Domingo, 25 de Agosto de 2013

O QUE SÃO AQUELES QUE PRATICAM, APLAUDEM E APOIAM A TAUROMAQUIA?

 
 

 

O Azevedo (que não sei quem é) enviou-me um texto muito interessante, sobre fanatismo, que se encaixa na perfeição em quem pratica, aplaude e apoia a tortura de bovinos e cavalos, para se divertir e ganhar dinheiro.

 

Eis a definição que o Azevedo enviou:

 

«Fanatismo (do francês "fanatisme") é o estado psicológico de fervor excessivo, irracional e persistente por qualquer coisa ou tema, historicamente associado a motivações de natureza religiosa ou política (aqui podemos acrescentar também de natureza maléfica.) É extremamente frequente em paranóides, cuja apaixonada adesão a uma causa pode avizinhar-se do delírio

 

Pois esta descrição do fervor excessivo, irracional e persistente, por algo como a PAIXÃO PELA TORTURA, apesar de todas as tentativas de trazer essas mentes doentias à racionalidade, através do que se escreve, com provas científicas, que destacam o sofrimento atroz dos animais utilizados na tortura, é o retrato fiel dos que “vivem” a irracionalidade da tauromaquia.

 

Diz o Azevedo que em Psicologia, os fanáticos são descritos como indivíduos

dotados das seguintes características:

 

1. Agressividade excessiva (esta é a característica principal dos aficionados, que são a própria violência personificada, necessitando de mostrar uma virilidade que não têm, torturando seres que não podem defender-se.)  

 

2. Preconceitos variados (como não conseguem livrar-se desse mal que os agride inconscientemente, formam conceitos sem qualquer fundamento razoável, acerca dessa paixão mórbida, transpondo para os anti-touradas os seus defeitos mais enraizados)

 

3. Estreiteza mental (uma outra característica dos pró-touradas, pois nada mais vêem na tortura do que “arte” e “festa”, quando na verdade a tortura é algo essencialmente desumano, cruel, reprovável e abominável, coisa de mentes doentias).

 

4. Extrema credulidade quanto a um determinado "sistema" (eles crêem fervorosamente que o Touro nasceu para ser toureado, não tendo a mínima ideia do que é um animal; crêem que se a tourada acabar, acaba-se o Touro, não sabendo que o Touro é um bovino, não castrado, que perdurará para além da extinção do homem predador; e crêem que o Touro não sofre e até gosta muito de ser torturado (algo que só pode sair de mentes já bastante danificadas).

 

5. Ódio (eles transpiram ódio por todos os poros, sendo que o principal alvo desse ódio são os Touros e os Cavalos, muito mais dignos e VIRIS do que eles todos juntos. E isso eles não perdoam). 

 

6. Sistema subjectivo de valores (ó único valor que eles prezam é o mal que espalham como um veneno contra animais indefesos e contra os anti-touradas. Nada mais.)

 

7. Intenso individualismo (eles, eles, e mais eles… ninguém mais importa.

Fazem valer à FORÇA um direito que eles PENSAM ter, escudados numa LEI BASTARDA).

 

8. Demora excessivamente prolongada em determinada situação/circunstância (estão sempre a dizer o mesmo, não dizendo nada, e são incapazes de ARGUMENTAR RACIONALMENTE, a favor daquilo que acreditam ser uma verdade: a “arte” que vêem na tauromaquia. Não conseguem, fazer uma raciocínio lógico, nem aceitam a evolução, tendo ficado parados num tempo que não existe mais).

 

Diz o Azevedo que, «de um modo geral, o fanático tem uma visão-de-mundo maniqueísta, cultivando a dicotomia bem/mal, onde o mal reside naquilo e naqueles que contrariam o seu modo de pensar, levando-o a adoptar condutas irracionais e agressivas que podem, inclusive, chegar a extremos perigosos, como o recurso à violência para impor o seu ponto de vista».

 

É exactamente isso que acontece. Os aficionados recorrem frequentemente à violência verbal e física, e à ameaça, acovardando-se, no entanto, se alguém lhes faz frente com a CORAGEM que eles não têm. Metem o rabinho entre as pernas e fogem a sete pés, tanto da presença física do outro, como na argumentação (que nunca apresentaram, ainda que desafiados a fazê-lo milhões de vezes).

 

Além de tudo isto os que praticam, aplaudem e apoiam a tauromaquia são psicopatas e sádicos, cegos mentais, e não conseguem conviver com a realidade sem TORTURA.

 

Tudo isto está provado cientificamente.

 

Só eles é que não conseguem discernir.

 

E aqui fica explicado o motivo.

 

***

Obviamente que o Azevedo, sendo um aficionado, não me enviou este texto com esta leitura.

 

Eu, delicadamente, agradeci-lhe o contributo que deu para um melhor conhecimento dos que andejam ao redor da TORTURA DE SERES INDEFESOS, e ele enviou-me este PS: «Agradeço o seu agradecimento e o reconhecimento de que prestei um bom serviço à Abolição. Mas isso só se concretizará quando você se calar por completo.»  

 

Pois é Azevedo, mas quem é você para me mandar calar?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:17

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Max Mandrax a 26 de Agosto de 2013 às 09:56
A transferência é outro fenómeno que Psicologia estuda, ó Azevedo!
De Isabel A. Ferreira a 26 de Agosto de 2013 às 10:16
Exactamente, Max Mandrax.

Mas a sabedoria do Azevedo vem-lhe da Wikipédia.
De Azevedo a 26 de Agosto de 2013 às 14:00
Olá Isabelinha!

Fica feio, muito feio mesmo, esconder os comentários que, de uma forma educada, são feitos aos textos que publica no seu blog. Mas mais feio ainda é não os publicar e sobre eles tecer comentários. É no mínimo desilegante.

Como sabe enviei-lhe por duas vezes o mesmo texto retirado "ipsis verbis" da wikipédia. Da primeira vez, como bem sabe, identifiquei a fonte o que por lapso não fiz da segunda. No entanto, e isso você também sabe, todo o desenvolvimento é da minha lavra e inteira responsabilidade. Provavelmente, sentindo-se incomodada, não publicou o meu comentário como o enviei, transcrevendo apenas, mas fora de contexto, algumas frases. Este procedimento não abona em nada a seu favor.

A minha sabedoria não se resume nem se confina à wikipédia nem sequer ao meu percurso académico mas sim, e principalmente, à soma das experiências de vida que tive a felicidade de acumular.

Você diz que não sabe quem eu sou. Pois continuará a não saber da mesma forma que eu não sei quem você é. E se estava a tentar que eu me retratasse através de um "curriculum", també se enganou! Mas posso assegurar-lhe que tem muito mais conteudo do que o seu.

Em momento algum lhe revelei qual a minha opinião sobre o assunto em apreço. No entanto você tomou a liberdade, mais uma vez de forma leviana, concluir que eu sou um aficionado. Enganou-se novamente!
Garanto-lhe que tenho (tinha?) muito apreço por esta causa abolacionista. Mas a defesa desta causa tem de ser feita com base em argumentação sólida e válida e não da forma como o faz, sem nenhum argumento, utilizando apenas a agressão e ofensas verbais sobre aqueles que não pansam como você.

Sobre os Açorianos e, em particular, sobre os Terceirenses, você demonstra uma ignorância primária. Mas, apesar disso, não se inibiu de os agredir e ofender de uma forma bárbara e inqualificável.
Não é aceitável que alguém civilizado se sinta no direito de ofender gente de bem, honesta e trabalhadora, só porque não pensa da mesma forma. Esse procedimento tem resquícios inquisitórios ou, para não recuarmos tanto, nazis, onde prevalecia o "arianismo".

Minha cara Isabel: garanto-lhe que não a ocuparei mais, quer publique ou não este meu comentário.
Também sei que nada nem ninguém mudará a sua obstinação. Só você, se quizer parar para reflectir, pode mudar o rumo da sua conduta. Se o fizer, pode crer, estará a dar um excelente contributo à causa da abolição. Caso contrário só fará aumentar a legião dos que, com o mesmo direito, alimentam a aficion pelos touros.

De Isabel A. Ferreira a 26 de Agosto de 2013 às 14:38
Balelas, Azevedo! Só Balelas!

Mas comigo não pega.

Quem da Ilha Terceira me escreve não é educado (nem de perto, nem de longe), diz não ser aficionado num comentário, e no seguinte já é. A isto chama-se MENTIROSOS.

Diz também ter ESTUDOS ELEVADÍSSIMOS, mas aplaude a TORTURA (o que não combina com CULTURA) e além disso, deixam-se escorregar por uma esteira lamacenta que diz tudo da pessoa que está por detrás de nomes, que por vezes são falsos.

As pessoas CULTAS deviam dar o exemplo e serem as primeiras a criticar o que dá mau nome à Ilha. Mas são as piores. A começar pelos senhores doutores autarcas, a vergonha maior terceirense.

Querem passar por quem não são?

Isso não me diz respeito.

Que a tourada à corda, na Ilha Terceira, é um costume grosseiro, é verdade. Quem pratica, aplaude e apoia tal grosseria, é grosseiro também, é verdade…, Quanto ao resto… que importa o resto?...
A Ilha é famosa pela sua INCULTURA.

Se querem ser conhecidos pela cultura culta, terão de abdicar do lixo tauromáquico que SUJA a Ilha.

E já agora, se tem um currículo muito superior ao meu (?), aconselho-o a melhorar o seu Português… Comete muitos erros ortográficos (não são gralhas).

E para finalizar: não lhe dei confiança para me chamar de Isabelinha.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Até breve!

O esperado aconteceu: PS,...

Ainda sobre o crime urban...

«A Indústria Tauromáquica...

Os trogloditas do costume...

Os trogloditas do costume...

Debate na TVI sobre proib...

Morreu Ennio Morricone, c...

Fim de subsídios público...

Depois da saída do PAN, p...

Arquivos

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt