Terça-feira, 29 de Março de 2022

Vamos pedir ao Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde, do Redondo (Évora), que não aceite DINHEIRO SUJO do sangue de Animais inocentes, indefesos e inofensivos, que irão ser TORTURADOS numa tourada

 

Que mensagem este Centro Infantil pretende passar às crianças, aceitando DINHEIRO SUJO do sangue de seres vivos sencientes, a quem elas carinhosamente tratam por vaquinhas, boizinhos, bezerrinhos? Que espécie de educação estão a dar às crianças? (Isabel A. Ferreira)

 

***

Após a Cruz Vermelha ter feito saber que, ao contrário do que chegou a ser anunciado, não irá aceitar dinheiro proveniente de uma tourada, que decorrerá no dia 2 de Abril no Redondo, e após ter chegado a existir um beneficiário “fantasma” para a tourada em causa, eis que surge hoje o anúncio de que a entidade beneficiária da tourada será o Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde, do Redondo!

 

Por favor, peçam ao Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde, do Redondo, que não aceite dinheiro manchado de sangue de Animais inocentes. Façam-no na respectiva página no Facebook ou por e-mail. Obrigado.

 

Uma CIBER-ACÇÃO encetada pelo Movimento Marinhenses Anti-touradas

 

————————————

 

Mensagem sugerida mais abaixo, para envio por e-mail:

 

Para: centroinfantil2@sapo.pt

Cc: marinhenses.antitouradas@gmail.com

 

REDONDO.png

 

Exmos. responsáveis pelo Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde do Redondo,

 

Está a ser anunciada para 02 de Abril uma tourada a favor do Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde do Redondo (Évora).

https://tauronews.com/festival-no-coliseu-de-redondo-ja-no-proximo-sabado/

após a Cruz Vermelha Portuguesa ter desistido de ser beneficiária desse cruel evento.

 

Em cada tourada, seis ou sete bovinos são humilhados e torturados quase até à morte (havendo também, frequentemente, cavalos que ficam feridos ou morrem). São-lhes cravados ferros que lhes provocam severas hemorragias. É-lhes provocado um elevado nível de sofrimento físico e psicológico. Horas depois, os inocentes animais são, na sua quase totalidade, abatidos, após um longo período de agonia.

 

A violência que a tauromaquia implica é de tal ordem que, desde de 2014, o Comité dos Direitos das Crianças da Organização das Nações Unidas (ONU) tem vindo a demonstrar a sua preocupação com o bem-estar físico e mental das crianças envolvidas em actuações em touradas, bem como com o bem-estar mental e emocional das crianças enquanto espectadoras que são expostas à violência das touradas”

vide s.f.f. pág. 10 em:

https://www.refworld.org/docid/52f89eb84.html

Em 2019, a ONU recomendou a Portugal que proíba as crianças e jovens menores de 18 anos de participarem em touradas ou assistirem a touradas (vide s.f.f. pág. 7 de https://undocs.org/CRC/C/PRT/CO/5-6

 

Naturalmente, a tauromaquia tem vindo a ser alvo de uma enorme e crescente contestação social e, cada vez mais, a generalidade das organizações optam por se distanciar ao máximo desta cruel actividade por razões de ordem ética. É incompreensível que o Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde do Redondo apareça como beneficiário da tourada em causa.

 

O Centro Infantil Nossa Senhora da Saúde do Redondo ainda está a tempo de não compactuar com um evento de desrespeito que implica violência extrema contra Animais sencientes indefesos. Será uma boa medida, que poderá ser apresentada como um contributo para o enriquecimento afectivo das crianças dessa Instituição.

 

Perante o exposto, peço a V. Exas. que essa Instituição não se deixe instrumentalizar, e se dissocie da tourada em causa, nunca aceitando dinheiro manchado de sangue de Animais inocentes.

 

Na expectativa de uma resposta positiva, apresento os meus melhores cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:08

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 26 de Março de 2022

As contas finais dos votos das Legislativas 2022: uma minoria de Portugueses deu a maioria absoluta ao PS

 

Os meus leitores podem fazer as contas, com os dados que aqui deixarei, oriundos da Comissão Nacional de Eleições (CNE) que hoje publicou, no Diário da República, o mapa oficial com os resultados das eleições e a relação dos deputados eleitos para a Assembleia da República.

 

Boletim de voto.png

 

De 5.417.715 de votos expressos (válidos) 2.302.601 foram para o PS e 3.115.114 distribuíram-se por todas as outras bandas.

 

Depois de estas contas, fiquei mais descansada, porque fiz uma má ideia do Povo Português, que não tendo grandes motivos para dar a maioria absoluta ao PS, o PS venceu as eleições com maioria absoluta, num universo eleitoral de 10.813.246 eleitores inscritos.

 

O que são 2.302.601 de votos, entre 10.813.246 de Portugueses capacitados para votar?

 

Apenas 2.302.601 portugueses são responsáveis pela ascensão de um mais que provável governo despótico, uma vez que as maiorias absolutas a isso levam. 



Se bem que, tal como o partido vencedor, as outras opções deixavam muito a desejar.



Façamos as contas: o universo eleitoral era de 10.813.246 eleitores e votaram apenas 5.564.539, tendo-se registado uma taxa de abstenção de 48,54%. No entanto, o número expresso de votos foi de 5.417.715. Acrescentem-lhe, agora os votos em branco 63.103 (1,13%), e os votos nulos 83.721 (1,50%) e os que se distribuíram pelos restantes partidos, e teremos uma minoria a dar maioria ao PS.

 

O documento refere que o PS foi o partido mais votado, com 2.302.601 votos, correspondentes a 42,50% do total, elegendo 120 deputados.



Mas há que contar o resto:

O PSD ficou em segundo lugar, elegendo 77 deputados. Os sociais-democratas obtiveram 1.539.415 votos nos círculos eleitorais de Portugal continental, da Europa e Fora da Europa, ou seja, 28,41% do total de votos expressos, elegendo 72 deputados.

 

Na Madeira, o PSD concorreu coligado com o CDS-PP, coligação que obteve 50.636 votos e deu mais três deputados à bancada social-democrata. Nos Açores, a coligação entre PSD, CDS-PP e PPM conseguiu 28.330 votos e elegeu mais dois deputados.

 

 Em terceiro lugar ficou o Chega com 399.659 votos, 7,38%, elegendo 12 deputados (mais 11 do que em 2019).

 

A quarta força política mais votada foi a Iniciativa Liberal, que elegeu oito deputados (mais sete do que há dois anos) com 273.687 votos, 5,05%.

 

A CDU, coligação composta pelo PCP e pelo PEV, obteve 238.920 votos, 4,41%, e elegeu seis deputados (menos quatro do que em 2019). O PEV não elegeu deputados e perdeu a representação (dois deputados) que tinha na Assembleia da República.

 

O BE conseguiu 244.603 votos, 4,52%, e elegeu cinco deputados, menos 14 do que os que tinha obtido em 2019.

 

O PAN perdeu três dos quatro deputados eleitos há dois anos, elegendo apenas um com 88.152 votos, 1,63%; o Livre repetiu a eleição de um deputado, com 71.232 votos, correspondentes a 1,71% dos votos expressos.

 

O CDS-PP perdeu a representação parlamentar, obtendo 89.181 votos,   1,65% do total.

 

E depois, os outros, cujas percentagens referem-se aos votos expressos:

 

O R.I.R obteve 23.233 votos, ou seja, 0,43%; o PCTP/MRPP alcançou 11.265 votos (0,21%); a JPP 10.786 votos (0,20%); o ADN 10.874 (0,20%); o MPT 7.561 (0,14%); o Volt 6.240 votos (0,12%); o MAS 6.157 (0,11%); o Ergue-te 5.043 (0,09; o Nós Cidadãos 3.880 (0,07%); o PTP 3.533 (0,07%); a Aliança, 2.467 (0,05%) e o PPM 260 (0,00%).



Posto isto, a Lei Eleitoral deve ser revista, urgentemente. Porque não me parece certo fazer contas eleitorais desta maneira, em que uma minoria de votantes elege uma maioria absoluta, que reinará a seu bel-prazer, e pelo já visto, a que bel-prazer!!!!!

 

É o que dá não haver um povo maioritariamente com sentido cívico e massa pensante.



Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:58

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 25 de Março de 2022

Notícia no Jornal “The Guardian”, 18/Março/2022: «As touradas ainda beneficiam de milhões de euros por ano em subsídios agrícolas da EU»

 

Shame on you EU! 

«Bullfighting still benefits from millions of euros a year in EU farming subsidies

 

«Public funds to farms breeding bulls keeping ‘cruel practice’ of bullfighting alive, say animal rights campaigners

Activistas dos Direitos dos Animais dizem que fundos públicos para as ganadarias   mantêm viva a 'prática cruel' das touradas.

Faço também meu este desabafo de um cidadão português, que, mo eu, se envergonha dos políticos que temos:

«A União Europeia a dar subsídios de muitos milhões aos criadores de Touros para as touradas, através dos agricultores, no nosso caso, através da CAP.

Que moral tem essa canalha de burocratas?

Não têm moral, nem vergonha, nem dignidade!

O que estes nossos trogloditas sem vergonha - somos os melhores do mundo - mereciam era que o The Guardian publicasse, em complemento, o caso português: a cobertura dada pelos governos, a baixeza moral (e material) reinante no Parlamento, a exposição das crianças à violência, etc..

Uma condenação pública poderia ser remédio santo.» (M. Figueiredo).

 

Touro em agonia.jpeg

É isto que a União Europeia financia

 

As touradas, na Europa [apenas em Portugal, Espanha e França, os três tristes países, AINDA trogloditas na Europa] estão a ser mantidas vivas devido aos milhões de euros pagos pela UE, afirmam activistas, apesar das tentativas dos deputados de proibir os subsídios.

 

O financiamento vai para ganadarias que criam Touros de “lide”, através da política agrícola comum (PAC) da UE, um sistema de apoio de longa data, de subsídios dados ao sector.

 

A União de Criadores de Touros de Lide de Espanha, que representa os interesses de 347 ganadeiros, estimou que a proibição do pagamento de subsídios significaria um impacto económico de cerca de 200 milhões de Euros por ano para o sector na [apenas em Portugal, Espanha e França, e NÃO “across Europe”].

 

Em 2015, num movimento aclamado pelos defensores dos Direitos dos Animais que descreveram as touradas como uma “prática cruel”, os eurodeputados votaram esmagadoramente a favor do bloqueio de fundos agrícolas “para o financiamento de actividades tauromáquicas letais”.

 

No entanto, mais de seis anos depois, houve poucas mudanças, com a proibição deixada de lado devido a preocupações de que modificaria as disposições legais da PAC.

Joe Moran, da organização de defesa dos animais Eurogroup for Animals, disse: “Embora concordemos inteiramente com os eurodeputados na sua indignação moral e no que estão a tentar fazer, as vias legais para fazer isso são bastante difíceis. Na verdade, eu diria que são impossíveis.”

 

A eliminação total dos fundos exigiria que o bem-estar animal fosse uma competência oficial da UE, juntamente com uma lei que proibiria a criação de Touros para esse fim ou proibiria totalmente as touradas, acrescentou Moran, [algo que seria da racionalidade fazer]

 

Um funcionário da UE disse que, embora não haja fundos especificamente designados para a criação de Touros de “lide”, “não está excluído”, e os criadores de Touros ainda podem receber fundos públicos de financiamento agrícola.

 

Desde 2003, os subsídios agrícolas da UE têm sido atribuídos principalmente à quantidade de terra cultivada, e não à produção ou ao destino final dos produtos.

 

Os eurodeputados do partido “OS VERDES” apresentaram uma emenda à PAC de 2020 pedindo a proibição de fundos para o gado cujo destino final era “a venda para actividades relacionadas com touradas, mas foi descartada quando a Comissão Europeia, o Conselho da UE e o parlamento finalizaram a política.

 

O eurodeputado português FRANCISCO GUERREIRO descreveu os fundos como “um balão de oxigénio que está continuamente a ajudar esta indústria a manter-se à tona”, uma vez que o número de eventos envolvendo Touros diminuiu.

 

A indústria de touradas (…) [nos três países europeus AINDA trogloditas] acumulou perdas relatadas de mais de 150 milhões de Euros (…) durante a pandemia de Covid, já que eventos como o de San Fermín, em Pamplona foram cancelados e os Touros enviados directamente para o abate.

 

A pandemia apareceu quando o sector estava a lutar para se recuperar da crise económica de Espanha, que viu municípios sem dinheiro interromperem eventos envolvendo Touros. Em 2007 – um ano antes do impacto financeiro – 3.651 eventos com Touros foram realizados em toda a Espanha. Uma década depois, o número de eventos caiu para 1.553.

 

A Praça de Touros de Las Ventas, em Madrid, ficou deserta, após o cancelamento da temporada de touradas de 2020 devido ao bloqueio do coronavírus.

O bloqueio pode ser a morte das touradas em Espanha? [Se não é devia ser]

 

As associações de criadores em Espanha, França e Portugal continuam a defender as cerca de 1.000 explorações de Touros reprodutores para touradas em toda a UE.

 

Antonio Bañuelos, presidente da União de Criadores de Touros de Espanha, disse: “É discriminatório criar esse conceito de que o destino desse gado pode estar vinculado ao recebimento de fundos ou não. Muitas das ganadarias produzem uma variedade de produtos ao mesmo tempo que criam Touros, o que significa que qualquer proibição prejudicaria seu direito de acesso a financiamento em pé de igualdade com outros agricultores da EU

 

A indústria também pressionou os eurodeputados alegando que os Touros de lide, criados em áreas extensas, têm menos impacto no meio ambiente do que porcos ou ovelhas.

 

Uma associação de veterinários espanhóis, anti-touradas, disse que o sofrimento público infligido aos touros era injustificável. Disse ainda aos eurodeputados que instrumentos que vão desde bandarilhas, a espadas de 80 cm foram usadas ​​em Touros durante touradas que duraram cerca de 15 minutos, causa “feridas profundas, hemorragias significativas, sofrimento intenso e morte dolorosa”.

 

Bañuelos afirmou que a morte de um touro de “lide” é “mais rápida e acarreta menos sofrimento” do que muitos animais criados comercialmente. [O que é mentira].

 

Existem milhares de animais que morrem todos os dias em circunstâncias muito dolorosas. Mas o foco está na tourada porque é a mais exposta quando se trata de publicidade e é um alvo fácil”, disse. [Não é por isso, é pela cruel DIVERSÃO com o sofrimento atroz de um ser vivo].

 

Traduzido do original que pode ser consultado aqui:

https://www.theguardian.com/environment/2022/mar/18/bullfighting-still-benefits-from-millions-of-euros-a-year-in-eu-farming-subsidies

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:03

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 24 de Março de 2022

A Cruz Vermelha Internacional reconheceu que a associação da Cruz Vermelha Portuguesa às touradas pode afectar a Instituição

 

Do Movimento abolicionista Marinhenses Anti-touradas recebi o texto que se segue, onde se explica como a Cruz vermelha Portuguesa se dissociou de uma tourada a realizar no dia 02 de Abril, no Redondo.

 

Não se conseguiu cancelar a tourada, o que diz da pobreza cultural, social e moral em que o nosso país AINDA está mergulhado, com o apoio de governantes que governam ao estilo MEDIEVAL.

Isabel A. Ferreira 

 

 

Cruz Vermelha Portuguesa.png

 

Graças a toda a pressão efectuada junto de várias organizações da Cruz Vermelha, conseguimos que a Instituição não fique associada à tourada que se vai realizar a 02 de Abril no Redondo.



A Cruz Vermelha Internacional reconheceu que a associação da Cruz Vermelha às touradas pode afectar a sua reputação, e informou que iria conversar sobre o assunto com as organizações portuguesas da Cruz Vermelha.



A Cruz Vermelha Portuguesa, por sua vez, respondeu que não foi validada pela Instituição a sua identificação no evento ou comunicação do mesmo.



Sabemos ainda que o evento no Facebook de promoção da tourada em causa já não tem identificada como beneficiária a Cruz Vermelha, mas sim o Centro Infantil Nª Sra. da Conceição

https://www.facebook.com/events/496665545365553/?ref=newsfeed

 

Não conseguimos descobrir que centro infantil é este!  [Também pesquisei e não encontrei].



Conclusão: Não conseguimos, infelizmente, que a tourada fosse cancelada. No entanto, não sendo de angariação de fundos para a Cruz Vermelha, não tem o efeito de limpeza de imagem da tauromaquia perante algumas pessoas para as quais donativos para instituições como a Cruz Vermelha servem de justificação.


Uma vez que sabemos que nem todas as pessoas receberam quer a mensagem da Cruz Vermelha Internacional quer a mensagem da Cruz Vermelha Portuguesa, deixamos as respectivas cópias abaixo.

------

Dear Sir, Dear Madam,

We acknowledge receipt of your emails addressed to the President of the International Committee of the Red Cross (ICRC), Peter Maurer, regarding the association between the Portuguese Red Cross and Bullfighting.

For your information, the International Committee of the Red Cross is a neutral, independent and impartial humanitarian organization; its main tasks consist in promoting International Humanitarian Law and providing protection and assistance to victims of conflicts and other situations of violence.

The ICRC is part of the International Red Cross and Red Crescent Movement, which also comprises recognized National Red Cross or Red Crescent Societies (such as the Portuguese Red Cross) and their umbrella organization, the International Federation of Red Cross and Red Crescent Societies.

Though the ICRC has the statutory role to recognize newly established or reconstituted National Societies, it does not intervene in internal matters of these National Societies as they are autonomous organizations within their own countries. However, we will raise the issue with them, as the association of the Red Cross in such events can affect their reputation.

Yours sincerely
 
 
Marie-Jo Girod
Programme Manager Gifts and Legacies
Private Fundraising Division
International Committee of the Red Cross (ICRC)
19, avenue de la Paix, 1202 Geneva / Switzerland
T +41 22 730 33 76  or general: +41 22 730 21 71

 

------
 
Exmª Senhora,
 
Agradecemos, antes demais, a sua manifestação sobre o assunto explanado que recebeu a nossa maior atenção.
Reforçamos que a Cruz Vermelha Portuguesa não é, nem nunca foi, promotora do evento em causa. A entidade promotora, detentora do direito de concretização de iniciativas com resultado na angariação de fundos para apoio aos mais vulneráveis, identificou a Cruz Vermelha como receptora desses fundos. Não existe, por isso, envolvimento da Cruz Vermelha na iniciativa ou em qualquer acção associada, nem tão pouco foi validada pela Instituição a sua identificação no evento ou comunicação do mesmo.
Com os melhores cumprimentos.
 
Manuela Soares
Secretária
Cruz Vermelha Portuguesa
Jardim 9 de Abril, nº 1 a 5   | 1249-083 Lisboa
Tel: 213 913 916  | Fax: 213 913 999
www.cruzvermelha.pt

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:13

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 23 de Março de 2022

Pianista ucraniana despede-se do seu piano, interpretando Chopin entre as ruínas da sua casa depois de um bombardeamento putinista

 

Iryna Manyukina, pianista ucraniana, foi filmada a interpretar Chopin, despedindo-se do seu piano, nas ruínas da sua casa depois de esta ter sido seriamente danificada pelo bombardeio putinista.

 

Num vídeo gravado pela sua filha, Iryna Manyukina é vista a tocar piano na sua casa, em Bila Tserkva, a cerca de 80 quilómetros de Kyiv.

Porque apenas a ARTE pode resgatar a condição humana.


Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:03

link do post | Comentar | Ver comentários (3) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 21 de Março de 2022

Mujica sobre a crise na Ucrânia e a “loucura da guerra”

 

«Qual o sentido da vida humana, se não somos capazes de reagir e sair da pré-história, porque considero que enquanto a guerra for uma maneira de desatar os nossos conflitos e de resolver os nossos conflitos, continuaremos na pré-história, com a única diferença de que a barbárie dos homens primitivos, dos humanos primitivos, parece brincadeira de criança comparada à barbárie do tempo actual». (Mujica)

 

 Obrigada, senhor Mujica. O senhor tem uma grande alma, é um grande ser humano, um Homo Sapiens Sapiens,  que veio do futuro.

 

Obrigada, por esta preciosa lição de humanidade.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:14

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 18 de Março de 2022

Apesar de o Lobo-Ibérico ser uma espécie protegida, em Portugal, desde 1990, continuam a aparecer mortos e o PAN questiona o Governo sobre a morte de mais um Lobo-Ibérico, em Montalegre

 

Deu hoje entrada no Parlamento uma iniciativa do Grupo Parlamentar do PAN - Pessoas-Animais-Natureza, em que questiona o Ministério do Ambiente e Acção Climática sobre a morte de mais um Lobo-Ibérico, em Montalegre:

 

- Terá o Ministério conhecimento da morte de mais um exemplar de Lobo-Ibérico, em Montalegre, ocorrida no corrente mês de Março?

 

- Se tem, quais as diligências efectuadas pelas autoridades competentes?

 

- Já teria sido apurada a causa da morte do animal? Qual o resultado da autópsia?

 

- Tendo em conta os casos recentes da morte de Lobos-Ibéricos naquela região, existirá alguma investigação em curso, considerando o regime especial de protecção desta espécie?

 

- E que acções de sensibilização para a protecção desta espécie irá o Governo promover, de modo a evitar que este tipo de situações venha a repetir-se?

 

Estas são as questões que o PAN quer ver respondidas.

 

lobo ibérico.jpg

Origem da foto: Internet

 

Alertado por populares e de acordo com a imprensa local, o Núcleo de Protecção Ambiental da GNR, de Chaves (SEPNA/NPA), encontrou, na manhã do passado dia 09 de Março, um cadáver de um jovem Lobo-Ibérico no lugar de Salto, em Montalegre (Trás-os-Montes), o qual não apresentava qualquer ferimento.

 

No âmbito da investigação iniciada foi, então, feita uma pesquisa no terreno para ver se existiam indícios de crime, tendo sido o cadáver do animal transportado para um laboratório em Vila Nova de Gaia para ser autopsiado e apuradas as causas da morte.

 

Segundo o PAN, lamentavelmente, nos últimos anos, têm sido frequentes as notícias de Lobos-Ibéricos mortos naquela região, ou na sequência de acidentes de viação ou do uso de armadilhas de caça.

 

Já em Setembro de 2021, foi encontrado um exemplar morto próximo da vila de Montalegre, presumindo-se que tenha sido vítima de acidente de viação. Nesse mesmo ano, em Fevereiro, foi noticiada a morte de dois Lobos-Ibéricos e de um Cavalo garrano, na freguesia de Cabril, concelho de Montalegre, dentro do perímetro do Parque Natural da Peneda-Gerês.

 

***

 

PS: Pergunto-me: será que o Lobo-Ibérico está mesmo protegido dos homens-predadores, dos caçadores, que adoram matar tudo o que se mexe nos matos e nas zonas florestais, protegidas ou não?

 

Mas não são só os Lobos, são também Cabras-Montesas (no passado mês de Fevereiro, mataram-nas, também no PNPG, para exibirem as suas cabeças como troféus), Cavalos, Javalis, e às vezes até outros caçadores, mortos por tiros que saem ao lado…

 

É que não basta existirem LEIS, há que as pôr em prática e penalizar, com pesadas penas, os que se atrevem a violá-las.

 

Mas, no nosso País, infelizmente, as LEIS NÃO são para cumprir (a começar pelos "de cima") nem para se fazerem cumprir.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:12

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 15 de Março de 2022

«Quando não defendemos os nossos direitos perdemos a dignidade, e a dignidade não se negocia»

 

Texto recebido via e-mail.

 

É uma Aula de Direito destas que o Povo Português está a precisar.

 

«(…) E por que ninguém fez nada a respeito? Para que queremos leis e regras se não dispomos da vontade necessária para as pôr em prática? Cada um de vós tem a obrigação de reclamar quando presenciar uma injustiça. Todos. Não voltem a ficar calados, nunca mais! Vá buscar o Juan – disse o professor, olhando-me fixamente.»

 

Cidadehoje.pt.png

 

AULA DE DIREITO


Uma manhã, quando o nosso novo professor de "Introdução ao Direito" entrou na sala, a primeira coisa que fez foi perguntar o nome a um aluno, que estava sentado na primeira fila:

- Como te chamas?

- Chamo-me Juan, senhor.

- Sai da minha aula e não quero que voltes nunca mais! - gritou o professor.

Juan ficou desconcertado.

Quando voltou a si, levantou-se rapidamente, recolheu as suas coisas e saiu da sala.

Todos estávamos assustados e indignados, porém ninguém falou nada.

 

- Agora sim! - e o professor perguntou - Para que servem as leis?...

Continuávamos, assustados, porém, pouco a pouco, começámos a responder à sua pergunta:

 

- Para que haja uma ordem na nossa sociedade.

- Não! - respondeu o professor.

- Para cumpri-las.

- Não!

- Para que as pessoas erradas paguem pelos seus actos.

- Não!! Será que ninguém sabe responder a esta pergunta?!

- Para que haja justiça – disse, timidamente, uma jovem. 

 

- Até que enfim! É isso... para que haja justiça. E agora, para que serve a justiça?

Todos começávamos a ficar incomodados com a atitude do professor.

Porém, continuámos a responder:

- Para salvaguardar os direitos humanos...

- Bem, e que mais? - perguntou o professor.

- Para diferenciar o certo do errado... Para recompensar a quem faz o bem...

- Muito bem, não está mal, porém... respondam a esta pergunta: agi correctamente ao expulsar Juan da sala de aula?...

Todos ficámos calados, ninguém respondia.

- Quero uma resposta decidida e unânime!

- Não!! - respondemos todos a uma só voz.

- Poderia dizer-se que cometi uma injustiça?

- Sim!!!


- E por que ninguém fez nada a respeito? Para que queremos leis e regras se não dispomos da vontade necessária para as pôr em prática? Cada um de vós tem a obrigação de reclamar quando presenciar uma injustiça. Todos. Não voltem a ficar calados, nunca mais! Vá buscar o Juan – disse o professor, olhando-me fixamente.

 

Naquele dia, recebi a lição mais prática e importante do meu Curso de Direito: quando não defendemos os nossos direitos perdemos a dignidade, e a dignidade não se negocia.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:56

link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 14 de Março de 2022

2022: CIBER-ACÇÃO - Envio de E-MAILS | Red Cross and Bullfighting / Cruz Vermelha e Touradas

 

ALERTA.png

E esta não é a primeira vez!!!!!

Ver aqui:
 
https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/cruz-vermelha-e-touradas-red-cross-and-733038

 

E quando uma instituição, como esta, comete um erro destes, várias vezes, perde a credibilidade.


Já em 2017 tivemos de chamar à atenção da Cruz Vermelha para esta ignomínia, imprópria de um organismo cuja missão é aliviar o sofrimento humano [um sofrimento que se iguala ao sofrimento dos Touros e Cavalos que serão torturados em prol da CVP, uma vez que seres humanos e seres não-humanos são ANIMAIS, com um ADN muito semelhante e portadores de sistema nervoso central]; e também proteger as vidas (e Touros e Cavalos, também TÊM uma VIDA, a deles, que o homem sendo RACIONAL deve proteger e preservar, não, torturar]; e a CV também tem a missão de preservar a dignidade humana [que, neste caso, fica comprometida, com esta associação a tamanha barbárie].  

 

SHAME ON YOU RED CROSS!!!!!

 

Isabel A. Ferreira

 

Tourada Cruz vermelha.png

 
Esta é uma iniciativa do Grupo Marinhenses Anti-touradas

 

A bullfight is being advertised for 2nd April in support of the Redondo branch of the Red Cross. Please act now.

 

Está a ser anunciada, para 2 de Abril de 2022, uma tourada a favor da Cruz Vermelha do Redondo!

 

Por favor, envie, por E-MAIL, de uma só vez, com texto em inglês e em português (colocando o seu nome no final de cada uma das versões), a mensagem abaixo sugerida, ou outra, para os endereços indicados.

 

----------▼▼▼▼----------

EN | PT

 

Subject/Assunto: Red Cross and Bullfighting / Cruz Vermelha e Touradas

 

To/Para:

pmaurer@icrc.orgmgirodblanc@icrc.org

sede@cruzvermelha.org.ptmarketing@cruzvermelha.org.pt

cvpredondo@hotmail.com

 

Cc:

marinhenses.antitouradas@gmail.com

 

[EN]

 

Dear All,

 

I am writing this e-mail on the issue of the association between the Portuguese Red Cross (PRC) and bullfighting.

 

Unfortunately, in Portugal bullfighting is still a common practice. In each of these sad events about six or seven bulls are humiliated and tortured almost to death (and often horses perish as well). Spears with barbs are thrusted forcefully into their backs, causing severe bleeding and internal damage. A very high level of physical and psychological pain is caused to the bulls. Hours later, these innocent animals are then butchered, after a long period of painful agony.

 

Although it is still legal in some countries, bullfighting has become the target of huge and growing social protests. For ethical reasons, more and more organizations choose to distance themselves as much as possible from this cruel activity.

 

It is quite difficult to understand how a prestigious Institution such as the Red Cross can be associated to such cruel activities practiced upon the animals. As a matter of fact, aside from the regular provision of ambulances and human means to eventually assist people actively involved in bullfighting, there are some branches of the Portuguese Red Cross who advertise, sell tickets for and/or accept money from the bullfighting events – red blood-stained money from innocent animals. 

 

Presently a bullfight is being advertised for 2nd April in support of the Redondo branch of the Red Cross (https://tauronews.com/festival-a-2-de-abril-no-coliseu-do-redondo/).

 

The Portuguese Red Cross admits there are branches that receive money from bullfights but states they are not the organizers, and thus undervalues the regular protests, from members and sympathizers, it receives.

 

In face of what has been said I would like to appeal to the Red Cross to dissociate itself as much as possible from performances based on animal abuse, namely by not allowing its denomination/logo to be used in bullfighting posters, by not advertising bullfights, and by not accepting blood-tainted money or goods from bullfights.

 

Thanking you in advance for the kind attention devoted to this letter, I look forward to your kind reply, which I hope will be a positive one.

 

Best regards,

 

Isabel A. Ferreira – Porto (Portugal)

 

 ----------▼▼▼▼----------

Touros Cruz Vermelha.png

Isto é inadmissível, em pleno século XXI d.C., e NÃO dignifica o ser humano.

 

[PT]

Exmos. responsáveis pela Cruz Vermelha Portuguesa

 

Escrevo-lhes a propósito da associação da Cruz Vermelha Portuguesa (CVP) à tauromaquia.

 

Infelizmente, em Portugal ainda se realizam touradas. Em cada uma, seis ou sete bovinos são humilhados e torturados quase até à morte (havendo também, frequentemente, Cavalos que ficam feridos ou morrem). São-lhes cravados ferros que lhes provocam severas hemorragias. É-lhes provocado um elevado nível de sofrimento físico e psicológico. Horas depois, os inocentes animais são, na sua quase totalidade, abatidos, após um longo período de agonia.

 

Embora ainda legalmente permitida em alguns países, a tauromaquia tem vindo a ser alvo de uma enorme e crescente contestação social e, cada vez mais, a generalidade das organizações optam por se distanciar ao máximo desta cruel actvidade por razões de ordem ética.

 

É incompreensível que uma Instituição como a Cruz Vermelha se associe a estas práticas de crueldade sobre animais. Com efeito, além do frequente envio de ambulâncias e de meios humanos para eventual socorro de pessoas envolvidas nos espectáculos tauromáquicos, há delegações da CVP que publicitam touradas, vendem bilhetes para touradas, e/ou aceitam dinheiro proveniente de touradas – dinheiro manchado de sangue de animais inocentes. 

 

De momento, está a ser anunciada, para 02 de Abril, uma tourada a favor da Delegação da Cruz Vermelha do Redondo (https://tauronews.com/festival-a-2-de-abril-no-coliseu-do-redondo/).

 

A CVP reconhece que há delegações que recebem verbas provenientes de touradas, mas salienta que não é organizadora, e vai assim desvalorizando os protestos que, neste âmbito, lhe vão sendo dirigidos por sócios e simpatizantes.

 

Face ao exposto, apelo a V. Exas. para que a Cruz Vermelha se dissocie o mais possível de espectáculos de maus-tratos aos animais, nomeadamente não permitindo que a respectiva denominação/logótipo conste em cartazes de touradas, não publicitando touradas, nem recebendo dinheiro ou bens provenientes de touradas.

 

Agradecendo antecipadamente a atenção dispensada e ficando na expectativa de uma resposta a esta mensagem que, espero, seja positiva,

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira - Portugal

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:46

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 11 de Março de 2022

O mundo precisa da racionalidade do animal homem, porque da racionalidade dos animais não-humanos temos de sobra. Aprenda-se com eles o que é a racionalidade

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:08

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
18
20
21
23
24
25
27
28
29
30

Posts recentes

Pausa para Férias

PAN quer permitir o acess...

Touradas cómicas (?????) ...

A barbárie tauromáquica n...

«Juiz proíbe touradas na ...

Os políticos portugueses ...

El País elimina a secção ...

Carta Aberta à Ministra A...

«“Bicadas do meu aparo” –...

«Este é um dos primatas m...

Arquivos

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt