Terça-feira, 23 de Janeiro de 2024

«Bicadas do meu aparo: “Socialismo, caviar e televisões”», por Artur Soares

 

Eu sei distinguir os eleitores simpatizantes de um partido político, os eleitores eventuais, bem como distingo as bases dos partidos. Mas, também sei que um partido político, tem os Militantes e os Quadros do partido.

 

Sendo assim, os êxitos e as falhas de um partido político, devem-se, sobretudo, aos seus militantes e Quadros.

 

Não pretendendo “fazer aqui política”, mas somente reflectir na política e na democracia do Partido Socialista, do seu socialismo, desde Mário Soares a António Costa. As bases, os simpatizantes e certos Quadros deste club, devem estar aterrorizados quanto aos Governos e governantes Socialistas.

 

Penso que os políticos que mais têm afundado o país, que mais desgraças têm trazido ao país e que mais crises tem provocado ao país, têm sido os socialistas: atropelos, tráficos de várias cores, políticas rapaces, saques, corrupção, amiguismos e todo o género de prejuízos causados contra o povo.

 

Com os socialistas portugueses, Portugal tem sido uma bagunça, onde ninguém se entende e onde se anda, socialisticamente, à estalada.

 

Mário Soares, fazia deslocações ao estrangeiro, em aviões especialmente fretados, com uma comitiva de duzentos ou mais elementos. Caviar, lagosta, champanhe francês, charutos e os melhores whiskies, eram a ementa da comitiva e ninguém sentia os lucros dessas deslocações espampanantes, talvez fraudulentas.

 

Este governante até a fundação Mário Soares adquiriu e foi o primeiro governante a pedir a presença do FMI em Portugal! Já não havia dinheiro e os milhares de barras de ouro deixadas pelo fascista Salazar, desapareceram.

 

Guterres, sonhador ou lírico, o apaixonado pela Educação, abandonou o Governo após o mau resultado de umas eleições autárquicas, não teve tempo de efectuar nenhuma das 120 medidas que prometeu, se, ganhasse (como ganhou) as eleições legislativas.

 

Sócrates, o ex-preso da cela nº 44, da cadeia de Évora, o tal que ainda espera ser julgado, por há dez anos cometer vários crimes cometidos contra o Estado, iniciou a fome no país, criou problemas sem pejo a muita gente, semeou a descrença, encetou a perseguição a centenas de profissionais do Estado, criou conflitos em jornais e televisões e até roubou 50% do subsídio de Natal aos aposentados da Caixa-Geral de Aposentações, em 2011.

 

António Costa, o governante que desrespeitou as eleições de 2015, derrubando Pedro Passos Coelho para se unir à extrema-esquerda; que desconhecia a debilidade do paiol das munições de Tancos, porque assaltado; que abandonou o país para férias, quando Pedrógão ardia e mais de uma centena de mortos aconteceram; o governante que sorriu ao seu ministro Cabrita pela morte de um homem na auto-estrada; o governante que tem medo a reformas, que se rodeou de madraços, que criou um ninho de toupeiras nos serviços governamentais, que deu milhares de milhões à banca falida por ladroagem, assim como à TAP, onde, os serviços das Infra-estruturas do Estado têm sido o cancro de Portugal.

 

Finalmente, António Costa, pediu demissão do cargo de Primeiro Ministro, quando obteve uma maioria nas eleições, demissão que ninguém entende.

 

Será que teremos um futuro primeiro-ministro do PS, Pedro Nuno Santos, o Quadro PS que nunca governou a sua casa, que nunca trabalhou numa empresa pública ou privada e que apenas se doutorou e vagueou pelos corredores socialistas? Bem, bem, fregueses!

 

Ora as televisões de Portugal, de tudo o que atrás se recorda e afirma, não param: esmiúçam até à exaustão tudo e todos, enfraquecem os cérebros de quem os ouve, não dão cultura a quem lhes paga, não denunciam o servilismo do acordo ortográfico de 1990, perseguem e inventam caminhadas por notícias de ocasião - são carraças autorizadas.

 

Televisões em Portugal: ocas, populistas, carraças e muito mais, exploram sem travões tudo que é mau.

 

Recordemos Tancos nas televisões; fogos em Pedrógão; o medo que provocaram pela pandemia Covid 19; as perseguições a políticos; a anarquia nas fotografias da guerra na Ucrânia, o mesmo na guerra Israel-Hamas e agora, ambas as guerras esqueceram, para falarem da demissão-não-percebida de António Costa.

 

Simpatizantes e eleitores de circunstância do Partido Socialista, não serão culpados deste socialismo com mais de vinte anos a governarem o país. Culpa, terão os militantes e os Quadros do PS, bem como vergonha terão do socialismo, que os seus líderes têm dado aos portugueses.

 

Tantas asneiras PS, tanta anarquia PS, tanta corrupção PS, tanto sofrimento dado aos portugueses em nome da democracia, tanto descrédito e tanta merda atirada contra o povo, que, no mínimo, era de mandar para a oposição este partido político, para ver se aprende alguma coisa.

 

Ou então, obrigar os governantes e os Quadros PS, a viverem durante vinte anos no socialismo de Cuba, da Venezuela, da China, da Coreia do Norte ou do Irão.

 

Artur Soares

(O autor não segue o acordo ortográfico de 1990)

 

Artrur Soares.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:14

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 8 de Dezembro de 2023

«Assunto: António Costa demite-se do Governo e deixa...»

 

Recebi o texto, que se segue, via e-mail, e sobre ele tenho a dizer o seguinte:

Quem é bom observador e seguiu a carreira política de António Costa, sabe que ele, além de não ser uma pessoa que dá um ponto sem nó, tem algo em mente que vai muito para além de um sair de cena, na hora H. Não tendo talento para aproveitar a maioria absoluta, que uma minoria do povo português votante lhe deu, deixou Portugal de calças na mão, com um obviamente apresentei a minha demissão...  

Só faltou dizer: antes que o barco se afunde ainda mais...  

Quem não o conhecer, que o compre!

Isabel A. Ferreira

 

Demissão de A. Costa.png

 

(Para os portugueses analisarem a situação; analisarem as propostas alternativas e …)

 
 António Costa demite-se do Governo,  após 08 anos de 1º Ministro e deixa: 

 

- A maior carga fiscal de sempre: 36,4% do PIB

- A maior dívida pública de sempre: 276 mil milhões de euros

- O maior número de portugueses sem médico de família de sempre: 1,7 milhões de portugueses

- 42,5% dos portugueses em risco de pobreza antes de transferências sociais 

- O menor número de processos findos nos tribunais portugueses desde 1985: 524 mil (com exceção de 2020, ano de maior impacto da pandemia)

- O ano de menor acesso dos cidadãos à Justiça desde 1979: 484 mil processos entrados nos tribunais portugueses 

- O pior mês da história do Serviço Nacional de Saúde, nas palavras do próprio Governo 

- 583 mil utentes em lista de espera para consultas 

- 235 mil inscritos em lista de espera para cirurgias 

- 32% dos utentes a serem atendidos para lá do tempo recomendado 

- Médicos e enfermeiros em guerra 

- Professores e auxiliares em guerra 

- Forças Armadas em processo de falência e com níveis operacionais em risco 

- Crise total na habitação, impossibilidade de os portugueses conseguirem casa para morar´

- A própria Economia a começar a definhar, o último trimestre já foi de contração 

- Esta é uma fotografia real, com dados oficiais, de alguns dos mais importantes indicadores da sociedade que somos

- É neste quadro que António Costa se demite!!!

***
 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:25

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 21 de Novembro de 2023

Reflexões sobre a crise política que, actualmente, assola Portugal, por José Marques Vidal

 

Considerações com as quais me identifico (Isabel A. Ferreira)

 

Those were the days my friend.PNG

Marcelo Rebelo de Sousa e António Costa, em Paris, em 12 de Junho de 2016

Those were the days my friend...

Fonte da imagem (que é da responsabilidade da autora do Blogue): https://www.publico.pt/2016/06/12/politica/noticia/reportagem-1734906

 

Por José Marques Vidal

 

 «Tinha de acontecer, era previsível, senão fatal como o destino, são ditames populares que, em conjunto com o adágio “Diz-me com quem andas, dir-te-ei as manhas que tens”, podem servir de justificação ao terramoto político do momento, que derrubou o primeiro-ministro do PS e com seu governo, que fora eleito por uma maioria absoluta.

 

Depois do abalo Sócrates que levou o país à bancarrota e originou a intervenção do fundo Monetário Internacional na orientação da nossa política económico-financeira, e dos avisos da União Europeia sobre a degradação do combate à corrupção que lavrava nos meios da administração central e autárquica, o sistema legislativo e governamental daquele partido continuou a fazer ouvidos de mercador ou a fazer de conta sem mudar uma linha no caminho que trilhava. Os homens do sistema em vigor nos tempos de Sócrates que escaparam à repressão criminal, mantiveram-se em campo uns, foram repescados outros.

 

Mas acontece, pelo menos tem acontecido, ser o eleitor pouco sensível à honestidade ou desonestidade com que se labora a coisa pública. Assim, como dizem os comentadores da bola na véspera dos jogos de futebol, tudo está em aberto quanto aos vencedores das próximas eleições.

 

***

 

O PS não perde tempo, fiel ao princípio do rei morto, rei posto. E, garra é que não lhe falta, avança de imediato com dois candidatos à presidência do partido. Dois jovens, mas já curtidos nas andanças dos palcos políticos e suas subtilezas. Caras novas, embora de promessas antigas, apresentam o PSD, PCP e o BE, enquanto o Chega se mantém com Ventura. Afinal nada de novo na nossa democracia.

 

Pois quanto a mim, simples cidadão eleitor que deixou de confiar nos programas eleitorais, geralmente um rol de promessas e de mentiras piedosas, já ficaria satisfeito se todos os partidos políticos susceptíveis de eleger deputados para a próxima Assembleia da República se comprometessem, em acordo público assinado, certificado e registado em cartório notarial, a três meses depois de constituído o novo poder legislativo terem aprovada nova lei que punisse o enriquecimento ilícito.

 

***

Assim, para não ficar de fora e ser acusado de andar a dormir na forma, ouso botar faladura sobre o caso da demissão do primeiro-ministro António Costa e o escarcéu que assola a comunicação social sobre quem recai a responsabilidade do infausto acontecimento. Na esteira do habitual, sempre que se instaura procedimento criminal contra políticos, banqueiros e poderosos, o bode expiatório de culpas alheias é o M.º P.º e a procuradora-geral da República, no caso concreto porque esta divulgou em nota oficial ter remetido ao Supremo Tribunal de Justiça certidão para abertura de inquérito tendente a averiguar se o chefe do governo tinha ou não rasca na assadura dos comparsas.

 

Certo é que o primeiro-ministro não esperou pelo inquérito e, sem sequer saber quais os factos que lhe eram imputados, se demitiu.

 

Conclusão imediata e assanhada: o M.º P.º e a procuradora-geral derrubaram o governo, opinião que esquece o tráfico de influências apontado a um ministro e ao seu próprio chefe de gabinete, como causa política suficiente para o efeito.

 

Tanto ética como politicamente não vejo que o facto de haver uma denúncia pendente para abertura de inquérito, só por si seja motivo suficiente para a demissão de um cargo público.

 

Qualquer pessoa é susceptível de ser objecto de inquérito, bastando para o seu desencadeamento a denúncia anónima, cabendo à entidade competente a sua investigação. Finda esta, pode o inquérito ser arquivado. Só após a acusação do M.º P.º, sufragada por despacho de pronúncia do juiz de instrução, se poderá falar em indícios suficientes da existência de um comportamento criminoso, o que justificaria eticamente a demissão.

 

Perante este quadro, incorrecto nos parece afirmar que o M.º P.º e a procuradora-geral da República derrubaram o governo em vez de anunciar que António Costa, ponderado o circunstancialismo do caso, entendeu demitir-se.

 

Os que berram contra o regime actual da magistratura do M.º P.º, que lhe atribui a autonomia perante o poder político, berram sem propor alternativa. É que esta vigorou durante quase meio século durante o regime salazarista e continua a manter-se nos regimes totalitários: a de ser o governo a mandar naquela magistratura. Não há meios-termos.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:56

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 7 de Novembro de 2023

A República Portuguesa bateu no fundo, com os principais órgãos de soberania sob suspeita. Hoje, o primeiro-ministro António Costa demitiu-se. Quem será o próximo?

 

António Costa, hoje, demitiu-se, na sequência da abertura de um inquérito, pelo Supremo Tribunal de Justiça, à sua conduta nos negócios do lítio e hidrogénio verde, onde passou a ser arguido o seu ministro das Infraestruturas, João Galamba,  e devo salientar que não esperava que o tivesse feito com uma dignidade, que não combinou com a falta dela, no decurso da sua governação enquanto primeiro-ministro, um exercício político exercido sem Ética.

Penso que é opinião mais ou menos generalizada que os governos de António Costa, principalmente, este último, com maioria, foram os piores que Portugal já teve.

 

Foram muitos anos de uma incompetência, visível em quase todos os sectores da vida pública, com muita corrupção, muita hipocrisia e muita insensatez à mistura.

 

António Costa deixa Portugal mergulhado num caos, na Saúde, na Habitação, no Ensino, na Cultura, no Ambiente, no Trabalho, na Justiça, na Segurança Social e em algo que ninguém quer ou não tem permissão para falar dela: na sua subserviência ao Brasil, com acordos secretos [e aqui entra o ex-ministro dos Negócios DOS Estrangeiros, actual presidente da Assembleia da República que, ao que parece, ainda manda no ministério ocupado actualmente por João Gomes Cravinho, uma vez que as políticas são as mesmas, e até se dá a nacionalidade portuguesa  a quem a pede para fins menos concretos] que estão a permitir uma verdadeira invasão, que já está a ser questionada publicamente, e estão a levar a uma perda da soberania e da identidade portuguesas.

 

 

António Costa.png

 

Mas não só António Costa está sob suspeita de possíveis crimes.

 

Marcelo sob suspeita.png

Os erros apontados nesta imagem são o pão nosso de cada dia, fruto do completo desleixo em que se encontra a Língua Portuguesa, na comunicação social, numa falta de brio profissional gritante.  Um péssimo exemplo para os leitores menos instruídos, que à conta de verem triunfar tantos erros, começam a considerar que é deste modo torto que se escreve.

 

Marcelo Rebelo de Sousa, presidente da República Portuguesa, também está sob suspeita na sequência da reportagem da TVI, que o envolvem no favorecimento do tratamento de umas gémeas, que de um momento para o outro receberam a nacionalidade portuguesa, para poderem usufruir do tratamento milionário em Portugal, no Hospital de Santa Maria.

 

Marcelo Rebelo de Sousa admite que as suspeitas são graves e no limite até podem constituir crime para quem possa ter feito pressão sobre o hospital, mas garante que não tem nada a ver com o assunto.

 

Pois, então há que investigar a fundo esta questão, que é gravíssima, para que quem possa ter feito pressão sobre o hospital, possa ser levado à justiça.


Penso que atravessamos um momento em que Portugal bateu no fundo, e, daqui para a frente, ou se ergue, ou se afunda de vez, no charco lamacento em que se tornou a política portuguesa, exercida sem a mínima Ética, sem a mínima Dignidade.  O governo, até agora, andou a troçar dos Portugueses, andou a fazê-los de parvos.

 

E uma vez que o Ministério Público se dignou a encetar uma investigação de tal envergadura, esperamos que o mesmo Ministério Público investigue igualmente o «O Negócio do Acordo Ortográfico de 1990», que tem muito que contar e é algo que está levar Portugal à perda da sua identidade linguística e soberania. Isto daria para derrubar todos os governos desde Cavaco Silva.

 

Penso que é chegado o momento de mudar TUDO e TODOS na governação do País. O grande problema é encontrar políticos à altura da mudança de que Portugal precisa.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:28

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 5 de Outubro de 2023

Os 113 anos da implantação da República, em Portugal, foram assinalados em cerimónia privada, como se o Povo Português já não fizesse parte dessa República...

 

Outros ventos sopram. Outras vontades [agora muito mais prepotentes] emergem, e o Povo Português foi proibido de assistir à cerimónia solene, que pretendeu celebrar o 113º ano, desde o dia em que, da varanda dos Paços do Concelho, em Lisboa, José Mascarenhas Relvas proclamou a República de Portugal, diante do Povo.

 

A triste cerimónia a que assistimos, via TV, começou na varanda do Salão Nobre dos Paços do Concelho com o hastear da Bandeira Nacional, pelo Presidente da República (?), Marcelo Rebelo de Sousa, ao som do Hino Nacional, diante de uns poucos convidados VIP.

 

Seguiram-se uns discursos cheios de palavras gastas, que nada de novo acrescentaram ao que disseram no ano passado, porque de promessas e “é preciso fazer, mas não se faz” andamos todos fartos.


O recinto circundante aos Paços do Concelho foi bloqueado ao público.

 

Porquê?

Por MEDO dos protestos do Povo, nomeadamente dos Professores, que também comemoram o seu Dia, precisamente hoje.

Hoje ninguém ovacionou ninguém. Os ecos de há 113 anos não ecoaram nesta cerimónia, que mais parecia a de um funeral. Do funeral de um regime já gasto, que nada tem de novo para oferecer. E pior, de uma República que já não é Portuguesa.

 

O Povo está cansado. O Povo está farto. O Povo já não se revê naqueles que se vêem na foto que ilustra este meu protesto, que sei ser o protesto de muitos mais. Não direi de todo o Povo, porque a maioria esteve mais interessada em saber os pormenores e a dar prognósticos sobre jogo Sporting-Atalanta, a ter lugar esta tarde.


Nas televisões não se ouviram muitos ecos da cerimónia privada. Por este andar, talvez para o ano já não haja República Portuguesa para celebrar.

Espero estar muito enganada.

Se estiver, venho aqui fazer o meu acto de contrição.

 

5 de Outubro.png

 

5 de Outubro de 2023, quando estas personagens: presidente da República Portuguesa (?), Marcelo Rebelo de Sousa; presidente da Câmara Municipal de Lisboa, Carlos Moedas; presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva; primeiro-ministro, António Costa; presidente da Assembleia Municipal de Lisboa Maria do Rosário Farmhouse Simões Alberto; se perfilavam, não, diante do Povo. Diante deles poderia estar uma urna com flores, porque ia dar ao mesmo.

 

5 De Outubro de 1910.PNG

 

5 de Outubro de 1910, quando o povo saiu à rua para ouvir a proclamação da República Portuguesa

 

O que tanto fez recuar Portugal, em 113 anos?

 

Uma gradual decadência de todos os sectores públicos: o assentar arraiais de uma senhora chamada Corrupção; uma notória falta de Cultura Culta por parte dos intervenientes políticos; e os que alguma cultura têm, não a usam para fazer elevar Portugal, muito pelo contrário; o egocentrismo político usado para benefício próprio e não para benefício do País, o que culmina com a venda de Portugal ao estrangeiro. E quem pensa, sabe muito bem a que estrangeiro me refiro.



Termino este meu protesto, com a belíssima Marcha Fúnebre de Frédéric François Chopin, que traduz o sentimento que esta triste cerimónia do 113º aniversário da Implantação da República em Portugal, me suscitou.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:46

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 1 de Setembro de 2023

«Democracia, corrupção e justiça», por Henrique Neto - Uma voz que deve ser ouvida, porque diz a mais pura verdade

 

(Subscrevo cada palavra deste texto extremanete lúcido, de Henrique Neto, o qual me foi enviado por e-mail. Ainda temos vozes sábias em Portugal. Não temos é ouvidos abertos ao SABER, lá pelas bandas de São Bento e de Belém.

Isabel A. Ferreira)

 

HN.png

Por Henrique Neto

 in  https://observador.pt/opiniao/a-batalha-pela-democracia/

 

Existe um consenso na sociedade de que a corrupção mina por dentro os regimes democráticos. Se a isso juntarmos, no caso português, um sistema de justiça que convive com a corrupção há anos e se mostra incapaz de julgar os corruptos, temos a combinação perfeita para em Portugal existir apenas um simulacro de democracia e não um verdadeiro regime democrático.

 

Acresce a isso que há anos nesta coluna temos vindo a demonstrar a falácia democrática que resulta do nosso regime eleitoral, em que os deputados são escolhidos pelos chefes partidários e não pelos eleitores. Deputados que no Parlamento seguem cegamente as orientações do líder do partido que os escolheu, já que de contrário não seriam os escolhidos em futuras eleições, ou para os mais variados cargos políticos colocados à sua disposição, seja nos governos seja na administração. Ou seja, Portugal não é hoje um regime democrático e os resultados eleitorais em que não participam metade dos eleitores, serão tudo menos a verdadeira expressão de uma qualquer verdade democrática.

 

Esta questão é, contudo, apenas o princípio de uma realidade mais grave em que vivemos hoje. Como resultado do sistema não democrático da escolha dos militantes dos partidos para cargos políticos ou governativos, a actividade partidária autónoma é substituída pela actividade governativa, as sedes partidárias ficam vazias, os gabinetes de estudo desaparecem e a democracia interna dos partidos fica condicionada a favor da vontade autocrática do chefe. 

 

O melhor exemplo é o próprio Partido Socialista no poder em que nada acontece fora da vontade de António Costa, em que a ausência de currículo da generalidade dos escolhidos, ou tão só a sua falta de competência, não impede a sua participação no Governo, ou nos restantes cargos do Estado. Trata-se da clara demonstração de que essas escolhas representam apenas da vontade de António Costa, pessoas por ele escolhidas e que a ele devem total fidelidade. 

 

Um outro exemplo, este de sinal contrário, é o caso do grupo parlamentar do PSD, composto pelos escolhidos de Rui Rio e que não seguem, ou seguem mal, as orientações do novo líder Luís Montenegro. Trata-se, nos dois casos e de igual forma, de uma demonstração clara que no sistema político português foi criada uma autocracia partidária que nada tem a ver com os regimes democráticos em que os eleitos representam o povo que os elege e que como tal interagem com os eleitores que os escolheram.

 

A corrupção é uma outra consequência do modelo não democrático do nosso sistema político. De facto, os políticos escolhidos pelo chefe partidário e mantendo com ele uma relação de fidelidade e não estando dependentes da vontade dos eleitores, ficam livres para enveredarem por formas ilícitas de usarem os seus cargos para benefício próprio, das suas famílias e amigos. Além do mais, porque a prática do sistema político os defende, seja na administração seja na Justiça. Quando António Costa diz “há política o que é da política e há Justiça o que é da Justiça”, está a criar um sistema de defesa política e ética dos acusados por crimes de corrupção.

 

Infelizmente, o modelo não democrático não termina aqui. Pouco a pouco os escolhidos pelo chefe acabam por ocupar todos os cargos públicos de alguma importância e também pouco a pouco, tornam-se numa máquina de branqueamento da corrupção e da criação de dificuldades às investigações, ou seja, como diz o povo, são os que ficam à porta, parte da enorme máquina política que usa todas as oportunidades para evitar os julgamentos, os quais poderiam não apenas condenar o réu, mas condenar igualmente o sistema político não democrático que permite a corrupção.

 

Nas coisas que escrevo tenho evocado com frequência aquilo a que chamo a “grande família socialista”. A razão é simples e a sua importância é óbvia, trata-se de uma enorme máquina burocrática que controla todos os cargos de alguma importância no Estado e em muitas empresas públicas e que actua com um elevado sentido de solidariedade, sem capacidade de critica interna, salvo uns raros casos de militantes mal vistos no partido. Aliás, sempre que surge de fora da família algum escolhido, como é o caso recente do director nomeado para tentar resolver os problemas existentes na Saúde, a família socialista cria todo o tipo de obstáculos. Neste caso, nem o estatuto das suas funções foi possível aprovar.

 

Penso que não existe uma lista de todos os casos de corrupção, grande e pequena, que estão na Justiça para chegarem a julgamento e a probabilidade será que a maioria acabe sem que os acusados cheguem à prisão. Apenas em três casos, Sócrates, BES e EDP, estão envolvidas dezenas de pessoas muito poderosas, com muito dinheiro e com muitas relações na justiça, na política e na comunicação social. Num regime verdadeiramente democrático que representasse o povo, há muito que teriam sido julgados e os portugueses teriam uma ideia da enormidade dos prejuízos que provocaram ao País. Todavia nesta autocracia de fachada democrática, a probabilidade é que nunca saibamos o que verdadeiramente foi feito.

 

Vivi metade da minha vida em ditadura e a sonhar com a democracia. Agora estou a terminar a segunda metade da vida e lamento acabar a viver numa falsa democracia. Em qualquer caso, acredito que mais tarde ou mais cedo, a verdadeira democracia acabará por emergir, mas o enorme prejuízo provocado ao País por muitos anos de más políticas, de maus governantes e de defesa de interesses menos respeitáveis, deixará Portugal exausto, muito pobre e muito dependente do exterior.

 

21-08-2023

Henrique Neto

***

OS 48 COMENTÁRIOS MAIS VOTADOS DOS 103 SOBRE O ARTIGO DE HENRIQUE NETO :
 
A batalha pela democracia

Escrever um comentário no Observador é um convite ao respeito mútuo e à civilidade. Nunca censuramos posições políticas, mas somos inflexíveis com quaisquer agressões. Conheça as Regras da Comunidade.

Mais votados 48
Todos 103
 
António Araujo
1 d
Mais uma vez parabéns Sr. HENRIQUE NETO.
Pelo seu artigo, pela sua visão e pela sua obra. 
 
 
 
JOHN MARTINS
1 d
E inspirou-se muito bem e com grande sentido crítico, trazendo à tona muitos dos podres desta autocracia socialista que nos tem desgovernado durante uns 15 anos,Socrates & Costa.
Parabéns sabe dos podres socialistas como ninguém; e tem coragem de os revelar com poucos.
 
 
 
J. Gabriel
1 d
Excelente artigo, a mostrar ao país a. falta de sentido e responsabilidade. Portugal vai pagar caro estes governos socialistas, a vaidade e arrogância, incham que nem sapos
 
 
 
Carlos Chaves
1 d
Caríssimo Henrique Neto, que nunca lhe doa a voz. Os seus valiosos testemunhos ganham ainda mais importância por ter conhecido por dentro este partido socialista que nos está a levar novamente à miséria, não só material, mas também moral, educacional e cultural da nossa sociedade. E sim, a democracia está em causa, Portugal e o seu futuro está em causa, o Henrique chama-lhes “ideologias esquerdizantes”, eu chamo-lhe mesmo doses de comunismo até chegarmos à ditadura final. E sim, a UE tem uma enorme responsabilidade no que se está a passar! Obrigado pela sua, clareza, frontalidade e por mais este diagnóstico mais que certeiro! A maioria da comunicação social deve detestar as opiniões do Henrique Neto!
... Ler mais
 
 
 
João Floriano
1 d
 
Portugal é hoje uma autocracia de fachada democrática.
 
Em pouquíssimas palavras e com um grau de concisão notável, define-se o que é hoje Portugal: só fachada!. Não se pode negar capacidade de organização a estes socialistas  à portuguesa. Souberam organizar-se impecavelmente para dominar, estrangular, inviabilizar qualquer alternativa. Só há um caminho para Portugal: caminhar para o fim, para a cova, com o PS a presidir às exéquias. Nesta batalha pela democracia, que a direita está a perder, não esqueçamos o papel do Presidente Marcelo, ou talvez Martelo seja o mais apropriado, pois nunca se viu ninguém que martelasse tanto no cravo como na ferradura. 
... Ler mais
 
 
 
Maria Nunes
1 d
Excelente artigo Sr. Henrique Neto. Que pena, que pena não ter sido eleito PR. 
 
 
 
Maria Paula Silva
1 d
Ler ou ouvir o Prof. Henrique Neto é sempre enriquecedor.
 
ESta sua frase "Portugal é hoje uma autocracia de fachada democrática."   diz tudo.
Vai ser difícil desmantelar o polvo gigante que o PS foi tecendo gradualmente, mas que AC tratou de completar com tentáculos em todos os lugares  de forma incansável. Este  sim, foi o único trabalho de AC ao longo de 7 anos, quase 8.
... Ler mais
 
 
 
Tim do Á
1 d
Votei neste senhor. Mas, infelizmente, a maioria dos portugueses vai sempre atrás de cataventos. Mesmo apesar do aviso feito a tempo por Passos Coelho. Portugal e os portugueses são uma tristeza. Por isso merecemos ser pobres e enganados. É quase invariavelmente a nossa escolha.
 
 
 
Antonio Mello
1 d
Clarinho e muito bem dito! A nossa triste realidade, com a Europa como sponsor. O dinheiro e os fundos europeus tentam disfarçar, mas a verdade vem sempre à superfície! Aliás este jorrar de dinheiro, torna o País mais preguiçoso e não dignifica o trabalho e a motivação e vontade de crescer e desenvolver o País! Enfim ! Vai acabar mal, forçosamente…a continuar assim
 
 
 
Madalena Sá
1 d
Excelente artigo! Mostra bem o que são estes socialistas incompetentes! O mais grave é haver portugueses a votarem nesta canalha!
 
 
 
Carlos Chaves Madalena Sá
1 d
Porque são como eles!
 
 
 
Fernando Cascais
1 d
Cada vez que leio um artigo de opinião de Henrique Neto bato com a cabeça na parede pelo menos três vezes. Em 2016 era o meu candidato de eleição, sem conseguir entender até hoje a razão que me levou a tal estupidez, acabei por votar Marcelo (1x).
Parabéns por mais este excelente artigo de opinião.
 
 
 
JOSÉ MANUEL
1 d
fantástica análise, pela sua pertinência e clareza; como foi possível um país ter eleito um papagaio e ter desperdiçado um cidadão honesto e competente para presidente? 
 
 
 
Joaquim Almeida Nelson Ramos
1 d
Não, não é só agora. Vale a mensagem de hoje  e vale o mensageiro que há anos vem pregando no deserto. 
 
 
 
Tristão
1 d
Fico bastante satisfeito por ainda estar ativo e atento ao que se passa no país. Quero só dizer-lhe que foi em si que votei para as presidenciais. Se bem me lembro, foi o candidato às presidenciais menos votado. Para mim isso só veio confirmar o aquilo que já se sabe há muito tempo: merecemos quem nos governa, pois quando alguém com capacidade, sério, experiente, mas sem o colinho dos media, se candidata, é simplesmente ignorado. Este país não é para competentes… já agora, acrescento, foi dos votos que fiz com mais gosto e convicção, só superado pelo voto em 2015, aí já foi um voto de agradecimento por PPC ter salvado o país que a loucura socialista nos tinha conduzido. 
 
... Ler mais
 
 
 
afonso moreira
1 d
Nunca me arrependi de ter votado em Henrique Neto. Infelizmente, grande parte deste povo, é facilmente iludido por estratégias de comunicação que visam simplesmente o poder pelo poder. O PS e este PR dominam essa comunicação, com a conivência da CS, cada um ao seu estilo, e sem qualquer preocupação com o futuro do país. Como sair disto? Só quando alguma Troica nos bater à porta, pois os Henrique Neto são raros e não têm o acesso que deviam ter às tvs porque estas também estão metias nesse jogo de "sequestro" do povo português. A censura será hoje mais perniciosa, porque camuflada, do que no Estado Novo. 
... Ler mais
 
 
 
João Floriano J. Gabriel
1 d
Qual Portugal? Estamos a desaparecer, a minguar a olhos vistos. Não falta muito para o país se resumir ao omnipresente PS, uma espécie de cancro espalhado por todos os orgãos e a sua base eleitoral. Outra das habilidades da esquerda tem sido conduzir o país a um estado de tão profundo desgaste e fraqueza que renascer vai ser muito doloroso e à custa de grandes sacrifícios. Reescreva-se a «Casa portuguesa» da Amália para « Barraca socialista».
 
 
 
João Ramos
1 d
Excelente artigo, como é seu costume Sr. Henrique Neto, Portugal é vítima primeiro de um partido e do seu chefe sem qualquer sombra de escrúpulos, o PS, depois temos uma confrangedora ignorância da população que é manobrada pela demagogia PS secundada por uma comunicação social na sua maioria sem qualquer qualidade e honradez, depois ainda temos um PR que se tem enquadrado na perfeição dentro das descrições acima e por último temos uma classe política à direita que na sua maioria vive do complexo de ser de direita e tem por isso permitido à esquerda chegar onde chegou, onde partidos extremistas declaradamente anti democráticos e anti ocidentais, são considerados como moderados e, já agora a cereja em cima do bolo uma UE que apenas se preocupa em sustentar países decadentes como o nosso…
... Ler mais
 
 
 
mjoao pgomes Fernando Cascais
1 d
Eu votei neste senhor. Era o único que falava na necessidade do país ter uma estratégia de desenvolvimento e crescimento. Citava por exemplo o potencial do porto de Sines.
 
 
 
Jorge Tavares
1 d
Eu também votei em Henrique Neto nas presidenciais em que ele concorreu. Tornaria a fazê-lo.
Nunca votei em Marcelo. Há muito que eu tinha percebido que ele era um delfim da partidocracia. Dá-se demasiado bem com o regime para ter algum gesto reformista ou contra a corrupção.
 
 
 
 
Carlos Chaves
1 d
E que tal fazermos aqui no Observador uma vaga de fundo para pedir ao Sr. Henrique Neto que se recandidate à Presidência da República?               
 
 
 
 
GateKeeper
1 d
Caro Henrique Neto, primeiro uma "declaração pública de interesse" : votei em si nas eleições para a presidência de República, quando era notória  a onda cretina do actual "okupa de belém".
 
Será  óbvio que só  poderia concordar com o seu claro e habitual raciocínio.
 
E, contudo, chamo a sua atenção para o papel ( d'embrulho) do actual e fake PdaR nesta autocracia vigente em Portugal.
Não  o ignore, pf.
Uma autocracia a dois, mesmo "mascarada", deve ser denunciada e com fundamento, na minha opinião.
 
 
Keep them coming!!
 
 
... Ler mais
 
 
 
Joaquim Almeida
1 d
Podemos imaginar bem a amargura do cidadão lúcido e patriota Henrique Neto ao pintar-nos este retrato fiel de um país perdido num labirinto  de oportunismo, corrupção, reacionarismo progressista, indigência intelectual e pobreza. 
 
 
 
Francisco Ramalho
1 d
Tem o Sr. Henrique Neto toda a razão e autoridade para desmascarar o teatro político em que vivemos com o PS de Sócrates e Costa. No estilo da mafia, tratam-se de dois Padrinhos que organizaram o assalto ao aparelho do Estado por boys, girls e oligarcas. Mas têm a indispensável cumplicidade do eleitorado de esquerda que maioritariamente pelo proveito próprio (subsídio dependentes, funcionários públicos ronhas, reformados que pouco descontaram para a reforma de que beneficiam, …) querem manter a ditadura desta maioria sobre a minoria (que é a classe média trabalhadora afogada em impostos). Só há nesta análise um erro, no meu entender. A União Europeia é o que os Estados Membros querem e não tem a força própria que muitos imaginam. Por exemplo se nos fundos europeus não há fraude mas simplesmente dinheiro desperdiçado (como nos « investimentos » perdulários que se fazem em Portugal) a UE não pode intervir. É uma prerrogativa do Estado Membro desperdiçar os fundos.
... Ler mais
 
 
 
Maria Paula SilvaFernando Cascais
1 d
nunca votei em MRS. Sempre  só vi nele um balão vazio cheio de vaidade.
Percebo relativamente quem tenha votado na 1ª vez, mas não consigo entender, de todo, quem votou na 2ª.
 
 
 
 
Tim do Á
1 d
Para quem gosta de ler Henrique Neto e não sabe,  o autor escreve todas as semanas no jornal semanário "O Diabo". O jornal, para além deste autor, tem ainda variados artigos de grande valor intelectual que valem muito a pena ler. A sua compra é dinheiro muito bem empregue. Assim como vale a pena assinar o Observador.
 
 
 
António Sennfelt
1 d
Bravo Henrique Neto! E cada vez mais me orgulho em ter votado em si!
 
 
 
Manuel Portela
1 d
Bem haja pelo excelente artigo em que retrata o momento atual do país, que para desgraça temos o pior primeiro ministro de sempre e uma nulidade de presidente da republica
 
 
 
Diogo M. Souza Monteiro
1 d
Excelente artigo! Lúcido, conciso e directo ao assunto. Estamos de facto num período complicado. Quando não há alternância a democracia está em perigo e o que o actual PS está a fazer é reduzir a oportunidade de haver uma alternativa. Tenho uma grande admiração pelo autor, que sendo da área socialista pensa pela sua cabeça e tem em vista o interesse nacional em vez da dos camaradas do partido. Pena que não tenha tido nenhuma chance nas eleições presidenciais de 2016.
 
 
 
Censurado sem razão
1 d
Um texto brilhante. Um retrato fiel da pantominice em que Portugal se tornou. Devia ter votado em si aquando das eleições presidenciais. Não teria valido de muito, mas teria a minha consciência apaziguada. Votei no cobarde socialista Marcelo. Como julgo ser alguém dotado de inteligência, serviu-me de emenda. Julgo que o Henrique Neto também foi ou diz-se socialista. Mas quando escreve ó escreve e diz o que diz, deve-lhe ter passado o rancor. Bem haja!
 
 
 
José Miranda
1 d
Meu caro amigo,
descreve como ninguém a desgraça a que o PS conduziu Portugal.
 
 
 
Jose Augusto Mira Pires Borges
1 d
Extraordinária clarividência. Tudo dito de forma clara. Pena que a maioria dos portugueses não leiam e a restante Comunicação Social esconda. Parabéns. Que nunca a voz lhe doa, nem a caneta lhe pese.
 
 
 
Adolfo Castro
1 d
Apesar de tudo, ainda temos Socialistas decentes. Henrique Neto teria dado um bom presidente da República.
 
 
 
Manuel Rodrigues
1 d
Os meus parabéns a um HOMEM íntegro , e honesto...
 
Obrigado   
 
 
 
João Floriano Fernando Cascais
1 d
Nunca votei em Marcelo. Desconfiei sempre intuitivamente daquele «melão» .
 
 
 
vitor manuel
1 d
Homem de enorme Coragem e Nobreza. Este actual país não o merece, caro Henrique Neto.
 
 
 
Ediberto Abreu Ediberto Abreu
1 d
Esqueci-me de apresentar a minha admiração por HN, continua lúcido e acutilante. Parabéns
 
 
 
Nuno Guimaraes
1 d
Conheci este Homem de raspão em 1992, na Iberomoldes, em que me espantei com a sua perspicácia, na altura empresarial e tecnológica (ainda hoje refiro o exemplo em muitas aulas). Uns 30 anos depois, continua com uma clareza extraordinária. Quase que tenho inveja (da boa :-))
 
 
 
Pedro Reis
1 d
Só comprova o mérito da sua candidatura e o desperdício da não eleição.
Portugal estaria bem melhor.
 
 
 
Fernando CE
1 d
Era a voz que faltava ao Observador. Parabéns.
 
 
 
Tutto Gama
1 d
Há uns tempos atrás, dei por mim a constatar que nunca nenhum PR foi eleito com o meu voto.
Este foi um dos candidatos em quem votei.
 
 
 
Jorge Silva
1 d
Este cavalheiro é um dos pouquíssimos homens "públicos" que eu respeito, em Portugal.
 
 
 
Mario Caldeira
1 d
Tudo irrepreensivelmente exposto. E esta sensação de inutilidade. De já nem vale a pena. Somente no que toca às Forças Armadas, algo muito errado está na sua organização quando há dois chefes para cada praça. Somos um país de doutores e de oficiais e sargentos. 
 
 
 
Francisco Figueiredo
1 d
Muito obrigado pelo seu artigo.
 
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 15:41

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 6 de Julho de 2023

Até breve...

 

A ignorância, a estupidez, a mediocridade, a falta de sensibilidade e bom senso dos governantes, a indiferença (uma outra forma de ignorância) e uma inconcebível INSANIDADE disseminadas em Portugal, tal qual uma praga virulenta, obrigam-me a afastar-me disto tudo, por uns tempos...

 

Bem sei que é certo e seguro que

 

MIGUEL DE CERVANTES.png

 

Portanto, não percamos a ESPERANÇA, porque a ESTUPIDEZ que se implantou em Portugal com o aval de Marcelo Rebelo de Sousa (PR), António Costa (PM) e Augusto Santos Silva (PAR e ex-ministro dos Negócios DOS Estrangeiros) assistidos pelos deputados da Nação  e por  uma legião de servos da gleba, NÃO veio para ficar, até porque a História da Humanidade diz-nos que a estupidez jamais venceu a RAZÃO.

 

E a RAZÃO está do nosso lado.

Brevemente poderão cair o Carmo e a Trindade e Portugal libertar-se-á do jugo dos MAUS.

 

Até breve.

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:11

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 14 de Junho de 2023

O que tenho a dizer sobre o polémico cartaz de António Costa é que em Portugal andam tão obcecados com o “racismo” que já nem sabem a quantas andam...

 

António Costa teve toda a legitimidade de não gostar do cartaz que o perseguiu na Régua, no “10 de Junho”, não por ser um cartaz racista, porque não era, mas por ser um cartaz de um gigantesco mau gosto.  

 

O cartaz nada tem a ver com racismo, nada nele leva ao racismo, MAS, sim, a um extremo MAU GOSTO, talvez, fruto da estupidez que se implantou em Portugal, de há uns tempos a esta parte, a qual já não deixa ver o que é razoável e o que não é razoável, nem distinguir o que é arte (a caricatura é uma arte maior) e o que é achincalhar com um mau gosto atroz, o primeiro-ministro de Portugal, ou que seja um outro qualquer cidadão.

 

O caricaturista tem liberdade de expressar o que sente através da caricatura que faz, e, para tal, tem dois caminhos a seguir: o do bom gosto e do mau gosto. Infelizmente o autor do cartaz em causa enveredou pelo caminho do mau gosto, com uma caricatura que não diz a treta com a careta. Isto é, o que é que o primeiro-ministro caricaturado como porco com um lápis enfiado nos olhos, tem a ver com a luta dos professores? A não ser que as escolas sejam consideradas pocilgas, e quem tem o dever de gerir essas pocilgas não está a cumprir bem a sua missão. É esta aminha interpretação do cartaz. Será isso, não será isso?...

 

Porém, chamar àquilo um cartaz racista é de quem não sabe o que é o racismo.  

 

Eu até tenho em muito boa conta os Porcos, porque criei uma porquinha desmamada, como animal de estimação, que foi a minha mais divertida e inteligente companheira da minha infância, no que a seres não-humanos diz respeito, porque tive o privilégio de conviver com seres não-humanos de várias espécies. Além disso, ao contrário do que se diz por aí, era uma porquinha muito limpinha, e nunca sujou o espaço humano (ela dormia a sesta refastelada no tapete do meu quarto, onde o Sol entrava com toda a sua exuberância) porque tinha o espaço dela, no quintal. Aliás, os Porcos são animais bastante inteligentes, brincalhões, companheiros e muito, muito carinhosos.



Só que a caricatura porcina de António Costa é de um mau gosto indescritível, na minha interpretação da Arte da Caricatura.



A finalizar devo dizer que António Costa não teve razão em considerar o cartaz racista, até porque se o cartaz não fosse elaborado com tão mau gosto, nos tempos que correm, caricaturar-nos como Porco, Burro, Camelo ou outro qualquer animal não-humano é menos insultuoso do que caricaturar-nos com particularidades de seres mais desumanos do que humanos.

Isabel A. Ferreira

 

Cartaz de Costa.png

Créditos da foto:  jporfirio-10-de-junho-marcelo-rebelo-de-sousa-dia2-02-32-1-1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:25

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 19 de Maio de 2023

Enquanto os Portugueses ouviam Galamba na CPI-TAP, António Costa divertia-se no concerto dos Coldplay. Conclusão: o primeiro-ministro de Portugal quer lá saber das trafulhices geradas no seio dos seus ministérios!

 

É isto que me ocorre dizer sobre este episódio muito significativo do desprezo que António Costa vota a Portugal e ao Povo Português, demonstrando não ter o mínimo respeito pelo bom funcionamento das instituições governamentais.

 

O caso Galamba é gravíssimo. E discordando eu, em tantas coisas, do Presidente da República, dei-lhe razão, quando sugeriu a demissão de Galamba. Porém, António Costa, num acto absolutamente absolutista, contra tudo e contra todos, inclusivamente contra o PR, manteve Galamba no cargo de Ministro das Infraestruturas, cargo esse que Galamba tem exercido levianamente, basta ver o circo que se passou no interior do seu ministério.


O que quis provar António Costa, ao não demitir João Galamba? No meu entender, quis provar algo muito óbvio: quem manda aqui sou EU, o Estado sou EU, algo que condiz bem com o regime socialista absolutista, actualmente vigente em Portugal.

 

Andamos aqui todos ao sabor da incompetência, do eu quero, posso e mando, atributo dos ditadores, do estou-me nas tintas para Portugal, enfim, andamos aqui todos à mercê de alguém, que com muito cinismo, segura o leme da desgovernação.

 

A este episódio podemos somar muitos outros lamentáveis episódios, que já levaram à demissão de vários ministros e de membros deste governo socialista absolutista.

 

MAQUIAVEL.PNG

 

Num texto que escrevi em 31 de Janeiro de 2022, neste Blogue, sob o título «Os Portugueses, que ontem deram a maioria absoluta ao PS, não sabiam que em Democracia não há lugar para o Absolutismo?»   vaticinei que teríamos mais do mesmo… para PIOR.

 

E o PIOR aconteceu:

Sempre se criticou o Absolutismo.

Sempre se criticou o Absolutismo Monárquico.

Sempre se criticou a maioria absoluta dos outros, mas quando um Povo, pouco esclarecido nestas coisas de absolutismos, dá ao PS a maioria que eles sempre desejaram, faz-se uma grande festa!

 

E para isto contribuíram duas coisas terríveis: o MEDO da mudança, e o facto de termos um Povo ainda POUCO ESCLARECIDO. E uma Democracia só funciona em pleno numa sociedade maioritariamente esclarecida. E quando digo esclarecida, não se julgue que me refiro a canudos universitários, porque já vimos, pelas experiências na política portuguesa, que ter um canudo universitário não é sinónimo de ser-se esclarecido.

 

Além disso, pelas entrevistas de rua que vi na televisão, na altura, houve gente que tinha a bandeira de um determinado partido na mão, mas não sabia de que partido era. Como poderão votar em consciência?



Os Portugueses, se bem que apenas uma minoria, ao darem a maioria absoluta ao Partido Socialista, que já tinha dado provas de uma gigantesca incompetência, deram um passo na direcção errada, embora com a legitimidade que essa minoria lhe conferiu.  Se já tínhamos um governo do eu quero, posso e mando, esse quero, posso e mando agigantou-se, com essa maioria absoluta.

 

António Costa começou logo por dizer, no seu discurso de vencedor, que não falaria com o Chega. Esta não será uma atitude ditatorial, como outras que já teve no anterior mandato? Afinal, o Chega ficou a ser a terceira força política, legitimada pelo voto do povo e que nele votou. O Chega existe. Quer se goste, ou não se goste. E se se chegou a tal, foi pela má prestação dos que se dizem de esquerda, da tal geringonça, que não passou disso mesmo: de uma geringonça, pois não conseguiram convencer nem os da esquerda, nem os da direita, com as suas atitudes, por vezes, dúbias e anhti-democráticas, embora isto de “esquerda/direita” me soe a tropa.

 
Além disso, continuámos a ter o mesmo primeiro-ministro, que além de muitos outros aspectos negativos, desconhece o valor da Língua Portuguesa e a sua Gramática, e falando em nome dos Portugueses [em meu nome não falou] o que gostaríamos era de falar à brasileira, usando redundâncias sem saber o que está a dizer, fazendo discursos numa linguagem insólita, incoerente, onde nem todos são todas, nem os portugueses são as portuguesas, nem os cidadãos são as cidadãs, ou tudo isto no seu vice-versa.

 

Tudo isto é muito triste.


Se Portugal já estava na cauda da Europa em quase tudo (ao menos serve para os turistas virem reinar, com todas as mordomias, que não se concede aos portugueses, que não passam do Zé do Paga Taxas, Taxinhas e Taxões); se em Portugal, a contestação, em várias frentes, é o pão nosso de cada dia, há tanto tempo; se nos anos de governação socialista, em Portugal não se avançou no SNS, que continua cada vez mais caótico; se não se avançou no Ensino, que continua super-caótico; se não se investiu na Cultura CULTA (não a inculta, que essa recebe chorudos subsídios) que continua a ser marginalizada;  se não se anulou o ILEGAL AO90, que estraçalhou a Língua Portuguesa, violando a Constituição da República Portuguesa, a Lei e o direitos dos cidadãos; se não se aboliu a tauromaquia, a caça e todas as outras actividades que vivem da tortura de seres vivos, catapultando Portugal para a Idade Média; se não se orientou da melhor forma as actividades económico-financeiras do país; se não se conseguiu pôr fim à corrupção, à pobreza, à ladroagem que nos cerca por todos os cantos e esquinas; se não se conseguiu diminuir o fosso entre ricos e pobres; SE não… SE não … SE não… tanta coisa!!!! Com a maioria absoluta, sem que a Democracia plena seja executada, sem o contraponto dos restantes partidos políticos com assento na Assembleia da República, vaticinei um tsunami que afundaria ainda mais um Portugal que já estava afundado, desvirtuado, desconjuntado na sua identidade.


Um povo pouco esclarecido é um MANÁ dos deuses para os governantes.



Na altura, escrevi o seguinte: «Esperemos que o novo governo absolutista, tenha a hombridade de consultar TODOS os outros partidos eleitos e com assento no Parlamento, conforme as regras democráticas, e não vá governar conforme lhe der na real gana».

 

Escrevi esta frase esperançada, mas não me lembrei de que, em Portugal, não vivemos em Democracia, não temos um Estado de Direito, e a Constituição da República Portuguesa, onde estão consignados os direitos, as obrigações e os deveres do Povo, mas também dos governantes, é constantemente violada por estes últimos.

 

Portanto, o governo governa conforme lhe dá na real gana.

 

A Política, em Portugal, é exercida sem um pingo de dignidade e honestidade, sem respeito algum pelo Povo Português, enxovalhando com atitudes esvaziadas de nobreza, os Órgãos de Soberania Nacional.



Eu, como cidadã livre-pensadora, dotada de espírito crítico, e com uma elevada noção do seu dever cívico, sinto-me envergonhada com que está a passar-se, em Portugal.

 

E dou nota mil zeros abaixo de zero a todos os que desavergonhadamente estão a lançar Portugal para o abismo.

 

É URGENTE que Marcelo Rebelo de Sousa, como Chefe de Estado Português, e garante do funcionamento pleno dos Poderes Executivo, Legislativo e Judicial, dentro dos trâmites da Constituição da República Portuguesa, cumpra honradamente as suas funções, também de acordo com a CRP, e ponha ORDEM neste pedaço de terra, que tantas vidas sugou, para que HOJE pudéssemos ter um PAÍS, que é dos Portugueses, e que queremos que seja livre e soberano, porque, neste momento, NÃO o é.


Ou então, que se demitam todos, e dêem lugar a quem pugne pela Cultura, pela História, pela Língua e pela Identidade Portuguesas.  



Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:08

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 27 de Abril de 2023

António Costa dixit: « (...) com toda a franqueza, do que temos mesmo pena é de não falarmos com o sotaque brasileiro». Se em Portugal houvesse um Presidente da República, o primeiro-ministro seria demitido imediatamente

 

Vou começar esta minha publicação por felicitar Chico Buarque, alguém de quem sou muito fã, na música, nos versos e na prosa, galardoado com o Prémio Camões, embora exista um mar e um longo tempo de distância, entre Camões e Buarque.

 

Chico Buarque.png

 

Agora vamos ao teor deste texto, que gostaria de NÃO ter escrito, porque seria sinal de que Portugal não anda por aí à deriva, espoliado da sua Língua, da sua História e da sua Cultura.
 

Que VERGONHA para Portugal, ter um primeiro-ministro que DESPREZA a Língua Oficial do País - a Língua Portuguesa  - e LOUVA a Variante Brasileira do Português, ainda mais falando em NOME dos Portugueses.


Que fale por ele, e unicamente por ele, que é um apátrida.  Nós, os Portugueses, que prezamos e estamos a lutar pela NOSSA Língua, NÃO temos pena alguma de não falarmos Brasileiro, porque a Língua que se fala no Brasil NÃO é um simples sotaque, um som, uma entoação ou pronúncia particular de um indivíduo ou de uma região. No Brasil fala-se uma linguagem fonologicamente diferente da fonologia portuguesa.

 

 

Se vivêssemos numa Democracia plena, e tivéssemos um Presidente da República PORTUGUÊS a sério (afinal Marcelo diz, com um orgulho que nem tenta disfarçar, ser luso-brasileiro, e pelo que vemos é até mais brasileiro do que português); se tivéssemos um presidente que defendesse a Constituição da República Portuguesa, demitiria imediatamente este primeiro-ministro, que não passa de um BAJULADOR do Brasil, sem o mínimo brio pessoal e político.

Porém, Portugal está muito mal servido, também no que toca ao Chefe de Estado, igualmente um BAJULADOR do Brasil e da sua Língua, que NÃO é a Portuguesa, mas a VARIANTE Brasileira da Língua Portuguesa, que deu novas línguas ao mundo, entre elas a Língua do Brasil, através dos seus valorosos navegadores, que deram novos mundos ao mundo (e não é para aqui chamado o que eles fizeram de menos valoroso, à luz dos nossos valores humanos, e que, no entanto, continua perpetuado nos tempos que correm, apesar dos já declarados "Direitos do Homem", que, há época desses navegadores, ainda não existiam, como tal).

Se o Povo Português não andasse tão entretido com o futebol, com as novelas brasileiras de que António Costa tanto gosta, dos Reality Shows degradantes, levantar-se-ia em massa a EXIGIR a demissão de um ministro que NÃO tem competência para defender os interesses de Portugal.

 

A entrega do Prémio Camões a Chico Buarque serviu para demonstrar o quanto a Língua Portuguesa está à beira do abismo, desprezada pelas autoridades máximas da Nação Portuguesa.

 

Ficou bem claro de que lado está aquele que foi eleito por uma minoria de Portugueses (a abstenção foi das maiores), para ser o presidente da República, e que o é apenas num documento, uma vez que numa notória subserviência aos convidados brasileiros,  pôs nos píncaros a Variante Brasileira da Língua Portuguesa (que nada tem a ver com sotaque) em detrimento da Língua de Camões, que para Marcelo, bem poderia ser a Língua de Chico Buarque.

O brasileirismo do presidente da República de Portugal está de tal forma entranhado em Marcelo Rebelo de Sousa que o faz perder a noção do seu DEVER constitucional de defender a Língua, a História e a Cultura portuguesas.

 

Marcelo mostrou nitidamente estar-se nas tintas para Portugal e para os Portugueses.

Deveríamos ter um mecanismo que permitisse ao Povo Português DEMITIR um presidente que põe os interesses do Brasil acima dos interesses de Portugal, desprezando, às claras, os interesses daqueles que diz representar. O facto é: Marcelo Rebelo de Sousa NÃO representa Portugal.


Portugal NÃO é o Brasil.

As autoridades máximas portuguesas - Presidente da República, Primeiro-ministro e Presidente da Assembleia da República - NÃO têm de prestar vassalagem ao Brasil.

Pelo seu lado, o Brasil NÃO tem o direito de espezinhar a Soberania de Portugal, e se o faz é porque essas autoridades são seus vassalos.


Foi absolutamente patético ouvir Marcelo Rebelo de Sousafálá - e muito mal - “brásilêru”, numa parte do seu discurso, na cerimónia de entrega do Prémio Camões a Chico Buarque, o que deixou o laureado com cara de «o que é isto?????». Seria para “cápitá” (palavra que ouvi de uma comentadora brasileira na CNN) a simpatia daqueles que querem transformar Portugal numa colónia brasileira, tendo, para tal, a inacreditável cumplicidade explícita de Marcelo Rebelo de Sousa, António Costa e Augusto Santos Silva?

Conseguem imaginar o que está por detrás deste SERVILISMO?

 

Depois de termos ouvido, nestes dias alucinantes, que foram os da visita de Lula da Silva a Portugal, Marcelo a “fálá” brasileiro, António Costa a dizer em alta voz que os Portugueses têm pena de não falar com o “sotaque” brasileiro, e Augusto Santos Silva, presidente da Assembleia da República Portuguesa, lugar onde a Vida e a Morte de Portugal se decide como estivessem num campo de batalha, a reclamar a Variante Brasileira do Português, como substituta da Língua Portuguesa que lhe deu origem, se os Portugueses não estivessem tão anestesiados, exigiriam a demissão de todos estes agentes da mediocridade, do caos, da incompetência, do vergonhoso SERVILISMO e da estupidez que se implantou em Portugal, e dir-lhes-iam que juntassem os trapinhos e fossem de malas aviadas para o Brasil, onde se sentirão, com toda a certeza, no Paraíso Linguístico que tanto veneram.

 

 

Ouçam com atenção!!!!

UAU!!!!!!! Ouviram bem? Marcelo disse Augusto BUAU????????? BUAU???????

O senhor chama-se Augusto BoaL. Não sei o que pensam os restantes portugueses, EU ENVERGONHO-ME de ter um presidente que não sabe nem falar, nem escrever correCtamente a Língua Portuguesa.

Isabel A. Ferreira


 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:28

link do post | Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29

Posts recentes

«Bicadas do meu aparo: “S...

«Assunto: António Costa d...

Reflexões sobre a crise p...

A República Portuguesa ba...

Os 113 anos da implantaçã...

«Democracia, corrupção e ...

Até breve...

O que tenho a dizer sobre...

Enquanto os Portugueses o...

António Costa dixit: « (....

Arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt