Quinta-feira, 24 de Março de 2011

A CRISE POLÍTICA DA NOSSA VERGONHA!

 

 

O que se passou ontem na Assembleia da República foi uma autêntica vergonha e falta de patriotismo. Falta de senso de responsabilidade.

 

Porque...

 

Porque o que interessa aos senhores deputados não é a situação do país, mas sim o Poder.

 

Fiquei chocada (e eu posso falar à vontade porque nenhum governante a nível local e nacional está
sentado na cadeira do poder com o meu voto, pois votei em branco, como forma de protesto), fiquei chocada com o desinteresse pelos interesses nacionais, que os deputados da nação demonstraram ontem.

 

O maior partido da oposição não aprovou o PEC IV simplesmente porque está com o “olho” no Poder. Isso dá para ver à distância. Querem porque querem ser eles a governar. De outro modo, teriam apresentado alternativas e talvez se pudesse ter chegado ao consenso necessário para levantar Portugal do chão.

 

As vozes menores dos outros partidos não chegaram ao outro lado da bancada da Assembleia. E tudo foi por água abaixo. O Governo caiu. E com ele caiu Portugal num buraco que já era
fundo, e agora ficou ainda mais fundo.

 

O que esteve em causa ontem, na Assembleia da República, não foi o interesse de Portugal, mas
tão-somente derrubar o Governo, por derrubar, pela ânsia do Poder, para se empoleirarem nele outros galos, que não farão melhor, porque já tiveram oportunidade para isso e foi o que se viu: um autêntico desastre.

 

Entretanto, o Senhor Presidente da República decidiu ficar cego, surdo e mudo ao que se passava à
sua volta, ocupado que esteve... com quê? Vá-se lá saber. Não teve tempo para se debruçar sobre o assunto.

 

Agora aguarda-se que aceite ou não (ainda há esta possibilidade) a demissão do Primeiro-ministro.

 

Entretanto ontem, os comentários que se fizeram logo a seguir à demissão de José Sócrates foi pura
propaganda política, já a pensar nas eleições. Ainda o corpo do morto está quente e já pensam como dividir a “herança”. E isso é o que importa. Portugal que se lixe!

 

Conclusão: o nosso País se já não estava bem visto lá fora, agora ficou ainda mais mal visto. Pudera!
Com os pseudo-políticos que tem...!

 

A Senhora Angela Merkel já brindou o Parlamento português com uma crítica severa.

 

Vamos ter eleições antecipadas.

 

Vamos gastar dinheiro que não temos, sem necessidade.

 

Os candidatos serão exactamente os mesmos.

 

Aqueles que nada fizeram para evitar uma crise política neste momento pensam que já têm as próximas eleições no “papo”...

 

Não tendo eu competência alguma como comentadora política, nem saiba grande coisa dessa “coisa” da politiquice que para aí vai, (uma vez que a verdadeira Política é uma arte que não está ao alcance dos nossos pretendentes a governantes) prevejo que houve todo este rebuliço para nada.

 

Passos Coelho, que só falou, falou, mas não disse nada, nem sequer teve a hombridade de  apresentar a tal alternativa que pudesse ser negociada (e hoje já vem dizer que se ganhar as eleições aumenta o IVA para 25%), perdeu a oportunidade de se sentar na cadeira de José Sócrates, que vai com certeza voltar a sentar-se nela.

 

E querem saber?

 

Era muito bem feito, para os nossos governantezinhos e para o Presidente da República, que não é de todos os Portugueses, pois ganhou por uma percentagenzinha mínima. É só fazer as contas:  somem a abstenção, mais os votos nulos, mais os votos brancos, mais os votos nos outros candidatos, e acrescentem-lhe aqueles portugueses que não puderam votar devido ao problema do Cartão de Cidadão, e vejam quantos Portugueses o elegeram.

 

Vira o disco e toca o mesmo.

 

A República Portuguesa, entre outros motivos, foi implantada em Portugal para acabar com o sistema de alternância entre dois partidos no poder: os progressistas e os regeneradores.

 

Passados cem anos, continuamos com o sistema de alternância entre dois partidos no poder: o PS e o PSD.

 

Afinal o que mudou? O que lucrou Portugal? Que posição ocupa no Mundo?

 

É preciso implantar um outro regime político para acabar também com esta alternância, que não nos tem trazido a evolução de que Portugal tanto necessita.

 

É preciso uma mudança radical.

 

E essa mudança está inteiramente nas mãos do Povo que vai votar.

 

Não gostam, não gostam, mas votam sempre nos mesmos, e nem sequer sabem que podem votar em branco, para protestarem e obrigarem a colocar lá outras caras.

 

A mim, a consciência não me dói. Nem sinto culpa. Não votei em nenhum, nem votarei enquanto não houver gente nova.

 

Como pode haver políticas novas com os velhos políticos?...

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:12

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Os muito terceiro-mundist...

Muita água correu debaixo...

Quando os ditadores se co...

Ecologistas espanhóis des...

Ao cuidado dos caçadores ...

Que superioridade será a ...

Que “25 de Abril” celebra...

Celebrando o Dia Mundial ...

PAN quer ouvir Ministra d...

PAN avança com proposta p...

Arquivos

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt