Terça-feira, 24 de Março de 2009

O NAZARENO – REFLEXÃO EM TEMPO DE QUARESMA

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
(Mosteiro de Oseira - Ourense)
 
 
Aconteceu há mais de dois mil anos.
Um Homem foi levado ao cimo de uma colina para ser crucificado entre dois outros homens. Assim exigia a lei daquele tempo. Entre uma multidão de inimigos políticos e descrentes furiosos uns, seguidores e amigos, outros, aquele Homem seguia por ruas estreitas e tortuosas, carregando aos ombros uma pesada cruz de madeira.
 
Caminhava em silêncio. Sem um lamento. E, quando, já no alto da cruz, Longuinhos, um dos soldados romanos encarregados de o crucificar, atravessou o seu corpo com uma lança, ele ainda teve força para dizer: «Pai, perdoai-os. Eles não sabem o que fazem».
 
Quem seria aquele ser possuidor de tão grande capacidade de perdoar? Um Deus progressivamente humanizado? Ou um Homem que, pela sua inteligência e poder de sedução foi divinizado por um povo que nele viu o libertador que esperava há longo tempo?
 
Jesus Cristo é, sem dúvida, a personagem que mais controvérsia tem levantado no estudo da História da Humanidade. Arqueólogos, Orientalistas, Filósofos, Cientistas e outros estudiosos têm procurado, por todos os meios e mediante um estudo comparado, meticuloso e crítico, das fontes que dele falam, dar uma explicação lógica, racional e científica para a existência histórica de Jesus, que, segundo uns, existiu na realidade. Para outros, não passa de um mito.
 
Não está no âmbito do esboço que me propus fazer da personalidade humana de Cristo, discutir as diversas e divergentes opiniões dos estudiosos acerca da historicidade de Jesus. Deixarei aqui apenas alguns pontos para uma reflexão: o Homem que mais ou menos num período de dois anos fez e disse coisas na Palestina que alteraram profundamente o curso da história da Humanidade poderá ser somente uma personagem fruto da imaginação de um povo? Aqueles que se recusaram a aceitar a sua existência história, negam-no, talvez, porque a tendência dos cépticos é negar tudo aquilo que transcende a sua compreensão e vai além do seu raciocínio.
 
No entanto, entre os que acreditam, as interpretações acerca dos actos humanos de Jesus, variam consideravelmente.
 
Para Reimarus, distinto orientalista e professor de línguas orientais, Cristo foi um agitador político que procurou suscitar os judeus para uma revolta contra os romanos. Falhando a revolta, com a sua morte, os seus adeptos destruíram o objectivo do Mestre, apresentando-o como um renovador espiritual e religioso.
 
O filosofismo francês, mais radical, chama Cristo “vaidoso” e a São Paulo “energúmeno e insensato”.
 
Harnack (da Escola Liberal) considera Jesus um génio que soube transmitir uma mensagem à Humanidade nunca apresentada por outrem.
 
E. Renan (arqueólogo e orientalista dotado de uma grande imaginação) observou: «Toda essa história que à distância parece flutuar nas nuvens do mundo irreal, tomou um corpo e uma solidez que me espantaram. O acordo impressionante dos textos com os lugares; a maravilhosa harmonia do ideal evangélico com a paisagem que lhe serviu de quadro foram para mim uma revelação».
 
Sobre a sua interpretação pessoal de Cristo, Renan diz: «Uns, querem fazer de Jesus um sábio, outros, um filósofo, outros ainda, um patriota, outros, um Homem de bondade, outros, um naturalista, outros, um santo. Mas não foi nada disso. Foi um sedutor, não no sentido pejorativo da palavra, mas no bom sentido. Jesus impunha-se às multidões e às pessoas pela sua bondade; sabia convencer, sabia consolar; tinha uma capacidade de seduzir tal que as pessoas aderiam a ele com uma facilidade espantosa».
 
A Escola Escatológica, por sua vez, pretendeu enraizar a pessoa de Cristo no seu tempo e no seu meio. Quais seriam os ideais judaicos na sua época? No tempo de Jesus o povo estava desejoso de se libertar do jugo romano, e aguardava com ansiedade, uma pessoa extraordinária, um grande mestre, um chefe político e militar que, um dia havia de libertá-lo e trazer-lhe a paz. Os seguidores desta Escola consideram Cristo um visionário. Um fanático que tentou levar a cabo uma revolta contra os romanos.
 
 
 
 
(Igreja Matriz de Ovar)
 
 
 
 
ECCE HOMO
 
ALGUNS ASPECTOS DA PERSONALIDADE HUMANA DE CRISTO
 
 
Jesus nasceu em Belém de Judá, na Palestina. Viveu na Galileia e em Nazaré. Mas foi nas margens do Lago de Tiberíades, lago de águas doces e com pesca abundante, que Jesus passou grande parte da sua vida.
 
Seu pai adoptivo, José, era carpinteiro, e supõe-se que Cristo seguiu essa profissão como era costume da época. Mas desde muito cedo, a sua inteligência, a sua sede de saber o distinguiram de entre os outros homens. Era tratado com deferência concedida aos escribas e como tal era consultado, e tratado por rabi ou professor. Supõe-se igualmente que Jesus passou grande parte da sua vida a estudar a religião do seu povo, para melhor compreender a sua sobrevivência e os seus anseios.
 
Jesus era um Homem solitário que passava longas horas em estreito convívio com a Natureza, orando e em contemplação. Essa solidão fez dele um poeta que olhava a vida e a Natureza com profundo entendimento e doce simpatia. Era um Homem que sabia ouvir e transmitir a palavra de Deus entre o ruído e o tumulto das multidões. Aproveitava os momentos solitários para reflectir sobre os graves problemas que afligiam o seu povo.
 
O Nazareno possuía um magnetismo capaz de controlar multidões com uma só palavra. O seu poder sobre os poderosos contrastava com uma igual ternura pelos menos fortes e desamparados, pelas vítimas de desgraças ou vícios ou injustiças. E também pelas mulheres e crianças. Era um Homem profundamente entendido das fraquezas humanas. Irresistível. De uma simplicidade e incontestável integridade. Um Homem que se entregou totalmente à causa da Humanidade.
 
Era um excelente orador. Em debate, ele mostrava constantemente a sua habilidade em penetrar no âmago dos problemas, e os seus opositores, desde cedo, se aperceberam de que não tinham como argumentar com ele. O seu poder e conhecimento, no entanto, tornavam-no infinitamente paciente com os mais ignorantes. Chamavam-no o amigo dos pecadores, e ninguém melhor do que os pecadores conhecia a qualidade da sua amizade.
 
Era um meigo Nazareno, a distribuir perdões. Era doçura que afagava os pequeninos. Era bondade que perdoava a mulher adúltera. Contudo, quando confrontado com a hipocrisia, com a injustiça ou com a opressão a sua indignação era imensa.
 
Jesus é tido como a personagem mais exigente da História em matéria de adesão a princípios doutrinários. Dizia ele: «Ninguém pode servir a dois senhores. Quem crê em mim tem a vida eterna. Eu sou a Luz do mundo; quem me segue não anda nas trevas».
Cristo foi sempre totalmente ele mesmo. Sempre pronto, porque agiu sempre com toda a sua consciência luminosa e com a sua vontade enérgica e total. Tinha a extraordinária lucidez de quem sabe perfeitamente o que pretende e uma firmeza inquebrantável de vontade de quem possui tranquila mas plena consciência da sua autoridade. E estes são os dois traços mais distintos da natureza humana de Jesus.
 
O Nazareno cresceu no seio da religião judaica e experimentou as esperanças e aspirações do seu povo, partilhando com ele as suas crenças no reino de um Deus único e universal, e na vinda de um Messias. Rejeitou firmemente a política económica, a propaganda, a intriga e a violência pelos quais o poder político de Roma era exercido na Palestina.
 
Assim era Jesus de Nazaré.
Assim era o Homem que por ter pregado o ideal de uma nova vida, baseada no princípio da Igualdade, da Fraternidade e da Liberdade entre todos os homens, ideal que punha em perigo o imperialismo romano e o poder do Sinédrio, foi condenado à morte.
 
Ontem, assim como ainda hoje, o assassinato político é a forma a que os tiranos, que governam o mundo, recorrem para calar os chamados agitadores de multidões oprimidas.
 
Mas o poder do Nazareno foi maior do que o do mais poderoso dos tiranos. Ao terceiro dia ressuscitou dos mortos e provou a toda a Humanidade que ele era o filho de Deus feito Homem.
publicado por Isabel A. Ferreira às 19:30

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
18
20
25
26
27
28

Posts recentes

Ministério da Cultura (?)...

«Aquilo que uma minoria d...

«Os arrasadores de Portug...

Demolição do Padrão dos D...

«Mais Dinheiros Públicos ...

O regresso às trevas

Tauromaquia em franca dec...

A questão da destruição d...

«“Corridas”: de Touros e...

PAN pede suspensão imedi...

Arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt