Segunda-feira, 9 de Fevereiro de 2009

O Uso e abuso da Mulher

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
  
A Musa Calíope – inspiradora da poesia épica (Escultura do Museu do Vaticano)
  
 
Para quebrar a monotonia, hoje decidi abordar um tema universal – a mulher – espécimen ao qual nem sempre me orgulho de pertencer.
 
Embora a mulher tivesse representado um papel específico em cada época histórica, aumentando ou diminuindo a sua importância de acordo com os valores culturais, sociais, morais e até religiosos de cada povo, existem apenas dois tipos de mulher: a que explora e se deixa explorar, e a que bate o pé no chão, sejam quais forem as circunstâncias, comandando, deste modo, a sua própria vida.
 
Evidentemente que em cada uma destas tipologias se enquadra uma infinidade de géneros, cada qual com um estigma totalmente diverso do outro. Contudo, o que interessa fundamentalmente destacar são os dois grandes e universais tipos de mulher, que existem desde o aparecimento dos hominídeos na Terra, embora pouco ou nada se saiba da mulher pré-histórica, e sobre esta, os estudiosos gostam muito de fantasiar…
 
Apesar de a mulher ainda ser considerada (pela maioria dos homens) o sexo frágil, um apêndice do próprio homem, mulheres existem que são autênticos baluartes das sociedades, e sem elas, essas sociedades seriam extremamente estéreis. Elas são em grande número, mas não aparecem, não se mostram. Para quê?
 
O ouro, o mais precioso dos metais, não existe à superfície. Não está ao alcance de todas as mãos. Talvez por isso, seja tão valioso. Por que é que as pedras comuns, os seixos, não têm qualquer valor? Porque se encontram a esmo. Todos podem ter acesso aos calhaus rolados. Mas não ao ouro.
 
Aos olhos do homem, a mulher, na sua generalidade, ainda é um ser fútil, que tem a cabeça apenas para usar penteados; é um ser que se molda tão facilmente como um pedaço de plasticina; é um “bibelot”, que o homem exibe, tal como uma cabeça de búfalo embalsamada, produto de uma caça gloriosa; é uma jóia que mostra com ostentação, como mostra o alfinete de gravata incrustado de diamantes; é um objecto que ele usa a seu bel-prazer, tal como usa uma camisa nova.
 
Contudo, quando a camisa fica velha ou surrada, o homem coloca-a no fundo de uma prateleira, como recordação de tempos idos, ou então atira-a ao lixo, e ela anda em bolandas até se transformar em farrapos, ou se melhor sorte tiver, alguém, menos exigente, aproveitá-la-á, até ela ficar completamente desfeita.
 
Infelizmente, esta não é uma imagem do passado. Ela existe desde sempre. E embora seja verdade que a mulher dos finais do século XX e inícios do século XXI alcançou um status na sociedade, como em nenhuma outra época, o certo é que nunca a mulher, particularmente a mulher jovem, foi tão frívola como o é hoje, salvaguardando, evidentemente as inúmeras excepções. Nunca, como hoje, se deixou explorar e ridicularizar. E a falta de respeito que o homem sempre demonstrou ter pela mulher fútil, pela mulher objecto ou pela mulher “bibelot”, está a generalizar-se, pois há a tendência para pensar que todas as mulheres são iguais.
 
Mas há aquelas que batem o pé, sejam quais forem as circunstâncias. Mesmo no tempo da escravatura, sabe-se que haviam escravas que preferiram a morte a submeter-se aos caprichos dos seus depravados senhores.
 
No mundo do trabalho, existiram operárias que morreram a lutar pelos seus direitos. Mulheres revolucionárias que se bateram pelos seus ideais. Mulheres que tombaram pela pátria que gostariam que os seus filhos tivessem.
 
***
 
Exemplificando: temos os concursos de misses, onde a mulher é ridicularizada, e o que é pior de tudo: ela nem sequer se dá conta disso.
 
Claro, há quem goste. Mas há também quem compare esses eventos com os concursos de gado – esta comparação, por incrível que pareça, ouvi eu da boca de um homem culto, relativamente novo, na flor da idade dos entusiasmos. Mas há situações verdadeiramente aberrantes e que nem a todos os homens agradam.
 
Disse-me o referido senhor: «Assim como o gado (cujos donos se esmeram a escovar-lhes o pêlo e mantê-lo com um aspecto extraordinário) se passeia pela feira sob os olhares dos entendidos, que o perscrutam, membro a membro, não vá ter uma perna coxa ou um olho vazado, assim a mulher, ao pavonear-se numa passerelle, com indumentária reduzida, e previamente polida, vira-daqui-vira-dali, expõe ao ridículo, o que ela tem de mais belo e precioso: a intimidade do seu corpo».
 
A este propósito passa-se um fenómeno curiosíssimo. Ao fazermos uma reportagem, se perguntarmos aos organizadores destes certames o que sentiriam se vissem as suas filhas, mãe, irmãs ou mulher a pavonearem-se numa passerelle, respondem imediatamente: «Não misture as coisas. Isso é diferente!»
 
Claro! Outra resposta não poderia eu esperar. Ridicularizar as mulheres dos outros é muito fácil e não tem a mínima importância. Mas quando se trata das suas… Alto lá! A conversa é outra.
 
***
 
Esta reacção, que é autêntica, faz-me lembrar dois episódios passados comigo, em que coloquei em causa, propositadamente, a mentalidade do homem corriqueiro (porque os há invulgares e correctos).
 
O primeiro caso deu-se com um desses jornalistas de meia-tigela, que há falta de matéria-prima para me derrubar do pedestal de mulher, senhora-do-meu-nariz, várias vezes recorreu à calúnia, à mentira, à provocação – o argumento de quem não tem argumentos. Normalmente dou ao desprezo tais baixezas de atitude, mas daquela vez o indivíduo havia ultrapassado todos os limites. Eu não podia deixar passar a oportunidade de o por no seu lugar. Telefonei-lhe, e depois de me identificar, disse-lhe apenas isto: «Ouça, aconselho-o a que, quando tiver ganas de difamar alguém, comece pela sua mãe, pelas suas filhas (ele tinha duas) e pela sua mulher». Escusado será dizer que o sujeito desligou imediatamente o telefone e nunca mais se atreveu a escrever o meu nome no jornal que dirigia.
 
O outro episódio passou-se com alguém do sexo masculino (que não cheguei a conhecer) e que diariamente tocava a campainha da minha casa, tarde da noite, para perguntar se ali vivia a Carlinha, a Mariazinha, a Antoninha, enfim… Isto aconteceu uma, duas, três vezes, apanhando-me sempre desprevenida. À quarta vez, já farta destes desmandos, decidi utilizar aquela arma secreta que desarma os falsos heróis. À pergunta se ali vivia… reconhecendo a voz, respondi-lhe (e desculpem-me a liberdade da linguagem): «E se fosses chatear a tua mãe?» O resultado não se fez esperar. Ouvi um berro: «A minha mãe não é para aqui chamada». E ainda mais outro: «A minha mãe não é para aqui chamada, ouviste?»
 
Sim, eu tinha ouvido, muito bem. Claro, a mãe do indivíduo não era para ali chamada, mas a mãe dos meus filhos podia ser incomodada, às horas do seu descanso, por um qualquer fulaninho. Nunca mais o atrevido se atreveu a importunar-me.
 
Uma vez mais, pude comprovar que a mãe, as filhas, as irmãs e a mulher dos outros, podem ser ridicularizadas, desrespeitadas, difamadas ou incomodadas, que não tem qualquer importância, porém, quando viramos o bico ao prego, cai o Carmo e a Trindade!
 
***
 
A mulher nem é superior nem inferior ao homem. Socialmente, moralmente, intelectualmente. Apenas diferem fisicamente. Então, por que faltará coragem à mulher para agir de forma a não se deixar inferiorizar pelo homem?
 
Outro dia, em conversa com certo cavalheiro já de avançada idade, que me mostrava fotografias de umas “beldades” da sua época, comentou com um ar deleitado: «Isto é que são mulheres!» E eu respondi: «Sim, isto é que são mulheres, mas vocês não as escolhem para casar
 
«Claro que não! Os “bibelots”, os objectos de adorno, as jóias servem apenas para enfeitar a nossa vida. Nada mais!» Resposta pronta do cavalheiro.
 
Que conceito fazem os homens da mulher?
Diz-me: «A culpa é dela. Ela é que gosta de se mostrar, de ser fútil, de ser objecto, “bibelot”!...»
 
***
 
Já é tempo de a mulher se libertar verdadeiramente, não se deixando ridicularizar, como se deixa, quando se pavoneia diante do homem, que apenas a vê como um alfinete de gravata, incrustado de diamantes.
 
Usar e abusar da mulher é coisa fora de moda.
A mulher deve apresentar-se tal como uma musa que inspira o poeta: sensata, sensível, feminina, misteriosa, bela no seu recato… mas a bater o pé quando é preciso!
 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 19:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Mendo Henriques a 10 de Fevereiro de 2009 às 02:49
Cara Isabel Ferreira
Dei com o seu blog. E a estas horas.

Vejo que o Contestação teve apoio de um procurador da justiça no Brasil, Bom sinal !

Saudações cordiais
mendo henriques
De Isabel A. Ferreira a 10 de Fevereiro de 2009 às 09:46
É verdade, Dr. Mendo Henriques. Tenho tido mais apoio dos de fora do que dos de dentro. Mas este é um hábito antigo: em Portugal, só é bom o que é estrangeiro.

Obrigada, pelo seu comentário.
As minhas saudações.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2021

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
13
16
17
18
20
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

PAN quer ouvir Ministra d...

PAN avança com proposta p...

«Crueldade... Realidade d...

Boas notícias! A Nova Zel...

Em Vila Franca de Xira: «...

Como os mortos não falam,...

Testes de toxicidade em a...

Enquanto o Povo dorme... ...

Março/09/2021: um dia ne...

«O último adeus» - "Enqua...

Arquivos

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt