Quinta-feira, 16 de Setembro de 2010

Carta aberta a Francisco Moita Flores

 

 

 

Conheci-o um dia, na Póvoa de Varzim. Foi à Cooperativa «A Filantrópica», na sua qualidade de Polícia, falar sobre a Droga e as suas consequências.

 

Tivemos, os dois, uma conversa interessante, profunda, acerca do sofrimento dos pais de toxicodependentes, os quais preferem vê-los mortos-mortos do que mortos-vivos. E isso feria a sua alma de homem-polícia.

 

Começou aí a minha admiração pelo Dr. Moita Flores. Nessa noite conheci um homem sensível. Coisa rara nos tempos que corriam (e ainda correm).

 

Depois vieram os filmes na TV, dos quais gostei muito. Vieram os livros, bem escritos. E a minha admiração continuou intacta.

 

Até ao dia 25 de Agosto de 2010, quando o Dr. Moita Flores divulga uma Petição a favor do «Massacre de Touros». Muito bem escrita, aliás. Um apelo brilhante ao que chama os “Direitos da Terra”. Quase convence as pedras dos caminhos campestres, bordejados de flores amarelas, que os seus pés pisaram na infância.

 

Quase.

 

Mas não convence. Sabe porquê?

 

Porque o que lhe interessa não é defender o «Massacre de Touros» a que chama Festa Brava, nem sequer o respeito pelos Direitos do Homem casados e em sintonia com os Direitos da Terra. Linda, esta frase. Gostei.

 

O que o Dr. Moita Flores defende é pura e simplesmente isto: uma “Festa” dita brava, em que um mamífero superior, que possui sistema nervoso central, tal como o Dr. Moita Flores, é massacrado até quase virar um picado de carne a sangrar por todos os buracos que lhe fazem quando lhe espetam as farpas.

 

Quando diz que defende «os valores da Terra, da Vida e dos ritos exorcizadores da Morte, em defesa dos animais, dos touros, dos cavalos, dos pastores e dos campinos, da economia agrícola e animal associada à Festa e ao espectáculo, em nome do PROGRESSO com Memória, em nome do DESENVOLVIMENTO sem perder o sentido da História», está a querer enganar quem?

 

Defender os valores da Terra, da Vida dos ritos exorcizadores da morte? Da morte de quem? Da sua, Dr. Moita Flores, ou da do Touro?

 

Em defesa dos animais, dos touros, dos cavalos, quando estes são sangrados lentamente, durante umas duas horas, impiedosamente, numa arena, cheia de criaturas a babarem-se diante do sangue desses mesmos animais?

 

Defender pastores, campinos? A quem quer enganar?

 

Da economia agrícola e animal associada à Festa e ao espectáculo, em nome do PROGRESSO com Memória, em nome do DESENVOLVIMENTO sem perder o sentido da História?

 

 

O que é isto?! Está a querer fazer do povo Português parvo?

 

Fale-me antes na DEFESA dos lobbies poderosos dos ganadeiros e de outros, à custa da tortura e do massacre de animais magníficos. Isso sim.

 

O Dr. Moita Flores perdeu toda a sua razão quando diz: «Cheguei à idade onde já não há paciência para ser insultado por uma horda de analfabetos».

 

Horda de analfabetos. Nós? Os que defendemos a VIDA, a CULTURA CULTA, a CIVILIZAÇÃO?

 

«Cheguei à idade da tolerância mas também ao tempo onde, mais do que nunca, acredito que só é possível salvar os Direitos do Homem se com eles salvarmos os Direitos da Terra».

 

Outra bela frase, para constar nos seus romances.

 

Quem pretende enganar com os Direitos do Homem e da Terra?

 

Nós estamos a falar de DIREITOS DOS ANIMAIS.

 

Já viu bem o que pede que assinem na sua petição? Vou repetir: «Convido-vos a todos. Aos meus irmãos homens, às minhas irmãs mulheres, que afirmem por este abaixo-assinado fora, este combate pela CIDADANIA e pelos DIREITOS DA TERRA para que ninguém se amedronte perante a gritaria histérica de alguns.

 

CIDADANIA? Qual? A do direito a torturar um animal?

 

DIREITOS DA TERRA? Quais direitos da terra? Os direitos da terra beber o sangue derramado pelos Touros e pelos Cavalos quando estão a ser massacrados?

 

Quem são os histéricos aqui?

 

São os que gritam «BASTA DE MASSACRAR ANIMAIS», ou os que gritam “OLÉS” quando uma farpa fura o corpo do Touro e um jorro de sangue lhe escorre pelas costas, e mancha a terra que há-de “beber” esse sangue?

 

Veja a incongruência das suas palavras: «E fazem abaixo assinados, procurando destruir sem compreender, protestar quando a verdadeira essência do seu protesto são as suas PRÓPRIAS CONSCIÊNCIAS.»

 

Que consciências? Não somos nós que massacramos animais. As nossas consciências estão tranquilas. A sua não está?

 

E diz mais o Dr. Moita Flores: «Nem é o sofrimento do animal, como eles dizem, que os move. Pois se o fosse, estariam aos gritos em todos os locais em que se “fabricam”com hormonas, frangos, vacas, ovelhas para alimentar a cidade. Estariam às portas dos grandes matadouros escutando os urros de milhares de animais que adivinham o cheiro da morte. Estariam nas barricadas contra as guerras que matam homens e crianças, na linha da frente da luta pelo renascimento do campo e das culturas rurais, na linha da frente contra a violência doméstica.»

 

Anda cego e surdo, Dr. Moita Flores? Só lê e vê o que lhe interessa? Quem luta pela abolição do «Massacre de Touros», luta igualmente por todas as formas de tortura praticada contra seres humanos e seres não-humanos também. Só não vê quem não quer ver. Só não sabe quem não quer saber.

 

E em seguida o Dr. Moita Flores diz esta barbaridade: «Não! Nada disto. Apenas (são) contra a PRETENSA violência contra os touros bravos. Nem pelo outro argumento comodista e repetido de que não são contra o abate dos animais mas sim contra o espectáculo que, no caso português, nem os abate. Maior hipocrisia não existe. Nem paciência para discutir a fé de angustiados.»

 

PRETENSA, Dr. Moita Flores? Esburacar um animal com farpas até o fazer sangrar é “pretensa violência”?

 

Pois quanto ao abate, do mal, o menos. Nesse aspecto os espanhóis são mais “humanos”, abatem logo o Touro na arena, e não o deixam em sofrimento atroz dias seguidos.

 

Os hipócritas aqui quem são, Dr. Moita Flores? Pretende chamar “água” ou "sumo de tomate" ao sangue derramado do Touro?

 

Fé de angustiados, Dr. Moita Flores? Linda frase, para constar nos autos de fé, dos “outros que tais”, em outros tempos.

 

E agora vem o mais inconcebível: «É a minha crença profunda. E sei que o combate passa por afirmar a defesa dos símbolos, dos valores, dos ritos, das cargas simbólicas que consolidaram a nossa secular matriz identitária.»

 

Símbolos? Valores? Ritos (medievais)? Matriz identitária? Por quem é Doutor! Portugal não precisa de se identificar com a barbárie. Já lhe basta a incompetência  e a falta de Ética dos governantes.

 

E esta então é hilariante: «E esse combate feito de muitas frentes de luta, tem numa delas os ‘talibãs’ que em nome dos direitos dos animais procuram destruir os animais, a economia que os sustenta e os animais sustentam, além da cultura a eles imanentes».

 

Talibãs? Então saberei quem me chamou “talibã”, escondido sob um pseudónimo, no meu Blogue?

 

Em nome dos animais procuram destruir os animais? Iliteracia pura.

 

Já a economia que sustenta uns tantos à custa do Massacre de Touros, aí fale-me disso. A abolição desta tortura vai mexer nos bolsos de muita gente, que os tem a abarrotar com dinheiro manchado de sangue.

 

Cultura a eles imanentes? Que cultura? A Cultura da Morte?

 

DESILUDIU-ME COMPLETAMENTE, Dr. Moita Flores.

 

Sei que está-se nas tintas para a minha consideração, bem como eu estou-me nas tintas por me chamarem “talibã”. Direi como D. Manuel Martins, antigo Bispo de Setúbal, a quem um dia ouvi salientar: «se ser comunista é defender os direitos dos mais necessitados, então eu sou comunista».

 

Se ser talibã é defender os direitos de todos os animais humanos e não-humanos, então eu sou TALIBÃ.

 

Com muito gosto.

Isabel A. Ferreira

16 de Setembro de 2010

 

Web site da imagem: mgranti-touradas.blogspot.com

Web site da imagem de Moita Flores: estig.ipbeja.pt

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:04

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Anónimo a 19 de Setembro de 2010 às 16:46
Excelente texto! :)
De Isabel A. Ferreira a 20 de Setembro de 2010 às 11:13
Obrigada.
De Pedro Dias a 19 de Setembro de 2010 às 22:59
Boa noite
Parabens pelo EXCELENTE texto que escreveu... bem dito,,, claro objectivo directo...
A minha grande mágoa é viver na cidade onde esse " taliban" exerce o mandato de presidente da câmara... pobre cãmara com uim indivíduo tão atrasado e moralmente definhado...
De Isabel A. Ferreira a 20 de Setembro de 2010 às 11:16
Obrigada, Pedro Dias.
A minha decepção em relação ao Dr. Moita Flores não tem limites.
De César Cunha a 6 de Dezembro de 2010 às 14:14
Profunda desilusão, aquilo que Moita Flores me tinha dado a conhecer dele, fez com que fosse tivesse uma ideia dele como de uma pessoa digna, admiravel, credivel outre outros adjectivos honrosos. Foi um balde de água fria, para mim nada do que este senhor diga a a partir agora terá significado.
De Isabel A. Ferreira a 6 de Dezembro de 2010 às 14:20
César Cunha, já somos milhares a pensar o mesmo (basta seguir os números da petição contra as ideias de Moita Flores).
De Ana Reis a 20 de Setembro de 2010 às 20:38
Excelente texto, apoiado na íntegra. Também sou mais uma taliban nesta luta!
De Isabel A. Ferreira a 21 de Setembro de 2010 às 10:31
Obrigada, Ana Reis.
Precisamos de ter muitos "talibans" como nós para chegarmos à abolição do «Massacre de Touros», não só no nosso país, mas nos poucos (meia dúzia) onde esta prática de conteúdo primitivo ainda se realiza.
De Didi a 21 de Setembro de 2010 às 00:23
Isabel, o seu texto está maravilhoso. Claro que surgiu por um motivo mt mau, mas valeu a pena ler todas as linhas. Bem escrito, linha de raciocinio fluida e clara. Pode não tocar na mente ou alma do sr.moita flores, mas toca no coração de quem tem abertura e sentimentos.
De Isabel A. Ferreira a 21 de Setembro de 2010 às 10:27
Obrigada, Didi.
Tenho esperança de que um dia os corações de pedra dos humanos se transformem em corações verdadeiros e possam sentir o pulsar dos corações dos animais não humanos.
De Sofia a 24 de Setembro de 2010 às 11:55
Tal como você, tinha uma grande admiração pelo Sr. Moita Flores, admiração essa que se desvaneceu.

Depois de ler o texto, fiquei com vontade de o publicar no meu perfil do facebook. Posso?

Calorosos cumprimentos,
Sofia
De Isabel A. Ferreira a 24 de Setembro de 2010 às 12:09
Obrigada, Sofia, por ter passado por aqui.

Claro que pode, desde que refira a autoria do texto.

Afinal, o "humanismo" e a "sensibilidade", que o Dr. Moita Flores mostra nas suas intervenções televisivas, não passam de uma grande treta.
De Cátia Lima a 4 de Outubro de 2010 às 14:52
Gostava de ver este tipo de pessoas argumentar então porque se acabaram os espectáculos romanos em que se lançavam pessoas à arena... afinal, teremos perdido um valor incalculável em cultura mundial quando também se terminou com esse "progresso com memória"? Defenderá tb as mutilações às meninas africanas como sendo parte da cultura de um povo? É ingénuo que este senhor pense que os floreados para defender o indefensável possam iludir consciências, é ridiculo que lhe possa minimamente passar pela cabeça que a sua posição enquanto figura pública lhe dá legitimidade para ofender quem simplesmente não concorda com aquilo que ele defende.

Antes de apontar dedos dizendo que quer é contra as touradas devia estar à gritar à porta de cada aviário, devia fazer uma introspecção e pensar que se a cultura justifica isto pode justificar uma série de outras barbaridades e crimes contra animais (qualquer que seja o tipo).
De Isabel A. Ferreira a 4 de Outubro de 2010 às 17:00
Inteiramente de acordo consigo, Cátia.
Moita Flores perdeu toda a dignidade dele, ao escrever o que escreveu.
Lamentável.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

É dos piores casos de mau...

Raiva, muita raiva e repu...

Poucos saberão quem são a...

Chicken a la Carte

Ministério da Cultura (?)...

«Aquilo que uma minoria d...

«Os arrasadores de Portug...

Demolição do Padrão dos D...

«Mais Dinheiros Públicos ...

O regresso às trevas

Arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt