Segunda-feira, 9 de Março de 2009

DIVAGAÇÃO AO REDOR DE LIVROS

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
 
 
Quem escreve, logicamente gosta de ler, e os livros são a sua paixão.
 
Quanto a mim, sou daquelas que “devora livros”, desde que aprendi a ler. Quando era criança, lia tudo o que vinha ter-me às mãos. Os próprios para a primeira infância, dos quais pouco me recordo, e depois, Andersen, os irmãos Grimm, Emilio Salgari, Júlio Verne, Lewis Carrol, Hoffmann, Louise May Alcott, Alexandre Dumas, Daniel Defoe, Charles Dickens, Walter Scott, os 60 voluminhos da Colecção Formiguinha da Majora (que me faziam chorar), enfim, li tudo e todos, e li igualmente os “livros proibidos” (numa determinada idade, evidentemente) aqueles que não ficava bem a uma menina ler. Esses, claro, eram os mais cobiçados. E, ás escondidas, lia tudo o que a minha mãe (também uma leitora compulsiva, até aos dias de hoje, e já conta 85 anos) me proibia. Entre esse “tudo” estavam os livros de Eça de Queiroz, de Camilo Castelo Branco, de Stendhal, em suma, os que focavam temas “inconvenientes” para a educação de uma menina de família.
 
Bem, além dos proibidos, lia também o Tio Patinhas e companhia, Kit Carson,  Buffalo Bill, Matt Dillon, Mandrake (tinha (e tenho) um irmão, também leitor compulsivo) e Almanaques, o Seringador (que ainda hoje me fascina), os Caprichos (fotonovelas proibidíssimas), tudo, absolutamente tudo.
 
A propósito do Kit Carson fui protagonista de um episódio curioso. Quando tinha uns dez anos, durante as férias, frequentava a casa de uma mestra de Bordados, onde ia aprender a bordar, e levava o meu lanche e mais alguns pertences, dentro de uma sacola a tiracolo (ainda não havia mochilas). Para não ter de dar uma volta enorme, atalhava pela berma do caminho-de-ferro, e seguia por um beco onde havia umas casinhotas abandonadas. Pelo trajecto ia lendo o Kit Carson, e precisamente quando estava a ler uma passagem em que ele ia a cavalgar por um desfiladeiro e um bando de índios lhe saltou para cima, fui atacada à pedrada por uma miúda, um pouco mais velha do que eu, que queria roubar-me o saco. Inspirada, talvez, na valentia do Kit Carson, opus resistência. Houve uma luta corpo a corpo, depois pedradas e pauladas (havia paus e pedras no chão de terra do beco) e no final consegui que a miúda fugisse. Fiquei em muito mau estado e cheguei a casa da mestra de Bordados, mais morta do que viva, mas com o meu saco intacto. E isso é que foi importante para mim. Venci quem me atacou, tal como o Kit Carson.
 
Nesta senda, aprendi também algumas coisas úteis de socorrismo, ao ler o Almanaque do Luizinho, do Zézinho e do Huguinho (os sobrinhos do Pato Donald) quando eram escuteiros: como sobreviver na selva; estancar o sangue de uma ferida; estabilizar uma pessoa que parte uma perna e tem de ser transportada selva fora, utilizando os materiais que a selva e as circunstâncias nos proporcionam, enfim, algumas delas, já tive até ocasião de pôr em prática.
 
Conclusão: não me fez mal nenhum, ler todas estas “erudições”.
 
Seguiu-se a era dos grandes clássicos da Literatura universal: russos, alemães, franceses, americanos, espanhóis, gregos, ingleses, brasileiros, portugueses, entre outros. Todos. Bem, quase todos, porque o todo é impossível.
 
 
Esta experiência, riquíssima, de leituras na infância e na adolescência, deu-me uma capacidade extraordinária para conseguir discernir entre o que me convinha e o que não me convinha ler, à medida que fui avançando na idade, e evoluindo em mentalidade. Hoje sou demasiado exigente nas minhas escolhas de leitura. Já não leio tudo o que me vem parar às mãos. Já nada me é proibido, e nem tudo o que li, anos atrás, me seduz nos dias de hoje.
 
Hoje, selecciono, cuidadosamente, o que leio, por autores (não os leio a todos por ser completamente impossível – e o meu maior desgosto é morrer sem poder ler todos os livros que tenho nas minhas estantes, e que vou adquirindo, sempre na esperança de um dia poder lê-los).
 
Dou claramente preferência aos mestres da Língua Portuguesa, e esta minha preferência nem sempre coincide com a complacência dos nossos críticos literários, cuja apreciação é quase sempre subjectiva. Além disso, gosto de ler nas línguas originais. As traduções, ou são excelentes e colam-nos aos autores como uma pele, ou são péssimas e desvirtuam os originais, perdendo-se, por completo, a essência da obra. Reconheço, contudo, que é muito difícil traduzir as subtilezas específicas de um idioma, nomeadamente quando se trata de traduzir Poesia.
 
 
Entre 2000 e 2005 trabalhei para a Byblos, uma livraria on-line, com um banco de dados que continha 70 mil títulos, e cuja livraria física estava sedeada em Aveiro. O seu proprietário era igualmente um grande e dedicado amante de livros. O meu trabalho era recolher as críticas dos “especialistas”, biografias e entrevistas dos escritores, que iam sendo publicadas na comunicação social, e inseri-las nas respectivas páginas on-line. Um comprador virtual que estivesse interessado em determinado livro, tinha à sua disposição um ficheiro completo sobre a obra, o autor, a crítica e a entrevista.
 
Esta livraria teve um sucesso estrondoso. Continha uma ideia nova, numa época em que, para aqueles que gostam do impalpável, o livro tinha os dias contados. A Byblos era conhecida em todo o mundo. Os negócios corriam às mil maravilhas, até ao dia em que alguém muito, muito invejoso entendeu boicotar o projecto, e o que era útil, agradável e um extraordinário veículo de uma Cultura culta, afundou-se no mar turbulento do malquerer, para meu desencanto e profunda mágoa do seu proprietário.
 
Essa foi a época em que adquiri mais livros. Aliciada pela crítica, ia comprando obras, que fui lendo, e li-as todas, mas não até ao fim, algumas. Muitas delas, que a crítica considerava “obras-primas”, foram, para mim, um espantoso logro. Deixei-as a meio, por motivos vários (más traduções, más revisões, temas corriqueiros…). Poucas corresponderam às críticas, demasiado apologéticas, que se faziam delas. Gostaria de saber os critérios que levam alguns críticos a “dizer bem” de uma coisa má, ou a “dizer mal” de uma coisa boa. Se bem que os gostos não se discutem, e tudo nesta área é demasiadamente subjectivo.
 
 
 
Para mim, uma “obra-prima” tem de estar bem escrita, bem traduzida, num Português escorreito e sem palavrões (a não ser que estes se integrem no modo de falar da personagem, se esta pertencer ao rol dos que “falam mal” pela sua condição social e cultural, e apenas nessa circunstância e sem exageros; deve contar uma boa história, e ter uns acessórios mais, como uma apetecível apresentação de leitura, isto é num tipo de letra que se leia sem dificuldade, daquela que não seja preciso usar uma lupa; ser dotada de margens suficientemente largas, para não parecer que as palavras estão a fugir da página; e se existem notas, estas devem constar no rodapé da respectiva página, e não no final do livro, pois tal opção torna a leitura desagradabilíssima.
 
Selecciono igualmente as minhas leituras por temas. Há temas que não me interessam, como, por exemplo, os temas politizados (não os políticos) fora de um contexto histórico independente, e que contém “recados”, que favorecem os regimes vigentes, com o intuito de os seus autores tirarem proveito para si próprios. Uma questão de sobrevivência, dizem-me. Porém, há outras maneiras de sobreviver, sem se ser subserviente, submisso. Outros temas, como romances “açucarados”, vidinhas e “enchidos” à moda da moda, enfim, vulgaridades, não me seduzem.
 
 
Faço depois selecção por editoras. Existem editoras que sacrificam a qualidade em prol do lucro. Publicam autênticas aberrações no que diz respeito ao desrespeito pela Língua, más traduções, revisões catastróficas, obras vendáveis, mas intragáveis que, apesar disso, têm as suas parangonas garantidas, nos órgãos de informação. Inacreditavelmente.
 
Por outro lado, há editoras com muito bom gosto, na opção das capas, no design gráfico, na escolha das obras, no cuidado extremoso da Língua, das traduções e da revisão dos textos. São essas que salvam a Literatura. Infelizmente, raras, no imenso universo editorial português.
 
 
Li, há dias, no n.º 73, da Revista Os Meus Livros, na rubrica quem diria – citações, precisamente a seguinte citação de Manuel Alberto Valente (que já foi editor da ASA e agora está na Porto Editora) in Jornal de Notícias, 1/2/2009, que diz o seguinte: «A relação entre autores e editores é agora uma relação comercial como em qualquer outra área do negócio. A edição romântica do passado deu lugar a uma indústria».
 
Estas palavras atingiram-me como uma pedrada, talvez porque a minha circunstância de nefelibata me afaste um pouco das coisas demasiado mundanas (embora não tanto, pois tenho de sobreviver) e ainda viva na ilusão da edição romântica e de uma relação afectiva entre editor e autor, necessária ao “fazer” de um livro. Mas já tive motivos suficientes para me desiludir.
 
A ser verdade, esta relação comercial, de que fala José Alberto Valente, acabará por matar a Literatura. A verdadeira. A que é feita de palavras com honra. Daquelas de que nos fala Baptista-Bastos, no mesmo número, da mesma revista, na mesma rubrica, atrás referida. Disse este escritor ao Diário de Notícias, em 5/2/2009: «Há muito se perdeu a noção de que as palavras têm honra. Políticos servem-se delas para mentir, ocultar, dissimular a verdade dos factos e as evidências da realidade». Eu acrescento que não são só os políticos que se servem das palavras para dizerem ou escreverem coisas inadequadas. Hoje é muito comum lermos e ouvirmos, por todo o lado, palavras andrajosas, de tão gastas que estão, umas, e mal ditas que são, outras. E as novas palavras que são inventadas, parecem não ter qualquer utilidade.
 
 
Durante o Correntes d’Escritas, realizado há pouco tempo, na Póvoa de Varzim, ouvi um dos nossos intelectuais desdenhar de livros como O Código Da Vinci, de Dan Brown, e a Sombra do Vento (Prémio Correntes d’Escritas/Casino da Póvoa 2006), de Carlos Ruiz Zafón, numa mesa onde se falava precisamente da universalidade da Literatura. Tanto azar teve o nosso escritor, que escolheu precisamente dois exemplos dos mais universais.
 
Devo dizer que li sofregamente um e outro livro. Primeiro, porque os temas eram aliciantes; segundo porque que se quero ter uma opinião sobre o que se desdenha, tenho, pelo menos, de tentar lê-los. Se o tema me agrada leio-o até ao fim. Se não me agrada, deixo-o pela metade, mas leio o suficiente para poder ter opinião. Não posso avaliar sobre algo que desconheço, como alguns intelectuais portugueses avaliaram o Código, dizendo que o livro não prestava para nada, mas não o leram, nem o leriam nunca.
 
Pois, O Código Da Vinci é um livro sedutor, não só pelo modo como está escrito, como pelo tema que aborda, independentemente de se concordar ou acreditar nele. Isso é outra história. Não li mais nada do Dan Brown. O mesmo se passou com a Sombra do Vento, um enredo bem urdido, cativante do princípio ao fim, numa escrita escorreita. Tenho agora ali para ler, o outro livro de Zafón, O Jogo do Anjo, que ao que já vi, me parece interessante. Porque gosto de uma boa intriga. De um bom romance. De uma boa tragédia, tudo isto, bem escrito.
 
Li também o Harry Potter, como não podia deixar de ler. Uma leitura frenética, alucinante, electrizante, bem ao jeito dos miúdos. Não foi por acaso que teve o sucesso que teve junto dos leitores mais jovens. A J. K. Rowling soube captar, como ninguém, a fórmula mágica de como cativar o interesse dos mais novos, para que estes lessem aqueles calhamaços avidamente até ao fim.
 
O problema, no nosso país, é que alguns dos “intelectuais” (escritores, pensadores, ensaístas) portugueses têm ideias pré-concebidas e não conhecem, porque não querem conhecer, e não sabem quase nada ou mesmo nada sobre os outros, os que também são intelectuais, escritores, pensadores, ensaístas. Os nossos fecham-se nas alturas da sua intelectualidade e não evoluem. Os outros abrem-se ao mundo e às suas novidades. Por isso esses outros são mais universais do que os nossos.
 
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 19:14

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Fevereiro 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
14
15
18
20
25
26
27
28

Posts recentes

Ministério da Cultura (?)...

«Aquilo que uma minoria d...

«Os arrasadores de Portug...

Demolição do Padrão dos D...

«Mais Dinheiros Públicos ...

O regresso às trevas

Tauromaquia em franca dec...

A questão da destruição d...

«“Corridas”: de Touros e...

PAN pede suspensão imedi...

Arquivos

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt