Quarta-feira, 11 de Setembro de 2013

NO, AL TORO DE LA VEGA (TORDESILLAS)

 

Este torneo es cruel, primitivo y ejecutado por ogros qué no han salido de la Edad Media.

 
 
 

 

 

  

El Torneo del Toro de la Vega se celebra todos los años en la localidad de Tordesillas (Valladolid), una tierra de ogros.

 

Este torneo declarado de Interés Turístico Regional (una aberración gubernamental), viene celebrándose desde hace siglos y es considerado como uno de los rituales taurinos más antiguos y únicos de España, un ritual de gentío primitivo que non han salido de las covachas.

 

La primera referencia escrita a los festejos taurinos en la Vega aparece hacia el año 1534 en el libro de la Cofradía del Santísimo Sacramento de Santiago Apóstol de Tordesillas, una prueba de que la iglesia española también es primitiva y cruel, como siempre fue.

 

Este torneo es el horror de España y debe ser extinguido pronto.

 

Muera Tordesillas y su torneo de La Vega

 

Este es el grito de todo el mundo civilizado.

 

***

 

 CUATRO OGROS QUE NO SABEN LO QUE DICEN

 

NECESITAN DE INTERNAMIENTO PSIQUIÁTRICO

 

Ver aquí:

 

http://bousalcarrer.com/?p=3338

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:28

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

Que maravilha! Uma arena quase vazia de gente… Os aficionados, neste derradeiro tempo da tauromaquia, são as cadeiras…

 

As moscas nem lá põem os pés. E quem lá vemos sentados são os que, se não forem, APANHAM UMA SOVA.

 

 

«Acabou agora no coração da afición MOITA, na praça Daniel Nascimento, e a moldura humana foi a que se pode ver...

 

Conclusões? Cada um tira as suas...»

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=632932286738078&set=o.228974020492136&type=1&theater
 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:57

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 10 de Setembro de 2013

Então, aficionados terceirenses, nas touradas à corda os Touros não são torturados?

 

Pobres Touros que caem nas mãos de criaturas sem um pingo de humanidade!

 

Palavras para quê, se esta imagem fala mais do que mil palavras?

 

 

«Apesar da tentativa de proibição por parte de alguns cabecilhas da tortura de bovinos com cordas, os aficionados continuam a publicar imagens decadentes das touradas à corda.

 

Não podia deixar de ser de outra maneira porque as touradas à corda são pura violência gratuita e isso transparece necessariamente nas imagens captadas nas touradas à corda.

 

Imagem de um touro a deitar sangue do nariz e da boca durante uma tourada à corda, publicada numa página de aficionados

Jay Nandi

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=523479717734761&set=o.228974020492136&type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:01

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 9 de Setembro de 2013

Os Duques de Bragança envergonham Portugal e a Realeza Europeia ao estarem presentes e apoiarem a corrida de Touros de homenagem ao real grupo de Moura

 

Que espécie de “realeza” será esta?

Que decepção!

 

 

No próximo dia 13 de Setembro, os Duques de Bragança presidirão à corrida de Touros que se realizará na arena alentejana de Moura, onde será comemorado o aniversário do real grupo de forcados amadores de Moura - o único em Portugal a que Dom Duarte concedeu a designação de Real Grupo de Forcados.

  

http://farpasblogue.blogspot.pt/2013/08/duques-de-braganca-na-corrida-de.html

 

Sinto-me defraudada, por um dia ter acreditado que este casal pudesse trazer algo de novo a um possível regresso da Monarquia a Portugal, uma vez que a República, implantada em 1910, se transformou num embuste.

 

Agora fiquei sem chão.

 

Nem República, nem Monarquia.

 

Vivo num Portugal que terei de reinventar, com governantes imaginários, à medida de uma Cultura e  Civilização superiores…

 

Não é fácil ser agredida constantemente por estes desatinos medievais, em pleno século XXI d. C., realizados por gente que deveria ser um exemplo da mais nobre civilidade e não passa do paradigma da mais plebeia vulgaridade.

Isabel A. Ferreira

 

  

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:29

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos

«APOLOGIA DA IMBECILIDADE»

 

Carta de um activista, defensor dos direitos dos animais, ao jornal “Público”, que se vendeu ao lobby tauromáquico, e com isso perdeu um considerável número de leitores que abominam a COVARDIA DOS FORCADOS, a qual o jornal não abordou.

 
 

A figura grotesca de um suicide squad (imagem do jornal Público)

 

«Exmos Senhores,

 

Foi com profunda tristeza e desilusão que li o artigo de hoje na Revista Pública, intitulado "Ser Forcado é Ser Forcado".

 

Sou desde há longos anos um leitor assíduo do jornal e da revista Público, tanto na edição impressa, que adquiro regularmente, como da edição on-line, que leio diariamente.

 

Confesso que não era o tipo de peça que alguma vez pudesse imaginar que pudesse ser publicada por um jornal como o Público.

 

Creio que erraram, não tanto na escolha da matéria, mas sobretudo no desenvolvimento do conteúdo e no título, que deveria ter sido "Apologia da imbecilidade".

 

Considero que é grave, não só o facto de ser um artigo absolutamente tendencioso e nitidamente "encomendado", como o é o facto de ocultarem verdades fundamentais como por exemplo o facto de os forcados irem para a arena sem qualquer seguro de morte ou invalidez, ou de acidentes pessoais, porque nenhuma companhia de seguros aceita fazer seguros a essas pessoas, ou de terem ocultado o número de mortes e de casos de invalidez permanente que se registam anualmente nesta triste actividade.

 

Aproveito também para comunicar que a partir de hoje podem os senhores registar que perderam definitivamente um assíduo e interessado leitor, tanto da edição impressa como da edição on-line.

 

Se é este o caminho que este antes-prestigiado jornal pretende seguir, então não contem comigo.

 

Atentamente,

 

Rui Silva,

 

Porto»

 

***

Eis o artigo da “Apologia da Imbecilidade”, com que o jornal “Público” ENVERGONHOU o jornalismo informativo e formativo português, até porque um forcado é um covarde.

 

Um jornal para deitar ao lixo

 

http://www.publico.pt/temas/jornal/ser-forcado-e-ser-forcado-27040004

 
 
COMENTÁRIO DO MÉDICO VETERINÁRIO DR. VASCO REIS A ESTE VERGONHOSO ARTIGO
 

Excelências,

 

Acrescento que a intervenção dos forcados deve ser completamente desaprovada por se tratar de maltrato animal/violência exercida sobre bovinos inocentes, os quais como "preparação" para a pega, acabaram de ser ludibriados, esgotados, feridos, sangrados por arpões espetados por cavaleiros tauromáquicos, subjugando e obrigando as suas montadas a transportá-los para os ataques contra o inocente bovino, com a finalidade de o enfraquecer extremamente, facilitando assim a pega.

 

Este touro pegado pelos forcados, tinha sido recentemente arrancado ao campo, violentamente empurrado e impulsionado por aguilhão eléctrico, metido e apertado em espaços exíguos, transportado em pânico, claustrofobia, luta, suportando maus tratos, privações, corte da extremidade dos cornos (de tal maneira stressante e doloroso, que alguns morrem durante essa intervenção), confinado, suportando durante horas altas temperaturas sob o sol do verão, o que o desidrata, aflige e enfraquece.

 

Depois da lide, o touro é imobilizado com cordas à volta dos cornos, para que as as bandarilhas lhe sejam arrancadas violentamente com ajuda de cortes sem qualquer anestesia.

 

A seguir são impelidos com aguilhão eléctrico, ao que reagem com os berros que se escutam ao longo deste cruel espectáculo.

 

Até que o abate violento o liberte do esgotamento, da intoxicação metabólica, da desidratação, do sofrimento físico e anímico, das dores e da febre, ainda terá de suportar durante uns dias alguns maus tratos, transportes , contenção.

 

Por estas e por outras, considero vergonhosa para o "Público" a apresentação da condição de forcado como algo de admirável. O artigo desperta, certamente, comentários falaciosos e disparatados sobre o diminuto ou ausente sofrimento de touros e cavalos, mais ou menos baseados em estudos pseudo científicos, mas que servem para " branquear" a tortura.

 

Das duas, uma: ou se trata de ignorância, ou de mentira consciente.

 

Considero que, através deste artigo, o "Público" prestou um mau serviço à informação e marcou muitos pontos negativos.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Vasco Reis,

 

Aljezur

 
publicado por Isabel A. Ferreira às 11:46

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 8 de Setembro de 2013

«Langosto será morto com lanças no dia 17 de Setembro, em Tordesilhas»

 

O Toro de la Vega é a prova maior da INSANIDADE MENTAL daquela gente de Tordesilhas, terrinha que devia sair do mapa, por não pertencer à HUMANIDADE. Os vermes são mais dignos do que os monstros que torturam, deste modo cruel, um ser vivo, para se divertirem. (Isabel A. Ferreira)

 

 

 

Por Prótouro

 

«Mais um ano e a barbaridade do touro de la Vega repete-se na vilória abjecta que dá pelo nome de Tordesilhas.

 

Langosto é a vítima de 2013.

 

Tordesilhas que poderia ser conhecida internacionalmente pelo tratado, é conhecida por uma das mais primitivas e bárbaras manifestações que ainda perduram no séc.XXI, acossar e matar um touro com lanças medievais.

 

Na realidade, este povinho não saíu da época das cavernas e tem orgulho nisso. Um candidato a presidente de câmara que fosse contra tal prática, jamais seria eleito nesta vila de trampa. Quanto aos cidadãos de Tordesilhas, que são contra tal prática, esses não falam por medo de represálias e ausentam-se da povoação quando este bárbaro evento tem lugar.

 

As crianças de Tordesilhas, essas também sofrem acosso na escola para serem no futuro acérrimas defensoras da vil “tradição”.

 

O vídeo que se segue, demonstra como os alunos do primeiro ciclo da escola Juana I de Castilla, em colaboração com a câmara municipal de

Tordesilhas, foram alvo de uma lavagem cerebral:

 

 
[O vídeo está indisponível porue a barbaridade é tão evidente, que não convém mostrar. COBARDES!]

 

 Estas crianças serão no futuro os algozes do próximo Langosto.

 

Prótouro

Pelos touros em liberdade»

 

Fonte:

http://protouro.wordpress.com/2013/09/06/langosto-sera-morto-com-lancas-no-dia-17-de-setembro-em-tordesilhas/

 

***

O “Toro de Fuego", outra aberração espanhola, desta vez, vencida pela razão:  foi cancelado graças à pressão e à indignação da população. 

 

 

Vale a pena lutar... Temos de continuar a insistir  

 

FRANÇA: Amélie-les-Bains CANCELA o "toro de fuego", anunciou François Garrigue, presidente do Festival Festibanyes.

 

Pressão e indignação da população!

 

 "5/09, Le maire d'Amélie les Bains, sous la pression des citoyens responsables, a ANNULÉ en fin de matinée le Toro de feu"

 

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=215781461914558&set=a.154159738076731.1073741828.154154991410539&type=1&theater

 

http://www.lenouvelliste.ch/fr/monde/amelie-les-bains-le-toro-de-fuego-annule-sous-la-pression-481-1214835

 

http://www.lindependant.fr/2013/09/05/amelie-les-bains-le-toro-de-fuego-annule,1787285.php

 

Fonte :

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=636597856372663&set=a.495946477104469.119091.459036527462131&type=1&theater

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:08

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos

«CAMPO PEQUENO, ONTEM: IRRA, QUE PIOR ERA IMPOSSÍVEL!» DIZEM OS AFICIONADOS…

 

Maravilha! Tudo corre mal na tauromaquia... 

 

Diz-se aqui que o campo pequeno “encheu”, na tourada da passada 5ª feira…Encheu? À custa de quê? Claro, da LUX, e a maioria dos bilhetes foi oferecida, e com certeza até pagaram às “vedetas”, para estarem presentes (sabemos que elas vivem destes expedientes).   

 

Praça cheia, de borla? E a coisa correu mal? Que MARAVILHA!

 

 

Vejamos o que dizem os aficionados:

 

«Miguel Alvarenga - A praça encheu - cheia, mesmo! -, o ambiente era enorme, mas a tourada de ontem à noite no Campo Pequeno foi uma total e completa decepção. Mais que isso: pode mesmo ter constituído a machadada fatal num espectáculo que já viveu melhores dias e cujo fim, por este andar, está agora mesmo por um fio.

 

Demos ontem de mão beijada aos anti-taurinos a vitória por que eles lutam empenhadamente - e, se calhar, com razão - há muito tempo.

 

Não faz sentido algum que uma praça encha, que o entusiasmo seja tanto como o que ontem se vivia antes da tourada e que, depois, aconteça o que aconteceu.

 

Não faz sentido que a primeira figura mundial do rejoneio venha ao Campo Pequeno, justifique, de facto, a tremenda força de bilheteira que tem, encha a praça e depois... tenha faltado o principal, ou seja, o toiro.

 

Os toiros "nhoc-nhoc" de ontem eram mais "nhoc-nhoc" que os "nhoc-nhoc" e tudo o que é demais, enjoa. Um homem a empurrar uma tourinha tinha surtido um maior efeito que "aquilo". Pelo menos, "investia" pelo caminho certo e os toiros (aquilo eram toiros?...) de ontem... nem isso fizeram.

 

Abstenho-me, pela degradação a que assisti (ao quinto toiro, fui-me embora incomodado com uma coisa tão deprimente), de comentar o que quer que seja. Toureiros e forcados fizeram ontem o ridículo diante de uma vergonhosa "carneirada". Quando se chega onde ontem se chegou, isto é, quando se bate no fundo, o melhor é fechar a luz e ir embora. É o que vou fazer.

 

O melhor da festa foi mesmo a festa do "Farpas", à tarde, no bar "Volapié". Entregámos o troféu a Pablo Hermoso de Mendoza (foto o lado) e reunimos um punhado de grandes e bons aficionados numa sala cheia e num ambiente fora de série - é disso e só disso que vos vamos hoje aqui apresentar reportagens. O resto, a tourada, essa não valeu mesmo a pena. Irra, que pior era impossível!»

 

Fonte:

http://farpasblogue.blogspot.pt/2013/09/campo-pequeno-ontem-irra-que-pior-era.html

 

***

Desta vez foi com muito gosto que citei este Blog.

Façam as malinhas e emigrem todos para o Planeta Marte.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:42

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

«EM MONSARAZ VIOLA-SE A LEI COM A CUMPLICIDADE DAS AUTORIDADES»

 

Isto só acontece num país onde as autoridades não valem nada, e as leis são letra morta (IF)

 

 

A degradação moral, a estupidez e a falta de humanidade num só gesto covarde…

 

 

Por Prótouro

 

«No próximo dia 8 de Setembro, terá lugar um “grande acontecimento taurino” em Monsaraz. Este acontecimento, consiste em matar um touro previamente amarrado à muralha do castelo. Esta carnificina é feita debaixo de um toldo para que os autores não sejam identificados.

 

Esta prática ilegal, repete-se ano após ano, sem que ninguém a impeça porque as autoridades fecham os olhos.

 

A G.N.R., quando isso acontece, nem sequer está presente mas convenientemente aparece depois do facto consumado para proceder ao levantamento do auto e apreender o animal.

 

O “grande acontecimento taurino” é como o segredo de polichinelo, todos sabem de antemão o que vai acontecer mas ninguém faz nada para o impedir.

 

Como consequência, os processos em tribunal são mais que muitos, arrastam-se e custam os olhos da cara ao erário público, tudo porque quem tem a obrigação de fazer respeitar a lei não o faz.

 

Em Monsaraz reina a bandalheira total. Nem os eleitos municipais são punidos, nem as forças de autoridade que deveriam fazer cumprir a lei o são.

 

Este é o retrato de Portugal que a todo o custo pretende impor-se aos olhos do mundo como um país civilizado, mas que na verdade é um país onde as autoridades são incapazes de fazer cumprir a lei.

 

Como é que um país pode exigir aos cidadãos o cumprimento da lei quando permite que autoridades camarárias e forças policiais o não façam?

 

Prótouro

 

Pelos touros em liberdade»

 

Fonte:

http://protouro.wordpress.com/2013/09/03/em-monsaraz-viola-se-a-lei-com-a-cumplicidade-das-autoridades/

 

***

COMENTÁRIOS:

 

É lamentável que uma região tão bonita não explore as suas potenciais qualidades e seja falada por esta barbárie e total desrespeito pela lei. Igualmente lamentável a falta de vontade e firmeza de quem as devia obrigas a cumpri-las. Portugal um doa países mais atrasados da UE nas mãos de uns tantos políticos que para manterem o lugar se vergam aos interesses de uma tauromaquia doente, arcaica que subsiste de dinheiros públicos. Portugal dos pequeninos! (Teresa Lopes)

 

***

São uma cambada de anormais isso sim, psicopatas e a GNR outra merda. (domingos raul forte)

 

***

Monsaraz é uma das aldeias mais pitorescas e interessantes do nosso país. A aldeia, isto é, o espaço físico, merece todo o nosso respeito e admiração. Já as pessoas nem por isso.

 

Tal como um sinal cheio de pêlos na cara de uma rapariga muito bonita, as pessoas de Monsaraz estragam todo o misticismo e atracção do lugar ao insistirem em propagar pseudo tradições por imposição da escumalha tauromáquica que mantém todo o Alentejo sob o seu pulso de ignorância e estupidez.

 

Se Portugal fosse um país coerente, não se esperaria menos do que outra intervenção policial do género, mas desta vez a proteger os justos para variar. É a prova que no nosso país o dinheiro e a corrupção ainda se sobrepõem facilmente perante os mais básicos princípios morais.

 

A culpa desta vergonha é de todos os intervenientes como é óbvio. A tradição dos touros de morte em Monsaraz é tão antiga como o mandado do Jorge Sampaio. Esperar-se-ia alguma inteligência e integridade, quer do presidente da junta de freguesia, quer do presidente da câmara de Reguengos de Monsaraz, mas, em nome do voto fácil e da perpetuação do nível de inteligência inferior da terra, não só viram a cara à questão como a abraçam, apesar de todas as contradições que tal acarreta. (Ricardo)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:23

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Sábado, 7 de Setembro de 2013

«Sou defensora dos Direitos dos Animais mas não sou anti-tourada», palavras da terceirense Francisca Lopes

 

(Texto recebido via-email)

 

 

Repare-se como o Touro tem o aspecto de estar muito “bem tratado”…

 

(As partes a negrito são a resposta da autora do Blogue, á Francisca Lopes)

 

Cara Isabel A. Ferreira (tirei o Sra D. porque não é digna de tal tratamento),

 

E eu nem me vou dar ao trabalho de escrever o seu nome ao dirigir-me a si. Além disso não sou sua CARA. E apenas vou responder a este texto, por um único motivo: confirmar por que chamo bronco a um bronco.

 

1º Quero “agradecer-lhe” pelos insultos que fez à gente da “minha terra”/terceirenses, é sempre bom saber com quem estou a lidar. Depois de chamar aos terceirenses e consequentemente a mim de e, passo a citar: “acéfalos embriagados”, ”bando de bebados” atrasados mentais” “bárbaros” e à Terceira de “atraso de vida” decidi mandar-lhe este mail para faze-la repensar o modo como defende os seus ideais.

 

DESAFIO-A a enviar uma FRASE MINHA onde adjectivo os TERCEIRENSES com esses “mimos” que a ofenderam tanto. Desafio-a.

 

Ao dirigir-se ao povo da Mui Nobre, Leal e Sempre Constante Angra do Heroísmo e da Praia da Vitória devia “dobrar a língua” porque estes títulos foram MERECIDOS (ao contrario do que acontece, pelos vistos, com o seu “mui duvidoso currículo”) e concedidos aos terceirenses pelos serviços prestados à pátria portuguesa. Como deve saber “Portugal já foi só na Terceira”.

 

MUI DUVIDOSAS são a sua falsa afeição pela sua terra, e essa sua falsa moralidade que nada sabendo da minha pessoa põe-se a fazer conjecturas parvas (e depois não querem que eu chame os bois pelo nome). O mundo conhece os terceirenses e o costume bárbaro, primitivo e grosseiro que caracteriza a Ilha Terceira. A Francisca Lopes não me conhece, nada sabe de mim, a não ser o que é público (e comprovado). Por isso não venha com a costumeira estultícia dos que, não tendo argumentos para defender o indefensável, começam a conjecturar.

 

Além disso a mui nobre e leal e constante…blá, blá, blá FOI… já não é mais. A TORTURA permitida, nos tempos que correm, transformou a terra num acampamento terceiro-mundista.

 

Bem, voltando ao assunto deste e-mail propriamente dito, antes de mais queria dizer-lhe que nunca na vida tive de recorrer ao insulto para defender uma posição acerca de um determinado assunto mas, nem toda a gente tem a mesma capacidade de argumentação e educação infelizmente e, a “Sra”, é um exemplo disso. Diz respeitar os animais o que acaba por ser irónico, uma vez que não tem sequer a capacidade de respeitar os Seres Humanos… Como é possivel?

 

Como é possível, não é? E quem pratica, aplaude e apoia a TORTURA de seres vivos para se divertir imbecilmente lá é um ser humano? Por acaso sabe o que é SER-SE humano? Não sabe. E eu não tenho obrigação alguma de respeitar os DESUMANOS (uma outra espécie, menor, insignificante, abdicável) que me provoca alergias e náuseas.

 

Respeito o animal-humano, respeito o animal não-humano, mas ABOMINO o animal desumano (que é aquele que não respeita os animais: humanos e não humanos). Será um raciocínio demasiado complexo para si?

 

2º RESPEITO QUE SEJA ANTI-TOURADA, alias tenho grandes amigos que o são. Tenho a certeza que se lhes mostrar este medíocre blog vão condenar a forma como a “Sra” os representa.

 

O que os outros pensam de mim, NÃO ME DIZ RESPEITO. Sei o que sou, e o que ando aqui a fazer. E isso basta-me. E as suas considerações valem o que valem, ou seja, nada, vinda de quem vem.

 

3º SOU DEFENSORA DOS DIREITOS DOS ANIMAIS MAS NÃO SOU ANTI-TOURADA (se não consegue separar as coisas o problema de compreensão é seu e lamento profundamente).

 

Defende os direitos dos animais mas não é anti-tourada, e ainda pergunta se CONSIGO SEPARAR AS COISAS? Esta é de Almanaque. Quer dizer, os Touros para si NÃO SÃO ANIMAIS? Mais uma, além dos legisladores, que  não sabe nada de Biologia. A esta nem respondo … É de uma estultícia imensurável. Não há outro modo de designar isto. Quanta estupidez numa tão diminuta frase.

 

4º As tradições, costumes, moral, inteligencia racional, sofrimento (diferente de dor) fazem parte da nossa condição Humana. É no mínimo caricato que uma “Sra” com o seu currículo,  licenciada em Filosofia, não saiba fazer esta distinção… aprendi-a no 10ºano.

 

Primeiro: Sabe tanto do meu currículo, como eu de Física Quântica. NÃO SOU LICENCIADA EM FILOSOFIA. Não é isso que consta no meu público Short Curriculum Vitae. Se é que o leu. É que anda para aí um Popeye a difamar-me (e isso é crime) e há uns papalvos que vão atrás dele.

 

Segundo: o que diz sobre a condição humana é que é muito caricato. Conheço muitos animais não-humanos com inteligência mais racional do que os broncos que se dizem humanos e se acham muito racionais.

 

Terceiro: quanto ao SOFRIMENTO, que, ao contrário do que afirma, TAMBÉM É DOR (o que demonstra desconhecer o significado das palavras) não é uma exclusividade da condição humana, mas É COMUM à CONDIÇÃO ANIMAL. Agora é preciso saber se a Francisca Lopes sabe o que é um ANIMAL. E como já ficou demonstrado, a Francisca Lopes NÃO SABE o que é um ANIMAL. Daí dizer tanto disparate numa frase só.

 

5º Respeite as tradições , não peço que concorde ou goste delas!! Apenas RESPEITE o espectaculo que é a tourada à corda e, acima de tudo o povo terceirense!!

 

Também não sabe o que é TRADIÇÃO, se soubesse não incluiria a TORTURA DE SERES VIVOS PARA DIVERTIR SÁDICOS PACÓVIOS nessa designação. A tourada à corda não passa de um COSTUME BÁRBARO que nunca foi tradição em parte alguma do Universo. É apenas um costume bárbaro, que devia ter ficado no passado e não ficou, porque o povo terceirense que pratica, aplaude e apoia tal idiotice, AINDA NÃO EVOLUIU.

 

E eu NÃO TENHO DE RESPEITAR uma conduta absolutamente ESTÚPIDA, BRONCA, PRIMITIVA, IMBECIL. Não tenho. E sabe porquê? Porque EVOLUÍ. O que me dá o DIREITO de CONDENAR, de ABOMINAR, de CRITICAR a TORTURA DE SERES VIVOS PARA DIVERTIR SÁDICOS BRONCOS.

 

O Maestro Vitorino d’Almeida usa o termo PAROLOS para designar o que eu chamo de BRONCOS. E ele, assim como eu e tantos outros, temos o DIREITO de CONDENAR as práticas tauromáquicas, porque simplesmente evoluímos. E sabe o que disse Albert Einstein (sabe quem é? ) sobre tradições indignas da Humanidade, como a tortura de seres vivos - porque as há DIGNAS da Humanidade? Disse o seguinte: «As tradições são a personalidade dos imbecis».

 

6º Queria, ainda, chamar-lhe a atenção para várias questões:

 

A) Como o “Sra” deve saber as touradas à corda são uma tradição enraizada na ilha Terceira, fazem parte de uma cultura que NUNCA vai morrer e pk? passo a explicar:

 

Já expliquei que as touradas à corda não fazem parte de tradição alguma, mas de um costume bárbaro, praticado por bárbaros, num passado longínquo, e que gente que NÃO EVOLUIU mantém com um VERGONHOSO ORGULHO. Tradição é um acto de cultura que passa de geração em geração.  O que não é o caso da tauromaquia que nunca foi CULTURA.

 

Não sei se a “Sra” alguma vez foi a uma tourada a corda, tenho a certeza que não, pois os seus comentários demonstram, para além de uma falta de educação tremenda, uma total ignorância acerca deste assunto… Vou tentar explicar-lhe brevemente o que acontece neste evento:

 

NÃO! Nunca assisti a nenhuma tourada à corda, ao vivo, e jamais o faria,  apenas vi vídeos, e pelos vídeos, digo-lhe já, que nem que me pagassem MILHARES DE EUROS eu iria ver tal ESTUPIDEZ (não existe outro modo de designar “aquilo”). Aquilo não é espectáculo, não é arte, não é cultura, não é festa, não é evento, não é nada que se veja, é simplesmente ALGO MUIIIIIITO, MAS MUIIIIITO ESTÚPIDO. E a sua descrição do que é uma tourada à corda, desde o momento em que «vão de buscar os toiros ao “mato”» só me vem dar razão. É preciosa.

 

Os responsáveis pela festa na freguesia vao de buscar os toiros ao "mato" onde são lancados foguetes, é oferecida comida a todos os presentes, e tocada música, onde existe convivio e o toiro é "o rei da festa" depois, as pessoas seguem em cortejo atrás das gaiolas dos toiros até ao local onde se ira realizar a tourada. Posteriormente os toiros sao embolados para minimizar possiveis danos (respeitando-se a vida humana) e é colocada uma corda ao pescoço com alguns metros de comprimento e largura suficiente do ultimo nó ao pescoço do toiro para que este nao seja estrangulado (ups..afinal respeitamos os toiros).

 

Começa logo com os Touros no “mato”. Então não estão nos verdes prados das belas paisagens açorianas? Depois os foguetes (abomináveis foguetes, que só servem para fazer barulho e perturbar os animais). Depois come-se e bebe-se, bebendo-se mais,obviamente. E viva o “toiro” que é o BOMBO DA FESTA (é aquele que vai ser torturado). E, veja bem, o povo segue atrás das «GAIOLAS dos toiros» (só isto já é TORTURA que baste). Imagine-se a Francisca dentro de uma gaiola e muito povo atrás a fazer barulho, aos berros, aos gritos… Isto seria LINDO DE VER! LINDO!!!!!

 

Depois os “toiros” são EMBOLADOS (outra tortura, nem sequer dão oportunidade aos animais de se defenderem dos seus COBARDES CARRASCOS DESUMANOS) … E isto para respeitar a vida humana? Que vida “humana” é essa?

 

Depois colocam uma corda ao pescoço (outra tortura). Ponha-se a Francisca no lugar do Touro. E ainda tem o desplante de dizer «ups..afinal respeitamos os toiros»… Que grande respeito! Se isto é RESPEITAR… desconhece por completo o significado do termo.

 

Agora vem o melhor: as comparações PARVAS com atletas… Como é costume… Nunca li tanta parvoíce de uma vez só. Isto só de uma mente completamente DEFORMADA.

 

Note bem isto que lhe vou dizer….Tal como acontece com os atletas que se magoam nos mais variados desportos por vezes os toiros também se magoam. Tal como vemos na televisao atletas de maratona exaustos depois de uma corrida os toiros tambem o podem ficam (mto raramente, mas já aconteceu).Os acidentes acontecem mas nunca sao provocados por ninguem com o intuito de ferir o animal (toiro, neste caso) ou prejudicar a sua integridade..

 

NOTEI MUITO BEM. Esquece-se a Francisca de que os atletas estão lá por livre vontade. Não são FORÇADOS a nada. Ao contrário do Touro que vai ser sacrificado CONTRA A SUA PRÓPRIA VONTADE, e nem sequer lhe dão a oportunidade de fugir. Está AMARRADO. Ponha-se a Francisca no lugar do Touro sem o seu consentimento, e imagine… que BOM SERIA!!!! À incapacidade de se pôr no lugar do Touro, chama-se falta de EMPATIA, o mais nobre sentimento humano, que nenhum aficionado da barbárie tauromáquica tem.  

 

Aqui as pessoas amam os toiros!!

 

Esta pequena frase é HORRIPILANTE. Se isso é AMAR os “TOIROS” o que não lhes fariam se se os ODIASSEM…

 

As fotos apresentadas neste blog são, no mínimo, maldosas... E passo a explicar: uma demonstra um toiro que desmaiou num dia de calor no porto de S.Mateus (nunca desmaiou? eu ja..), a do toiro a sangrar também é “interessante” (peço desculpa pela expressão) pk digo-lhe, foi a primeira vez que vi tal situação acontecer e acredito que provavelmente se deveu a uma tapada mal construída ou “coisa do género” estou certa que o touro em questão foi IMEDIATAMENTE recolhido sendo-lhe prestada a devida assistência. Outras ainda mostram toiros caidos que apenas estao caidos pk se desequilibraram enquanto corriam (NUNCA CAIU NA VIDA?, sorte a sua...).

 

Nunca ouviu dizer que UMA IMAGEM VALE MAIS DO QUE MIL PALAVRAS? Não tente justificar o injustificável. As imagens DIZEM TUDO. DIZEM A VERDADE. Apenas os cegos mentais e as mentes deformadas as interpretam de uma modo "suave"...

 

Eu já caí muito na vida. Mas NINGUÉM ME EMPURROU, NEM PUXOU. Caí, simplesmente. E o Touro aqui, não caiu, porque caiu. E depois não querem ser chamados de BRONCOS!

 

E o 5º toiro? sabe o que é? convido-a a ir comigo a uma tourada e ver as casas de portas abertas para receber toda a gente e, de forma igual (já viu isto em mais algum lado?.. eu não), oferecendo comida e bebida no dia da festa (e não, não somos a zona com maior indíce de alcoolismo do país…informe-se!!).

 

Já referi mais atrás que nem que me dessem MILHARES DE EUROS eu iria assistir a tal ESTUPIDEZ. E sim, já vi dar de comer e de beber aos passantes numa festa de São Pedro. Em tantos lados. Não saem da Ilha, não sabem do que se passa nos outros lugares. Mas dar de beber e comer ao povo não DIMINUI O SOFRIMENTO DO ANIMAL TORTURADO.

 

Ainda lhe digo mais, na minha ilha existem os chamados "partidos de toiros"… as pessoas defendem o seu toiro e ganadaria predilecta mais do que o seu proprio partido poltítco!!!

 

Isso é que é! Até passam fome se for preciso. Mas o principal é ENCHER OS BOLSOS DOS GANADEIROS. Abra os olhos! Ou será filhinha mimada de algum ganadeiro, e está aqui a TENTAR (porque não consegue mais) defender o dinheirinho do papá?

 

Para terminar só tenho uma coisa a acrescentar, é pena que as pessoas tomem posições extremistas acerca destes assuntos ainda mais quando não os conhecem. Eu NUNCA vi nenhum TERCEIRENSE a desrespeitar um toiro.

 

Nunca viu porque não sabe VER com os olhos da alma, se soubesse veria que os terceirenses que praticam, aplaudem e apoiam a TORTURA dos Touros, DESRESPEITAM o DIREITO DELES À VIDA, e insultam a inteligência dos que já EVOLUÍRAM.

 

Aguardo a sua vinda à Terceira e tenho todo o gosto em mostrar-lhe este espectaculo.

 

Pois pode esperar SENTADA, para não se cansar. Eu à Ilha Terceira irei no dia em que ABOLIREM A ESTUPIDEZ DA TOURADA À CORDA, que não é espectáculo civilizado. Nesse dia, irei à Ilha Terceira, com todo o gosto, COMEMORAR O FIM de algo que só DESPRESTIGIA a terra e o seu povo.

 

Com os melhores cumprimentos,

Francisca de Castro Horta Lopes, 23 anos, A.H, Ilha Terceira-Açores

 

(não preciso de por “.” no meu nome)

 

Menina Francisca (sem aspas), do alto dos seus 23 aninhos ainda tem muito que aprender.

 

P.S: como pode ver respeitei a sua opiniao e defendi a minha sem contudo lhe chamar qualquer nome (É Possivel!!). Aliás …ate me dei ao trabalho de escrever este texto para uma pessoa que me faltou ao respeito em vez de ignorá-la (era o que merecia).

 

Mas nem de perto, nem de longe respeitou a MINHA opinião, até porque a TORTURA de um ser vivo NÃO É uma questão de opinião. É uma questão de ÉTICA, de CIVILIZAÇÃO, de EVOLUÇÃO. E se se deu ao trabalho de escrever este texto é porque a sua consciência está inquietada, NÃO com o facto de eu chamar os bois pelos nomes, mas porque bem lá no fundo SABE QUE A RAZÃO ESTÁ DO MEU LADO, e que mais dia, menos dia, a tauromaquia será ENTERRADA, até porque já está morta há algum tempo e já cheira muito mal.

 

Se aceitar este texto agradeço que o publique na integra de forma a não deturpar o que aqui escrevi. Se a “Sra” realmente é jornalista deixe que lhe diga uma coisa…não age como tal!!  

 

Deturpar o que aqui escreveu, menina Francisca? Até os erros de Português vão intactos…

 

Quanto ao ser Jornalista, até sou, mas não estou ao serviço de nenhum órgão de comunicação social, vendido ao lobby tauromáquico. Prefiro comer pão e água, do que o maior manjar, pago com dinheiro sujo do sangue da tortura dos meus irmãos Touros.  Ao escrever o que escreveu não insultou ninguém em particular, correcto. Insultou a inteligência de toda a Humanidade que já evoluiu.



Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:50

link do post | Comentar | Ver comentários (8) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29

Posts recentes

Dois anos de guerra na Uc...

«Bicadas do Meu Aparo: “P...

Na passagem do 97º aniver...

Aleixei Navalny, um símb...

Os Defensores dos Direito...

Legislativas 2024 - Movim...

Os Polícias são traidores...

João Moura condenado: jus...

24 de Janeiro de 1944: ao...

«Bicadas do meu aparo: “S...

Arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt