Sexta-feira, 8 de Janeiro de 2010

CASAMENTO HOMOSSEXUAL – O FUTURO COMEÇA HOJE EM PORTUGAL

 

 

 

(Imagem retirada da Internet)

 

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2010
 
 
(Foi hoje aprovada, na Assembleia da República Portuguesa, a lei que permite o casamento no Civil entre homossexuais. Eis uma antevisão de um futuro, que pode muito bem estar mais próximo do que pensamos)
 
 
Rui e Carlos conheceram-se numa determinada noite, no “Gaybar”, um dos mais badalados da cidade. E o amor aconteceu logo ao primeiro olhar.
 
Nessa noite, passearam, felizes, com a cumplicidade de uma Lua cheia de luz, pela cidade adormecida.
 
A paixão foi de tal modo arrebatadora que decidiram juntar os trapinhos, porém, decentemente, para não ficarem “falados” na sociedade.
 
Procuraram o Padre Arnaldo, muito modernaço, que sim senhor, casá-los-ia, na Igreja de Santo António, como se sabe, um santo casamenteiro.
 
No dia aprazado, à Igreja, toda enfeitada de açucenas brancas, foram chegando os convidados de um e de outro.
 
Um pouco mais cedo, como convém, chegou o Rui, no seu smoking preto e flor branca na lapela. Bem penteado. Sapatos de biqueira fina, enfim, um noivo para não se lhe pôr qualquer defeito.
 
Muito atrasado, como é da praxe, e pelo braço da madrinha Arminda, veio o Carlos, vestido de branco, dos pés ao pescoço, num smoking igualmente muito elegante, e como complemento, trazia um ramo de orquídeas brancas.
 
Chegados ao altar, ao som da Marcha Nupcial, interpretada por um exímio organista, a madrinha Arminda entrega o noivo ao noivo, fazendo votos para que fossem felizes até à eternidade.
 
O Padre Arnaldo começou a cerimónia com um curto intróito, fazendo alusão às palavras bíblicas: O homem deixará o pai e a mãe, para se unir ao seu homem, e os dois serão uma só carne.
 
Seguiu-se a pergunta habitual: É de livre vontade… E os sins foram proferidos sem hesitação. Rui e Carlos trocaram as alianças, deram-se o beijo da consumação do acto, e a terminar a cerimónia, o Padre Arnaldo abençoou-os como é igualmente vulgar: Que Deus vos abençoe e vos conceda os filhos desejados.
 
 Seguiram-se os cumprimentos, as fotos, o banquete, o arremesso do ramo do noivo (quem o apanhou foi o Luís), o baile, e lá mais para o início da madrugada, a lua-de-mel.
 
Passou-se um ano, passaram-se dois, e algo ensombrava o feliz casamento de Rui e Carlos: o facto de não terem filhos. Foi então que o Carlos, que era Carlos apenas por fora, mas por dentro era Carla, através da inseminação artificial ficou grávido.
 
Passados nove meses nasce uma linda e meiga menina: a Amélinha, que foi criada com todo o carinho, com todo o amor, com todos os cuidados.
 
Na altura própria ensinaram-na a falar. E ela chamava papá ao Rui e mamã ao Carlos. Na verdade, eram uma família muito, muito unida e feliz.
 
Chegado o tempo da escola, Amélinha, lá foi, pela mão da mãe Carlos.
Nesse dia, conheceu os seus novos amiguinhos e amiguinhas, e naquelas conversas de meninos e meninas, perguntaram-se uns aos outros: Como se chama a tua mãe? Como se chama o teu pai? Todos responderam naturalmente: A minha mãe chama-se António e o meu pai Luís; o meu pai chama-se Maria e a minha mãe Ana; a minha mãe é o João e o meu pai o José; o meu pai é a Luísa e a minha mãe a Paula; o meu pai é Joaquina
 
Todos responderam com normalidade excepto a Susaninha.
E a Amélinha, menina muito meiga, abeirou-se da Susaninha, e perguntou-lhe: E a tua mamã e o teu papá como se chamam?
E a Susaninha disse, muito baixinho, muito envergonhadinha: A minha mãe chama-se Alice, e o meu pai chama-se Fernando.
 
Uma mulher e um homem? Que esquisito! Comentaram os outros meninos.
Sim, muito, muito esquisito para todos, excepto para a Amélinha, que aprendera com a mãe Carlos, que o mais importante é o amor. E disse à Susaninha: Não fiques triste! A tua mãe Alice não te ama? O teu pai Fernando não te ama? Susaninha disse que sim. Então? O mais importante é o amor, arrematou a Amélinha.
 
Nesse dia, as mães dos meninos foram buscá-los à escola.
Amélinha correu, feliz, para os braços de Carlos, sua mãe.
 
Susaninha correu para a mãe Alice, chorando, muito infeliz.
A mãe perguntou-lhe: O que aconteceu, minha filha? Alguém te tratou mal? E a Susaninha, soluçante, contou à mãe que só ela é que era filha de um homem e de uma mulher, todos os outros meninos, eram filhos ou só de homens ou só de mulheres. A mãe Alice, disse-lhe apenas: Não fiques triste, eu amo-te, o teu pai ama-te, e o mais importante é o amor.
 
As meninas ficaram amigas. Cresceram e transformaram-se numas belas jovens.
 
Amélinha apaixonou-se perdidamente por Susaninha, mas Susaninha amava o António (filho da Maria e da Ana), que por sua vez amava o Julião, (filho de João e de José).
 
A vida separou Amélinha e Susaninha, que seguiram caminhos diferentes. Profissões diferentes. Cidades diferentes.
 
Nunca mais se viram. Nunca se casaram.
Amélinha sempre fiel ao amor por Susaninha.
Susaninha sempre fiel ao amor por António.
Porém, António casou-se com Julião, e foram muito felizes, apesar de Julião nunca ter podido engravidar.
Coisas que acontecem...!
publicado por Isabel A. Ferreira às 15:06

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Março 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

É dos piores casos de mau...

Raiva, muita raiva e repu...

Poucos saberão quem são a...

Chicken a la Carte

Ministério da Cultura (?)...

«Aquilo que uma minoria d...

«Os arrasadores de Portug...

Demolição do Padrão dos D...

«Mais Dinheiros Públicos ...

O regresso às trevas

Arquivos

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt