Terça-feira, 26 de Setembro de 2023

Transladação de Eça de Queiroz para o Panteão Nacional ou a vingança dos que exercem a «Política de Interesse» tão sabiamente descrita pelo escritor...

 

Esta ideia peregrina da transladação foi aprovada por unanimidade em plenário da Assembleia da República, em 15 de Janeiro de 2021. A iniciativa foi da Fundação Eça de Queiroz, presidida por Afonso Reis Cabral, trineto (e não bisneto do autor, como vem referido no jornal Expresso) e impulsionada pelo grupo parlamentar do PS.

 

É vergonhoso o que está a passar-se. Dá-me a sensação de que será uma vingança pelas críticas ferozes que Eça fazia aos que queriam, podiam e mandavam, no seu tempo, e em tempos mais antigos, ou melhor, desde sempre, porque o Poder sempre foi pernicioso. E perniciosa foi a ideia do grupo parlamentar do PS, aceder a Afonso Reis Cabral.

 

Alio-me aos seis bisnetos de Eça de Queiroz, que se opuseram à transladação do corpo do escritor para o Panteão Nacional, prevista para amanhã, mas adiada, devido ao tribunal, em cima da hora, não ter considerado a Providência Cautelar interposta por esses bisnetos, e não haver tempo para preparar as cerimónias.



Mas as coisa pode não ficar por aqui.
O povo de Baião também tem algo a dizer. Eça de Queiroz não pertence aos políticos, nem à política. Pertence à Nação. E a Nação somos todos nós.

Eça de Queiroz repousa no lugar da sua eleição.

 

A maior homenagem que os actuais políticos portugueses podem fazer a Eça de Queiroz é deixá-lo no lugar onde pertence, e PROIBIR que a sua obra seja conspurcada e reescrita na mixórdia ortográfica em que se transformou a Língua Portuguesa, da qual ele é um dos seus maiores estilistas. E já andam por aí umas publicações acordizadas da sua obra, que espero sejam atiradas ao lixo. Acordizar Eça é um crime de lesa-literatura, um insulto à sua memória, e retirá-lo da SUA Tormes é desenraizá-lo, literariamente falando. Ah! E começarem a escrever o seu nome correCtamente: Eça de Queiroz, e não, de Queirós, como ignorantemente se vê por aí.


E isto, sim, seria a maior homenagem que os actuais políticos poderiam prestar ao autor de “A Cidade e as Serras”.

O texto que se segue, atribuído a Eça de Queiroz, data de 1867, e o que mais sobressai deste texto é que ele poderia ter sido escrito hoje, dia 26 de Setembro de 2023.

 

«Política de Interesse»

 

Em Portugal não há ciência de governar nem há ciência de organizar oposição. Falta igualmente a aptidão, e o engenho, e o bom senso, e a moralidade, nestes dois factos que constituem o movimento político das nações.


A ciência de governar é neste país uma habilidade, uma rotina de acaso, diversamente influenciada pela paixão, pela inveja, pela intriga, pela vaidade, pela frivolidade e pelo interesse.


A política é uma arma, em todos os pontos revolta pelas vontades contraditórias; ali dominam as más paixões; ali luta-se pela avidez do ganho ou pelo gozo da vaidade; ali há a postergação dos princípios e o desprezo dos sentimentos; ali há a abdicação de tudo o que o homem tem na alma de nobre, de generoso, de grande, de racional e de justo; em volta daquela arena enxameiam os aventureiros inteligentes, os grandes vaidosos, os especuladores ásperos; há a tristeza e a miséria; dentro há a corrupção, o patrono, o privilégio. A refrega é dura; combate-se, atraiçoa-se, brada-se, foge-se, destrói-se, corrompe-se. Todos os desperdícios, todas as violências, todas as indignidades se entrechocam ali com dor e com raiva.


À escalada sobem todos os homens inteligentes, nervosos, ambiciosos (...) todos querem penetrar na arena, ambiciosos dos espectáculos cortesãos, ávidos de consideração e de dinheiro, insaciáveis dos gozos da vaidade.

Eça de Queiroz, in 'Distrito de Évora (1867)»

Fonte: https://www.citador.pt/textos/politica-de-interesse-eca-de-queiros

 

EÇA.jpeg

Eça de Queiroz.png

Esta é uma das imagens que as pessoas vêem, logo que ultrapassam a porta de entrada da minha casa. Esta é a minha homenagem ao escritor que nunca se curvou à mediocridade dos políticos. E essa foi uma das grandes lições que aprendi com Eça de Queiroz...

Isabel A. Ferreira

Susana Leite.png

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:53

link do post | Comentar | Ver comentários (13) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 24 de Setembro de 2023

Ciber-Acção | Tauromaquia: Denúncia/Pedidos de Cancelamento, Fiscalização e Investigação

 

 Evento de Marinhenses Anti-touradas

 

Ciber-acção.PNG

 

 

Viva!

 

A tauromaquia não pode continuar a estar acima da Lei. Mesmo que se vá considerando que a realização de touradas é legítima, as normas pelas quais esta se rege não podem continuar a ser violadas.

 

No dia em que a fiscalização passar a ser rigorosa, muitas das touradas que forem sendo anunciadas serão seguramente CANCELADAS.

 

Nesse sentido, a sua colaboração pode fazer a diferença. É simples: basta enviar, de uma só vez, a mensagem abaixo do tracejado sugerida para os endereços de e-mail indicados.

 

Com o envio da mensagem, demonstramos que embora sendo expressamente proibida a permanência dos touros nos veículos de transporte enquanto aguardam pelo momento da entrada na arena, isso tem vindo a acontecer nalgumas touradas em praças ambulantes. Alertamos também para uma situação de um touro que foi toureado duas vezes, numa praça fixa (na Nazaré), uma das quais à "porta fechada", na esperança de que o sucedido seja devidamente investigado, pois existe até a possibilidade de o Animal ter sido intencionalmente morto na arena. Aproveitamos ainda para expressar a nossa indignação por se estar a permitir que uma criança que acabou de fazer 15 anos ande a actuar em touradas. E, por fim, pedimos à RTP, à SIC e à TVI que considerem fazer uma investigação jornalística alargada sobre tauromaquia, incluindo sobre o lado menos visível da actividade e as sucessivas violações da lei.  

 

Podemos contar com a sua importante colaboração? Siga! Muito obrigado. 

 

------------------------------------------------------------------

 

Assunto sugerido (pode alterar, se assim o entender): 

Tauromaquia: Denúncia/Pedidos 

 

Para: 

 

igacespetaculos@igac.pt

igacgeral@igac.pt

gabinete.ministro@mc.gov.pt;

gabinete.sec@mc.gov.pt

dirgeral@dgav.pt

gabinete.ministro@ma.gov.ptgabinete.sec@ma.gov.ptomv@omv.pt

geral@portel.pt

geral@mail.cm-portel.pt

apoio.presidencia@cnpdpcj.pt

secretaria.geral@sg.mtsss.pt

ohchr-crc@un.org

ohchr-civilsociety@un.org

ohchr-InfoDesk@un.org

atendimento@sic.pt

agenda@tvi.pt

rtp@rtp.pt;  sepna@gnr.ptdefesanimal@psp.pt

Cc:

marinhenses.antitouradas@gmail.com

 

[Nota: Os dois últimos endereços que estão em "para" são importantes, mas opcionais (são os do SEPNA - Serviço de Protecção da Natureza e do Ambiente da GNR, e do Programa de Defesa Animal da PSP), pelo que pode eliminá-los se assim preferir. Os restantes endereços são das seguintes entidades: IGAC, Ministério da Cultura, DGAV, Ministério da Agricultura e Alimentação, Ordem dos Médicos Veterinários, Câmara Municipal de Portel, Assembleia Municipal de Portel, Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Protecção das Criança e Jovens, Ministério do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Comité dos Direitos da Criança da ONU, RTP, SIC e TVI.]

 

 

 

Mensagem sugerida:

 

Exmas./os. Sras./Srs.,

 

Venho, por este meio, denunciar vários factos e fazer alguns pedidos. 


  1. RECORRENTE PERMANÊNCIA DOS BOVINOS NOS VEÍCULOS DE TRANSPORTE E INCUMPRIMENTOS ASSOCIADOS, COM INDICAÇÃO DE OCORRÊNCIAS QUE REVELAM TAMBÉM A FALTA DE CONDIÇÕES DE BEM-ESTAR E SEGURANÇA PARA NÃO-HUMANOS E HUMANOS NAS TOURADAS NAS PRAÇAS AMBULANTES

 

Espectáculo: Corrida de touros  

Tipo de recinto: Praça de touros ambulante

Promotor: António Vasco, Unipessoal Lda., NIF 517035154

Apoios: Município de Portel e Junta de Freguesia Monte do Trigo

Cartaz: https://www.facebook.com/photo.php?fbid=258890236938930&set=pb.100084538670820.-2207520000&type=3

 

Local/data/hora: Monte Trigo, Portel, Portugal, 1/09/2023, cerca das 23:00 (tourada que teve início às 22:00)

 

No dia 1/09/2023, um touro fugiu, no decorrer de uma tourada numa praça ambulante, quando era descarregado de uma viatura de transporte para ser lidado de imediato. Num comunicado emitido pela entidade promotora dessa tourada pode ler-se o seguinte: “O terceiro toiro ao sair do camião para entrar em Praça saltou, caindo em cima da rampa e das grades que fazem proteção dos curros, estas não aguentaram a força do animal e partiram possibilitando a fuga do mesmo” (https://www.facebook.com/permalink.php?story_fbid=pfbid035zQ8xrAXmnZxtggxjwnmF3mWSQUa632PCnzZKQEk8ESb8yzqZ5F1VuPJqusTgQYml&id=100084538670820). 

 


O comunicado da empresa promotora da "corrida de toiros", juntamente com uma notícia publicada no O Digital (https://odigital.sapo.pt/touro-bravo-foge-de-corrida-de-touros-e-provoca-o-panico-em-monte-do-trigo-c-video/) e vários vídeos muito esclarecedores (e.g., https://www.facebook.com/antitouradas/videos/portugal-mais-um-touro-que-fugiu-de-uma-tourada/211735571632787/, cuja visualização é importante) não deixam margem para dúvidas: os touros que foram toureados na tourada em causa aguardaram no veículo de transporte pela sua vez de entrarem na arena. 

 


Tendo em conta que ainda se continuam a realizar touradas em Portugal, invocando-se como motivo legítimo nomeadamente o Regulamento do Espectáculo Tauromáquico, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 89/2014, de 11 de Junho, então o mínimo exigível é que este se cumpra. Porém, ao que tudo indica, o número 3 do artigo 31.º do referido regulamento (“Nas praças fixas e ambulantes, as reses são descarregadas para os curros (...)”), bem como o artigo 43.º (“1 - No final do sorteio, as reses são isoladas em curros fixos ou móveis (...) 2 - É expressamente proibida a permanência das reses nos veículos de transporte) têm vindo a ser recorrentemente violados, no que respeita às touradas que decorrem nas praças de touros ambulantes, levando até a outros incumprimentos conexos e a que surjam questões como, por exemplo, se os médicos veterinários estarão ou não a desempenhar as funções que são da sua responsabilidade. 

 

Quanto à recorrência referida, atente-se, por exemplo, no que se passou no âmbito de uma outra tourada, promovida pela mesma entidade (António Vasco, Unipessoal Lda.), que teve lugar, o ano passado, em Loures, onde os touros também aguardaram pela lide no veículo de transporte, conforme então, em 2022, denunciado (com envio de provas) por centenas de pessoas à IGAC – Inspecção-geral das Actividades Culturais IGAC e à DGAV – Direcção-Geral de Alimentação e Veterinária (https://mgranti-touradas.blogspot.com/2022/08/accao-de-envio-de-mensagens-por-e-mail.html).

 


Uma vez que compete à DGAV, em articulação com a IGAC, assegurar o cumprimento das regras previstas no referido regulamento em matéria de bem-estar animal, e que competia ao Município de Portel ter assegurado o cumprimento das regras de instalação e funcionamento da praça de touros (no atinente a este caso em concreto), estas entidades são naturalmente destinatárias desta primeira exposição, que também é dirigida à Assembleia Municipal de Portel, bem como à Ordem dos Médicos Veterinários, e aos Ministérios da Cultura, da Agricultura e Alimentação e da Coesão Social, visto que o que falhou em Monte Trigo (Portel) tem falhado mais vezes, também noutros municípios de Portugal. 


No âmbito desta primeira exposição, deixo as seguintes questões, pedindo respostas a quem entender que tem o dever de me responder:

 

  • O que aconteceu exactamente ao touro que fugiu da tourada em causa?
  • A praça de touros ambulante tinha curros?
  • Se, porventura, não existiam curros, como é possível que a tourada se tenha realizado?
  • Se, pelo contrário, a praça de touros tinha curros, porque não foram utilizados?
  • O médico veterinário conseguiu inspeccionar os bovinos entre a chegada dos mesmos às imediações da praça e o início da tourada?
  • As condições dos curros das praças de touros ambulantes foram melhoradas no último ano?
  • Faz algum sentido determinada Câmara Municipal poder, simultaneamente, apoiar um “espectáculo tauromáquico” (ou até mesmo ser proprietária de uma praça de touros ambulante) e ter competências de fiscalização em torno do mesmo?
  • Não estará na altura de se proibir expressamente a realização de touradas em praças de touros ambulantes, uma vez que nestas não se está a assegurar nem o que há de mais básico no que concerne ao bem-estar Animal, nem as condições de segurança para os Animais e para o Público, sendo demasiado evidente que há sucessivas violações da lei?

Não consigo entender como é possível que se continuem a realizar touradas em Portugal, e muito menos que as mesmas sejam consideradas actividades culturais. Mas já que assim é, o mínimo que se exige é que estas actividades sejam devidamente fiscalizadas em todo o território nacional e que as normas pelas quais se vão regendo sejam, de facto, cumpridas. Sendo óbvio que há incumprimentos, peço às entidades destinatárias desta mensagem até aqui referidas que tomem as medidas necessárias para que se passem a cumprir todas as normas previstas na legislação que disciplina todos os aspectos que estão associados à realização de “espectáculos tauromáquicos”. 


  1. TOURO LIDADO DUAS VEZES NA PRAÇA DA NAZARÉ

 

Espectáculo: Corrida de toiros

Tipo de recinto: Praça de touros fixa

Proprietário da praça de touros: Confraria de Nª Sra. da Nazaré

Promotor da "corrida de toiros": Dosesdebravura - Unipessoal Lda., NIF 515956546

Ganadaria: Varela Crujo

Novilheiro (que lidou “à porta fechada”): Diogo Peseiro

Cartaz: https://www.facebook.com/photo?fbid=696924939122963&set=a.446099930872133

Local/data: Nazaré, Portugal, 9/09/2023

 

No dia 9/09/2023, na praça de touros da Nazaré, um bovino foi lidado duas vezes. A primeira vez aconteceu durante a tourada que fora anunciada, tendo sido toureado pela cavaleira Ana Batista. A segunda aconteceu, um par de horas depois, já sem os ferros anteriormente cravados, mas ainda com feridas abertas, na mesma arena, “à porta fechada”, pelo novilheiro Diogo Peseiro. Assim aconteceu, segundo o que se encontra em http://farpasblogue.blogspot.com/2023/09/diogo-peseiro-toureou-toiro-de-varela.html


Se o bom-senso e um mínimo de respeito pela vítima tivessem prevalecido, o animal não teria voltado à arena. No entanto, ao voltar, e partindo do princípio de que a tourada já tinha acabado e que o touro foi posteriormente levado para abate num matadouro, pode considerar-se que não se cumpriu o disposto nos números 2 e 6 do artigo 32.º do Regulamento do Espectáculo Tauromáquico, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 89/2014, de 11 de Junho, já que esse indivíduo deveria ter sido encaminhado para abate em matadouro imediatamente após a realização de "espectáculo", em vez de ainda ter sido obrigado a voltar à arena para ser lidado “à porta fechada” (talvez já sem a presença do público que assistiu à tourada autorizada). Como agravante, independentemente daquele que tenha sido o destino do animal (considerado pelo Código Civil como ser vivo dotado de sensibilidade e merecedor de protecção jurídica), se a tourada (anunciada e autorizada) já tinha acabado, foi infligido sofrimento adicional a este ser sensível, sem que se possa sequer argumentar que houve motivo legítimo para tal. Se porventura foi intencionalmente provocada a morte a este touro na arena, pois esta lide aconteceu, segundo a notícia indicada, num contexto de preparação para uma novilhada (com morte de novilhos) em Espanha, há a ainda a registar um acto proibido, desde logo nos termos do número 1 do artigo 1.º ou do número 3 do artigo 3.º da Lei 92/95, de 12 de Setembro, com as alterações posteriormente introduzidas.

 

Peço que esta situação que acabo de descrever seja devidamente investigada. 

 


  1. MENOR DE 16 ANOS PARTICIPA EM TOURADAS


Um rapaz menor de idade, com 15 anos acabados de fazer, anda a participar em touradas ("corridas de toiros") em Portugal (e.g., Reguengos de Monsaraz, 15/08/2023, https://farpasblogue.blogspot.com/2023/08/tomas-14-anos-novo-moura-teve.html?fbclid=IwAR0c517jSAymTp08uUw82Um0Xeo19JysUZZJvylCQ6JLWlhPMaxyPz4ZCVw e Portalegre, 10/09/2023, http://farpasblogue.blogspot.com/2023/09/encerrona-em-portalegre-momentos-de.html), aparentemente com autorização de uma Comissão de Protecção de Crianças e Jovens (https://farpasblogue.blogspot.com/2023/08/todos-com-joao-moura-ontem-em-reguengos.html?fbclid=IwAR2YiT-QWDbapN18w3bt1aJ3jg8hcOZWsm0LgNYASzRK9jNS_jkZXEF2iYk), quando até o Comité dos Direitos das Crianças da Organização das Nações Unidas (ONU) já recomendou 3 vezes a Portugal que afaste os menores de 18 anos da tauromaquia.

 
Quer o sofrimento dos cavalos que a criança usa, quer o dos bovinos que ataca, quer o perigo a que esta criança está a ser exposta são bem evidentes a partir do minuto 14:55 do vídeo https://videos.toromedia.com/w/v1fH8EVWfK6x1YBPQHmRg1. Da mesma forma que, na tourada do dia 10 de Setembro, João Moura, o Pai da criança, mesmo com toda a experiência que tem, “foi apertado em tábuas, não evitando uma queda”, tendo-se vivido “momentos de algum pânico” (presenciados pelo menor de idade e por crianças ainda mais novas que estavam a assistir à tourada) - conforme descrito em https://farpasblogue.blogspot.com/2023/08/todos-com-joao-moura-ontem-em-reguengos.html?fbclid=IwAR2YiT-QWDbapN18w3bt1aJ3jg8hcOZWsm0LgNYASzRK9jNS_jkZXEF2iYk -, não é difícil de perceber que algo idêntico poderia, eventualmente, ter acontecido à criança (Tomás Moura), com muito menos experiência e maior probabilidade de ter ficado ferida, durante a lide de bovinos que não tinham uma idade e um peso muito abaixo da idade e peso daqueles que foram lidados pelo Pai dela.


No âmbito do assunto que deu origem a esta (terceira) exposição, gostaria de saber que orientações têm emanado da Comissão Nacional de Promoção dos Direitos e Protecção das Criança e Jovens (CNPDPCJ) sobre a participação de crianças em actividades tauromáquicas, pedindo à CNPDPCJ que envie directrizes e orientações claras a todas as Comissões de Protecção de Crianças e Jovens (CPCJ) no sentido de que estas não autorizem menores de 16 anos a participarem em eventos/espectáculos tauromáquicos. 


Esperando que futuramente nenhuma criança com menos de 16 anos de idade seja autorizada a actuar em touradas, peço às entidades com competências na matéria aqui em questão que tomem medidas nesse sentido, de preferência tendentes a que ninguém com menos de 18 anos possa assistir a touradas e muito menos actuar nas mesmas, pelo bem dos menores de idade, e pela construção de uma sociedade mais justa, empática e ética.  

 

[As touradas deviam ser completamente banidas de Portugal, pela construção de uma sociedade mais justa, mais empática e mais ética,  uma vez que touradas não rima com esses valores humanos.]

 

  1. PEDIDO ÀS ESTAÇÕES DE TELEVISÃO GENERALISTAS

 

Aproveitando para agradecer por terem deixado de transmitir touradas, peço à RTP, à SIC e à TVI que considerem fazer uma investigação jornalística alargada sobre tauromaquia, incluindo sobre o lado menos visível da actividade e as sucessivas violações da lei. 

 

Atentamente,

(Nome)

Isabel A. Ferreira

[no país do vale tudo]

 

Fonte:  https://www.facebook.com/events/985041386099483?ref=newsfeed

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:03

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 21 de Setembro de 2023

«Entre Bandarilhas e Sangue: O Sofrimento Silenciado dos Touros»

 

Um excelente texto de João Nascimento

 

 Este texto, por si só, deveria servir como último argumento para dar a estocada final na tauromaquia, que João Nascimento [e com toda acerteza os restantes Homo Sapiens] considera «uma procissão macabra de sadismo requintado e agonia dilacerante

 

Considero este texto, a "Bíblia" dos anti-touradas, pois nele estão concentradas todas as repugnantes verdades sobre esta prática bárbara, que já devia estar extinta há muito.


Uma obra-prima, lúcida e transparente, da literatura anti-tauromaquia, que darei a conhecer ao mundo, para que se saiba do quão degradante e vil é torturar Touros numa arena, para satisfazer os maus instintos dos sádicos. 

E isto ainda acontece em Portugal!

Isabel A. Ferreira

 

 ***

Tourada sangrenta

 

Por 

 

«Num mundo que se orgulha da sua sofisticação tecnológica e avanços éticos, onde a bioética, os direitos humanos e a inteligência artificial frequentemente ocupam os púlpitos das discussões intelectuais, a existência de uma prática tão abjecta e detestável como a tourada, é um enigma sociocultural desconcertante e uma afronta à razão.

 

E aqui, em Portugal, este anacronismo persiste, ostentando-se como uma tradição cultural, um espectáculo, uma arte até. Um anacronismo que deveria mergulhar-nos numa profunda vergonha existencial, e não ser o mote para celebrações efusivas.

 

Ah, a tradição! Este argumento sacrossanto, brandido com uma devoção quase religiosa, como se a palavra em si fosse um escudo hermético contra qualquer crítica, um refúgio para a razão castrada e a empatia sufocada. Um mantra repetido em loop, automatizado, quase robótico, numa tentativa patética de justificar o injustificável.

 

Contudo, permitam-me uma digressão filosófica: a tradição, por si só, não confere virtude. O apedrejamento, a escravidão, crianças a fumar no dia de Reis, ou a Queima do Gato, também eram tradições. A tradição, então, não é mais do que a velha guarda da estupidez humana, uma relíquia a ser questionada, e não uma virtude a ser venerada.

 

A tourada é uma procissão macabra de sadismo requintado e agonia dilacerante.

 

Imagine-se o cenário: um touro, confinado e angustiado, é lançado numa arena. Picadores armados com lanças cravam-na na carne do animal, rasgando músculos e nervos, resultando num espectáculo de sangue e sofrimento que se desenrola perante uma plateia em puro êxtase. Matadores, esses bailarinos da morte, fazem a sua entrada, provocando e torturando o animal já debilitado, numa dança grotesca que culmina com a estocada final, um golpe que trespassa o coração ou os pulmões do animal, que, em agonia profunda, se afunda no seu próprio sangue. E tudo isto em nome do quê? Entretenimento? Tradição? Arte?

 

Há algo profundamente perturbador, quiçá psicopático, em extrair prazer do sofrimento alheio. E não nos enganemos; é sofrimento, é tortura, e sim, é extremamente imoral.

 

A ciência já nos elucidou, de maneira incontestável e definitiva, que os animais não são meros objectos desprovidos de sensações ou consciência; eles sofrem, sentem emoções, estabelecem laços sociais. Como podemos então, com uma lógica retorcida e aberrante, e em nome da Tradição, dar as costas a essa realidade, acabando por sufocar a nossa própria capacidade de empatia, como se estivéssemos a amputar deliberadamente um pedaço da nossa própria humanidade?

 

Que espécie de ética aberrante nos motiva a fechar olhos e ouvidos ao grito agonizante de um touro, perfurado por bandarilhas pontiagudas, cujo sangue vital tinge a areia com matizes de um vermelho nauseabundo, enquanto nos deleitamos com requintes de prazer na sua indizível agonia ?

 

O argumento da tradição é, novamente, uma cortina de fumo, uma fachada frágil por detrás da qual se esconde uma verdade mais incómoda; a tourada é o espelho de uma sociedade que ainda não aprendeu a respeitar a vida em todas as suas formas. É uma expressão de um tipo de humanismo distorcido, que estende a sua empatia apenas até aos limites da espécie humana e que vê nos outros animais, nos nossos parentes evolutivos, nada mais do que objectos de uso e abuso. Tal visão do mundo é não só intelectualmente empobrecedora, como eticamente falida.

 

Se o critério para merecer consideração ética é a capacidade de experimentar dor, sofrimento e angústia, como podemos justificar a nossa surdez moral que nos permite perpetrar, e até se regozijar, em rituais que impõem a seres sencientes tormentos inimagináveis?

 

Ah, e claro, a divina providência, a eterna resistência anti-humanista! Quão convenientemente é invocada para justificar os abusos infligidos aos nossos irmãos não humanos? É como se um capricho teológico desculpasse o sofrimento terreno; “Deus criou os animais para o nosso consumo“, proclamam os fiéis, de mão no peito, como se tal argumento fosse um antídoto mágico contra a ética e a compaixão.

 

É uma falácia que não só denota um flagrante desprezo pela ciência e pela razão, mas também expõe, ao mesmo tempo, uma contradição moral grotesca. Ao fecharmos os olhos para a dor que causamos aos outros seres sencientes, sob o pretexto de estarmos abençoados por uma divindade que, supostamente, colocou tudo à nossa disposição, revelamos nada mais do que uma arrogância antropocêntrica disfarçada de piedade. É uma ironia cruel, digna de um conto kafkiano, que a mesma religião que prega a compaixão e o amor ao próximo se torne cúmplice de tamanha brutalidade quando o “próximo” não pertence à espécie Homo Sapiens.

 

Ah, e o grandioso Miguel de Sousa Tavares, esse paladino da democracia que paradoxalmente ergue a bandeira do sofrimento animal como se fosse um símbolo de liberdade democrática. Quando a democracia se torna o altar onde sacrificamos a ética e o bem-estar de seres capazes de sentir, torna-se uma caricatura de si mesma. O seu argumento é um acorde dissonante numa sinfonia que deveria celebrar a vida e a compaixão, não a agonia e o derramamento de sangue.

 

O dilema não reside em quem assiste ao espectáculo, mas em quem se encontra no epicentro da dor, o animal. A ética transcende as estatísticas de maiorias e minorias; ela é, ou deveria ser, a ressonância de uma verdade mais profunda que não pode ser silenciada por argumentos tão superficiais. Portanto, antes de entoar hinos à liberdade que as touradas supostamente representam, talvez seja prudente ponderar o preço ético dessa sua tão apregoada liberdade.

 

Na tourada desvenda-se um dos episódios mais sombrios do nosso património cultural português, uma nódoa repulsiva que conspurca o nosso tecido social, e nos arremessa de volta a uma época menos iluminada da condição humana. Chegou o momento de encerrar este capítulo sangrento, e relegar a tourada ao panteão das barbáries humanas, um museu de horrores onde repousam outros vestígios da nossa natureza mais primitiva e vil.

 

A perpetuação desta crueldade não é um acto de celebração da tradição, mas sim um doloroso lembrete de que ainda temos um longo caminho a percorrer na plena compreensão da nossa própria humanidade. E enquanto a arena continuar a ser tingida com o sangue de seres que gritam em agonia para uma plateia, será um testemunho vivo da nossa falha moral colectiva, um espelho que reflecte não a nossa grandiosidade, mas a nossa incapacidade de evoluir para além das sombras do nosso passado cruel. É hora de despir a indiferença e vestir a armadura da empatia, da ética e da compaixão. Somente assim poderemos, verdadeiramente, reivindicar a nossa humanidade.»

 


JOÃO NASCIMENTO – 2023

 

Fonte: 

https://food4thought.pt/2023/09/07/entre-bandarilhas-e-sangue-o-sofrimento-silenciado-dos-touros/?fbclid=IwAR2JTI9RYnL0UTR2A3hICKUlVCZRhvaQE87RUMUIPov-G6g1sd9CPqAUAs4

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:04

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 20 de Setembro de 2023

Pablo Fernández merecia uma ESTÁTUA por tudo o que diz sobre a abominável prática da tauromaquia

 

Es abominable y vomitivo que PP y Vox patrocinen un taller en el que se enseña a niñas y niños a fabricar banderillas y a clavárselas a un animal.
Son ustedes unos salvajes que nos quieren retrotraer al medievo.
La TORTURA NO ES CULTURA. VERGÜENZA. 👇🏻

 

É abominável e repugnante que o PP e o Vox patrocinem um workshop em que meninas e meninos são ensinados a fabricar bandarilhas e espetá-las num animal. Vocês são uns selvagens que querem levar-nos de volta à Idade Média.

TORTURA NÃO É CULTURA.  VERGONHA. 👇🏻

 

PRÁTICA BÁRBARA.PNG

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:35

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Há sempre trogloditas à espreita, desta vez, em Montemor-o-Novo

 

Uma acção dos Montemorenses NÃO tauromáquicos à qual me associo, por ser uma cidadã que vive no século XXI depois de Cristo, e, portanto, abonima práticas do tempo em que imperava a ignorância, e se considerava que os animais não-humanos eram feitos de pau e pedra, e o líquido que lhes escorria do corpo, quando maltratados, era sumo de tomate.

Na sequência do cancelamento da realização da vacada planeada pelos estudantes do Instituto "superior" (?) de Agronomia, a APORMOR endereçou, para nossa consternação, um convite aos alunos do ISA, oferecendo-se para facilitar a realização do dito evento em Montemor-o-Novo.
 

Apela-se a todos os montemorenses que partilhem esta publicação e que manifestem o vosso repúdio junto da Apormor, com conhecimento ao Município de Montemor o Novo, através do envio de e-mails – nas vossas próprias palavras ou, se preferirem, copiando e colando a mensagem redigida abaixo  para
 
 
 

Exmos. Srs. membros da direcção da APORMOR,

Não sendo montemorense,  mas uma cidadã portuguesa, que abomina práticas bárbaras exercidas cobardemente sobre seres sencientes indefesos, e tendo lido as declarações do presidente da associação, Joaquim Capoulas, convidando os estudantes do Intituto "superior" (?) de Agronomia a realizar uma vacada em Montemor-o-Novo, venho por este meio expressar a minha mais veemente indignação por ver o nome da cidade de Montemor-o-Novo associado às boas vindas a tal evento, o qual atenta contra os princípios mais básicos do bem-estar animal, como muito bem reconheceu o Provedor do Animal da Câmara de Lisboa ao dar um parecer negativo à realização do mesmo naquela cidade.

Mais ainda me envergonha que práticas deste tipo sejam apresentados como representativas do “são contacto” com o mundo rural. Naturalmente que é benéfico para os estudantes de agronomia terem contacto com os animais não-humanos,  que vão ser a base do seu trabalho no futuro, mas numa convivência baseada no respeito a ter para com seres que não podem defender-se, e estão completamente à mercê da boa ou má acção dos ditos "humanos".

Afirmar que encerrar vários bovinos num cercado para os perseguirem e atormentarem é de algum modo educativo é não só absurdo, como promove uma imagem errada do que é o verdadeiro mundo rural, manchando a imagem pública de todos os que estão a ele ligados.

Lamento ainda que os pareceres negativos quanto a estas práticas sejam enquadrados como “ditadura urbana bem pensante," julgam eles, uma vez que, não só sugere que toda a gente fora dos centros urbanos compactua com estas práticas, como fomenta desconhecimento e o afastamento das pessoas em relação ao verdadeiro mundo rural, coisa que a APORMOR se tem orgulhado de tentar mitigar.


Portanto, apelo à direcção da APORMOR para que convide, sim, os estudantes de Agronomia para visitas às explorações dos seus associados, que promova a realização de estágios, mas que, acima de tudo, sensibilize os estudantes para o respeito a ter pelos animais não-humanos e pela promoção do seu bem-estar, aspectos que serão sem dúvida benéficos para a sua futura atividade profissional.

Apelo ainda ao Município de Montemor-o-Novo para que mantenha a cidade virada para o futuro, e não a olhar para os tempos medievais, abstendo-se de promover práticas que, como estas, transmitem uma má imagem do concelho, não o dignificando, e afastando dele pessoas como eu, que NÃO visita terras onde se tortura cobardemente seres indefesos, inocentes e inofensivos, para diversão uns poucos.

Agradeço desde já a atenção dispensada a esta questão, esperando que a APORMOR, reconheça o erro e continue a direccionar os seus esforços para uma promoção ética de Montemor-o-Novo e do mundo rural.

Com os melhores cumprimentos,

[assinatura]
 
Isabel A. Ferreira
 
 

Montemor-o-Novo.jpg

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:53

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Setembro de 2023

Paróquia apoia garraiada, nas Festas em honra de Santa Maria de Loures

 

QUE VERGONHA!!!! Que falta de espírito cristão para com seres vivos, também criaturas de Deus!!!!!!

 

Uma PARÓQUIA a patrocinar a tortura de um ser vivo, que também é criação de Deus?
Por amor de Deus, se é que o têm, retirem a garraiada (que é coisa de trogloditas) do programa das Festas de Santa Maria de Loures, até porque a Santa de certeza que NÃO gostará que tal aconteça.


É uma vergonha para a igreja católica, que já não anda muito bem cotada, por outros motivos, estar a patrocinar tal prática bárbara, do tempo em que as gentes eram ignorantes e não tinham coisas mais civilizadas com que se divertirem.


Esse tempo ficou para trás.
Hoje, os tempos são outros. DIVIRTAM-SE com espectáculos adequados à evolução dos tempos.


Em nome de Santa Maria de Loures.

(Como não faço propaganda a festas trogloditas, nem ao MAU uso da Língua Portuguesa, escondi no cartaz o que não interessa ao público).

Isabel A. Ferreira

 

PARÓQUIA DE LOURES.png

Fonte: https://www.facebook.com/photo?fbid=697190575778584&set=a.483017547195889

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:15

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 17 de Setembro de 2023

As touradas em Portugal estão em franco declínio. Quem quer ser catalogado de troglodita, nos tempos que correm?

 

Marinhenses Anti-touradas

É o declínio! Apenas uma tourada este sábado e nem assim, e com a actuação de toureiros conhecidos, encheram uma praça de touros como a da Moita. Mais de metade dos lugares ficaram por preencher. Palmas para quem não foi à tourada  

 

DECLÍNIO DAS TOURADAS.jpg

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 15 de Setembro de 2023

Cancelaram uma “Vacaca”. A notícia é boa, mas o Instituto "Inferior" de Agronomia de Lisboa era assim tão troglodita?

 

Pelo que me contaram era, e de tal forma que tiveram (nem sabemos se ainda têm, mas pode ser que já não, pois nunca mais se ouviu falar de tal coisa) o Núcleo Tertúlia Tauromáquica do Instituto “Superior” de Agronomia (Taurisia), inserido na Associação de Estudantes do Instituto.  

Que medievalismo!

 

Desculpem lá , mas é o que merecem, pois ninguém com o mínimo de superioridade anda a torturar seres vivos para se divertir.

Bem, e como se vê, a notícia é boa, mas está cheia de erros ortográficos. Que falta de profissionalismo!

 

Não sabem que a grafia que está em vigor é a de 1945?  Não sabem que não são obrigados a escrever “incurrêtâmente” a Língua Portuguesa? Não sabem que o AO90 é inconstitucional? Pois é!

 

Andará por aí o Deus Pataca?

Isto é tudo uma GRANDE vergonha!!!!!!

Isabel A. Ferreira

 

VACACA.PNG

VACADA.png

Fonte da notícia:

https://www.jn.pt/4526559642/afinal-nao-ha-vacada-no-instituto-superior-de-agronomia/

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:28

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 11 de Setembro de 2023

"Newsletter" PAN - Pessoas Animais Natureza


(Recebido via e-mail)

 




 

Partido PAN
Newsletter Semanal

 

Conhece as notícias principais e outras informações sobre o PAN!

Notícias e Comunicados
NOTÍCIA EM DESTAQUE
PAN critica Governo pela luz verde à exploração de lítio em mina de Montalegre
 Setembro - 2023, Porto Canal
 
📰 PAN responde a Pedrito de Portugal: "É falso que o touro não sofre" | SIC Notícias

📰 PAN quer rever regras de acesso ao apoio ao crédito à habitação | Jornal ECO

📰 PAN quer canal denúncia da Federação Portuguesa de Futebol replicado noutros desportos | Jornal SAPO

📰 PAN critica abate de "1,5 milhões de árvores" para construção de central solar | Expresso

📰 Passes gratuitos até aos 23 anos? "Medida que já podia estar em vigor" | Notícias ao Minuto

📰 PAN espera que PS não se limite a reconfirmar pacote da habitação vetado por Marcelo | RTP Notícias

📰 Madeira: PAN quer apoios à compra de habitação na região | Observador

📰 PAN/Açores contra decisão do Governo Regional de abater aves protegidas | Açoreano Oriental

📰 PAN Madeira defende que são necessárias políticas de salário digno e de direitos laborais | Diário de Notícias
 
ARTIGO DE OPINIÃO - EXPRESSO
Pedrito de Portugal e a aberração das touradas - Inês Sousa Real
Setembro - 2023, Jornal Expresso
 
Especial Regionais Madeira 2023
 
📰 PAN Madeira recorda que estão 300 professores ainda à espera de colocação | Jornal Madeira

📰 PAN quer melhor acesso aos cuidados de saúde primários | Diário de Notícias da Madeira

📰 Madeira: PAN quer apoios à compra de habitação na região | Observador

📰 PAN defende "um verdadeiro investimento na causa animal" na Madeira | Diário de Notícias

📰 PAN Madeira exige "melhores condições de trabalho para as forças de segurança pública" | Diário de Notícias

📰 Sondagem GFK: coligação PSD/CDS venceria com maioria absoluta na Madeira | Jornal Expresso
 
Sondagens Regionais Madeira 2023
 
SONDAGEM
SETEMBRO 2023


PSD/CDS - 52,2%
PS - 21,5%
JPP - 10%
CHEGA - 6,1%
IL - 3,8%
PAN - 1,5% +
CDU - 1,1% 
BE - 1,1%
SONDAGEM
JULHO 2023


PSD/CDS - 49,6%
PS - 13,5%
JPP - 8,7%
CHEGA - 4,1%
IL - 3,0%
CDU - 1,7% 
BE - 1,4%
PAN - 1,3% -
 
SONDAGEM
JUNHO 2023


PSD/CDS - 46,9,2%
PS - 14,6%
JPP - 10,1%
CHEGA - 4,2%
BE - 2,3%
IL - 2,3%
PAN - 1,7% +
CDU - 1,1% 
SONDAGEM
MAIO 2023


PSD/CDS - 34,3%
PS - 21,8%
JPP - 6,0%
CHEGA - 4,7%
IL - 3,6%
PAN - 1,6% +
CDU - 1,3% 
BE - 0,8%
   
publicado por Isabel A. Ferreira às 15:36

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 8 de Setembro de 2023

Indignação pela realização de "touros de morte" em Reguengos de Monsaraz

 

Pessoas de Monsaraz pediram a nossa colaboração, para uma acção que entendemos que merece todo o apoio.

Por favor, enviem a mensagem abaixo, ou outra, da sua autoria, para os destinatários indicados. Muito obrigado.

Assunto: Indignação pela realização de "touros de morte" em Reguengos de Monsaraz

Para:
geral@cm-reguengos-monsaraz.ptgeral@freguesiareguengosmonsaraz.ptinfo@scmreguengos.eu

Cc:

monsarazunidosemcrueldade@gmail.com

 

Caros destinatários,

 

Gostaria de expressar a minha profunda indignação e preocupação em relação à continuação da prática de "touros de morte" nas festas de Monsaraz, uma prática bárbara que, a meu ver, não tem lugar numa sociedade que valoriza o bem-estar animal e os direitos dos seres vivos.

 

É com consternação que vejo que esta prática cruel persiste, e ainda mais perturbador é o facto de que é apoiada pelas instituições responsáveis da nossa comunidade, incluindo a Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, a Junta de Monsaraz e a Santa Casa da Misericórdia. Em pleno século XXI d. C., é inaceitável que se perpetue um costume bárbaro dos tempos medievais, que causa sofrimento extremo aos animais não-humanos envolvidos.

 

Os "touros de morte", proibidos em Monsaraz, apenas permitidos em Barrancos, por obra e graça do falecido presidente socialista Jorge Sampaio, não só representam uma ameaça à vida dos animais, como também vão contra os princípios básicos de compaixão e respeito pelos seres vivos que muitos de nós defendemos. É uma prática que causa sofrimento físico e psicológico aos Touros, que merecem ser tratados com dignidade e respeito – até porque os Touros são herbívoros, logo, mansos por natureza –  assim como qualquer outro ser vivo.

 

Insto veementemente a Câmara Municipal de Reguengos de Monsaraz, a Junta de Monsaraz e a Santa Casa da Misericórdia a reconsiderarem o seu apoio a esta prática cruel.

 

Encorajo-os a olhar para alternativas culturais e festivas que promovam valores de respeito, empatia e compaixão, em vez de apoiarem práticas bárbaras, que perpetuam a violência contra os animais não-humanos, mas sencientes.

 

Acredito que juntos podemos encontrar formas de celebrar a nossa cultura e história que não envolvam crueldade para com os animais. Espero sinceramente que possamos evoluir e abandonar práticas que não encontram espaço numa sociedade que se quer justa, empática e ética.

 

Agradeço a atenção dispensada a esta questão e espero que possamos trabalhar juntos para promover um ambiente mais compassivo e ético em Reguengos de Monsaraz.

 

Atenciosamente,

Isabel A. Ferreira

 

Monsaraz.PNG

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:14

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
12
13
15
17
18
19
21
22
23
24
26
27
28
29
30

Posts recentes

Pausa para descanso...

Carta Aberta à socialista...

O que as escolas NÃO te c...

«Bicadas do meu Aparo»: C...

Portugal não é a casa da ...

Ex-combatentes do Ultrama...

Repondo a verdade dos faC...

XXXI Encontro Nacional ...

Uma fingida “homenagem” a...

Ponte de Lima: «Vaca das ...

Arquivos

Junho 2024

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt