Quarta-feira, 26 de Outubro de 2016

TRIBUNAL CONSTITUCIONAL ANULA PROIBIÇÃO DE TOURADAS NA CATALUNHA, MAS OS CATALÃES NÃO OBEDECERÃO A ESTA IMPOSIÇÃO RETRÓGRADA

 

 

Os aficionados espanhóis são como os aficionados portugueses: vivem na Pré-Idade da Pedra Lascada sem a mínima capacidade mental para ver o óbvio, evoluir e levar adiante a prática da Democracia e da Justiça.

 

A selvajaria tauromáquica está condenada à extinção, bem como os seus capachos. Só eles é que não vêem… E resistem, nem que para isso tenham de ser ridículos…

 

E assim se descredibiliza um tribunal constitucional…

 

MONUMENTAL DE BARCELONA.jpg

Esta arena de tortura, a Monumental de Barcelona, continuará assim: vazia, como estão destinadas todas as arenas dos oito países que ainda mantém estas práticas cruéis, grosseiras e medievais…

 

Lê-se nas notícias que por aí circulam que o Tribunal Constitucional Espanhol anulou a proibição das touradas na Catalunha, respondendo deste modo retrógrado a um recurso apresentado pelo não menos retrógrado Partido Popular espanhol, à decisão do Parlamento Catalão tomada em 2010 e que proibia a selvajaria tauromáquica na Catalunha.

 

Em Espanha, tal como em Portugal, a tauromaquia ainda se mantém em alguns poucos municípios e regiões, graças a mentes primitivas que ocupam cargos de decisão, e subsídios que ambos os governos esbanjam nesta actividade medieval protagonizada por psicopatas, sádicos e broncos.

 

E pensar que seres vivos são barbaramente torturados apenas para satisfazer os desejos mórbidos de um pequeno núcleo populacional portador de graves deformações mentais, bastamente comprovadas pelos estudos realizados por cientistas de várias especialidades!

 

Mas nem assim os partidos populares de ambos os países ibéricos são capazes de ver e aceitar o óbvio: a esmagadora maioria do povo espanhol e português não se revê nestas práticas bárbaras, assentes na mais profunda ignorância.

 

Os promotores da proibição das touradas na Catalunha, dizem que decisão do Tribunal Constitucional foi uma “decisão política” e disto ninguém tem a menor dúvida.

 

COMUNICADO DA PLATAFORMA PROU

 

A Plataforma PROU, impulsionadora da Iniciativa Legislativa Popular que originou a Lei aprovada pelo Parlamento Catalão em 2010, e que aboliu as touradas na Catalunha, emitiu o seguinte comunicado:

 

«Hoje, seis anos depois de se ter conseguido um avanço tão importante quanto à protecção animal e à não violência na Catalunha, no sentido de fomentar a cultura da paz, o Tribunal Constitucional espanhol decide que a dita lei é inconstitucional e que deve ser anulada, alegando motivos débeis e infundados, tendentes a retirar competências às regiões autónomas, impondo-nos, deste modo, um vergonhoso regresso ao passado, e à obrigatoriedade de continuar a autorizar a tortura pública de touros, nas arenas.

 

A Iniciativa Legislativa Popular utilizada foi um mecanismo de democracia participativa, que mobilizou centenas de milhares de pessoas se organizaram civicamente, num exemplo de exercício democrático rigoroso, transparente, aberto e com todas as garantias para o debate e a liberdade de expressão, e esta é a primeira vez na história que se revoga, sem as garantias acima indicadas, uma Lei aprovada através deste recurso.

 

É impossível acreditar que esta sentença responde a normas meramente jurídicas, tratando-se tão só de uma decisão política, que os antecedentes e a História corroboram.

 

Recordamos que o Partido Popular, liderado por Mariano Rajoy, incluiu no seu manifesto eleitoral a defesa intransigente das touradas, aprovando durante o seu mandato uma lei que definiu a tauromaquia como "património histórico e cultural comum a todos os espanhóis”, com a única finalidade de tentar anular a Lei catalã.

 

Recordamos que o presidente do Tribunal Constitucional, Francisco Pérez de los Cobos, foi notícia pela sua filiação e militância no Partido Popular, ainda que, todavia, continue em funções.

 

Recordamos que nos últimos anos vários magistrados foram fotografados em praças de touros, desfrutando da cruel e sangrenta tortura dos animais.

 

Recordamos que o Partido Popular acumula centenas de casos de corrupção, que inclusive afectam o próprio partido e que vinculam o nome de diversos presidentes deste partido e do Estado espanhol. Recordamos que nos últimos anos foram descobertos casos de corrupção também no mundo tauromáquico, desde a evasão fiscal, até à gestão danosa de corridas de “beneficência”, associadas a crianças deficientes, entre muitos outros.

 

Enquanto na Catalunha se abriu uma brecha de distanciamento social em relação à tauromaquia, essa tendência estendeu-se a todo o Estado espanhol, onde actualmente a sociedade considera as touradas uma terrível forma de maltrato animal; e em 2013, a ONU considerou que esta actividade viola os direitos humanos.

 

Acreditamos firmemente que por trás desta decisão disfarçada de “poderes judiciais” há uma conspiração que só pode ter explicação no momento político que o Estado espanhol está a viver.

 

Negamos rotundamente que esta sentença corresponde aos interesses que diz corresponder.

 

Vamos denunciar, jurídica e moralmente, à opinião pública internacional estes abusos.

 

A Plataforma PROU começará, desde hoje, a trabalhar na denúncia internacional desta violação dos direitos democráticos que a nossa sociedade civil, organizada e mobilizada, sofreu, ao mesmo tempo que apresentará queixas nos tribunais especializados na persecução de atentados contra os direitos políticos. Estes direitos foram claramente violados como consequência da rede existente do relacionamento entre poderes e interesses pessoais, por parte de quem os utilizam.

 

Espera-nos um longo trabalho em toda a Europa e nas instituições jurídicas internacionais.

 

Da mesma forma, a Plataforma PROU também anuncia uma série de acções internas na Catalunha, com o Governo e o Parlamento, para assegurar que a tirania legislativa desta sentença não acabe por ter efeitos práticos e as touradas não voltem a realizar-se.

 

Do mesmo modo, esta Plataforma orgulha-se de partilhar este cenário com outras leis que foram revogadas por este mesmo tribunal, como a que defendia a igualdade de género; a lei que garantia que uma família não pode ficar sem abrigo; a disponibilidade para acolher refugiados na Catalunha; a lei de participação e consulta; a lei de emergência de energia; todas destinadas a melhorar a qualidade da democracia, justiça e igualdade.

 

Tanto quanto a nossa indignação por este atentado contra a democracia e a participação da cidadania legislativa, queremos tornar público o nosso entusiasmo, ao entender que este debate nos permitirá avançar para uma sociedade mais justa, menos violenta, mais civilizada.

 

 

Longe de aceitar o regresso das touradas à Catalunha, a Plataforma PROU acredita que chegou o momento de discutir as práticas violentas que nos envergonham como sociedade.

 

Por isso pedimos:

 

- À comunidade internacional que nos acompanhe.

 

- Ao Parlamento da Catalunha, uma nova Lei adaptada a esta sentença, mas que para efeitos práticos não permita o regresso das touradas.

 

- Ao Governo da Catalunha, que faça tudo o que estiver ao seu alcance para evitar qualquer tipo de actividade proibida pelo nosso Parlamento.

 

- Ao Governo da cidade de Barcelona, que mantenha firme a sua postura e não permita que a praça de touros volte a ser utilizada para actividades tauromáquicas.

 

- E muito especialmente, à comunidade da Catalunha que mantenha o seu apoio firme à causa da protecção animal, algo que orgulha, dignifica e é um importante reconhecimento internacional a este povo excepcional.»

 

Texto traduzido do original, publicado no blogue El Caballo de Nietzsche, em El Diário, neste link:

http://www.eldiario.es/caballodenietzsche/Comunicado-PROU-Tribunal-Constitucional-Cataluna_6_571202886.html

***

O Blogue Arco de Almedina apoia a Catalunha

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:11

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 15 de Abril de 2016

PAN REAGE ÀS DECLARAÇÕES DE VITAL MOREIRA

 

Todos nós sabemos que o PAN é o único partido que publicamente promove a abolição das touradas. Porém, como também sabemos, um deputado apenas na AR tem inúmeras restrições.

 

Sabemos também que em seis meses de legislatura o PAN fez mais do que todos os outros partidos fizeram em vários anos, em prol dos animais.

O PAN reagiu às apreciações de Vital Moreira, considerando-as prematuras.

 

«Há muitos variáveis nesta equação e certamente faremos de tudo para terminar o mais celeremente com esta barbaridade. Temos as nossas prioridades bem definidas, e continuaremos a trabalhar para a abolição desta bárbara prática», declarou à autora do Arco de Almedina, um dos elementos do PAN.

 

VITAL PAN.jpg

© DR

Fonte da imagem:

https://www.noticiasaominuto.com/politica/571745/vital-moreira-pan-e-uma-fraude-esta-mal-informado-reage-pan

 

O PAN lamentou a "falta de informação" de Vital Moreira, quando este acusou aquele partido de nada fazer quanto às touradas, não tendo ainda avançado com uma proposta para acabar com elas.

 

Reagindo a tais afirmações, o PAN «lamenta que um Senhor com as responsabilidades políticas de Vital Moreira esteja tão pouco informado e se precipite em acusações sem fundamento».

 

Em comunicado aos órgãos de informação, o partido, representado na AR por André Silva, diz que «importa recordar que desde que chegou à Assembleia da República o PAN tem trazido este debate de forma recorrente, quase constante».

 

Afirma o PAN que «foi sugerida ao Governo a alteração dos benefícios em sede de IVA aos espectáculos tauromáquicos, bem como o fim da atribuição da taxa intermédia de IVA para todos os bilhetes e entradas em espectáculos tauromáquicos, e nenhuma das medidas foi aprovada, tendo os socialistas votado contra ambas. Se esta é de facto uma preocupação genuína então o PAN convida o Eurodeputado Vital Moreira a trabalhar em cooperação por esta causa, nomeadamente, na sensibilização dos seus pares dentro e fora do país».

 

Quanto à "ménage a trois" pelos eucaliptos, o PAN ressalva «as restrições regimentares, no que respeita aos tempos de intervenção, na Assembleia da República e a impossibilidade de fazer agendamentos de iniciativas legislativas como os restantes grupos parlamentares por ter apenas um deputado.

 

Mas realça outras iniciativas relativas ao Plano Nacional de Barragens, à Central Nuclear de Almaraz, à Caça na Serra da Malcata, à prospecção de petróleo em todo o território, à laboração de pecuárias de forma irregular e à pecuária intensiva.

 

***

A interferência do Arco de Almedina neste episódio:

 

Porque fui atacada por militantes e simpatizantes do PAN, por ter transcrito as declarações de Vital Moreira e acrescentado uma nota pessoal, devo declarar que não ataquei ninguém, se é que as pessoas que me atacaram não repararam, até porque tenho muita consideração pelo André Silva e pelo trabalho que este tem realizado até agora, e pela coragem de, mesmo sendo só, andar a incomodar os poderosos.

 

Considero-o, e ele sabe disso, a mosca que incomoda o elefante, na Assembleia da República.

 

O que Vital Moreira disse não é da minha responsabilidade. Publiquei as suas declarações apenas para agitar as águas que estão um tanto paradas, em Portugal, no que respeita à tauromaquia.

 

A verdade é que ainda não foi apresentada no Parlamento uma proposta concreta e objectiva para a Abolição da Tauromaquia em Portugal.

 

Lá fora, em Espanha e no México, por exemplo, os avanços em direcção à abolição desta praga têm sido bastante significativos, porque lá fora ninguém pede que se corte o mal pela ramagem, mas que se corte o mal pela raiz.

 

E foi isso que eu pretendi salientar.

 

Sei que é difícil a abordagem desta matéria numa Assembleia repleta de aficionados, onde a tauromaquia está bastante protegida (segundo uma militante do PSD), quase que diríamos que muitos deputados candidatam-se à AR com o único intuito de proteger a tauromaquia, portanto ao André Silva não será fácil apresentar uma proposta que de antemão será barrada pelos partidos que se dizem de esquerda, mas têm um pé na direita: PS, PCP, BE e PEV.

 

Sabemos disso, André Silva.

 

***

A propósito desta polémica:

 

No Jornal i, onde foi publicada a declaração de Vital Moreira, deixei a seguinte nota, que transcrevi num texto divulgado neste meu Blogue:

 

«Penso que o PAN deveria propor urgentemente a ABOLIÇÃO de todas as vertentes da tauromaquia, mas também de todas as práticas bárbaras que se cometem em Portugal contra animais: circos, festas públicas com matança, ao vivo, de porcos, caça, tiro aos pombos, lutas de cães, corrida de galgos, corrida de Cavalos, charretes com tracção animal, queima do gato, enfim, uma infinidade de barbaridades que não se justificam para divertir um povo, se bem que um povo bastante EMBRUTECIDO.

 

Já chega de medievalismos. Já chega de estupidez. Já chega de atraso de vida.

 

Em Portugal (dizem) temos um governo que se diz de esquerda, mas no que respeita aos animais, a governação mantém a política da direita, da ditadura e da monarquia. Nada mudou, nesse aspecto.

 

O PAN introduziu na AR um discurso novo, mas, de facto, ainda não se ouviu a palavra ABOLIÇÃO, que é a única que interessa

 

Pois a este comentário respondeu deste modo bastante interessante, um tal de Paulo Reis:

 

Paulo Reis

Isabel A. Ferreira Voçê é louca da mais. Gostava de te conhecer. Que fazes nos tempos livres??? Adiantas a vida ??? Deves julgar-te muito avançada, mas gostava de ver........

 

Bem… este cidadão é um genuíno produto made in Portugal, com marca GP (Governo Português).

 

Respondi-lhe o que penso, porque (penso eu) ainda não é proibido pensar:

 

«Eis um comentário que diz da pobreza mental e cultural de portuguesinhos que não têm o mínimo sentido crítico, nem a noção do ridículo.

 

Não que me surpreenda, porque a política do ensino e da cultura em Portugal nunca valorizou a evolução. É tacanha e redutora.

 

Os governantes fazem tudo para manter um povo amorfo, mal-educado, mal ensinado, mal-amanhado, subserviente... enfim, acrítico. E é nisto que dá.

 

Pobre mente atacanhada!

 

Eu não me julgo avançada... Eu sou avançada, evoluída. Pertenço ao futuro, e não ao passado

 

Pois é isto que eu, como cidadã portuguesa livre, pretendo para o meu país: que, tal como eu, Portugal pertença ao futuro, e não ao passado.

 

É por este futuro que me bato, ao escrever o que escrevo.

Espero que entendam.

 

Isabel A. Ferreira

 

Fontes das matérias abordadas neste texto:

https://www.noticiasaominuto.com/politica/571745/vital-moreira-pan-e-uma-fraude-esta-mal-informado-reage-pan

http://www.ionline.pt/504112#comment-2624380839

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/o-que-o-pan-ainda-nao-fez-para-acabar-633614

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:11

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 25 de Março de 2015

VEM AÍ A PRIMEIRA “ESTRELA DE FERRO” QUE IRÁ SER ATRIBUÍDA A UM MUNICÍPIO QUE SE RECUSA A EVOLUIR

 

Conforme foi já noticiado neste link

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/atribuicao-de-estrelas-de-ouro-as-509120

este ano irão ser atribuídas “Estrelas de Ouro” aos municípios anti-tourada, e “Estrelas de Ferro” aos municípios pró-tourada.

 

E a primeira “Estrela de Ferro” (metal considerado vil) já foi atribuída, e será divulgada na próxima semana

 

ESTRELAS3.png

 

Conforme o Arco de Almedina já divulgou, este ano, como forma de premiar simbolicamente os municípios que resistem às investidas do mafioso lobby tauromáquico, e se mantém limpos da selvajaria tauromáquica, ser-lhes-á atribuída a “Estrela de Ouro” (metal considerado nobre).

 

E aos municípios que permitirem a tortura de bovinos dentro da sua área territorial será atribuída a “Estrela de Ferro” (metal considerado vil).

 

Recordamos também que irão ser aqui distinguidos todos os municípios que actualmente não estão manchados com esse costume bárbaro, que a todo o custo, inclusive à custa da má e triste figura, os que o promovem querem fazer passar por “arte”, por “cultura”, por “tradição” e por “identidade cultural”.

 

A selvajaria tauromáquica será tudo isso, sim, mas é a pequena arte dos broncos, a cultura inculta dos broncos, a tosca tradição dos broncos e a identidade cultural dos broncos.

 

Não é de modo algum a Arte, a Cultura, a Tradição e muito menos a Identidade Cultural do Povo Português, que não se identifica com esta barbárie introduzida no país pelos espanhóis, no tempo da dinastia filipina (entre 1580 e 1640).

 

Um bárbaro costume que aqui foi deixado como uma amaldiçoada herança, e que se mantém até aos dias de hoje, graças à ignorância crassa de governantes que se recusam a evoluir, e com tal atitude envergonham Portugal e os Portugueses.

 

Em nome da Civilização, esta barbárie tem de acabar.

 

E acabará, como tudo o que é abominável acaba.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 18:47

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 13 de Novembro de 2014

QUANDO OS HOMENS TÊM MEDO DA LUZ!...

 

(Esta dedico a todos aqueles que já passaram os olhos pelo Arco de Almedina e continuam cegos, pequenos e ignorantes…)

ALBERT.png

 

E como há universos pequeninos, do tamanho de um grão de areia, por simples cegueira mental!

 

10440225_999851633364299_3511279539726813563_n[1].

Mil vezes mais digno!

Por isso não aperto a mão a qualquer um...

 

 

PLATÃO.jpg

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:22

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 18 de Maio de 2014

A FORÇA DA LINGUAGEM É A MOLA MESTRA QUE FAZ AGITAR AS CONSCIÊNCIAS ESTAGNADAS NUM TEMPO ANTIGO E PRIMITIVO

 

O Tomás T. decidiu fazer uma crítica ao Arco de Almedina e ao modo como utilizo as palavras. Até aí nada a dizer. É aceitável.

 

Mas quando pretendeu ir um pouco mais além, entrando pelo caminho “da lição de moral”, estendeu-se ao comprido. 

 

 

Eis como estavam os defensores das touradas e seus acólitos antes do Arco de Almedina

 

 

Eis como estão os defensores das touradas depois do Arco de Almedina

 

(Sem falsa modéstia)

 

***

 

Tomás T. disse sobre PRÓS E CONTRAS – A RTP (AINDA) DISCUTE SE A CORRIDA DE TOUROS É UM “PATRIMÓNIO” OU UM ACTO DE BARBÁRIE? na Terça-feira, 13 de Maio de 2014 às 21:27:

     

«A Isabel coloca muito esforço e muitas horas neste blog e luta por uma causa que entende ser nobre e justa. A intenção é de louvar, e muito pouca gente em Portugal tem o espírito e a força de vontade para colocar o seu próprio bem-estar em segundo plano para lutar por aquilo que acredita ser certo, como a Isabel o faz.»

 

-Tomás, eu não entendo que a causa pela qual luto é nobre e justa. Ela É nobre e justa.

 

E o que eu faço com o meu esforço, o meu tempo, o meu bem-estar não diz respeito a ninguém, senão a mim. E não faço qualquer esforço, nem perco tempo, nem sequer abdico do meu bem-estar para fazer o que tenho de fazer.

 

O Arco de Almedina é apenas a ponta do iceberg das minhas actividades. Tenho uma vida muito activa fora da Internet, onde cabem a leitura, a música, as viagens e muito mais.

De onde tirou essas conclusões sem o mínimo fundamento?

 

«Acho, no entanto, que durante este longo e duro percurso, tem tentado atacar o problema de uma forma que frustra os seus objectivos, devido à força da linguagem que utiliza

 

- Como está enganado, novamente. Tomás. De onde tirou que a forma como “ataco o problemafrustra os meus objectivos, se já os atingi quase todos, faltando apenas UM, para dar esta luta por terminada? E o tempo que resta já encurtou substancialmente.

 

Além disso, foi precisamente a força da linguagem que utilizo, e que ninguém antes de mim se atreveu a utilizar (por isso tanto incomodo os aficionados e afins) que revolucionou a maneira de estar na tauromaquia. Aqueles que pensavam que eram “heróis”, agora sabem que não passam de cobardes. O que se dizia em surdina atrevi-me eu a dizer alto. Qual o problema?

 

As revoluções também se fazem com as palavras adequadas às circunstâncias.

«Apesar das boas intenções, acho ofende as pessoas cujas ideias tenta mudar, o que torna a discussão inútil, porque mais ninguém vai querer discutir isso, se já sabe que vai ser ofendido, e afasta aqueles que, apesar de não terem opinião formada, acabam por se sentir repelidos pela agressevidade das publicações e a negatividade que sentem ao ler as publicações

 

- Primeiro: as coisas não se passam assim. Como posso ofender quem tortura, ou quem aplaude a tortura, ou quem apoia e defende a tortura de bovinos inocentes e indefesos? É um contra-senso. Certo? Os ofendidos somos nós, com as atitudes anti-sociais, desumanas e bárbaras com que os torcionários esmagam a nossa sensibilidade e a sensibilidade dos seres não humanos, que torturam.

 

Segundo: eu não tento mudar ideias. Eu tento mudar atitudes nocivas á humanidade e aos seres vivos, e que são rejeitadas por todos os seres humanos, que é o que aqui está em causa. Estou-me nas tintas para as ideias das pessoas. Já não posso dizer o mesmo em relação aos actos delas, quando está em causa o bem-estar de seres sencientes, que não têm como defender-se dos seus carrascos.  

 

Terceiro: só quem não tem uma cultura geral, mínima que seja, vê nas minhas publicações agressividade, pois não tem a capacidade mental de diferenciar agressividade de indignação, que é aquilo que sinto quanto à barbárie da tauromaquia, em todas as suas diabólicas vertentes. Até as pedras se indignam, quanto mais alguém que tem a sensibilidade à flor da pele, e é capaz de arriscar a vida para salvar animais de tenra idade, e é esmagada diariamente pela insensibilidade dos brutos.

 

Quarto: Se alguém se sente repelido… o problema não é meu. Se querem afastar-se, que se afastem. Ao contrário da tortura, que é permitida por lei, a leitura do que escrevo não é obrigatória para ninguém. Quando recebo comentários de determinados aficionados, leio-lhes o nome e arquivo-os imediatamente. Nem sequer chego a ler o que escrevem, por saber que só dizem disparates. Façam o mesmo.

 

«Percebo que queira apelar às emoções das pessoas relativamente ao sofrimento animal, mas por vezes temos que reconhecer os limites que não podemos ultrapassar sob pena de passarmos outra mensagem que não aquela que queremos passar. Chega um ponto em que as pessoas que não são a favor nem contra ficam mais incomodadas com os insultos e as ofensas na linguagem do que com os argumentos que apelam à evidência do sofrimento, ou até do que com as fotografias onde demonstra esse sofrimento

 

- Aqui enganou-se novamente. Eu não pretendo “apelar a emoções” nenhumas. Eu apenas pretendo apresentar os factos tais como eles são, nua e cruamente, para não haver qualquer dúvida.

 

Há dos tipos de pessoas que vêm ler o que escrevo: aquelas que sabem ler e interpretar um texto, e as outras, que lêem, mas não sabem interpretar o que está escrito, daí tomarem as palavras adequadas às circunstâncias (para isso elas existem) por insultos, quando o insulto é outra coisa completamente diferente.

 

Como posso insultar alguém a quem chamo “bronco”, se a palavra adequada é bronco? Não chamaria bronco ao Nuno Markl ou à Rita Blanco, por exemplo. Porque simplesmente eles não são broncos. Entendeu a diferença?

 

«Percebo que não goste dos aficionados, mas precisa de mudar a opinião deles se quer que as coisas mudem. É preciso fazê-los ver que aquilo que consideram uma arte está errado, e para isso é preciso saber ser tolerante e respeituoso

 

- Primeiro: do que eu não gosto é das atitudes dos aficionados. Deles, nem tenho de gostar ou não gostar. São-me indiferentes, porque não pertencem à espécie de seres humanos que possam merecer a minha consideração e respeito. 

 

Quanto ao mudar a opinião deles, não é isso que me move, pois sei que pau que nasce torto, torto morrerá. 

 

Agora ser tolerante ou respeitar um torturador de seres sencientes… nunca! Como poderia? Seria trair a minha causa e a quem emprestei a minha voz: Bovinos e Cavalos.

 

Não sou tolerante nem com torturadores, nem com pedófilos, nem com violadores, ou assassinos ou corruptos, ou raptores, porque todos estes predadores não têm o direito de violentar a vida dos outros seres vivos, sejam eles humanos ou não humanos. Certo?

 

Queria vê-lo a ser tolerante com um pedófilo que violasse o seu filho. Tomás.

 

«Podemos odiar uma pessoa, mas continuamos a ter que respeitar os seus direitos. E não vale a pena fazer acusações acerca daquilo que eles fazem a animais para justificar o contrário, porque dois errados não fazem um certo e, mais ainda, afasta-a do seu verdadeiro objectivo. Por vezes, temos que nos saber controlar, afastar as emoções por um bocado e debater, sem ofender.»

 

- Pois aqui está a ver-se ao espelho. Eu não odeio pessoas, porque o ódio é um sentimento baixo, que nada tem a ver com o meu carácter. Eu apenas rejeito e desprezo os inumanos, os homens predadores, os que andam no mundo a espalhar o mal e a fazer a vida negra a seres indefesos e inocentes, e a destruir o Planeta. Esses podem até ter direitos, mas têm o sagrado dever de não destruir a vida dos outros (sejam humanos ou não humanos). E esses, eu desprezo, e nem tenho sequer obrigação de reverenciar.

 

Eu sou uma guerreira. Defendo os meus protegidos com as garras de fora. E ai de algum predador humano se meter no meu caminho! E isto não tem nada a ver com “ofender”. Tem a ver com um instinto de defesa, elevado ao máximo. O que não quero para mim, também não quero para outros como eu.

 

E que me desculpem os aficionados e afins, esses não são como eu, nem como os animais que defendo.

 

«Se uma pessoa utiliza comentários insultuosos e ofensivos contra as pessoas que não partilham as suas convicções, e é intolerante, mesmo que possa estar certa, nunca vai conseguir mudar a opinião de ninguém porque ninguém a vai querer ouvir com essa atitude

 

- Repito: o que defendo não são as minhas convicções. Defendo seres indefesos e inocentes. Empresto-lhes a minha voz para os defender dos seus carrascos.

 

Não faço comentários insultuosos e ofensivos contra ninguém. Digo apenas o que tenho a dizer de acordo com as circunstâncias. E como já disse, não tenho a obrigação de ser tolerante com torturadores de seres vivos, ou com quem os aplaude e apoia. Pelo contrário, tenho o dever cívico de os combater. É o que faço.


«Se queremos mudar a opinião das pessoas e convencê-las de que nós temos razão, não se atacam pessoas, ataca-se ideias contrárias e defende-se as nossas, sempre com respeito pelas diferenças da outra parte, por muito que estas nos repugnem, com ou sem razão. A tolerância e o respeito têm que fazer parte da base do debate. E o probema é que nesta página, acontece exactamente o oposto

 

- Pois é, Tomás, mas aqui não se trata de opiniões, trata-se de atitudes primitivas, grosseiras e sanguinárias, reprováveis no mundo civilizado.

 

Com torturadores não podemos respeitar as “diferenças”, porque essas “diferenças” implicam o massacre de seres vivos.

Aqui não estamos a debater nada, para haver tolerância e respeito. Que tolerância e respeito merecem os sanguinários torturadores de seres sencientes?

 

O problema é que nesta página, diz-se o que nunca ninguém disse claramente. Andavam todos a pensar que a tauromaquia era cultura, era tradição, era arte, era algo digno de seres humanos. Mas não é. A tauromaquia é uma psicopatia social, que fere e esmaga a alma dos seres humanos e não humanos.

 

Eu, simplesmente, limitei-me a desfazer equívocos, utilizando a força das palavras. E é isso que vos incomoda.

«Posto isto, este blog acaba por ser mais:

(i) um diário onde possa desabafar toda a frustração e revolta (muitos diriam justificada) que sente devido a uma realidade, a seu ver, injusta, mas também um meio que as pessoas vão evitar devido ao negativismo que há aqui»

 

do que:

(ii) uma plataforma de desenvolvimento através do debate de ideias e valores, obtendo conforto na ideia de que está a contribuir para um futuro melhor
;

 

- Posto isto, o Tomás deixa muito a desejar nas suas apreciações.

 

Primeiro: se vê no meu Blogue um “diário” para desabafar frustrações e revolta, precisa de óculos bem graduados, pois não estou aqui a desabafar coisa nenhuma. E se depois do que já expliquei, não entendeu… o problema será seu. Tomás.

 

Segundo: que estou a contribuir para um futuro melhor, não tenho qualquer dúvida. Que esta página é uma plataforma de diálogo, não é, digo-lhe já. Porque não é possível um diálogo com quem não sabe argumentar e fazer raciocínios racionais e com lógica.

 

Os aficionados que aqui vêm comentar (e já os desafiei várias vezes) não argumentam, porque não há argumentos para defender o indefensável, ou seja a tortura. Limitam-se a dizer obscenidades, utilizando a linguagem mais rasca que existe à face da Terra, mas o que me incomoda mais é a estupidez, a enorme estupidez dos raciocínios irracionais e ilógicos que eles fazem.


«Estou a dizer isto porque acho que a Isabel tem boas intenções, tem muito para contribuir para todos nós e para a nossa sociedade, mas está a optar pelos meios errados e por isso não está a conseguir fazê-lo.

Por favor considere uma mudança, no sentido da moderação nas ofensas aos aficcionados (por muito que a Isabel e outros os odeiem), de não fazer ataques pessoais através de insultos, acusações, etc.

E boa sorte.
»

 

- Aí é que se engana. Tomás. Tenho boas intenções, tenho contribuído bastante para estender ao comprido a tauromaquia e quem a apoia, através de uma linguagem que, não sendo a mais politicamente correcta, é a mais adequada às circunstâncias do tema, ou seja, da tortura.

 

E não, não vou considerar mudanças, porque não ofendo os aficionados, que não odeio, porque odiar (como já disse) não está no meu carácter. Nem faço acusações, nem insultos.

 

Os aficionados é que me ofendem e insultam a mim, ao mundo e aos Touros e aos Cavalos, com a barbárie deles.

 

Se alguém aqui tem de mudar não sou eu. São os torturadores.

 

Mudem de vida. Dediquem-se às hortas, aos pomares, aos milheirais… Deixem os Touros e os Cavalos em paz, só então mudarei o meu discurso.

 

E para que veja quem insulta quem, aqui deixo uma pequena amostra (porque o número é enorme) neste link:

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/358058.html

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:52

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 27 de Março de 2014

O MOVIMENTO ANTI-TOURADA DE PORTUGAL (MATP) APOIA A BRIGADA ANTI-TOURADA DE MARSELHA (BACM)

 

(E o Arco de Almedina também)

 
 
publicado por Isabel A. Ferreira às 14:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 14 de Janeiro de 2014

EXISTEM AFICIONADOS QUE POR TODOS OS MEIOS ESTÃO A TENTAR CALAR UMA VOZ, PARA ELES, INCÓMODA, COM AMEAÇAS, INJÚRIAS, DIFAMAÇÃO E PROCESSOS JUDICIAIS

 

 

Como todos já sabem, um professor de toureio, do Agrupamento de Escolas de Alter do Chão (instituição PÚBLICA) o qual tem por objectivo “fazer bons aficionados”, interpôs-me um processo por prática de crime de difamação, por eu ter defendido, neste Blog, um DIREITO das Crianças consignado na Constituição da República Portuguesa, e que não é cumprido pelas autoridades competentes.

 

Entretanto, com o intuito de me intimidarem, tenho recebido várias ameaças de mais processos judiciais a propósito de textos e fotografias publicados no «Arco de Almedina» mas também em jornais diários, jornais taurinos, Blogs taurinos e anti-taurinos, e Facebook, portanto MATÉRIA PÚBLICA, devidamente assinalada e arquivada.


Um destes dias até foi feita uma reclamação ao SAPO BLOGS, ao qual, a propósito, solicitei uma informação concreta, e informaram-me de que essa reclamação está associada a este link:

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/tag/largadas+de+touros

 

Ora eu já havia recebido uns e-mails com o seguinte conteúdo:

 

(ATENÇÃO! A ORTOGRAFIA É A ORIGINAL)

 

1º email:

 

«Assunto: retire-me da poracaria do seu blog, vai ser apreesentada queixa na policia por uso indevido de meu nome e comentários

 

Sua grandessissima arasada mental, usaa o meu nome e comentários de facebook são proibidoa por lei, como tal vai retirar o meu comentário e noma da porcaria do seu blogue. Se é anti touradas é uma decisão sua, eu sou a favor e como usou indevidamnente algo como o emu nome para tentar fundamentar algoi que su não sou contra e a semnhor é , pode-se dizer dizer que fez plágio. Como tal paga pelo uso de algo aue não é seu. O valore exigido de oimediatao +é 1500 euors de imediato. Tem»

 

2º email:

 

«Assunto: Re: retire-me da poracaria do seu blog, vai ser apreesentada queixa na policia por uso indevido de meu nome e comentários

na continuação tem 15 dias para dar resposta para este mail a dizer como quer pagar e no su blog arca da almedina,

 

 

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/344057.html

 

vai fazer pedido de desculpa e dizer que cometeu erro. Acaha-se esperta? A queixa na polícia vai ser apresentada em 24 horas se não fòr feito o pedido, retirar o comentério que foi feito em contexto d efacebook, o meu nome remoivido e pagamento dos 1500 euros qyue com direitro de difamaç, abuso de confiança

 

No dia 10 de Janeiro de 2014 às 17:45, (…) escreveu

 

Sua grandessissima arasada mental, usaa o meu nome e comentários de facebook são proibidoa por lei, como tal vai retirar o meu comentário e noma da porcaria do seu blogue. Se é anti touradas é uma decisão sua, eu sou a favor e como usou indevidamnente algo como o emu nome para tentar fundamentar algoi que su não sou contra e a semnhor é, pode-se dizer dizer que fez plágio. Como tal paga pelo uso de algo aue não é seu. O valore exigido de oimediatao +é 1500 euors de imediato. Tem»

 

3º email:

 

«Assunto: Re: retire-me da poracaria do seu blog, vai ser apreesentada queixa na policia por uso indevido de meu nome e comentários

 

fica claro sua chica esperta? foi dada uma opinião contrária ao que diz no geral e mesmo assim usa. Plágio, abuso de confiança e uso de nome de modo indevido, Ou dá o pedido e aprende a  não ser chica esperta e ou faz-se queixa na polícia. Boa tarde!!!

 

No dia 10 de Janeiro de 2014 às 17:45, (…) escreveu:

 

Sua grandessissima arasada mental, usaa o meu nome e comentários de facebook são proibidoa por lei, como tal vai retirar o meu comentário e noma da porcaria do seu blogue. Se é anti touradas é uma decisão sua, eu sou a favor e como usou indevidamnente algo como o emu nome para tentar fundamentar algoi que su não sou contra e a semnhor é , pode-se dizer dizer que fez plágio. Como tal paga pelo uso de algo aue não é seu. O valore exigido de oimediatao +é 1500 euors de imediato. Tem»

 

Obviamente que não respondi a estes e-mails, que me pareceram escritos por alguém que não estava com a mão segura.

 

Se a intenção é extorquir-me dinheiro, ou pedir indemnizações por danos patrimoniais e não patrimoniais, podem vir milhentos processos, pois terão uma GRANDE SURPRESA!

 

Antes de seguir com esta exposição, gostaria de deixar aqui um alerta: poderiam fechar o «Arco de Almedina» (o que será difícil), mas se o fechassem, tenho mais dois blogues, e há mais servidores e posso abrir centenas de outros arcos, de uma hora para outra.

 

***

Continuando…

 

Ora sabemos que há pouco tempo, para substituir a prótoiro (porque as comadres zangaram-se), foi reforçada a ATCT (Associação de Tradições e Cultura Tauromáquica), agora com alguém (para quem sou ÓDIO DE ESTIMAÇÃO) a manobrar pauzinhos, por detrás da cortina.

 

Por coincidência, um dos objectivos plasmados nos novos estatutos desta ATCT renovada é o seguinte:

 

8 - Face à impunidade registada, e à forma como a mesma alastra nos diferentes grupos anti taurinos nacionais, decidiu a ATCT disponibilizar, através do seu Gabinete Jurídico, apoio a todos os Aficionados que se sintam lesados pela forma e conteúdo como, e com que, se expressam. Torna-se assim primordial para a ATCT, litigar e incentivar à litigância judicial contra anti taurinos, sobretudo em caso de situações que se possam iniciar com mera denúncia, casos de difamação, uso abusivo de imagem, e demais casos de situações previstas no Código Penal. O intuito será informar e auxiliar a comunidade aficionada sobre as várias situações informáticas em que os seus direitos são lesados, dar a conhecer o conjunto de crimes mais usuais, praticados pelo movimento anti taurino, e como proceder para iniciar um processo judicial, que permita fazer cessar essas agressões e exigir o ressarcimento pelos danos patrimoniais e não-patrimoniais resultantes dessas agressões".

 

Fonte:

http://farpasblogue.blogspot.pt/2013/11/atct-se-os-outros-param-trabalham-eles.html

 

***

Resta saber SE é este Gabinete Jurídico que incentiva os aficionados a escreverem-me comentários do género dos que estão publicados neste link, e dos que estão guardados para ainda serem publicados:

http://arcodealmedina.blogs.sapo.pt/358058.html

 

Seria interessante por parte deste Gabinete Jurídico informar estes “anónimos”, que por mais que se escondessem no anonimato e em nomes falsos, deixaram o “rabo de fora”, ou seja, os IPs, que tenho guardados junto com todos os comentários e em BOAS MÃOS, pois além de todas as palavras com que fui "mimoseada", sou também alvo de AMEAÇAS DE MORTE, em comentários, por parte de aficionados anónimos, tendo todo o direito de me defender.

 
O Gabinete Jurídico da ATCT também devia informá-los de que a Polícia Judiciária tem meios para descobrir quem são estes “anónimos” que, para mim, já não são mais anónimos, nem nomes falsos. Têm um nome verdadeiro e um lugar. Uma questão de DEFESA. Não estou a lidar propriamente com ANJOS.


E mais… Apesar de a tauromaquia ser uma “prática legal” (POR ENQUANTO, pois ainda está a coberto de uma lei) não significa que essa lei seja racional, ética, aceitável no mundo civilizado, e não é certo que esteja em conformidade com a Constituição da República Portuguesa, ou melhor, seja uma lei legal.


Portanto, quem é que aqui está a prevaricar?

 

É o que vamos ver.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:21

link do post | Comentar | Ver comentários (5) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 13 de Janeiro de 2014

CARTA ABERTA À JORNALISTA ISABEL A. FERREIRA, CRIADORA DO «ARCO DE ALMEDINA»

 

(Recebi esta carta, hoje, e é com emoção que a publico, porque além de ser aberta, contém matéria de interesse público, a favor dos meus amados Touros e Cavalos. Obrigada, Dr. Vasco Reis, e bem-haja por ser como é.)

 

 

Aljezur, 13 de Janeiro de 2014.

 

Cara Isabel,

 

Tenho acompanhado a sua dedicada, generosa, corajosa, persistente acção em defesa do ambiente, dos animais e das pessoas, o que reconheço e agradeço profundamente.

 

A obra é muito extensa, mas vou modestamente lembrar a sua intervenção quando alerta para uma iniciativa com o intuito de aliciar jovens para a tauromaquia, o que está a acontecer numa escola de Alter do Chão.

 

Esta iniciativa é protagonizada por um professor e seus apoiantes, entre os quais estão os pais de alunas e alunos.

 

O professor responsável, atingido pelo alerta da Isabel, não se conformou com a denúncia desta iniciativa destinada a criar futuros adeptos e artistas tauromáquicos e fez queixa contra si.

 

Por isso vai a Isabel responder perante autoridades neste dia 13 de Janeiro. 

 

A tauromaquia é uma actividade extremamente cruel para os animais; degradante para os próprios aficionados, artistas, lobbistas; extremamente prejudicial para o prestígio do país; deturpador de mentalidades juvenis; profundamente confrangedora para pessoas conscientes e compassivas.

 

Não deve, portanto, ser matéria didáctica.

 

Não obstante, tauromáquicos estão a aproveitar-se da persuasão sobre estes jovens, perante a indiferença ou com a conivência de pais, professores, escolas, institutos de juventude, ministérios, Misericórdias, igrejas, políticos, grande parte da sociedade.

 

Como a sabedoria tradicional ensina, “DE PEQUENINO SE TORCE O PEPINO”, para o bem e para o mal.

 

A Isabel é só uma das muitas pessoas que protestou contra esta perniciosa, escandalosa iniciativa.

 

Creio que não vai ter grandes dificuldades em justificar a sua atitude, feita no melhor interesse do país e das suas pessoas, nomeadamente dos seus jovens.

 

A propósito: há que fazer, desta vez para atingir o bem, algo paralelo ao que os tauromáquicos estão a fazer em escolas para levarem jovens para o mal.

 

Um ponto fundamental e urgente da estratégia abolicionista é, que os respeitadores da Terra, da Vida, da Paz, da Tranquilidade, da Ética, da Compaixão se organizem e contribuam para a educação da juventude no sentido do respeito pelo ambiente e pelos seus seres vivos, vegetais e animais, humanos e não humanos.

 

Que se apresente e difunda a força dos argumentos do senso comum e da ciência com os meios do contacto directo, do exemplo, da comunicação social, da solidariedade e em texto, palestra, vídeo.

 

Que se produza bom material didáctico e se ponha à disposição de professores e escolas.

 

Além de ser uma acção positiva e libertadora para os animais não humanos, também o é para a sociedade humana.

 

Os animais juvenis, não humanos e humanos, são receptivos a experiências que os impressionam e marcam para a vida, de uma maneira geral de maneira tão mais forte, quanto mais precocemente elas acontecem. É mais uma semelhança entre as espécies animais não humanas e a humana, além do esquema anatómico, a fisiologia, a neurologia, a emotividade, a consciência do que se passa à sua volta, a capacidade de experimentar empatia ou desconfiança, medo, prazer, dor, etc. Animais juvenis aprendem com os progenitores e, por exemplo, a confiar nos humanos, se têm cedo um contacto agradável com gente.

 

Já agora, deixo-lhe a minha opinião a propósito de activismo e de estratégias.

 

O filósofo Arthur Schopenhauer afirmou que:

 

O Homem faz da Terra um inferno para os animais

 

e

 

A compaixão universal é a base de toda a moral”.

 

Penso que concordamos com isso!

 

Acho que a Isabel é muito ciente da susceptibilidade dos animais e da terrível exploração e do sofrimento de que são alvo e vítimas.

 

Isso confrange-a, indigna-a, revolta-a. Sofre solidariamente de uma maneira terrível. Faz o possível por alertar para isso, para explicar o porquê da crueldade e, obviamente por ser ciente, professora, sincera, faz o possível por comunicar conhecimento.

 

Não poupa críticas aos que vitimam os animais e que as merecem.

 

Não teme represálias iníquas e vai aguentando críticas de outros abolicionistas motivados por outras estratégias.

 

É um impulso/estratégia seu que obriga à reflexão e à compreensão das pessoas, a que se deve seguir uma opinião e opção de quem a escuta ou lê. Estou certo que assim ajudou a abrir e informou a consciência de muitas pessoas para a preocupação com os animais e para o activismo na sua protecção.

 

Não compartilho da afirmação feita dogma de que atitudes como a sua vão afugentar ignorantes, distraídos e indiferentes. Antes pelo contrário, acho que vão fazê-los pensar e compreender.

 

Não é silenciando ou adoçando a pílula da crueldade que se acordam consciências.

 

Há muitas estratégias para a luta abolicionista.

 

Todas elas podem ser úteis, até as que se interessam mais pelo politicamente correcto, pelos contactos velados, pelo secretismo, por oposição a manifestações, por não se ser reactivo.

 

Mais me parece um distanciamento no sentimento e na preocupação pelo atroz sofrimento dos touros, dos cavalos e das pessoas que sofrem na sua consciência solidária pelas vítimas da tauromaquia.

 

Creio que elas se complementam e, no seu conjunto e solidariedade, fortalecem a luta.

 

Penso que nenhuma tem o direito de monopolizar a luta, de se considerar a única positiva e de criticar as outras.

 

Parece haver, por vezes mais cerimónia e respeito pelo adversário do outro lado da luta, do que pelos que lutam deste lado.

 

Penso que isso leva a divisionismos, frustrações, perdas de energia e de tempo e a deserções.

 

Eu próprio, se este clima prossegue, sou capaz de deixar o contacto com tais “activistas” supercríticos, que certamente não vão sentir a minha falta.

 

Tenho-me dedicado a esta luta por não saber de colegas da profissão que estejam disponíveis.

 

Quem me dera poder retirar-me da luta, já que vou a caminho dos 76 anos de idade!

 

Um abraço de toda a solidariedade e de enorme admiração.

 

Vasco Reis

 

***

Touro, Cavalo, Homem.

 

Nas 3 espécies:

 

O desenvolvimento embrionário é idêntico nas primeiras fases e pouco diverge nas fases seguintes, além de aspectos morfológicos e de alguns órgãos não essenciais.

 

Pode verificar-se que o esquema anatómico (aparelhos e sistemas) é comum; fisiologia e neurologia são idênticas.

 

A semelhança de sistema nervoso (centros nervosos, nervos) é flagrante.

A partir de encéfalos (central onde se processa o sentir, o pensar, o compreender, o decidir, o reagir) com estruturas correspondentes nas 3 espécies, é de se esperar que senciência/sentidos, emoções, consciência, sentimentos, estados de disposição, reacções sejam muito semelhantes nas 3.

 

Os vários comportamentos confirmam isso mesmo, implicando semelhanças de necessidades (ar, alimento, água, movimento, espaço, liberdade); de sentidos; de consciência do que se passa à volta; de inteligência; de sentimentos; de emoções; de humores; de reacções a agressão, dor, ferimento, susto, prisão, cio; de confiança e desconfiança; de amizade; de sentido de guarda e de protecção; de ligação sentimental maternal, filial, paternal, fraternal, de grupo; de gosto por carícia, por desafio, por provocação, por brincadeira, etc.

 

Agressão a um touro ou a um cavalo - seres sencientes - é causadora de sofrimento, não muito diverso do que sofreria um ser humano em circunstâncias análogas.

 

Sofrimento físico (dor) é fundamental para compelir o ser a defender-se, a afastar-se do agente causador e a procurar segurança e alívio. A dor é assim fundamental e imprescindível para a defesa e a sobrevivência do ser e da espécie.

 

Não é reacção que se ponha de lado com mais ou menos excitação ou com mais ou menos hormonas (ao contrário do que Illera pretende na sua pseudo ciência).

 

As plantas são seres desprovidos de sistema nervoso e, portanto, não podem sentir dor, não têm consciência, não podem reagir rapidamente, não podem fugir. Não sofrem!

 

Vasco Reis, médico veterinário

 

Aljezur, 13 de Janeiro de 2014.

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:41

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 2 de Janeiro de 2014

«ARCO DE ALMEDINA» EM 4º LUGAR NOS POSTS MAIS COMENTADOS DO ANO

 

Abram o link e surpreendam-se: 

http://blogs.blogs.sapo.pt/190998.html

 

 

Os terceirenses aficionados dizem que na tourada à corda o Touro não sofre… não sofre POUCO….

 

Não foi por acaso que isto aconteceu.

 

Foi porque na Ilha Terceira a evolução ainda não chegou a terra firme.

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:50

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 4 de Dezembro de 2013

NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA: FUI PROCESSADA.

TENHO DE ME APRESENTAR NUMA ESQUADRA DE INVESTIGAÇÃO CRIMINAL, NA QUALIDADE DE ARGUIDA, EM JANEIRO DE 2014.

COISAS DO ARCO DE ALMEDINA E TAMBÉM DO ARCO-DA-VELHA

FINALMENTE VOU TER A OPORTUNIDADE DE DESMASCARAR O DITO CUJO QUE ME PROCESSOU E DE VIRAR O BICO AO PREGO, PORQUE NESTAS COISAS DE TAUROMAQUIA NÃO SOU EU QUE TORTURO SERES VIVOS.

ALÉM DISSO, JÁ FUI MUITAS VEZES ARGUIDA EM PROCESSOS DE VÁRIA ORDEM. MOVO-ME NESSE MEIO COMO O PEIXE NA ÁGUA.

NADA DE NOVO DEBAIXO DO SOL.

NUNCA FUI CONDENADA.

SABEM PORQUÊ?

PORQUE O BANDIDO NÃO ERA EU (NESTE CASO A BANDIDA).

publicado por Isabel A. Ferreira às 17:32

link do post | Comentar | Ver comentários (28) | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
20
21
22
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

TRIBUNAL CONSTITUCIONAL A...

PAN REAGE ÀS DECLARAÇÕES ...

VEM AÍ A PRIMEIRA “ESTREL...

QUANDO OS HOMENS TÊM MEDO...

A FORÇA DA LINGUAGEM É A ...

O MOVIMENTO ANTI-TOURADA ...

EXISTEM AFICIONADOS QUE P...

CARTA ABERTA À JORNALISTA...

«ARCO DE ALMEDINA» EM 4º ...

NOTÍCIA DE ÚLTIMA HORA: F...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt