Terça-feira, 21 de Setembro de 2010

IDEIAS, IDEAIS E IDEOLOGIAS...

 

Vou andando por aí em busca de um lugar onde possa sentar-me. Talvez à beira de um riacho, para ouvir o burburinho das suas águas límpidas e calmas, que me acalmam...

 

 

Nunca digo “não sei”, quando posso dizer “vou tentar saber”

 

 Ideias, ideais e ideologias, cada um com as suas.

 

 A não ser que te destruam o cérebro ou sejas cremado e as tuas cinzas lançadas aos ventos, o teu pensamento e o espaço ocupado pelo teu corpo, no Universo, são os únicos bens verdadeiramente só teus. De ninguém mais.

 

 Isto é uma das minhas ideias. Tu podes ter outra ideia.

 

Vou andando por aí em busca de um lugar onde possa sentar-me. Talvez à beira de um riacho, para ouvir o burburinho das suas águas límpidas e calmas, que me acalmam, e à hora em que o Sol, já cansado de me olhar, se afundar no oceano, trocar algumas impressões sobre a natureza das coisas, com o sábio mocho.

 

Este é um dos meus ideais. Tu podes ter outro ideal, tão válido quanto o meu.

 

Vou andando por aí e vou pensando... Que mais poderei fazer? Tantas coisas!... Não sou rei, não sou súbdito. Não sou pobre, nem sou rico. Não mando, também não desmando. Tenho ideias. Tenho ideais. Não sou pau, nem pedra. Nem cera que se derrete. Sou um simples ser humano. Respeito o meu semelhante. Considero de igual modo os meus irmãos animais, as minhas irmãs plantas. O ar, a água, a terra. Até as pedras dos caminhos.

 

Faço versos às águas do mar. Finjo que canto com as sereias, em noites de lua cheia, porque dou valor ao sonho.

 

Mas grito a minha indignação, quando tenho de gritar.

 

Choro, quando tenho de chorar.

 

Gosto de aprender. Nunca digo “não sei”, quando posso dizer “vou tentar saber”, uma vez que, deste modo, cresço, na minha própria consideração.

 

Abomino a violência, a covardia, a maldade, a tortura, o ódio, a inveja, a injustiça, a vingança, a raiva. Para mim, coisas menores, de seres ainda menores.

 

Não faço a guerra, simplesmente porque prezo a minha liberdade.

 

Sou corpo. Sou também espírito. E embora talvez não te interesse, Cristo, Buda, Confúcio, Maomé fazem parte do meu mundo. Uso a rosa amarela como símbolo da minha espiritualidade. Gosto de sonhar e de brincar à maneira das crianças. Conheço o valor da amizade. Tenho um rato, uma cadela, um gato e três pequenas gatas entre os meus maiores amigos.

 

Venero os valores humanos, mas as leis dos homens nada me dizem. A minha lei é a Lei Natural. Além disso, não fui eu quem inventou a política.Esta é a minha ideologia. A tua ideologia é outra?

 

Óptimo! Eu sei ser tolerante. Aceitá-la-ei com todo o respeito que te devo.

 Afinal, desprezo apenas a malvadez dos que são apenas “omens”.

 

 in «MANUAL DE CIVILIDADE»

Texto e foto © Isabel A. Ferreira

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:38

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De elmanofilo a 24 de Setembro de 2010 às 08:53
O «rio Portugal» vai poluído e corre o risco de resvalar fora do leito...

Ser optimista numa altura destas é sinónimo de alienação total!
Ver aqui:http://rouxinoldebernardim.blogspot.com/
De Isabel A. Ferreira a 24 de Setembro de 2010 às 12:03
elmanofilo, gosto de vaguear pelos seus blogs, porque os seus temas são interessantes.

Gosto de seguir o avesso das coisas, para poder reflectir, e, se puder, dar-lhe a volta, para que se ponham do lado certo.

Cada um tem a sua filosofia de vida.

Eu quando vejo alguém estatelado no chão, não lhe ponho o pé em cima, para que continue estatelado no chão. Estendo-lhe a mão para que se levante.

De pessimistas anda o mundo cheio.
O grupo "Vencidos da Vida" do qual fizeram parte, entre outros, Eça de Queiroz e Antero de Quental, era um grupo altamente pessimista, e o pessimismo destes homens ajudou Portugal a erguer-se do chão?

Não me parece.
Calcaram-no, e até hoje o País nunca se levantou.
O «Rio Portugal» vai poluído sim, mas eu recuso-me a poluí-lo ainda mais, com um pessimismo inútil, que em nada contribui para o despoluir.

Será um modo alienado de ver as coisas...
Será...


De elmanofilo a 24 de Setembro de 2010 às 17:22
Permito-me discordar da forma como aborda esta problemática. Ser crítico é dizer bem e dizer mal. Ser pessimista é só saber dizer mal. Doentiamente.
Pessoalmente digo bem do que está bem (podem chamar-me adulador ou servil... não me importo) e digo mal do que me parece estar mal (chamem-me maledicente, ou bota-abaixo que também não me importo).

Eça de Queiroz e Antero de Quental não podem ser metidos na mesma baliza redutora do «pessimismo», como me pareceu vê-la fazer.
Eça ainda hoje continua a ajudar Portugal com a sua sátira, com a sua acerada ironia, a sua mordacidade aos costumes.
Antero foi diferente. Foi mais um ideólogo, um doutrinador, mais virado para um socialismo romântico com laivos clericais (os adversários chamavam-lhe o «Santo Antero»...); os seus sonetos refletem certa melancolia muito embora sempre impregnados de um desejo de mudança, de mentalidades, de regimes, de sensibilidades.

Eça não era um pessimista «tout court». Ele era um
bom manuseador da pena, que usava como um varapau quando era preciso, mas também com subtileza, com mestria, com romantismo.

O rio Portugal precisa tanto de ser despoluído que todos os utensílios fazem falta.
Os instalados domesticaram a cultura e só vemos o poder usando habilmente a trela publicitária, para ter na mão aqueles que baixam o cachaço, nunca beliscando os czares e os sobas que vão gerindo a coisa pública como se fora uma coutada pessoal.
De Isabel A. Ferreira a 25 de Setembro de 2010 às 15:10
Elmanofilo, tem o direito de discordar de mim. Eu também se tiver de discordar de si, discordo.

Eu referi-me ao grupo "Vencidos da Vida", do qual fizeram parte Eça e Antero, entre alguns outros.

Não metii ninguém na mesma baliza. Eça e Antero são inquestionavelmente dois Portugueses Grandes, na área literária.

O que eu quis dizer, muito simplesmente é que, desde há muito que o nosso país está afundado. Aparecem grupos pessimistas, críticos a dizerem mal, e apenas isso. Nada fazem para mudar as coisas.

Penso que Portugal não precisa que todos nós sejamos pessimistas. Tem de haver optimistas para poder equilibrar-se a balança.

Nunca Portugal se levantará do chão com o pessimismo que sempre o rodeou. O fatalismo, o tal fado, a tal sina traçada, na palma da mão.

É preciso mudar os discursos.
Dizer mal, por dizer, dos czares, dos sobas e de outros que tais, não leva a lugar algum.

É preciso mudar as mentalidades.
É preciso fazer-lhes ver que apesar de nos quererem pisar, nós não deixamos.

É preciso mais acções e menos palavras.
Na hora de votar é preciso dizer NÃO, e esse NÃO pode traduzir-se no voto em branco, em massa, por exemplo. Coisa que faço há muito tempo. Um protesto calado que, isolado, não tem qualquer força.

Mas pelo menos, não me sinto culpada. Não sou cúmplice desta mascarada que é a governação.

É preciso dizer-lhes (aos czares e aos sobas) que as águas dos rios correm para o mar, e as águas do mar revoltam-se e não há nada que eles possam fazer para as dominar.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Agosto 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

QUANDO OS TROGLODITAS ATA...

SÃO DEMENTES OS QUE SE DI...

APELO À PRESENÇA NO PROTE...

E ASSIM SE DIVERTEM OS BR...

AINDA OS INCÊNDIOS EM MON...

ASSIM SE “DIVERTEM” OS SÁ...

OBRIGAÇÕES CAMARÁRIAS PAR...

O QUE DIZER QUANDO SE DIZ...

O DESAFECTO DOS QUE MUTIL...

A PRETENSÃO DE ELEVAR A S...

Arquivos

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt