assustado com toda a confusão, medo que terá sido também agravado pelo disparo de morteiros, recusou-se a sair do veículo de transporte, pelo que foi puxado pelas orelhas e pela cauda para sair. Como insistia em não fazer o gosto à populaça, foi pontapeado. Aterrado, lá saiu da carrinha, desatando a correr. Como por vezes corria em sentido oposto àquele em que era suposto que corresse, era arrastado pelas orelhas e pela cauda.

 

Para quem garantia que ninguém poderia tocar no porco, algo falhou aqui, não? E depois desta vergonha, vão continuar a dizer que o animal não sofreu nada? Pelo menos sejam honestos e digam que não querem saber se o animal sofre ou não porque todos se consideram superiores a ele. Ou estão agora com medo dos tais «jeitosos que andam a chatear»?

 

Que o povo triste, ignorante, que mal ganha para a côdea goste destes acontecimentos, que representam o ponto alto nas suas vidas sem cor, até percebo. O que não percebo é que, mais uma vez, os estudantes estejam ligados a uma prática bárbara. Os estudantes devem ser motor de mudança dos países e suas sociedades. Os estudantes devem desenvolver o seu espírito crítico e a sua humanidade, libertando-se ou afastando-se da boçalidade e da barbárie. O que aqui aconteceu foi o oposto. Os estudantes ajudaram a que a barbárie e a crueldade se instalassem.

 

Para terminar, quero partilhar convosco o que descobri na página aberta de Facebook de um dos magníficos organizadores das fantástica e nada cruel «corrida»: um desenho do dito senhor a perseguir o porquito, utilizando uma linguagem que só por si ajuda a apelar ao que de mais baixo o ser humano tem dentro de si.

 

Para mim, a crise maior é esta, a perda de valores tão elementares como o respeito pelos outros, quer sejam os outros humanos, quer sejam outros animais. Convivemos todos neste espaço redondo, cada vez mais estragado, o mínimo que podemos fazer é respeitarmos o outro. Seja ele quem for. O regresso de tradições cruéis só nos fica mal.»

Fonte:

http://aventar.eu/2014/06/21/regresso-ao-passado-3/#more-1216916

 

***

BRAGA ENVERGONHADA NA RTP

(Ver o vídeo)

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=746839&tm=8&layout=122&visual=61

 

«Durante os serviços noticiários de hoje, Braga, a NOSSA CIDADE, é retratada como um palco de atrasados mentais que querem vivem na Idade Média.

 

 Estas imagens não foram invejadas em lado algum de Portugal, provocaram sim estupefacção dos portugueses (mesmo os que estão no estrangeiro) pelo facto de não se tratar de imagens de uma terra recôndita e com atraso civilizacional, mas sim da 3ª CIDADE DO PAÍS!

 

Os que estiveram presentes na "Corrida do Porco Preto" não são os que não estiveram lá, são uma minoria da cidade.

 

Grande parte dos que, movidos pela curiosidade, se deslocaram ao local, ficaram chocados e sem reacção, um sentimento estranho e inexplicável diante de alguns que até se divertiam com a vida deste animal, transformada em miserável, sem dignidade, sem apreço, sem nada

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?v=258337511018502&set=vb.252006934984893&type=2&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:53

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 9 de Março de 2014

DEFENDER A TOURADA À CORDA É DEFENDER A INCULTURA, A TORTURA E A BOÇALIDADE

 

A Associação Regional de Criadores de Touros da Tourada à Corda em Angra do Heroísmo é liderada desde o início do ano por uma nova geração, composta apenas por filhas de ganadeiros

 

 TRÊS PRECIOSAS CANDIDATAS AO PRÉMIO NOBEL DA INTELIGÊNCIA

ooo

 

Aqui estão as três preciosas meninas, filhas de ganadeiros açorianos, a defender a tourada à corda, pois claro, que é a única coisa que conhecem desde que nasceram.

 

Então a Marianinha, que apela à união entre os aficionados para combater os ataques anti-taurinos, diz que «cada um tem a liberdade de gostar ou não, mas a ideia que eles (os anti) transmitem é que não querem que o outro tenha a liberdade de gostar de touradas

 

Mas sabe, Marianinha, é que a tourada não tem nada a ver com liberdade, até porque amarram o bovino com cordas e este não fica com liberdade de se movimentar à vontade dele, ficando à mercê dos carrascos.

 

Não era esta liberdade?

 

Ah! Sim, a outra. Mas a outra também não entra aqui. Sabe porquê, Marianinha? Porque torturar um ser vivo não é do âmbito nem da liberdade, nem dos gostos, Mas da Ética, da Evolução, da Cultura Culta, da Civilização...


E sabe que o outro, de que fala, é também o bovino que torturam?

 

Não ensinaram à menina Marianinha os conceitos de liberdade, de gosto e de respeito? Pois não! Apenas ensinaram que a tortura é uma “tradição religiosa” e pronto. Tem de se fazer para agradar aos santinhos da igreja católica, por ocasião das festas a eles dedicadas.


E sabe, os santinhos devem adorar essa tortura! Quando os torcionários morrerem serão recebidos no céu com muitas palmas e flores, por terem tratado com compaixão os animais não humanos. Vai ser uma festa!

 

E a Marianinha acrescenta: «Isso é que está mal. Em primeiro lugar, somos humanos, temos de ter respeito pelo próximo e o que acontece é que essas pessoas não respeitam o próximo».


Por acaso a Marianinha sabe o que é ser humano? Também não sabe. Ser humano é ser compassivo, bondoso, caritativo, piedoso, misericordioso, clemente, benevolente, generoso, compreensivo, tudo o que quem tortura bovinos mansos não é.

 

O senhor padre não ensinou à Marianinha este conceito cristão? Se não ensinou, devia ter ensinado.

 

E se querem merecer respeito, têm de respeitar o próximo, e o próximo inclui os bovinos, que também são criaturas de Deus.

 

O senhor padre também não ensinou isto à Marianinha?

 

Pois… há muito falhanço nos ensinamentos que a igreja devia transmitir aos seus fiéis, e não transmite. E isso é um grande pecado!

 

Para finalizar, a Marianinha espera esta coisa espantosa: a isenção de taxas para as touradas à corda, já anunciada pela autarquia de Angra de Heroísmo, porque isto é uma mais-valia para os ganadeiros.

 

Pois claro! Para os ganadeiros. A menina puxa a brasa para a sua sardinha.

 

E a isenção de taxas para os comerciantes? Para o arroz, o pão e os restantes géneros alimentícios, por exemplo? Não seria mais adequado e não beneficiaria mais gente, gente que passa fome, para que os ganadeiros vivam na fartura?

 

O que vale é que os ganadeiros não levam para a cova os dinheiros que recebem, mas serão penalizados pela Lei do Retorno, pelo mal que fizeram às criaturas de Deus.

 

Esta é que é a grande e infalível verdade!

 

Fonte:

https://www.facebook.com/451257841614428/photos/a.451275978279281.101438.451257841614428/645146072225603/?type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:55

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 30 de Agosto de 2013

«BARRANCOS UMA VILÓRIA POVOADA DE MENTECAPTOS»

 

Por Prótouro

 

«Na vilória dos barrancus, começou a festa ou será fiesta? Seis touros e uma vaca serão torturados e mortos em nome não da tradição como eles clamam, mas sim em nome do cachondeo.

 

Este é o cachondeo dos barrancus:

 

 

Repare-se no sofrimento do touro, estampado no seu semblante. Repare-se na boçalidade do torcionário. Repare-se no que o rodeia. E aquele que está de cabeça para baixo? Estará bêbado, ou entrou em transe pela alegria de ver a morte diante dele? É óbvio que isto tem de acabar.

 

Perguntar-se-ão que raio quer dizer cachondeo uma vez que essa palavra não existe no dicionário da língua portuguesa. Pois é a palavra não existe porque é castelhana e significa divertimento, gozo e é isso que este povo que vive numa parcela de território português fala ou seja castelhano. E à boa maneira castelhana, gozam com a tortura e a morte de touros.

 

Territorialmente são portugueses, mas a sua vivência e linguagem é espanhola.

 

Este é o povinho, que durante o mês de Agosto, envergonha Portugal com a benesse que lhes foi dada há 11 anos pelos políticos de pacotilha que governavam o país.

 

Prótouro

 

Pelos touros em liberdade»

 

Fonte:

http://protouro.wordpress.com/2013/08/30/barrancos-uma-viloria-povoada-por-mentecaptos/

 

***

COMENTÁRIOS:

 

É preciso que se diga quem assinou a autorização “excepcional” (vejam bem, o cinismo, excepcional) para touros de morte em Barrancos (ou Barrancus). Foi o, na altura, Presidente da República JORGE SAMPAIO que pertence ao um partido – PS – que segundo apurei NÃO É PROPRIAMENTE UM PARTIDO ANTI-TOURADA… todos sabem disso.

 

Que aquela autorização pese bem fundo na consciência desse ex-Presidente !!! (Carlos Ricardo)

 

***

Repare-se na boçalidade do torcionário, e no que o rodeia.

Vilória? É muito para esta terrinha atrasada. Barrancos é um acampamento de psicopatas.

 

E o PS ficará para sempre ligado a esta barbárie em território português (Isabel A. Ferreira)

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:21

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

A CORRIDA DO PORCO PRETO,...

DEFENDER A TOURADA À CORD...

«BARRANCOS UMA VILÓRIA PO...

Arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt