Segunda-feira, 28 de Março de 2011

Texto de Nicolau Santos, publicado na Revista "UP" da TAP

 
Um texto de 2007,  que fala de um Portugal que existe para vender lá fora e para os turistas  
 
Com este, coexiste um outro Portugal, ainda com um pé no terceiro-mundo: triste, pobre, inculto e troglodita.
 
E esse é bem mais real, mas desconhecido no estrangeiro.

Seria bom que tudo fosse assim tão claro como a água de uma nascente, conforme Nicolau Santos descreve...
Mas não é.

O Portugal que Nicolau Santos descreve existe, é verdade, mas apenas para inglês ver.
 
Isabel A. Ferreira
 

NIcolau santos.jpeg

 
Por Nicolau Santos

 

«Eu conheço um País»

 

«Eu conheço um país que em 30 anos passou de uma das piores taxas de mortalidade infantil (80 por mil) para a quarta mais baixa taxa a nível mundial (3 por mil.)

 

Que em oito anos construiu o segundo mais importante registo europeu de dadores de medula óssea, indispensável no combate às doenças leucémicas. Que é líder mundial no transplante de fígado e está em segundo lugar no transplante de rins.


Que é líder mundial na aplicação de implantes imediatos e próteses dentárias fixas para desdentados totais.


Eu conheço um país que tem uma empresa que desenvolveu um software para eliminação do papel enquanto suporte do registo clínico nos hospitais (Alert), outra que é uma das maiores empresas ibéricas na informatização de farmácias (Glint) e outra que inventou o primeiro antiepilético de raiz portuguesa (Bial).


Eu conheço um país que é líder mundial no sector da energia renovável e o quarto maior produtor de energia eólica do mundo, que também está a constuir o maior plano de barragens (dez) a nível europeu (EDP).


Eu conheço um país que inventou e desenvolveu o primeiro sistema mundial de pagamentos pré-pagos para telemóveis (PT), que é líder mundial em software de identificação (NDrive), que tem uma empresa que corrige e detecta as falhas do sistema informático da Nasa (Critical)e que tem a melhor incubadora de empresas do mundo (Instituto Pedro Nunes da Universidade de Coimbra)


Eu conheço um país que calça cem milhões de pessoas em todo o mundo e que produz o segundo calçado mais caro a nível planetário, logo a seguir ao italiano. E que fabrica lençóis inovadores, com diferentes odores e propriedades anti-germes, onde dormem, por exemplo, 30 milhões de americanos.


Eu conheço um país que é o «state of art» nos moldes de plástico e líder mundial de tecnologia de transformadores de energia (Efacec) e que revolucionou o conceito do papel higiénico(Renova).


Eu conheço um país que tem um dos melhores sistemas de Multibanco a nível mundial e que desenvolveu um sistema inovador de pagar nas portagens das auto-estradas (Via Verde).


Eu conheço um país que revolucionou o sector da distribuição, que ganha prémios pela construção de centros comerciais noutros países (Sonae Sierra) e que lidera destacadíssimo o sector do «hard-discount» na Polónia (Jerónimo Martins).


Eu conheço um país que fabrica os fatos de banho que pulverizaram recordes nos Jogos Olímpicos de Pequim, que vestiu dez das selecções hípicas que estiveram nesses Jogos, que é o maior produtor mundial de caiaques para desporto, que tem uma das melhores seleções de futebol do mundo, o melhor treinador do planeta (José Mourinho) e um dos melhores jogadores (Cristiano Ronaldo).


Eu conheço um país que tem um Prémio Nobel da Literatura (José Saramago), uma das mais notáveis intérpretes de Mozart (Maria João Pires) e vários pintores e escultores reconhecidos internacionalmente (Paula Rego, Júlio Pomar, Maria Helena Vieira da Silva, João Cutileiro).


O leitor, possivelmente, não reconhece neste país aquele em que vive ou que se prepara para visitar. Este país é Portugal. Tem tudo o que está escrito acima, mais um sol maravilhoso, uma luz deslumbrante, praias fabulosas, ótima gastronomia. Bem-vindo a este país que não conhece: PORTUGAL.»

Nicolau Santos,

Director-Adjunto

(do jornal Expresso)

 

Fonte:

https://expresso.pt/blogues/bloguet_economia/blog_economista_poeta/portugal-vale-a-pena=f69676

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:28

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Raquel Oliveira a 30 de Março de 2011 às 18:11
Obrigado por tudo o que escreveu!!! Todos os portugueses deviam ler isto!!
De Isabel A. Ferreira a 30 de Março de 2011 às 20:00
Obrigada, Raquel por ter passado por aqui.
Quem escreveu o texto foi o NIcolau, eu apenas o reprodizi aqui.
Mas sim, todos os portugueses deveriam ler este texto.
De Fernando Romão a 31 de Março de 2011 às 18:07
Raquel,concordo consigo,o problema não é o Paìs,são as pessoas k nos governam eles e os amigos deles.
De Zé da Selva a 18 de Abril de 2011 às 21:27
Vejam, vejam todos, se conseguem "meter" estas verdades na "alma" dos Finlandeses!..
De André Figueiredo a 30 de Março de 2011 às 20:00
Brilhante !!
Chega de falar de coisas más. Está na altura de se dar ênfase e destaque aos inúmeros casos de sucesso em Portugal.
De Isabel A. Ferreira a 30 de Março de 2011 às 20:02
Plenamente de acordo, André.
De Joao Maia De Loureiro a 31 de Março de 2011 às 11:49
Bem visto Nicolau, mas eu tenho também um país, que tem como primeiro ministro a maior besta quadrada de que há memória.
De Isabel A. Ferreira a 31 de Março de 2011 às 14:46
Desculpe discordar de si, João.

O País de que fala o Nicolau, não é o mesmo País de que fala o João.

O Nicolau fala de um País inteiro;

o João fala de um determinado senhor, que ocupa uma dederminada cadeira, colocada num deteterminado lugar, e que já foi ocupada por muitas "bestas", como diz.
De vitor a 31 de Março de 2011 às 13:34
Eu conheço um país que tem tudo isso, e que para ter tudo isso, paga ordenados principescos a uns que ganham mais em dois anos que a maioria da população não consegue ganhar numa vida de TRABALHO... eu conheço um país que esses cuidados médicos a que o senhor se refere é só mesmo para alguns, enquanto a maioria da população está em listas de espera p tempo indeterminado e acaba mesmo por morrer p não ter sido operado a tempo, eu conheço um país q tem a EDP como unica fornecedora de electricidade e por isso aplica as tarifas que quer, sendo que assim se dá ao luxo de poder fazer os investimentos que quer e até pagar ordenados milionários aos seus gestores, eu conheço um país que tem atrasados mentais que também comem deste sistema como o senhor e que fazia era melhor era estar calado...
De paulll a 31 de Março de 2011 às 14:11
O que esse senhor quer dizer é o mesmo que, eh pa eu ganho 500 euros por mês mas tenho um Porsche Cayenne, não tenho dinheiro para a gasolina nem mandá-lo à revisão, oh pa ta na garagem, mas tenho um Cayenne ... ridículo..

Invenções amigo todos os países têm, fazer o seu povo viver em condições dignas sem ser no lumiar da pobreza isso sim seria um feito...
De Isabel A. Ferreira a 31 de Março de 2011 às 15:05
Podemos saber, Paulll, o que é que tem feito pelo País, para que o País saia desta situação caótica em que se encontra?

Ou é só daqueles que criticam e nada fazem para melhorar a situação?

Tem alguma solução, Paulll?
Então desafio-o a apresentá-la.
De Isabel A. Ferreira a 31 de Março de 2011 às 14:58
O Vítor não é com certeza, um democrata.

Sabia que em democracia, todas as pessoas têm o direito de dar a sua opinião?

Pois o Nicolau deu-a, e deu-a muito bem, no meu entender.

É devido a pessoas pessimistas como o Vítor, que Portugal estagnou.

Só vêem o que está mal, mas não dão soluções.
Só criticam.

As críticas só são válidas quando com elas vêm as soluções, ou pelo menos, alguma opção ao que está mal.

No meu entender, Portugal está no estado em que está, porque 50% da população é pessimista, e nada faz para modificar as coisas; 40% alinha com o status quo; e 10% vê uma luz ao fundo do túnel, e diz: é por aí que devemos ir...

Foi o que fez o Nicolau, que, infelizmente, está no rol dos 10%...
De paulll a 31 de Março de 2011 às 18:05
Por acaso ate tenho feito mt pelo país , tanto mais nao seja denunciando e partilhando pela internet as informações que me chegam, veja este trecho de Marinho de Pinto http://www.youtube.com/watch?v=pb8sZR-bI6o ... sabe.. é mt facil falar de coisas boas qd se tem uma boa posição na vida como é o caso desse senhor do expresso...a senhora com tanto dinheiro roubado não fazia melhor do que já foi feito ? que é feito do nosso ouro do Banco de Portugal?? e a senhora o q tem feito para ajudar a acabar com a corrupção e ladroagem no país ?
De Isabel A. Ferreira a 31 de Março de 2011 às 19:44
Pelo meu país, pelo fim da corrupção, da injustiça e de muitas mais coisas deste género, Paulll tenho feito o que muita gente não se atreve a fazer, a tal ponto que PERDI O MEU TRABALHO por "meter o nariz" onde os políticos acharam que eu não devia meter.

Depois disso, nunca mais consegui trabalho, em parte alguma.

E então o que faço agora?

GRITO no blog, nos textos que escrevo, nas cartas que envio às autoridades, nas Causas que apoio.

Denúncio o que tenho a denunciar...
Enfim, faço o que posso... e em nada contribuo para a situação caótica, em que vivemos.
Nâo me sinto minimamente culpada.
NÃO VOTEI NELES. VOTO SEMPRE EM BRANCO.
Acha pouco?
De Isabel a 12 de Abril de 2011 às 21:32
A inveja divide-se em duas cores, a branca a boa aquela em que ficamos felizes pelos outros, por nos pelo pais e pelo que temos de bom e a negra, aquela que nos deixa pequeninos, como alguns comentários
Lutem, vivam sejam felizes e todos viveremos melhor
De Isabel A. Ferreira a 13 de Abril de 2011 às 09:49
Isabel, é precisamente essa MENTALIDADE que falta a uma grande fatia do Povo que se diz PORTUGUÊS.

Criticam, criticam, criticam e nada fazem de positivo para mudar as coisas.

Ora, eu chamo a isso tacanhice, uma doença antiga, cuja cura está apenas numa mudança de atitude.
De Paulo Ricardo Teixeira a 1 de Abril de 2011 às 10:31
Enquanto português, fico agradecido por este pequeno texto que publica. Percebo que queira ser reforçada a ideia do quão bom é o nosso país dentro da crítica atroz a que constantemente está a ser submetido.
Ainda assim, em todo o progresso que é transmitido vemos o nome de uma série de empresas que pagam 500/600 euros a operários que também tem uma função muito importante nesse progresso. (falo da Sonae, Renova, PT, Jerónimo Martins) Isto num país onde compro num café uma coca-cola a 1,20€, onde para ir ao cinema pago 6 euros, onde para alugar um campo de futebol entre amigo se pagam 4/5 euros por pessoa. É bom progredir, mas em todos os sentidos. Na exclusão também deveremos ser topo hierárquico.
Mais uma vez parabéns pelo texto que vou partilhar no facebook de imediato.
De Isabel A. Ferreira a 1 de Abril de 2011 às 11:53
Paulo Ricardo Teixeira, a ideia foi do Nicolau. Eu concordo com o Nicolau. Por isso, transcrevi o texto dele no meu blog.

Temos de puxar pelos nossos galões e dizer alto o que temos de positivo.

Aproveitar esse positivismo para progredir, é a obrigação de qualquer Português.

O Nicolau Santos é Brasileiro, e no entanto, ao escrever este texto, fez muito mais por Portugal, do que aqueles que andam sempre a criticar tudo e todos, e ficam-se por aí...

Obrigada, pela partilha.

De Anónimo a 2 de Abril de 2011 às 15:32
Ola

adorei o que li, no seu blogue.

o texto e' lindo e muito inspirador. Portugal e' o meu pais de eleicao para passar ferias com a familia, ja nao vivo ai mas vivi durante muito tempo e tenho orgulho de dizer q parte do que eu sou devo a portugal...

Forca...isso e' so' uma fase
De Isabel A. Ferreira a 4 de Abril de 2011 às 09:09
Não sei quem é, onde vive, mas se viveu em Portugal e lhe ficou algo positivo para a sua vida, esteja onde estiver, penso que já valeu a pena, passar por este País, que só não é maior, devido à tacanhez de certas mentalidades e dos pessimistas de serviço.
De Fernanda a 3 de Abril de 2011 às 11:29
Muito bom! Temos que pensar positivo! Os media só nos matracam com desgraças!
De Isabel A. Ferreira a 4 de Abril de 2011 às 09:05
Obrigada, Fernanda.
Também penso que não devemos pensar que em Portugal só existem desgraças.
O pessimismo português é uma "doença" contagiosa transmitida via comunicação social.
De Conceição Martins a 5 de Abril de 2011 às 20:25
Gostei do que li no texto do Sr. Nicolau , e concordo plenamente com ele e com a Isabel, não são só coisas más que o nosso pais nos concede, temos tudo isso e mais alguma coisa só que há pessoas que nada fazem e só criticam, para eles o mais fácil
Mesmo com todas as criticas que alguns senhores aqui apresentam, mesmo assim, tenho orgulho de ser Portuguesa, e alguma coisa já contribui para este pais começando pelos 40 anos de trabalho consecutivo, com 55 de idade.
De Isabel A. Ferreira a 6 de Abril de 2011 às 09:00
É assim mesmo, Conceição Martins. O país não tem culpa dos desgovernantes que o desorientam, a todos os níveis.

Eu também me orgulho de ser Portuguesa,e dos homens e mulheres brilhantes que temos.

Apenas não me orgulho daqueles que deviam fazer algo pelo país e não fazem, e dos que criticam, criticam, mas votam sempre nos mesmos.
De Elma a 12 de Abril de 2011 às 15:34
Hum... Qual a fonte deste texto?

Gostaria de pensar que não foi essa a versão publicada na revista da TAP, até porque não é a original, isto é uma versão alterada e deturpada até. O original, de 2006, não tem a mesma forma que este texto.

Se foi publicada, gostaria de saber qual a fonte que indica que Portugal tem a quarta mais baixa taxa de mortalidade infantil a nível mundial... Basta dois minutos na internet para saber que nem no top 10 Europeu estamos. Mas se me apresentarem fontes credíveis com informação contrária eu mudo de opinião.

Textos como estes só desanimam, louvar: sim, mas inventar pelo meio... Isso é que não.
De Isabel A. Ferreira a 12 de Abril de 2011 às 18:31
Farei uma investigação, ao que diz, Elma. Mas não creio que o que aqui está publicado é deturpado, nem inventado, nem versão alterada. Creio.
De Ricardo Nuno Silva a 15 de Abril de 2011 às 00:01
@Isabel A. Ferreira:

Excelente sugestão de leitura! Obrigado :-)

@Elma:

A sua dúvida é pertinente, pois havia indícios "suspeitos", e eu próprio tive dúvidas :-)

Nicolau Santos escreveu efetivamente um texto similar em 2006 (que eu também conhecia), com o mesmo título:
http://iscad-siap2009.blogspot.com/2009/10/artigo-portugal-vale-pena-de-nicolau_2433.html

Em Dezembro de 2010, publicou uma versão actualizada do texto:
http://www.alert.pt/pt/in-the-media/portugal-vale-a-pena-in-up-magazine-tap

Está desfeita a dúvida de plágio :-)
Mas é bom ser céptico e investigar!

Ambos os artigos estão na micro-colecção "O Melhor de Portugal", na companhia de outros excelentes exemplos:
http://bit.ly/MelhoresVideosPT

Cumprimentos,
Ricardo Nuno Silva
De Isabel A. Ferreira a 15 de Abril de 2011 às 11:53
Muito obrigada Ricardo, pelo seu precioso contributo.

Sempre ouvi dizer que da discussão nasce a luz, e neste caso, da dúvida da Elma fez-se luz, igualmente.

Deste modo, penso que estamos todos esclarecidos.
Muito obrigada.
Cumprimentos, Ricardo.

Isabel A. Ferreira
De Ricardo Nuno Silva a 15 de Abril de 2011 às 15:04
Isabel, não custou nada investigar pois fiquei muito "intrigado" com as semelhanças no texto :-)

Em abono da verdade, poderia haver no texto na revista "UP" uma nota de rodapé mencionando que era uma versão actualizada do texto de 2006 :-)

Caso haja curiosidade por mais mais casos reais de "investigação forense" na internet lusófona, sugiro o novo:

Blog "Sobre Literacia Digital"
http://sobreliteraciadigital.wordpress.com

Cumprimentos,
Ricardo Nuno Silva
De Isabel A. Ferreira a 15 de Abril de 2011 às 15:08
Uma vez mais, muito obrigada, pela sua gentileza Ricardo.

As suas informações são muito úteis.
Cumprimentos.
Isabel A. Ferreira
De Isabel A. Ferreira a 12 de Abril de 2011 às 18:36
Bastou-me também dois minutos na Internet, Elma, para averiguar que a Elma tem de se informar melhor antes de dizer as coisas.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

É dos piores casos de mau...

Raiva, muita raiva e repu...

Poucos saberão quem são a...

Chicken a la Carte

Ministério da Cultura (?)...

«Aquilo que uma minoria d...

«Os arrasadores de Portug...

Demolição do Padrão dos D...

«Mais Dinheiros Públicos ...

O regresso às trevas

Arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt