Segunda-feira, 27 de Agosto de 2018

«A FESTA DE BARRANCOS EM "HONRA DE Nª SR.ª DA CONCEIÇÃO"...»

 

Um texto de Rui M. Palmela, que nos dá um panorama trágico da "festa" diabólica, em Barrancos, em honra de Nossa Senhora da Conceição.

 

Chamo a atenção para os depoimentos absolutamente aberrantes de personalidades que, apesar de todos os estudos, não evoluíram minimamente, e mantêm-se com os pés e mentes bem fincados num tempo das maiores ignorâncias e obscurantismos.

 

 

BARRANCOS.jpg

 O que se passa em Barrancos, graças a Jorge Sampaio, ex-presidente da República Portuguesa,  é do mais desqualificado, do mais grosseiro, do mais bárbaro que possamos imaginar: crueldade, violência, bebedeiras, boçalidade, tudo elevado ao máximo… em nome da Santa… E é esta vergonhosa ignomínia que a igreja católica sustenta.

 

Texto de

Rui M. Palmela

 

«Barrancos é uma vila alentejana onde existe uma tradição centenária sanguinária de matar toiros numa festa religiosa que se realiza ali todos os anos no fim de Agosto "em honra de Nª Srª da Conceição", numa arena improvisada frente à Capela onde se reza e donde sai a procissão, tudo terminando numa diabólica diversão. E a Igreja Católica não se pronuncia cometendo também seu “pecado de omissão” ...

 

No entanto existe uma bula papal que condena estes espectáculos sangrentos onde se lê o seguinte:

 

(...) "Considerando que estes espectáculos que incluem touros e feras no circo ou na praça pública não têm nada a ver com a piedade e a caridade cristã, e querendo abolir estes vergonhosos e sangrentos espectáculos, não de homens, mas do demónio, e tendo em conta a salvação das almas na medida das nossas possibilidades com a ajuda de Deus, proibimos terminantemente por esta nossa constituição a celebração destes espectáculos"... (in "Bullarum Diplomatum et Privilegiorum Sanctorum Romanorum Pontificum Taurinensis editio", tomo VII, Augustae Taurinorum, 1862, pág. 630-631.)

 

Portugal já foi um país sem touradas no Reinado de D. Maria II, quando pelo um Decreto nº 229 de 1836 se lia o seguinte:

 

“Considerando que as corridas de touros são um divertimento bárbaro e impróprio de Nações civilizadas, bem assim que semelhantes espectáculos servem unicamente para habituar os homens ao crime e à ferocidade, e desejando eu remover todas as causas que possam impedir ou retardar o aperfeiçoamento moral da Nação Portuguesa, hei por bem decretar que de hora em diante fiquem proibidas em todo o Reino as corridas de touros"...

 

Porém, as touradas voltaram com a República e se mantêm até hoje com a "Democracia" com partidos de direita à esquerda a apoiarem a sua realização e a chumbarem propostas de sua abolição. Há mesmo figuras públicas bem conhecidas que defendem a tradição barranquenha dos toiros de morte e passo a citar algumas de suas frases que merecem repulsa ou reprovação. Aqui ficam:

 

Nuno da Câmara Pereira (fadista): "eu estou aqui em Barrancos com os cornos para o ar a apoiar a causa barranquenha, dos touros de morte, tradição que dura há séculos".

 

Moita Flores (investigador, criminologista), dizia sobre uma certa providência cautelar da Associação ANIMAL que visava travar o espectáculo dos toiros de morte, e se pronunciou assim: "O juiz que decretou a providência não sabe o que escreve, não sabe o que diz, pela simples razão que não conhece o que se passa em Barrancos, possivelmente nem sabe onde fica". Diário de Notícias 23/8/99.

 

Mafalda Ganhão (jornalista): "Na corrida de morte por exemplo, o touro não é picado para ser destroçado ou humilhado. É sangrado para que descongestione e possa vir ao de cima a sua bravura, corrigindo-lhe alguns defeitos, como a sua forma de investida". Expresso 28/8/99

 

Miguel Sousa Tavares (jornalista e comentador tv): "O que eu defendo em Barrancos é a sobrevivência de uma cultura própria e enraizada localmente e que tenta resistir em face de investidas do pensamento "moderno", "jovem" e "civilizado", de uma elite urbana e arrogantemente convencida da sua suposta superioridade civilizacional". Público 3/9/99.

 

Por fim, o padre Vítor Melícias, é um pseudo 'franciscano' que devia envergonhar-se pela sua obsessão por touradas que nada têm a ver com a doutrina de Francisco de Assis que tratava todos os animais como irmãos e condenava qualquer acto de violência e maus tratos aos seres da Criação.

 

Enfim, a minha opinião de cidadão é de que as touradas em Barrancos deviam ser proibidas com os toiros de morte e se penalizasse criminalmente todos os responsáveis por aquela famigerada 'tradição' que persiste a coberto de uma famigerada "lei de excepção" aprovada em 2002 pelos mesmos partidos políticos que chumbaram recentemente uma proposta do PAN pela sua completa ABOLIÇÃO

 

Rui M. Palmela

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10214938431085761&set=a.1309687193754&type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

«AS BANDARILHAS DA VERGONHA I 2018»

 

Um excelente texto de André Filipe Marques, Membro de Açores Global e Respeito pelos Animais, para se reflectir sobre a iniquidade das touradas.

 

(Os excertos a negrito são da minha responsabilidade (IAF)

 

TOURADA.jpg

 Origem da imagem: Internet

Texto de

André Filipe Marques

 

«A tourada que decorre numa espécie de santuário público, no qual toureiros e cavaleiros estimulam um touro bravo a lutar até à morte, forma parte de um espectáculo bárbaro, próprio de quem não é polido, cortês, por todo o mundo, em todo o mundo.

 

Numa época em que habitamos um país que apela à civilização, ao respeito recíproco, à merda de um simples cumprimentar, a tudo o que é relativo a mutualismos, o planeta continua a acreditar - inocente ou não - que a tourada é um meio exequível, que pode ser um espectáculo feito de forma transparente, um meio de transporte de segurança para a cultura de um povo, ou de novas gerações.

 

Agasta-me a farsa abundante e patenteada no rosto dos que produzem movimentos de desconsideração perante um animal que está irremediável perdido, os cornos presos por um fio, a falta de escrúpulos ligada a uma violência desmedida que mais não é um acto presunçoso de enaltecimento, elevado às nuvens.

 

Assusta-me verdadeiramente o capítulo principal da tourada. Custa-me, de morte, assistir à preparação de um final inglório; de um animal privado de comida, de água, de vida. Da simples vida, o tal direito pertencente. O suportar de uma cessação produzida, devidamente caracterizada, com roupas finas e sapatos caros. Efectivamente, um ser humano que está preparado para matar, e vê no acto a fórmula sem erros de viver, é capaz de cometer outras mais atrocidades contra a vida existente, com olhos vermelhos de raiva e boca a salivar, desejosa.

 

Infelizmente somos um povo de estrangeirismos, um povo de injecções, um povo de pouca ou nenhuma originalidade, competência. A Espanha o que é devido, por favor. A Portugal o que é de Portugal, por favor.

 

O deputado André Silva afirma à Agência Lusa que "O nível de rejeição é enorme por este espectáculo que vive da tortura. Estamos prontos, enquanto sociedade e país evoluído e progressista, para rejeitar que mutilar e rasgar a carne de um animal, fazê-lo cuspir sangue, seja uma tradição cultural."

 

Reforço, uma e outra vez, que um ser humano que está preparado para matar, e vê no acto a fórmula sem erros de viver, é capaz de cometer outras mais atrocidades contra a vida existente, com olhos vermelhos de raiva e boca a salivar, desejosa.»

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:32

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 24 de Agosto de 2018

REVOGAR O ACORDO ORTOGRÁFICO DE 1990 É UM ACTO DE INTELIGÊNCIA

 

Não, helicópetro, tal qual se lê na imagem, nada tem a ver com a grafia brasileira que nos querem impor (AO90). Mas é assim que falam, portanto é assim que devem escrever. Não é essa a teoria acordista?

Isto tem a ver também com uma incomum ignorância por parte dos legendadores, que nem à brasileira, nem à portuguesa, simplesmente não sabem escrever, porque erros destes são numerosíssimos. Já ultrapassaram todos os limites.

Isto nunca aconteceu em Portugal. Uma gralha ou outra sempre existiu e sempre foi desculpável, em todos os tempos, mas, hoje em dia, fazem das gralhas e dos erros ortográficos uma linguagem, e isto é uma coisa muito estranha… E as televisões, sendo o veículo perfeito, através do qual se estupidifica o povo, até nesta questão da linguagem, induzem o povo também a escrever incorreCtamente.

Que mau exemplo! Que falta de brio profissional! Que desleixo!

 

HELICÓPETRO.png

 

Como todos já sabemos, a designação AO90 é um disfarce, para impor a Portugal a grafia brasileira, já usada pelos clássicos brasileiros, como Jorge Amado, Machado de Assis, José Mauro de Vasconcelos, entre outros autores, que adoro e li na grafia acordista.

 

Leiam estes autores, que nunca foram "traduzidos" em Portugal para a grafia portuguesa, como os autores portugueses são traduzidos no Brasil, para a grafia brasileira, e confiram a ortografia que nos querem impingir. Nos originais desses autores, lá encontrarão a supressão das consoantes mudas, que, os que se vergaram a esta fraude acordista, usam e, sobretudo, abusam, porque não sabem destrinçar as que se lêem, das que não se lêem, e cortam tudo à ceguinha... demonstrando mais ignorância do que era esperado, e com isso fabricam abortos ortográficos como "interrução", "invita", "receção", “expetativa”, "espetador" (por espeCtador) enfim, aberrações ortográficas à portuguesinho, que nem os Brasileiros empregam.

 

Mas no Brasil, que usem a grafia brasileira, não tenho nada contra, e o que penso sobre isso, não interessa. Eles são um país livre, e fazem o que bem quiserem do modo como querem expressar-se. Mas não chamem ao que escrevem e falam no Brasil, de Português do Brasil, porque está errado. O que se escreve e fala no Brasil (pela enésima vez) é o Dialecto Brasileiro, oriundo da Língua Portuguesa, tal como o Crioulo Cabo-Verdiano, agora língua oficial de Cabo Verde, procede da Língua Portuguesa.

 

Em Portugal devemos manter a ortografia portuguesa, porque não estamos interessados em sul-americanizar os nossos vocábulos, até porque Portugal não é uma colónia do Brasil, se bem que vontade não falte.

 

Isto é altamente lesivo da identidade portuguesa. Todos os Países que são PAÍSES a sério, identificam-se pela Bandeira Nacional, pelo Hino Nacional e pela sua Língua Oficial, excePto um país chamado Portugal, que vendeu a Língua a mercenários, e o que restou dela é um MIXORDÊS inqualificável, que já não identifica o País.

 

Se não se tomar medidas urgentes e OBJECTIVAS, não tenho qualquer dúvida de que a Língua Portuguesa desaparecerá do mapa, e não só na sua designação. Mas não será substituída por um qualquer "portunhol", mas sim por algo terminado em leiro que vamos a ver o que será.

 

Revogar o AO90, não só é um acto de inteligência, como (e segundo Fernando Alberto II) «um  acto de conhecimento, de sabedoria, de cultura e de sapiência».

 

Eis uma consideração que apanhei já não sei aonde, e que é muito significativa da estranheza que o AO90 causa às mentes esclarecidas:

 

«Com toda a certeza, os neoliberais da treta, que tomaram de assalto este País, respondem unicamente a grupos de interesses, e quem mais teria interesse em promover o Aborto Ortográfico? Claro que sim, em primeira instância, os editores que viram assim um maná das reedições, assassinando por completo a língua, gerando o caos ortográfico, em que ninguém se entende, escrevendo num mesmo texto com a ortografia antiga e com a nova ficando uma salganhada abaixo do execrável. Eu digo não obrigado, não utilizo, nem nunca utilizarei, esta coisa imposta, sem o mínimo de debate, decidido unilateralmente e apenas e só, para dar provimento a interesses e nada mais.»

 

O que as ex-colónias fizeram ou fazem à língua que decidiram adoptar, depois da independência delas, é problema delas. A Língua Portuguesa é uma língua indo-europeia, e a versão ortográfica de 1945 é a que está efeCtivamente em vigor em Portugal. Portanto, Portugal não tem de italianizar, ou abrasileirar, ou espanholar a sua ortografia, porque a Língua Portuguesa identifica Portugal, assim como as Línguas oficiais Inglesa identifica a Inglaterra, a Castelhana identifica Espanha, a Italiana identifica Itália, etc..

 

Portugal não tem de se vergar a nenhum país, em matéria nenhuma, muito menos no que concerne à sua Língua Oficial. Portugal é um país livre. Esta dependência do Brasil só significa que temos em Portugal governantes servos da gleba e traidores da pátria.

 

Ando sempre a bater na mesma tecla. Já é cansativo. Mas como os meus interlocutores parecem ter cérebros cristalizados é preciso martelar, martelar, até que alguma coisa se quebre e possa deixar entrar a lucidez, que tanta falta faz na governação de um País.

 

Entretanto, torno a declarar (pela enésima vez) que nada tenho contra o Brasil, minha segunda Pátria, onde contribuí para a sua economia e aprendi a ler e a escrever, usando a mesma ortografia que, sob o disfarce do AO90, estão agora a impor aos meus netos, induzindo-os em erro; e (pela enésima vez) também nada tenho contra os Brasileiros, até porque a esmagadora maioria da minha família é brasileira e já vai na terceira geração, e conto com muitos e bons amigos no Brasil.

 

Mas uma coisa, é uma coisa, outra coisa, é outra coisa…

Brasil é Brasil, um país livre da América do Sul.

Portugal é Portugal, um país livre da Europa Ocidental.

Não vamos abdicar desta realidade.

Continuarei a pugnar pela defesa da Língua Portuguesa, indo-europeia, de raiz greco-latina.

 

Porque a «Língua é um dos elementos da nacionalidade; pugnar pela vernaculidade daquela é pugnar pela autonomia desta» (Leite de Vasconcelos, um dos maiores linguistas e filólogos portugueses).

 

E este é também o meu pensar e o meu sentir, e jamais abdicarei deste meu direito cívico.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

A DECADÊNCIA DA TVI

 

Nada mais decadente do que comemorar um quarto de século de existência, com uma prática bárbara, já em franco declínio, grosseira, cruel, violenta, reminiscente da Idade das Trevas, onde imperava a mais profunda ignorância.

 

A mesma ignorância entranhada na pele, como uma lepra, dos que administram a TVI – o veículo mais que perfeito através do qual estupidificam o povo.

 

Não merecem parabéns, mas tão-só os nossos pêsames, por continuarem uns pobres de espírito ao serviço da barbárie, de costas voltadas à evolução, e a optar pela mesma ignorância que caracterizou os tempos medievalescos, em que estas práticas tauromáquicas se inserem.

 

E o pior, além da cruel tortura de indefesos Touros e Cavalos, para entreter os sádicos, é não terem a mínima noção do atraso civilizacional que a TVI representa, ao transmitir algo de tão baixo nível, ao nível de um qualquer quinto-mundo.

 

TVI.png

 

 BOICOTE-SE A TVI

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:10

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 23 de Agosto de 2018

FEITIÇO VIROU-SE CONTRA O FEITICEIRO E FORCADO FOI ATINGIDO POR UMA BANDARILHA

 

De acordo com a notícia, um forcado amador da tertúlia tauromáquica do Montijo foi ferido com uma bandarilha na tourada que teve lugar no passado dia 16 em Arruda dos Vinhos, onde a civilização ficou a milhas...

Pois o que há a dizer sobre isto? É que apesar da cara lastimosa do forcado e do sumo de tomate que lhe escorre pelas mãos, isto não doeu nada (não é sumo de tomate que os aficionados acham que sai do corpo dilacerado do Touro, ao não reconhecerem que ele sofre tanto como nós, e que o que lhe corre nas veias é um sangue, com um ADN semelhante ao humano?) 

Se não dói aos Touros, que é um animal mamífero, tal como nós, também não há-de doer a um forcado que também é um animal mamífero.

 

forcado-bandarilhado.jpg

 O que se vê na imagem faz parte da arte e da cultura tauromáquicas, apoiadas pelo governo português e pela igreja católica. O forcado está abençoado. Podia ter morrido, mas não morreu. Mas se morresse, a turba iria delirar, do mesmo modo que delira com a morte dos Touros. Faz parte dessa arte e dessa cultura.

 

Lamento pelo Touro, que estava moribundo, e lamento que o meu dinheiro sirva para pagar a despesa hospitalar de quem foi para a arena, por livre vontade; e se foi espetado por uma bandarilha, pode ser que lhe sirva de lição, porque as bandarilhas rasgam as carnes e as carnes sangram, de facto, sejam carnes de Touros, sejam carnes de forcados.

 

E quem não consegue entender isto, anda no mundo só por ver andar os outros. São uns pobres coitados, condenados à escuridão.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte da imagem e da notícia:

https://protouro.wordpress.com/2018/08/20/touro-moribundo-bandarilha-forcado/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:53

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 19 de Agosto de 2018

ASSIM SE DIVERTEM AS BESTAS HUMANAS EM FRANÇA…

 

…com uma desventurada bezerra incapaz de se levantar e que arrastam sem escrúpulos. Cruelmente.

Só grandes monstros são capazes de praticar tamanha crueldade.

E ainda pretendem ser “gente”?

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:39

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA ATÉ FICOU GAGO!

 

Este homem teve coragem para dizer bem na cara do Presidente da República todas as verdades! Sem papas na língua.

Um bem-haja!

E o que o PR disse e nada foi o mesmo. Não convenceu.

Quanta demagogia! Quanta falta de sensibilidade! O PR disse que jurou cumprir a Constituição mas NÃO CUMPRE.

Que falta de honestidade política!

Este senhor falou por mim, também.

Grande cidadão.

E aquela da DESPROTECÇÃO CIVIL foi brilhante!

 

 

Senhor presidente, falar dos mortos dos outros, e não falar dos mortos de Pedrógão… deixe estar que é de quem não sabe do que está a falar.

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:11

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

TOURADAS: QUANDO OS PINCÉIS SÃO LÂMINAS

 

BULLFIGHT.jpg

 

This is part of the "art" of a bullfight. Where the brushes are blades, the canvas is live flesh, organs, muscles and nerves and the ink is shed blood. The masterpiece is the shredding of a being until it turns him into a dying mass.

Until when?

 

Isto faz parte da "arte" de uma tourada. Onde os pincéis são lâminas, a tela é carne viva, os órgãos, músculos e nervos e a tinta é sangue derramado. A obra-prima é a destruição de um ser até ser transformado numa massa moribunda.

Até quando?

 

Até quando? Até que o povo decida não votar em trogloditas.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:21

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 18 de Agosto de 2018

JOÃO SOARES E ELÍSIO SUMMAVIELLE DOIS MARIALVAS COM OS PÉS FINCADOS NO PASSADO

 

Dois espíritos fechados à evolução.

 

Os dois foram ao campo pequeno ver uma tourada. E deram uma entrevista à Revista Sábado, e falaram sobre a paixão (que só pode ser mórbida) pelos Touros, e disto saiu esta frase curiosa: «Os adversários da tourada são ignorantes atrevidos», desconhecendo que esta declaração demonstra bem de que lado está a ignorância, porque o mundo civilizado sabe que a tourada é uma actividade medievalesca que assenta na mais profunda estupidez, que por sua vez provém da mais monumental ignorância, o que nos leva a questionar se os senhores doutores disseram o que disseram, quando estavam a ver-se ao espelho.

 

JOÃO E ELÍSIO.jpg

 Os senhores doutores João Soares, ex-ministro da “cultura” e Elísio Summavielle, presidente do Centro Cultural de Belém, foram à tourada…

 

E a revista Sábado estava lá, e entrevistou-os.

 

João Soares costuma dizer que não é aficionado, então o que será?

 

Diz ele: «Não, nem de longe, sou um tipo que gosta de vir, há já muitos anos que venho. Até gosto muito do termo aficionado, acho é que seria pretensioso da minha parte dizer que sou. Porque eu não distingo uma verónica de uma chicuelina! Sei que há verónicas, que há chicuelinas, que há capotazos [passes de toureio]... vou aprendendo com o Elísio, com o Vera Jardim e com outros amigos

E Elísio Summavielle acrescentou logo: «Hoje aprendeu o que é uma revolera.

 

Mas que bem! Isto é que é “cultura”! E dizem isto com o orgulho dos pobres de espírito (não confundir com pobres em espírito, que é outra coisa).

 

Por aqui já temos uma amostra desta que eles dizem ser uma “tradiçãoportuguesa, com estes termos muito portugueses, e estas chicuelinas, e capotazos e revoleras fazem parte naturalmente daquela “coltura” enraizada em Portugal, desde o tempo dos beleguins medievais, e não há meio de isto evoluir.

 

Se lhes perguntarmos o que é uma cabaletta, um gruppetto, uma cavatina, um chariot, saberiam eles responder? Aqui sim, mostrariam conhecimentos e Cultura Culta. Mas ponho as minhas mãos no fogo, como não sabem.

 

João Soares diz que vai às touradas desde miúdo, porque tinha um tio, por afinidade, que foi governador civil, José Manuel Duarte, e lembra-se de no Verão ia às corridas de touros às Caldas da Rainha, a 15 de Agosto, e continuou a ir ao campo pequeno, quando frequentava o liceu.

 

E Elísio Summavielle disse que frequenta (estes antros) desde   que se conhece, pois, o avô materno era natural da Moita... E fala-se na Moita, fica tudo dito.  

 

Quem vai às touradas desde miúdo, nunca mais consegue livrar-se desse mundo que lhe moldou o carácter. E fica-se desencaminhado para o resto da vida. Transformam-se em espíritos fechados à evolução.

 

Ficou tudo explicado, com esta explicação dos senhores doutores, porque o carácter de uma pessoa molda-se na infância e na adolescência. E se essa infância e adolescência são marcadas pela selvajaria, pela crueldade, pela violência, esse estigma nunca mais os abandonará, por mais universidades que frequentem. Porque as universidades podem dar conhecimentos, mas não dão bom carácter. E é bom carácter, sensibilidade e empatia que faltam a estes senhores doutores que, por uma disfuncionalidade cognitiva se desviaram das percepções mais básicas, e não conseguem ver num Touro um animal como eles, mas tão-só uma “coisa” que serve para ser espetada e sangrar e sofrer, para que eles se divirtam. E por mais informações que lhes facultemos, eles não conseguem apreendê-las.

São raros aqueles que conseguem curar o sadismo, que se desenvolveu neles desde a infância. Mas existem excepções. Para isso têm de ter um espírito aberto.Que não é o caso deste dois senhores doutores.

 

Summavielle disse que tinha uma quinta em Sarilhos Pequenos, e desde que se conhece habituou-se a ir para lá passar fins-de-semana e a ir à festa, e chamar à tortura de seres vivos festa implica um descomunal sadismo. E Summavielle acha esse ambiente selvático fantástico. Diz que andou um bocadinho fora dessas lides quando era estudante, antes de o 25 de Abril, em que estava metido em algumas conspirações, e ia pouco, e depois reconciliou-se e tornou a ir. Trocou o futebol pela selvajaria tauromáquica, e para ele futebol passou a ser isto. E este isto é a tortura de bovinos. Diz que é benfiquista, mas ali, na arena, não há hooligans. Pois não há. Há sádicos e psicopatas. Que com certeza irá dar ao mesmo. Ao contrário de João Soares, Summavielle gosta muito da corrida à espanhola, ou seja, gosta de ver matar um touro já moribundo, obviamente com todos os requintes de malvadez. E isto diz muito do seu carácter. Porque qualquer indivíduo que se regozije diante do sofrimento e da morte é sádico.

 

João Soares diz que foi muitas vezes ao campo pequeno também em funções oficiais quando estava na Câmara Municipal de Lisboa. Tal como Jorge Sampaio, o denominado barranquenho, que um dia há-de ter, em Barrancos, uma estátua ao lado de um touro torturado. Mas uma vez houve que Jorge Sampaio levou uma vaia da praça e ficou um bocadinho... Diz João Soares. E acrescenta: «É normal, o público dos touros é um público tradicionalmente à direita(por isso estranhamos a posição do PS e do PCP, que se dizem de esquerda, e pactuam com políticas e actos da direita e monarquistas, contudo, isto não tem nada a ver com política, mas tão-só com berço) ... E João Soares acrescenta: «Mas eu vim muito, quer como vereador quer como presidente da Câmara. O campo pequeno, além de tudo o mais, é um símbolo importante da cidade e ligado à vida política (é um símbolo da cultura inculta e das práticas sádicas, quis ele dizer). Por alguma razão o Otelo dizia "levá-los para o campo pequeno" (pois, para serem torturados, como fazem aos Touros). O 28 de Setembro começa também à volta de uma tourada em que houve uma vaia ao Vasco Gonçalves e o general Spínola foi aplaudido. Não há partido nenhum que não tenha feito aqui comícios, até partidos hoje completamente minúsculos (e tal coisa só desprestigia quem pisa um lugar tão manchado de sangue de inocentes e indefesos seres vivos, que são torturados para divertimento dos sádicos. Um lugar a cheirar a bosta, a urina, a sangue, a álcool, a suor e a sofrimento.

 

O resto da entrevista será mais do mesmo. Uma enxurrada de lugares comuns, com a desculpa da literatura de um tempo em que ainda havia uma enorme ignorância ao redor do sofrimento animal, e que é sempre para aqui chamada, como se os escritores e artistas aficionados de touradas, citados pelos aficionados, fossem deuses, e não se livrassem da praga do sadismo, ou de terem comportamentos patológicos. Basta consultar a biografia desses famosos.

 

Hoje, com toda a informação existente, é de uma pobreza de espírito extrema ver dois senhores doutores ainda tão agarrados a uma prática medievalesca, bruta, cruel, violenta, desadequada aos tempos modernos.

 

Mas é a tal coisa: de pequenino é que se torce o pepino, e estes senhores doutores cresceram neste ambiente perverso, mórbido, disfuncional, e perderam definitivamente o comboio que os levaria à Evolução. De modo que a tauromaquia acabará (já está acabar) com esta geração de marialvas. As novas gerações estão-se nas tintas para as touradas, que são o corolário  dos desvios comportamentais de todos os intervenientes.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

Fonte do texto e da imagem:

http://www.sabado.pt/portugal/detalhe/os-adversarios-da-tourada-sao-ignorantes-atrevidos?utm_campaign=Newsletter&utm_content=22057732560&utm_medium=email&utm_source=diaria_ON

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:56

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 17 de Agosto de 2018

QUANDO OS TROGLODITAS ATACAM OS DEFENSORES DE TOUROS TAL COMO ATACAM OS TOUROS NÃO FICARÁ TUDO DITO?

 

São brutos, são violentos, são psicopatas, são sádicos, são ignorantes, sofrem de uma acentuada disfuncionalidade cognitiva e de uma estupidez voluntária, têm comportamentos patológicos, e estas são as características definidoras do carácter dos trogloditas que atacaram os defensores de Touros, os HERÓIS de Albufeira, como se fossem eles os maus da fita…

 

Contudo, aos olhos do mundo civilizado, os atacantes de touros e de humanos não passam de pobres diabos que optaram pela mais profunda ignorância.

 

HELDER SILVA.jpg

 O gorducho da esquerda andou "gloriosamente" a distribuir murros contra os heróis indefesos Helder Silva (na imagem) e Peter Janssen, como se pode ver nos vídeos que mostram cenas na arena de Albufeira!

 

 

Estas imagens estão a correr mundo e a arrastar o nome de Albufeira na lama.

 

Viram o bandarilheiro, a bandarilhar um dos defensores de Touros? E o que fez a autoridade presente na arena? Identificou o agressor ou fez de conta que nada viu, como é da “tradição” também?

 

Ouviram a linguagem erudita dos trogloditas? É só isto que sabem: expressarem-se grosseiramente por palavras e atitudes.

 

E pensar que é este tipo de “cultura” violenta e rasteira que a maioria dos deputados da Nação apoia, e a igreja acolita acompanha, rezando missa ao diabo.

 

Quando um país está entregue a trogloditas, não ficará tudo dito?

Portugal merecia melhor sorte.

 

Mas o povo inculto, encruado, acrítico, aquele que vai votar, é responsável pela mediocridade da governação que temos.

 

É preciso mudar o rumo de Portugal, que está a viver tempos de um descomunal retrocesso. Porque Portugal não é só turismo, nem praias, nem vinhos, nem gastronomia, ou Madonna, que vive em Lisboa, mas vai gastar os milhões a Marrocos.

 

Portugal é muito mais. Portugal não é o quintal de uma classe política medíocre.

Portugal é um PAÍS!

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:30

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
14
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

PORTUGAL DO SÉCULO XXI D...

AUTORIDADES DO PERÚ: PROÍ...

POR QUE É QUE PORTUGAL É ...

O MUNDO DOS HOMENS

«PORTUGAL SEM TOURADAS VE...

BESTIALIDADE, RAIVA, IRRA...

PARABÉNS ANGOLA! ACADEMIA...

DENÚNCIA: MAIS UMA VERGON...

TOURADA = TORTURA VERGONH...

«SALVEM AS RAPOSAS»

Arquivos

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

DIREITOS

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

COMENTÁRIOS

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt