Quarta-feira, 4 de Julho de 2012

«O MUNDO MODERNINHO» OU A IGNORÂNCIA DOS BRUTOS

 

 

 

É esta uma das imagens que a RTP faz questão de oferecer aos maiores de SEIS anos... Quanta “dignidade”! Não, Joel Neto?

 

TRASCREVO AQUI ESTES DOIS TEXTOS PARA QUE SE POSSA TER UMA IDEIA ENTRE O MUNDO DO TAURICIDA E "OUTRO" MUNDO.
OBVIAMENTE ESTOU DO LADO DO RUI C. BARBOSA.
 
Crónica de tv

O mundo moderninho

por JOEL NETO 

 

1. A resistência da maioria à proposta do Bloco de Esquerda para proibir a exibição de touradas na RTP (e limitá-la na SIC e na TVI) anda a deixar o Portugal do Chiado e do Cais do Sodré em brasa. No fundo, todos nós, os que gostam de touradas, ou que pelo menos reconhecem a importância histórica e o valor etnográfico, somos uns brutos. Há dias estava a ver um combate de Ultimate Fighting Championship na SIC Radical e pensei nisso: é curioso que, tanto quanto me lembre, nem o BE, nem nenhum outro moderninho luso alguma vez promoveu uma proposta de lei, ou um protesto avulso, sobre a exibição de pessoas estilhaçando-se à porrada e abraçando-se ensaguentadas na TV. Por outro lado, claro, não é tão curioso assim. Como sabemos, os ucranianos terem "assassinado" uma série de cãezinhos de rua também nos preocupa muito mais do que o massacre de civis na Síria. Esta espécie está de pernas para o ar - e, quanto a isso, já não há nada a fazer.

 

2. Percebo que o canal Hollywood promova uma "festa Sexo e a Cidade" para assinalar a emissão do segundo filme inspirado na série. O que não percebo é que tantas figuras do audiovisual (e do chamado jet set) continue a acorrer a este tipo de eventos com tal afã. Suponho que as nossas figurinhas queiram com isso deixar bem expresso que vão beber à revolução sexual, que também sabem ser sexualmente agressivas e, claro, que são moderníssimas. Imagino que nunca tenham percebido que Carrie Bradshaw, no seu afã libertário, era profundamente conservadora. E que menos ainda lhes passe pela cabeça que qualquer afã em torno da série é tão tonto como andar a vender o Dartacão há 30 anos, como fazem os nossos humoristas da personagem geracional e da piada mil vezes repetida.

 

http://www.dn.pt/inicio/opiniao/interior.aspx?content_id=2632717&seccao=Joel+Neto&tag=Opini%E3o+-+Em+Foco

 

 

COMENTÁRIO DE Rui C. Barbosa AO “MUNDO MODERNINHO” do JOEL

 

http://www.carris-geres.blogspot.pt/2012/06/o-grande-bruto.html

 

De tempos a tempos lá surge aqui algo que em nada está relacionado com o tema deste blogue... a vida é assim.

Hoje, dia 27 de Junho de 2012, no Diário de Notícias surgiu uma brutalidade com o título "O mundo moderninho" da autoria de Joel Neto que não conheço nem quero ter o desprazer de conhecer. Gente deste tipo não me interessa. No entanto, não posso deixar de escrever umas linhas sobre esta crónica... brutalmente ignorante.

Esta gente que gosta de touradas utiliza argumentos que para alguém a uns degraus acima do seu nível intelectual é difícil de compreender. Costuma-se dizer que nunca devemos tentar argumentar contra um idiota, pois este rebaixa-nos ao seu nível e bate-nos aos pontos. Assim, nem vou tentar desmontar o argumento da suposta "importância histórica e valor etnográfico" da tourada que a comparo à importância histórica e ao valor etnográfico de outras velhas tradições há muito esquecidas do nosso imaginário nacional.

No entanto, e por muito que tente compreender a utilização de argumentos por parte deste gente, é-me difícil entender qual o paralelismo entre os combates da Ultimate Fighting Championship (UFC) e as touradas. Ou melhor, tirando a perfeita estupidez de ambos, não vejo outros pontos de tangência. Vejamos, na UFC dois humanos lutam entre si de forma voluntária e consciente sabendo qual o possível resultado final da luta. Na tourada, um animal mal tratado antes, durante e depois da tourada, enfrenta um touro que ali está depois de ter sido espicaçado e abusado antes de entrar na arena para sofrer maus tratos e torturas que certamente mais tarde ou mais cedo lhe trarão a morte gloriosa e digna que os defensores desta barbaridade tanto apregoam num apogeu cultural sem paralelo num palco, num ecrã ou num CD deste país. Se chamar a isto é uma certa «brutalidade» é um exagero, então não sei o que será.

Talvez brutalidade seja tentar encontrar falaciosos argumentos para se tentarem convencer a eles próprios de que o que fazem é o correcto. Dizem que é legal e que pelo tal o podem fazer. Concordo que seja legal pois este país tem a tendência para manter na legalidade as coisas mais absurdas, tentando atribuí-lhes o estatuto de património imaterial ou coisa do género.

Talvez um dia, Sr. Joel Neto, encontrem a cura para a sua doença. Sua doença e de muitos outros, porque no fundo é isso o que vocês são, doentes! Da mesma forma que um pedófilo tira o prazer ao esturpar uma criança, vocês tiram o vosso prazer ao esturpar a dignidade, violentar e maltratar os animais. E isto impede-lhes o discernimento de entender que a maior preocupação daqueles que defendem os animais está no bem estar da Humanidade e como tal são capazes de se preocupar tanto com o massacre de cães na Ucrânia como na chacina dos homens, das mulheres e das crianças na Síria, bem como ter uma certa compaixão de infelizes como você, Joel Neto, que na brutalidade da sua ignorância e na limitação dos seus horizontes não percebe que de facto é um simples bruto.

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:25

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Maria do Carmo a 4 de Julho de 2012 às 16:57
OIá, excelente a comparação, num blogue excelente.
Só uma proposta, que coloque também o texto de um "comentadorzeco" que dá pelo nome de Miguel Sousa Tavares sobre o mesmo tema e que é de ir às lágrimas perante a estupidez de um indivíduo que na sua biografia no facebook até faz questão de dizer de quem é primo em 3.º grau.

Cmps
De Isabel A. Ferreira a 4 de Julho de 2012 às 17:16
Estava neste momento a preparar exactamente esse texto do Miguel Sousa Tavares, que parece querer publicidade, e vim ao mail ver um pormenor do texto que recebi, e eis que dou com este seu comentário.

Pois o MST quer publicidade e vai tê-la. Das boas, Maria do Carmo.
Obrigada.
De José Dores a 5 de Julho de 2012 às 11:47
Existem pessoas que de fato têm momentos para esquecer e o Sr. Joel Neto acabou de ter um.
Não existem argumentos possiveis para defender a tauromaquia, ou melhor existe um argumento de defesa da tauromaquia, é tradição em Portugal, esse é o argumento, não existe outro. Ao dizer isto estou a dizer o seguinte, a tourada é um ato improprio de um ser que se intitula humano, que reconhece os sentimentos noutros seres vivos, como é o caso do cavalo e do touro, que reconhece a existência de dor e de sofrimento durante a tourada, não sabe quantificá-la mas reconhece-a, reconhece a ligação entre o visionamento deste espetáculo e a aceitação da violência como um ato socialmente aceite, mas por ser tradição tudo isso pode continuar a acontecer... a tourada é simplesmente isso e ninguém minimamente inteligente pode negá-lo. Até a lei expressa isso porque a tourada é a excepção à obrigação do homem em infligir o minimo de sofrimento aos animais no seu uso, por ser tradição, porque ela não serve para nada que tenha a ver com a sobrevivência do homem, é um ato de prazer através do sofrimento de outro animal, portanto sádico.

Mas o Sr. Joel Neto no seu texto revela outra coisa, que é daquelas pessoas que acha que pode por exemplo estacionar mal o carro porque passa toda a gente o sinal STOP dessa rua e o policia não os multa... uma brutalidade não anula a outra, uma brutalidade não torna outra tolerável, são duas brutalidades.

Para acabar este comentário que já vai longo acrescento o seguinte, eu compreendo que na mente dos defensores da festa brava não haja espaço para perceber uma coisa muito simples, os defensores dos direitos dos animais não gostam mais dos animais do que das pessoas, gostam tanto dos animais que das pessoas, não nos consideramos superiores, não consideramos que temos mais direito à vida e à dignidade que qualquer outro animal, não nos consideramos o vertice da evolução do planeta, somos apenas mais um ser vivo a habitar neste planeta, que deve o respeito a todos os outros, quando os usamos seja na alimentação, nas tarefas diárias, para lhes retirar propriedades para nosso beneficio, todas estas coisas deverão ser feitas com o minimo de sofrimento, desconforto e dor possiveis, não é o caso da tourada. As lutas entre pessoas para entretenimento de outras são mais uma estupidez tal como a morte de pessoas inocentes.
De Isabel A. Ferreira a 5 de Julho de 2012 às 13:51
Boa, José Dores.
Faço minha cada palavra que escreveu.
Na verdade, quem não consegue perceber o cerne da nossa luta, anda neste mundo só por ver andar os outros. Mais nada.

Obrigada, pela sua intervenção.
De Carlos Ricardo a 12 de Julho de 2012 às 04:03
Depois dos excepcionais artigo de Rui C. Barbosa e comentário de José Dores, que mais posso dizer...
O Joel Neto fala para um grupo restrito de "meninos bem" que, embora nunca tendo partilhado de muitas das suas estúpidas idéias, com eles convivi durante muitos anos. Sei bem o que pensam, fazem e gostam. E por isso sei que, só esse tipo de "meninos" poderá apoiar o fútil e absolutamente "dejá vue" texto do Joel Neto que, para além da demonstração da sua desumanidade, encerra erros crassos muito comuns a quem não estuda a lição antes de fazer a redacção.
Deixo aqui uma mensagem a quem diga que as touradas são permitidas por Lei:
"NEM TUDO QUE É LEGAL É HONESTO E JUSTO"
Basta analisar um pouco algumas leis deste país !!!
De Isabel A. Ferreira a 12 de Julho de 2012 às 09:31
Absolutamente de acordo, Carlos Ricardo.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«Entre o “respeito” e o “...

Dr. Basílio Horta, usar e...

«Bicadas do meu Aparo: “A...

Carta da cidadã Olímpia T...

Os Portugueses celebram a...

«Carta ao (ainda) Preside...

«A História feita crime»

«Marcelo excedeu-se ou a ...

As declarações de Marcelo...

No dia 25 de Abril de 197...

Arquivos

Maio 2024

Abril 2024

Março 2024

Fevereiro 2024

Janeiro 2024

Dezembro 2023

Novembro 2023

Outubro 2023

Setembro 2023

Agosto 2023

Julho 2023

Junho 2023

Maio 2023

Abril 2023

Março 2023

Fevereiro 2023

Janeiro 2023

Dezembro 2022

Novembro 2022

Outubro 2022

Setembro 2022

Agosto 2022

Junho 2022

Maio 2022

Abril 2022

Março 2022

Fevereiro 2022

Janeiro 2022

Dezembro 2021

Novembro 2021

Outubro 2021

Setembro 2021

Agosto 2021

Julho 2021

Junho 2021

Maio 2021

Abril 2021

Março 2021

Fevereiro 2021

Janeiro 2021

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

AO90

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, nem publica textos acordizados, devido a este ser ilegal e inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais. Caso os textos a publicar estejam escritos em Português híbrido, «O Lugar da Língua Portuguesa» acciona a correcção automática.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. 1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome. 2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas". 3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt