Comentários:
De Marco Aurélio Leite da Silva a 18 de Dezembro de 2010 às 00:52
Em tempo:

Qual foi a proteção deixada pela Corte para os cidadãos portugueses quando da transferência da Corte?

Efetivamente, houve alguma proteção?

A pergunta é verdadeira! Como ignorante eu peço ajuda: há informação sobre a efetiva existência de um plano de transferência que levou em consideração a situação de defesa dos cidadãos portugueses que ficaram para receber as tropas francesas?

De Isabel A. Ferreira a 18 de Dezembro de 2010 às 14:43
Marco Aurélio, respondendo à sua questão:

No capítulo 14 da minha «Contestação» intitulado: «DE COMO PORTUGAL NÃO PERDEU A HONRA NEM ESTEVE NUNCA ABANDONADO» lê-se:

«O capítulo 25, de «1808», trata de «Portugal Abandonado».

Ora, enquanto a corte portuguesa permaneceu no Brasil, Portugal não esteve propriamente abandonado. Antes de partir, D. João nomeou uma Junta de Regência, para substituí-lo na sua ausência. E o marechal irlandês Beresford, por decreto real de 7 de Março de 1809, foi nomeado generalíssimo do exército português, e comandou Portugal em nome do Príncipe (é preciso que isto se diga deste modo, não vá pensar-se que os Ingleses governaram Portugal, por moto próprio) e foi ainda D. João que o mandou ocupar a Ilha da Madeira para que Napoleão não se instalasse nela.

Portanto, os Ingleses “governaram” Portugal, apenas porque D. João o consentiu. É preciso dizer-se igualmente que os Ingleses apoiaram Portugal. Sim. Desinteressadamente? Claro que não. Os Ingleses (como qualquer outro povo, naquela época e em todas as épocas) nada faziam sem contrapartidas. E para não perder Portugal (para os Franceses e Espanhóis) e as suas colónias (para os Ingleses), D. João viu-se obrigado a reduzir Portugal a colónia da antiga colónia (Brasil) elevada a reino. Tratou-se de um jogo se não bem planeado, pelo menos bem jogado. Uma boa estratégia política para manter o reino e a coroa.»

Foi assim, Marco Aurélio. E se D. João VI não tivesse feito o que fez, teríamos perdido o Reino, as Colónias e Portugal, como país independente, teria desaparecido do mapa.

Tanto no Brasil (onde tomou grandes medidas) como em Portugal, com uma estratégia inteligente, D. João VI mostrou ser um GRANDE REI, e não o covarde e feio rei do Laurentino Gomes.
De Marco Aurélio Leite da Silva a 18 de Dezembro de 2010 às 15:17

Que seja!

Nem Brasil nem Portugal precisam de defesa. Somos povos irmãos, com uma boa fatia de histórica comum.

Não vou tomar mais de seu tempo, mas afirmo-lhe: fico muito agradecido por sua atenção, sua sinceridade e a dignidade com que se põe mesmo sendo veemente (coisa que, reconheço, muitas vezes falta ao irreverente brasileiro).

Só tomei a liberdade de postar em seu Blog porque, num primeiro momento, achei que deveria ressaltar que ninguém neste País, por mais que se façam piadas, jocosidades de toda ordem, etc, deixa de querer muito bem aos irmãos portugueses em geral.

Mais uma vez: agradeço a sua atenção e sinto-me, sim, privilegiado e envaidecido por ter trocado palavras com a senhora.

Como dizem os portugueses: Bem haja!

Como dizemos por aqui: Até mais!

Marco
De Isabel A. Ferreira a 18 de Dezembro de 2010 às 17:30
Obrigada, Marco Aurélio.

Gostei igualmente de ter trocado este "bate-papo" consigo.

Fez muito bem em postar no meu blog, e volte sempre que quiser. E não pense que tomou o meu tempo.

Não tenho nads contra os brasileiros, pelo contrário. Sou meia/meia. Por isso também pertenço ao Brasil.

Bem-haja!
e
Até mais!

Isabel

Comentar post