Domingo, 22 de Novembro de 2020

Ao Poeta vila-condense Dário Marujo (A. Monteiro dos Santos) pela passagem do 12º aniversário da sua morte

 

Passam hoje 12 anos sobre a morte de A. Monteiro dos Santos (paleógrafo e investigador) ou Dário Marujo, o Poeta (24 de Janeiro de 1944 - 22 de Novembro de 2008).

 

Um Homem do Saber, de Saberes feito, que deu um precioso contributo para a História de Vila do Conde e de Eça de Queiroz.  E escreveu versos. Era Poeta.

No entanto, Vila do Conde esqueceu-se dele.

 

Mas eu não me esqueci, porque éramos amigos. E os amigos não se esquecem. Ao seu Saber recorri infinitas vezes, para poder servir Vila do Conde, com rigor, como correspondente de imprensa.

 

Hoje, recordá-lo-ei com dois poemas, que me dizem muito: um nasceu de mim, o outro foi-me dedicado.

 

Monteiro dos Santos - tapeçaria de Régio.jpg

A. Monteiro dos Santos junto à tapeçaria assinada por José Régio, que durante muitos anos ornamentou o Gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde (Foto tirada por mim, em 19 de Setembro de 1994).

 

Meu caro e saudoso amigo,

 

Não foi muito o tempo que tiveste para viver, mas foi o suficiente para te tornar imortal, através da tua poesia, do teu saber, da obra que deixaste...

 

Nenhuma pergunta havia que não deixasses sem resposta. Eras uma espécie de enciclopédia ambulante. Viveste entre os livros, trabalhaste entre os livros. Soubeste utilizar esta circunstância da melhor maneira. Serviste vila do conde através do teu Saber.

 

Mas também foste Poeta. Nasceste Poeta.

 

Assinavas os teus livros de poemas com o nome de Dário Marujo, um nome do qual eu não gostava. E um dia perguntaste-me porquê? E eu respondi: «Porque o teu nome cheira a docas, cheira a cais…».  

 

E logo ali, naquele preciso momento, nasceu o poema com que abriu o seu primeiro livro de poesia intitulado Se eu Fosse o Dono da Vida… (de 1997), e que aqui reproduzo, com saudade…

 

O Meu Nome

 

O meu nome cheira a docas,

O meu nome cheira a cais,

De partida e de chegada.

Filho de um mar de gaivotas,

Colhidas nos vendavais.

O meu nome é maresia,

O meu nome é mar salgado,

É filho da alegria,

O meu nome é sem pecado.

É filho de um mar chão,

E também de um mar bravio,

Que trago na minha mão.

O meu nome é desafio,

O meu nome cheira a docas,

O meu nome cheira a cais,

Marujos em mastros reais,

No tempo das caravelas,

Filho do Sol, da chuva, do vento,

Tenho-o escrito nas velas,

Desta nau do pensamento,

O meu nome é panamá,

Corpete, manta de seda,

Farda branca, imaculada,

É jersey e é alcaxa,

Farda de azul-escuro,

É estóico, é lutador.

Nos lábios sempre uma trova,

No coração um Amor.

Desta doçura não fujo,

 

Meu nome é DÁRIO MARUJO.

 

*

Depois de ouvir este belo poema, fiquei a entender e a gostar do nome Dário Marujo, inspirado nos seus tempos de juventude, quando era marinheiro…

*

Recordo aqui também, aquele dia em que por ocasião do meu aniversário (também em Janeiro, a uns escassos dias do teu dia), quando a nossa amizade estava já consolidada, tu começaste a oferecer-me a prenda mais bonita que alguém pode receber: um poema.

 

E o poema que se segue foi o primeiro de muitos que me dedicaste, para me presenteares no dia do meu aniversário:

 

 

À Isabel A. Ferreira, no dia do seu aniversário natalício

 

Se te dói o desgosto que tens

Por campear a maldade,

Por reinar a estupidez,

Por vingar a ingratidão;

Se te dói a mudez de outras almas

Que apenas têm cabeça

Para acenar,

Sem pensar;

Se te agride a bajulice,

Ser humano feito bicho,

Sanguessuga, chupa-sangue,

Invertebrado e malvado,

Rastejante, feito cobra,

Todo feito de manobra.

Se o velhaco te dói mais

Que o maior celerado...

(Eu sei o quanto te dói,

Te magoa, te punge,

Te fere e te entristece)

Aceita

A minha receita:

...

Ergue a tua fronte

Acima do NADA.

Sê mais forte que essas doninhas

Que enxameiam ao teu redor.

Fazendo isto, tu serás mulher

E ninguém será mais do que tu

E serás tu mais que qualquer!

 

A. Monteiro dos Santos/ Janeiro de 1988

 

*

Ah! meu amigo, apesar de passados todos estes anos, ainda me dói os desgostos e continuo rodeada de doninhas. Porém, nunca deixei de seguir a tua receita, sempre de fronte erguida e acima do nada que me rodeia. Só assim tenho conseguido sobreviver.

 

Vila do Conde, tua terra natal, e minha terra do coração, já não é a mesma sem a tua presença, a presença de um amigo verdadeiro, daqueles que já não se fazem... e que me guiava pela riqueza histórica vila-condense…

 

Monteiro Santos junto Biblioteca.png

Estejas onde estiveres, continuo a oferecer-te esta rosa amarela (símbolo do nosso grupo de poetas), a rosa que fotografaste no pequeno jardim, da pequena rotunda, em 2 de Maio de 1994, junto à antiga Biblioteca Municipal, hoje o Arquivo de Vila do Conde.

 

Continuarei a dizer-te: até sempre amigo!

Continuarás connosco, porque os Poetas são eternos.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:06

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 22 de Novembro de 2010

Ao Poeta vila-condense Dário Marujo (A. Monteiro dos Santos)

  

 

Dário Marujo, no «Cantinho dos Poetas» da Cervejaria "Vela Atlântica" (Póvoa de Varzim) , no V Encontro dos Poetas da "Página Jovem», do "Cantinho do Nicolau", do  Jornal «O Comércio do Porto»  (Foto: Isabel A. Ferreira)

 

(Na passagem do segundo aniversário da sua morte)

 

22 de Novembro de 2008/22 de Novembro de 2010

  

A notícia não me apanhou de surpresa. Mas doeu.

O meu amigo havia partido.

Mas deixou-nos os seus versos.

E é com um verso dele, do livro «Se Eu Fosse Dono da Vida...» que lhe grito cá de baixo:

  

«Comandante! Não me esqueci de ti! E do contributo que deste à tua tão querida terra – Vila do Conde; e ao Clube do Poetas da Página Jovem, do “Cantinho do Nicolau”.»

 

***

 

Fazer Versos

 

Há os que dizem

Que só fazem versos

Quando estão tristes,

Melancólicos, solitários,

Deprimidos, infelizes,

Enfaixados na saudade,

Calcados, amargurados. 

Eu, por mim, sou ao contrário:

Só escrevo versos

Quando estou alegre,

Quando me sinto amado,

Quando estou feliz,

Contente, radiante,

Quando sou amante.

Por isso, os meus versos,

Os feitos com o coração,

Tão poucos são,

E no tempo tão dispersos...

***

Até sempre, amigo!

© Foto e texto Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 24 de Janeiro de 2010

Ao Poeta vila-condense - A. Monteiro dos Santos

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2010

 

A. Monteiro dos Santos, na Caravela «Boa Esperança», atracada em Vila do Conde, recordando o seu tempo de marinheiro, o que deu origem ao seu pseudónimo de poeta - Dário Marujo

 

Parabéns a você/ Nesta data querida/ Muitas felicidades/ Muitos anos de vida...
 
Hoje é dia de festa/ Cantam as nossas almas/ Ao Monteiro dos Santos/ Uma salva de palmas!...
 
Como gostaria, caro amigo, de poder cantar assim, hoje, dia em que completarias 66 anos de vida. Não foi muito o tempo que tiveste para viver, mas foi o suficiente para te tornar imortal, através da tua poesia, do teu saber, da tua obra...
Nenhuma pergunta havia que não deixasses sem resposta. Eras uma espécie de enciclopédia ambulante. Viveste entre os livros, trabalhaste entre os livros. Soubeste utilizar esta circunstância da melhor maneira.
Mas também foste Poeta. Nasceste Poeta.
Lembro-me de que por ocasião do meu aniversário (também em Janeiro, a uns escassos dias do teu dia), quando a nossa amizade estava já consolidada, tu começaste a oferecer-me, a prenda mais bonita que alguém pode receber: um poema.
Se estivesses vivo, hoje, estarias, com certeza, a escrever um poema para me ofereceres daqui a uns dias. Como não estás entre nós fisicamente, e como não podes lançar palavras, daí, onde acredito que vivas, vou homenagear-te, aqui, muito emocionadamente, com o primeiro poema que me dedicaste, já lá vão muitos anos... Um poema que nunca ninguém leu, a não ser eu.
 
À Isabel  A. Ferreira, no dia do seu aniversário natalício
 
Se te dói o desgosto que tens
Por campear a maldade,
Por reinar a estupidez,
Por vingar a ingratidão;
Se te dói a mudez de outras almas
Que apenas têm cabeça
Para acenar,
Sem pensar;
Se te agride a bajulice,
Ser humano feito bicho,
Sanguessuga, chupa-sangue,
Invertebrado e malvado,
Rastejante, feito cobra,
Todo feito de manobra.
Se o velhaco te dói mais
Que o maior celerado...
(Eu sei o quanto te dói,
Te magoa, te punge,
Te fere e te entristece)
Aceita
A minha receita:
...
Ergue a tua fronte
Acima do NADA.
Sê mais forte que essas doninhas
Que enxameiam ao teu redor.
Fazendo isto, tu serás mulher
E ninguém será mais do que tu
E serás tu mais que qualquer!
A. Monteiro dos Santos/ Janeiro de 1988
*
Ah! meu amigo, apesar de passados todos estes anos, ainda me dói desgostos e continuo rodeada de doninhas. Porém, nunca deixei de seguir a tua receita, sempre de fronte erguida e acima do nada que me rodeia. Só assim tenho sobrevivido.
Vila do Conde, tua terra natal, e minha terra do coração, já não é a mesma sem a tua presença, a presença de um amigo verdadeiro, daqueles que já não se fazem...
 
Estejas onde estiveres, ofereço-te esta rosa amarela (símbolo do nosso grupo de poetas), a rosa que fotografaste no pequeno jardim, da pequena rotunda, junto à antiga Biblioteca Municipal, hoje o Arquivo, em Vila do Conde.
Até sempre amigo!
Continuarás connosco, porque os Poetas não morrem nunca.
Isabel A. Ferreira
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 11:34

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

In Memoriam A. Monteiro dos Santos (Dário Marujo) - Poeta vila-condense...

 

 Copyright © Isabel A. Ferreira 2008
 
 
(A. Monteiro dos Santos declamando um dos poemas do seu primeiro livro
«Se eu fosse dono da vida…» no Salão Nobre da antiga
Biblioteca Municipal de Vila do Conde)
 
 
Ao meu amigo António Monteiro dos Santos, Poeta vila-condense, falecido no passado dia 22 de Novembro (2008), dediquei esta crónica, publicada no Jornal «A Voz da Póvoa»:
 
 
As Laranjeiras Florescem no Inverno…
 
 
A tarde caía. A frágil luz de fim de dia dourava a paisagem, e eu ali estava, diante daquelas velhas pedras cobertas de musgo e hera, tentando buscar, num passado longínquo, episódios bucólicos, talvez nunca vividos, mas que se fixaram no meu subconsciente, como se eu tivesse, realmente, pertencido a outras épocas.
 
Nunca entendi este meu fascínio por muros velhos, rodeados de silvas, que o tempo guardou religiosamente como autênticas relíquias, mudos testemunhos de vidas passadas.
 
Foi então que, por entre o silêncio que sempre invade os lugares ermos, distingui, nitidamente, o chilreio dos pássaros, que se recolhiam algures, ali perto. Por momentos, julguei-me para além do meu mundo, distante do meu planeta, numa qualquer galáxia prodigiosa, povoada por seres silenciosos.
 
Continuei a olhar aquelas ruínas, junto ao rio, cujas águas entoavam um cântico, baixinho, como que embalando os arbustos que habitavam as suas margens.
 
Nesta busca, quase louca, de recordações-fantasmas, o meu olhar pousou sobre uma laranjeira solitária, salpicada de frutos redondos e amarelos, a qual nascera ali, naquele lugar, inacessível a mãos vorazes, por isso, se mantinha ainda virgem.
 
Sentei-me então num daqueles muros que outrora serviram de abrigo provavelmente a algum senhor feudal e, ao olhar aquela laranjeira, veio-me à memória recordações bem mais recentes: a minha convivência com um Poeta que não se assumia como tal, talvez por modéstia, talvez por indefinição, que me disse:
 
«Deus, ao fazer a Natureza, cometeu um grande erro: criou as laranjeiras para florescerem no Inverno, e não no Verão, quando o calor abrasa e sabia bem refrescar-nos com os saborosos bagos da laranja…».
 
Sorri.
Estas não eram palavras do passado. Ouvia-as recentemente, da boca desse Poeta, meu amigo, quando filosofávamos acerca de Deus e das coisas do mundo e da vida.
 
*
 
Assim como as velhas pedras, os muros cobertos de musgo e hera, e as ruínas rodeadas de silvas, me cativam, e nelas tento buscar um passado que sinto pertencer-me, talvez por fazerem parte das minhas raízes, das minhas origens, também os Poetas têm o dom de me conduzir em batéis dourados, fazendo-me percorrer recantos do meu subconsciente, nunca dantes percorridos, porque só os Poetas conseguem atingir o inatingível.
 
A tarde sumia-se. A imensa laranja solar deslizava por detrás do arvoredo, enquanto as outras laranjas, as verdadeiras laranjas, continuavam a enfeitar aquela arvorezinha solitária, coberta agora de uma luz que me fez lembrar a de um belo quadro de Monet.
 
Senti a aragem fresca que fazia baloiçar, de mansinho, a folhagem dos eucaliptos e pinheiros que se agigantaram ao redor das ruínas, e fazia as águas do rio cantar mais atrevidamente.
 
Não tive qualquer desejo de saborear aqueles frutos que Deus, tão generosamente, criara para saciar a sede dos caminheiros errantes, no Inverno.
 
Talvez o Poeta tivesse razão. Talvez aquelas laranjas pudessem ser mais apreciadas no Verão, quando o Sol escaldasse e o corpo queimasse por dentro.
 
Porém, se Deus criou as laranjeiras para florescerem no Inverno, algum motivo secreto imperou.
 
Naquele instante, as ruínas, junto ao rio, deixaram de ter importância. Fixei o meu olhar sobre aquela arvorezinha salpicada de amarelo, e tudo o que desejei, então, foi encontrar a razão para a existência das laranjas, no Inverno. Se eu conseguisse decifrar o mistério, talvez o Poeta, meu amigo, mudasse de ideias e se reconciliasse com Deus.
 
*
 
Começava a escurecer. Aquele recanto à beira-rio transformou-se num lugar tenebroso. Lá no alto, surgiu a primeira estrela. Mais adiante, a Lua espreitou por detrás de uma nuvem e mirou-se, vaidosa, nas águas do rio.
 
Era tarde. Precisava de retirar-me. Aquelas ruínas, sob a luz do luar assustavam-me. Aproximava-se a hora do passeio dos fantasmas, e eu continuava sem encontrar qualquer argumento que pudesse contentar o Poeta.
 
Dir-lhe-ia apenas que tentei.
 
Afinal, que diferença faz as laranjeiras florescerem no Inverno, desde que cumpram, honestamente, a missão que o Criador lhes confiou?... O que importa é a autenticidade dos seres, tudo o resto é mera ficção científica.
 
Deixei aquele lugar ermo, aquelas ruínas cobertas de musgo e hera, despedi-me do rio, da Lua e daquele forte odor a terra húmida, onde a verde erva cresce em liberdade (o que sempre me deixou a sensação de lhe pertencer – à terra).
 
Num outro dia, talvez, eu ali volte e recomece a busca das minhas raízes, que sei mergulhadas num passado tão antigo como aquelas pedras que deixei à beira-rio.
 
Antes de retirar-me, porém, murmurei baixinho, só para a noite: «Ó Poeta, meu amigo, deixa que as laranjeiras saciem a tua sede, no Inverno. No Verão tu tens a água fresca das fontes que brotam dos montes, junto aos lugares da tua infância».
 
O eco das minhas palavras fez chegar a minha mensagem ao meu amigo, que na outra margem do rio, fazia poemas à Lua, junto às ruínas de um outro passado.
 
E naquela noite, pareceu-me sentir no ar, o aroma fresco das flores de laranjeira.
 
 
*
O Poeta a que me refiro neste texto é A. Monteiro dos Santos que vai hoje a enterrar, no cemitério do Monte, em Vila do Conde. Assinava os seus livros de poemas com o nome de Dário Marujo, um nome do qual eu não gostava. E um dia ele perguntou-me porquê? E eu respondi-lhe: «Porque o seu nome cheira a docas, cheira a cais…».
 
E logo ali nasceu o poema com que abriu o seu primeiro livro de poesia intitulado Se eu Fosse o Dono da Vida… (de1997), e que aqui reproduzo, com saudade…
 
 
O Meu Nome
 
O meu nome cheira a docas,
O meu nome cheira a cais,
De partida e de chegada.
Filho de um mar de gaivotas,
Colhidas nos vendavais.
O meu nome é maresia,
O meu nome é mar salgado,
É filho da alegria,
O meu nome é sem pecado.
É filho de um mar chão,
E também de um mar bravio,
Que trago na minha mão.
O meu nome é desafio,
O meu nome cheira a docas,
O meu nome cheira a cais,
Marujos em mastros reais,
No tempo das caravelas,
Filho do Sol, da chuva, do vento,
Tenho-o escrito nas velas,
Desta nau do pensamento,
O meu nome é panamá,
Corpete, manta de seda,
Farda branca, imaculada,
É jersey e é alcaxa,
Farda de azul-escuro,
É estóico, é lutador.
Nos lábios sempre uma trova,
No coração um Amor.
Desta doçura não fujo,
 
Meu nome é DÁRIO MARUJO.
 
*
Depois de ler este belo poema, fiquei a entender e a gostar do nome Dário Marujo.
A. Monteiro dos Santos havia sido marinheiro, na sua juventude.
Até sempre, amigo Dário Marujo!
Até sempre!...
 
Isabel A. Ferreira
publicado por Isabel A. Ferreira às 14:10

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Ao Poeta vila-condense ...

Ao Poeta vila-condense Dá...

Ao Poeta vila-condense - ...

In Memoriam A. Monteiro d...

Arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt