Segunda-feira, 23 de Novembro de 2015

PRÉMIO FEMINA 2015 SERÁ ENTREGUE A UMA TORTURADORA DE TOUROS OU HAVERÁ BOM SENSO?

 

Já escrevi sobre a minha INDIGNAÇÃO quanto á atribuição do Prémio Femina 2015, também a uma torturadora de Touros e Cavalos Lusitanos

 

PÉMIO FEMINA.jpg

 Estas são as agraciadas com o Prémio Femina 2015

Origem da imagem e texto sobre as agraciadas:

http://www.conexaolusofona.org/a-forca-da-mulher-lusofona-conheca-os-nomes-destacados-no-premio-femina-2015/

 

Georgina Benrós de Mello, directora-geral da CPLP, recebe o Prémio Femina de Honra. Georgina é cabo-verdiana, licenciada em Economia e Gestão e já exerceu a profissão em Cabo Verde e em Timor-Leste, tendo trabalhado nesses países com projectos de diferentes agências das Nações Unidas.

 

Inocência Mata e Ana Mafalda Leite, recebem o prémio por mérito nas Artes e Letras; Fátima Cardoso, por mérito nas Ciências, Soraya Gadit, por méritos relevantes, e Sónia Matias (a que tortura Touros e Cavalos Lusitanos) vai receber o mesmo prémio (PASME-SE!) pela divulgação da cultura, da história e da matriz portuguesa no estrangeiro e na lusofonia...

 

***

Enviei às senhoras laureadas, os dois textos que escrevi a este propósito, cujos links aqui deixo:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/2015/11/05/

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/2015/11/06/

 

Uma das senhoras, muito amavelmente, respondeu-me, e vou partilhar publicamente o conteúdo da mensagem, por entender ser do interesse dos leitores.

 

Por motivos óbvios, OMITIREI o nome da senhora:

 

«Exma Senhora Isabel A. Ferreira

 

Agradeço o envio das suas mensagens.

Penso que sabe que não tenho qualquer influência na escolha das agraciadas.

 

Compreendo a sua posição em relação à Tauromaquia.

 

Na verdade eu também não gosto dessa actividade.

 

No entanto compreendo que seja algo típico da cultura Portuguesa. Sobretudo aliada ao Cavalo Lusitano, um ser muito bonito.

 

Sendo uma actividade normalmente efectuada e dominada por homens, é muito difícil a uma mulher ter uma posição de relevo nesse tipo de actividades.

 

Penso que terá sido essa a óptica da Comissão de Honra na escolha da Sra Dª Sónia Matias.

 

No entanto, quem melhor poderá responder às suas questões e indignação, será a própria Comissão.

 

Da minha parte, agradeço-lhe as amáveis palavras relativamente à minha nomeação e ao trabalho que tenho desenvolvido (…)…

 

Melhores cumprimentos

(...)

 

***

Respondi à Senhora e aqui deixo a minha resposta, com um grande pesar no coração.

 

Exma. Senhora (…)

 

Agradeço a gentileza da sua resposta.

 

Ao escrever o que escrevi sobre o Prémio Femina 2015, a minha intenção era a de evitar que as senhoras laureadas se recusassem a receber um prémio que, ao mesmo nível, foi atribuído a uma torturadora de seres vivos, que em nada dignifica as Mulheres Portuguesas, os Valores Humanos, a Cultura Portuguesa e o Avanço Civilizacional.

 

Vejo que não fui entendida.

 

Se eu estivesse no lugar das laureadas, recusar-me-ia a receber um prémio que, ao ser atribuído também a uma personagem cujo maior feito é torturar Touros e Cavalos Lusitanos, numa arena, para gáudio de sádicos, estaria a desonrar actividades civilizadas e dignas de serem louvadas, por trazerem mais-valia às sociedades humanas.

 

Esta “actividade” aviltante de torturadora de seres vivos, foi colocada ao nível da actividade que a Senhora (…) exerce e, por isso, fiquei absolutamente INDIGNADA, pela falta de lucidez de um júri masculino completamente alienado.

 

Confundir uma actividade DIGNA com algo INDIGNO não é da racionalidade. Até porque a tauromaquia não representa nem de perto nem de longe a Cultura Portuguesa.

 

A TORTURA de seres vivos nunca foi CULTURA em parte alguma do Universo.

 

O Cavalo Lusitano é um animal sensível e nobre, barbaramente vilipendiado nestas demonstrações bárbaras, e ficam bastante maltratados, física e psicologicamente, e muitos morrem nas arenas. A Sónia Matias não representa, nem de perto nem de longe, a Mulher Portuguesa.

 

E nós, se queremos dignificar a nossa acção feminina na sociedade, temos o DEVER de nos insurgir contra este tipo de machismo e orquestração masculina, para ELEVAR aos píncaros, uma actividade que é condenada por todo o mundo civilizado, e nada acrescenta ao avanço da civilização.

 

Peço desculpa, mas não posso deixar de me INDIGNAR ao ver colocar ao mesmo nível uma Senhora que contribui para o avanço da civilização, a receber um mesmo prémio atribuído a uma torturadora de seres vivos, que em nada contribui para a dignidade humana, nem para o avanço civilizacional que pretendemos para o nosso País.

 

No próximo dia 28 de Novembro, se as senhoras laureadas aceitarem receber o Prémio Femina 2015, ao lado de alguém cujo maior feito é espetar bandarilhas no corpo de um Touro e fazê-lo sangrar até à morte, e sujeitar o belo Cavalo Lusitano a maus-tratos inconcebíveis ao ser manipulado numa arena, estarão a contribuir para o retrocesso civilizacional e a desacreditar um Prémio que, este ano, não cumpre a sua função: destacar o VALOR da mulher portuguesa.

 

Se a Senhora (…) entende que torturar seres vivos para divertir sádicos (porque é essa a “utilidade” da tauromaquia) faz parte da Cultura Portuguesa e da Dignidade Humana, e é uma actividade que VALORIZA a mulher portuguesa, peço desculpa, mas por muito que já tenha feito pela humanidade, esse muito evaporar-se-á no momento em que aceitar receber um prémio conspurcado pela iniquidade de um júri masculino que desconhece o verdadeiro sentido do VALOR FEMININO.

 

Com os meus cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:55

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 6 de Novembro de 2013

NOVA CARTA AOS SENHORES DEPUTADOS DA ASSEMBLEIA DA REPÚBLICA PORTUGUESA

 
 
 

Exmos. Senhores Deputados da Assembleia da República Portuguesa:

 

Depois da grande estupefacção e decepção que em mim causou o adiamento do debate da petição da ANIMAL, não com certeza por influência da ATCT (que se vangloriou do seu contributo, neste sentido, o que a ser verdade seria bastante grave), mas por outro motivo qualquer que, espero, seja menos obscuro do que este, seguiu-se aquele “fait divers”, protagonizado pela ministra Assunção Cristas, relativamente ao número de animais que os cidadãos poderiam ter nos seus lares, com certeza com o intuito de  “tomar o pulso” ao povo Português, o que também me surpreendeu pela negativa.

 

Como a reacção do povo foi imediata e em massa, a ministra deixou cair o assunto e a MAIORIA dos deputados da Assembleia da República puderam então ter uma ideia da força e do poder do povo.

 

E porque ainda quero acreditar que vivo num País democrático, com órgãos governativos e governantes cumpridores das suas funções, e respeitadores da Constituição Portuguesa e do juramento que fizeram ao tomar posse dos seus cargos, tento manter uma espectativa, se bem que periquilitante, no bom senso de V. Exas.

 

Portugal não pode continuar na senda da violência, da idiotice, da selvajaria, da incultura e da falta de lucidez, no que respeita ao sofrimento de bovinos e cavalos, transformados pela “indústria” tauromáquica em instrumentos para se torturar cruelmente, no intuito de divertir uma minoria (e todos sabemos que é uma minoria) de cidadãos sádicos, que histericamente aplaudem o sofrimento atroz de um herbívoro trespassado de bandarilhas, a sangrar copiosamente, esgotado de forças, a bradar de dor até à morte, e o sofrimento silencioso (porque lhes cortam as cordas vocais) dos cavalos.

 

Não é da Ética Política os Senhores Deputados da Nação serem cúmplices do ecocídio que grassa nas terreolas mais atrasadas de Portugal, apenas para “agradarem” a um lobby obscuro e empedernido, o que também é contra todas as regras civilizadas e racionais dos verdadeiros estadistas.

 

Por tudo isto, o filósofo australiano Peter Singer e Tom Regan têm combatido, intensamente, o especismo, que submete os animais não humanos a torturas e maltratos de toda a espécie, o que impele para um plano do mais inferior que existe os indivíduos que praticam, aplaudem e apoiam tal ignomínia.

 

A reacção contra a opressão e exploração dos animais começou já em 1975, com a publicação da obra "Libertação Animal" do já referido filósofo Peter Singer.

 

Porém, em Portugal, como sempre acontece com tudo o que diz respeito a avanços civilizacionais, os Direitos dos Animais nunca foram objecto de importantes debates, como já acontece em vários países que estão na senda da evolução.

 

E, como se isto não bastasse para colocar Portugal no rol dos países terceiro-mundistas, a Lei nº 92/95, de 12 de Setembro, irracionalmente, exclui os Touros e os Cavalos do Reino Animal, para que um lobby possa tirar proveito monetário da tortura legislada e apoiada por governantes que talvez não saibam que os Touros e os Cavalos têm um ADN muito semelhante ao dos seres humanos, logo, sofrem horrores quando deles fazem objectos de tortura. 

 

Quanto aos outros animais, a lei e as autoridades policiais penalizam quem tenta socorrê-los e amenizar o sofrimento deles, mais do que sancionam aqueles que os maltratam e abandonam.

 

Isto é absolutamente irracional. Inacreditável. Inadmissível.

 

O critério determinante para libertar os animais da tirania humana é, justamente, a capacidade de sofrer e de sentir emoções semelhantes às nossas, por parte desses seres erradamente considerados irracionais. (É preciso rever este falso conceito).

 

Além disso, a compaixão pelo sofrimento atroz dos animais  é um factor decisivo na criação de uma nova Lei de Protecção dos Animais, que cada vez está a tornar-se mais necessária e urgente.

 

Uma nova Lei que ponha, finalmente, termo ao indizível sofrimento dos Touros e dos Cavalos, nas arenas, e dos restantes animais nos canis municipais (autênticos campos de concentração nazis), dos que são abandonados nas ruas, dos do circo, dos que são aproveitados para lutas, enfim… de todos os que são cruelmente maltratados como se fossem cacos partidos, e não seres vivos, que têm sangue e alma como nós.  

 

Para que os Senhores Deputados possam ter um suporte de reflexão, nada melhor do que ver para crer, porque creio que muitos do que estão sentados nas cadeiras do poder não fazem a mínima ideia do sofrimento animal, e por isso, quando aparece algum projecto-lei a este respeito, votam sem conhecimento de causa (o que é um grave erro), arrastados por aficionados colocados estrategicamente nas listas dos candidatos à Assembleia da República, que nada mais fazem ali do que puxar a brasa para a sardinha da já tão apodrecida tauromaquia.

 

Por isso aqui deixo a V. Exas. um excelente vídeo para que possam reflectir.

 

 
Uma vez que uma lutadora nunca abandona o “campo de batalha”, uma vez mais venho sugerir aos Senhores Deputados da Assembleia da República Portuguesa que sejam humanos, civilizados, evoluídos e tenham o bom senso de não ficarem indiferentes à barbárie que grassa em cerca de 40 municípios portugueses (num total de 308) alguns deles dos mais atrasados do País, e marquem na agenda, como manda a lei, a discussão da Petição da Associação ANIMAL "Por uma Nova Lei de Protecção dos Animais".

 

Senhores Deputados, sejam os primeiros, entre os oito tristes países que ainda mantém costumes bárbaros, a dar o exemplo de um avanço civilizacional. Pelo menos, por uma vez na vida, sejam construtivos.

 

Com os meus melhores cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:36

link do post | Comentar | Ver comentários (10) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

PRÉMIO FEMINA 2015 SERÁ E...

NOVA CARTA AOS SENHORES D...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt