Segunda-feira, 16 de Março de 2009

LÊDO IVO – O POETA DAS PALAVRAS LUMINOSAS

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
 
(Lêdo Ivo, na Póvoa de Varzim - 2009)
 
 
 
Foi este ano, no Correntes d’Escritas, na Póvoa de Varzim, que tive a honra de conhecer, pessoalmente, o poeta Lêdo Ivo.
 
Já conhecia o seu nome, de ouvir falar nos seus versos, há tanto tempo! Desde o tempo em que me perdia a brincar nos campos verdes, onde cresciam as bananeiras, nas traseiras da casa onde vivia, nas cercanias de Niterói (um município do Estado do Rio de Janeiro – Brasil) na minha primeira infância.
 
Lêdo Ivo era já o Poeta.
Mais tarde li os seus versos, que ficaram em mim. Nas várias viagens que realizei, atravessando o Atlântico, entre Brasil e Portugal, perdi os seus livros (e outros também). Foram ficando pelo caminho. Não sei! O que sei é que o que li de Lêdo Ivo foi há muito tempo. No entanto, as suas palavras luminosas permaneceram no meu subconsciente, adormecidas. Mas não esquecidas.
 
O tempo passou, e outros poetas cruzaram a minha vida.
Quando vi o seu nome incluído na lista dos escritores que, este ano, participariam no Correntes d’Escritas, os seus versos regressaram à minha memória: finalmente iria conhecer Lêdo Ivo.
 
Portanto, foi com muita emoção que me vi diante do Poeta.
Procurei os seus livros na Feira do Livro que sempre acompanha o evento, e não encontrei nenhum, para grande desgosto meu.
 
Abordei então o Poeta. A sua simpatia e simplicidade fizeram jus à sua fama de um dos maiores poetas brasileiros. Lêdo Ivo não é uma vedeta. É simplesmente um Poeta. E isso faz dele o verdadeiro Poeta.
 
Faço questão de frisar este pormenor, porque, nesse mesmo evento, abordei um outro poeta, português, tido como de “grande craveira”, e saiu-me uma “vedeta”, o que me decepcionou sobremaneira, até porque tenho aversão a vedetas, de todas as áreas artísticas.
 
Continuando com o que interessa: abordei Lêdo Ivo, e perguntei-lhe, entre outras coisas, se não tinha nenhum livro dele à venda em Portugal. Não tinha. E acrescentou: «Se você quiser me dê o seu endereço que a minha editora lhe enviará um dos meus livros». Com certeza que aceitei. O Poeta tirou um papel do seu bolso, e entregou-mo para eu lá escrever o meu endereço, com a nota “enviar livro”. Assim fiz.
 
Entretanto, como sempre faço, amadoramente, fui captando na minha máquina fotográfica, momentos inesperados, os que me foram parecendo singulares. Foi então que vi Lêdo Ivo, recostado a uma das cadeiras do Auditório, com um olhar submerso em algum mundo íntimo, só dele, estava ali e não estava, e fixei esse momento e esse olhar únicos.
 
Escusado será dizer que este meu encontro com o Poeta brasileiro encheu-me a alma. Faltava porém, um pormenor: será que ele esquecer-se-ia da promessa que me fez?
 
Não esqueceu, ao contrário das nossas “vedetas” que não cumprem o que (quase de má vontade) prometem aos seus leitores (parecendo que temos obrigação de ser seus leitores).
 
Um destes dias, chega-me pelo correio o seu Plenilúnio (2004), publicado pela Topbooks Editora, com uma dedicatória muito simpática.
 
Um livro lindo, não só graficamente, como pelo seu conteúdo de palavras luminosas. Versos feitos de águas límpidas, onde mergulhamos e sentimos que o silêncio nos envolve, como num ventre materno, e todo um universo de sensações nos aquieta a alma, porque o «plenilúnio é lume que ilumina» (diz o Poeta), embora a morte ronde o lugar onde a vida se esconde. Porém, vida e morte fazem parte do mesmo percurso, um percurso que Lêdo Ivo tão bem sabe transformar em versos.
 
Tudo isto num Português que dá gosto ler (o que nem sempre acontece com os autores brasileiros das novas gerações). Um livro que nos transporta para o plano de um sentir profundo, de alguém que já viveu muito e sabe tudo, ou quase tudo da existência humana.
 
Arrisco-me – não podia deixar de o fazer – (e digo arrisco-me, porque pedi autorização à editora para o publicar e não obtive resposta) a reproduzir aqui um dos seus poemas, incluídos no Plenilúnio, que diz da dimensão da Poesia de Lêdo Ivo.
 
 
♥♥♥
 
O PORTA-VOZ
 
Falo em nome da noite
que traz a sombra e a morte
e o silêncio final.
 
Em nome do oceano
advirto os navios
que passam no horizonte.
 
À folhagem fremente
falo em nome do vento
e de suas rajadas.
 
Converso com as pedras.
As montanhas caminham
imitando os ciganos.
 
Falo em nome da água:
da água branca das fontes
e da água negra dos mangues.
 
Falo em nome de tudo:
da terra maternal
e dos céus transfigurados.
 
As estrelas se curvam
para ouvir o que digo
na noite iluminada.
 
Mesmo quando estou mudo
ouço em mim a torrente
da voz inestancável.
 
Em nome dos amantes
falo de amor na treva
guiando a mão errante.
 
Guinado a mão que encontra
a água de um mar escuro
na concha entreaberta.
 
Sou apenas dois lábios
que se abrem na noite
ferida pelo vento.
 
♥♥♥
 
Obrigada, Lêdo Ivo, por não ter se esquecido de mim.
Obrigada, por esta viagem ao fundo da alma de um Poeta.
Verdadeiro.
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 11:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
18
20
25
26
27
28

Posts recentes

Ministério da Cultura (?)...

«Aquilo que uma minoria d...

«Os arrasadores de Portug...

Demolição do Padrão dos D...

«Mais Dinheiros Públicos ...

O regresso às trevas

Tauromaquia em franca dec...

A questão da destruição d...

«“Corridas”: de Touros e...

PAN pede suspensão imedi...

Arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt