Sexta-feira, 19 de Maio de 2017

PARA OS QUE SE DIZEM CATÓLICOS, BEIJAM A MÃO DO PAPA, VÃO A FÁTIMA, AJOELHAM-SE, ACENDEM VELAS E DEPOIS VÃO ÀS TOURADAS…

 

«É melhor ser ateu do que católico hipócrita»

(Papa Francisco)

 

Um texto que dirijo aos governantes portugueses, que se dizem católicos, à igreja católica portuguesa e a todos os falsos católicos que apoiam e aplaudem e divertem-se com práticas cruéis contra seres vivos.

 

Leiam, pasmem e sigam o exemplo que vem de cima.

 

Agora não têm mais desculpas para dizerem que não sabiam.

 

PAPA FRANCISCO.jpg

Origem da foto: Internet

 

Não foi por acaso que o Papa Francisco adoptou o nome de São Francisco de Assis, o Poverello de Assis, que deixou a vida mundana para se dedicar aos mais pobres dos pobres e amar toda a Criação de Deus, considerando todas as criaturas irmãs suas.

 

A visão iluminada de São Francisco de Assis sobre a Mãe Natureza e a natureza do Homem influenciou a Filosofia da Renascença e todos os que, conscientemente, vivem como Seres Humanos e não como seres desumanos.

 

Inspirado nestes princípios franciscanos, o Papa Francisco, a 24 de Maio de 2015, publica a sua carta encíclica Laudato Si’ - Sobre o Cuidado da Casa Comum, na qual tece relevantes críticas aos “poderosos”, ao consumismo, ao “progresso” irresponsável, aos que se julgam superiores a todas as outras criaturas, e faz um apelo à mudança e à unificação global de acções que combatam a degradação ambiental, as alterações climáticas e a postura dos homens perante as criaturas de Deus.

 

Para mim, esta Encíclica, além de ser um hino à cominhão universal, contém algo extraordinário: apresenta uma oração, onde se roga a Deus pela mais pequenina das suas criaturas…

 

Para os que não sabem (e devem ser aos milhares, porque na esmagadora maioria dos púlpitos não se fala disto) as Encíclicas são os documentos mais importantes emitidos pela Igreja Católica, Apostólica Romana, os quais actualizam a doutrina católica através do desenvolvimento de um tema da actualidade.

 

Eis as mais conhecidas Encíclicas, objecto de estudo, nomeadamente dos não-católicos:

 

"Rerum Novarum" (Papa Leão XIII) sobre a questão operária; “Mater et Magistra” (João XXIII), sobre a questão social à luz da doutrina cristã; “Populorum Progressio” (Paulo VI), sobre a cooperação entre os povos e os problemas dos países pobres; "Laborem Exercens" (Papa João Paulo II) sobre o trabalho humano; "Fides et Ratio" (Papa João Paulo II) sobre as relações entre fé e razão; "Deus Caritas est" (Bento XVI), sobre o Amor Cristão; "Caritas in Veritate" (Bento XVI), sobre o desenvolvimento humano na Caridade.

 

São Cartas dirigidas geralmente aos Patriarcas, Arcebispos, Bispos, Sacerdotes, Irmãos da Igreja, mas também aos fiéis; contudo, são os não-católicos que mais as lêem e conhecem.

 

Faça-se um inquérito aos milhares que vão a Fátima e veja-se quantos deles conhecem o conteúdo destas Encíclicas.

 

Pergunte-se aos nossos governantes, que se dizem católicos, e aos padres de todas as paróquias portuguesas, se conhecem o conteúdo da Laudato Si’, do Papa Francisco.

 

Não conhecem, se conhecessem e fossem bons católicos, não se comportariam como se comportam: benzem-se com a mão direita e estendem a esquerda ao diabo.

 

E isto porque, a maioria dos governantes portugueses que se dizem católicos, os que se sentam nos Palácios de Belém e São Bento, e em palacetes de cerca de 40 municípios portugueses, e os que representam as várias dioceses e paróquias espalhadas pelo Continente e Ilhas, comportam-se como carrascos em relação às inocentes, inofensivas e indefesas criaturas de Deus, nossos irmãos planetários.

 

Abordarei aqui apenas a questão dos animais não humanos, incluída nesta Encíclica, porque essa tem sido a minha luta. Mas a Encíclica vai muito além desta questão. Centra-se Sobre o Cuidado da Casa Comum (a Terra) versando sobre os maus tratos que os homens dão ao Planeta, destruindo impiedosamente e irracionalmente o meio ambiente, a sua biodiversidade e as suas Criaturas.

 

Diz o Papa: «Por nossa causa, milhares de espécies cessarão de dar glória a Deus pelo simples facto de existirem, deixarão de levar a sua mensagem até nós. Não temos esse direito. (…). Quando se avalia o impacto ambiental de um projecto, normalmente (os “poderosos”) preocupam-se com os efeitos sobre o solo, a água e o ar, mas são poucos os estudos cuidadosos feitos acerca do impacto sobre a biodiversidade, como se o prejuízo em relação a espécies de plantas e animais fosse de pequena importância. (…) Como resultado, algumas espécies enfrentam o risco de extinção.

 

O Papa Francisco começa por justificar-se, na sua Laudato Si’:

 

São Francisco de Assis

 

10. Não quero prosseguir esta encíclica sem invocar um modelo belo e motivador. Tomei o seu nome por guia e inspiração, no momento da minha eleição para Bispo de Roma. Acho que Francisco é o exemplo por excelência do cuidado pelo que é frágil e por uma ecologia integral, vivida com alegria e autenticidade. É o santo padroeiro de todos os que estudam e trabalham no campo da ecologia, amado também por muitos que não são cristãos. Manifestou uma atenção particular pela criação de Deus e pelos mais pobres e abandonados. Amava e era amado pela sua alegria, a sua dedicação generosa, o seu coração universal. Era um místico e um peregrino que vivia com simplicidade e numa maravilhosa harmonia com Deus, com os outros, com a natureza e consigo mesmo. Nele se nota até que ponto são inseparáveis a preocupação pela natureza, a justiça para com os pobres, o empenhamento na sociedade e a paz interior.

 

A reacção ao mundo que cercava Francisco de Assis foi muito além da avaliação intelectual ou do cálculo económico. Para ele, toda e qualquer criatura era sua irmã, com a qual estava unido por vínculos de um profundo afecto. O Papa Francisco também reflecte essa veneração por todos os seres vivos, afinal, todos fazem parte da mesma criação divina.

 

Eis alguns excertos retirados da carta encíclica que pode ser lida neste link, na íntegra:

 

87. Quando nos damos conta do reflexo de Deus em tudo o que existe, o coração experimenta o desejo de adorar o Senhor por todas as suas criaturas e juntamente com elas, como se vê neste gracioso cântico de São Francisco de Assis:

 

«Louvado sejas, meu Senhor, com todas as tuas criaturas, especialmente o meu senhor irmão sol, o qual faz o dia e por ele nos alumia. E ele é belo e radiante com grande esplendor: de Ti, Altíssimo, nos dá ele a imagem. Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã lua e pelas estrelas, que no céu formaste claras, preciosas e belas. Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão vento pelo ar, pela nuvem, pelo sereno, e todo o tempo, com o qual, às tuas criaturas, dás o sustento. Louvado sejas, meu Senhor, pela irmã água, que é tão útil e humilde, e preciosa e casta. Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão fogo, pelo qual iluminas a noite: ele é belo e alegre, vigoroso e forte».[64]

 

89. As criaturas deste mundo não podem ser consideradas um bem sem dono: «Todas são tuas, ó Senhor, que amas a vida» (Sab 11, 26). Isto gera a convicção de que nós e todos os seres do universo, sendo criados pelo mesmo Pai, estamos unidos por laços invisíveis e formamos uma espécie de família universal, uma comunhão sublime que nos impele a um respeito sagrado, amoroso e humilde. Quero lembrar que «Deus uniu-nos tão estreitamente ao mundo que nos rodeia, que a desertificação do solo é como uma doença para cada um, e podemos lamentar a extinção de uma espécie como se fosse uma mutilação».[67]

 

92. Além disso, quando o coração está verdadeiramente aberto a uma comunhão universal, nada e ninguém fica excluído desta fraternidade. Portanto, é verdade também que a indiferença ou a crueldade com as outras criaturas deste mundo sempre acabam de alguma forma por repercutir-se no tratamento que reservamos aos outros seres humanos. O coração é um só, e a própria miséria que leva a maltratar um animal não tarda a manifestar-se na relação com as outras pessoas. Todo o encarniçamento contra qualquer criatura «é contrário à dignidade humana».[69] Não podemos considerar-nos grandes amantes da realidade, se excluímos dos nossos interesses alguma parte dela: «Paz, justiça e conservação da criação são três questões absolutamente ligadas, que não se poderão separar, tratando-as individualmente sob pena de cair novamente no reducionismo».

 

89. As criaturas deste mundo não podem ser consideradas um bem sem dono: «Todas são tuas, ó Senhor, que amas a vida» (Sab 11, 26). Isto gera a convicção de que nós e todos os seres do universo, sendo criados pelo mesmo Pai, estamos unidos por laços invisíveis e formamos uma espécie de família universal, uma comunhão sublime que nos impele a um respeito sagrado, amoroso e humilde. Quero lembrar que «Deus uniu-nos tão estreitamente ao mundo que nos rodeia, que a desertificação do solo é como uma doença para cada um, e podemos lamentar a extinção de uma espécie como se fosse uma mutilação».[67]

 

246. Depois desta longa reflexão, jubilosa e ao mesmo tempo dramática, proponho duas orações: uma que podemos partilhar todos quantos acreditam num Deus Criador Omnipotente, e outra pedindo que nós, cristãos, saibamos assumir os compromissos para com a criação que o Evangelho de Jesus nos propõe.

 

Oração pela nossa terra

 

Deus Omnipotente, que estais presente em todo o universo e na mais pequenina das vossas criaturas, Vós que envolveis com a vossa ternura tudo o que existe, derramai em nós a força do vosso amor para cuidarmos da vida e da beleza. Inundai-nos de paz, para que vivamos como irmãos e irmãs sem prejudicar ninguém. Ó Deus dos pobres, ajudai-nos a resgatar os abandonados e esquecidos desta terra que valem tanto aos vossos olhos. Curai a nossa vida, para que protejamos o mundo e não o depredemos, para que semeemos beleza e não poluição nem destruição. Tocai os corações daqueles que buscam apenas benefícios à custa dos pobres e da terra. Ensinai-nos a descobrir o valor de cada coisa, a contemplar com encanto, a reconhecer que estamos profundamente unidos com todas as criaturas no nosso caminho para a vossa luz infinita. Obrigado porque estais connosco todos os dias. Sustentai-nos, por favor, na nossa luta pela justiça, o amor e a paz.

 

Oração cristã com a criação

 

Nós Vos louvamos, Pai, com todas as vossas criaturas, que saíram da vossa mão poderosa. São vossas e estão repletas da vossa presença e da vossa ternura. Louvado sejais!

 

Filho de Deus, Jesus, por Vós foram criadas todas as coisas. Fostes formado no seio materno de Maria, fizestes-Vos parte desta terra, e contemplastes este mundo com olhos humanos. Hoje estais vivo em cada criatura com a vossa glória de ressuscitado. Louvado sejais!

 

Espírito Santo, que, com a vossa luz, guiais este mundo para o amor do Pai e acompanhais o gemido da criação, Vós viveis também nos nossos corações a fim de nos impelir para o bem. Louvado sejais!

 

Senhor Deus, Uno e Trino, comunidade estupenda de amor infinito, ensinai-nos a contemplar-Vos na beleza do universo, onde tudo nos fala de Vós. Despertai o nosso louvor e a nossa gratidão por cada ser que criastes. Dai-nos a graça de nos sentirmos intimamente unidos a tudo o que existe. Deus de amor, mostrai-nos o nosso lugar neste mundo como instrumentos do vosso carinho por todos os seres desta terra, porque nem um deles sequer é esquecido por Vós. Iluminai os donos do poder e do dinheiro para que não caiam no pecado da indiferença, amem o bem comum, promovam os fracos, e cuidem deste mundo que habitamos. Os pobres e a terra estão bradando: Senhor, tomai-nos sob o vosso poder e a vossa luz, para proteger cada vida, para preparar um futuro melhor, para que venha o vosso Reino de justiça, paz, amor e beleza. Louvado sejais! Àmem.

 

Dado em Roma, junto de São Pedro, no dia 24 de Maio – Solenidade de Pentecostes – de 2015, terceiro ano do meu Pontificado.

Franciscus

 

***

Independentemente de se ser católico ou não-católico, agnóstico ou simplesmente NADA, todos os que sabem ler e não sofrem daquela moderna peste negra chamada iliteracia, devem ler e meditar na mensagem profundamente humanista desta

 

CARTA ENCÍCLICA LAUDATO SI’

SOBRE O CUIDADO DA CASA COMUM

 

que pode e deve ser lida, na íntegra, neste link, para saberem o que andam a fazer neste mundo e para não morrerem ignorantes...

 

http://w2.vatican.va/content/francesco/pt/encyclicals/documents/papa-francesco_20150524_enciclica-laudato-si.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:24

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 4 de Outubro de 2016

FAÇAMOS DO MUNDO UM PARAÍSO PARA TODOS OS ANIMAIS HUMANOS E NÃO HUMANOS

 

É deste modo completamente livre que devem viver os Cavalos.

Sem arreios, sem selas, sem serem montados.

Os Cavalos não nasceram para ser escravos do animal humano.

Nenhum animal nasceu para ser escravo de outro animal.

 

Nem sequer o animal humano nasceu para ser escravo dos da sua espécie, muito menos os animais não humanos nasceram para ser escravos do animal humano.

Hoje, neste dia de São Francisco de Assis, o frade que considerava os animais não humanos seus irmãos, meditemos na sua mensagem e façamos do mundo o paraíso que todos os animais, humanos e não humanos, merecem.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 18 de Maio de 2016

PROTESTO DA IRMANDADE DO DIVINO ESPÍRITO SANTO DA MÃE DE DEUS, A PROPÓSITO DO MEU TEXTO «DENÚNCIA AO CUIDADO DO PAN (AÇORES)»

 

O texto que deu origem a este protesto pode ser recordado neste link:

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/denuncia-ao-cuidado-do-pan-acores-640860

 

TOURO AÇORES.jpg

O Touro a sangrar (tinha uma argola enfiada nas narinas). Alguém chamou-lhe “piercing”, acrescentando que os humanos também usam “piercings”. Ainda que fosse. Só que os humanos usam “piercings” de livre e espontânea vontade, e o Touro usa ARGOLAS obrigado. Isto será coisa de gente civilizada, torno a perguntar.

 

 

Eis o conteúdo do protesto:

 

«Boa tarde,

 

A Irmandade do Divino Espírito Santo da Mãe de Deus, vem por este meio expressar o seu profundo descontentamento pela notícia apresentada no vosso Blog do passado dia 11/05/2016.

 

Informamos que a notícia, ou melhor, o texto elaborado da notícia não corresponde à verdade.

 

A ideia transmitida no vosso texto faz referência a maus tratos e violência ao animal, e é falso.

 

Mais uma vez informo que a verdade do acontecimento foi a seguinte: esta família, fez uma oferta ao Divino Espírito Santo, ou seja, o referido animal. Por ser um animal de grande porte, geralmente é aplicada uma argola na narina aos 2 anos de idade, sempre que o animal apresenta ameaça ao tratador/agricultor. Este animal tinha 4 anos de idade, ou seja, já tinha a referida argola à mais de dois anos, colocada pelo proprietário/agricultor a quem a família comprou o animal. Neste dia, o animal foi descarregado e amarrado em frente à moradia da referida família. Por ser um ambiente diferente para o animal, e também por ser um animal de grande porte, o mesmo animal com a força que fez, rebentou a tal argola, sem que alguém toca-se nele, e feriu a narina, e na respiração do animal, foi projectado algum sangue deste corte.

 

NÃO HOUVE MAUS TRATOS AO ANIMAL.

 

E mais, estava presente um agente de autoridade com a nossa Irmandade, que pode comprovar a justificação acima apresentada.

 

A nossa Irmandade, vem mais uma vez por este meio, solicitar a correcção da referida notícia, ou até mesmo a sua eliminação.

 

A nossa Irmandade está disposta a tudo, pela verdade, sobre esta matéria e contra os argumentos apresentados no vosso texto/Blog.

 

Com os meus melhores cumprimentos,

 

Carlos Vieira»

 

(AVISO: uma vez que a aplicação do AO/90 é ilegal, não estando efectivamente em vigor em Portugal, este texto foi reproduzido para Língua Portuguesa, via corrector automático, não estando abrangidos erros gramaticais).

 

***

Exmo. Senhor Carlos Vieira,

 

Em primeiro lugar, agradeço este protesto, pois vai dar-me oportunidade para esclarecer alguns pontos importantes.

 

O senhor diz: «A ideia transmitida no vosso texto faz referência a maus tratos e violência ao animal, e é falso

 

Bem… se o que vemos na foto não são maus tratos e violência ao animal, o que será? Mimos? Delicadezas?

 

Um inocente, inofensivo e indefeso animal, acuado numa rua, amarrado a um muro, com uma argola enfiada nas narinas, entre uma poça do seu próprio sangue não será, por si só, uma violência?

 

Só se for nos Açores.

 

Em qualquer parte do mundo civilizado isto é uma violência, por não ser natural que um bovino esteja amarrado numa rua.

 

Primeiro, porque o animal não está no seu habitat natural, está amarrado a um muro, com umas cordas, com uma argola enfiada nas narinas, e isso, por si só, já constitui uma violência.

 

Segundo, porque o animal está a sangrar devido a um corpo estranho ao seu próprio corpo, que lhe foi enfiado nas narinas sem o seu consentimento, o que é outra violência.

 

Mas o senhor Carlos Vieira diz ainda que a «verdade é que esta família (suponho que seja a proprietária do animal) fez uma oferta ao Divino Espírito Santo, ou seja, o referido animal.»

 

Esta família ou outra qualquer poderia ofertar ao Divino Espírito Santo qualquer outra coisa, como arrecadas de ouro, sacos de batatas, pipos de vinho, excepto um animal vivo, retirado do seu habitat natural e manietado com cordas.

 

A Irmandade do Divino Espírito Santo da Mãe de Deus devia ser a primeira a dar o exemplo cristão e recusar tal oferta, por ir contra o preceito máximo que Jesus Cristo deixou aos homens: «não faças aos outros (e nestes outros estão incluídas todas as criaturas de Deus, animais não humanos também) o que não gostas que te façam a ti.

 

Naturalmente nenhum dos senhores da Irmandade gostaria de estar no lugar daquele bovino amarrado com argolas nas narinas. Certo?

 

E a tentativa de justificar o injustificável continua: «Por ser um animal de grande porte, geralmente é aplicada uma argola na narina aos 2 anos de idade, sempre que o animal apresenta ameaça ao tratador/agricultor.»

 

Ameaça????

 

Um animal manso, herbívoro, pacato, ruminante, que se o deixarem a pastar tranquilamente no campo, não faz mal nem sequer a uma mosca, que espécie de ameaça pode representar ao seu tratador se esse tratador o tratar bem? Será ameaça para se defender dos seus torturadores… aliás, como qualquer dos irmãos da Irmandade se alguém os atacasse.

 

Nenhum bovino precisa de argolas nas narinas, para coisa nenhuma. Isso não é da natureza deles.

 

E o senhor Carlos Vieira diz ainda mais esta, com um desplante como se tudo isto fosse muito natural: «Neste dia, o animal foi descarregado e amarrado em frente à moradia da referida família (o que, só por si, já constitui uma violência contra o animal).

 

E arremata: «Por ser um ambiente diferente para o animal, e também por ser um animal de grande porte, o mesmo animal com a força que fez, rebentou a tal argola, sem que alguém toca-se nele, e feriu a narina, e na respiração do animal, foi projectado algum sangue deste corte.»

 

Exactamente: o animal estava fora do seu habitat natural, num ambiente diferente. Assustado. Descarregado (o termo é seu), sabe-se lá como! Amarrado (qual o animal, seja humano ou não humano, que gosta de estar amarrado? Isto é uma violência). Fez força… resta saber como e porquê? Rebentou a tal argola, sem que alguém TOCASSE nele… e pronto… feriu as narinas, muito naturalmente, e também muito naturalmente foi projectado algum sangue. Uma insignificância. Coisa pouca, nem deu para notar… como podemos ver na imagem.

 

NÃO HOUVE MAUS TRATOS AO ANIMAL diz o senhor Carlos Vieira. Não. O que fizeram a este indefeso animal foram mimos. Vejamos então.

 

- Foi delicadamente retirado do campo, com uma argola enfiada nas narinas.

- Amarrado a uma corda.

- Descarregado em frente à casa de uma família (como se fosse um saco de batatas?).

- Assustado, o animal agitou-se, a tal ponto que se magoou e esvaiu em sangue, como a foto demonstra.

 

E não houve maus tratos ao animal? O que seria então, se houvesse maus tratos?

 

«E mais…», diz o senhor Carlos Vieira, «estava presente um agente de autoridade com a nossa Irmandade, que pode comprovar a justificação acima apresentada». Como se isto sirva de justificativa para o  injustificável, ou seja, fazer de um animal indefeso, uma “coisa” para ofertar ao Espírito Santo que, se pudesse manifestar-se, diria tudo o que eu já disse.

 

E agora vem o mais surpreendente:

 

«A nossa Irmandade, vem mais uma vez por este meio, solicitar a correcção da referida notícia, ou até mesmo a sua eliminação».

 

Pois já dou como corrigida a “notícia”, que não é só minha. Corre pela Internet do mesmo modo que neste Blogue.

 

Quanto à sua eliminação, por alma de quem deveria ser eliminada?

 

E se a vossa Irmandade está disposta a tudo, pela verdade, sobre esta matéria e contra os argumentos apresentados no meu Blogue, a autora do Blogue também está disposta a tudo, pela verdade.

 

E a verdade é que a Irmandade do Divino Espírito Santo da Mãe de Deus deveria seguir os ensinamentos de Jesus Cristo e pôr em prática o exemplo de São Francisco de Assis, que tinha os animais não humanos, como seus irmãos (que também são meus irmãos, por isso os defendo com as garras de fora) e não permitir que façam a um bovino indefeso, inocente e inofensivo, o que não gostariam que vos fizessem a vós, porque, repito, é uma violência arrancar do pasto, um bovino, com uma argola enfiada nas narinas, descarregá-lo numa rua, e amarrá-lo com uma corda a um muro, para servir de “oferta” ao Espírito Santo, que não lhe fará bom proveito.

 

E esta violência não fui eu que a inventei.

 

E repito: isto é a maior demonstração do atraso civilizacional em que ainda está mergulhado o arquipélago dos Açores, em pleno século XXI depois de Cristo.

 

E não sou eu que o digo. Aprendi isto com Mahatama Gandhi - a Grande Alma.

 

GANDHI.jpg

 

E o animal que esta imagem nos mostra foi efectivamente maltratado, e não importa os meios ou os fins, porque nem uma coisa nem outra justifica o animal estar ali amarrado, com uma argola enfiada nas narinas.

 

Com os meus cumprimentos,

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:39

link do post | Comentar | Ver comentários (12) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 4 de Outubro de 2013

BIBLIOTECA ROCHA PEIXOTO, DA PÓVOA DE VARZIM, ASSINALA DIA DO ANIMAL

 

Dr. Luís Diamantino (vereador do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim,) congratulo-me com esta iniciativa, só faltou brindar-nos com a boa notícia do fim das touradas (agora que está prometida a cobertura da arena), do fim do tiro aos pombos (existe a alternativa dos pratos), do fim da batida às raposas (actividade primitiva), que não dignificam os poveiros.

 

Esperamos que a nova gestão autárquica traga uma nova vida para TODOS os animais.

 

 

Um comunicado do Pelouro da Cultura da Câmara Municipal da Póvoa de Varzim

 

BIBLIOTECA ASSINALA DIA MUNDIAL DO ANIMAL

 

«Para assinalar o Dia Mundial do Animal, a 4 de Outubro, a Biblioteca Municipal Rocha Peixoto, em colaboração com o CROAC - Centro de Recolha Oficial de Animais de Companhia, vai promover uma iniciativa que visa sensibilizar as crianças para a importância dos animais em geral e dos cães em particular. *

 

Serão dinamizadas duas sessões, uma de manhã, às 10h30 e outra à tarde, às 14h30, para o público escolar, do 1º e 2º ciclo.

 

O Veterinário Municipal, José Carlos Guimarães vai dar a conhecer ao público infantil o serviço municipal prestado pelo CROAC: as medidas de adopção de um animal de estimação, os cuidados básicos a ter com os animais, a alimentação, a higiene, a vacinação, a desparasitação, o controle da reprodução e o uso do microchip.

 

Tânia Oliveira, colaboradora em acções de Terapias Assistidas com Animais, nomeadamente com cães seus, falará da importância dos cães e do modo como podem ajudar as crianças no seu pleno desenvolvimento, demonstrando num pequeno vídeo algumas actividades assistidas com animais, no Pólo de Terroso do MAPADI.

 

Essa acção tem o objectivo de promover os benefícios a nível motivacional, educacional, recreativo que estes animais devidamente treinados proporcionam a pessoas que tenham algum tipo de limitações físicas.

O Dia Mundial do Animal celebra-se desde 1930 em vários países e tem o objectivo de lembrar que os animais são seres vivos com direitos.

 

Esta efeméride coincide com o dia da morte de Francisco de Assis, por ter sido um acérrimo defensor dos animais. **

 

Os direitos dos animais estão consagrados em 1978 através da aprovação da Declaração Universal dos Direitos do Animal pela UNESCO.

 

***

* Esperamos que entre estes animais em geral, estejam incluídos os Bovinos e os Cavalos (que os legisladores portugueses, falaciosamente, excluíram do Reino Animal), e os Pombos e as Raposas, tão maltratados neste município.

 

** São Francisco de Assis era um acérrimo defensor de TODOS os animais, e não só de cães. Ele não excluía nenhum do Reino ao qual todos nós pertencemos. Esperemos que a mensagem que se quer passar nesta iniciativa, dê os frutos desejados, e que os animais, TODOS os animais sejam respeitados, porque na verdade, são TODOS SERES VIVOS COM DIREITOS.


 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:52

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

QUANDO UM CANAL PÚBLICO DE TELEVISÃO NÃO TEM A NOÇÃO DO BOM SENSO E DESCONHECE A REALIDADE DO PAÍS, PREFERINDO VERGAR-SE A UM LOBBY OBSCURO

 
São Francisco de Assis, hoje comemorado, não iria gostar nada do que se lê neste cartaz
 
 

Exmo. Sr. Presidente da RTP, Dr. Alberto da Ponte:

 

Faço parte do povo português e não é verdade que a maioria desse mesmo povo apoie a TORTURA DE SERES VIVOS.

 

Por isso peço-lhe que reveja a sua posição, como director de um canal público de televisão, e não ande por aí a espalhar uma mentira.

 

Também lhe peço, como cidadã integrada numa esmagadora maioria, que a RTP deixe de emitir VIOLÊNCIA GRATUITA CONTRA BOVINOS INDEFESOS.

 

É um MAU serviço que presta ao país, e apenas interessa a uma minoria inculta.

 

Com os meus cumprimentos,

 

Isabel A. Ferreira

 

(Origem da imagem: Marinhenses Anti-Touradas)

 

***

 

TOURADA DA RTP CONSEGUIU A PIOR AUDIÊNCIA DA NOITE

 

Ontem duas derrotas para a indústria taurina: - Não só não conseguiu encher o Campo Pequeno na corrida de gala como ainda viu a transmissão televisiva redundar num grande fracasso. A tourada transmitida em directo durante 3h e 15 minutos pela RTP foi o programa com pior audiência ontem à noite na televisão portuguesa!

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=647122008651942&set=a.472890756075069.108951.143034799060668&type=1&theater

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 10:41

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 1 de Maio de 2013

POBRE DE ESPÍRITO, AQUELE QUE VÊ OS ANIMAIS COMO SERES INFERIORES E NÃO DIGNOS DE SEREM AMADOS E RESPEITADOS!

 

 

 

No dia de São Francisco de Assis, um padre italiano comoveu o mundo com este gesto simbólico…


Lamento que a esmagadora maioria dos padres católicos portugueses não sinta este apelo franciscano, obviamente cristão, e permita que os animais não humanos sejam torturados barbaramente, com a sua bênção.

 

E pior ainda: que permita que os Santos e Santas da Igreja sejam festejados com as mais grosseiras e sanguinárias variantes da tauromaquia.

 

ABSOLUTAMENTE DEPLORÁVEL!

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 3 de Abril de 2013

QUE SE PONHA UM FIM AO VÍNCULO EXISTENTE ENTRE A IGREJA CATÓLICA E AS CORRIDAS DE TOUROS

 

Eis uma petição que todos devemos assinar e partilhar. 

 

A ela me referirei no dossier que enviarei ao Papa Francisco, a propósito do despropósito da igreja católica ser cúmplice desta barbárie.

 

Em Portugal não se celebra um santo católico sem uma tourada, e até o Dia do Corpo de Deus é celebrado, em Ponte de Lima, com a chamada “Vaca das Cordas”, um ritual tão primitivo quanto estúpido.

 

Tudo isto é um insulto às coisas sagradas.

 

 

 

Pedimos a sua Santidade, o Papa Francisco, que se pronuncie contra as corridas de touros e que as proíba durante as festas dos santos padroeiros uma vez que agridem a dignidade das pessoas e são contrárias aos ensinamentos cristãos, porquanto desvalorizam a vida e atentam contra a Criação Divina.

 

Porque é importante esta petição?

 

Em todo o mundo, São Francisco de Assis é celebrado durante a primeira semana do mês de Outubro.

 

Durante esta semana realiza-se a bênção dos animais, aos quais São Francisco tratava por “irmãos” e “irmãs” menores, uma vez que todos somos filhos do mesmo Pai Criador.

 

No Perú, em menos de 30 dias, a igreja católica dá uma volta de 180 graus e termina dando a bênção a quem tortura até à morte uma manada de touros, durante a feira taurina, em “homenagem” ao Senhor dos Milagres.

 

Outro facto insólito é que se premeie o melhor matador com o Escapulário de Ouro do Senhor dos Milagres.

 

Fazemos esta petição para que se termine com esta angustiante e profunda contradição, uma vez que os ensinamentos propostos no Catecismo da Igreja Católica, no número 2418, indica-nos que o maltrato aos animais é contrário à dignidade humana.

 

Além disso, no compêndio do Catecismo podemos ler que o modo correcto de tratar os animais é com benevolência.

 

Reflictamos no seguinte: como é possível que a alguém, no seu juízo perfeito, lhe ocorra que a Deus, a nossa Mãe, a Virgem Maria ou aos Santos lhes agradem estas homenagens sangrentas, onde um homem, mulher ou criança toureiros, arrisquem a vida deles, torturando até à morte um animal, para o prazer de um grupo de pessoas insensíveis, e que a igreja aprove tudo isto, dando-lhe a sua bênção.

 

Junta-te a esta petição, afastemos a igreja católica das corridas de touros, defendamos a dignidade do homem e a benevolência para com os animais.

 

 

           http://www.avaaz.org/es/petition/Que_se_ponga_fin_al_vinculo_existente_entre_la_Iglesia_Catolica_y_las_corridas_de_toros/?pv=4

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 20:02

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 19 de Março de 2013

A MENSAGEM SUBTIL DO PAPA FRANCISCO: CRIAÇÃO DE DEUS, HUMANIDADE, AMBIENTE, NATUREZA...

 

À ATENÇÃO DA IGREJA CATÓLICA PORTUGUESA, DOS GOVERNANTES PORTUGUESES E DE TODOS OS QUE SE DEDICAM, APOIAM E APLAUDEM O CRUEL RITUAL DA TAUROMAQUIA E SÃO INIMIGOS DOS ANIMAIS E DIZEM-SE "CATÓLICOS"

 

 

Eis um gesto franciscano do Papa Francisco, que se estenderá a toda a CRIAÇÃO DE DEUS… (se é que me faço entender…) conforme as suas próprias palavras.

 

 

Não poderia deixar que as palavras proferidas, hoje, pelo Papa Francisco, na sua homilia da missa de inauguração do seu Papado, passassem por mim e as levasse o vento.

 

Logo que saiu fumo branco pela chaminé da Capela Sistina, no dia 13/3/2013, interroguei-me que nome escolheria este Papa. Há Gregórios, Joões, Bentos, Justinos… e pensei: haveria de ser Francisco, como Francisco de Assis, nome que nenhum Papa anteriormente escolheu, e que poderia trazer um novo alento ao mundo cristão que anda tão esfarrapado.

 

Então disse alto: eu gostaria que este Papa se chamasse Francisco. Um nome único. Um nome primeiro, que diria muito da postura de um homem que poderia trazer ao mundo alguma influência benéfica, e que seguisse os passos de São Francisco de Assis.

 

Foi este o meu desejo.

 

Quando ouvi que o Cardeal Bergoglio escolhera o nome de Francisco, fez-se luz dentro de mim. E sorri.

 

Descobri então que estou no bom caminho.

 

***

Hoje, quando ouvi as palavras do Papa Francisco lançadas àqueles governantes e membros da Igreja Católica que estavam na Praça de São Pedro a ouvi-lo, não tive dúvidas: a mensagem estava toda lá. Não totalmente clara. Nestas coisas há que ter subtileza. Mas estava lá.

 

A Igreja Católica tem de se virar para a CRIAÇÃO DE DEUS: para a Humanidade, para os pobres, para os mais desprotegidos, para os mais frágeis, para o Ambiente, para a Natureza…

 

Para a NATUREZA…

 

O que está por detrás destas palavras para mim é muito claro.

 

O ano de 2013 será o ano do grande salto para a evolução da Humanidade.

 

É que Deus suporta os maus, mas não eternamente (Miguel de Cervantes), e o Papa Francisco também não.

 

Nem nenhum de nós suporta.

 

Porque acredito que nada acontece por acaso, aqui deixo uma mensagem simples, mas significativa do que acontecerá em 2013 e da qual o Papa Francisco levantou hoje a ponta do véu…

 

(Peço especial atenção para as imagens que acompanham as palavras, pois tudo isto esteve subentendido na homilia do Papa Francisco)

 

 


 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:00

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 13 de Setembro de 2012

O QUE A PRÓTOIRO DIZ NÃO É O QUE DIZ A SIC: QUEM OMITIU O QUÊ?

 

 

 A PRÓTOIRO DIZ:

 

«PRÓTOIRO RESOLVE PROBLEMA DOS CAVALOS ABANDONADOS NO CACÉM

 

Uns dizem-se "amigos dos animais" enquanto a PRÓTOIRO age na sua defesa.

 

Como é do conhecimento público, encontravam-se, há mais de uma semana, 5 cavalos abandonados numa zona

 

 urbanizada do Cacém. Não tinham água nem comida. Nas páginas animalistas caíram pedidos de ajuda e o caso foi amplamente divulgado. O que fizeram essas associações que supostamente ajudam os animais? Absolutamente nada…

 

A PRÓTOIRO teve conhecimento no caso e diligenciou no sentido de resgatar os animais. Com o apoio da Associação Nacional de Toureiros e do Espaço Equestre Quinta do Brejo, na Charneca da Caparica, encontraram-se adoptantes para os cavalos e foi deslocado para o local um camião para transportar os cavalos.

 

A PRÓTOIRO quis fazer tudo dentro da legalidade, informou o SEPNA e através de interposta pessoa, a Câmara Municipal de Sintra de que tinha encontrado uma solução para um problema que se arrastava há quase 15 dias. O SEPNA agradeceu e deslocou para o local uma equipa para acompanhar a recolha dos animais.

 

No entanto, a Câmara Municipal de Sintra, que durante quase 15 dias nada tinha feito, ao saber que a PRÓTOIRO iria resgatar os cavalos apareceu, miraculosamente, no local, dizendo que, afinal, os cavalos teriam de ir para o canil municipal de Sintra e que a Câmara os transportaria.

 

A PRÓTOIRO não compreendeu. Não compreendeu porque, primeiro, os cavalos estavam naquele local, ao abandono, há quase 15 dias e ninguém se tinha lembrado de lá ir. Segundo, havia uma solução para o problema que não implicaria quaisquer custos para o erário público e que seria bem melhor para os animais, que assim iriam para o campo e não para uma boxe num canil esperar um destino que se adivinha. Mas a Câmara de Sintra foi irredutível e, após 6 horas, um camião da GNR foi recolher os cavalos.

 

Lamenta-se que, durante 6 horas, tenham estado no local dirigentes da PRÓTOIRO, representantes da Associação Nacional de Toureiros, uma equipa da Quinta do Brejo pronta a transportar os cavalos e, durante essas 6 horas, ninguém, mas absolutamente ninguém, dessas associações ditas "amigas dos animais" foi vista no local. Algo que já não estranha a ninguém que saiba o que essas associações realmente são.

 

Lamenta-se que seja necessário a PRÓTOIRO intervir para a Câmara Municipal de Sintra resolver um problema que se arrastava há quase 15 dias sem que nunca ninguém tenha mexido uma palha (excepção feita a alguns populares que, felizmente, impediram que os cavalos morressem à fome e à sede). Lamenta-se também que tenham obrigado os cavalos a irem para boxes de um canil quando poderiam ter ido para o campo… É o país que temos.

 

No final, o que interessa é que os cavalos saíram daquelas miseráveis condições em que se encontravam.

 Uns dizem-se "amigos dos animais" enquanto a PRÓTOIRO age na sua defesa.»

 

 

DIZ A SIC:

 

http://sicnoticias.sapo.pt/vida/2012/09/12/cinco-cavalos-andam-a-solta-no-cacem-causando-problemas-de-seguranca

 

 

FRANCAMENTE! 

 

OS TAURICIDAS SÃO TAURICIDAS.

 

NUNCA SERÃO NENHUNS SÃO FRANCISCO DE ASSIS.

 

QUERIAM OS CAVALOS PARA QUÊ? PARA FAZER COM ELES O QUE FAZEM AOS CÃES (NA CAÇA) E AOS TOUROS (NAS ARENAS)?

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:03

link do post | Comentar | Ver comentários (12) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Maio 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
17
18
20
21
22
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

PARA OS QUE SE DIZEM CATÓ...

FAÇAMOS DO MUNDO UM PARAÍ...

PROTESTO DA IRMANDADE DO ...

BIBLIOTECA ROCHA PEIXOTO,...

QUANDO UM CANAL PÚBLICO D...

POBRE DE ESPÍRITO, AQUELE...

QUE SE PONHA UM FIM AO VÍ...

A MENSAGEM SUBTIL DO PAPA...

O QUE A PRÓTOIRO DIZ NÃO ...

Arquivos

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt