Quinta-feira, 23 de Maio de 2024

«Outono Marcelista»

 

Artigo de Octávio dos Santos

in

https://folhanacional.pt/2024/05/21/outono-marcelista/

 

 

Octávio dos Santos.png

 

O Partido CHEGA anunciou formalmente, oficialmente, no dia 7 de Maio de 2024: «Não vamos deixar passar em branco as palavras que ouvimos de Marcelo (Rebelo de Sousa) durante estes últimos dias. Por isso, tomámos hoje a decisão de processar o Presidente da República por traição à pátria. Em nome da história de Portugal e dos nossos antepassados: que seja feita justiça!» Estão em causa as declarações que o Chefe de Estado proferiu – e das quais, até ao momento em que escrevo, não se retractou – num jantar com jornalistas estrangeiros, correspondentes no nosso país, a 23 de Abril último sobre o suposto dever por parte de Lisboa de pagar indemnizações, «reparações», a nações soberanas que foram colónias portuguesas por alegados crimes cometidos contra aquelas e os seus povos durante séculos, desde o início da era dos Descobrimentos, no século XIV, até ao século XX. 

 

Existem dúvidas sobre se tal processo jurídico – e político – tem condições para ser concretizado, desenvolvido e levado até às últimas consequências, mas o cerne da questão é, de facto, totalmente incontroverso: o actual residente no Palácio de Belém admitiu publicamente que Portugal, do qual é, seria (mas não se comporta como tal), o «supremo magistrado», é colectivamente – e por muitas gerações – culpado por actos hediondos que nenhum tribunal ou qualquer outra instância nacional ou internacional tem qualquer autoridade e capacidade para julgar. Mas Marcelo Rebelo de Sousa acredita que nos deveríamos auto-condenar e, logo, proceder a enormes transferências de riqueza que, ultimamente, nos poderiam arruinar e destruir definitivamente. Entretanto, e o que não é de surpreender, o corrente governo esquerdista do Brasil, onde abundam amigos e admiradores de tiranos e de terroristas a começar pelo seu corrupto e cadastrado líder Lula da Silva, já se manifestou – através de duas ministras – a favor da abertura de um «negócio» desse tipo, no qual, incrivelmente, também São Tomé e Príncipe quer entrar. Pelo que a resposta «diplomática» a dar a estes e a todos os outros potenciais «reclamantes» é, obviamente, mandá-los para um determinado sítio.

 

É importante referir e recordar que esta não é, porém, a primeira vez que Marcelo Rebelo de Sousa possibilita, se não pelas suas acções então pelas suas inacções, graves prejuízos tanto morais como materiais a Portugal em particular e a todo o espaço da Lusofonia em geral. Se as «reparações» ainda não aconteceram – e, espera-se, nunca irão acontecer – e, por isso, ainda não causaram prejuízos, o denominado «Acordo Ortográfico de 1990» é, infelizmente, uma realidade, e tem provocado danos elevados aos níveis educativo, cultural e comunicacional.

 

O actual Presidente da República não é um dos originadores desta aberração linguística, mas o cargo que desempenha no presente, e o seu passado enquanto professor de Direito, dão-lhe a autoridade, o conhecimento e a legitimidade para desencadear as acções necessárias tendentes a reverter este autêntico atentado à identidade e à dignidade nacionais, perpetrado ilegalmente por via de tratados e de resoluções deficientes. Algo que, no entanto, ele não fez até agora, e tudo leva a crer que não o fará. Tal é também comprovado pelo facto de ele não ter respondido a um «Apelo em Defesa da Língua Portuguesa» que um alargado grupo de cidadãos, coordenado por Isabel A. Ferreira e no qual eu me incluo, lhe enviou em Abril de 2023. Repare-se e compare-se: o mesmo grupo remeteu posteriormente uma mensagem sobre o mesmo assunto a Ursula von der Leyen, Presidente da Comissão Europeia, e ela respondeu! 

 

Não se pode ter a certeza de que Marcelo Rebelo de Sousa sente remorsos que advirão não só de o seu pai ter sido governador-geral de Moçambique e Ministro do Ultramar, mas também por os seus progenitores terem tido como amigo e padrinho de casamento um homem que foi o derradeiro primeiro-ministro da ditadura derrubada a 25 de Abril de 1974. Todavia, esse eventual desconforto pessoal não lhe dá a justificação para abusar da sua posição de Chefe de Estado e, em resultado disso, arrastar e prejudicar todo o país. A «Primavera Marcelista» de Caetano não tardou a revelar-se ilusória. 50 anos depois, aquele que como homenagem foi baptizado com o seu primeiro nome está em pleno «Outono Marcelista» que faz com que seja cada vez mais difícil que ele termine o seu mandato com dignidade.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:31

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De O apartidário a 23 de Maio de 2024 às 17:36
Artigo do Ionline

"O homem não está bem, por causa dos traços de personalidade, os que sempre existiram com maior ou menor expressão, mitigados ou contidos por mínimos de senso, mas sobretudo porque sempre viveu numa bolha.

É da bolha do berço, no conforto do Estado Novo e dos ajustes ao funcionamento democrático, achar-se ungido pela superioridade da Capital e da Linha para rotular terceiros perante estrangeiros de “rural”, “urbano-rural” ou “oriental”. 50 anos depois da implantação da Democracia o país ainda não conseguiu superar a altivez e alegada superioridade de um conjunto de cidadãos mais próximo do Rei Sol do que de um Estado de direito democrático, que em função da origem e da proximidade aos corredores do poder, dos interesses vigentes e das posições consolidadas, acham que Portugal é Lisboa e o resto é paisagem.

É da bolha da irresponsabilidade achar que se pode polemizar em torno de temas, que mexem com feridas da sociedade portuguesa de forma inconsequente quando o país está pejado de problemas e desafios para os quais não têm recursos e ainda estamos num quadro de existência de fundos comunitários, como aconteceu com a necessidade de ajustes de contas com a história de Portugal, sempre à luz dos olhos e dos valores de hoje.

É da bolha da sonsice, pelo seu perfil de personalidade, querer fazer-nos acreditar que o exercício da cunha pelo filho no caso das gémeas não foi validado por um quadro de referência e uma prática do pai, com certeza com diversas projeções nos vários ministérios e instâncias da sociedade portuguesa desde que chegou a Belém. A enunciada rutura mais não é do que uma desumana e sonsa tentativa de contenção de danos, através de uma imposição de uma cerca sanitária de sanção a um comportamento que Marcelo também exercitou em barda ao longo do mandato. Basta considerar o seu comportamento, o que ele verbaliza em público e agora o nível do que verbaliza em alegado privado, como no jantar de correspondentes estrangeiros em Portugal.

A bolha é um problema nacional. Viver na bolha é uma opção, pode até durar décadas e suscitar êxitos, mas, em democracia, há sempre um momento em que surge um clique de mudança, de sintonia com a realidade ou de preservação de mínimos de senso, de compromisso e de respeito pelo acervo de direitos, liberdades e garantias. A bolha de Marcelo é um problema. A bolha de Pinto da Costa levou-o a uma desastrosa saída de cena. A bolha em que vivem muitos protagonistas da vida política, reconfortados pelo que o exercício de funções lhes permite, mesmo que afastados das necessidades das pessoas e do país como um todo, leva-nos ao desgaste do compromisso democrático e à emergência de derivas negativas, do populismo ao insulto gratuito, da falta de observância de regras mínimas de vida em comunidade à disseminação do medo, da mentira e do boato. A bolha pode-se resolver pelo voto, mas numa sociedade com dinâmicas tão intensas, tem de haver forma de os excessos de vivência na bolha serem escrutinados, avaliados e superados quando estiverem reunidos os pressupostos do exagero, do chocante desfasamento, do dano ao interesse geral e do cansaço.

Por agora, para além da evidente espiral de degradação pessoal e institucional, num momento importante do país era bom que assim não fosse, temos um problema constitucional."

Mais aqui https://ionline.sapo.pt/2024/04/30/marcelo-e-o-problema-da-bolha/
De Isabel A. Ferreira a 23 de Maio de 2024 às 18:47
Obrigada, «O Apartidário», por mais estas achas para uma fogueira que não pára de crescer.

Portugal está nas mãos erradas.
Tinha de haver um jeito de correr com quem não merece o epíteto de português.
Todo os cargos de topo, nesta nossa pobre "democracia" estão sujos, pela indignidade com que são exercidos.
De O apartidário a 23 de Maio de 2024 às 17:46
"o actual residente no Palácio de Belém admitiu publicamente que Portugal, do qual é, seria (mas não se comporta como tal), o «supremo magistrado», é colectivamente – e por muitas gerações – culpado por actos hediondos" ---------------- Ao ler esta parte logo me lembrei das palavras ditas pelo personagem em questão(que contrastam claramente com essas que apontam para uma especie de culpa colectiva) ainda no ano passado na Bélgica:

De visita à Bélgica(17-10-23), onde viu cancelado o seu encontro com o primeiro-ministro belga na sequência do ato terrorista de segunda-feira em Bruxelas, mas onde permanecerá nos dias previstos - “o Estado não pode aceitar que ações criminosas questionem o seu funcionamento normal”, afirmou - Marcelo Rebelo de Sousa deixou avisos contra “uma ou duas tentações”.

À primeira, decorrente da ação terrorista do Hamas em Israel e da morte de dois cidadãos suecos em Bruxelas às mãos de um tunisino que se terá afirmado “combatente de Alá”, Marcelo chamou “tentação de um espírito de alarme constante”. E contrapôs-lhe duas certezas: a de que “ninguém pode garantir que não há terrorismo em qualquer ponto do mundo", sendo certo, no entanto, que “as estruturas europeias estão hoje preparadas com condições de segurança muito mais sofisticadas para prevenir” o terrorismo.

A segunda tentação referida pelo Presidente da República é a de acreditar que há culpas coletivas de determinados povos, cenário que rejeitou liminarmente. “Não há culpas coletivas”, enfatizou, recusando-se a “dar o salto imediato” do que se passa “numa ponta do mundo” para atos terroristas que acontecem em todo o mundo. E “também não daria o salto de identificar” esses atos “com determinadas categorias de pessoas”, o que apontaria para a tal “culpabilidade coletiva”.
Daqui https://expresso.pt/politica/presidente/2023-10-17-Marcelo-previne-alarme-em-Portugal-Nao-faz-sentido-nenhum-projetar-fenomenos-de-imigracao-para-construir-cenarios-sobre-terrorismo-6e55ac9d
De Isabel A. Ferreira a 23 de Maio de 2024 às 18:52
Sabe o que isto é?
É a ignorância da História que faz com que se digam disparates de elevado calibre. [:<]
De Octávio dos Santos a 23 de Maio de 2024 às 18:35
Obrigado, cara Isabel, pela divulgação. E, claro, obrigado também, e ainda mais, por continuar a ser uma líder incansável numa luta necessária e justa.
De Isabel A. Ferreira a 23 de Maio de 2024 às 18:54
Eu é que tenho de lhe agradecer o artigo e as gentis palavras que me dirige, caro Octávio.
Obrigada.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
17
18
19
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

O que as escolas NÃO te c...

«Bicadas do meu Aparo»: C...

Portugal não é a casa da ...

Ex-combatentes do Ultrama...

Repondo a verdade dos faC...

XXXI Encontro Nacional ...

Uma fingida “homenagem” a...

Ponte de Lima: «Vaca das ...

«Touradas = Conservação d...

«Outono Marcelista»

Arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt