Segunda-feira, 17 de Abril de 2017

A CRUELDADE ESCONDIDA DA TAUROMAQUIA

 

(Só uma pequena parte)

(Recebido via e-mail)

 

 Quanta imbecilidade! Quanta estupidez! Quanta cobardia! E pensar que tudo isto é permitido por uma lei parva, elaborada por parvos, e mantida por criaturas ainda mais parvas.

 

A tauromaquia é uma actividade onde impera a extrema crueldade contra animais indefesos.

 

Os cavalos sofrem física e psicologicamente. Os touros, totalmente desrespeitados, sofrem ainda mais e por um período de tempo mais alargado.

 

Em termos... muito gerais, e reportando-nos exclusivamente ao período que se inicia algumas horas antes do “espectáculo” em si, estes seres sencientes começam a sofrer e a ficar debilitados durante a fase de preparação para as corridas à portuguesa - seja, por exemplo, durante o transporte ganadaria-praça, em que o stress os faz perder cerca de 10% do seu peso, seja na preparação dos seus cornos.



(Vide sff http://www.youtube.com/watch?v=sKycgcoxedQ) – (Este vídeo foi retirado da circulação, tal era a crueldade visionada).

 

 

Na arena, não faltam sinais de medo, confusão, stress, exaustão, dor e muito sofrimento, sinais estes que, por desconhecimento, nem sempre são identificados.

 

(Vide sff http://mgranti-touradas.blogspot.com/2012/03/corridas-portuguesa-sinais-de.html  e http://mgranti-touradas.blogspot.pt/2012/07/embolacao.html) – (Aqui encontram muita informação).

 

Já fora do alcance da vista do público, os ferros/bandarilhas são arrancados, à força, do dorso das vítimas, o que lhes provoca enormes buracos e feridas e um sofrimento-atroz marcado por ensurdecedores berros de dor. Por fim, na quase totalidade dos casos, resta-lhes aguardar um a três dias, em tremenda agonia, pelo abate em matadouro.

 

***

E a esmagadora maioria dos deputados da Nação, que possuem neurónios fundidos, apoia esta inacreditável crueldade.

 

Pergunta-se: e isto é normal?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:41

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 30 de Agosto de 2015

QUEM COM FERROS MATA, COM FERROS MORRE

 

Este cobarde só teve o que mereceu

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:47

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2014

O MODERNO VOCABULÁRIO DA TAUROMAQUIA

 

Citando o meu caro amigo, Médico Veterinário, Dr. Vasco Reis, «devemos elucidar (os que ainda permanecem nas trevas) pois fundamental é educar os jovens e não só! Esclarecer insistentemente e em toda a parte sobre a natureza, a susceptibilidade, a senciência, a consciência dos animais não humanos, não muito diferentes das dos humanos. É fundamental combater a muita ignorância, mitos e falácias que existem sobre tudo isso, até em gente considerada culta. Importante para a evolução de mentalidades. Devemos tentar!»

 

10304634_854743837910971_6250425925572440185_n[1].

 

Concordo plenamente com o Dr. Vasco Reis, se bem que, por muita informação que constantemente disponibilizemos, os que têm comportamentos impróprios de gente culta e civilizada, optam por continuar na ignorância, porque talvez lhes seja mais fácil do que mudar a mentalidade.

 

Porém há que tentar. Abandonar uma luta é cobardia.

 

Por isso, uma vez mais, aqui deixo algumas achegas para que as pessoas mal informadas possam vir “beber” à fonte da modernidade e deixar para trás séculos de falsidades, de falácias, de ambiguidades, enfim de uma ignorância que não tem mais razão de ser.

 

E o que proponho é o novo vocabulário para designar as “coisas” acarunchadas da tauromaquia.

 

Assim temos que, hoje em dia, existe esta nova terminologia:

 

Tauromaquia ou Corrida de Touros passou a chamar-se Selvajaria Tauromáquica, pois o que aqui se pratica é de tal modo selvático e sanguinário que não há outro modo de o designar.

 

Aquilo a que teimam chamar de tradição, na verdade nada mais é do que um costume bárbaro, pois a tradição implica algo positivo que dignifica a Humanidade e é benéfico para uma convivência saudável entre os seres, o que não é o caso da selvajaria tauromáquica, que é uma forma de psicopatia perigosa e repugnante.

 

A praça de touros é na verdade uma arena, um lugar de tortura, de morte, de sangue, de suor, de urina, de fezes, de álcool e de uma demência colectiva, própria de um redondel fechado, e não de uma praça, que implica um espaço aberto e arejado.

 

Os chamados toureiros, bandarilheiros, forcados, picadores etc., não passam de cobardes torcionários, uma vez que a função deles é torturar Touros já bastante massacrados nos bastidores, antes de entrarem na arena, para que esses  torcionários possam exercer a sua cobardia sem grandes perigos. Por vezes o tiro sai-lhes pela culatra e faz-se justiça.

 

Os ditos cavaleiros são simplesmente montadores de cavalos, porque um verdadeiro cavaleiro não maltrata o seu Cavalo, e esses que entram nas arenas montados em Cavalos com serrilhas na boca, para que não relinchem, e esporas perfurantes para mais facilmente serem manobrados, não são dignos sequer de possuírem um Cavalo, muito menos de o “montar”. Quem ama os Cavalos não os monta.

 

E o que dizer do denominado grupo de forcados? Esses são os mais cobardes carrascos, aqueles que quando os Touros já estão moribundos, rasgados por dentro, dilacerados, golpeados, cegos de dor e consumidos por um desmedido sofrimento, atacam o animal em grupo e torturam-no até à exaustão. Por vezes, os Touros mais fortes reúnem derradeiras forças, que vão buscar ao instinto de sobrevivência e estropiam ou matam esses cobardes e então faz-se justiça, logo ali.

 

O que chamam parvamente de “cultura tauromáquica”, na verdade é a cultura dos trogloditas, dos ignorantes, dos que não evoluíram, dos que se orgulham de algo que os catapulta para o domínio dos brutos, pois é da brutalidade e da crueldade torturar seres vivos (seja para se divertirem, seja para se alimentarem).

 

E quando falam em arte? Pois tal não passa da arte da cobardia, praticada com requintes de malvadez, sobre indefesos bovinos que não têm como se defender, porque até os cornos (a defesa deles) lhes serram a sangue frio. Sem dó nem piedade.

 

As chamadas bandarilhas, na verdade são ferros pontiagudos, afiados para serem enterrados nas carnes do bovino e rasgarem-nas, provocando-lhe uma dor indizível, a mesma dor que sentiria um cobarde torcionário se lhe enterrassem nas costas um desses ferros cortantes. A dor seria exactamente a mesma, ou não tivesse o bovino um ADN semelhante aos dos animais humanos.

 

O retirar as bandarilhas deve denominar-se um acto da mais requintada crueldade, pois são arrancadas a sangue frio, de um corpo completamente desfeito por dentro e por fora, sem a mínima comiseração.

 Os Curros são cubículos de tortura e de morte, pura e simplesmente. Os ganadeiros não são mais do que negociantes sanguinários e mercenários que fazem da tortura de bovinos uma fonte de riqueza.

 

As escolas de toureio (para crianças) são antros de fabrico de sádicos e monstrinhos, onde psicopatas adultos transmitem a menores de idade a prática da violência e da crueldade gratuitas contra indefesos e inocentes bovinos bebés, violando os direitos mais básicos dessas crianças e desses bovinos.

 

Enfim… uma lista que continuará em aberto para que novas palavras possam ser incluídas…

 

Hoje, nada que diga respeito à prática selvática da tauromaquia pertence é do âmbito da civilização. 

 

E quem não compreende isto ou rejeita compreender, pertence ao rol dos chamados homens e mulheres de palha, ou mortos-vivos que erram pelo mundo, sem rumo, sem sentido, sem humanidade e sem espaço para viverem.

 

E com isto termino, por hoje. Espero ter sido útil.

Isabel A. Ferreira

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:03

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Domingo, 21 de Setembro de 2014

PERCURSO DO TOURO USADO PARA TOUREIO

 

Diz quem sabe e viu… 

O que se segue é a descrição nua e crua da selvajaria tauromáquica que o Estado Português legitima numa lei parva e inconstitucional

 

 

Brutalmente, tal como foram cravados, os ferros são agora retirados sem anestesia, arrancados ou por corte do couro.

 

 

 

(O que talvez os governantes não saibam)

 

 

Vive uns 4 anos na campina na boa companhia de outros da mesma espécie em espaço largo e com razoáveis condições.

 

 

Passará por momentos difíceis, Desenvolve-se.

 

 

Um dia é escolhido para a lide numa tourada.

 

 

Apartam-no violentamente, com ou sem medicação, com ou sem uso do bastão eléctrico, para uma manga e enfiam-no numa caixa apertada onde mal se pode mexer.

 

 

O stress da claustrofobia é tremendo, ao passar da liberdade e tranquilidade da campina para o caixote onde fica confinado, brutalmente afastado da companhia importante dos outros bovinos a que o ligam laços emotivos fortes.

 

 

A seguir acresce a ansiedade/pânico provocados pelo transporte.

 

 

Depois a espera, provavelmente, com pouco ou nenhum alimento e bebida.

 

Talvez sendo injectado, a ponta dos cornos será cortada até ao extremo vivo e muito enervado, ficando extrema e dolorosamente sensível ao contacto.

 

 

Para não sangrar cauterizam a sangue frio. Há touros que não resistem a esta operação. Sofre outras acções destinadas a fatigá-lo, debilitá-lo, retirar-lhe capacidade para a lide.

 

 

Mais tarde, a condução ao curro da praça de touros. Empurrado depois para a arena = beco cruel sem saída, suportando logo o enorme alarido, que ainda o assusta mais.

 

 

Depois a provocação, o engano, o cravar dos ferros, que o ferem e magoam terrivelmente, através da pele, de aponevroses, de mais ou menos músculos, atingindo tendões e, por vezes até pleura e pulmão (meu testemunho) e o fazem sangrar e sofrer.

 

 

Tudo isto o enfurece, magoa, deprime e esgota. Depois é retirado com as “chocas”. Brutalmente, tal como foram cravados, os ferros são agora retirados sem anestesia, arrancados ou por corte do couro.

 

 

Depois o sofrimento cresce pela dor provocadas pelos ferimentos, infectando e provocando-lhe febre, ficando animicamente derrotado, até que o abate o liberte de tamanho sofrer.

 

 

Desgraçada vítima dos chamados humanos, “corrida” e torturada unicamente para diversão de aficionados, alimentar de vaidades, de negócios de tauromáquicos e no prosseguimento de uma cruel tradição.

 

 

É, portanto, uma aberração, comprovativa da maior hipocrisia, quando tauromáquicos e ganadeiros afirmam serem as pessoas que mais gostam dos touros.

 

 

Deixam-nos viver eventualmente bem durante cerca de 4 anos, para que então sejam torturados na tourada e abatidos em sofrimento uns dias a seguir, em vez de viverem no seu meio natural os 20 anos em média da sua expectativa de vida.

 

 

Revoltante e vergonhoso é que tal crueldade seja permitida legalmente, feita espectáculo e publicitada.

 

 

PERCURSO DO CAVALO USADO PARA TOUREIO

 

 

É um animal de fuga, que procura a segurança e que a atinge pondo-se à distância daquilo que desconfia ou que considera ser perigoso.

 

 

Defende-se do agressor próximo com o coice e por vezes com a sapatada do membro anterior, se for mais afoito ou considerar o perigo menor.

 

 

No treino e na lide montada, ele é dominado pelo cavaleiro com os ferros na boca, mais ou menos serrilhados, puxados pelas rédeas e actuando sobre as gengivas (freio ou bridão – este com acção de alavanca, ambos apertados contra as gengivas e língua por uma corrente de metal à volta do maxilar inferior– barbela), elementos castigadores.

 

 

Em alternativa pode ser usado o “hackamore”/serrilha exterior à boca actuando contra o chanfro e também submetido à acção de alavanca.

 

 

O cavalo é incitado pela voz e por outras acções, chamadas de “ajudas”, como sejam de esporas que são cravadas provocando muita dor e até feridas sangrentas.

 

 

Calcule-se o sofrimento físico e psicológico do cavalo, que por vezes provocam a morte em plena tourada por síncope cardíaca.

 

 

Ele é impelindo para a frente para fugir à acção das esporas, devido à dor que elas lhe provocam e a voltar-se ou travar pela dor na boca e pelo inclinar do corpo do cavaleiro.

 

 

Resumindo: o cavalo é obrigado a enfrentar o touro pelo respeito/receio que tem do cavaleiro, que o domina e o castiga, até cravando-lhe esporas no ventre e provocando-lhe dor e desequilíbrio na boca. Isso transtorna-o de tal maneira, que o desconcentra do perigo que o touro para ele representa de ferimento e de morte e quase o faz abstrair disso.

 

 

É, portanto, uma aberração, comprovativa da maior hipocrisia, quando cavaleiros tauromáquicos afirmam gostarem muito dos seus cavalos e lhes quererem proporcionar o bem-estar.

 

 

Revoltante e vergonhoso é que tal crueldade seja permitida legalmente, feita espectáculo e publicitada.

 

 

Vasco Reis (Médico Veterinário)

 

 

***

Agora que os governantes já sabem… a opção é só uma: abolição desta selvajaria que envergonha as pedras da rua.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:43

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 15 de Junho de 2014

OS DESVARIOS E FIASCOS DA TAUROMAQUIA NOS ÚLTIMOS DIAS

 

Cada vez mais o povo se distancia destas manifestações de broncos.

 

Só os governantes portugueses não querem ver o óbvio, e expõem-se ao ridículo, ao apoiarem por decreto, esta barbárie.

 

***

 

LARGADA DE TOUROS EM PORTO DA ESPADA (MARVÃO) FAZ UM MORTO E A FESTA CONTINUA

  Fonte:

 

http://www.publico.pt/portugal/noticia/um-morto-em-largada-de-touros-em-marvao-1639862

 

 

Um homem cometeu suicídio, consentido por decreto, ao ir a esta largada de Touros.

Quem é o responsável por esta morte? Naturalmente são aqueles que permitem que esta estupidez, a que chamam "tradição" esteja legislada, sabendo-se que pode haver mortos e feridos.

O homem estava lá de livre e espontânea vontade. Sim. Mas morreu.

E a festa tem de continuar. Porque sim.

A VIDA dos animais humanos e não humanos, nesta terrinha atrasada (assim como noutras) não vale nada.

Mas nada vale também a vida de quem consente estas mortes.

***

 

BANCADAS VAZIAS EM REGUENGOS DE MONSARAZ

 

 

Bancadas vazias: um sinal dos tempos

 

 

Seis bovinos não tiveram hoje outra opção e foram humilhados e torturados em Reguengos de Monsaraz sob uma temperatura de 40 graus. Quem vive rodeado de touros deve saber como é difícil para eles suportarem temperaturas tão elevadas... quanto mais o resto! Quem costumava andar de praça em praça a assistir a touradas, começa, cada vez mais, a escolher outras opções, e os resultados estão à vista:

bancadas vazias.

 

 

Fonte:

https://www.facebook.com/antitouradas/photos/a.215152191851685.58389.215151238518447/775756705791228/?type=1&theater

 

Touradas? Só para gente que ainda não evoluiu.

 

***

LARGADA DE TOUROS EM SÃO VICENTE (ELVAS) LEVOU “MILHARES” DE AFICIONADOS À RUA

 

Milhares de grãos de poeira… Isso sim!

 

Todas as fotos foram tiradas à distância, para que se não visse a falta de público.

 

Um grande fiasco, aliás, como sempre.

 

E assim se torturam bovinos em vão…

 

O pior cego é aquele que não quer ver…

 

 

Mas para quem quer ver, há mais fotos nestes links:

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10202318862399744&set=pcb.1443312245921384&type=1&theater

 

 https://www.facebook.com/media/set/?set=a.737572426288685.1073741879.263414557037810&type=1

 

***

MOMENTOS DA TOURADA DECORRIDA ONTEM EM PORTALEGRE

 

 

Bovino muito ferido, com 7 ferros espetados no corpo, sofre em silêncio, no meio de aplausos - antes de entrar na calha para o abate, que acontecerá amanhã…

 

Forcado ligeiramente ferido, com 1 ferro espetado no braço, grita desalmadamente (SE NÃO DÓI NO TOURO, TAMBÉM NÃO DÓI NO TORCIONÁRIO), provocando a aflição do público - antes de ser ajudado por colegas, bombeiros e médico, conduzido ao hospital, suturado e tratado, e já estar em casa a recuperar, para daqui a alguns dias poder voltar a fazer parte de espectáculos em que se maltratam e desrespeitam animais.

 

Não aprendem nada…

 

Fonte: gritos e aflição:

http://diariotaurino.blogspot.pt/2014/06/portalegreacidente-bandarilhas-voltam.html)

 

Fonte:

https://www.facebook.com/antitouradas/photos/a.215152191851685.58389.215151238518447/773616569338575/?type=1&theater

 

***

«A SEMANA DE TODAS AS BRONCAS: SE OS OUTROS NÃO CONTAM CONTAMOS NÓS...» 

 

Vejam quem conta e o que se conta, neste link: 

http://farpasblogue.blogspot.pt/2014/06/a-semana-de-todas-as-broncas-se-os.html

 

E é nesta pobreza moral e indignidade que Portugal está mergulhado.
publicado por Isabel A. Ferreira às 14:41

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 7 de Agosto de 2013

ESTA DEDICO AOS FORCADOS PORTUGUESES QUE SE JULGAM MUITO “VALENTES” DIANTE DE UM TOURO MORIBUNDO

 
 
 

Aqui o touro não está moribundo.

 

Aqui o Touro não está a sangrar.

 

Aqui o Touro não está furado com ferros.

 

Aqui o touro não está com os cornos embolados.

 

Aqui é a BESTA HUMANA contra o TOURO ACOSSADO.

 

Aqui a luta é mais honesta, se bem que extremamente cruel, porque o Touro está assustado, fora do seu habitat natural.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 12:19

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 19 de Julho de 2012

PRÓTORTURA – PORQUE AS TOURADAS SÃO ISSO MESMO...

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:06

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
15
16
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

A CRUELDADE ESCONDIDA DA ...

QUEM COM FERROS MATA, COM...

O MODERNO VOCABULÁRIO DA ...

PERCURSO DO TOURO USADO P...

OS DESVARIOS E FIASCOS DA...

ESTA DEDICO AOS FORCADOS ...

PRÓTORTURA – PORQUE AS TO...

Arquivos

Novembro 2017

Outubro 2017

Setembro 2017

Agosto 2017

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt