Terça-feira, 5 de Novembro de 2019

«O som do silêncio»

 

Porque o ruído é uma das maiores pragas do nosso tempo, e ninguém de direito, faz nada para o desincentivar, muito pelo contrário, aqui vos deixo um excelente trabalho de investigação da autoria de Idalete Giga, professora na Universidade de Évora, poetisa, escritora, dedicada ao Canto Gregoriano.

 

O ruído pode matar. Lentamente. Daí ser obrigatória a leitura deste texto.

 

Tyler.png

 

1.- Silêncio versus ruido

  • O que é o silêncio?
  • Silêncio e mutismo
  • Algumas reflexões sobre o silêncio no mundo contemporâneo

 

  2- Hino ao silêncio

  

1.- Silêncio versus ruido

  

  • O que é o silêncio?

 

Se a palavra que vais dizer não é mais bela que o silêncio, não a digas.

  (Provérbio Sufi)

 

A palavra “silêncio” deriva do verbo latino “sílere” que significa “calar-se”.

 

Segundo Malcolm de Chazal “o silêncio não tem contornos, assim como o espaço não tem limites, porque, tal como o espaço, o silêncio é consubstancial a tudo” (cit. in Smedt, p.19).

 

O silêncio implica sempre o seu contrário - o ruído. Silêncio e ruído estão constantemente presentes no nosso quotidiano. Há uma variedade infinita de silêncios e ruídos tendo cada um o seu significado próprio, uns agradáveis, outros devastadores.

 

Se a Psicolínguística da Linguagem está muito avançada cientificamente, o mesmo não acontece com o Silêncio cujos estudos estão a dar os primeiros passos. Entre os investigadores que tentaram construir uma tipologia do silêncio estão o japonês Ikemi e o americano Bruneau que relacionam o silêncio com os processos cerebrais e Marie Troika, da Universidade de Illinois que esquematizou as diversas dimensões do silêncio em três grandes grupos: 1- os silêncios institucionais; 2- os silêncios dos grupos; 3- os silêncios individuais interactivos e não interactivos.

 

É importante referir, a propósito, os extraordinários avanços dos estudos sobre o cérebro humano. Hoje, sabemos que o hemisfério esquerdo controla a nossa acção em sociedade. É o centro das funções verbais e analíticas. Tem a ver com a palavra. O hemisfério direito controla o nosso património natural. É o centro das reacções do inconsciente e das funções não verbais. Tem a ver com o silêncio. Os estudos do prof. Ikemi e da sua equipa provam que há uma necessidade absoluta do funcionamento harmonioso entre os dois hemisférios e as restantes zonas cerebrais. Segundo o mesmo investigador, o que predomina no homem moderno é o hemisfério esquerdo. As manifestações instintivas, intuitivas e emocionais são afastadas e reprimidas pelos aspectos intelectuais e hiperactivos do nosso eu, resultando daqui um grande desequilíbrio e stress. Ainda segundo Ikemi, o ruído provocado pelo hemisfério esquerdo já não nos deixa ouvir a sabedoria profunda emitida pelo hemisfério direito. O desequilíbrio entre os dois hemisférios causa um conflito entre as mensagens do silêncio natural e as outras impostas, da palavra social. É a origem da doença mental e psicossomática. É um problema de comunicação quer no interior quer no exterior de nós próprios.

 

1.2.- Silêncio e mutismo

 

 Escuta o silêncio dentro de ti.  (Máxima Budista)

 

Silêncio e mutismo, que aparentemente são sinónimos, têm significados muito diferentes. Chevalier e Gheerbrant abordam este aspecto de forma muito lúcida no seu Dictionnaire des Symboles. Faço aqui uma pequena síntese: “Enquanto o silêncio se abre à revelação, o mutismo fecha-se à mesma. O silêncio abre uma passagem, o mutismo impede-a. O silêncio envolve os grandes acontecimentos, o mutismo apaga-os. O silêncio engrandece, enobrece as coisas, o mutismo degrada-as, destrói-as. O silêncio significa evolução, o mutismo significa regressão”. (n. trad.).

 

Podemos concluir desta interessante comparação entre silêncio e mutismo que este não se identifica de forma alguma com o silêncio quer interior quer exterior, mas sim com o ruído mental. O silêncio interior significa paz, equilíbrio reencontrado. Este silêncio permite-nos estabelecer um contacto verdadeiro com os outros e com a energia que faz mover o universo. A tranquilidade silenciosa desenvolvida no nosso mundo interior permite que a nossa consciência se desenvolva, se amplie. O valor da nossa interioridade desenvolvida permite que a sabedoria cresça e que cortemos as amarras da ignorância. O silêncio só fala a quem o quer escutar. Por isso, só conseguimos descer ao mais profundo de nós através dele. Se escutarmos o silêncio dentro de nós ele conduz-nos à descoberta da nossa essência. É no silêncio do nosso pensamento que nasce toda a criatividade. É no silêncio que o espírito se eleva e evolui. É através do nosso silêncio interior que Deus se manifesta.

 

  • Algumas reflexões sobre o silêncio no mundo contemporâneo

 

O homem que faz ruído, só recebe ruído de volta  (Provérbio Tuaregue)

 

O mundo contemporâneo é cada vez mais ruidoso e confuso. O silêncio é constantemente violado pelo ruído. Este transformou-se numa droga industrializada. Pessoas de todas as idades, principalmente adolescentes e jovens, ficam aterrorizados com o silêncio. Não o suportam um só momento. Necessitam constantemente de um ruído, de um fundo musical qualquer, quase sempre intenso, seja através da Rádio, T. V. e outros meios. Os níveis de ruído, sobretudo nas grandes cidades, são devastadores para a saúde física e mental, atingindo o sistema nervoso e o cérebro. Desde há muito que se perderam os hábitos de escuta, a capacidade e disponibilidade para ouvir, para nos ouvirmos uns aos outros. O ouvido foi destronado pela vista e passou para secundaríssimo plano. Hoje, dá-se cada vez maior importância à visão. “A imagem vale mais que mil palavras” diz o provérbio. Vivemos   num mundo completamente dominado pela imagem, pelas aparências, pelo virtual, pelo ilusório. Um dos sinais dos nossos tempos é a surdez, cada vez mais precoce, nos jovens. Estamos rodeados por um universo de poluição sonora verdadeiramente ameaçadora que nos pode tornar esquizofrénicos, paranóicos e assassinos.

 

No ocidente acredita-se que para comunicar é preciso falar. Ora não há nada mais falso. O medo do silêncio é uma doença do espírito. O medo de viver o silêncio criou uma cultura medíocre, uma civilização superficial. Pelo contrário, como afirma Durkheim, o oriente ainda entende o silêncio como uma força poderosa, agitadora das profundezas, que sabe distinguir, desenvolver e proteger. É por isto que existe no oriente uma cultura do silêncio. Ela é, a maior parte das vezes, o centro de toda a estrutura da vida e do mundo” (cit. in Smedt, p. 49).

 

Os problemas psíquicos e a loucura que atormentam uma grande parte da humanidade são ruídos interiores, ao contrário do equilíbrio, serenidade, paz que são silêncios interiores.

 

Se vivemos numa civilização barulhenta, onde o ruído é valorizado, como podem as gerações mais jovens conhecer o valor do silêncio? A descoberta do valor do silêncio deve começar desde a mais tenra infância com jogos adequados. O silêncio exterior é um prelúdio, uma excelente preparação para o silêncio interior. Hoje, lamentavelmente, as crianças já não sabem escutar. Mas tudo tem solução. Os défices de atenção, de reflexão e de desenvolvimento global e harmonioso da personalidade podem ser resolvidos através da Arte, entendida aqui como busca e expressão da Beleza que por sua vez é a exteriorização de equilíbrios, de pontos de harmonia. Nenhuma arte despreza o silêncio. Todo o criador sabe que antes de começar uma obra, a concentração, a abertura total ao silêncio são indispensáveis. A arte que melhor leva à descoberta do silêncio é a Música. O silêncio é o seu segredo pois é nele que ela se manifesta, se desenvolve e respira. Todo o som sai do silêncio e a ele regressa. O som melodioso através do silêncio interior que provoca, pode ser um meio de conhecimento e um acesso a estados superiores da consciência. A Música inicia-nos na espiritualidade.

 

A aprendizagem da Música desenvolve, desde muito cedo, o ouvido interior e os hábitos de escuta que são fundamentais para a relação afectiva e sincera com os outros. Segundo Tomatis, se o ouvido deixar de funcionar bem, provoca directamente a modificação do comportamento. Ouvido, voz e consciência são indissociáveis. O silêncio é necessário à expansão da consciência, pois permite que nos aproximemos do mistério que existe em nós.

 

Num mundo cada vez mais ruidoso, o valor do silêncio tem de ser redescoberto. Temos de aprender a utilizar a riqueza dos nossos espaços de silêncio, no seio da própria linguagem e da vida quotidiana, evitando assim muitas doenças físicas e mentais. É, pois, urgente uma mudança de rumo radical que transforme a nossa civilização, que privilegie a saúde, que ilumine o nosso espírito, um mundo onde predomine o respeito espontâneo pelo outro.

 

2- Hino ao silêncio

                                                                                      

És a Luz transparente

onde me encontro

a asa protectora

que me envolve

No teu etéreo ventre

a Música nasce

e renasce a cada instante

como Fénix transformada

em pura energia vibratória

 

Deus habita em ti

no Universo Infinito

intergaláctico

 

Por isso te amo

e te venero

ajoelhada no Templo

desta poeira cósmica

onde tudo evolui e se transforma

num Eterno continuum»

 

Referências bibliográficas

 

Chevalier, J. E Gheerbrant.- Dictionnaire Des Symboles, Éditions Robert Laffont/   Jupiter, Paris, 1982

Giga, I.- Efeitos da Pedagogia Musical Ward no desenvolvimento musical e desempenho Vocal de crianças do 1º ciclo do E. B., Revista de Educação Musical nº 130, Jan/Junho/ 2008, 29-39, - Associação Portuguesa de Educação Musical- APEM

Labouré,D.- Alquimia Cristã, Hugin Editores, Lisboa, 2005

Mainguy, I.- La Symbolique maçonnique du troisième millénaire, Éditions Dervy, Paris,  2006       

Smedt, M. - Elogio do Silêncio, Sinais de Fogo Publicações, Cascais, 2001

Tomatis,A. - O ouvido e a Linguagem, Livraria Civilização, Porto, 1977

 

Idalete Giga

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:18

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«Jornal Espanhol: Rede de...

Que vergonha, senhor pres...

«2020: o ano da destruiçã...

Intervenção de André Ven...

«Compreende-se a vergonha...

«O toureiro derrotado!» -...

«O mega-negócio por detrá...

Marcelo recusa ir cumprim...

PAN: «É fundamental lutar...

«Proíbam o clorpirifós! U...

Arquivos

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt