Domingo, 16 de Junho de 2024

«Bicadas do meu Aparo»: Contributos para a História – Recordando Abril de 1974", por Artur Soares.


Porque é preciso recordar.

Porque é proibido esquecer.

Porque é urgente acordar o Povo.

Isabel A. Ferreira

***

A guerra no mundo existe. Tudo parece caminhar para a fome e Portugal…

A marcha inexorável do tempo não pára nem perdoa. Sobem os ignóbeis e os rapaces, vendem-se os subservientes, e Portugal não será vendido?

Talvez possa ser leiloado. (Artur Soares)

 

25-Abril-6-770x410.jpg

 

No pós Segunda Grande Guerra (1945), o Exército português passou a ter nas suas fileiras os chamados militares milicianos – Sargentos e Aspirantes – uns com o segundo ciclo dos liceus e os outros com o terceiro ciclo (ou mais). Os primeiros, ao fim de seis meses de curso, ficavam Cabos Milicianos, isto é, candidatos a furriéis milicianos ao fim de 18 meses de tropa efectiva. Os segundos, com seis meses também do mesmo curso, ficavam Aspirantes milicianos, isto é, candidatos a oficiais (alferes), ao fim (também) de 18 meses de tropa efectiva.

 

Nesses tempos, nem os Cabos milicianos nem os Aspirantes eram promovidos, pois passavam à disponibilidade, para não lhes pagarem pela nova patente.

 

Aconteceu a guerra nas ex-províncias ultramarinas e os milicianos, que eram obrigados a dar pelo menos 36 meses de tropa, eram uns promovidos a Furriéis e os outros a Alferes, para cumprirem uma comissão de serviço na guerra então/ultramarina.

 

O milicianismo no Exército – devido a essa guerra, avançou ainda mais: os Furriéis, caso quisessem fazer vida profissional no Exército, facilmente eram promovidos a segundos sargentos, devido ao tempo passado e os Alferes passavam a tenentes, também devido ao tempo de tropa passado.

 

Ora estes tenentes milicianos, podiam fazer um curso-curto de comandantes de companhia e de imediato, eram promovidos a capitães no dia do embarque, para uma nova comissão na guerra no ultramar. E fizeram-se centenas de capitães milicianos durante mais de uma década.

 

Por esta situação – o milicianismo no Exército – criou-se entre os Oficiais do Quadro Permanente (militares profissionais), um descontentamento geral: estes oficiais eram da academia militar e exigiam que os milicianos passassem também pela academia, antes de serem capitães.

 

Só que, na guerra do ultramar, dificilmente havia capitães a comandar Companhias, pois distribuíam-lhes missões que nada tinham a ver com guerra e muito menos com a morte no capim. Quem morria na guerra, grosso modo, eram soldados, furriéis, alferes e capitães milicianos.

 

Nunca vi ou conheci oficiais, acima de capitães do Quadro permanente do Exército português que defendessem a independência das três principais províncias do Ultramar: Angola, Guiné e Moçambique. Todos os oficiais reivindicavam melhor armamento, melhores condições logísticas para atacar o terrorismo e sobretudo melhores remunerações, em especial para aqueles que estivessem em zonas de 100% com terrorismo. Nestes aspectos, Salazar pouco ou nada fez para satisfazer a vontade dos oficiais.

 

A Guiné estava praticamente perdida em 1973 e em Angola e Moçambique, os grupos terroristas já estavam a desandar, pois não tinham gente, nem armamento, nem países acerrimamente a ajudar esses grupos.

 

Desse modo, perante tal ambiente desanimador, perante tantos milhares de mortos em combate, tanto do lado de lá como de cá, tantos órfãos e viúvas cá, bem como estropiados de guerra, nasce o livro do General Spínola, Portugal e o Futuro, no mês de Fevereiro do ano de 1974, antes dois meses de o 25 de Abril de 1974, feito pelos chamados “Capitães de Abril”, livro que visava uma “solução política e não militar” e que Marcello Caetano lê numa noite a mensagem, a opinião de Spínola. Tal burburinho entre os dirigentes políticos de então, o General Costa Gomes e Spínola, demitem-se do exercício de funções.

 

Marcello Caetano, que sente o desmoronar do seu poder político, apresenta a demissão ao presidente da República, Américo Tomás, que a rejeita.

 

Com o livro de Spínola, forma-se um burburinho político no país, os militares afadigam-se em reuniões secretas e avançam (Movimento das Forças Armadas), fazendo a “revolução dos cravos”, e assim nasce aquela noite do 25 de Abril de 1974, que nos traz a descolonização e a liberdade de expressão.

 

E os homens movimentaram-se.

As rádios gritaram. As pessoas ficaram apáticas.

Os comunicados choveram e os cães uivaram – desconhecendo a balbúrdia - e, assim lhe chamaram o “glorioso 25 de Abril”!

 

Noticiários longos, outros curtos, outros a horas mortas.

Discursos, declarações, afirmações, acusações, choros, ranger de dentes, o povo maluco, camisas e gravatas desabotoadas, trabalhadores públicos em calções e de sulipas nas repartições; prisões abertas, outras a fecharem-se com novos “inquilinos”, o estrangeiro atento, divisas a fugirem e o primeiro 1º de Maio canta-se, discute-se e politiza-se o povo despolitizado, oprimido, roubado pelos fascistas e pelos seus 50 anos fascizantes!

 

Povo surpreendido, inocente, não participante nas primeiras horas da noite, mas..., “grande vitória do povo”, quando já maduro estava o dia!

 

Viva o M.F.A! O 25 de Abril! O Movimento dos Capitães! A Democracia! A Liberdade! Os Partidos democráticos (incluindo o PC) que na clandestinidade lutavam pelo povo português!

 

Até choravam nas prisões; até morreram nas prisões; até passaram fome; privações do ambiente e do amor familiar, e, tudo-tudo-tudo pelo povo – que carneiro era – português!

Delirante! Impressionante! Bestial-ante!

 

Tudo vitorioso, famoso e gostoso!

 

E regressa de fora, “certo povo” que se junta ao Povo de Abril: os fugientes, os forçados emigrantes, os tratantes, os comediantes, os esbanjantes, os cantantes e de modo especial todos os bem-falantes… que foram e têm sido (realmente) impressionantes e escaldantes em Portugal!

 

(Outubro de 1975):

 

28 de Setembro e 11 de Março:

 

Agitação social, perseguições, destruições de sedes de “partidos reaccionários”, ocupações de postos emissores de rádio, de casas, de latifúndios, de empresas, de sindicatos, saneamentos à direita, ao centro, ao lado, à retaguarda, nacionalizações e tudo graças ao “vinte e cinco”, aos democratas salvadores da pátria e do povo – que carneiro era – português, para, finalmente haver o 25 de Novembro, perfume da democracia verdadeiramente democrática!

 

************************

 

Actualmente, hoje, neste momento ou mais logo, Povo, onde estás, como podes ser encontrado e para onde vais?

 

A tua alegria e a liberdade, a tua luta e os teus gritos, os punhos cerrados e o teu querer, o teu ser, o teu poder ou as tuas lágrimas de felicidade em manada, onde habitam? Louco Povo, inocente Povo!

 

Dormes, Povo! No rio, no mar, no avião, no campo abandonado, no combóio ou no quarto que te devora sonhando e… ainda sonhas?

–   “Não sonho – dizem milhares. Medito. Oiço. Vejo e apalpo as algibeiras para sentir o que não tenho”, à excepção do besuntado Cotón.

 

Que pensas? Que sentes? Que vês? Que dizes de tudo, do Povo e de Portugal? - Bando de falsários.

 

- “Crime e prostituição, droga e miséria, assaltos e falências, mentiras, traições e burlas! Oh! É sonho! É mentira! É tudo o que não sei! Não, não...

 

Que noite!

O homem é doido. O mundo definha desorientado e Portugal…

As aves vivem chilreando, o mundo grita e Portugal não se entenderá?

Os mortos são pó da terra fria, os cães já não gritam e, Portugal não reage: engole e rumina!

 

O programa do Movimento das Forças Armadas foi traído e mataram-no. Logo, as revoluções podem ser devassidão e fogo.

 

Portugal não se encontra. O Presidente da República fala e parece esquecer os inimigos locais!

 

A guerra no mundo existe. Tudo parece caminhar para a fome e Portugal…

A marcha inexorável do tempo não pára nem perdoa. Sobem os ignóbeis e os rapaces, vendem-se os subservientes, e Portugal não será vendido?

Talvez possa ser leiloado.

 

E se perguntares a um revolucionário, quem são os homens de hoje, pais dos homens de amanhã, ele te dirá: os homens são o fogo tangido pelo vento; são deuses desmiolados e destronados; são predadores esfomeados e de afiadas garras; são a cicuta que reduz a pó, tudo que quer viver.

 

...  E a partir do dia 26 de Abril de 1974, acontece o regresso das Forças Armadas Portuguesas, da Guiné, de Angola e de Moçambique;

Inicia-se também a guerra nas três ex-províncias ultramarinas, entre os próprios movimentos de libertação e o regresso dos ostracizados e vilipendiados brancos e negros que lá residiam. E assim se inicia o peso dos pesa-papéis ao Povo que, como única culpa, foi ser politicamente inculto, pobre e sereno.

 

(Artur Soares – Maio de 1974)

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:16

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
17
18
19
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Posts recentes

Pausa para descanso...

Carta Aberta à socialista...

O que as escolas NÃO te c...

«Bicadas do meu Aparo»: C...

Portugal não é a casa da ...

Ex-combatentes do Ultrama...

Repondo a verdade dos faC...

XXXI Encontro Nacional ...

Uma fingida “homenagem” a...

Ponte de Lima: «Vaca das ...

Arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt