Terça-feira, 26 de Maio de 2009

Dona Maria I – Piedosa ou “Louca”?

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
 
 
 
 
 
Foi com o máximo interesse que tudo o que respeita à História de Portugal e nomeadamente a Biografias me desperta, que li o livro de Luísa Viana de Paiva Boléo – «D. Maria I – A Rainha Louca», editado pel’A Esfera dos Livros (edição de Fevereiro de 2009), um livro interessante, repleto de pormenores, bem contextualizado, que nos dá um conhecimento alargado de um período da nossa História, marcado por quatro monarcas portugueses (D. João V, avô de Dona Maria I; D. José, seu pai, a própria D. Maria e D. João VI, seu filho) que, exceptuando o despotismo mais acentuado de D. José (talvez por influência do prepotente Marquês de Pombal, seu ministro) deixaram uma obra considerável, colocando Portugal ao nível dos demais reinos europeus, em quase tudo.
 
Penso que livros como este são extremamente importantes para que os Portugueses comecem a conhecer melhor a nossa História e as nossas figuras históricas, mesmo sendo à margem da escola, uma vez que na escola, quem manda nestas coisas, teve a infeliz ideia de retirar dos programas o estudo de tudo o que é importante saber sobre Portugal e os Portugueses de outros tempos, que ajudaram a edificar um país, que só não é grande, hoje, porque os que vieram depois dos antigos não souberam interpretar a modernidade, destruindo o que entenderam ser “valores reaccionários” para introduzir na sociedade portuguesa valores importados, ainda mais reaccionários e que não servem os verdadeiros interesses do povo português.
 
Por esse motivo, Portugal, hoje, não tem a importância que já teve no mundo, porque os seus governantes, a partir da implantação da República, pouco ou nada fizeram de relevante, para que o nome de Portugal fosse reconhecido desde o Cabo da Roca ao extremo mais oriental do planeta, e o pouco que realizaram ficou para a História envolto numa auréola negativa.
 
Afinal derrubara-se a monarquia com a finalidade de mudar as “políticas despóticas dos reis”, e o que aconteceu foi uma I República muito atribulada, onde as classes mais desfavorecidas continuaram a ser desfavorecidas; seguindo-se uma ditadura e um “Estado Novo” com ideias velhas; depois uma vergonhosa Guerra do Ultramar; e mais adiante uma Revolução dos Cravos, na qual se colocou todas as esperanças de uma democracia democrática, e o que temos hoje? Um regime autoritário pouco esclarecido, que arrasta Portugal para o caos, por falta de lucidez política.
 
 
Retomando o livro de Luísa Boléo, a sua leitura impôs-me várias perplexidades, e uma delas, a que mais me marcou, foi a do cognome Rainha Louca, que a autora utilizou por diversas vezes, do início ao final do livro.
 
Rainha Louca porquê?
 
O povo cognominou-a de Piedosa. Era também Majestade Fidelíssima, título que herdou do seu avô D. João V, atribuído, pelo Papa Bento XIV, àquele monarca e aos seus descendentes.
 
Dona Maria Francisca, Princesa da Beira, nasceu a 17 de Dezembro de 1734; começou a reinar em 1777; em 1792, manifestou-se pela primeira vez a sua instabilidade mental; em 1799, devido ao agravamento da sua doença mental, seu filho D. João (que veio a ser o VI) tornou-se Regente do Reino; Dona Maria morre em 1816.
 
Reinou durante 15 anos, e a obra que deixou não foi a de uma rainha louca. Pelo contrário, reinou com muita lucidez, e quando essa lucidez se esvaeceu, foi sabiamente afastada da governação.
 
Dito assim, Rainha Louca, dá-me a sensação de que fomos governados por alguém que não estava na posse das suas faculdades mentais. O que não é verdade. Por esse motivo, não considero apropriado esse cognome. É manchar a memória de uma Rainha, que foi piedosa, e nem mais nem menos devota do que todas as outras rainhas europeias, ou damas da corte ou senhoras fidalgas, ou da burguesia ou até do povo, porque, na verdade, a instituição Igreja, com sede em Roma, estava de tal modo enraizada na vida e na política dos reinos, que praticamente era ela que “reinava”, espalhando entre as almas, o medo dos infernos tenebrosos, e apresentando um Deus mais para ser temido do que amado.
 
Daí pensar que determinadas “loucuras” daquela época não tinham o sentido que hoje lhe damos, à luz da psiquiatria. Dona Maria I era uma mulher extremamente sensível, delicada, dada às artes, de gostos refinados, e influenciável pelas manigâncias do clero que rodeava a corte, não só a corte portuguesa e a nossa Rainha, mas todas as cortes, todas as rainhas e reis de reinos onde a Religião Católica estava implantada. É provável que a “loucura” da rainha hoje tivesse outra leitura. O medo, por exemplo, pode levar a estados delirantes, que facilmente podem confundir-se com “loucura”. E Dona Maria I era uma mulher de medos, infligidos, nomeadamente pelo seu confessor, o bispo do Algarve, D. José Maria de Melo.
 
Naquele tempo, além dos reis e rainhas, reinava também o medo. Por isso, não considero apropriado ligar ao nome de Dona Maria I, o epíteto Rainha Louca. Aliás, no livro de Luísa Boléo, quando esta cita determinadas fontes da época, achei curioso o facto de nenhuma dessas fontes se referir a Dona Maria como a Rainha Louca. Essa será uma denominação posterior, atribuída, talvez, pelos seus “inimigos”.
 
 
Uma outra pequena reflexão que me ocorreu ao fazer a leitura deste livro, foi sobre o que os anti-monárquicos criticam, por exemplo, no que respeita à faustosa corte de D. João V (conhecido como o Rei Sol português), semelhante em tudo às outras faustosas cortes europeias, esquecendo-se aqueles de que os governantes portugueses actuais usufruem dos ainda faustosos Palácios desses tempos, tais como o das Necessidades (mandado construir por aquele monarca, e que após a proclamação da República, tornou-se a sede  do Ministério dos Negócios Estrangeiros, função que continua a desempenhar até aos dias de hoje); o da Ajuda, o de Queluz, o de Belém, enfim, poderiam abdicar dessas reminiscências monárquicas e irem instalar-se em edifícios mais ao jeito republicano ou democrático. Mas o que é bom é bom. E o que é belo é belo. Como podemos abdicar disso?  
 
 
E a leitura prossegue agradável, com muita informação acerca das realizações dos nossos monarcas, e de entre elas, uma iniciativa que foi abandonada, o que só demonstrou da parte dos governantes posteriores à monarquia, uma má medida e falta de visão, porque um país sem Cultura é um país à deriva. Refiro-me à questão do Mecenato, da protecção às Artes e às Letras, às Ciências, e a paixão pela música. Os nossos reis tinham esse requinte: o gosto pelas coisas belas.
 
 Luísa Boléo refere na sua obra que «a Rainha Dona Maria I deu particular impulso à publicação de obras de autores portugueses…na linha editorial de seu avô Magnânimo (D. João V).
 
Enfim, a protecção às Artes e às Letras e Ciências ficou patente nos inúmeros apoios que os escritores, poetas, artistas plásticos, cientistas e músicos da época usufruíam, por parte dos monarcas.
 
Comparado com os tempos actuais, não haverá um só escritor, poeta, pintor, cientista ou músico português desapadrinhado (isto é que não tenha “padrinhos” bem posicionados) hoje, que gozem do apoio do Governo para poder sobreviver. Nem sequer existem leis que protejam os seus direitos, quando os editores decidem não cumprir os contratos que com eles assinam, chegando-se ao descalabro total.
 
E os nossos grandes das Artes e das Letras e das Ciências, só são grandes e reconhecidos no estrangeiro. E a lista é bem grande.
 
 
Antes de terminar, preciso de fazer um reparo à Luísa Boléo. Na página 288, refere a certa altura: «… não permitiam que o anafado D. João (o VI) se aventurasse em significativas histórias de “saias”».
 
Nesta frase o que me interessa fundamentalmente é o termo “anafado”. Tal como contestei na minha Contestação ao livro «1808», os epítetos descorteses com que o jornalista brasileiro Laurentino Gomes brindou o nosso D. João VI, aqui também contesto o facto de Luísa Boléo se referir a D. João como o “anafado”. As características físicas dos governantes, sejam elas boas ou más, ou sejam eles bons ou maus governantes, não devem servir para os designar.
 
Não importa se são gordos, feios, coxos, magros, belos, loiros, de olhos azuis. O que interessa é o que fazem pelo país que governam. E D. João VI, depois de tão amesquinhado por historiadores provavelmente anti-monárquicos ou preconceituosos, está agora a ser reabilitado, e muito bem, pois na sua governação D. João saiu-se muito melhor do que esses que o criticaram, e dos muitos que já nos governaram depois dele.
 
 
Finalmente uma crítica à editora: é completamente inadequado colocarem as notas de rodapé, no final do livro. A leitura de um livro deve ser prazeirosa, e ter de andar “lá e cá” a ler as notas de rodapé, num lugar que não é o rodapé, é uma prática impraticável, e que eu me recuso a praticar. Por isso, não sei do que falam essas Notas.
 
 
Mas deu-me muito prazer ler o livro.
 
Isabel A. Ferreira
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 19:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Anónimo a 16 de Junho de 2009 às 18:47
Cara leitora. O título Rainha Louca foi dado pela editora e é puro marketing. Quanto ao anafado, é um adjectivo que uso, como outros várias vezes no livro, acho que ser gordo ou muito magro ou cego não é em si algo forte que vá denegrir a pessoa, neste caso D. João VI.
Abrigada pelo comentário.
De Isabel A. Ferreira a 16 de Junho de 2009 às 20:01
Prezada Luísa (presumo):

Quanto aos títulos, sei que por vezes as editoras gostam de exagerar por essa tal questão do marketing. O que acho muito mal, e penso que os autores devem ter sempre a última palavra.
Em relação ao anafado, e outros epítetos do género, penso mesmo que são desnecessários. Se eu fosse gordinha, e falassem de mim, nesses termos, eu não gostaria. Os mortos não podem dizer da sua razão. D. João VI, já foi suficientemente maltratado no livro «1808». Ser “anafado” não lhe tira nem lhe dá mérito, por isso,
é um adjectivo simplesmente desnecessário.

Obrigada
De Jorge Carvalho a 25 de Junho de 2015 às 08:20
Acho interessante que também sofram essas injustiças em Portugal; no Brasil tudo que já ouvi à respeito da família real portuguesa que veio para o Rio de Janeiro é muito negativo e fica muito claro que sempre existiu o interesse de denegrir a imagem da monarquia pelos governos seguintes.
De mariana vilaedebo a 13 de Abril de 2017 às 19:27
Não chame maluca a uma pessoa que infelizmente teve esta doença , náo podendo assim reinar.
De Isabel A. Ferreira a 14 de Abril de 2017 às 16:15
Quem chama MALUCA a Dona Maria I são os brasileiros.

Não sei se reparou, mariana.

Dona Maria I REINOU, e muito bem, enquanto foi lúcida.
De mariana vilaedebo a 13 de Abril de 2017 às 19:29
tem muita informação e está bem explicado

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

A Imprensa Nacional assin...

É urgente acabar com a lu...

O primeiro acto do XXIV G...

Num acto de pura canalhic...

Nesta Primavera, que cheg...

«Não há a mínima TOLERÂNC...

São José festejado em San...

Brasileira diz que são os...

Legislativas 2024: nenhum...

Parabéns, Colômbia sem to...

Arquivos

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt