Sexta-feira, 18 de Dezembro de 2015

Touradas – A vergonha de Portugal

 

Violência, crueldade, ignorância, estupidez, futilidade...

 

 

O touro "bravo" ou de "lide" não é agressivo. Estes animais são, por natureza, tão ou mais afáveis do que os cães. O Fadjen, um mediático touro "bravo", salvo de um ganadeiro Espanhol, é neste momento, um excelente exemplo de que a agressividade genética do Touro se encerra num mito propagandeado pela tauromaquia.

 

A etologia, como ramo da zoologia, explica que o comportamento não é determinado pela genética, mas pelo ambiente e interacções do animal. Ou seja, independentemente das características genéticas, o seu comportamento será sempre condicionado, em última análise, pelo propósito e personalidade de quem os cria, tal como acontece com os cães.

 

Para os tornarem, não-agressivos, mas mais reactivos de modo a que seja possível toureá-los (ou lidá-los), os ganadeiros criam-nos em sistema extensivo, com pouco contacto com humanos, sujeitando-os a duros "treinos" a todos os níveis, sendo os físicos, dignos de um atleta de alta competição e, de vez em quando, alguns morrem subitamente devido ao exagerado esforço a que são sujeitos.

 

Por vezes, os touros são drogados com Rompum e Calmivet, duas substâncias anestésicas que administradas em pequenas quantidades, causam um efeito calmante. Mas nem sempre a dose "certa" é bem calculada, levando a que alguns sucumbam à dose excessiva, mesmo antes de entrar na arena.

 

Há muito que a ciência provou o sofrimento do Touro. Todos os seres sencientes, ou seja, os que possuem um sistema nervoso central, grupo do qual faz parte o ser humano, têm a capacidade de experimentar sofrimento físico e psicológico, tal como stress, medo, pânico, angústia e tristeza. Sofrem ainda traumas psicológicos e desenvolvem depressões, bem como afectos, e constroem ainda relações com outros seres, incluindo o Homem.

 

Na capacidade de sentir, os animais não são diferentes do ser humano.

 

O Touro dito "bravo" tem direito à sua integridade física e psicológica e principalmente tem direito a não ser utilizado como objecto de tortura para gáudio de uma minoria que nem sequer é representativa do povo português. À semelhança de tantas outras espécies, o Touro poderá perfeitamente viver em liberdade e em paz no seu habitat, nem que seja em zonas protegidas, não sendo também por isso, aceitável o "argumento" da sua preservação como justificação da tauromaquia.

 

Não é portanto admissível que no século XXI d. C., um país civilizado (?) como Portugal, acolha ainda uma tradição que viola 90% (!) dos pontos considerados na Declaração Universal dos Direitos dos Animais da UNESCO:

 

1 - Todos os animais têm o mesmo direito à vida.

2 - Todos os animais têm direito ao respeito e à protecção do homem.

3 - Nenhum animal deve ser maltratado.

4 - Todos os animais selvagens têm o direito de viver livres no seu habitat.

5 - O animal que o homem escolher para companheiro não deve nunca ser abandonado.

6 - Nenhum animal deve ser usado em experiências que lhe causem dor.

7 - Todo o acto que põe em risco a vida de um animal é um crime contra a vida.

8 - A poluição e a destruição do meio ambiente são consideradas crimes contra os animais.

9 - Os direitos dos animais devem ser defendidos por lei.

10 - O Homem deve ser educado desde a infância para observar, respeitar e compreender os animais.

 

Mas não são apenas os direitos dos animais que são violados pela tauromaquia.

 

A psicologia, a psiquiatria e a neurociência provaram que assistir a touradas provoca traumas psicológicos nas crianças, tornando-as tolerantes à violência gratuita e contribuindo para que se tornem adultos agressivos. Este foi um dos argumentos que levou à abolição das touradas na Catalunha, em Espanha, país onde a tradição é muito mais forte do que em Portugal, pela sua origem.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 28 de Setembro de 2015

LEGISLATIVAS 2015 PELOS ANIMAIS - TOURADAS

 

Site_Leg-2015 TOURADAS.jpg

 

Colocámos a todos os partidos e coligações candidatos às próximas eleições cinco questões relacionadas com os direitos dos animais, na certeza de que as suas respostas terão um peso decisivo na escolha de muitos cidadãos. Estas foram as respostas dos partidos à terceira questão, apresentadas por ordem de recepção.

 

3 - Touradas

 

Sabendo que:

– a tourada provoca intenso sofrimento a touros e cavalos;

– enquanto prática violenta, afecta negativamente a personalidade de quem participa e assiste, promovendo a dessensibilização à violência;

– pela razão acima exposta, a ONU e a Amnistia Internacional recomendam a interdição do acesso de crianças a eventos tauromáquicos;

 

Comprometem-se a proibir as touradas em todo o país?

 

PAN – Pessoas-Animais-Natureza

 

Sim! Para além do apoio tácito a todas as manifestações populares contra esta barbárie e o trabalho constante com associações de protecção animal de modo a condicionar estes actos medievais o PAN continua a defender a abolição de quaisquer eventos tauromáquicos, sejam touradas, garraiadas, pegas, entre outras. Esta medida é também uma das sete prioridades do PAN sendo que o deseja implementar em todo o território nacional (ilhas incluídas).

 

AG!R

 

A resposta curta e directa a essas perguntas é que de facto o tema da defesa dos direitos animais não tomou uma área prioritária no nosso programa. Não significa que a nossa posição é de menorização destes problemas. Estaremos abertos a futuras negociações com as associações do sector, as associações para defesa dos animais.

A nossa posição é a defesa dos direitos universalmente promulgados para todos, e a primazia dos direitos adquiridos sobre a finança.

 

LIVRE / Tempo de Avançar

 

No que concerne à tauromaquia, a medida do nosso Programa Eleitoral que abrange essa questão é a mesma que foi referida na resposta anterior e que visa “Eliminar os subsídios a espectáculos que promovam maus-tratos aos animais”. Como foi referido é feita referência explícita à tauromaquia.

Adicionalmente, temos previsto o fim de conteúdos na RTP que incitam à violência contra pessoas ou animais.

 

Nós, Cidadãos!

 

Nesse plano, mais do que medidas repressivas, defendemos uma via pedagógica – como se pode ler no nosso programa político-eleitoral:

11.5 — Reforçar a aposta no ensino pré-escolar, como embrião de um ensino que não se circunscreve à instrução, mas que assume a tarefa de uma educação integral, veiculando valores – desde logo, cívicos e ecológicos, que promova, nomeadamente, a protecção dos animais.

 

PCP – Partido Comunista Português

 

O PCP apresentou, no passado recente, várias iniciativas sobre animais não-humanos. Contra a utilização de animais selvagens em espectáculos. Contra a experimentação científica em animais. Uma lei de bases do ambiente que pela primeira vez coloca o bem-estar de todos os animais como obrigação do Estado e com reforço dos meios das autarquias e do Estado para a fiscalização. PS, PSD e CDS-PP não apoiaram a generalidade dessas iniciativas.

 

O PCP entende que a protecção dos animais não humanos deve assentar em políticas de prevenção e fiscalização.

 

O PCP vai continuar a trabalhar em defesa dos não humanos, não como propaganda, mas para resolver efectivamente os problemas. E inclusivamente desenvolveu muitos dos aspectos propostos pela Associação Animal.

 

O PCP está disponível para defender os animais e assegurar o nosso direito a viver em harmonia com eles.

 

BE – Bloco de Esquerda

 

O Bloco de Esquerda tem uma posição crítica sobre as touradas, que resulta do inegável sofrimento animal. No seguimento desta posição, apresentamos em 2012 duas iniciativas legislativas que visavam acabar com todos os apoios públicos às touradas e proibir a exibição de touradas na televisão pública. Apesar de ambas as iniciativas terem sido chumbadas, comprometemo-nos a insistir no fim dos apoios públicos às touradas e da exibição televisiva em canal aberto de programas que envolvam sofrimento animal, tal como consta no nosso programa, porque acreditamos serem as medidas mais eficazes para acabar com as touradas.

 

Fonte:

http://www.vidanimal.org/blog/legislativas-2015-pelos-animais-touradas/

 

***

Pelo que aqui se lê, apenas o PAN se compromete a ABOLIR a selvajaria tauromáquica, de uma vez por todas.

 

Colocar "paninhos quentes" para ir entretendo a "doença" não a erradica, como deve ser erradicada, para que Portugal possa respirar EVOLUÇÃO.

 

Devemos EXIGIR a todos os partidos a ABOLIÇÃO deste costume bárbaro que envergonha Portugal.

 

Nada mais do que a Abolição serve o País (I.A.F.)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:33

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 23 de Setembro de 2015

Tauromaquia na berlinda, em Bogotá (Colômbia)

 

 

BOGOTÁ.png

 

O Conselho de Bogotá deu luz verde ao referendo solicitado pelo prefeito Gustavo Petro, para que os cidadãos decidam se querem ou não que se realizem touradas na capital.

 

A garantia dada pelo Conselho a esse referendo local foi rejeitada por um sector que diz que a medida é inconstitucional, no entanto, quem o defende, garante que a consulta não viola nenhuma regra, e só pretende que os próprios cidadãos bogotanos decidam se as touradas devem continuar ou ser banidas da cidade.

 

 

 

Pedido aos bogotanos, para o próximo dia 25 de Outubro!

 

Texto de Mário Amorim

 

No próximo dia 25 de Outubro, realizar-se-á na Colômbia, Bogotá, uma consulta popular, para perguntar aos bogotanos, se querem ou não corridas de touros.

 

Todos nós que, na Europa, e no resto do mundo, lutamos contra a tauromaquia, no próximo dia 25 de Outubro, estaremos muito atentos ao que se passar na consulta popular.

 

Em virtude da consulta popular se realizar na capital colombiana, Bogotá, essa consulta popular é de indubitável importância, para a luta contra a tauromaquia, não apenas em Bogotá, mas também em toda a Colômbia e nos restantes países que ainda têm tauromaquia.

 

É por demais evidente que a ganhar o NÃO às corridas de touros, esse NÃO terá repercussões em todos os países que ainda têm tauromaquia. O NÃO cravará na tauromaquia uma enorme farpa. O NÃO provocará, rapidamente, a ABOLIÇÃO da tauromaquia, em todos os países que ainda têm tauromaquia.

 

Por tanto, bogotanos, no próximo dia 25 de Outubro, está nas vossas mãos, o cravar mortal na tauromaquia, nos oito países, de uma e derradeira farpa, a farpa do NÃO.

 

Bogotanos, no próximo dia 25 de Outubro, votem maioritariamente NÃO. Votem maioritariamente no NÃO à tauromaquia, aí em Bogotá, em toda a Colômbia, e nos restantes sete países que ainda têm tauromaquia!

in:

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/09/23/pedido-aos-bogotanos-para-o-proximo-dia-25-de-outubro/comment-page-1/#comment-430

 

***

Que todos os deuses de todos os olimpos o ouçam, Mário Amorim.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:51

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 6 de Setembro de 2015

O que é ser toureiro?

 

Saibam aqui:

Flashmob contra touradas realizado em frente à praça de touros da Póvoa de Varzim, pela associação Porto Pelos Animais

 

 

TOUREIRO.jpg

O toureiro, longe de ser alguém mítico, não é mais do que um infra-homem que representa o mais grotesco, imundo e ridículo que pode chegar a ser o ser humano.

 

Este tipo de infra-homem, felizmente, está em extinção.

 

Já são poucos aqueles que se deslocam a uma arena para ver estas “bailarinas” de collants cor-de-rosa a fazer piruetas ridículas diante de um Bovino previamente torturado, enfraquecido nas suas faculdades físicas e mentais, para que um cobardolas possa “brincar” aos “valentes” sem ser “molestado”, e no fim pedir aplausos aos poucos sádicos (que se babam diante do sangue que golfa das feridas abertas pelas bandarilhas, no dorso do animal), como se tivesse estado a apresentar uma “performance” do bailado “A Bela Adormecida”.

 

E para completar este quadro grotesco de um primitivismo atroz, a que chamam “tourada” ou “corrida de touros”, vêm os forcados de peito inchado e expressões diabólicas atirar-se para cima de um animal já moribundo, num acto de uma cobardia inominável.

 

Em suma, tudo isto é degradante.

Tudo isto é aviltante.

Tudo isto diz de uma incultura imensa.

Tudo isto espremido é de uma cobardia horrenda.

 

E é isto que uma maioria parlamentar promove.

E é isto que a igreja católica apoia.

E é isto que umas tantas empresas (que precisam de ser boicotadas) patrocinam.

 

E é isto, em síntese, o lixo que conspurca a sociedade humana.

 

Por isso, exigimos a abolição desta miséria moral, social e cultural urgentemente.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:00

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 27 de Agosto de 2015

Abolição das touradas - Um sonho que vem de longe...

 

Abolição das touradas.jpeg

 

Pois... Senhor Visconde...

Mas nem a imprensa do ano de 2015 se empenha com perseverança... pelo contrário, apoia veementemente esta selvajaria, como os governantes, também do ano de 2015, não têm a capacidade mental para abolir este costume bárbaro que conspurca a dignidade do Povo Culto Português.

Nem todos têm a lucidez de Vossa Excelência, Senhor Visconde de Sá da Bandeira.

E Portugal continua com um vergonhoso atraso civilizacional, na cauda do mundo...

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 20:12

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 23 de Março de 2015

PETIÇÃO PARA A ABOLIÇÃO DA GARRAIADA E DE TODOS OS ESPECTÁCULOS COM TOUROS DA QUEIMA DAS FITAS DE COIMBRA

 

 

11075191_1585696171672064_4791438773781729475_n[1]

 Origem da imagem: 

https://www.facebook.com/Queima.das.Farpas/photos/a.1585670385007976.1073741828.1568326173409064/1585696171672064/?type=1&theater

 

Se a Academia de Coimbra chega ao ano de 2015 da era cristã ainda a praticar selvajaria tauromáquica, o que andam a fazer na Universidade esses estudantes de baixo nível cultural e moral?

 

A queimar o dinheiro dos pais?

 

A demonstrar que a Estupidez é uma cadeira comum a todos os cursos universitários, apenas frequentada por uma minoria ignorante que envergonha a Cidade do Conhecimento?

 

Por favor, não desçam de nível. Lembrem-se que frequentam o Ensino Superior.

 

 

Repito: Ensino SUPERIOR. Não é o ensino inferior, herdado dos vossos antepassados broncos.

Evoluam! É mais do que tempo de EVOLUÍREM (IAF)

 

76551_1 QUEIMA.png 

Para: Comissão Organizadora da Queima das Fitas; Conselho de Veteranos da Universidade de Coimbra; Direcção Geral da Associação Académica da Universidade de Coimbra

Atendendo a que:

  1. a tauromaquia é uma aberração legislativa, uma vez que a lei portuguesa proíbe expressamente maltratar animais para fins recreativos, exceptuando os espectáculos tauromáquicos por se constituírem como tradição;
  2. a universidade deveria ser o baluarte no questionamento de tradições e convenções, propondo caminhos alternativos aos que se conhecem e trilham, promovendo uma cultura de valores como a justiça, a solidariedade, o respeito e o civismo; não uma cultura que ritualiza e glorifica exercícios de domínio, de subjugação e de violência;
  3. na sociedade actual o bullying é a forma mais comum e encapotada de violência, contaminando transversalmente as suas estruturas;
  4. cerca de 80%* dos estudantes universitários não concordam com a existência da garraiada no contexto das festas académicas;
  5. as verbas utilizadas na organização da garraiada poderiam ser canalizadas para actividades mais consensuais, como actividades culturais, desportivas, dinamização dos núcleos e secções da Associação Académica de Coimbra bem como o apoio à saudável integração de todos os estudantes na vida académica;

Entendemos que chegou a altura da Comissão Organizadora da Queima das Fitas deixar de promover essa actividade obsoleta.

 

Que seja Coimbra, a primeira capital nacional da cultura, em 2003, também a primeira a abolir práticas que obscurecem a aura de uma cidade com nove séculos de história e uma Universidade que se orgulha de ser das mais antigas e prestigiadas da Europa.

 

Nesse sentido, apelamos à Comissão Organizadora da Queima das Fitas que erradique os espectáculos tauromáquicos do programa da Queima das Fitas de Coimbra.

 

Coimbra tem mais encanto sem sangue na despedida.

 

Queima das Farpas, Coimbra, 20 de Março de 2015

 

* Dados da pesquisa Culturas Juvenis e Participação Cívica: diferença, indiferença e novos desafios democráticos, coordenada por Elísio Estanque e Rui Bebiano e realizada no Centro de Estudos Sociais da Universidade de Coimbra entre 2003 e 2006. Projecto financiado pela FCT – Fundação para a Ciência e Tecnologia/ Ministério da Ciência e do Ensino Superior, no POCTI/SOC/45489/2002

 

ASSINAR PETIÇÃO

 

 

Fonte:

https://blogcontraatauromaquia.wordpress.com/2015/03/21/peticao-pela-abolicao-da-garraiada-e-de-todos-os-espectaculos-com-touros-da-queima-das-fitas-de-coimbra/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:11

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 2 de Março de 2015

AINDA SOBRE A VOTAÇÃO DE FORCADINHOS IMBERBES COM APENAS 16 ANOS DE IDADE

Vamos lá a ver: em que idade se alcança a maioridade?

 

«Em Portugal, os quadros jurídicos relativamente às problemáticas da delinquência e da criminalidade determinam como patamar mínimo para a imputabilidade penal os 16 anos de idade, dois anos abaixo da maioridade civil que se alcança aos 18 anos. Isto quer dizer que o “menor” do ponto de vista da lei civil não significa o mesmo que o “menor” do ponto de vista da lei penal»

in http://barometro.com.pt/archives/751

 

FORCADO.jpg

Origem da imagem: http://pelostourosvivos.blogspot.pt/2013/02/blog-post.html

Nesta imagem vemos um forcado a sair do campo pequeno, e que ficou tetraplégico, com a aprovação do governo português, da RTP e dos marialvas que foram aplaudir a cobardia da cena. Tinha 26 anos de idade. Estava na flor da idade.

Se tivesse 16 anos de idade, estaria ainda mais na flor da idade. E tudo pode acontecer neste jogo selvático, em que um forcado agride um touro moribundo, e este, com toda a legitimidade e seguindo um instinto que todos os animais, quer sejam humanos ou não humanos, têm, reunindo as derradeiras forças de um verdadeiro herói, defende-se da investida do algoz que o tortura cobardemente. Barbaramente.

***

Ora segundo pudemos ver, há dois tipos de “menores”: o menor sob o ponto de vista da lei civil, que vai até aos 18 anos, e o menor sob o ponto de vista da lei penal que vai até aos 16 anos.

 

Portanto, se um adolescente cometer um crime (seja qual for) antes dos 16 anos, não é responsável pelos seus actos criminosos.

 

Se os cometer dos 16 anos em diante pode ser criminalmente responsabilizado.

 

Agora entende-se por que os deputados da assembleia da república aprovaram a “figura” de forcadinhos imberbes, com apenas 16 anos de idade. Nem barba na cara ainda têm, mas já podem torturar um bovino, “profissionalmente”, com crueldade, cobardia e violência, cometendo um biocídio, ao abrigo da lei.

 

Isto, na realidade, é muito construtivo. É bastante saudável para o corpo e para a mente de adolescentes, que já vivem rodeados de violência por todos os lados.

 

Isto fará parte do DEVER dos governantes?

 

Talvez! Dos governantes que, vendidos ao lobby tauromáquico, hipnotizados por algo que sabemos, agem mecanicamente, como meros robots, e não como homens e mulheres responsáveis e conscientes do seu dever cívico.

 

Quanta vergonha eu sinto destes robots!

 

***

 

Esta notícia correu em vários jornais, e é verdadeira, uma vez que foi aprovado na assembleia da república com os votos contra do PEV (a minoria das minorias que se mantém coerente com os seus princípios) com os votos a favor do PS, CDS/PP e PSD, e a abstenção do Bloco de Esquerda (que desiludiu) e do PCP (que nem é carne nem peixe nestas matérias, pois detém a maioria dos municípios adeptos da selvajaria tauromáquica) que miúdos com 16 anos podem ser forcados.

 

Regulamentar uma coisa destas é francamente indigno de gente civilizada. De qualquer modo, o que deveria ter estado em cima da mesa era a ABOLIÇÃO da selvajaria tauromáquica, e não MAIS UMA REGULAMENTAÇÃOZINHA que não vem acrescentar dignidade a esta já tão abjecta ignomínia.

 

Que as touradas tenham de obedecer a regras de CÓDIGO DE TRABALHO implica que a TORTURA SEJA CONSIDERADA UM TRABALHO.

 

Isto é inaceitável.

 

E uma assembleia de deputados que aprove ou se abstenha em tal matéria é o mesmo que COMPACTUAR com algo absolutamente absurdo e insólito.

 

Os deputados deviam RECUSAR-SE a sequer discutir tal aberração, quanto mais a aprovar seja o que for em relação a esta praga.

 

Isto tudo é uma vergonhosa balbúrdia, que não dignifica a actividade política dos "deputados " da nação. Muito pelo contrário. Só os descredibiliza e desqualifica.

 

E nenhum partido está isento de grandes culpas.

 

Nunca vi nenhum partido propor a ABOLIÇÃO desta barbárie.

 

Andar sempre a remendar o que já está demasiado roto, é chover no molhado.

 

E o que se passou na assembleia dos deputados, desta vez, foi mais do mesmo ou ainda pior: agora sim, temos forcados "profissionais" com 16 anos, ou seja, menores de idade, se bem que imputáveis. Considerou-se "trabalho", a tortura de seres vivos para diversão; mais um remendo que prolonga a continuidade desta obscenidade, e o sofrimento inútil de milhares de bovinos, e de quem se sente impotente para travar esta VERGONHA NACIONAL.

 

Os pequenos partidos, sozinhos, não conseguem nada. É certo.

 

O PEV votou contra. Pelo menos manteve-se coerente. É contra tudo o que diz respeito a esta "coisa" que envergonha até as pedras da calçada portuguesa.

 

Mas é preciso fazer mais. Muito mais.

 

É preciso colocar em cima da mesa a ABOLIÇÃO.

 

E isso ainda não se fez. Porquê?

 

Por que anda a fazer-se que se faz, remendando o fato imundo, esfarrapado e fétido da selvajaria tauromáquica?

 

O que será necessário para propor a abolição desta miséria moral, cultural e social?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 3 de Fevereiro de 2015

É preciso um futuro para as nossas crianças, doutor Armando Leandro, presidente da CPCJ (Comissão de Protecção de crianças e Jovens)

 

Faça o favor de olhar, com olhos de ver, para esta imagem.

 

Quantas crianças estão na assistência, ao colo de pais irresponsáveis, e quantas estão na arena vestidinhas à moda de carrascos?

 

Ou estas crianças vivem à margem da sociedade portuguesa e podem ver os seus direitos a uma infância e a uma educação para a cidadania violados, sem que ninguém se importe?

 

É isto que a CPCJ pretende para o futuro destas e de todas as outras crianças que frequentam os 12 antros de selvajaria tauromáquica, com o aval desta comissão?

 

Cianças nas arenas de tortura.jpeg

 

Tem-se falado ultimamente na “requalificação” da SS (não, não é a Schutzstaffel nazista, mas quase) ou seja, da Segurança Social, e nos possíveis “problemas” que tal irá criar às comissões de protecção de crianças e jovens, espalhadas pelo país, as quais em vez de pugnarem pelo SUPERIOR INTERESSE dessas crianças e jovens, atiram-nos para as arenas, para que aprendam a profissão de torturadores de bovinos.

 

Não foi isso que andaram a discutir recentemente uns deputados aficionados de selvajaria tauromáquica, no parlamento português?

 

E o que fazem essas comissões que agora vêm a público dizer que essa “requalificação” vai colocar em causa o “trabalho” delas?

 

Qual trabalho?

 

O que é que as preocupam?

 

As crianças que ficam sem “apoio”, porque haverá menos gente para as apoiar, ou a diminuição de postos de um trabalho que não se realiza?

 

Como pode o Senhor Doutor Armando Leandro vir a público dizer que está preocupado com a diminuição de meios «mas há um intuito de procurar colmatar esta diferença de meios para garantir às crianças e à família a concretização dos seus direitos».

 

Quais direitos? O direito à prática da violência? Da tortura de seres vivos? Da crueldade contra bovinos bebés, indefesos, inocentes e inofensivos?

 

Como podem dizer que com a “diminuição de meios” as comissões vão funcionar mal, se nem com meios elas funcionam bem?

 

Menina a torturar Tourinho.jpeg

 

 A propósito desta imagem vejamos o que se diz no Farpas Blogue:

«Muito entusiasmo e muitos rasgos de afición e querer, no passado domingo, na praça "Daniel do Nascimento", num festejo de entrada gratuita em que se exibiram os jovens alunos da Escola de Toureio da Moita na comemoração do 2º aniversário do seu renascimento.

Uma das mais antigas e mais produtivas do país - de onde nasceram três matadores de toiros, Luis "Procuna", Nuno "Velásquez" (entretanto passou a bandarilheiro) e Sérgio "Parrita" -, a Escola da Moita foi iniciada pelo Maestro Armando Soares, prosseguiu com Vitor Mendes e renasceu há dois anos tendo como professores o matador "Procuna" e o bandarilheiro Júlio André.

 

Ouvi falar na “dificuldade” da Comissão da Moita, aquela vila portuguesa pertencente ao Distrito de Setúbal, onde a prática da selvajaria tauromáquica está implantada como uma doença de pele, e onde muitas crianças frequentam o antro de toureio a que chamam “escola”.

 

E a Comissão de Protecção de Crianças e Jovens da Moita já alguma vez se debruçou sobre a existência deste antro ,onde se ensina a prática da violência a crianças e jovens? Ou a CPCJ da Moita confunde o ensino da violência com o ensino da Matemática ou da Língua Portuguesa?

 

Doutor Armando Leandro, ensinar a violência às crianças não constituirá uma forma de maus-tratos psicológicos e por vezes físicos (quando eles se magoam) e uma forma de negligência grave por parte dos progenitores que enviam os filhos para estes antros, para que aprendam a ser MATADORES de bovinos, por diversão?

 

Isto é coisa que se faça às crianças?

 

Não só o abuso sexual, ou atirar os filhos para água a ferver, queimá-los com pontas de cigarros, bater-lhes até ficarem paraplégicos ou mortos, constitui crime.

 

Os maus-tratos psicológicos, como é o caso de privar as crianças de uma infância saudável, para as atirar para a violência, também é crime. Ou não será?

 

Ou as famílias aficionadas gozam de alguma protecção especial nas leis portuguesas, para que não sejam penalizadas por este tipo de maus-tratos que impõem aos filhos? por muito menos já vi a CPCJ a retirar os filhos a Pais, desempregados e desesperados, por não ter de lhes dar o que comer. E o que fazem? Em vez de lhes proporcionar um emprego, retiram-lhes as crianças. E isto é algo repugnantemente desumano.

 

Saberá a CPCJ o mal que esta negligência poderá causar ao desenvolvimento mental destas crianças e jovens, um desenvolvimento que se quer saudável, como é do direito delas?

 

E depois ainda há este absurdo, digno de um país quinto-mundista:

 

Dívidas do Estado fecham escola de música do Minho a partir de segunda-feira

http://www.dn.pt/inicio/portugal/interior.aspx?content_id=4373733

 

Academia de Música de Almada suspende aulas devido a dívida do Governo

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=797079&tm=8&layout=123&visual=61

 

Providências cautelares poderão travar fecho de escolas em pelo menos dez municípios

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/providencias-cautelares-poderao-travar-fecho-de-escolas-em-pelo-menos-dez-municipios-1661414?page=-1

 

E poderia colocar aqui muitas mais notícias da política educacional e cultural desastrosa deste governo, mas estas bastam para dizer o que gostaria de ver noticiado.

 

E o que gostaria de ver noticiado, para bem destas desprotegidas crianças do meu País (isto é, das que estão à mercê de progenitores aficionados de selvajaria tauromáquica), e de Portugal e de todos os portugueses lúcidos, era isto:

 

Em nome de «uma das mais nobres e elevadas artes do agir humano – a   Arte da Grande Política Civilizacional, Cultural e Ética» (*) o governo português manda encerrar todas as “escolas” de toureio do Pais, bem com o decreta a abolição da tauromaquia.

 

Esta seria a grande notícia do avanço civilizacional necessário em Portugal.

 

(*) A frase entre aspas é de autoria do Filólogo em Humanidades Clássicas, Fernando Paulo Baptista)

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:20

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 30 de Dezembro de 2014

Os meus votos (abolicionistas) para 2015

 

«Enquanto eu conseguir discernir, recuso-me a engrossar rebanhos»

 

tauromaquia 2015.jpeg

 

Uma vez que, depois de longos anos a pugnar pelos direitos dos seres humanos nascidos e por nascer, com muitas mais vitórias pessoais do que derrotas, decidi abraçar a causa da Abolição da Tauromaquia em Portugal e nos outros oito países que ainda não saíram das trevas medievais em que continuam mergulhados por mera incapacidade mental dos seus governantes se libertarem dessa maldição, e de um sistema político onde impera a corrupção, a falta de vergonha na cara e a inexistência total de brio pessoal, profissional e humano, os meus votos concentram-se no mais profundo desejo de que todos os deuses de todos os olimpos abram, nas mentes desses governantes (que por qualquer razão desconhecida ainda não se aperceberam de que o ano de 2015, que agora se inicia, não é o do tempo dos hurritas, que viveram na antiga Suméria, mas sim o ano de 2015 depois de Cristo) um caminho para que a humanização, a lucidez, a lógica, a racionalidade, a ética, o bom senso, a sensibilidade, a cultura culta, a evolução e principalmente a luz do conhecimento possam ser assimiladas e postas em prática nos mais básicos actos da governação.

 

Basta de tanta escuridão.

Basta de tanta ignorância.

Basta de tanta incultura.

Basta de tanta insanidade.

Basta de tanta desumanidade.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:01

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 19 de Dezembro de 2014

RADIOGRAFIA 2014

 

E porque cada um tem a tendência para puxar a brasa para a sua sardinha, e porque a minha luta, neste momento, é pela abolição da selvajaria tauromáquica, em Portugal e no mundo, faltou mostrar, nesta Radiografia 2014, que este foi aquele ano em que os governantes tiveram oportunidade de se desenvolverem como seres humanos, abolindo todas as formas de tortura e maltratos contra animais não humanos em todo o mundo, dando um exemplo de empatia e superioridade de espírito, e optaram por continuar minguados das ideias e agarrados a costumes medievais perversos e impregnados de uma ignorância abismal.

 

TOURO TORTURADO.jpg

Faltou esta “radiografia” que mostra bem do que são capazes governantes sem alma e sem coração

 

(Abrir link para ver mais “radiografias”

http://rr.sapo.pt/radiografia2014/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:18

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
21
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«Ainda sobre a Moita... N...

Azaremos a tauromaquia

A tourada fere brutalment...

UNESCO não vai reconhecer...

«EXISTE UM FUTURO MELHOR ...

COIMBRA TEM MAIS ENCANTO ...

EM PORTUGAL HÁ DOIS PESOS...

«O que aconteceria se as ...

SELVAJARIA TAUROMÁQUICA E...

ATÉ EM VILA FRANCA DE XIR...

Arquivos

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt