Quarta-feira, 14 de Novembro de 2012

REPÚDIO PELO ABATE DE BOVINOS NA ALDEIA DE SEGURA (IDANHA-A-NOVA)

 

 

Direcção Geral de Alimentação e Veterinária abate touros em Idanha-a-Nova, seguindo a política da “Cultura da Morte”, numa época em que já não se justifica uma tal atitude inadequada à EVOLUÇÃO… Que cavernícolas estarão à frente da DGAV?  
 

 


Exmos. Senhores:

 

Conforme veiculado pela comunicação social sabemos que está a decorrer um abate indiscriminado de bovinos em Idanha-a-Nova.
 
Trata-se de uma operação envolta numa crueldade típica dum país do terceiro mundo. Aliás nem típica do terceiro mundo, uma vez que países há com esta "classificação" que ao invés de colocar em prática massacres destes investem em soluções racionais e éticas que não passam por resolver os problemas a tiro.
 
Abater bovinos a tiro, neste caso vacas, algumas grávidas outras acabadas de dar à luz, como descrevem alguns relatos, é um acto no mínimo próprio de quem desenvolveu algum tipo de patologia do foro psicológico resultando numa mente profundamente desalinhada.
 
Não se resolvem problemas a tiro.
 
Assim sendo e tendo em conta que:
 
- este caso se arrasta há cerca de 10 anos, sem que nada tenha sido feito até agora pelas autoridades competentes para evitar chegar-se à situação actual;
 
- o cenário descrito pelas autoridades é o de uma área de cerca de 2000 hectares de terreno abandonado com 250 a 400 bovinos, encontrando-se o proprietário incontactável;
 
- não há certeza quanto à causa da morte de um habitante local pois a investigação está ainda em curso;
 
- os receios da população se prendem com a falta de segurança resultado da vandalização das vedações;
 
- as declarações da DGV sobre o assunto são vagas e contraditórias - por um lado diz não conseguir capturar os animais e por outro refere que foi detectado no MATADOURO um caso de BSE proveniente da zona, o que contradiz a afirmação anterior, além de não especificar a data em que foi detectada a doença; ora como a BSE só se transmite de forma vertical, de mãe para filho, ou através da ração, mais uma vez a DGV se contradiz, pois se o terreno está ao abandono e ninguém lá entra, seguramente que os animais não estarão a ser alimentados com ração, mas sim com o pasto existente, impossibilitando assim a transmissão da doença;
 
Vimos desta forma solicitar a V. Exas que:
 
- interrompam de imediato a operação em curso porque não é ao tiro, numa indiscriminada e sanguinária operação, que se resolvem os problemas, sobretudo quando as maiores vítimas serão as que em nada contribuíram para a situação a que se chegou;
 
- a Câmara Municipal disponham de verbas para reparar as vedações, já que estas foram danificadas por actos de vandalismo;
 
- sendo o terreno exemplar para manter estes animais em liberdade, não havendo por isso razão para os resgatar e muito menos abater, sendo necessário apenas garantir que têm onde se abrigar e acesso a água (o próprio terreno providencia o pasto), evitando desta forma que se aproximem das zonas habitadas, procedam as autoridades competentes com vista a tomar posse administrativa do terreno e enveredar os necessários esforços para tornar este local um santuário, o primeiro do género em Portugal, e que poderá até tornar-se um polo de atracção turística, se tal projecto for devidamente pensado e colocado em prática;
 
Da mesma forma que V. Exas. tiveram competência para detectar os alegados casos de BSE, e a capacidade de organizar a operação de abate indiscriminado, terão também capacidade para tomar as necessárias diligências no sentido de permitir a vida livre e saudável dos animais ao mesmo tempo que asseguram a necessária segurança dos habitantes locais.
 
Na expectativa de que este apelo não caia em saco roto, continuaremos atentos ao desenvolvimento dos acontecimentos.
 
Melhores cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

 

Fonte:

https://www.facebook.com/groups/CampanhaAntitouradasPortugal/464213756950742/?comment_id=464232976948820&ref=notif&notif_t=group_comment_reply#!/events/302399266537968

 

***

 

ESCREVAM E REPUDIEM E PROTESTEM PARA:

 

dirgeral@dgv.min-agricultura.pt, secretariado.direccao@dgv.min-agricultura.pt; secretariado.direccao@dgv.min-agricultura.pt; cmidanha@gmail.com; turismo.cmidanha@iol.pt; info@turismodenatureza.com; agencialusa@lusa.pt; relacoes.publicas@tvi.pt; agenda@tvi24.pt; contacto@siconline.pt; atendimento@sic.pt; agenda.informacao@rtp.pt; SANCO-animal-welfare@ec.europa.eu; ceras_cb@tugamail.com; quercus_cb@sapo.pt; ceras.quercus@gmail.com

Com CC para: portugalabolicaotouradas@gmail.com

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:53

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De antonio lopes a 14 de Novembro de 2012 às 22:17
Li o seu blog com atenção, tendo todo o direito a ter a sua opinião, apenas lamento que escreva sem ter verificado os factos que apresenta, pois saia do seu gabinete, apanhe um pouco de ar e desloque-se aos locais que descreve com tanta eluquencia, fale com as pessoas que aqui vivem, então depois relate os factos e emita as suas opiniões, sem omitir os factos que não lhe interessa, então poderá colocar no seu corriculum, que é jornalista. Como verifico que não conhece os factos vou referi-los:Não digam asneiras sem ter conhecimento do que se passa, pois vou vos esclarecer.
Esta situação arrasta-se a 12 anos com um proprietario de 1100 ha que colocou na sua exploração 150 bovinos de raça brava, sem ter infras estroturas adequadas (a propriedade não esta devidamento vedada e não tem mangas de contenção). A partir daí nunca mais cumpriu com os seus deveres de prorietário e responsavel pelos os bovinos, isto é nunca mais efectuou despiste de doenças, nunca mais identificou animais, nunca recolheu cadaveres,nunca alimentou os sus animias em periodos de carencia, nunca mais vendeu ou comprou bovinos, isto é abandonou a exploração. O que motivou que em exploração não vedada os animais saissem a procurar alimento inportunando vizinhos, destruindo culturas, levando ao abandono de terras e espanhando-se os animias por um a area de cerca 3000 ha.
Infelizmente nesta região existe tuberculose bovina em bovinos e espécie cinegéticas o que tem originado um grande esforço economico dos produtores de bovinos em efectuar diversas vezes por ano trabalho de despistagem, trabalho este que é invalidao por este bovinos assilvestrado não o efectuarem.
No entanto há algumas pessoas que tiram proveito de tanta incuria nestes anos todos, alguns locais que abatem clandestinamente bovinos e introduzem a sua carne em mercados paralelos.

Aos que interrogam o que foi feito? pois queiram saber que a atitude de matar os animais a tiro só foi tomada como ultimo recurso.
Em setembro 2011 foi iniciada a captura dos animias pelos metodos tradicionias tendo sido encerrados 28 bovinos que foram conduzidos ao matadouro. Nesta data abateram-se a tiro 16 bovinos (touros adultos por segurança do pessoal interveniente), lembrem-se que se trata de touros bravos.
Após esta data o proprietário solicitou a possiblidade de ele proprio capturar os seus animias, pretenção atendida. Como de setembro de 2011 a abril de 2011 ele não tivesse capturado nenhum bovino ou desemvolvessse qualquer atitude, em junho de 2011 entraram em acção campinos profissionais de Benavente e Vila franca, que após intensso e empenhado trabalho apenas conseguiram encerrrar 8 bovinos, conduzidos a matadouro.
A partir daqui e após a morte de um pastor, que pacatamente apascentava o seu rebanho na sua propriedade localizada nas imediações e colhida grave sofrida por um caçador, por mais que gostemos de animais, não resta alternativa do que abater estes bovinos a tiro.
Alem destes acidentes recentes existe um largo historial de acidentes com viaturas, destruição de culturas, agressões a residentes locais com braços, costelas partidos outro que perdeu um olho etc.
Que fique esclarecido, pois estou certo que pelo menos pessoas dignas não emitirão mais comentários idiotas.
De Isabel A. Ferreira a 15 de Novembro de 2012 às 14:25
A resposta a este comentário está no seguinte link:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/193679.html
De antonio lopes a 20 de Novembro de 2012 às 22:14
Que tem isto a ver com o nosso assunto, tambem defendo os animias, mas há limites, pois imagine a Srª que no bairro em que habita se intalaram uns seres, que maltratam, roubam oprimem e até matam os habitantes. O governo após tentar por meios pacifico, resolver o problema, teve que optar por estrategias mais agressivas para resolver a situação. Eu confortavelmente sentado no meu cadeirão na minha pacata aldeia, assisto diariamente ao desenrolar dos acontecimentos e até mando mail a contestar, para não acabar com estes seres. Sem duvida que este comentário é estupido, mas é a situação posta ao contrario, para que veja quanto ridiculo são as vossas opiniões a cerca deste assunto.
De Isabel A. Ferreira a 21 de Novembro de 2012 às 11:58
A resposta a este comentário está no seguinte link:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/195848.html

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
21
22
23
25
26
27
28
29

Posts recentes

Dois anos de guerra na Uc...

«Bicadas do Meu Aparo: “P...

Na passagem do 97º aniver...

Aleixei Navalny, um símb...

Os Defensores dos Direito...

Legislativas 2024 - Movim...

Os Polícias são traidores...

João Moura condenado: jus...

24 de Janeiro de 1944: ao...

«Bicadas do meu aparo: “S...

Arquivos

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt