Sexta-feira, 31 de Janeiro de 2020

Resposta à Associação “Acreditar” a propósito de uma tourada a realizar em Beja para angariação de fundos

 

BEJA.png

 

A propósito do texto que escrevi sob o título «Centro de Paralisia Cerebral alia-se à crueldade de uma tourada para angariar fundos» que pode ser consultado neste link:

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/centro-de-paralisia-cerebral-de-beja-924967

recebi da ACREDITAR - ASSOCIAÇÃO DE PAIS E AMIGOS DE CRIANÇAS COM CANCRO, a seguinte mensagem:

 

Cara Isabel Ferreira,

 

Antes de mais, obrigada por ter entrado em contacto connosco, partilhando a sua opinião sobre uma tourada organizada por terceiros a favor da Acreditar e de uma outra associação.

 

Em relação a esta como a outras questões que dividem a sociedade, a Direcção da Acreditar tem entendido que as opiniões ou posições pessoais dos seus membros não se devem nem podem impor. Tem sido, assim, entendido que não existe o direito de recusar apoios de iniciativas que respeitem a lei, com fundamento nessas opiniões pessoais, tanto mais quando elas não são consensuais entre os membros da própria Associação. Esta iniciativa em concreto, por exemplo, partiu de um avô de uma criança actualmente em tratamento oncológico.

 

Somos uma associação, com 25 anos de existência, constituída por pais, doentes e ex-doentes de cancro pediátrico. Sempre nos orientámos pelo respeito para com todas as formas de estar, credos e orientações políticas, porque é desta diversidade que encontramos o equilíbrio para trabalhar com todos e para todos. É trabalho que só é possível graças ao empenho da sociedade civil e que nos tem permitido dar apoio em todas as fases da doença a milhares de famílias.

 

Foi de boa fé que aceitámos a iniciativa, assim como foi em consciência que suspendemos a nossa participação na iniciativa - por falta de cumprimento por parte da organização do evento dos termos de colaboração entre duas entidades. ​

 

Susana

 

ACREDITAR - ASSOCIAÇÃO DE PAIS 
E AMIGOS DE CRIANÇAS COM CANCRO

 

***

 

Cara Susana,

Agradeço esta sua tentativa de justificar o injustificável.


Começo por dizer-lhe que o que escrevi no meu Blogue não é a minha opinião, aliás, nem sequer é uma opinião, porque a tourada não é uma questão nem de opiniões, nem de gostos. A tourada é uma questão de ÉTICA, de CIVILIZAÇÃO, de EVOLUÇÃO.

 

A tourada não passa de uma prática cruel, violenta e sanguinária, de tortura exercida sobre um ser vivo, que sofre HORRORES, tal como nós sofreríamos se estivéssemos no lugar dele. E isto não é uma opinião. É um FACTO.

 

Esta até pode ser uma questão que divide uma sociedade dividida entre pessoas que evoluíram e pessoas que não evoluíram.

 

As pessoas que evoluíram rejeitam, naturalmente, esta prática medieval, cruel, violenta, grosseira, sanguinária assente na maior das ignorâncias e numa profunda estupidez (e isto não é uma opinião, mas um FACTO comprovado pelas Ciências Biológicas e Ciências da Saúde Mental).

 

As pessoas que NÃO evoluíram, estando mergulhadas num passado onde reinava a ignorância e a estupidez, acham que TORTURAR um Touro é natural, é arte, é cultura, é um bailado, é uma tradição que se deve manter, rejeitando a ÉTICA, a verdadeira Cultura, a verdadeira Arte, a Evolução, a Civilização.

 

Diz a Susana que «em relação a esta como a outras questões que dividem a sociedade, a Direcção da Acreditar tem entendido que as opiniões ou posições pessoais dos seus membros não se devem nem podem impor.» Sim, quando se trata de opiniões ou posições pessoais, penso que é razoável não as imporem. Mas como já referi, a tourada não é uma questão de opiniões, nem de gostos, nem de posições pessoais. A tourada é uma prática cruel e sanguinária, rejeitada pela esmagadora maioria da sociedade, e que já não tem lugar no século XXI depois de Cristo.

 

Diz ainda a Susana que «tem sido, assim, entendido que não existe o direito de recusar apoios de iniciativas que respeitem a lei, com fundamento nessas opiniões pessoais, tanto mais quando elas não são consensuais entre os membros da própria Associação.»

  

É óbvio que uma direcção constituída por pessoas dotadas de empatia (o sentimento mais nobre do ser humano, aquele que nos permite estar no lugar de um Touro, já bastante debilitado, a levar com bandarilhas que lhes rasgam as carnes, por fora e por dentro) rejeitariam, sem pestanejar, apoios de iniciativas que, apesar de “respeitarem” uma lei injusta, não respeitam a VIDA de um ser senciente. O que não é o caso da Direcção da Associação Acreditar.

 

E a VIDA, cara Susana, qualquer VIDA, deve ser respeitada, como tal, ainda mais se essa VIDA pertence a um ser INOFENSIVO e INOCENTE e INDEFESO e SENCIENTE, como é o Touro.

 

Diz a Susana que «esta iniciativa em concreto, por exemplo, partiu de um avô de uma criança actualmente em tratamento oncológico

 

E daí? Justifica-se TORTURAR UM TOURO para que a criança possa fazer o seu tratamento oncológico? Não haverá outro método mais CIVILIZADO de angariar fundos, para esse tratamento, como por exemplo, um FESTIVAL DE MÚSICA? Uma quermesse? É necessário torturar Touros, apenas porque um avô aficionado, assim o impõe? Não seria do BOM SENSO dizer a esse avô, que não é da ÉTICA torturar Touros para angariar fundos para tratamentos de crianças? Não seria da racionalidade dizer a esse avô que há outros modos mais civilizados de ajudar o neto a fazer o tratamento? E quando essa criança crescer, já num tempo em que a tourada representará o que hoje o Circo Romano representa para a civilização actual, ou seja, algo repugnante, e lhe disserem que se curou graças a dinheiros angariados com tortura de Touros, o que sentirá?

 

Lá porque a tourada tem apoio legal dos que não deixam de ser também trogloditas, não significa que a tourada não seja uma prática condenável, no mundo civilizado.

 

A Susana diz que a Acreditar é uma associação com 25 anos de existência, constituída por pais, doentes e ex-doentes de cancro pediátrico e sempre se orientaram pelo respeito para com todas as formas de estar, credos e orientações políticas, porque é desta diversidade que encontramos o equilíbrio para trabalhar com todos e para todos.  

 

Esqueceu-se a Susana de incluir nessas formas a VIDA dos outros animais, aos quais também devemos RESPEITO, até porque não dizem que os humanos é que são os animais racionais? Pois então? Que racionalidade existe na tortura de Touros, para divertir sádicos e angariar fundos para associações de SOLIDARIEDADE SOCIAL?

 

Que solidariedade é essa, que não abrange os outros seres vivos, que connosco partilham o mesmo Planeta, debaixo do mesmo Sol e da mesma Lua?

 

Só haverá equilíbrio para trabalhar com TODOS e para TODOS, quando nesses TODOS estiverem incluídos os animais não-humanos, que os animais humanos, que se dizem racionais têm o dever de proteger, e não de torturar, para se divertirem e ganharem dinheiro com isso.

 

A terminar a Susana diz que foi de boa fé que aceitaram a iniciativa, assim como foi em consciência que suspenderam a vossa participação na iniciativa - por falta de cumprimento por parte da organização do evento dos termos de colaboração entre duas entidades.

 

Como pode dizer que foi de boa fé que aceitaram a iniciativa, se sabem (ou não sabem?) que essa iniciativa não é mais do que uma sessão de tortura de Touros? Ou não saberão nada, mesmo nada de Biologia? Não saberão que o Touro é um animal senciente, dotado de sistema nervoso central e SOFRE exactamente o que um humano sofreria se estivesse numa arena a ser torturado, fora do seu habitat?

Em consciência suspenderam a vossa participação na sessão de tortura de Touros, porque a outra entidade, ou seja, os torturadores de touros (chamar a isto entidade é insultar todas as entidades construtivas) não cumpriram os termos de colaboração?

 

Em consciência, aí sim, nem deveriam ter aceitado a possibilidade de receberem fundos provenientes da tortura de animais tão sencientes como nós.

 

E para que a Susana não vá entender ESTES FACTOS, que lhe narrei, como uma opinião minha, deixo-lhe aqui alguns links, que demonstram, com base na Ciência e em FACTOS REAIS (não com base em ideias, gostos ou opiniões), o que a Associação Acreditar, com boa fé, aceitou, para que o neto de um avô aficionado, pudesse ter o seu tratamento oncológico, quando poderia ter optado por uma iniciativa mais civilizada, como um festival de música, por exemplo.

 

A verdade perversa sobre a tortura de Touros e Cavalos, antes, durante e depois de lide

 «A tourada, razão da existência do Touro bravo?» Ou a queda de um mito...

A tourada vista por um Médico-Veterinário

O sofrimento de um touro diagnosticado por um Médico-Veterinário

 

Leia os textos, por favor, e depois diga, em consciência, se é digno de um ser humano aceitar apoios de uma iniciativa que, respeitando a lei, (injusta) NÃO RESPEITA a vida de seres tão sencientes e inocentes como aqueles que beneficiariam dos dinheiros sujos de sangue derramado sob tortura.


As minhas saudações anti-tauromáquicas,

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:32

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
16
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29

Posts recentes

«Milhares de holandeses u...

«A morte medicamente assi...

«Pássaros do Montijo “não...

«Força, Marega! Não ao ra...

Oferta de bilhetes para t...

Reflexão ao redor da Vida...

Esta imagem mostrará ao M...

Para memória futura da ta...

PGR: «Acabaram as investi...

«Ainda estamos a tempo de...

Arquivos

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt