Sábado, 6 de Março de 2010

In Memoriam Leandro Filipe, vítima de Bullying

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2010
 
 
 
Tinha apenas 12 anos. Uma história de vida triste. Vítima de bullying, uma prática violenta, perpetrada por “valentões” que não passam de grandes cobardes.
Hoje em dia diz-se bullying. No tempo em que eu andava na escola, não se dizia nada. Não sei. Não me lembro. Mas já existia esta prática, ou algo parecido.
Lembro-me de que havia um rapaz matulão, que era o terror dos rapazes. Todos eles apanhavam e sofriam agressões violentas, em silêncio. Envergonhados. E ninguém se atrevia a fazer queixa dele ou a fazer-lhe frente.
Um dia, farto, talvez, de agredir os rapazes, virou-se para as meninas. E então as coisas pioraram. Andávamos todos aterrorizados. Quando o matulão aparecia, encolhíamo-nos todos a um canto, e ele escolhia as vítimas.
Sei que não devia contar o que ainda assim vou contar. Tratou-se de uma experiência, e talvez não sirva de exemplo, uma vez que o bullying é cometido por vários cobardes contra um inocente. Ali era um matulão contra um ou mais.
Um dia, chegou a minha vez. Tinha eu doze anos, tal como o Leandro. Como nunca suportei a violência, jurei a mim mesma, que aquele fulano em mim não punha aquelas manápulas terríveis. Deu-me então uma fúria tal que, ao primeiro ataque, engalfinhei-me com ele, e ele apanhou tantas, mas tantas, que teve de se esconder debaixo de uma mesa, à frente de uma assistência apavorada. A humilhação foi terrível para ele. No final, fiquei aterrorizada, pois pensei que depois disto não me safava.
Todos os meus amigos pensaram o mesmo.
E o que, então, aconteceu foi surpreendente: o matulão, saiu muito devagar debaixo da mesa, e humilhadíssimo, talvez por ter sido batido por uma menina, deixou o recinto de cabeça baixa, e nunca mais, nunca mais, depois disto, se meteu a valentão com mais ninguém no colégio ou fora dele. E, lentamente, foi se integrando até ser aceite como “amigo”.
Anos mais tarde, teve de ser internado no Hospital Psiquiátrico Sobral Cid, em Coimbra, por se tornar frequentemente violento. Sabendo disso, estando eu a estudar em Coimbra, fui visitá-lo. Ele ficou eternamente agradecido pela minha visita, e pela “lição que lhe dei um dia” (palavras dele). Uns tempos mais tarde, fui ao funeral deste jovem que não tece vez, na sociedade.
Cheguei à conclusão de que os valentões, no fundo, são uns grandes cobardes, ou têm problemas psicológicos, e quando alguém lhes faz frente, não passam disso mesmo, uns cobardes, e recolhem-se à sua insignificância.
Hoje em dia, as coisas estão mais sofisticadas.
Às escolas cabe dar segurança às crianças. As crianças devem ser instigadas a denunciar estas agressões, e os agressores deveriam ser expulsos do ensino e levados para um reformatório onde teriam de aprender a ser civilizados, se quisessem regressar a uma sociedade organizada.
Não se admite que se deixe chegar a violência a tais extremos, que “obrigue” um menino de 12 anos a suicidar-se. Alguém terá de se responsabilizar por esta morte precoce. Terrível. Inacreditável!
Que sociedade é esta, a nossa?
Espero que a morte do Leandro sirva para mudar alguma coisa quanto a este fenómeno deprimente, incivilizado, primitivo, bárbaro, que é o bullying, para que nenhum outro menino tenha de se atirar ao rio, para não viver em sofrimento.
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 12:34

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Dylan a 9 de Março de 2010 às 17:47
O caso de bullying ocorrido em Mirandela vem expor à saciedade a gravidade desta praga. O problema já ultrapassou os portões escolares para entranhar-se de uma forma asquerosa na vida social e no local de trabalho. Porque não estamos a falar apenas de uma obsessão pelo poder, da dominação sobre um indivíduo, mas de um agressor que ameaça tornar-se num potencial criminoso. Esta forma de intimidação pode ter tido origem dentro do ambiente familiar onde a educação infantil não foi devidamente acautelada. A escola de Mirandela foi a primeira a descartar-se, por isso, à semelhança do que aconteceu noutros países com casos semelhantes, deveria ser duramente responsabilizada, começando pelo autismo das chefias e reforçando a vigilância preventiva de todos os intervenientes do sistema educativo.
De Isabel A. Ferreira a 9 de Março de 2010 às 18:26
Obrigada pela sua visita, Dylan. Na verdade este caso de Mirandela despoletou um problema social gravíssimo. Há muito que se fala desta praga, mas não se tem feito grande coisa para a eliminar. E especialmente esta escola de Mirandela está a ultrapassar todos os limites, com o seu silêncio e a sua indiferença para com a família do Leandro. É chegado o momento de se levar a sério este problema, começando pelo começo: escavando a vida dos que praticam tal jogo cruel.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29

Posts recentes

Dois anos de guerra na Uc...

«Bicadas do Meu Aparo: “P...

Na passagem do 97º aniver...

Aleixei Navalny, um símb...

Os Defensores dos Direito...

Legislativas 2024 - Movim...

Os Polícias são traidores...

João Moura condenado: jus...

24 de Janeiro de 1944: ao...

«Bicadas do meu aparo: “S...

Arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt