Quarta-feira, 12 de Setembro de 2012

ANTÓNIO PEÇAS, O EX-FORCADO DE ESTREMOZ QUE INCITOU À VIOLÊNCIA CONTRA OS ANTI-TOURADAS, DIZ QUE «A AMI É UMA CAMBADA DE BANDALHOS»

 

 


 

Poderá um sujeito destes ter crédito como médico cirurgião, depois de ter escrito o que escreveu, num artigo para um jornal de Estremoz, com ódio a sair-lhe por todos os poros?

 

“Desejo, àqueles que ladraram felizes pelo sucedido ao Nuno, que numa estrada qualquer um touro bravo lhes entre pelo vidro do carro e depois de os cobrir com a sua bosta lhes arranque as cabeças com as suas hastes afiadas!”

 

Cuidado, anti-touradas de Estremoz, isto é conversa de FORCADO, não de médico cirurgião.

 

E o que diz da AMI (Assistência Médica Internacional) não será dor de cotovelo?

 

Mas quem se atreverá a convidar um ex-forcado (que aliás nunca deixou de o ser, pela linguagem que utilizou no seu texto) a ser médico da AMI? 

 

No meio de toda esta guerra suja, quem será o bandalho?

 

É preciso que esta gente que tira um CURSO SUPERIOR, não fique só pelo curso, na superioridade, mas também no carácter, nas atitudes e na postura perante a sociedade, para poder ter alguma credibilidade e dar exemplo aos MENOS ESCLARECIDOS.

Fonte:

http://www.imprensaregional.com.pt/linhasdeelvas/index.php?info=YTozOntzOjU6Im9wY2FvIjtzOjExOiJub3RpY2lhX2xlciI7czoxMDoiaWRfbm90aWNpYSI7czo0OiI1MzUwIjtzOjk6ImlkX3NlY2NhbyI7czoyOiI3NyI7fQ%3D%3D

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:42

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De João Almeida a 12 de Setembro de 2012 às 18:35
Cara Isabel, uma coisa é lutar pela (muito nobre) causa que luta, outra coisa, é aproveitar-se dessa causa para "disparar" contra tudo e contra todos. Esse médico é aficionado. Podemos não concordar, mas está no seu direito de o ser. A bem ou a mal, a tourada é legal neste país. Foi forcado. Podemos não gostar, mas é uma actividade lícita. Independemente de tudo isso, ele é médico. E uma coisa nada tem que ver com outra. Como médico, esse senhor só tem de ser um bom profissional. Se um paciente estiver numa cama, pronto a ser operado por ele, não quererá saber se ele foi forcado ou se é aficionado. Só quer que ele lhe salve a vida. E é nisso, Isabel, que ele tem de ser bom. O paciente não quer saber se o médico é branco, se é preto, se usa tatuagens ou se é gay, não quer saber se conduz a 200 km/h ou se gosta de prostitutas, se foi forcado ou se é do SLB. O paciente só quer que o médico lhe salve a vida. Mais, este médico foi como voluntário para o Haiti após o terramoto. E sabe, Isabel, ele disse que a AMI era uma cambada de bandalhos porque a AMI procurou "melhores condições" de estadia e de deslocação na sua missão no Haiti, em detrimento de prestar o devido auxílio humanitário ao povo haitiano."
De Isabel A. Ferreira a 12 de Setembro de 2012 às 19:14
Concordo plenamente com tudo o que disse, João Almeida.

Mas a treta não diz com a careta.
Um médico não pode dizer o que disse. NUNCA.
Corre o risco de se descredibilizar.

Pelo que ele escreveu naquele artigo vê-se que é um tipo cheio de ódio, que lhe vem de algures, na infância, talvez passada no meio tauricida, que já sabemos o que ér.

Como vamos acreditar nele? Como saber que o que ele diz da AMI também não está imbuído de ódio?Seja lá por que motivo for?

Não acredito, de todo, que a justificação que ele deu para chamar "bandalhos" aos profissionais da AMI seja verdade.

Não depois de ele ter mostrado, naquele artigo, o seu verdadeiro carácter: uma vez forcado, para sempre forcado.

E ninguém tem em boa conta os forcados, os aficionados, os torcionáriosd, os tauricidas, muito menos gente com ENSINO SUPERIOR e MÉDICO.

Não saber o que é um ANIMAL?
Como pode tratar com competências os animais que todos nós somos?
De Lilith Marleen a 14 de Setembro de 2012 às 14:27
Pois é. E falta outra coisa a este argumento. O paciente não quer saber se o médico é branco, preto, alto, baixo, gordo, magro, gay, hetero, activista ou ex-forcado, apenas quer que o médico lhe salve a vida. Bem verdade. Mas tendo em conta o discurso deste indivíduo, será que ele salvaria a vida a um paciente sabendo que este é anti touradas? Fica a questão.
De Isabel A. Ferreira a 14 de Setembro de 2012 às 17:34
Pois aqui fica a questão, Lilith.

Sabe o que o ex-forcado faria? Usava bandarilhas nos doentes, em vez de bisturis.
De Arsénio Pires a 13 de Setembro de 2012 às 09:35
Pois é. O senhor João Almeida esquece-se duma coisa fundamental. É que nem tudo o que é lícito, legal, é ético, moral. Há leis que são eticamente reprováveis como esta das touradas que é uma incompreensível e infundamentada excepção à lei geral exarada na Declaração Universal dos Direitos dos Animais - UNESCO e que Portugal assinou. Perante a nossa lei, se alguém maltratar um cão pode ser incriminado. No entanto, o espectáculo rodeado de sádicos que se divertem a ver um psicopata a torturar um touro indefeso e em pânico, não só é permitido por lei como é subsidiado pelo Estado com o dinheiro dos contribuintes. Onde está a LEGALIDADE desta lei? Alguém que responda!
De Isabel A. Ferreira a 13 de Setembro de 2012 às 11:12
Muito bem dito Arsénio.
Estou completamente de acordo.
Esta lei que exclui os Touros e os Cavalos do REINO ANIMAL além de ILEGAL é ESTÚPIDA.

SÓ OS ESTÚPIDOS A CUMPREM.

De João Almeida a 13 de Setembro de 2012 às 12:24
Sr. Arsénio Pires,

Eu nunca me esqueço que nem tudo o que é legal é moral. Daí a lei sofrer alterações ao longo dos tempos. A lei evolui, adapta-se... Com grande pena nossa, as corridas ainda não foram abolidas. Mas esse dia chegará.

Contudo, esse seu comentário não tem a ver com este post... Por enquanto, elas são legais e este médico gosta de ver touradas. Médico esse que fez uma afirmação (sobre a AMI) que foi descontextualizada e propagada. Acho mal.

Este homem voluntariou-se como médico da AMI e foi salvar vidas. Eu só contribui com dinheiro nessa causa (logo, ele fez mais que eu, que foi para o terreno) e entendo as suas declarações.

Assim como faz imensas cirurgias em Portugal a quem delas precisa. Mas só porque é aficionado, é o Demónio? Que raio de luta é a nossa?
De Isabel A. Ferreira a 13 de Setembro de 2012 às 14:09
Arsénio Pires, se quiser responder... esteja à vontade.

Só direi ao João Almeida que nada aqui está descontextualizado. Há um link para a entrevista que o António Peças deu, a chamar "bandalhos" aos colegas.

Ainda que tivesse razão, um SENHOR DOUTOR não utiliza a linguagem RASCA, que herdou do tempo da forcadagem, que sabemos muito bem o tipo de gente que é, no que respeita a CULTURA.

Ser aficionado, por vezes tem o significado de demoníaco, sim. Porque só os demónios gostam de TORTURA.

Se não sabe, o "raio da nossa luta" é pela libertação dos Touros e dos Cavalos, da mão de carrascos que vivem na Idade Média.
De Arsénio Pires a 13 de Setembro de 2012 às 15:13
Sr João Almeida:
Obrigado por ter entrado em diálogo.
Fico contente por verificar que também o Sr. João Almeida anseia pelo fim desta excepção à lei geral dos Direitos dos Animais, que é a tourada. Sabemos que o fim deste triste espectáculo vai demorar uma vez que estão em jogo muitos valores (?) económicos que se sobrepõem ao valor do respeito e protecção da vida dos seres vivos como nós. Mas temos que fazer alguma coisa ainda que saibamos que esta barbárie muito provavelmente não acabará no tempo das nossas vidas. Se não fizermos nada é que dificilmente acabará.

Quanto ao médico em questão, nada tenho de pessoal contra ele uma vez que não o conheço. Não posso é deixar de manifestar a minha estranheza e até certa repugnância por alguns termos e expressões que ele utilizou. Acho-os de muito baixo nível educacional e nada condizentes com o estatuto dum médico que, à partida, esperamos seja pessoa respeitadora dos outros para merecer respeito também. Tanto mais que esses termos e expressões ficaram escritos o que lhe acarreta uma maior responsabilidade moral e, perante os ofendidos, cívica ou até criminal.
Era só isso.
Cumprimentos.
De Isabel A. Ferreira a 13 de Setembro de 2012 às 18:46
Faço inteiramente minhas, as palavras de Arsénio Pires.

Se o João Almeida quiser responder, esteja à vontade.
De João Almeida a 13 de Setembro de 2012 às 19:47
Caro Arsénio,

Grato pelas suas palavras.

Sabe, se alguém luta pelo fim disto sou eu.

Mas, se quero justiça pelos animais, também a quero pelos homens. Não compreendi este post. Ele sugere que o médico tem problemas por não ter conseguido fazer parte da AMI...

Claro que quando li as palavras do médico fiquei irritado. Quem não sente não é filho de boa gente... E eu sou dos que já se manifestaram à porta do CP a quem ele "quer dar porrada". Mas... mas ele disse aquilo num momento de dor e empatia pelo Nuno. Por menos, eu já vi o "nosso lado" desejar mal aos outros... Só quem passa por aquilo é que entende a fragilidade, raiva, e a dor que o tal médico sentiu quando se deparou com a desgraça do amigo e "os nossos" a gozar!

Eu quero o fim das touradas e sou mais activo que muitos que por aqui andam (pela internet) a defender os animais. Mas não desejo mal a ninguém. Esse, não é, aliás, o caminho. O médico errou nas palavras (proferidas num momento de raiva) mas quantos de nós não desejámos já mal aos toureiros, forcados, aficionados?

E como disse uma amiga minha, se eu acordar de uma operação são e salvo, alguma vez vou perguntar ou querer saber se o médico que me operou é aficionado? Ou preferia morrer a ser salvo por um médico aficionado? Ridículo. Tão ridículo quanto um aficionado vir dizer que preferia morrer a ser operado por um cirurgião anti-touradas que se manifesta à porta do CP...

Mas uma coisa que eu aprendi é que somos todos muito convictos da nossa integridade, como se todos os aficionados fossem más pessoas. Gostar daquilo é cruel aos nossos olhos, mas (infelizmente) não é cruel aos olhos de quem foi formatado desde pequeno para gostar. O que eu sei, é que aquele médico, aficionado ou não, já salvou mais vidas do que eu. E eu sou anti e ele é aficionado. E é um aficionado que disse mal da AMI por isto:
http://www.linhasdeelvas.net/pagina/edicao/4/2/noticia-arquivo/5372/comentarios

Às vezes, o "nosso lado", deixa-me triste. Parece que temos de seguir todos o caminho da agressão. Um "dos nossos" diz "mata", o coro tem de dizer "esfola".

Lucidez, é só o que eu peço. Nem eles são todos maus, nem nós somos todos bons.
De Joao Almeida a 13 de Setembro de 2012 às 19:58
Cara Isabel, e desculpe-me o facto de estar a utilizar este espaço, que é seu, de forma abusiva.
De Isabel A. Ferreira a 13 de Setembro de 2012 às 20:03
Dou-lhe todo o espaço do mundo. E não acho que o esteja a usar de forma abusiva.

Este espaço é de todos, excepto dos que escrevem obscenidades.

Penso que devemos discutir civilizadamente, como faz o João, estes assuntos.

Esteja à vontade.
De Isabel A. Ferreira a 13 de Setembro de 2012 às 19:59
O Arsénio responder-lhe-á, João.

Ninguém anti-tourada deseja que nenhum pró-tourada fique paraplégico.

Nenhum anti-tourada deseja que os Touros sejam torturados, e isso dói. E por vezes sai "da boca" alguma coisa que não devia ser dita.

Mas ESCREVER? Já é outra coisa. Já podemos pôr travão à mão que escreve. O que não aconteceu. Está escrito.

Onde vê o João escrito o DESEJO de que o Nuno fique paraplégico? Em lado nenhum.

Não tem perdão, este ex-forcado.
De Arsénio Pires a 13 de Setembro de 2012 às 21:31
Caro João:
Gostei da serenidade deste seu post. E sou levado a concluir que concordo com o que nele você nos diz.
De facto, todos nós quando numa situação de stresse e, ainda por cima, inseridos num grupo, temos reacções mais ou menos irracionais e proferimos palavras de que nem sequer nos lembramos. A chamada “psicologia dos grupos” fala-nos disto mesmo.

Outra coisa diferente é, como disse, quando escrevemos pois supõe-se que a maior componente seja racional em detrimento da componente emocional. Foi só neste sentido que não achei correctas algumas palavras e expressões do referido médico.

Quanto ao malogrado Nuno, nem sequer quero pensar que alguém, no seu perfeito equilíbrio emocional e racional, tenha proferido o desejo de que ele ficasse paraplégico! Se, por acaso, num grupo e numa situação de protesto contra uma tourada, alguém disse tal barbaridade, não foi de certeza a razão que funcionou mas a emoção. Foi mais o desejo de que não se torture um ser vivo do que o ódio ou malquerença para com o torturador.
No meu círculo de amigos costumo dizer: Eu não sou contra as touradas ou contra os toureiros! Sou a FAVOR DO RESPEITO PELA VIDA. No caso, quero DAR VOZ aos touros e cavalos que são sacrificados num espectáculo bárbaro para gozo de gente sádica e desprovida de sentimentos para com o seu semelhante. Semelhante porque sente, porque sofre, porque ama e porque quer viver como todos nós.

Mas concordo consigo: Nós, os que lutamos pelo fim desta barbaridade, temos obrigação de sermos mais lúcidos do que os aficionados. Até porque a nossa força é a razão! Mas, às vezes... o coração não aguenta tanta agressão ao sentimento!

Os meus cumprimentos
Arsénio
De Isabel A. Ferreira a 13 de Setembro de 2012 às 22:45
João e Arsénio, gostei deste debate,
De João Almeida a 13 de Setembro de 2012 às 14:22
Isabel, eu abro o link e só me aparece a frase em que o médico chama bandalhos à AMI. Não encontro o resto da entrevista... Será erro meu? Se for, as minhas sinceras desculpas, que não gosto de injustiças!

A minha questão pelo "raio da luta", foi retórica. Ando nisto, se calhar há mais tempo que a Isabel, mas tento ser razoável. Não é com este tipo de ataques que vamos a lado nenhum. E não é por não concordar com certas atitudes do nosso lado, que sou menos anti-touradas.
De Isabel A. Ferreira a 13 de Setembro de 2012 às 18:44
João Almeida, para ver a entrevista completa tem de se inscrever. Aquilo é só para alguns. Se fosse verdade, seria para todos. Enfim...

O João chama "ataque" ao que eu faço.
Eu chamo-lhe crítica. Com todo o meu direito.

Quem cala consente e é cúmplice destas iniquidades.

Eu não me calo, não consinto, nem quero ser cúmplice.

Por isso combato, usando as palavras como arma.
E esta é a minha postura de combate: não poupo os carrascos daqueles a quem emprestei a minha voz: os Touros e os Cavalos.

E só eles me importam.
Quando os deixarem em paz, também deixarei em paz os seus torturadores.
De António Pereira Dias a 26 de Dezembro de 2012 às 08:54
"... àqueles que ladraram felizes pelo sucedido ao Nuno" - Foram estes os destinatários, e não outros, dos votos justos e indignados do Dr. António Peças. E então, haverá aqui alguém com os "cinco alqueires" bem medidos, que tenha tomates para defender a posição dos que ladraram felizes pelo sucedido ao forcado em questão? É que se há, não merecem um toiro a entrar-lhes pelo pára brisas do carro - coitado do animal, ainda podia aleijar-se - merecem um missíl patriot. Quem ladra feliz perante aquele drama, não merece melhor; digo eu...
De Isabel A. Ferreira a 26 de Dezembro de 2012 às 10:42
A resposta a este comentário está no seguinte link:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/209213.html
De Luis V.Redondo a 9 de Janeiro de 2019 às 19:04
Só quem não conhece o Dr. Peças,fala e escreve tantos impropérios.
É um excelente medico/cirurgião,é verdadeiro amigo do amigo,é SÉRIO.Falo,escrevo com conhecimento.
Pena é,neste Portugal,julgar tudo e todos na praça publica. Vamos até ao fim desta "peça",Estou contigo.
Já não se pode ser rijo e chamar pelos nomes os toiros e todos os outros? Forcado hoje,forcado sempre.
Pobres daqueles que se calam e não os tem no sitio.
De Isabel A. Ferreira a 9 de Janeiro de 2019 às 19:30
Alto lá!

Quem escreveu IMPROPÉRIOS foi o António Peças, que sendo (ou diz que é) MÉDICO, não podia de modo algum dizer o que disse. E quem diz o que não deve, ouve o que não quer.

Teve o que mereceu. Mas estou a ver que este PEÇA é mesmo uma PEÇA, pois foi agora EXPULSO do INEM, e não fui eu que o expulsei. Foi por isso, que você foi desenterrar este texto, contribuindo, com isso, para ENTERRAR o António Peças, mais do que ele já estava enterrado?

Ninguém julga ninguém por aquilo que NÃO fez.
Nem sequer julga coisa nenhuma Apresenta FACTOS.

António Peças não é boa peça, e está à vista. Se fosse, não andava na boca do mundo e não tinha sido EXPULSO do INEM. Isto é óbvio para qualquer um.

Mas, quem é amigo nem sempre é amigo verdadeiro, é apenas BAJULADOR, defendendo as maldades do amigo.

Pois se é amigo dele, trate de dizer-lhe que ele está do lado errado da História. Ser forcado não dá dignidade a ninguém, muito menos a um MÉDICO que, se estudou, devia distanciar-se deste costume bárbaro, porque o animal TOURO é um mamífero tal como o Peças. É um ANIMAL, e se se bandarilhar ou atacar um Touro MORIBUNDO, como o fazem os COBARDES FORCADOS, está-se a CAUSAR GRANDE SOFRIMENTO ao animal. E se não sabe disto NÃO É BOM MÉDICO. Nunca será nem bom médico nem um ser humano. É apenas um ser DESUMANO que tirou o curso ERRADO.

Essa do forcado hoje, forcado sempre, atira com o PEÇAS para o nível ZERO. Sabia?

A Ordem dos Médicos deve retirar-lhe a possibilidade de exercer a profissão. Ele NÃO TEM perfil para exercer uma tão nobre MISSÃO.
De Filipe Garcia a 24 de Junho de 2019 às 08:16
Estimada Isabel
Nunca a expressão "Há bons médicos e há maus médicos" fez tanto sentido"...
O exercício da medicina requer, desde logo, uma componente empática que é absolutamente essencial á boa e nobre prática da medicina, isto é, para ser bom médico, não basta ter os conhecimentos "técnicos" e de análise para definir diagnósticos correctos e respectivas terapêuticas, vai muito para além disso... É necessário a capacidade de perceber o sofrimento do outro, de ser solidário, de ser empático, isto é, de "entrar" no nosso interlocutor e perceber as suas angustias e anseios, ora, pelo que li até aqui, parece por demais evidente que este cavalheiro Peças, não tem essa capacidade.
As touradas são uma prática aberrante, que nada têm que ver com "cultura", mas que subsistem meramente por razões de natureza económica e financeira, atento a importância que assumem na economia regional (nas localidades onde se pratica), que é ainda subdesenvolvida. Este é o factor central que importa combater. Enquanto os governos sucessivos não apostarem verdadeiramente no interior, dotando de infra-estruturas que permitam instalar e fixar pessoas, desenvolver o tecido empresarial criando empregos e apostar na formação não apenas académica (esbá bom de ver porquê) mas também cívica e humana, este degradante e hediondo espetáculo irá manter-se. Mais, isto é uma especie de "desporto" dos "senhores feudais" lá do burgo, que exploram a pobreza de espirito da plebe, numa especie de feira de vaidades, de pseudo-afirmação, de poder, de protagonismo bacoco, para manter o "culto do Endeusamento" perante a plebe. Depois chamam-lhe "cultura"...um autêntico embuste.
Recentemente, houve uma Câmara Municipal no Norte que resolveu a questão, de forma radical mas certamente eficaz. Perante a persistência destes energúmenos das touradas, tomou a corajosa decisão de "arrasar" a praça de touros, ou seja, vão demolir. Acabou-se o recreio!

Cumprimentos para si.
De Isabel A. Ferreira a 24 de Junho de 2019 às 11:02
Obrigada pelo seu lúcido testemunho, caro Filipe Garcia.

O seu comentário está destacado no Blogue, neste link:

https://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/a-tauromaquia-e-uma-especie-de-desporto-888136?tc=11370374809

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Agosto 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Virologista chinesa garan...

«Touradas na RTP? NÃO!»

«Cultura contra Tortura!»

Se ao menos soubessem o q...

Farpas Blogue diz, TVI de...

«José Gomes Ferreira acus...

«O touro pode ser o melho...

O Touro que se vê na imag...

Pinto da Costa critica a ...

«Faz hoje dez anos que se...

Arquivos

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt