Sexta-feira, 4 de Dezembro de 2020

Açores: acabou-se o reinado do PS, entrou o reinado do PSD, o que para a tauromaquia vai dar ao mesmo…

 

Mudaram as cores políticas, mas não, as políticas, e tudo continuará como dantes…

 

Padre açoriano2.jpg

Este é Ricardo Tavares, o padre que em 2017 acabou com as touradas nas Festas do Senhor Bom Jesus dos Aflitos, em Fenais da Luz, e agora, em 2020, como Director Regional da “cultura” (?) está à disposição da selvajaria tauromáquica.

(Origem da imagem: Internet)

 

Mal o novo governo dos Açores se instalou, instalou-se também a polémica: para novo Director Regional da Cultura, que preside a Comissão Regional de tauromaquia, órgão consultivo em matérias de tauromaquia nos Açores, foi nomeado o Padre Ricardo Tavares, que em 2017 acabou com sete anos de Touradas, em nome de Deus, nas Festas do Senhor Bom Jesus dos Aflitos, porque considerava que a «tauromaquia era uma prática sádica, anticivilizacional e que queima verbas».

 

A notícia pode ser recordada aqui:

Acabam-se sete anos de Touradas em nome de Deus

 

Logo que esta nomeação saiu, os tauricidas puseram-se em pé de guerra e fizeram uma petição pública com o objectivo de demover o Governo Regional de nomear o Padre Ricardo Tavares por ser um assumido anti-touradas.

 

Porém, quando o Padre Ricardo Tavares teve conhecimento da petição, temendo, talvez, perder o “tacho”, apressou-se a ter esta espantosa atitude, numa carta dirigida a um tal Sr. Filipe, suponho que seja o autor da petição:

 

Como já lhe referi, a minha opinião é pessoal e não passa disso. A partir do momento que sou nomeado Director Regional da Cultura, meto de lado as minhas opiniões e trabalho ao serviço das tradições culturais da Região, qualquer que ela seja.

Pode esperar de mim respeito e apoio efectivo a todas as manifestações da Ilha Terceira, até porque a tauromaquia contribui em boa medida para a economia da Ilha.

Se tem amor e respeito pela verdade, não deve esconder esta minha visão.

Com os melhores cumprimentos,

Ricardo Tavares

***

Será que temos aqui  alguém que deixou de ser padre para ser pau-mandado?

 

Acabam-se sete anos de touradas em nome de Deus, e agora, como bom pau-mandado, põe-se ao serviço da selvajaria tauromáquica, em nome de qual “senhor”?

 

Já não se fazem Padres como antigamente, que serviam um só SENHOR.

 

Quais tradições é que o novo Director Regional da “cultura” (?) quer manter: a de se bater nas mulheres, a de se possuir escravos, ou a de se queimar pessoas nas fogueiras da inquisição?

 

Que se saiba as touradas não são uma tradição, em parte alguma do Universo. São, isso sim, uma prática bárbara, herdada dos bárbaros espanhóis que andaram pelos Açores.

 

É lamentável que assim seja, uma vez que as localidades açorianas que ainda praticam esta selvajaria do tempo dos bárbaros, continuarão a travar a evolução do Arquipélago dos Açores!

 

Dhuaahhhhh!!! estamos no século XXI d. C.!!!!  

EVOLUAM, em nome da HUMANIDADE!

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:13

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

As palavras são uma arma, podem ferir mais do que punhais

 

E no Arco de Almedina, aplicadas adequadamente às circunstâncias toscas da tauromaquia, INCOMODAM. E é esse o principal objectivo: incomodar e agitar as mentes entorpecidas.

 

 

Esta imagem vale mais do que mil palavras, mas se utilizar as palavras terei de dizer que quem fez isto é um cobarde, psicopata, tauricida, mau carácter, com muito maus instintos.

 

Há gente que critica a linguagem directa que utilizo para dizer das coisas rastaqueras da tauromaquia.

 

Confundem OPINIÃO com FACTOS.

 

Não percebem o que está escrito nas linhas, muito menos o que vai nas entrelinhas (o mais importante).

 

Falar sobre a COBARDIA DA TAUROMAQUIA não é falar de opiniões. É falar de FACTOS, comprováveis pelas imagens degradantes que existem aos milhares, e dizem mais do que mil palavras.

 

Opiniões, cada um tem as suas. Podemos concordar ou não com elas.

 

Já a TORTURA DE TOUROS E CAVALOS perpetrada por COBARDES foge ao âmbito das opiniões, porque ninguém tem o direito de torturar ninguém, e isto não é uma opinião, é um facto INDIGNO de seres humanos. Logo, quem o pratica será tudo menos humano, e tem de ser classificado com as palavras certas.

 

A forma correcta de lidar com a ESTUPIDEZ é chamá-la pelo próprio nome, ou seja, ESTUPIDEZ, para que quem leia compreenda o que se quer dizer. E mesmo assim, é uma desgraça. Impera por aqui uma iliteracia estarrecedora.

 

Agora vou usar um jargão de aficionado: quem não gosta do que lê neste Blogue, não LEIA.

 

Não vou mudar a minha linguagem quanto a algo que envergonha a Humanidade, só porque os aficionados e meia dúzia de falsos moralistas não gostam.

 

Aprendi que as palavras são para ser utilizadas conforme as circunstâncias. Se elas existem no dicionário são para classificar atitudes desprezíveis e adjectivar criaturas que andam no mundo a atormentar seres que não têm culpa da psicopatia de que sofrem os seus carrascos (poderia dizer algozes, agressores, verdugos, carrasqueiras).

 

Uma vez que se incomodam tanto com a linguagem que utilizo, digam-me como se adjectiva um cobarde (poderia dizer, medroso, poltrão, fraco); um torcionário (poderia dizer torturador); um psicopata (poderia dizer indivíduo clinicamente perverso com desvio comportamental); um sádico (poderia dizer cruel, depravado, mau, malvado); um bronco (poderia dizer, tosco, grosseiro, rude, obtuso); um bêbado (poderia dizer borrachão, ébrio); um tauricida (poderia dizer matador de touros) enfim… Digam-me como classificar toda esta gente que faz parte do mundo imundo e rasca (poderia dizer sujo, sebento, surrento, reles, ordinário) da tauromaquia, com palavras poéticas?  

 

Se não estavam habituados a esta linguagem sem papas na língua, paciência! Ela reflecte simplesmente a realidade da tauromaquia, que é assim mesmo. Não há outro modo de qualificá-la.

 

Já chega de DOURAR A PÍLULA.

 

Os que vêm a este Blogue, já tiveram mil e uma oportunidades de aprender alguma coisa sobre este mundo medíocre (poderia dizer rasca, reles, ordinário) da tauromaquia, com textos que apenas denunciam as crueldades tauromáquicas, com provas científicas e vídeos que valem mais do que mil palavras.

 

Mas não aprenderam nada.

 

E já não há pachorra.

 

O pior ignorante é aquele que tendo oportunidade de deixar de ser ignorante, NÃO QUER.

 

As palavras são uma ARMA. Podem ferir mais do que punhais. Estamos numa “guerra” e é legítimo utilizá-las.

 

Dentro do dicionário, elas não servem para nada.

 

Aqui, aplicadas ADEQUADAMENTE às circunstâncias toscas da tauromaquia, INCOMODAM. E é esse o meu principal objectivo: incomodar e agitar as mentes entorpecidas.

 

E está a resultar.

 

Por exemplo, os forcados não sabiam que eram grandes COBARDES.

Agora já sabem.

 

Isabel A. Ferreira

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:50

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 3 de Dezembro de 2020

Porque todas as vidas são VIDA, e contam…

 

Por vezes é preciso VER para CRER, porque se nos contassem, como acreditar que os homens, que se têm como seres racionais, podem ser protagonistas da destruição do Planeta e das maiores crueldades cometidas contra os restantes seres vivos que connosco o partilham.

 

Convido os leitores a seguirem-me nesta desventura que é observar o abominável mundo do homem-predador, mas também a ventura de ver que a humanidade existe no admirável mundo dos Homens.

 

Isabel A. Ferreira

MUNDO ANIMAL.jpg

Origem da imagem: Internet

 

«Podemos decidir continuar a olhar para o lado, mas não podemos dizer que não sabíamos»

 

Por Animal Save & Care Portugal

 

«O que é que vai restar quando destruirmos tudo?»


O que é que vamos fazer quando já tivermos contaminado toda a água potável, cortado todas as árvores, devastado todas as florestas, morto todos os animais selvagens?
O que é que iremos dizer às gerações que estão agora a aprender a caminhar..?

Como é que iremos explicar-lhes que destruímos o planeta porque gostávamos de comer bifes, de comprar carros novos, televisões novas, telemóveis novos, sofás novos, roupa nova, sapatos novos, computadores novos e muitas embalagens de plástico todos os anos?


Como é que lhes iremos explicar que este organismo vivo que nos deu a vida e que sustenta tudo o que existiu, foi destruído pelo nosso egoísmo, pelo nosso antropocentrismo desenfreado, pela nossa mania de termos direito à "nossa escolha pessoal de vida", porque afirmamos que ela é mais importante que darmos o direito à vida a quem a vida que decidimos roubar pertence?

As alterações climáticas são uma realidade que nas últimas décadas se tem tornado cada vez mais evidente, e a cada ano que passa a situação agrava-se, torna-se mais drástica, mais desesperante. No entanto, continuamos a fingir que "não é assim tão mau", e se for são para as "pessoas de áfrica e dos países de terceiro mundo", nós, ocidentais, estamos protegidos, protegidos da catástrofe que foi criada por nós - pensamos.

Estas imagens foram filmadas em 2019, e mostram o lago Ngami no Botswana a secar, com centenas de vacas, cavalos e numerosos hipopótamos a morrer de fome e sede presos na lama.


A seca que tem avassalado o sul de África significa que não há água há vários anos e estas imagens mostram as suas últimas semanas de vida.


Os pescadores tiraram partido da secagem do lago, apanhando os últimos peixes ainda vivos. O sofrimento destes animais é inconcebível e indescritível.

Certamente que alguma pessoas dirão que isto não está relacionado com as alterações climáticas porque as secas são normais em África. Mas não é isso que andamos a dizer há décadas em relação a todos os desastres que provocámos no planeta com as nossas "escolhas pessoas" inconsequentes?

Podemos continuar a fingir que o problema não existe e decidir continuar a olhar para o lado, mas não podemos dizer que não sabíamos.» 

 

 ***

 

 Por Animal Save & Care Portugal

 

Experimentação Animal em 60 segundos.

Não é fácil de ver, por isso também não deveria ser fácil de apoiar.
Rejeita todos os produtos que testem em animais, eles não merecem isto!
 

Vídeo de PETA (People for the Ethical Treatment of Animals)

 

***

Porém, ainda há HUMANIDADE!

 

Por Animal Save & Care Portugal

 

Porquê matar quando podemos AMAR? 😊❤️


Resgatámos a Lara e a Regan da morte certa, mal sabíamos que vinham no ventre da sua mãe, Lady. Não sabíamos que não estávamos apenas a resgatar uma porca parideira, usada para procriar leitões atrás de leitões, nela cresciam mais 6 maravilhosos indivíduos. A Lara e a Regan são dois deles.

Nasceram em liberdade, só conheceram amor, se tivessem nascido antes, teriam sido mortas para serem transformadas em leitão assado, apenas com 2 meses de vida.

Podemos escolher a vida e protegê-los a todos.
Basta decidirmos deixá-los fora do nosso prato 😊

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:10

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 30 de Novembro de 2020

Barrancos quer criancinhas nos Touros de morte, mas do QUERER ao TER vão milhares de anos luz…

 

Touradas? Só para maiores de 120 anos.

Touradas de morte? Só para maiores de 300 anos.

Esperemos que vença a lucidez, o bem senso, a racionalidade, e que as crianças de Barrancos (e as das outras localidades trogloditas) sejam poupadas a tamanha atrocidade, e à irracionalidade dos barranquenhos adultos.

Isabel A. Ferreira

 

BARRANCOS.jpg

 

Por   Marinhenses Anti-touradas

 

 BARRANCOS É VERGONHA NACIONAL

Todos os anos se torturam e matam bovinos nas Festas de Agosto em Barrancos. Aconteceu durante anos e anos enquanto a morte dos animais era proibida, até quando era considerada crime, nunca tendo havido punições. Acontece agora ao abrigo de uma incompreensível excepção na Lei
[outorgada pelo então presidente da República Jorge Sampaio].

Claro que entre as pessoas que assistem à horrenda morte das vítimas há crianças de todas as idades.

A Câmara de Barrancos aprovou, ontem, por unanimidade, uma moção que visa que os menores de idade continuem a poder assistir a touradas, inclusive às de morte.


Ainda bem que em Portugal nem todos os municípios ficaram presos no passado como o de Barrancos. Esperemos que, desta vez, vença o bom-senso e que as touradas passem a ser classificadas para maiores de 16 ou 18 anos, em todo o país.»


Moção: http://www.cm-barrancos.pt/autarquia/cmb/actas/2020/Moção%20pela%20Defesa%20da%20Tauromaquia%20–%20Património%20Cultural%20Imaterial%20de%20Barrancos.pdf 

Fonte:

https://www.facebook.com/antitouradas/photos/a.215152191851685/3786393338060868/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:29

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 29 de Novembro de 2020

«Há cem anos também estava tudo farto»

 

A História da Humanidade está cheia destas histórias, mas o homem, que se diz racional, nada aprende com elas...

E nada aprenderá com a Covid-19. E teremos mais do mesmo, para pior, no futuro.  

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:16

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 26 de Novembro de 2020

O delírio da “prótoiro” é hilariante: quer impugnar o IVA das touradas (23%) e diz que vai queixar-se a Bruxelas

 

No mundo moderno e civilizado, que é o nosso, a tauromaquia está classificada muitos zeros abaixo de zero, não é considerada cultura, porque a tortura de seres vivos jamais poderia ser nivelada à CULTURA. No Tempo das Trevas até poderia ser, porque a ignorância era geral. Mas hoje não é.

 

A federação portuguesa de tauromaquia - protóiro exigiu a reposição do IVA das touradas para 6%, e, por milagre, a exigência não passou no Parlamento, e os 23% mantêm-se (o IVA devia subir para os 100%, porque não é impunemente que se tortura Touros e se quer privilégios e comparar a barbárie à Cultura Culta.  

 

Esquece-se a prótoiro que Bruxelas já fechou a porta à selvajaria tauromáquica. Se lá forem bater, levarão com a porta na cara.

 

E o que mais diz e quer a protóiro?

 

Imagem de cobardia.jpg

É para esta COBARDIA que a prótoiro quer o IVA a 6%? Sejam GENTE!

 

Num comunicado, a prótoiro, sem ter a mínima noção da realidade, diz que está a preparar um conjunto de acções legais que irão avançar em breve, tendo em vista a obtenção da declaração de ilegalidade da actual taxa de IVA de 23%, de modo a que o IVA aplicável aos espectáculos tauromáquicos volte a ser de 6%, como é seu direito enquanto um dos principais sectores culturais, legalmente reconhecido».

 

Reparem no delírio:  como é seu direito enquanto um dos principais sectores culturais, legalmente reconhecido? Principais sectores culturais? Isto ultrapassa a racionalidade, além de viverem no passado, vivem num mundo imaginário, a roçar a idiotice.

 

Ricardo Levesinho, presidente da associação portuguesa de empresários tauromáquicos acusa o governo de hostilizar o sector, atacando (pasme-se) os artistas e famílias que dependem desta actividade!!!!!!

 

Que artistas? Os torturadores de Touros não passam de tauricidas, e nem no mais terceiro-mundista dos mundos, os torturadores são artistas. E que famílias dependem, do quê, se recebem chorudos subsídios do Estado e vivem à tripa forra à custa dos impostos dos portugueses? E muitos têm outros empregos, até porque torturar Touros não é uma profissão, é um divertimento  selvático.

 

E dizem mais. Hélder Milheiro secretário-geral da prótoiro, diz que ao manter o IVA da tauromaquia nos 23%, “o governo permite-se dizer que há cultura de primeira e cultura de segunda, e por isso, que há portugueses de primeira e portugueses de segunda».



Mais delírios de quem vive num mundo de alucinações.

 

Só existe a Cultura Culta (onde se inclui a gastronomia. o folclore, a cultura popular) e à Cultura acrescenta-se CULTA, para não se confundir com a cultura das cebolas e das batatas. A tortura de Touros e Cavalos está fora desta denominação. Andaram séculos a ouvir que a tauromaquia era coisa de “gente fina”, de reis, rainhas, príncipes e princesas e marialvas, e portanto era “cultura”… sim, poderia ser cultura nessa época onde reinava a mais gigantesca ignorância.

 

Mas o mundo evoluiu. E a tauromaquia, hoje, não passa de uma prática selvática, sem representatividade alguma na sociedade portuguesa.

E o que é que a protóiro e seu acólitos ainda não perceberam nisto?

O mundo rejeita a tauromaquia:

UNESCO não vai reconhecer as touradas como Património Cultura Imaterial da Humanidade

No Parlamento Europeu aperta-se o cerco à tauromaquia: nova Política Agrícola Comum retira os apoios financeiros para a criação de touros (ditos) “bravos”


O que é que a prótoiro e a associação portuguesa de empresários tauromáquicos ainda não perceberam?

 

A tauromaquia é uma prática marginalizada, sim, por não se encaixar mais numa sociedade do século XXI d. C. Acabou. O próximo passo é a ABOLIÇÃO.

Os Portugueses pagam impostos a mais, com grande sacrifício, e esse dinheiro NÃO DEVE servir para se andar por aí a TORTURAR TOUROS, e a encher os bolsos a parasitas da sociedade. Não querem passar por portugueses de segunda? Então EVOLUAM! Aprendam a tocar VIOLINO, em vez de andarem por aí, a torturar Touros!



Isabel A. Ferreira


 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 25 de Novembro de 2020

Tauromaquia: matador de 13 anos, mesmo estando doente, participou numa tourada no México e desmaiou enquanto actuava

 

Até onde chega a irracionalidade dos responsáveis pelo bem-estar das crianças em Portugal!

 

Tomás Bastos, tem apenas 13 anos, é bezerrista, aluno do antro de toureio de Vila Franca de Xira (Portugal). Está no México há cerca de duas semanas, e por lá tem andado a torturar e a matar bezerrinhos, para divertimento, já se sabe, dos sádicos e psicopatas (nunca é demais repetir).  Algo que daria para pôr na prisão quem tal malvadez permite. E não estou só a referir-me à malvadez para com o bezerrinho, mas também ao requinte de malvadez que é treinar crianças para matar, cruelmente, seres vivos, inocentes, inofensivos e indefesos como são os bezerrinhos.

 

No passado sábado ao participar em mais um evento selvático, passou-se o que o Farpas Blogue refere nesta notícia:

"𝘚𝘦𝘯𝘵𝘪𝘢 𝘥𝘰𝘳𝘦𝘴 𝘥𝘦 𝘦𝘴𝘵ô𝘮𝘢𝘨𝘰, 𝘷ó𝘮𝘪𝘵𝘰𝘴 𝘦 𝘵𝘪𝘯𝘩𝘢 𝘥𝘪𝘢𝘳𝘳𝘦𝘪𝘢. 𝘔𝘦𝘴𝘮𝘰 𝘢𝘴𝘴𝘪𝘮 𝘲𝘶𝘪𝘴 𝘵𝘰𝘶𝘳𝘦𝘢𝘳", 𝘤𝘰𝘯𝘵𝘢-𝘯𝘰𝘴 𝘰 𝘱𝘢𝘪. 𝘌 𝘢𝘤𝘳𝘦𝘴𝘤𝘦𝘯𝘵𝘢: "𝘘𝘶𝘢𝘴𝘦 𝘴𝘦𝘮 𝘧𝘰𝘳ç𝘢𝘴, 𝘴𝘢í𝘶 𝘢𝘰 𝘲𝘶𝘪𝘵𝘦 𝘯𝘰 𝘯𝘰𝘷𝘪𝘭𝘩𝘰 𝘥𝘰 𝘴𝘦𝘶 𝘢𝘭𝘵𝘦𝘳𝘯𝘢𝘯𝘵𝘦 𝘦 𝘵𝘰𝘶𝘳𝘦𝘰𝘶 𝘱𝘰𝘳 '𝘨𝘢𝘰𝘯𝘦𝘳𝘢𝘴'. 𝘕𝘰 𝘴𝘦𝘶 𝘯𝘰𝘷𝘪𝘭𝘩𝘰, 𝘧𝘦𝘻 𝘶𝘮𝘢 𝘱𝘰𝘳𝘵𝘢-𝘨𝘢𝘪𝘰𝘭𝘢 𝘦 𝘵𝘰𝘶𝘳𝘦𝘰𝘶 à '𝘷𝘦𝘳ó𝘯𝘪𝘤𝘢'. 𝘋𝘦𝘱𝘰𝘪𝘴 𝘷𝘰𝘭𝘵𝘰𝘶 𝘢 𝘴𝘦𝘯𝘵𝘪𝘳-𝘴𝘦 𝘮𝘢𝘭 𝘦 𝘥𝘦𝘴𝘧𝘢𝘭𝘦𝘤𝘦𝘶. 𝘔𝘢𝘴 𝘳𝘦𝘤𝘰𝘮𝘱ô𝘴-𝘴𝘦 𝘦 𝘢𝘪𝘯𝘥𝘢 𝘵𝘰𝘶𝘳𝘦𝘰𝘶 𝘥𝘦 𝘮𝘶𝘭𝘦𝘵𝘢". (Farpas, 24/11/2020)

Isto é simplesmente revoltante, repugnante, desprezível, vil, imoral, e todos os demais adjectivos quejandos, que existem na Língua Portuguesa, para qualificar tais actos abjectos...

 

E pensar que tudo isto é apoiado pelos  governo,  parlamento, igreja católica, comissão de protecção de crianças e jovens de Portugal, irresponsáveise incompetentes.

 

Tenham vergonha, e tomem atitudes RACIONAIS! Para irracionais bastam os que atiram as crianças para a crueldade e a violência tauromáquicas. Este é um acto CRIMINOSO que deve ser levado ao Tribunal Europeu dos Direitos do Homem e ao Comité dos Direitos da Criança da ONU.

 

Elmatador de 13 anos.jpg

 

Entretanto, Tomás Bastos esteve hospitalizado, mas já regressou aos treinos, para continuar a torturar e a matar bezerrinhos, cruelmente.

 

Eis um desabafo de uma vila-franquense, repleto da mesma indignação e desespero de todos os que abominam esta prática selvática, ainda mais praticada por uma criança, a quem não deram oportunidade de ser criança.  

 

«Este miúdo é filho do bandarilheiro, forcado frustrado e ex-matador-que-nunca-foi, sobrinho do "matador" José Júlio e da minha terrinha, VFX.

Aluno da "escola", o covil de torturadores.

Nem tenho palavras para descrever o que sinto quando um pai coloca em perigo a vida de um filho.
Por muito menos a CPCJ tem retirado filhos aos pais/mães.
Se a criança tivesse morrido? Como é possível a insanidade deste pai?????

Ainda bem que não o encontro porque, juro que lhe dava uns socos😡😠😤

A indignação! O desespero. A impotência por não podermos proteger estes jovens, é atroz.

Fui aficionada. Conheço esta corja. (Maria de Lurdes Feitor Carapelho)

 

Fonte da notícia Marinhenses Anti-touradas:

https://www.facebook.com/antitouradas/photos/a.215152191851685/3775253842508151/?type=3&theater&ifg=1

 

***

 

Para que não restem dúvidas quanto a maus-tratos a crianças. Ambas têm treze anos. Uma enveredou pela sublime arte musical, a outra pela abominável prática bárbara de tortura de seres vivos.

 

 Isto é ARTE:



Isto é BARBÁRIE:

BARBÁRIE.jpeg

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/animalsaveandcareportugal/photos/a.158663654779721/707334086579339/?type=3&theater&ifg=1

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:37

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 24 de Novembro de 2020

CHEGA e CDS/PP apresentaram no Parlamento, propostas de alteração ao Orçamento de Estado para 2021 em defesa dos interesses dos torturadores de Touros e Cavalos

 

Mas não são apenas estes dois partidos que estão no Parlamento a servir os interesses dos tauricidas, que vivem à custa dos nossos impostos, recebendo milhões de Euros, que poderiam ser canalizados para a verdadeira Cultura, que anda, por aí, sobre brasas, mas não, os tauricidas, que se passeiam nos seus Ferraris e Porches, e vivem à tripa forra, forrados com os dinheiros que fazem falta ao que é essencial a Portugal.

 

A IL (Iniciativa Liberal), o PSD e o PS também andam pelo Parlamento Português a defender os interesses dos tauricidas, como se eles fossem agentes da Cultura Culta (aqui incluídas as culturas popular, gastronómica, folclórica…), quando não passam de agentes da única “cultura”  inculta existente em Portugal – a tauromáquica, uma vez que os tauricidas e os seus apoiantes parlamentares fazem muita questão de considerar “cultura” a tortura de seres vivos.

 

Mas também temos o muito civilizado PCP a apoiar esta “cultura” tauricida, no Parlamento (isto acontece quando os extremos da direita e da esquerda se tocam).

António Filipe, membro do Partido Comunista, diz que os comunistas são pessoas civilizadas.

 

Serão? Em qualquer parte do mundo, uma pessoa civilizada não apoia a tortura de seres vivos, em circunstância alguma.

 

É urgente abolir todas as práticas selváticas que torturam animais para divertimento.

É urgente que a bota (civilização) bata com a perdigota (abolição da tauromaquia).

Só assim poderemos dizer que Portugal é, de facto e de direito, um país civilizado.

Até lá, é apenas um país que busca o caminho que leva à evolução social, moral, cultural e intelectual, do qual anda ainda muito desviado... 

 

António Filipe.png

 

Os comunistas serão pessoas civilizadas quando deixarem de apoiar a prática selvática da tauromaquia. Até lá serão pessoas improgressivas (isto para ser simpática). 

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:50

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 23 de Novembro de 2020

Uma reflexão em tempo de Pandemia: «Estávamos tão bem nas nossas vidas e agora cai-nos isto em cima! Surpresa ou distracção?»

 

O texto, mais abaixo reproduzido, foi-me enviado, via e-mail por Pedro Belo.

O vídeo, está no Facebook.

 

Ambos reflectem um mesmo problema, em tempos diferentes.

Pandemias sempre as houve, no decurso da História da Humanidade, o problema está na irracionalidade do homem, que não lhe permite aprender com os erros cometidos noutras épocas.

 

A História da Humanidade está cheia destas histórias, mas o homem, que se diz racional, nada aprende com elas. E os episódios repetem-se ad nauseam, desde os tempos mais remotos.

Querem o exemplo maior? Uma inconcebível II Grande Guerra Mundial (1 de Setembro de 1939 - 2 de Setembro de 1945), depois de uma inimaginável I Grande Guerra Mundial, (28 de Julho de 1914 - 11 de Novembro de 1918), apenas num espaço de 21 anos. Vinte e um anos!

 

E, pelo que vemos, o homem continuará a não aprender nada com a Covid-19. E teremos mais do mesmo, para pior, num futuro que podemos antever próximo   porque vivemos num tempo, em que já nos resta pouco tempo para reverter os estragos que o homem, que se diz racional, provocou na casa comum a todas as espécies: o Planeta Terra.

 

Isabel A. Ferreira

 

Pneumónica VS. Covid-19.png

A “pneumónica” matou 50 milhões de pessoas no Mundo. Na imagem de cima, voluntárias australianas em Brisbane. Em baixo, máscaras mais coloridas, tentam evitar a propagação da Covid-19, que já matou cerca de 1,5 milhões de pessoas em todo o Mundo.

 

 ***

 

«Um salmo de David diz: «Nas margens dos rios da Babilónia, Aí nos sentámos, Aí chorámos, Ao recordarmos Sião.»

 

Hoje em pandemia, as pessoas dizem: «Estávamos tão bem nas nossas vidas e agora cai-nos isto em cima!!» 

 

Surpresa ou Distracção?

 

Esta Pandemia tão grave esteve muito tempo em gestação.  Os epidemiologistas há muito que advertem para o surgimento inevitável deuma pandemia e os ambientalistas tinham-nos dito que, quanto mais a actividade humana perturbar o equilíbrio dos sistemas naturais, mais provável será o surgimento de novos agentes patogénicos: cortar florestas ou penetrar em ecossistemas não perturbados anteriormente, por exemplo, muitas vezes para expandir terras agrícolas, expulsa patogénicos que estavam retidos no meio selvagem.

 

A perda de biodiversidade e de habitats espalha doenças entre os animais selvagens. Entretanto, a intensificação da criação de gado e a caça e comércio crescentes de animais selvagens estão a misturar animais como nunca antes, enquanto a agricultura industrial, significando animais mantidos em condições de sobrelotação e de stress, tem baixado as respostas imunitárias.

 

Um grupo de cientistas, escrevendo na revista The Lancet, em 2015, concluiu que as alterações profundas nos sistemas naturais da Terra constituíam uma crescente ameaça à saúde humana, nomeadamente, o surgimento de novas doenças, a par com as alterações climáticas, como uma dessas ameaças.

 

Antes já tinha havido outras 'surpresas' nos últimos dez anos: a SARS e a MERS.

 

Portanto, os poucos que estavam atentos sabiam que isto estava para vir e que, de facto, somos nós que o provocamos, fazendo-o recair sobre nós mesmos.

 

Os ''distraídos'' agora apanhados nesta pandemia pensam que, apesar das indicações claras quanto aos limites ecológicos, podíamos continuar a desfrutar dos frutos do progresso tecnológico e da riqueza sempre crescente, sem que houvesse consequências.

 

Pensam que, com estímulos económicos bem dirigidos e uma busca concertada por uma vacina, iríamos ultrapassar este problema passageiro e que a vida iria recomeçar mais ou menos como era antes. Bem, isso ainda poderá acontecer, mas talvez não aconteça.  E, tal como aqueles que choravam nas margens dos regatos da Babilónia, se não acontecer, não conseguimos, realmente, começar a imaginar o que isso irá, de facto, significar.

 

Então, como é que vivemos nestes tempos, no meio da crise, onde ainda não temos a perspectiva da sua magnitude, da sua duração ou do seu impacto derradeiro?

 

Todos vivemos com um sentido elevado de provisoriedade, o que alguém, recentemente, me descrevia como a exaustão da incerteza.

 

Como é que será o mundo depois disto? Que tipo de recuperação é possível, incluindo para o mundo natural? O que é que podemos esperar e ter expectativa para já?

 

A crise Espiritual da humanidade agrava tudo isto, pois todos estavam apegados - obcecados- presos nas manhas do consumismo/ilusões/fantasias mundanas e nem havia tempo sequer para parar e pensar que somos criados e não nos criámos a nós mesmos... que somos filhos de Alguém .... que temos de estar agradecidos e atentos à nossa Luz interior que nos liga ao Espirito Criativo do Universo e nos equilibra e prepara para receber sejam boas ou más notícias - acontecimentos.

 

É urgente parar para equilibrar, sem estarmos ansiosos a preocupar-nos, a queixar-nos dentro da nossa cabeça, mas em vez disso, a criar espaço, cada dia ou cada semana, para prestar atenção ao que estamos a sentir, ao que é duro, àquilo de que sentimos falta e ao modo como isso nos está a afectar.

 

Nessa paragem sentir que sim, é verdade, fomos surpreendidos, apetece-nos chorar esta situação, tudo bem, choremos e sintamos isso por dentro.

 

Isso abre um espaço dentro de nós, ao nosso redor, abre um espaço para a meditação, para deixarmos ir os nossos pensamentos, as nossas ansiedades, para nos entregarmos a nós mesmos à quietude e ao silêncio, estando simplesmente presentes e disponíveis.»

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 22 de Novembro de 2020

Ao Poeta vila-condense Dário Marujo (A. Monteiro dos Santos) pela passagem do 12º aniversário da sua morte

 

Passam hoje 12 anos sobre a morte de A. Monteiro dos Santos (paleógrafo e investigador) ou Dário Marujo, o Poeta (24 de Janeiro de 1944 - 22 de Novembro de 2008).

 

Um Homem do Saber, de Saberes feito, que deu um precioso contributo para a História de Vila do Conde e de Eça de Queiroz.  E escreveu versos. Era Poeta.

No entanto, Vila do Conde esqueceu-se dele.

 

Mas eu não me esqueci, porque éramos amigos. E os amigos não se esquecem. Ao seu Saber recorri infinitas vezes, para poder servir Vila do Conde, com rigor, como correspondente de imprensa.

 

Hoje, recordá-lo-ei com dois poemas, que me dizem muito: um nasceu de mim, o outro foi-me dedicado.

 

Monteiro dos Santos - tapeçaria de Régio.jpg

A. Monteiro dos Santos junto à tapeçaria assinada por José Régio, que durante muitos anos ornamentou o Gabinete do Presidente da Câmara Municipal de Vila do Conde (Foto tirada por mim, em 19 de Setembro de 1994).

 

Meu caro e saudoso amigo,

 

Não foi muito o tempo que tiveste para viver, mas foi o suficiente para te tornar imortal, através da tua poesia, do teu saber, da obra que deixaste...

 

Nenhuma pergunta havia que não deixasses sem resposta. Eras uma espécie de enciclopédia ambulante. Viveste entre os livros, trabalhaste entre os livros. Soubeste utilizar esta circunstância da melhor maneira. Serviste vila do conde através do teu Saber.

 

Mas também foste Poeta. Nasceste Poeta.

 

Assinavas os teus livros de poemas com o nome de Dário Marujo, um nome do qual eu não gostava. E um dia perguntaste-me porquê? E eu respondi: «Porque o teu nome cheira a docas, cheira a cais…».  

 

E logo ali, naquele preciso momento, nasceu o poema com que abriu o seu primeiro livro de poesia intitulado Se eu Fosse o Dono da Vida… (de 1997), e que aqui reproduzo, com saudade…

 

O Meu Nome

 

O meu nome cheira a docas,

O meu nome cheira a cais,

De partida e de chegada.

Filho de um mar de gaivotas,

Colhidas nos vendavais.

O meu nome é maresia,

O meu nome é mar salgado,

É filho da alegria,

O meu nome é sem pecado.

É filho de um mar chão,

E também de um mar bravio,

Que trago na minha mão.

O meu nome é desafio,

O meu nome cheira a docas,

O meu nome cheira a cais,

Marujos em mastros reais,

No tempo das caravelas,

Filho do Sol, da chuva, do vento,

Tenho-o escrito nas velas,

Desta nau do pensamento,

O meu nome é panamá,

Corpete, manta de seda,

Farda branca, imaculada,

É jersey e é alcaxa,

Farda de azul-escuro,

É estóico, é lutador.

Nos lábios sempre uma trova,

No coração um Amor.

Desta doçura não fujo,

 

Meu nome é DÁRIO MARUJO.

 

*

Depois de ouvir este belo poema, fiquei a entender e a gostar do nome Dário Marujo, inspirado nos seus tempos de juventude, quando era marinheiro…

*

Recordo aqui também, aquele dia em que por ocasião do meu aniversário (também em Janeiro, a uns escassos dias do teu dia), quando a nossa amizade estava já consolidada, tu começaste a oferecer-me a prenda mais bonita que alguém pode receber: um poema.

 

E o poema que se segue foi o primeiro de muitos que me dedicaste, para me presenteares no dia do meu aniversário:

 

 

À Isabel A. Ferreira, no dia do seu aniversário natalício

 

Se te dói o desgosto que tens

Por campear a maldade,

Por reinar a estupidez,

Por vingar a ingratidão;

Se te dói a mudez de outras almas

Que apenas têm cabeça

Para acenar,

Sem pensar;

Se te agride a bajulice,

Ser humano feito bicho,

Sanguessuga, chupa-sangue,

Invertebrado e malvado,

Rastejante, feito cobra,

Todo feito de manobra.

Se o velhaco te dói mais

Que o maior celerado...

(Eu sei o quanto te dói,

Te magoa, te punge,

Te fere e te entristece)

Aceita

A minha receita:

...

Ergue a tua fronte

Acima do NADA.

Sê mais forte que essas doninhas

Que enxameiam ao teu redor.

Fazendo isto, tu serás mulher

E ninguém será mais do que tu

E serás tu mais que qualquer!

 

A. Monteiro dos Santos/ Janeiro de 1988

 

*

Ah! meu amigo, apesar de passados todos estes anos, ainda me dói os desgostos e continuo rodeada de doninhas. Porém, nunca deixei de seguir a tua receita, sempre de fronte erguida e acima do nada que me rodeia. Só assim tenho conseguido sobreviver.

 

Vila do Conde, tua terra natal, e minha terra do coração, já não é a mesma sem a tua presença, a presença de um amigo verdadeiro, daqueles que já não se fazem... e que me guiava pela riqueza histórica vila-condense…

 

Monteiro Santos junto Biblioteca.png

Estejas onde estiveres, continuo a oferecer-te esta rosa amarela (símbolo do nosso grupo de poetas), a rosa que fotografaste no pequeno jardim, da pequena rotunda, em 2 de Maio de 1994, junto à antiga Biblioteca Municipal, hoje o Arquivo de Vila do Conde.

 

Continuarei a dizer-te: até sempre amigo!

Continuarás connosco, porque os Poetas são eternos.

 

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:06

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Dezembro 2020

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

Açores: acabou-se o reina...

As palavras são uma arma,...

Porque todas as vidas são...

Barrancos quer criancinha...

«Há cem anos também esta...

O delírio da “prótoiro” é...

Tauromaquia: matador de 1...

CHEGA e CDS/PP apresentar...

Uma reflexão em tempo de ...

Ao Poeta vila-condense ...

Arquivos

Dezembro 2020

Novembro 2020

Outubro 2020

Setembro 2020

Agosto 2020

Julho 2020

Junho 2020

Maio 2020

Abril 2020

Março 2020

Fevereiro 2020

Janeiro 2020

Dezembro 2019

Novembro 2019

Outubro 2019

Setembro 2019

Agosto 2019

Julho 2019

Junho 2019

Maio 2019

Abril 2019

Março 2019

Fevereiro 2019

Janeiro 2019

Dezembro 2018

Novembro 2018

Outubro 2018

Setembro 2018

Agosto 2018

Julho 2018

Junho 2018

Maio 2018

Abril 2018

Março 2018

Fevereiro 2018

Janeiro 2018

Dezembro 2017

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados Os textos publicados neste blogue têm © A autora agradece a todos os que os divulgarem que indiquem, por favor, a fonte e os links dos mesmos. Obrigada.
RSS

Acordo Ortográfico

Em defesa da Língua Portuguesa, a autora deste Blogue não adopta o Acordo Ortográfico de 1990, devido a este ser inconstitucional, linguisticamente inconsistente, estruturalmente incongruente, para além de, comprovadamente, ser causa de uma crescente e perniciosa iliteracia em publicações oficiais e privadas, nas escolas, nos órgãos de comunicação social, na população em geral, e por estar a criar uma geração de analfabetos escolarizados e funcionais.

Comentários

Este Blogue aceita comentários de todas as pessoas, e os comentários serão publicados desde que seja claro que a pessoa que comentou interpretou correctamente o conteúdo da publicação. Serão eliminados os comentários que contenham linguagem ordinária e insultos, ou de conteúdo racista e xenófobo. Em resumo: comente com educação, atendendo ao conteúdo da publicação, para que o seu comentário seja mantido.

Contacto

isabelferreira@net.sapo.pt