Segunda-feira, 8 de Julho de 2013

A “Querida Júlia” perdeu o norte e o prestígio: em vez de evoluir regressou à Idade Média

 

Ó Senhora Doutora, o que foi fazer...

 

A SIC apimbalhou-se, e a Júlia Pinheiro não sabe o que é “tradição”, nem “património nacional”, nem “nobreza” nem “coragem»

 

Os forcados são os maiores cobardes da tourada, não pertencem a qualquer “tradição portuguesa”, nem têm honra, nem o mínimo brio viril…

 

Júlia Pinheiro, escusava de sujar o seu nome por tão pouco…

Isabel A. Ferreira

 

 

Legenda da imagem: «Ó o que eu fui dizer! Não estava em mim, com certeza!»

 

 

Por Prótouro

 

«Ai Júlia Quem a Viu e Quem a Vê

 

Júlia Pinheiro, directora de produção da SIC, afirmou ao Jornal de Notícias, a propósito do programa “Olé” e passamos a citar:

 

Este é um programa em que pretendemos homenagear uma tradição que é absolutamente única no mundo: os forcados. As pegas de caras são um património nacional importante. São de uma nobreza e de uma coragem extremas e representam a coragem no seu estado mais puro”.

 

Oh Julinha, o Sati (cerimonial da queima de uma viúva hindu (viva) junto ao corpo de seu falecido marido), também era uma tradição absolutamente única no mundo, será que a devemos homenagear?

 

Júlia, desde quando é que as pegas de caras são um património nacional? Já agora, só as de caras? Então e as de cernelha, de costas e de cadeira?

 

 Se a senhora não sabe, deveria saber que património nacional é tudo o que se relacione com arte e cultura, não com barbaridade e tortura. Nobreza! Coragem! Uns quantos energúmenos pegarem um touro exausto, sangrando abundantemente depois de ter sido enfraquecido por farpas e bandarilhas é nobre e corajoso?

 

Não, “querida”, ao que você chama nobreza e coragem, nós chamamos baixeza e cobardia.

 

Não se esqueça rica, que ao contrário das “celebridades” a quem a SIC paga para figurarem no programa, os animais, além de não serem pagos não pediram para estar nesse mesmo programa. O passar dos anos não lhe ensinou nada nem lhe deu mais sapiência, mas nós até entendemos porquê, porque o dinheiro e as supostas audiências falam mais alto. Na verdade, quando o dinheiro fala mais alto, muitas pessoas perdem a capacidade de discernir entre o que é moral e imoral.

 

Júlia, você até poderia ter sido uma brilhante jornalista, ao invés de ter escolhido o pior caminho, ou seja apresentar programas que mostram a podridão humana de certos seres que não hesitam em se ridicularizarem a si próprios por dinheiro.

 

Se esses seres, querem mostrar a sua podridão como uma forma de ganharem dinheiro, é um direito que lhes assiste. Se a SIC se aproveita disso, também é um direito que lhe assiste, mas daí a usarem e brutalizarem animais com o único objectivo de aumentar audiências, aí alto e pára o baile.

 

O programa e as suas declarações Julinha são a prova de que a SIC bateu no fundo.

 

Prótouro

 

Pelos touros em liberdade»

 

Fonte: http://protouro.wordpress.com/2013/07/08/ai-julia-quem-a-viu-e-quem-a-ve/

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De PAtricia a 8 de Julho de 2013 às 19:09
subescrevo cada palavra
De Ana a 8 de Julho de 2013 às 20:37
Complrtamente de acordo!!!
De Nuno Beja a 9 de Julho de 2013 às 01:29
Não poderia estar mais de acordo!
Parabéns!
De Isabel A. Ferreira a 9 de Julho de 2013 às 09:37
Obrigada, Nuno Beja.
De Amélia Afonso a 9 de Julho de 2013 às 02:01
Concordo na integra com o que foi escrito!!!
De Romeu a 9 de Julho de 2013 às 04:52
Há tanto espaço para touro de lide livre como há para linces... 2-3 casais, com alguma sorte, em Portugal, para viver em reservas.
Do ponto de vista económico, sai mais barato produzir outras raças taurinas. Portanto, vejam só a contradição. Ser contra a tourada é defender a extinção dos animais.
De Isabel A. Ferreira a 9 de Julho de 2013 às 09:11
É por causa de gente ignorante que pensa como um romeu, que Portugal não sai da cauda da Europa.

Depois ofendem-se se chamo os bois pelo nome.

VÁ ESTUDAR ROMEU!

Não venha para aqui dizer disparates.

De ze a 10 de Julho de 2013 às 22:40
Os japoneses "massacram" baleias e golfinhos
Concluo pelo seu raciocínio que é por isso que estão na cauda da Asia?
De Isabel A. Ferreira a 11 de Julho de 2013 às 10:41
Não justifique uma estupidez com outra estupidez.
De ze a 24 de Julho de 2013 às 14:59
eu não justifiquei nada, apenas observei que os maus tratos a animais nao estao assim tao relacionados com o desenvolvimento economico, algo que voce afirmou e isso sim é uma estupidez
De Isabel A. Ferreira a 24 de Julho de 2013 às 18:22
Eu também não relacionei nada com "desenvolvimento económico". Nada.

Quem falou no massacre das baleias foi o Zé. E o massacre das baleias é tão estúpido quanto a tortura de bovinos e cavalos.

E quando aludi à cauda da Europa, era em relação à ignorância e à mentalidadezinha do portuguesinho.

Não tem nada a ver com desenvolvimento económico. Mas já que falou nisso... também serve para nos classificar mal. Muito mal.
De ze a 2 de Agosto de 2013 às 15:51
Mas o facto de você não concordar com as praticas de alguns povos, isso faz deles ignorantes?
De Isabel A. Ferreira a 2 de Agosto de 2013 às 17:50
O facto de EU E O MUNDO CIVILIZADO TODO não ACEITARMOS (não é concordar) as PRÁTICAS IGNORANTES, PRIMITIVAS, GROSSEIRAS, CRUÉIS, PARVAS, IMBECIS E TUDO O RESTO, FAZ DO POVO QUE AS PRATICA UM POVO IGNORANTE, SIM.

É BASTANTE ÓBVIO.
De Ana a 9 de Julho de 2013 às 12:49
Parabéns. Adorei o seu comentário. Eu amo os animais. Disse as verdades a essa senhora Julia que não tem coração.
De Pedro M. Mendes de Sousa a 9 de Julho de 2013 às 13:30
Continuo a aguardar, imagino que, por questões de agenda, não foi ainda possível a publicação do meu primeiro comentário. Sendo que este é o terceiro. Cumprimentos
De Isabel A. Ferreira a 9 de Julho de 2013 às 13:50
Tenho aqui muitos comentários ainda por ler.

Com o nome Pedro M. Mendes de Sousa ainda não li nenhum.

Pode ser que esteja nos ainda "não lidos".

Aguarde, por favor.

De Celia a 9 de Julho de 2013 às 15:28
Aos poucos a sociedade acorda, há que ter paciência. A humanidade toca a todos, mais cedo ou mais tarde. Mas parte muito da educação. Da minha parte vivo com as minhas irmãs de 13 e 7 anos e nem cheguei a explicar-lhes que a tourada é feia. Nem sei como ouviram falar disso, o certo é que a pequenina me veio perguntar um dia desses se gosto de tourada e pareceu bastante aliviada quando disse que considero um erro civilizacional indesculpável para a sociedade ocidental onde estamos inseridos.
De Isabel A. Ferreira a 9 de Julho de 2013 às 15:38
As crianças, Célia, têm um sentido apurado do que é certo e do que é errado, muito mais do que os adultos, que só sabem dar maus exemplos.

Ainda bem que não foi preciso explicar à sua pequenina irmã o que é a TORTURA.

Seria difícil.
De Vânia a 9 de Julho de 2013 às 21:51
Seria mesmo difícil. Quando era criança, pensava que os touros não eram espetados, na minha mente de criança aquilo era tão mau, tão mau que eu não imaginava que fosse a sério. Pensava que o sangue era falso, como nas novelas.
Quanto à "querida"Júlia, perdeu todo o mérito ao defender o que não pode ser defendido. Uma pessoa com o seu estatuto, não poderia ter dito o que disse.
De Isabel A. Ferreira a 10 de Julho de 2013 às 10:20
Verdade, Vânia.

A Júlia perdeu a dignidade.
De JCarvalho a 9 de Julho de 2013 às 21:02
Ou isto é a gozar ou o autor é muito ignorante... os forcados são os ÚNICOS com "coragem" e que não aleijam o animal... não está a confundir com os toureiros pois não?

Eu sou completamente contra touradas mas esta é inofensiva para o bicho...
De Isabel A. Ferreira a 11 de Julho de 2013 às 10:59
Os forcados são os MAIORES COVARDES: andam a massacrar um TOURO MORIBUNDO.

Quando o JCarvalho estiver para morrer, diga-me. Arranjo-lhe uns forcados para irem "brincar" consigo.
De Helder Pacheco a 9 de Julho de 2013 às 23:52
Eu vou mais longe! Acho que não é por acaso que esse triste e cruel espectáculo que é a tourada só existe em países (altamente desenvolvidos do ponto de vista económico e social...) como Portugal, Espanha e (alguns) países da América Latina. Porque será? Alguém é capaz de me explicar?
De Isabel A. Ferreira a 10 de Julho de 2013 às 09:55
Sim, por que será?

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
21
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«Outono Marcelista»

«Maioria dos portugueses,...

Tourada à corda de São Ma...

«Entre o “respeito” e o “...

Dr. Basílio Horta, usar e...

«Bicadas do meu Aparo: “A...

Carta da cidadã Olímpia T...

Os Portugueses celebram a...

«Carta ao (ainda) Preside...

«A História feita crime»

Arquivos

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt