Quinta-feira, 15 de Março de 2012

«A LEAL TOURADA DE RAMOS» OU QUANDO NA AZAMBUJA UMA NOVA PRAÇA DE TOUROS É MAIS NECESSÁRIA E IMPORTANTE DO QUE UMA PISCINA PÚBLICA

 

 

Eis um texto publicado no link: http://semtouradas.posterous.com que aqui transcrevo por dizer do absurdo de uma atitude, em nome de outro absurdo que é a Tortura de Touros e Cavalos. E continuamos a ter mais do mesmo: em mentalidades cegas a luz não entra nem por decreto.

 

Mas isto acontece em muitas terras portuguesas, que teimam erm não evoluir. Não há dinheiro para escolas, centros de saúde, equipamentos públicos, há aldeias sem água canalizada, sem luz eléctrica, sem transportes, tudo num país onde se subsidia a TORTURA DE TOUROS E CAVALOS com dinheiros públicos.

 

Para tal monstruosidade há dinheiro. Para as necessidades do povo, não há.

 

Os governantes não têm a lucidez necessária para governar este país.

 

Então DEMITAM-SE!

 

E vocês, torturadores de seres vivos, vão divertir-se com os da vossa espécie, porque os Touros e os Cavalos têm aquela dignidade que vos falta. São seres SUPERIORES a qualquer um de vós.

Ainda não perceberam que TAUROMAQUIA não passa de COVARDIA?

 

Não se sintam orgulhosos de tal façanha.

 

Como são ridículos! E muitos de vós, como a deputada Gabriela Canavilhas, até têm VERGONHA de se dizerem aficionados, em público.

 

PORQUÊ?

 

Porque a tauromaquia é algo que até envergonha uma pedra, quanto mais o ser humano e a nação portuguesa.

 

***

 

«A LEAL TOURADA DE RAMOS»

 

 por Nuno Cláudio

 

(Artigo de opinião publicado no jornal regional Fundamental de 6/3/2012)

 

A verdadeira natureza dos autarcas que de facto e de forma efectiva são preocupados com a causa pública abrangente vê-se nas prioridades da sua gestão à frente dos respectivos municípios. Joaquim Ramos tinha 600 mil euros disponíveis - enfim, não tinha, mas já lá vou – e a recuperação das piscinas da Santa Casa da Misericórdia custa exactamente essa verba, ou qualquer quantia que anda lá perto. Mas a opção do presidente foi clara e inequívoca: que se gaste o dinheiro na praça de touros e as piscinas que esperem; até quando, ninguém sabe.

 

Quero lembrar aos leitores do Fundamental que Azambuja é o único município da região que não tem um complexo de piscinas ao dispor dos seus habitantes.

 

Alenquer tem o Complexo Municipal Vítor Santos, no Cartaxo funciona em pleno a piscina da Quinta das Pratas, em Benavente e em Samora Correia há dois equipamentos excelentes e praticamente simétricos e em Salvaterra também funcionam as piscinas municipais. Já para não falar nos concelhos limítrofes que não são abrangidos pelo Fundamental mas que também não fogem à regra e apresentam excelentes equipamentos para a prática da natação: em Arruda dos Vinhos há piscina municipal, tal como em Sobral de Monte Agraço; em Vila Franca de Xira perco a conta às piscinas municipais, quase uma por freguesia. Cadaval tem piscina municipal, Rio Maior tem piscina municipal. Só em Azambuja é que não há piscina municipal, caro leitor. A Câmara investiu, em tempos, alguns recursos num tanque pertença da Santa Casa da Misericórdia de Azambuja, que transformou numa espécie de piscinas públicas, ainda que qualquer pessoa de bom senso percebesse desde logo que aquele acordo/protocolo – chamem-lhe o que quiserem – iria dar para o torto.

 

Não era casamento que se adivinhasse para a eternidade. Enquanto todos os municípios sem excepção aqui à volta aproveitavam os fundos comunitários e investiam nas suas verdadeiras piscinas municipais, Azambuja assumia a incapacidade dos seus governantes de construir de raiz um equipamento desta natureza.

 

Em boa verdade, nunca algum munícipe em Azambuja sentiu aquela piscina como um equipamento verdadeiramente municipal. Estava na cara que aquilo era e seria sempre da Santa Casa, como agora vem a comprovar-se com o braço de ferro mantido entre a Câmara e a instituição, já que a autarquia necessita de deter a totalidade da propriedade das piscinas para arranjar dinheiro da União Europeia com vista às necessárias obras de reconversão, ao passo que a Santa Casa não parece estar pelos ajustes de abdicar de um património que naturalmente considera seu.

 

Mas mesmo no meio deste impasse Joaquim Ramos poderia ter em conta os superiores interesses dos munícipes e investir na reconversão do equipamento, quanto mais não fosse para não continuar a passar pela vergonha de ser o único autarca que em doze anos não conseguiu construir um complexo de piscinas, vendo ao mesmo tempo os munícipes do seu concelho a ter que recorrer aos concelhos vizinhos quando pretendem proporcionar aos seus filhos a prática de um desporto reconhecidamente tão salutar e completo.

 

Qual quê! Ramos está mais virado para outras touradas e mais depressa gastou os tais 600 mil euros numa praça de touros que é utilizada uma vez por ano e mesmo assim só fica composta porque é a Câmara que compra metade dos bilhetes para distribuir pelos que estão na lista das "alembrancinhas". Em bom rigor governativo, esse dinheiro deveria ter sido devolvido às entidades bancárias que o emprestaram para realizar as obras que depois permitiram o reembolso dessa quantia via União Europeia, mas já que o empréstimo estava mesmo consumado e o dinheiro ali tão disponível, ao menos que o mesmo fosse investido em algo que verdadeiramente constituísse uma mais-valia para o concelho de Azambuja.

 

Uma reflexão final para que os leitores percebam o porquê destas opções: a malta dos touros de Azambuja caiu – salvo seja – em cima de Joaquim Ramos, que não se imaginava a deambular pelas ruas de Azambuja encarando a todo o instante com esta família de munícipes taurinos e exigentes e tendo o peso na consciência de não lhes ter feito a vontade, ou satisfeito o ego, como o leitor preferir, não lhes oferecendo uma praça de touros.

 

Luís de Sousa jamais poderia ter voz activa nesta decisão, ele que nestes aspectos é um verdadeiro verbo de encher; e Marco Leal, que poderia ter influenciado a decisão de investir os 600 mil euros nas piscinas, é assim uma espécie de vereador do desporto com mais sensibilidade para as raves, as new waves e outras ondas que normalmente andam desfasadas do mundo das pessoas comuns, que têm filhos e que pretendem proporcionar-lhes a possibilidade de praticar natação como complemento educacional inserido numa prática desportiva reconhecidamente necessária. Isso de tomar banho numa piscina? Água com cloro... ai, que desconforto.

 

(Sublinhados da responsabilidade de Portugal sem touradas)

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:28

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Setembro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
17
18
19
20
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

Nem tudo foram rosas na p...

Líder do PAN insultada e ...

«Querido Touro…Eu respeit...

População das Ilhas Faroé...

Um recado de Paz Romero, ...

Dizem que amanhã, na Figu...

Cristina Rodrigues, depu...

Denúncia – Animais de qui...

A homenagem a um torturad...

A vandalização da estátua...

Arquivos

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt