Segunda-feira, 24 de Agosto de 2009

Cultura e Civilização

  

D7CAF[1].jpg 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
A missão de quem escreve não será apenas a de informar a opinião pública do que se vai passando ao seu redor, mas também a de opinar ou a de transmitir conhecimentos adquiridos através da sua própria vivência, os quais possam esclarecer ou mesmo dar uma outra visão de coisas que, por vezes, passam despercebidas à maioria das pessoas.
 
Ouvimos dizer por aí que este ou aquele povo tem uma Cultura elevada ou uma Civilização notável. Contudo, saberemos nós verdadeiramente o que é Cultura ou Civilização? Serão conceitos semelhantes ou haverá alguma diferença entre ambos?
 
É esta a reflexão que proponho.
 
Quando frequentava o curso de História, na Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, uma das disciplinas que me ajudou a compreender melhor a Humanidade foi a de Cultura Medieval, ministrada pelo ilustre Professor, já jubilado, Dr. José Maria da Cruz Pontes.
 
Entre a filosofia medieval, nomeadamente a dos grandes Doutores da Igreja e o legado da Cultura Greco-romana transmitida aos bárbaros e transformada pelo Cristianismo (visão da Idade Média sob o ponto de vista cultural), o Prof. Dr. J. M. Cruz Pontes ensinou-nos a distinguir CULTURA de CIVILIZAÇÃO, dois conceitos inerentes ao Homem, os quais podem transformar o mundo num paraíso ou num caos, conforme o maior ou menor grau de inteligência desse mesmo Homem, isto é, da sua capacidade de se adaptar, consciente e racionalmente, às situações criadas pelo desenrolar da própria vida.
 
Uma das definições mais comuns é a de que Cultura é tudo o que resta quando se esqueceu o que foi aprendido.
 
Segundo o vulgar dicionário da Língua Portuguesa, Cultura é a totalidade das manifestações espirituais que constituem a herança social de um povo e determinam a sua persistência histórica.
 
Na Universidade, aprendi com o Professor Cruz Pontes que Cultura é o resultado da acção positiva do Homem sobre a Natureza; é igualmente a actividade preparatória que conduz o espírito do Homem a produzir frutos; é a realização de valores espirituais; é o conjunto orgânico dos valores expressos pela actividade intelectual do Homem, na sua faceta construtiva.
 
Cultura é posse espiritual; é conquista interior; é a grandeza moral do Homem irradiada no seu agir construtivo; é a capacidade de escolher entre o saber e a erudição, e ser capaz de utilizar positivamente esse saber.
 
A Cultura produz valores; é o conhecimento elaborado; é a assimilação do saber pela inteligência. Como formação, Cultura é a agilidade do espírito; é capacidade de síntese, de apreciar, de criticar e seleccionar os valores que nos são apresentados.
 
Cultura é, em suma, a atitude positiva do Homem em relação ao Mundo.
 
***
 
Quanto à Civilização, como poderemos defini-la?
 
Civilização pode ser definida como a perfeição do estado social ou o progresso nas Artes, nas Ciências, nos Saberes, nos Costumes e noutras manifestações culturais e espirituais de um povo.
 
A Civilização é produzida pela Cultura; é o património de bens materiais que determinam as características do bem-estar colectivo; é bem material; é o avanço no progresso criativo de conquistas exteriores: progresso social, económico, político.
 
Civilização é o avanço bem-intencionado do Homem no mundo, desfrutando os valores adquiridos pela Cultura; é o produto da sua acção positiva.
 
No seu fazer-se e como resultado da acção criativa do Homem, Civilização é uma parte da Cultura; é a potência da grandeza moral do Homem; é, enfim, a fase final do ciclo cultural.
 
***
 Posto isto, se analisarmos o que se passa no nosso país, e o compararmos com o que atrás ficou escrito, verificamos que, relativamente à Cultura, os Portugueses andam dela muito distanciados: uns, porque se limitam a aceitar indiferentemente, sem o menor sentido crítico, aquilo que lhes é impingido; outros, porque a Cultura não lhes diz nada; outros ainda, enchem a boca com a palavra Cultura, mas não fazem a mínima ideia do seu significado, e então contentam-se com a mediocridade, promovem e cultuam a mediocridade.
 
Naturalmente existem excepções honrosas, em posições-chave para poderem alterar o statu quo. Porém, é muito mais cómodo acomodarem-se.
 
No que diz respeito à Civilização, estamos muito por baixo, pois se considerarmos um dos seus aspectos, por exemplo, a potência da grandeza moral do Homem, verificamos que a única grandeza do nosso país está no imenso Oceano Atlântico que afaga as praias de Portugal.
 
O homem, porém, não nasce sabendo, daí existirem instrumentos próprios que lhe proporcionam toda a espécie de ensinamentos, os quais, em princípio, deveriam servir-lhe para alguma coisa útil. No entanto, não servem, e a apatia cultural e civilizacional instalou-se entre o nosso povo, e pelo que se vê, não há grandes perspectivas de melhoras.
 
Teremos nós, no nosso país, uma Cultura e uma Civilização apuradas?
 
Será que a atitude dos Portugueses em relação ao rumo que o país leva é positiva?
 
Terá o nosso país um património de bens materiais que determinam as características do bem-estar colectivo?
 
Não me apetece, neste momento, responder a estas perguntas.
 
Apetece-me apenas dizer: desventurados os ignorantes que, por falta de motivação superior, não se apercebem do Bom e do Belo, que nunca chegarão a usufruir, simplesmente por desconhecerem a sua existência!
 
Todavia, nos tempos que passam, só é ignorante quem quer...


Isabel A. Ferreira
  
publicado por Isabel A. Ferreira às 15:49

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Sofia a 16 de Novembro de 2015 às 00:17
Que lufada de ar fresco ler algo tão claro numa altura tão sombria :)
Obrigada.
De Isabel A. Ferreira a 16 de Novembro de 2015 às 09:54
O pior é que a Humanidade já conheceu um grau mais elevado de Cultura e Civilização e está a regredir consideravelmente. Perigosamente. Irracionalmente.

Se assim continuar, regressaremos ao tempo das cavernas, completamente despidos da humanidade que já fomos.

E só pergunto: porquê? O que é que está a falhar na aldeia global em que hoje vivemos?

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

«Uma vergonha nacional»

«Práticas para quem está ...

Carta do todo-poderoso Co...

«A guerra ibero-holandesa...

Em “despacho relâmpago” à...

«Mesmo em Isolamento Cont...

Uma questão de Português:...

«Coronavírus: o cisne ne...

«Estatutos do Homem», de ...

PAN quer resposta urgente...

Arquivos

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt