Sexta-feira, 9 de Novembro de 2018

«OS TOUROS E A LIBERDADE»

 

 

Num momento em que a Cultura e a Civilização foi posta em causa por um poeta, recordemos este magnífico texto de Duarte Belo, fotógrafo, filho do Poeta Ruy Belo

 

TOURO.jpg

E pensar que este magnífico Touro

é transformado nisto:

TOURO2.jpg

 …por “gente” como esta:

TOUREIRO.png

«O problema destas criaturas é que lhes falta mundo, educação, cultura. A única realidade que conhecem é mesmo esta, dos costumes bárbaros, da brejeirice. Muitos, só conhecem, e mal, o mundinho onde vivem ou quanto muito foram a Badajoz comprar caramelos. Não evoluem, porque não podem. Não têm capacidade. Pararam no tempo. São uns pobres de espírito. São empedernidos, fossilizados. A única esperança é que entrem em extinção, brevemente» (Judite Corte-Real)

 

***

«OS TOUROS E A LIBERDADE»

 

«Numa viagem recente atravessei Portugal de norte a sul. Já em terras alentejanas paro o carro para fotografar animais a pastar. Quando me aproximo da cerca, as vacas e os bois levantam a cabeça e olham-me fixamente. Por breves momentos como que se estabeleceu ali um diálogo entre duas espécies biológicas diferentes. Fiz algumas fotografias. Haveria de recordar, mais tarde, outros encontros com animais, outras imagens, num percurso mental pelo meu arquivo fotográfico.

 

Não posso negar que tenho dificuldade em compreender que espectáculo é esse em que se amputa a principal arma de defesa de um animal, os seus chifres, e se o empurra para o centro de uma arena, onde, do alto de um cavalo leve, rápido e ágil, é proporcionada ao cavaleiro a posição dominante e segura para espetar bandarilhas no seu dorso. O sangue não tardará a escorrer pelo seu corpo negro, musculado e pujante. O animal, longe dos horizontes vastos em que cresceu, vai revelar um sofrimento crescente.

 

As touradas são a exibição pública de um confronto entre duas espécies em que há uma que sai sempre derrotada. A aparente manifestação de bravura dos toureiros é o símbolo arcaico de sociedades desiguais em que um macho dominante simbolizava a defesa contra os inimigos da comunidade, fossem eles de tribos rivais ou as próprias intempéries vindas do céu ou os abalos da terra.

 

O mundo mudou. Terá passado o tempo em que as touradas eram elogiadas em páginas de bela literatura. Hoje há enormes problemas ambientais com a que a humanidade se defronta. É o aquecimento global ou a extinção acelerada de numerosas espécies. Está em risco um equilíbrio planetário do qual dependemos para a nossa própria sobrevivência. Poderá parecer que as touradas nenhuma relação têm com os problemas ambientais com que nos deparamos na actualidade, mas têm tudo em comum. É a continuidade de uma atitude arrogante perante a Natureza. Assumamos a nossa condição animal. Será quando nos soubermos reintegrar, regressar, em certa medida, à Natureza, respeitar as outras espécies que connosco partilham esta casa comum, a Terra, que daremos um passo em frente num processo civilizacional que não tem regresso.

 

Há muitas coisas que estão mal na nossa sociedade, há tradições profundamente nefastas que urge ultrapassar. Uma tomada de consciência sobre aquilo que realmente podemos ser como espécie biológica, no contexto desta contemporaneidade, poderá conduzir-nos a uma sociedade mais livre, justa e igualitária.

 

Talvez apenas o conhecimento nos transporte a estados clarividentes de consciência de tempo, de espaço, de vida. O conhecimento do mundo baseado nessa fascinante narrativa que a ciência nos tem vindo a desvendar, tão sabiamente acompanhada pelas leituras da arte, da poesia, das intuições disruptivas, é uma estrada fascinante. Olhemos longe o horizonte. Projectemos viagens que não signifiquem a anulação, a destruição do outro, seja ele humano ou não. Já nos podemos libertar dessa cruel e bárbara dimensão que ao longo de milénios fez de nós a mais poderosa máquina de sobrevivência e destruição. A extinção das touradas será bom sinal para uma humanidade mais livre, para um mundo melhor.

Duarte Belo»

 

(AVISO: este texto foi corrigido para a grafia portuguesa, via corrector automático, visto a aplicação do AO90 ser ilegal em Portugal).

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:57

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 25 de Fevereiro de 2015

“EL JUANITO” UM FORTE CANDIDATO A ESTROPIADO OU À MORTE PRECOCE

 

João Silva, mais conhecido por “El Juanito”, é um miúdo a quem roubaram a infância. A quem arrancaram a inocência do ser criança.

 Aos quatro anos foi lançado ao mundo da selvajaria tauromáquica e transformado num tauricida, vulgo torturador e matador de touros para diversão, com o aval do governo português e da CPCJ.

 

João Silva ainda é menor de idade.

E só podia ser de Monforte.

 

PDSMOURAO127.JPG

Fonte da imagem

http://farpasblogue.blogspot.pt/2015/02/a-colhida-de-el-juanito-em-mourao.html

Uma colhida sem consequências graves, em Mourão, um destes dias. Já não é a primeira. No ano passado, no dia 30 de Março, “El Juanito” foi colhido na praça de touros de Villanueva del Fresno (Badajoz). Um dia, as coisas poderão correr mal.

E de quem é a culpa?

 

Dos progenitores, que o lançaram  a este mundo de violência e crueldade, aos quatro anos de idade?

 

De uma lei bastarda, que permite esta violência e crueldade?

 

Do governo português, que apoia esta violência e crueldade?

 

Da igreja católica, que abençoa esta violência e crueldade?

 

Da comissão de protecção de crianças e jovens que nada faz para travar esta violência e crueldade contra menores?

 

Segundo foi noticiado, a colhida de "El Juanito" (o ainda menor de idade, dito diestro de Monforte), no acto macabro que, no dia 1 de Fevereiro de 2015, abriu oficialmente a temporada nacional da selvajaria tauromáquica, em Mourão, foram «momentos dramáticos»…

 

Sim… momentos de grande drama que o governo português proporciona, sem o mínimo respeito pela vida humana e não humana, e pelo bem-estar dos seres humanos e não humanos.

 

Se um dia “El Juanito” sai de uma colhida estropiado ou morto, quem aplaudirá?

 

Naturalmente os que promovem estes degradantes “espectáculos” de violência e crueldade que não dignificam o ser humano, nem a cultura de um povo.

 

As vítimas desta falta de humanidade são os touros, em primeiro lugar, pois são barbaramente torturados para entreter pacóvios; depois, as pessoas sensíveis que são vergastadas psicologicamente com esta degradação moral, cultural e social, que lhes esmaga a alma; e por último, os que se lançam (ou, neste caso, são lançados) a uma arena para torturar seres vivos, e de lá saem feridos, estropiados ou mortos.

 

Digam-me: isto será da racionalidade?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:01

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 3 de Junho de 2014

EM SANTA EULÁLIA (ELVAS) REALIZA-SE UM FESTIVAL TAURINO PARA PROMOVER AQUILO QUE DE MELHOR TÊM E SÃO ENQUANTO ALDEANOS?

 

Logo no dia de Camões, o nosso poeta maior?

 

Então direi como disse Maria João Barradas: «Eu pensava que aquilo que de melhor vocês tinham em Santa Eulália eram as referências históricas, nomeadamente os monumentos pré-históricos (e não as tradições pré-históricas), havendo vestígios do Paleolítico, Eneolítico, Bronze, Romanos e Visigodos na freguesia.

Quanto àquilo que são enquanto aldeões, gostarem de touradas não abona muito em vosso favor. Embrutece-vos

 

 

Em Santa Eulália o melhor que o povo de lá tem é a parvoíce das touradas? Coitadinho do povinho, nunca saiu da caverna, e acha que a estupidez é cultura da culta.

 

O presidente da junta de freguesia de Santa Eulália, o socialista Cláudio Carapuça, enfim, uma autoridade menor, mas ainda assim uma autoridade, tem o despudor de dizer precisamente que a tortura de bovinos é a coisa melhor que eles têm lá na terrinha para promover. Pois!

 

Para culminar espera uma grande afluência de público, tanto mais porque (diz ele) trata-se de uma causa nobre, que tem como fim apoiar a Associação Humanitária de Santa Eulália.

 

Torturar bovinos é uma causa nobre… desde quando? Onde?

 

Tenha vergonha, Cláudio Carapuça!

 

Evolua!

 

E já sabemos no que dá a caridadezinha tauromáquica: NADA. Nem se quer para as despesas da montagem do evento sanguinário dá.

 

E é muito bem feito, para aprenderem a ser gente civilizada, educada e culta, e recusar ofertas parvas de indivíduos cobardes que fazer negócio com a tortura de seres vivos indefesos.

 

Fiquei pasmada com a falta de educação e cultura que vi plasmada na página do Facebook desta junta, acerca deste evento sanguinário, quando Cláudio Carapuça escreveu:

 

«Infelizmente ainda há seres humanos que se comportam como alguns animais, pois não sabem o que é viver em harmonia, dado que não respeitam o território de cada um! Sempre defendi que para fazer valer o meu ponto de vista e a minha opinião não é necessário ACHINCALHAR nem desvalorizar a opinião dos outros. Ainda assim, é algo que acontece frequentemente, e por isso permitam-me também que partilhe convosco o meu gosto pelos animais, especialmente por VACAS! Tenho especial prazer em observar atentamente a postura das VACAS quando pastam nas searas alheias, sempre a morderem com a sua postura altiva e vaidosa, mas que ao primeiro assobio abalam cheias de medo, elas e os boizinhos mansos. Por último gostava ainda de dizer que dispenso as aulas do bom português, até porque a minha região caminha para uma eurocidade europeia de referência e dispenso a intelectualidade dos quequinhos da linha litoral.

 

Realmente esta é uma linguagem adequada a um autarca do PS, ainda por cima aficionado.

 

Cláudio Carapuça, engana-se. Os seres humanos que se comportam como animais comportam-se muito bem, como animais que são.

 

E nesta história de tortura de bovinos, não há opiniões, nem pontos de vista, há atitudes imbecis, condenáveis pelo mundo civilizado.

 

Os bovinos não são brinquedos. Querem brincar às marradas e às farpadas marrem-se e farpem-se uns aos outros, numa arena, mas deixem os bovinos em PAZ.

 

Faça alguma coisa ÚTIL pela evolução de Santa Eulália, uma terrinha com um atraso civilizacional acentuado. Basta ter uma arena em funcionamento.

 

Mas não é só.

 

Segundo Maria João Barradas, filha de um natural de Santa Eulália, e que conhece melhor do que ninguém a terra, diz que «a região não está a caminhar para nenhuma eurocidade de referência, pois isto não passa de propaganda socialista enganosa, e os socialistas já são conhecidos por distribuírem aquilo que não têm»

 

E diz mais, Maria João Barradas: «A Eurocidade, de que este arrogante tanto fala, não passa de um protocolo assinado a 16 de Setembro de 2013 entre Elvas e Badajoz com o objectivo de atrair mais emprego e investimento para a cidade de Elvas. É um protocolo, nada mais. Esta gente (socialistas) aproveita-se da ignorância de muita gente

 

Relativamente a Santa Eulália, refere a mesma fonte, «que nem sequer uma farmácia tem, a desertificação é total. A população, constituída na sua maioria por idosos (60 %,  tem de ir a Elvas buscar os medicamentos».

 

E Maria João Barradas diz ainda: «Preocupe-se mas é em resolver os problemas da sua região, Sr. Cláudio Carapuça!!! O que é que tem feito para os resolver? O Sr. Cláudio Carapuça em vez de perder tempo com bate-bocas no Facebook deveria arranjar transporte público para os velhinhos irem à farmácia, a Elvas,  comprar  medicamentos, em vez de irem de táxi e pagarem 45 euros. Eu sei que são reembolsados depois, mesmo assim para quem tem 300 euros de pensã, ficar sem 45 euros é obra. É uma vergonha que não haja uma farmácia numa das mais evoluídas freguesias de Elvas. Se esta é a mais evoluída, eu nem quero imaginar como é que serão as outras.

 

«Sr. Carapuça, em vez de perder tempo no Facebook, trabalhe, que é para isso que eu pago impostos em Elvas, que pelo que vejo estão a ser muito mal aproveitados!!!

 

E digo-lhe mais, quem ocupa a posição que o senhor ocupa nem devia ter certa linguagem. O senhor só está a envergonhar o seu partido e os outros Presidentes de Junta de Freguesia de Elvas

 

Eu só posso elogiar a educação do Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Santa Eulália que já me chamou vaca, ignorante e estúpida

 

***

Eis um testemunho rico em pormenores, que diz do carácter e da educação (ou falta dela) do senhor Carapuça, que a única coisa boa que tem em Santa Eulália para promover é a boçalidade da tourada.

 

Então o melhor que tem fazer é ANULAR esta iniciativa grosseira e primitiva, coisa para broncos se divertirem, e organizar assim uma espécie de Rock in Santa Eulália, para ter na terrinha milhares de pessoas a divertir-se com DIGNIDADE.

 

Ou então... demita-se. Não faz falta nenhuma em Santa Eulália.

 

E atenção! Há que boicotar o café Delta, dos Nabeiros, que apoia esta iniciativa sanguinária.

 

 Fonte:  

https://www.facebook.com/JuntadeFreguesiaSantaEulalia/posts/487605384719489?comment_id=490825497730811&notif_t=like

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:30

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 7 de Janeiro de 2014

ENSINAR CRIANÇAS A EXERCER VIOLÊNCIA CONTRA UM SER VIVO, INDEFESO E INOCENTE COMO ELAS, SERÁ UM CRIME OU UM CASTIGO?

Esta foto refere-se ao VI Encontro de Escolas Taurinas realizado em Fevereiro de 2013, no campo pequeno, com uma assistência de público a abarrotar as bancadas, como podemos verificar.

 

 

Origem da foto: http://www.taurodromo.com/galeria/2013-fevereiro/834-fotos-da-final-do-vi-encontro-internacional-de-escolas-taurinas

 

O QUE NOS DIZ A CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA PORTUGUESA?

Artigo 69.º

 

Infância

 

1. As crianças têm direito à protecção da sociedade e do Estado, com vista ao seu desenvolvimento integral, especialmente contra todas as formas de abandono, de discriminação e de opressão e contra o exercício abusivo da autoridade na família e nas demais instituições.

 

2. O Estado assegura especial protecção às crianças órfãs, abandonadas ou por qualquer forma privadas de um ambiente familiar normal.

 

3. É proibido, nos termos da lei, o trabalho de menores em idade escolar.

 

Artigo 70.º

 

Juventude

 

1. Os jovens gozam de protecção especial para efectivação dos seus direitos económicos, sociais e culturais, nomeadamente:

 

a) No ensino, na formação profissional e na cultura;

 

b) No acesso ao primeiro emprego, no trabalho e na segurança social;

 

c) No acesso à habitação;

 

d) Na educação física e no desporto;

 

e) No aproveitamento dos tempos livres.

 

2. A política de juventude deverá ter como objectivos prioritários o desenvolvimento da personalidade dos jovens, a criação de condições para a sua efectiva integração na vida activa, o gosto pela criação livre e o sentido de serviço à comunidade.

 

3. O Estado, em colaboração com as famílias, as escolas, as empresas, as organizações de moradores, as associações e fundações de fins culturais e as colectividades de cultura e recreio, fomenta e apoia as organizações juvenis na prossecução daqueles objectivos, bem como o intercâmbio internacional da juventude.

 

CAPÍTULO III

 

Direitos e deveres culturais

 

Artigo 73.º

 

Educação, cultura e ciência

 

1. Todos têm direito à educação e à cultura.

 

2. O Estado promove a democratização da educação e as demais condições para que a educação, realizada através da escola e de outros meios formativos, contribua para a igualdade de oportunidades, a superação das desigualdades económicas, sociais e culturais, o desenvolvimento da personalidade e do espírito de tolerância, de compreensão mútua, de solidariedade e de responsabilidade, para o progresso social e para a participação democrática na vida colectiva.

 

3. O Estado promove a democratização da cultura, incentivando e assegurando o acesso de todos os cidadãos à fruição e criação cultural, em colaboração com os órgãos de comunicação social, as associações e fundações de fins culturais, as colectividades de cultura e recreio, as associações de defesa do património cultural, as organizações de moradores e outros agentes culturais.

 

4. A criação e a investigação científicas, bem como a inovação tecnológica, são incentivadas e apoiadas pelo Estado, por forma a assegurar a respectiva liberdade e autonomia, o reforço da competitividade e a articulação entre as instituições científicas e as empresas.

 

***

Isto é o que diz a legislação, que falha muito em relação às crianças e aos adolescentes, camada da população que não tem DIREITO AO VOTO.

Daí a desimportância que a lei lhes atribui.

 

Abram este link, e vejam o estado paupérrimo dos bezerros que os adolescentes (que deviam estar num lugar saudável a aprender a preservar a VIDA), estão a torturar sadicamente.

 

Será a esta EDUCAÇÃO que a legislação portuguesa se refere.

http://www.taurodromo.com/galeria/2012-fevereiro/443-imagens-da-semifinal-do-v-encontro-internacional-de-escolas-taurinas

 

***

E DEPOIS QUEIXAM-SE DA SOCIEDADE VIOLENTA QUE TEMOS

 

«Diogo Peseiro, aluno da Academia de Toureio do Campo Pequeno, triunfou em La Nava de Santiago, na província de Badajoz, cortando duas orelhas e rabo.

 

Alternou com Alberto Escudero que cortou uma orelha, os novilhos pertenciam a ganadaria de D. Manuel Criado.

 

 Mais um triunfo deste prometedor toureiro e nós temos as fotos!

                                             Fotos: Frederico Fernando
 

(origem da foto: http://diariotaurino.blogspot.pt/2013/05/as-fotos-do-exito-de-diogo-peseiro-em.html

 

***

Foi este desenvolvimento da personalidade e do espírito de tolerância, de compreensão mútua, de solidariedade e de responsabilidade, para o progresso social e para a participação democrática na vida colectiva (artigo 73º da Constituição Portuguesa) que deram a este jovem, que ainda não tinha idade para saber discernir o que é ser um verdadeiro HOMEM.

 

E arrancar orelhas e rabos a um ser vivo será um TRIUNFO?

 

Ou esta palavra mudou o seu significado com o novo acordo ótógráfico?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:03

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
13
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«OS TOUROS E A LIBERDADE»

“EL JUANITO” UM FORTE CAN...

EM SANTA EULÁLIA (ELVAS) ...

ENSINAR CRIANÇAS A EXERC...

Arquivos

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt