Sexta-feira, 11 de Agosto de 2017

«BARRANCOS E A VERGONHOSA "TRADIÇÃO"»

 

A selvajaria tauromáquica continua em Barrancos, com o apoio da igreja católica e do governo socialista.

 

Não esquecer que os touros de morte foram introduzidos em Barrancos, em 2002, por Jorge Sampaio (socialista) na qualidade de presidente da República.

 

E pensar que andaram a cometer um regicídio para implantar em Portugal uma República das (e dos) Bananas!!!!! (***)

 

BARRANCOS.jpg

Esta imagem diz tudo sobre o atraso mental de todos os envolvidos nesta prática, desde os que matam, aos que apoiam, aos que aplaudem e aos que dão o seu aval. E veja-se o sofrimento atroz do touro, estampado naquele olhar desesperado... Apenas os desalmados, desprovidos de essência humana, pactuam com este horror.

 

O texto que se segue é da autoria de Rui Palmela

 

«Mais uma vez se realiza na vila alentejana de Barrancos, em finais de Agosto, a festa religiosa que culmina sempre num espectáculo sangrento, frente à capela, com a morte de 3 toiros numa arena improvisada onde o povo vibra de satisfação aplaudindo a barbárie que ali se realiza em “honra de Nª Srª da Conceição”. E a Igreja não reprova ou fica em silêncio cometendo seu “pecado de omissão” ...

 

O espectáculo violento dura 3 dias onde se cumpre um ritual demoníaco de matar um touro por cada dia, “estoqueando” o animal que acaba caindo no chão mergulhado numa poça de sangue. Depois de morto, ou sofrendo horrivelmente sem se poder mexer, os ‘heróis’ da festa cortam-lhe as orelhas, o rabo e as patas como ‘troféus’, enquanto o toiro é arrastado pelo chão, já cadáver, acabando finalmente por ser esquartejado e distribuído pela população como manda a ‘tradição’.

 

Toda esta selvajaria é possível ainda em pleno século XXI com a aprovação do governo português que em 2002 criou uma famigerada “lei de excepção” que garante esse ‘direito’ do povo barranquenho realizar um espectáculo abominável apesar da forte contestação por parte das organizações de Protecção Animal e uma Lei que vigora desde Maio/2017 que reconhece os animais como seres sencientes dotados de sensibilidade e não ‘coisas’ como eram considerados antigamente.

 

Entretanto o PAN (Partido das Pessoas, dos Animais e da Natureza) deverá apresentar na AR uma proposta de lei para proibição destes espectáculos de morte no país, tal como as touradas deviam ser proibidas e transmitidas pela televisão. E já agora cortar todos os subsídios de apoio à Tauromaquia que deve ser suportada apenas pelos seus aficionados e não por todo o povo português que na sua maioria condena toda esta situação.

 

Pausa para reflexão!

 

Rui Palmela»                                                                                

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10212176718524673&set=pcb.10212176729004935&type=3&theater

 

 

(***) Denomina-se República das Bananas um país ou região em que há corrupção e desrespeito pela legalidade e interesse público, expressão originalmente aplicada a países latino-americanos ou terceiro-mundistas, mas que se encaixa na perfeição a um Portugal que, fisicamente, é europeu, mas cerebralmente é latino-americano e terceiro-mundista, nestes detalhes grosseiros, até na língua que os actuais republicanos bananas (= gente sem atitude e sem coragem) decidiram importar e impingir aos portugueses.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:05

link do post | Comentar | Ver comentários (1) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 14 de Fevereiro de 2017

ENTERRADOS VIVOS

 

Mortes em massa, para seres vivos sencientes, que são considerados impróprios para consumo humano.

Só a BESTA HUMANA é capaz de tamanha monstruosidade.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:35

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 17 de Janeiro de 2017

«TOURO, CAVALO, HOMEM…»

 

Um texto do médico veterinário Dr. Vasco Reis

Para ler e reflectir… e depois disto só quem for completamente acéfalo é que continuará a dizer que os touros e os cavalos não sofrem…

 

EMBRIÕES.png

 Aqui estão os embriões de um cavalo, de um bovino (touro) e de um ser humano. Quem conseguir dizer que embrião pertence a qual espécie... saberá muito mais do que imagina… Mas se não souberem, perguntem e responderei. E depois pasmem-se...

 

«Touro, Cavalo, Homem.

 

Nas 3 espécies:

 

O desenvolvimento embrionário é idêntico nas primeiras fases e pouco diverge nas fases seguintes, além de aspectos morfológicos e de alguns órgãos não essenciais.

 

Pode verificar-se que o esquema anatómico (aparelhos e sistemas) é comum; fisiologia e neurologia são idênticas.

 

A semelhança de sistema nervoso (centros nervosos, nervos) é flagrante.

 

A partir de encéfalos (central onde se processa o sentir, o pensar, o compreender, o decidir, o reagir) com estruturas correspondentes nas 3 espécies, é de se esperar que senciência/sentidos, emoções, consciência, sentimentos, estados de disposição, reacções sejam muito semelhantes nas três.

 

Os vários comportamentos confirmam isso mesmo, implicando semelhanças de necessidades (ar, alimento, água, movimento, espaço, liberdade); de sentidos; de consciência do que se passa à volta; de inteligência; de sentimentos; de emoções; de humores; de reacções a agressão, dor, ferimento, susto, prisão, cio; de confiança e desconfiança; de amizade; de sentido de guarda e de protecção; de ligação sentimental maternal, filial, paternal, fraternal, de grupo; de gosto por carícia, por desafio, por provocação, por brincadeira, etc.

 

Agressão a um touro ou a um cavalo - seres sencientes - é causadora de sofrimento, não muito diverso do que sofreria um ser humano em circunstâncias análogas.

 

Sofrimento físico (dor) é fundamental para compelir o ser a defender-se, a afastar-se do agente causador e a procurar segurança e alívio. A dor é assim fundamental e imprescindível para a defesa e a sobrevivência do ser e da espécie.

 

Não é reacção que se ponha de lado com mais ou menos excitação ou com mais ou menos hormonas (ao contrário do que Illera pretende na sua pseudociência).

 

As plantas são seres desprovidos de sistema nervoso e, portanto, não podem sentir dor, não têm consciência, não podem reagir rapidamente, não podem fugir. Não sofrem!

 

Vasco Reis, médico veterinário

Aljezur, 13 de Janeiro de 2014.

 

Fonte:

https://www.facebook.com/vmmreis/posts/1206826349407743?notif_t=notify_me&notif_id=1484337081059237

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:54

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 8 de Outubro de 2016

COMPAIXÃO – SENTIMENTO COMUM A TODOS OS SERES SENCIENTES

 

«É bem evidente que este cavalo sentiu compaixão pelo touro ensanguentado e já ajoelhado no chão, sem forças para se erguer.

 

Sim, os animais também podem sentir compaixão. Não é por acaso que eles acolhem e cuidam até de animais de espécie diferente.

 

Este impressionante momento entre cavalo e touro, é arrepiante, e devia ser um aguilhão na consciência dos homens, que estes dois seres sencientes e sofridos parecem interrogar.» (Maria João Gaspar Oliveira)

 

SENCIÊNCIA ANIMAL.jpg

 

Fonte:

https://www.facebook.com/1557855044442398/photos/a.1858361251058441.1073741828.1557855044442398/1858373357723897/?type=3&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:00

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 10 de Maio de 2016

AFICIONADOS DE LUXO OU LIXO SOCIAL?

 

Francamente, esta “gente” acha que ser aficionado dá estatuto social a “individualidades” que se divertem à custa do sofrimento de seres sencientes. Só isto demonstra a falta de lucidez e de carácter dos intervenientes.

 

E, obviamente, não é lá por uns quantos colunáveis serem aficionados, que a selvajaria tauromáquica vá ser considerada algo moralmente, culturalmente e socialmente admissível.

 

AFICIONADOS DE LIXO.jpg

 

Fonte da imagem:

https://www.facebook.com/VergonhaNacional/photos/a.175438099165520.37999.175436649165665/1139111489464838/?type=3&theater

 

Esquecem-se de que o divertimento à custa da tortura de seres vivos  pertence ao foro dos sádicos. Está mais do que provado.

 

Também está mais do que provado que um curso superior, um cargo político superior ou uma profissão superior não faz ninguém ser moralmente e mentalemente superior.

 

Recorde-se que os mais bárbaros e cruéis assassinos, sádicos, ditadores, usurpadores, torturadores, psicopatas, empaladores da História da Humanidade, desde tempos remotos, saíram das classes altas, de imperadores, de políticos, de governantes, de monarcas, de indivíduos que frequentaram cursos superiores e exerceram os mais altos cargos políticos e sociais.

 

É que só existe uma superioridade: a superioridade mental, e esta não se aprende nas universidades, nem se ganha ocupando cargos de relevo.

 

E definitivamente, estas personagens, que vão para uma arena aplaudir a tortura de um ser vivo, são moralmente, socialmente, culturalmente, intelectualmente e mentalmente de muito baixo nível e com graves desvios comportamentais e de carácter. Está mais do que provado cientificamente.

 

Portanto, não venham falar em aficionados de luxo, porque não passam de lixo social, assim como lixo é a tauromaquia.

 

«A tauromaquia é a terrível e venal arte de torturar e matar animais em público, segundo determinadas regras. Traumatiza as crianças e adultos sensíveis. A tourada agrava o estado dos neuróticos atraídos por estes espectáculos. Desnaturaliza a relacção entre o Homem e o animal, afronta a moral, a educação, a ciência e a cultura.» Esta é uma verdade universal, seja lá quem a proferiu. Uma verdade irrefutável.

 

E quem não percebe isto, rasteja na lama da ignomínia, achando que a selvajaria tauromáquica é um diploma que se tira numa qualquer universidade.

 

Nenhum escritor, político, artista plástico, governante, presidente da república, professor universitário, seja lá quem for, fugirá ao estigma de sádico, quando vai a uma arena aplaudir a tortura de um ser senciente indefeso.

 

Estas “individualidades” esquecem-se de que ficarão no caixote de lixo da História. Não nos pedestais. Não perpetuados em estátuas de pedra ou de bronze para toda a eternidade.

 

E mais… terão de enfrentar, inevitavelmente, a infalível Lei do Retorno. Mais tarde, ou mais cedo.

 

O jornal i pôs a nu as fraquezas mentais de alguns aficionados a que chamou de “luxo”

 

No próximo dia 1 de Junho o tema da selvajaria tauromáquica será levado (uma vez mais) à Assembleia da Republica, onde se encontram de atalaia bastantes aficionados a ganhar salários pagos com o nosso dinheiro, para, quase exclusivamente, defenderem a tortura de seres vivos, desprestigiando, de um modo aviltante, aquele órgão do Poder.

 

Diz o “i” que Jorge Sampaio e Vera Jardim, dois aficionados assumidos, nados e criados entre a barbárie, viajavam até Madrid para assistir a touros de morte. Não esqueçamos que Jorge Sampaio, enquanto presidente da República, levou os “touros de morte” para Barrancos, uma das mais atrasadas localidades portuguesas, talvez para não ter de ir tão longe satisfazer os seus mais mórbidos instintos. 

 

Moita Flores, Elísio Summavielle, Maria Alzira Seixo, Marcelo Rebelo de Sousa, Gabriela Canavilhas, Alice Vieira, Miguel Sousa Tavares, João Soares, Daniel Oliveira, entre outros “colunáveis”, desde pequenos assistem à tortura de Touros. E quando tal desgraça acontece na vida de uma criança, enraizasse nela os maus instintos, a apetência para a crueldade e, quando crescem, tornam-se sádicos, ávidos de ver sangue e sofrimento, sem o menor escrúpulo, sem a menor compaixão. Típico da síndrome da apetência para a crueldade que neles se desenvolve.

 

Todos eles, uns mais, outros menos, perdendo o sentido crítico e a noção do ridículo, do bom senso e da auto-estima, devido à patologia de que sofrem, assumem que gostam da “festa brava”, com a mesma naturalidade que dizem adorar ir ver um concerto da Maria João Pires, estando-se nas tintas para o prestígio que perdem, para as críticas de que são alvo, para o epíteto de sádicos que recebem e para a exposição pública da patologia deles.

 

E isso é já uma demonstração da total alienação mental que uma infância vivida em antros tauromáquicos (como Vila Franca de Xira, Moita, Santarém entre outros) lhes provocou. É inevitável.

 

Todos aqueles que cresceram a ver torturar Touros e Cavalos criaram uma carapaça de insensibilidade e incompaixão pelo outro, transformando a crueldade em algo normal, plausível e praticável, não concebendo outra alternativa, e esses, mais do que outros, são os mais arreigados aficionados de selvajaria tauromáquica.

 

Contudo, há uns que nascem com genes evolutivos e evoluem, independentemente do meio onde foram criados. Outros, nascem esvaziados desses genes e não conseguem ultrapassar a linha do horizonte que lhes é mostrada.

 

Ainda recorrendo ao jornal “i”, este referiu que andando Jorge Sampaio em campanha eleitoral para a Presidência da República, em Vila Franca de Xira (um outro antro de selvajaria tauromáquica) um jornalista perguntou-lhe se gostava de touradas. Os que o rodeavam esperaram dele uma resposta politicamente correcta, mas Sampaio deixou falar mais alto a sua carga genética involutiva e os seus instintos mais mórbidos e disse “Gosto muito e só tenho pena de não poder assistir mais vezes.” Esta resposta realmente diz bastante da fragilidade mental de alguém que, por incrível que pareça, já ocupou o mais alto cargo político da Nação.

 

O “i” acrescenta ainda que João Gabriel, assessor de imprensa, confessou que, naquele momento ficou “gelado” e correu atrás dos jornalistas para tentar desvalorizar a revelação feita pelo futuro presidente da República. Não haverá aqui algo incongruente? Então a tourada, para eles, não é considerada “arte”?

 

Se a tourada fosse “arte” e “cultura” estudá-la-íamos nas disciplinas de História de Arte e Cultura Portuguesa, nas Universidades. Fiz estas duas disciplinas e jamais, nem de passagem a tourada nelas foi abordada.

 

Quanto a Elísio Summavielle, actualmente presidente do Centro Cultural de Belém (para vergonha de Portugal) e ex-secretário de Estado da (in)cultura, como o avô era da Moita, um dos maiores antros tauromáquicos portugueses (e estaria tudo dito), ele “desde muito cedo” começou a frequentar as arenas de tortura na Moita e em Vila Franca de Xira, e diz sem pejo algum: “Toda a vida vi corridas e toda a vida vivi com as pessoas ligadas à festa brava.”

 

Pois… O contacto com a violência e a crueldade praticada contra indefesos Touros moldou-lhe um carácter totalmente desprovido de sensibilidade e compaixão, desvirtuando-lhe a noção dos valores humanos, ao ponto de se embevecer com o combate (desigual) de vida e morte entre um cobarde torturador (vulgo toureiro) e um Touro indefeso, e considerar esta barbárie como “património cultural”, não podendo ser abolido por decreto.

 

Se não for por decreto, esse impatrimónio incultural será abolido pela evolução.

 

Fará este aficionado a ideia do descomunal disparate que diz? Pensará este ex-governante que todos os Portugueses são idiotas?

 

O mesmo acontece com Moita Flores que desde “puto” está enfronhado na prática da violência e da crueldade, e o seu carácter também foi moldado pela selvajaria tauromáquica, ao ponto de, enquanto presidente da Câmara de Santarém, ter esbanjado mais dinheiros públicos com a tortura de seres vivos, do que com as infra-estruturas necessárias à terra.

 

É que, para estes aficionados, pode faltar tudo, excepto o cheiro a sangue, a urina, a bosta e a álcool que uma tourada proporciona, para satisfazer o prazer mórbido deles, através da masturbação mental.

 

Refere ainda o jornal “i” que Daniel Oliveira, comentador e ex-dirigente do BE, confessou que a grande maioria das pessoas com quem convive acha “inacreditável” que ele goste de ir a corridas de touros.

 

Será “inacreditável” para alguns, porque para a maioria dos portugueses não é, pois esta patologia aberrante da selvajaria tauromáquica apanha indivíduos de todo o género, enfronhados nas trevas, desde os ditos de direita e esquerda, aos monárquicos, a professores catedráticos, escritores, pintores, enfim… e o que os torna iguais é o terem tido uma infância perversa e vivida a louvar a crueldade e a violência como ladainhas a santos. Sim, porque a igreja dita católica tem aqui uma culpa indesculpável.

 

Diz ainda o “i” que todos recusam o rótulo de “agressores” dos animais. Moita Flores diz, sem ajuizar o alcance do que diz: “Eu tenho animais. Tenho a maior estima pelos animais. Não reconheço a ninguém autoridade para me dizer que gosta mais de cavalos ou touros do que eu”.

 

Esta afirmação já diz da alienação mental de quem a profere. Ninguém mais do que ele gosta de Touros e de Cavalos e, no entanto, aplaude vê-los ser torturados barbaramente numa arena? O que seria se não gostasse deles!...

 

Aliás, para os aficionados, os Cavalos e os Touros nem animais são. São apenas coisas que se podem espetar como se fossem almofadas de alfinetes.

 

São tão alienados que perdem totalmente a noção da realidade e acabam por não saber o tamanho das parvoíces que proferem.

 

Só nos resta que este governo, dito de esquerda, esteja à altura de políticas evolutivas, retire o pé que tem especado num passado que vem desde a monarquia, dê um salto para o futuro e coloque Portugal no caminho da evolução.

 

Isabel A. Ferreira

Fonte:

http://www.ionline.pt/509784

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:11

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sábado, 16 de Abril de 2016

AS LÁGRIMAS DO TOURO

 

«Bull crying during a bullfight...»

 

Eles são seres sencientes. Sofrem tal como nós.

Quem tortura um touro deve saber que no lugar do touro poderia estar um ser humano, e as lágrimas seriam lágrima da mesma dor…

 

 

Bulls Defenders United

 

 


publicado por Isabel A. Ferreira às 16:47

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 15 de Março de 2016

A NOVA ZELÂNDIA RECONHECEU OFICIALMENTE TODOS OS ANIMAIS COMO SERES SENCIENTES

 

Isto é GRANDIOSO!

Para quando algo assim em Portugal?

 

SENCIÊNCIA.jpg

 

A Nova Zelândia criou um incrível precedente ao considerar legalmente o que os amantes da Natureza já sabiam ser verdade: que os animais não humanos são sensíveis e têm sentimentos do mesmo modo que nós.

 

Isto marca uma incrível mudança na opinião pública, que anteriormente considerava que apenas alguns animais deveriam ser protegidos por lei.

 

O Organismo de Bem-Estar Animal informa que processará as pessoas que cometerem crueldades contra animais, e proibirá pesquisas e testes em animais. A caça e captura de animais selvagens serão ilegais.

 

«Dizer que os animais são sencientes é declarar explicitamente que eles podem experimentar emoções positivas e negativas, incluindo dor e sofrimento», disse a Dra. Virginia Williams, presidente do Comité Consultivo Nacional de Ética Animal (National Animal Ethics Advisory Committee). "Esta explicitação é a grande novidade, e marca mais um passo importante na jornada do bem-estar animal."

 

«As expectativas sobre o bem-estar animal foram mudando rapidamente, e práticas que antes eram comuns para animais de estimação e animais de exploração não são mais aceitáveis ou toleradas», disse o Dr. Steve Merchant, presidente da Associação Veterinária Nova Zelândia (New Zealand Veterinary Association). «A legislação vem ao encontro da mudança de atitude da nossa nação no que respeita à condição dos animais na sociedade

 

Fonte: 

http://vbetweenthelines.com/index.php/2016/03/11/new-zealand-officially-recognized-animals-sentient-beings-huge/

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:29

link do post | Comentar | Ver comentários (27) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 21 de Fevereiro de 2016

I MATANÇA DO PORCO DOS FORCADOS DE ARRONCHES FOI PROIBIDA

 

A GNR compareceu ao local e a lei foi cumprida.

Nem sempre acontece, neste país onde tudo anda à balda. Mas, por vezes, a lei cumpre-se.

As queixas que fizemos foram muitas. Matar um porco para consumo alimentar de uma família é algo que ainda se tolera… se a lei for respeitada.

 

Mas matar um porco para DIVERTIR COBARDES ((porque é da cobardia torturar seres indefesos)  é algo intolerável no mundo civilizado...

 

Fazer da morte uma festa é coisa de “gente” mais primitiva do que o venerável Homem das Cavernas, que só matava animais (sem crueldade) para se alimentar

HAJA EVOLUÇÃO!

 

PORCO.jpg

Alegre, esperto, curioso, independente e muito, muito inteligente, o porco possui uma inteligência ao nível de uma criança humana de três anos de idade.

 

Vale a pena continuar a lutar pelos nossos irmãos animais não humanos, seres sencientes tal como nós.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:32

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 8 de Fevereiro de 2016

EM DECISÃO HISTÓRICA FRANÇA ALTERA CÓDIGO CIVIL E CONHECE ANIMAIS COMO SERES SENCIENTES

 

O Mundo avança, e Portugal continua no passado…

 

ORANGOTANGO.jpg

A orangotango Sandra, pioneira sobre o reconhecimento dos animais como sujeitos de direitos na Argentina – Foto: Natacha Pisarenko AP sandra

 

Animais têm sentimentos. É o que reconhece o parlamento francês a partir desta quarta-feira (28) após um ano de intensos debates na Assembleia Nacional. Finalmente o parlamento votou a leitura final do projecto de lei sobre a modernização do código civil idealizado pela ONG Fondation 30 Million Amis que altera o status jurídico dos animais no país, actualizando a legislação penal vigente e reconhecendo os animais como seres sencientes (novo artigo 515-14) e não como propriedade pessoal como o antigo artigo (artigo 528). Desta forma, os animais não são mais definidos por valor de mercado ou de património, mas sim pelo seu valor intrínseco como sujeito de direito. Segundo a ONG idealizadora do projecto, esta virada histórica coloca um fim a mais de 200 anos de uma visão arcaica do Código Civil francês em relação aos animais. Finalmente os parlamentares levaram em conta a ética de uma sociedade do século XXI.

 

O Código Civil da França foi elaborado por Napoleão em 1804 e os animais eram considerados como bens de consumo, principalmente para trabalho forçado em fazendas. Até então, a representatividade legal dos animais na França perante os tribunais era mínima.

 

Segundo o jornal The Local, a França obtém um poderoso lobby agrícola, a FNSEA, juntamente com alguns políticos pressionavam o parlamento expressando preocupação de que a mudança na legislação poderia prejudicar os interesses dos agricultores e criadores de gado particulares.

 

A vitória abre importante precedente para a vida dos animais no território e um respiro para as organizações protectoras da causa animalista.

 

Por definição, senciência é a capacidade de sentir, atribuição dada pelos especialistas há muito tempo aos animais. O parlamento francês finalmente percebeu algo que muitas pessoas já sabiam: os animais são capazes de vivenciar seus próprios sentimentos: Dor, amor, felicidade, raiva, alegria, amizade e tantos outros. A diferença agora é que este direito é reconhecido de forma legal no código civil do país.

 

Um pouco antes, o Supremo Tribunal de Justiça da Argentina também declarou parecer favorável aos direitos animais, concedendo a uma orangotango chamada Sandra, o status de “pessoa não-humana”, um exemplo para toda a América Latina. Outras nações podem se espelhar nestas mudanças e desencadear acções que abracem os animais como sujeitos de direitos perante os tribunais.

 

A mudança não foi fácil e só veio depois de duros empurrões dados pela Fondation 30 Million Amis (Fundação de 30 Milhões de Amigos), principal organização francesa no auxílio do projecto apresentado ao parlamento e cujo presidente Reha Hutin trouxe a público a actual situação dos animais na França, dizendo: “O país está para trás no que se refere a leis de bem-estar animal.”

 

Uma coisa é certa, reconhecendo os animais como seres sencientes a França dá um passo na direcção correcta, mas o país ainda tem muito trabalho a fazer para se desvincular da má fama perante os animais, já que uma proposta para proibir as touradas foi rejeitada em 2012 e o país ainda é considerado a capital número um de produção de foie gras no mundo.

 

Fonte:

http://www.anda.jor.br/03/02/2015/decisao-historica-franca-altera-codigo-civil-reconhece-animais-seres-sencientes

 

(AVISO: uma vez que a aplicação do AO/90 é ilegal, em Portugal, este texto foi reproduzido, via corrector automático, para Língua Portuguesa)

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:36

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 18 de Maio de 2014

A FORÇA DA LINGUAGEM É A MOLA MESTRA QUE FAZ AGITAR AS CONSCIÊNCIAS ESTAGNADAS NUM TEMPO ANTIGO E PRIMITIVO

 

O Tomás T. decidiu fazer uma crítica ao Arco de Almedina e ao modo como utilizo as palavras. Até aí nada a dizer. É aceitável.

 

Mas quando pretendeu ir um pouco mais além, entrando pelo caminho “da lição de moral”, estendeu-se ao comprido. 

 

 

Eis como estavam os defensores das touradas e seus acólitos antes do Arco de Almedina

 

 

Eis como estão os defensores das touradas depois do Arco de Almedina

 

(Sem falsa modéstia)

 

***

 

Tomás T. disse sobre PRÓS E CONTRAS – A RTP (AINDA) DISCUTE SE A CORRIDA DE TOUROS É UM “PATRIMÓNIO” OU UM ACTO DE BARBÁRIE? na Terça-feira, 13 de Maio de 2014 às 21:27:

     

«A Isabel coloca muito esforço e muitas horas neste blog e luta por uma causa que entende ser nobre e justa. A intenção é de louvar, e muito pouca gente em Portugal tem o espírito e a força de vontade para colocar o seu próprio bem-estar em segundo plano para lutar por aquilo que acredita ser certo, como a Isabel o faz.»

 

-Tomás, eu não entendo que a causa pela qual luto é nobre e justa. Ela É nobre e justa.

 

E o que eu faço com o meu esforço, o meu tempo, o meu bem-estar não diz respeito a ninguém, senão a mim. E não faço qualquer esforço, nem perco tempo, nem sequer abdico do meu bem-estar para fazer o que tenho de fazer.

 

O Arco de Almedina é apenas a ponta do iceberg das minhas actividades. Tenho uma vida muito activa fora da Internet, onde cabem a leitura, a música, as viagens e muito mais.

De onde tirou essas conclusões sem o mínimo fundamento?

 

«Acho, no entanto, que durante este longo e duro percurso, tem tentado atacar o problema de uma forma que frustra os seus objectivos, devido à força da linguagem que utiliza

 

- Como está enganado, novamente. Tomás. De onde tirou que a forma como “ataco o problemafrustra os meus objectivos, se já os atingi quase todos, faltando apenas UM, para dar esta luta por terminada? E o tempo que resta já encurtou substancialmente.

 

Além disso, foi precisamente a força da linguagem que utilizo, e que ninguém antes de mim se atreveu a utilizar (por isso tanto incomodo os aficionados e afins) que revolucionou a maneira de estar na tauromaquia. Aqueles que pensavam que eram “heróis”, agora sabem que não passam de cobardes. O que se dizia em surdina atrevi-me eu a dizer alto. Qual o problema?

 

As revoluções também se fazem com as palavras adequadas às circunstâncias.

«Apesar das boas intenções, acho ofende as pessoas cujas ideias tenta mudar, o que torna a discussão inútil, porque mais ninguém vai querer discutir isso, se já sabe que vai ser ofendido, e afasta aqueles que, apesar de não terem opinião formada, acabam por se sentir repelidos pela agressevidade das publicações e a negatividade que sentem ao ler as publicações

 

- Primeiro: as coisas não se passam assim. Como posso ofender quem tortura, ou quem aplaude a tortura, ou quem apoia e defende a tortura de bovinos inocentes e indefesos? É um contra-senso. Certo? Os ofendidos somos nós, com as atitudes anti-sociais, desumanas e bárbaras com que os torcionários esmagam a nossa sensibilidade e a sensibilidade dos seres não humanos, que torturam.

 

Segundo: eu não tento mudar ideias. Eu tento mudar atitudes nocivas á humanidade e aos seres vivos, e que são rejeitadas por todos os seres humanos, que é o que aqui está em causa. Estou-me nas tintas para as ideias das pessoas. Já não posso dizer o mesmo em relação aos actos delas, quando está em causa o bem-estar de seres sencientes, que não têm como defender-se dos seus carrascos.  

 

Terceiro: só quem não tem uma cultura geral, mínima que seja, vê nas minhas publicações agressividade, pois não tem a capacidade mental de diferenciar agressividade de indignação, que é aquilo que sinto quanto à barbárie da tauromaquia, em todas as suas diabólicas vertentes. Até as pedras se indignam, quanto mais alguém que tem a sensibilidade à flor da pele, e é capaz de arriscar a vida para salvar animais de tenra idade, e é esmagada diariamente pela insensibilidade dos brutos.

 

Quarto: Se alguém se sente repelido… o problema não é meu. Se querem afastar-se, que se afastem. Ao contrário da tortura, que é permitida por lei, a leitura do que escrevo não é obrigatória para ninguém. Quando recebo comentários de determinados aficionados, leio-lhes o nome e arquivo-os imediatamente. Nem sequer chego a ler o que escrevem, por saber que só dizem disparates. Façam o mesmo.

 

«Percebo que queira apelar às emoções das pessoas relativamente ao sofrimento animal, mas por vezes temos que reconhecer os limites que não podemos ultrapassar sob pena de passarmos outra mensagem que não aquela que queremos passar. Chega um ponto em que as pessoas que não são a favor nem contra ficam mais incomodadas com os insultos e as ofensas na linguagem do que com os argumentos que apelam à evidência do sofrimento, ou até do que com as fotografias onde demonstra esse sofrimento

 

- Aqui enganou-se novamente. Eu não pretendo “apelar a emoções” nenhumas. Eu apenas pretendo apresentar os factos tais como eles são, nua e cruamente, para não haver qualquer dúvida.

 

Há dos tipos de pessoas que vêm ler o que escrevo: aquelas que sabem ler e interpretar um texto, e as outras, que lêem, mas não sabem interpretar o que está escrito, daí tomarem as palavras adequadas às circunstâncias (para isso elas existem) por insultos, quando o insulto é outra coisa completamente diferente.

 

Como posso insultar alguém a quem chamo “bronco”, se a palavra adequada é bronco? Não chamaria bronco ao Nuno Markl ou à Rita Blanco, por exemplo. Porque simplesmente eles não são broncos. Entendeu a diferença?

 

«Percebo que não goste dos aficionados, mas precisa de mudar a opinião deles se quer que as coisas mudem. É preciso fazê-los ver que aquilo que consideram uma arte está errado, e para isso é preciso saber ser tolerante e respeituoso

 

- Primeiro: do que eu não gosto é das atitudes dos aficionados. Deles, nem tenho de gostar ou não gostar. São-me indiferentes, porque não pertencem à espécie de seres humanos que possam merecer a minha consideração e respeito. 

 

Quanto ao mudar a opinião deles, não é isso que me move, pois sei que pau que nasce torto, torto morrerá. 

 

Agora ser tolerante ou respeitar um torturador de seres sencientes… nunca! Como poderia? Seria trair a minha causa e a quem emprestei a minha voz: Bovinos e Cavalos.

 

Não sou tolerante nem com torturadores, nem com pedófilos, nem com violadores, ou assassinos ou corruptos, ou raptores, porque todos estes predadores não têm o direito de violentar a vida dos outros seres vivos, sejam eles humanos ou não humanos. Certo?

 

Queria vê-lo a ser tolerante com um pedófilo que violasse o seu filho. Tomás.

 

«Podemos odiar uma pessoa, mas continuamos a ter que respeitar os seus direitos. E não vale a pena fazer acusações acerca daquilo que eles fazem a animais para justificar o contrário, porque dois errados não fazem um certo e, mais ainda, afasta-a do seu verdadeiro objectivo. Por vezes, temos que nos saber controlar, afastar as emoções por um bocado e debater, sem ofender.»

 

- Pois aqui está a ver-se ao espelho. Eu não odeio pessoas, porque o ódio é um sentimento baixo, que nada tem a ver com o meu carácter. Eu apenas rejeito e desprezo os inumanos, os homens predadores, os que andam no mundo a espalhar o mal e a fazer a vida negra a seres indefesos e inocentes, e a destruir o Planeta. Esses podem até ter direitos, mas têm o sagrado dever de não destruir a vida dos outros (sejam humanos ou não humanos). E esses, eu desprezo, e nem tenho sequer obrigação de reverenciar.

 

Eu sou uma guerreira. Defendo os meus protegidos com as garras de fora. E ai de algum predador humano se meter no meu caminho! E isto não tem nada a ver com “ofender”. Tem a ver com um instinto de defesa, elevado ao máximo. O que não quero para mim, também não quero para outros como eu.

 

E que me desculpem os aficionados e afins, esses não são como eu, nem como os animais que defendo.

 

«Se uma pessoa utiliza comentários insultuosos e ofensivos contra as pessoas que não partilham as suas convicções, e é intolerante, mesmo que possa estar certa, nunca vai conseguir mudar a opinião de ninguém porque ninguém a vai querer ouvir com essa atitude

 

- Repito: o que defendo não são as minhas convicções. Defendo seres indefesos e inocentes. Empresto-lhes a minha voz para os defender dos seus carrascos.

 

Não faço comentários insultuosos e ofensivos contra ninguém. Digo apenas o que tenho a dizer de acordo com as circunstâncias. E como já disse, não tenho a obrigação de ser tolerante com torturadores de seres vivos, ou com quem os aplaude e apoia. Pelo contrário, tenho o dever cívico de os combater. É o que faço.


«Se queremos mudar a opinião das pessoas e convencê-las de que nós temos razão, não se atacam pessoas, ataca-se ideias contrárias e defende-se as nossas, sempre com respeito pelas diferenças da outra parte, por muito que estas nos repugnem, com ou sem razão. A tolerância e o respeito têm que fazer parte da base do debate. E o probema é que nesta página, acontece exactamente o oposto

 

- Pois é, Tomás, mas aqui não se trata de opiniões, trata-se de atitudes primitivas, grosseiras e sanguinárias, reprováveis no mundo civilizado.

 

Com torturadores não podemos respeitar as “diferenças”, porque essas “diferenças” implicam o massacre de seres vivos.

Aqui não estamos a debater nada, para haver tolerância e respeito. Que tolerância e respeito merecem os sanguinários torturadores de seres sencientes?

 

O problema é que nesta página, diz-se o que nunca ninguém disse claramente. Andavam todos a pensar que a tauromaquia era cultura, era tradição, era arte, era algo digno de seres humanos. Mas não é. A tauromaquia é uma psicopatia social, que fere e esmaga a alma dos seres humanos e não humanos.

 

Eu, simplesmente, limitei-me a desfazer equívocos, utilizando a força das palavras. E é isso que vos incomoda.

«Posto isto, este blog acaba por ser mais:

(i) um diário onde possa desabafar toda a frustração e revolta (muitos diriam justificada) que sente devido a uma realidade, a seu ver, injusta, mas também um meio que as pessoas vão evitar devido ao negativismo que há aqui»

 

do que:

(ii) uma plataforma de desenvolvimento através do debate de ideias e valores, obtendo conforto na ideia de que está a contribuir para um futuro melhor
;

 

- Posto isto, o Tomás deixa muito a desejar nas suas apreciações.

 

Primeiro: se vê no meu Blogue um “diário” para desabafar frustrações e revolta, precisa de óculos bem graduados, pois não estou aqui a desabafar coisa nenhuma. E se depois do que já expliquei, não entendeu… o problema será seu. Tomás.

 

Segundo: que estou a contribuir para um futuro melhor, não tenho qualquer dúvida. Que esta página é uma plataforma de diálogo, não é, digo-lhe já. Porque não é possível um diálogo com quem não sabe argumentar e fazer raciocínios racionais e com lógica.

 

Os aficionados que aqui vêm comentar (e já os desafiei várias vezes) não argumentam, porque não há argumentos para defender o indefensável, ou seja a tortura. Limitam-se a dizer obscenidades, utilizando a linguagem mais rasca que existe à face da Terra, mas o que me incomoda mais é a estupidez, a enorme estupidez dos raciocínios irracionais e ilógicos que eles fazem.


«Estou a dizer isto porque acho que a Isabel tem boas intenções, tem muito para contribuir para todos nós e para a nossa sociedade, mas está a optar pelos meios errados e por isso não está a conseguir fazê-lo.

Por favor considere uma mudança, no sentido da moderação nas ofensas aos aficcionados (por muito que a Isabel e outros os odeiem), de não fazer ataques pessoais através de insultos, acusações, etc.

E boa sorte.
»

 

- Aí é que se engana. Tomás. Tenho boas intenções, tenho contribuído bastante para estender ao comprido a tauromaquia e quem a apoia, através de uma linguagem que, não sendo a mais politicamente correcta, é a mais adequada às circunstâncias do tema, ou seja, da tortura.

 

E não, não vou considerar mudanças, porque não ofendo os aficionados, que não odeio, porque odiar (como já disse) não está no meu carácter. Nem faço acusações, nem insultos.

 

Os aficionados é que me ofendem e insultam a mim, ao mundo e aos Touros e aos Cavalos, com a barbárie deles.

 

Se alguém aqui tem de mudar não sou eu. São os torturadores.

 

Mudem de vida. Dediquem-se às hortas, aos pomares, aos milheirais… Deixem os Touros e os Cavalos em paz, só então mudarei o meu discurso.

 

E para que veja quem insulta quem, aqui deixo uma pequena amostra (porque o número é enorme) neste link:

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/358058.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:52

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Outubro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
14
15
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

«BARRANCOS E A VERGONHOSA...

ENTERRADOS VIVOS

«TOURO, CAVALO, HOMEM…»

COMPAIXÃO – SENTIMENTO CO...

AFICIONADOS DE LUXO OU LI...

AS LÁGRIMAS DO TOURO

A NOVA ZELÂNDIA RECONHECE...

I MATANÇA DO PORCO DOS FO...

EM DECISÃO HISTÓRICA FRAN...

A FORÇA DA LINGUAGEM É A ...

Arquivos

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt