De José Dores a 21 de Fevereiro de 2014 às 12:43
O que se poderá dizer a pessoas/jovens/crianças que foram educadas a pensar assim?! Acho que nem tem assunto possivel, é um pouco como explicar a um individuo de etnia cigana que a sua filha de 14 anios tem direito a escolher com quem quer casar e é muito nova para o fazer, ele foi educado para pensar assim. Nós poderemos achar a comparação desproporcional, mas isso deve-se ao facto de apenas nestes últimos 10/15 anos a cultura de respeito pelos demais animais tenha surgido na nossa sociedade de forma generalizada.

Assim sendo a única coisa que tenho a dizer a estes jovens é que vocês são os últimos a terem sido educados a desrespeitar os demais animais, que isso poderia ser uma expressão cultural portuguesa, mas a cultura é mutável e está constantemente a alterar-se, é uma mudança continua, logo isso não justifica nada, quando apareceu a tourada, nem havia direitos humanos, direitos da criança, direitos dos animais, a vida humana e não humana valia muito pouco nessa sociedade medieval, qualquer problema ou conflito era resolvido através da força fisica e da morte. Hoje é aceite universalmente que a vida humana deve sempre ser preservada, que o desenvolvimento são da criança deve ser preservado, ainda que ela não tenha noção do que lhe estão a fazer ou os seus pais discordem, dai haverem instituições que retiram a tutela das crianças aos pais e finalmente hoje também se sabe que os touros têm sentimentos, sofrem, sentem dor e merecem respeito por tudo isso... nenhuma destas coisas é incontornável, não haverá cultura, tradição, pessoa, grupo, entidade, politico, grupo partidário, etc., que poderá adiar a abolição da tourada para sempre... não sabemos a data, mas sabemos que o fim chegará.

Juventude Taurina Portuguesa, dizermos que somos sãos e muito felizes é muito fácil e lacónico tendo em conta o contexto, isso é algo que se avalia como diz a Isabel, nós veremos se serão pessoas sãs e felizes.
De Isabel A. Ferreira a 21 de Fevereiro de 2014 às 16:09
Grande lição, José Dores.

Obrigada pelo seu precioso contributo.

Espero que estes jovens possam entender esta mensagem e reflictam nela.

Na realidade quem foi educado para ser aficionado, o que poderá ser senão aficionado?

Mas há algo que pode mudar esse estado: o sentido crítico que vamos ganhando ao longo da vida.

Eu fui educada para ser uma boneca dentro de uma redoma de cristal.

E no entanto liberetei-me dessas amarras, quebrei a redoma e saí para o mundo. Não sou mais boneca e vim para o mundo emprestar a minha voz a quem não tem voz.

Já a emprestei ao ser humano desfavorecido.
Agora chegou a vez dos seres não humanos também desfavorecidos.

A libertação é possível.
Comentar:
De
  (moderado)
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Este Blog tem comentários moderados

(moderado)
Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



O dono deste Blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.