Segunda-feira, 8 de Março de 2010

DIA INTERNACIONAL DA MULHER – UMA VISÃO

 

 

«Pandora», por Jules Joseph Lefebvre, 1882 (colecção privada) –  Na mitologia grega Pandora foi a primeira mulher criada por Zeus como punição aos homens pela ousadia do titã Prometeu em roubar aos céus o segredo do Fogo.

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2010 

Hoje, dia 8 de Março, por quase todo o mundo se comemora o Dia Internacional da Mulher. Digo “quase” porque em muitas partes do nosso Planeta, os homens andam demasiadamente “entretidos” a guerrear outros homens e não têm tempo para se lembrarem que existem mulheres que choram os filhos mortos por causas estúpidas, por esses mesmos homens provocadas; noutros lados ainda, muitas mulheres morrem de tristeza por não terem com que alimentar os filhos que os homens avidamente as obrigam a ter; outras são mantidas como escravas ou tratadas como objectos e maltratadas por indivíduos que se julgam donos delas. E ainda outras são delapidadas, obrigadas a esconderem-se atrás de panos, viajar nas malas dos táxis, tratadas abaixo da mínima condição humana.

Que motivos há para comemorar? Comemorar o quê? O sofrimento? A discriminação? A escravatura? A emancipação apenas de algumas mulheres?

Estou a lembrar-me, por exemplo, do sofrimento daquelas mães que deram à luz uma linda criança, inocente como todas as crianças, e, pouco a pouco, vêem crescer nela um monstro, um marginal, um ser nocivo à sociedade, que todos desejam ver eliminado, tal como se elimina uma erva daninha ou um indesejável percevejo.

Estou a lembrar-me igualmente daquelas mulheres que ainda são colocadas à margem; aquelas que não caminham lado a lado com o homem, mas seguem atrás dele, submissas como carneiros, e secas (por dentro) como a areia do deserto.

E aquelas outras, autênticas escravas, cuja existência é apenas “servir” o homem ou então... lá vem castigo.

Ao logo da história da Humanidade a condição da mulher variou consoante o maior ou menor grau de civilidade ou mesmo da inteligência do homem. Em algumas culturas, as mulheres conseguiam sobrepor-se e até impor-se, ocupando o lugar que lhe era devido: nem acima, nem abaixo do homem, mas tão-somente lado a lado, em pleno pé de igualdade.

Houve épocas em que a mulher era considerada um ser inferior, sem alma, de pouca inteligência e que existia apenas para procriar e “servir” os homens. Enquanto filhas eram propriedade dos pais (homens); quando casavam passavam a ser propriedade dos maridos que exerciam (uns e outros) sobre elas o poder de vida ou de morte. Aliás ainda hoje tal infâmia acontece em alguns países onde a civilização não chegou.

E no entanto, isto também aconteceu na Grécia antiga, no tempo dos cultos e sábios filósofos, entre aqueles que inventaram a democracia, embora uma democracia assente na escravatura e na marginalidade da mulher.

Se os homens sábios assim se comportavam, como devem comportar-se os ignorantes?

Naquela época, se uma mulher se atrevia a pôr à prova a sua inteligência, logo os homens tratavam de a caluniar, pois incomodava-os o facto de terem de admitir que, afinal, a mulher também tinha massa encefálica.

Enquanto os homens assim pensavam, foram construindo o mundo à medida das suas ambições, da sua ignorância, da sua falta de visão. E quantos crimes, quantas barbaridades, quanta destruição cometeram em nome da sua “racionalidade”, de uma racionalidade que, afinal, servia para os distinguir dos outros animais. E quantos animais são mais racionais do que muitos homens!

A Humanidade foi avançando. O tempo girando. As épocas se sucedendo. Muita ignorância se acumulando, até chegarmos aos dias de hoje.

Aqui e ali as mulheres foram dando o seu grito de liberdade. É claro que algumas exageraram e não souberam tirar partido dessa liberdade, e só se afundaram na lama. E hoje, podem não ser escravas do homem, mas são escravas de si mesmas e do mau uso que fazem da racionalidade que Deus lhe deu.

Hoje confunde-se muito as coisas. A mulher só é igual ao homem (muitas delas são até superiores) na capacidade que têm de construir, lado a lado, um mundo harmonioso para viver.

Em mais nada, porém, ela é igual. E ainda bem!

Se a mulher fosse tal e qual um homem, seria um homem.

Existem homens inteligentes, outros menos inteligentes; há até aqueles que “apanham” das mulheres; há os que aceitam, compreendem e aplaudem a inteligência da companheira; e há os antiquados, os indiferentes, os invejosos.

Há ainda aqueles (talvez a maioria) que apreciam, sim senhor, a inteligência, a libertação, a igualdade de direitos da mulher... dos outros.

Não se julgue que as coisas mudaram muito desde a época dos sábios gregos. Os homens de hoje admiram muito uma mulher inteligente, emancipada, senhora do seu nariz, porém, se ela, por um acaso, o incomoda ou lhe faz sombra, com essa sua inteligência, ele usa o truque dos velhos gregos: há que difamá-la. Há que pisá-la. Há que tentar desmoralizá-la, porque não conseguem aceitar em pleno pé de igualdade, um desafio, uma crítica ou a supremacia.

E se o mundo está no caos em que hoje o vemos, devemo-lo à prepotência e à falta de inteligência dos homens que o governam. Porque no meu entender, a guerra, o banditismo, o terrorismo, a criminalidade, a desordem, os confrontos, os conflitos armados, o fanatismo (de qualquer tipo) a sede de poder e todo o género de crueldade cometida contra o próprio homem, contra o meio ambiente e contra os outros seres vivos é a maior prova da falta de inteligência, da estupidez e da irracionalidade desses homens.

Para mim, qualquer homem ou mulher que enverede ou aceite este tipo de desumanidade é um acéfalo – ou seja, um ser a quem falta o pensamento dirigente.

Embora discorde peremptoriamente do Dia Internacional da Mulher (ou de qualquer outro dia que seja, não me parece que exista o Dia Internacional do Homem), porque penso que todos os dias são dias de todas as coisas, e todos os dias devemos lembrar-nos que existimos num mundo feito de todas as coisas que se comemoram por aí (não sei para quê, talvez por uma questão mercantilista), decidi, abordar o assunto, por vários motivos: primeiro porque se foi um homem que resolveu inventar este dia, perdeu o seu tempo, e gostaria que ele soubesse, que pelo menos eu, sou contra este tipo de humilhação.

EU sou mulher, e todos os dias são meus, são dos outros, são de todas das coisas que me rodeiam. Não quero que sintam a minha existência, apenas no dia 8 de Março. Existo e vivo desde que nasci. Este dia é apenas um dia mais, entre todos os que já vivi e os que espero ainda viver.

Considero inútil, descabido, humilhante, dedicarem um dia à Mulher, para lhe oferecerem uma flor, e logo no dia seguinte, lhe espetarem um punhal.

publicado por Isabel A. Ferreira às 09:56

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29

Posts recentes

Dois anos de guerra na Uc...

«Bicadas do Meu Aparo: “P...

Na passagem do 97º aniver...

Aleixei Navalny, um símb...

Os Defensores dos Direito...

Legislativas 2024 - Movim...

Os Polícias são traidores...

João Moura condenado: jus...

24 de Janeiro de 1944: ao...

«Bicadas do meu aparo: “S...

Arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt