Terça-feira, 31 de Maio de 2016

SABIAM QUE IR A PONTE DE LIMA VER A “VACA DAS CORDAS” É COMO IR A FÁTIMA NO 13 DE MAIO?

 

Eu também não sabia, mas é o que diz um tal Nuno, num comentário que fez ao texto que escrevi sobre esta matéria.

 

E já viram uma vaca a comer uma pessoa, num momento de aflição?

Eu também nunca vi, mas o Nuno diz que sim.

 

Fiquei entre o rir e o chorar.

 

Mas é isto mesmo que os autarcas limianos, de mãos dadas com a igreja católica, passam a um povo já de si bastante rude, e que as autoridades fazem questão de manter ainda mais rude, para daí poderem tirar dividendos a abeirar o macabro.

 

181009_252434238191225_185961950_n[1] xpto.jpg

 

Eis o comentário:

Comentário no post HOJE É DIA DE PONTE DE LIMA MOSTRAR AO MUNDO O SEU ATRASO CIVILIZACIONAL COM A “VACA DAS CORDAS”

 

Acho uma falta de respeito tanto pela crônica como pelos comentários. Uma tradição é e será sempre uma tradição. É como ir a Fátima no 13 de Maio. E já que falam de coitadinhos dos animais, vocês comem o que? Bifes do supermercado? Então é isso vem de onde da prateleira? É lá que cresce? Acordem, porque se os animais tiverem aflitos é que nos comem a nós. Querem criticar critiquem, mas venham ver e sentir com o povo primeiro.

 

Nuno a 26 de Maio 2016, 23:14

 

(Um comentário sem comentário)

 

***

A propósito da triste e inqualificável prática medieval que, anualmente, acontece em Ponte de Lima

 

José Costa, natural de Viana do Castelo, publicou na sua página do Facebook um pequeno painel cerâmico criado e executado por uma turma do 2º Ciclo, em aulas de E.V.T. (Educação Visual e Tecnológica) de uma Escola pública, onde (sabe ele, e sabemos todos nós), há Educação para a Cidadania e valores.

 

Sobre este painel, como em qualquer outra unidade de trabalho, houve uma pesquisa feita pelos ditos alunos, conversa na aula sobre o tema e depois cada um, criou o seu desenho, ao fim foi eleito um deles e realizado em cerâmica por quatro alunas também eleitas para o efeito. Há doze anos, a Escola, conserva-o louvavelmente, em uma das suas paredes.

 

PAINEL.jpg

Origem da imagem:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=10209347743792618&set=a.2134556285511.277242.1294192848&type=3&theater

 

Este painel diz o seguinte:

 

A SOCIEDADE QUE SE DIVERTE COM O SOFRIMENTO NÃO É CIVILIZADA.

 

Não é.

 

E os limianos adultos, responsáveis pelo terrível sofrimento em que mantém um bovino, durante dois dias, para ser torturado nas ruas, e depois morto cruelmente para ser comido, que exemplo de CIVISMO e VALORES HUMANOS dão às crianças?

 

***

FOI ISTO A “VACA DAS CORDAS” EM PONTE DE LIMA EM PLENO ANO DE 2016 DA ERA CRISTÃ

 

 

Repare-se na extrema crueldade que é arrastar um ser SENCIENTE pelas ruas, com uma turba a gritar histericamente.

 

O que se vê neste vídeo é a maior prova do atraso civilizacional em que vive mergulhada a velha vila de Ponte de Lima, cujos autarcas apoiam este costume primitivo e cruel, apenas por motivos €€conómico€€.

 

E assim se mantém um povinho inculto e bronco, com o apoio da igreja católica portuguesa, porque o objectivo desta crueldade é CELEBRAR o dia do CORPO DE DEUS.

 

Depois não gostam que se chame a esta turba ébria de INCULTA, e se culpem os autarcas e igreja católica da preservação desta incultura e mau exemplo para as crianças.

 

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:37

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 30 de Maio de 2016

COMENTÁRIO CURIOSO ACERCA DA “VACA DAS CORDAS” EM PONTE LIMA

 

Não sei se é de um limiano, ou se é culto ou inculto. Nem sequer sei o seu nome. E também não fiquei certa se aplaude ou abomina a existência desta prática abrutalhada e medieval, ainda permitida em pleno século XXI da era cristã.

 

Só sei que um desconhecido me enviou o comentário que passarei a transcrever, sem os palavrões que introduziu no texto (que substituirei por reticências), mas que, apesar disso, diz a verdade exacta sobre esta miséria moral, cultural e social que os autarcas limianos promovem, por meros interesses €conómico€€€€€€€

 

VACA DAS CORDAS.jpg

Veja-se a expressão angustiante deste bovino que, sem saber como nem porquê, é retirado do seu habitat natural, metido num local escuro até há hora do tormento, depois é embolado, amarrado a cordas e banhado a vinho, rodeado de uma turba ébria a gritar histericamente, e depois arrastado pelas ruas, sempre com a turba aos gritos, e se isto não configura um maltrato animal, bater na mãe é coisa normal.

 

Eis o comentário:

 

«Gente que defende esta (…), não tem a mínima noção da realidade. Não estamos na era das cavernas e os cérebros servem para alguma coisa, não é só para passear a areia que têm aí dentro.

 

Usar um animal para esta tradição retrógrada é mesmo de quem não evoluiu no tempo. Falam de democracia e apoiam esta criminalidade.

Gostavam que pegassem em vocês e fizessem o mesmo?

 

Eu adorava, sinceramente.

 

Ponte de Lima de bonito só mesmo a paisagem. Sejam mas é a vila mais antiga e mais moderna ao mesmo tempo. Sim porque modernidade não é só tecnologia, a mentalidade devia acompanhar da mesma forma mas existem calhaus andantes como vocês e a (…) da igreja e do capitalismo.

 

Esses (…) a quem chama padres andam aí a mamar das vossas esmolinhas para ter (…) em casa. É mesmo assim sem dó nem piedade. Toda a gente tem o direito de acreditar no que quiser mas a igreja merus caros, roubam-vos tão sorrateiramente que vocês nem se apercebem, e o pior é nem sequer pensarem por vocês próprios e perceberem isso.

 

Tenho pena que uma vila tão bonita continue com esta aberração a quem chama vaca das cordas e que os seus habitantes e quem vai de propósito assistir a esta palhaçada tenham uma mente tão primitiva. Respeitem os animais que também são um ser vivo como vocês. Ah, e já agora quem é contra esta (…) espero que não tenham nenhum animal nas suas refeições e assim o argumento é válido.»

 

***

Este foi o comentário curioso… Muito curioso… e um tanto misterioso…

 

Acrescentarei apenas que o argumento é válido, será sempre válido, não por não se ter, (podendo até ter) animais nas refeições de quem os defende, mas porque não é da Ética, da Moral, da Cultura Culta, da Civilização, da Evolução torturar, deste modo ignóbil, um animal, para depois matá-lo e comê-lo abrutalhadamente.

 

Nem sequer os animais carnívoros que vivem na selva o fazem. Eles não são cruéis para com as suas presas, nem se divertem a torturá-las antes de as comer. O bote é certeiro e a morte, instantânea.

 

Nenhum defensor dos animais, ainda que coma carne (o que não é o meu caso), jamais os tortura, os humilha, os maltrata do modo ignóbil que os defensores da selvajaria tauromáquica o fazem, para depois comê-los.

A diferença entre uns e outros é abismal.

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:46

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

O TAURICIDA JUAN JOSÉ PADILLA FOI NOVAMENTE COLHIDO POR UM TOURO EM MADRID

 

Cinco anos depois do torturador de Touros, Juan José Padilla, ter perdido um olho e ter ficado tão deformado por fora, como é deformado por dentro, quando foi corneado por um Touro que tentou defender-se da cobarde investida deste tauricida, torna a ser colhido e lançado pelo ar e espezinhado durante uma tourada, na arena de tortura de Las Ventas, em Madrid.

 

Mas ainda não foi desta…

 

Porém, a implacável Lei do Retorno é infalível. Mais dia, menos dia, este torturador também será torturado até à morte, do mesmo modo que torturou e matou magníficos seres sencientes, com um ódio indescritível...

 

E VIVA O TOURO QUE ASSIM SE DEFENDE!

 

cogida-torero-juan-jose-padilla-las-ventas-madrid

 

Mais fotos desta colhida neste link:

http://www.schnauzi.com/brutal-cogida-a-juan-jose-padilla-en-madrid/#comment-198298

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:14

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Domingo, 29 de Maio de 2016

UMA VEZ MAIS OS AÇORES NO CENTRO DAS ATENÇÕES PELOS PIORES MOTIVOS

 

Desta vez foi na freguesia dos Ginetes, concelho de Ponta Delgada, ilha de São Miguel

 

Esta noite, por pura MALDADE, esticaram uma corda de uma ponta à outra da estrada e amarraram uma galinha a meio da corda, de cabeça para baixo.

Várias pessoas já denunciaram esta barbaridade à GNR.

Vamos ver o que acontece. Ou se não acontece nada.

 

13265926_1157277777647741_4357351253419853957_n[1]

E se pendurássemos os autores deste acto cruel e bárbaro, que só demonstra a incultura, a imbecilidade, a ignorância, a falta de humanidade e racionalidade de quem o cometeu, numa corda de cabeça para baixo? Será que gostariam? Talvez não, mas mereciam.

 

Dos Açores, pela pena de uma açoriana, chegou-me mais esta barbaridade:

 

«Isto aconteceu junto à igreja dos ginetes... Não faço ideia quantas horas o pobre animal lá ficou, mas sei que esse tipo de atitudes me dão náuseas e vontade de ofender sem parar.

 

Fazer isso aos animais a troco de divertimento (?) é estupidez.

 

Deparei-me com essa fotografia num grupo. Pelo que li, havia três rapazes sentados ao lado, e por essa razão, a pessoa que presenciou esta barbaridade não soltou o animal, nem tão pouco ligou às identidades competentes. Não sei o fim do animal

 

Fonte:

https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1157277777647741&set=a.566657966709728.1073741830.100000965906315&type=3&theater

 

***

Repararam, açorianos?

«Fazer isso aos animais a troco de divertimento (?) é estupidez.» E desta vez, não fui eu que o disse.

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:41

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

ADVOGADOS ATACAM PROJECTO DO PS PARA PROTEGER ANIMAIS DE COMPANHIA

 

Ordem dos Advogados diz que a informação científica disponível “não sustenta” que um gato ou um cão sejam mais sensíveis do que um porco, um cavalo, um bovino ou um corvo.

 

GATOS.jpg

 

Texto de Ana Henriques  

29/05/2016 - 08:15

 

A Ordem dos Advogados aponta várias fragilidades aos projectos de lei destinados a aumentar a protecção dos animais, em discussão na Assembleia da República. No que às propostas dos socialistas diz respeito, os advogados falam não apenas numa oportunidade perdida como, nalguns aspectos, em retrocessos legislativos – em linha, de resto, com as críticas já feitas à competência legislativa dos deputados quer pelo Conselho Superior da Magistratura, quer pelo Conselho Superior do Ministério Público.

 

Em causa estão alterações ao Código Civil para mudar o estatuto jurídico dos animais, por forma a que deixem, por fim, de ser vistos pela justiça como coisas, alcançando um estatuto jurídico intermédio entre os objectos e as pessoas. Mas também várias correcções que os parlamentares querem fazer ao Código Penal para sanar as múltiplas deficiências da lei que, há perto de dois anos, criminalizou os maus tratos e o abandono – e que, segundo a Ordem, conduziram ao arquivamento inapelável de muitos processos.

 

A principal objecção relaciona-se com o facto de o grupo parlamentar socialista se recusar a alargar a protecção contra maus tratos a outros animais que não os de companhia. “A informação científica hoje disponível não sustenta que um gato ou um cão sejam mais sencientes [sensíveis] e tenham maior capacidade para experimentar dor e sofrimento do que um porco, um cavalo, um bovino ou um corvo”, assinalam as advogadas incumbidas de redigir o parecer, Alexandra Reis Moreira e Sónia Cristóvão.

 

“Aliás, as evidências científicas apontam que, até em matéria de faculdades cognitivas, as capacidades de um cão ou um gato têm sido suplantadas por porcos em experiências que testam o índice de inteligência, situando-se ao nível dos resultados dos chimpanzés”, prosseguem. “Perder, mais uma vez, a oportunidade de conformar a lei penal, na parte respeitante à protecção dos animais, com a Constituição (…) é insistir no erro e eternizar parte dos problemas” criados pela legislação em vigor.

 

As autoras do parecer criticam também o projecto do PAN – Partido Pessoas, Animais, Natureza – por ser maximalista, alargando a protecção até aos invertebrados: “Animais como as moscas ou vermes receberiam tutela penal contra maus tratos físicos (…), o que iria detonar generalizado repúdio social. A sociedade não está preparada para uma tal mudança de paradigma civilizacional”.

 

E os maus tratos psicológicos?

 

A Ordem dos Advogados considera, porém, lamentável que nenhum dos dois projectos, que ainda terão de ser votados, contemple os maus tratos psicológicos e os danos à saúde, “repetindo o erro” da legislação em vigor. O stress intenso e as deficientes condições de alojamento são responsáveis por patologias graves e comportamentos anómalos como a automutilação, recordam. A punição do recurso a animais para práticas sexuais – que já é crime em países como a Espanha, França, Alemanha, Reino Unido, Suécia, Holanda e Noruega – também não está prevista.

 

Aliadas às alterações do Código Civil, destinadas a alterar o estatuto jurídico dos bichos, também preconizadas pelos socialistas, as alterações previstas para o Código Penal podem ter o efeito perverso de desproteger todos os animais que não sejam domésticos, o que representaria, dizem as duas juristas, um retrocesso face ao actual regime: “Vão deixar-se impunes actos de violência contra animais na posse de humanos que não sejam de companhia. A morte causada dolosamente [com intenção] a animais utilizados na actividade pecuária deixaria sequer de constituir crime de dano, ficando os autores dessas atrocidades impunes.”

 

O projecto do PS estipula ainda uma pena entre seis meses a dois anos, substituível por multa, para quem matar um animal de companhia – punição que a Ordem entende ser excessivamente branda, tendo em conta que a moldura penal pelo crime de mero dano vai até aos três anos.

 

Analisada de forma global, a proposta do partido do Governo “fica muito aquém das expectativas sociais e das necessidades de censura e violência gratuita”. Até porque cada vez mais a ciência tem vindo a associar os maus tratos de animais à psicopatia e à sociopatia.

 

E até a alteração do estatuto jurídico dos animais não escapa às críticas das duas juristas, que explicam que o projecto do PS nesta matéria se inspirou na lei francesa – que, apesar de recebida de forma entusiástica quando foi aprovada, no início do ano passado, “não teve, afinal, qualquer utilidade prática”. A solução passará por criar legislação especial para regular a matéria, uma possibilidade que o grupo parlamentar socialista, de resto, também preconiza.

 

Não é possível proibir já o abate, sustentam veterinários

 

No Parlamento está também em discussão um projecto apresentado pelo PAN a proibir o abate indiscriminado de animais nos canis municipais. Para a Ordem dos Veterinários é cedo demais para isso, uma vez que, quando existem, os centros de recolha das autarquias têm uma capacidade limitada.

 

“Não há, por enquanto, condições para proibir o abate”, reconhece uma dirigente da Ordem, Sónia Miranda. O projecto prevê que os animais vadios sejam devolvidos à rua. Para os veterinários, o facto de os cães se poderem organizar em matilhas é um dos entraves a tal solução.

 

in

https://www.publico.pt/sociedade/noticia/ha-erros-e-retrocesso-no-projecto-do-ps-para-proteger-animais-alertam-advogados-1733384?page=-1

***

ACHEGA DO MÉDICO VETERINÁRIO DR. VASCO REIS

É fundamental serem revelados amplamente os conhecimentos da ciência relativamente à senciência de todos os animais. Isso contribui para a evolução de mentalidades e é motivador da protecção a todos os animais, o que deve acelerar a feitura de legislação respeitadora, seguida de prática proteccionista. Se "a sociedade não está preparada para uma tal mudança de paradigma civilizacional", há que a esclarecer melhor, debater o assunto, pressionar essa preparação, apelar à ética, sugerir alternativas alimentares salutares e que não sacrifiquem animais, pugnar pelo fim da exploração animal, etc. Se não se apresentam grupos que defendam tais estratégias abertamente, ao menos que alguns indivíduos o façam.

CANDEIA QUE VAI ADIANTE...

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 14:31

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 27 de Maio de 2016

CAÇADOR (MAIS UM) MATA PAIS E AVÓ A TIRO DE CAÇADEIRA EM MONTEMOR-O-VELHO…

 

… e depois suicida-se…

 

Estes episódios repetem-se frequentemente, tão frequentemente que nos leva a reflectir sobre o “carácter” destes crimes.

 

Os caçadores são indivíduos com instintos assassinos. Se não o fossem, não se embrenhavam nos matos, para matarem cobardemente, por diversão, animais inocentes, indefesos e inofensivos, que são surpreendidos e mortos no seu habitat natural, assim… sem mais nem menos…

 

CAÇADEIRA.jpg

(Origem da foto - «Pai atinge filho com tiro de caçadeira em Ponte de Lima»

https://www.google.pt/search?q=ca%C3%A7adeira&biw=1240&bih=915&source=lnms&tbm=isch&sa=X&ved=0ahUKEwjQkI_ppPrMAhWQmhQKHd8EBRgQ_AUIBigB#imgrc=OIg-JxpQJLU5SM%3A

 

A caça justificou-se nos primórdios do mundo, quando a “humanidade” dava os seus primeiros passos.

 

O homem primitivo teve necessidade de caçar, como qualquer dos outros animais que com ele partilhavam (e ainda partilham) o planeta Terra, para subsistir.

 

Mas à medida que foi evoluindo, e ao tornar-se agricultor, a caça deixou de ser uma actividade básica do homem.

 

Contudo, depois disso, uma parte dessa humanidade não conseguiu evoluir, e não evoluindo, os instintos primitivos que obrigavam o homem a matar outros animais (mas a matar sem crueldade, como desde sempre o fizeram todos os animais ditos irracionais e carnívoros) permaneceram quase imutáveis, e ainda hoje vemos tribos caçadoras, muito primitivas, que ainda caçam para subsistirem, na selva, onde a civilização ainda não entrou.

 

Porém, uma parte, dessa parte da humanidade não evoluída, desenvolveu esses instintos assassinos, e fez da caça um desporto, matando pelo simples prazer de matar. Algo que sempre esteve ligado à realeza, às classes mais altas, por ser “chique” ir à caça…e que depois se estendeu à plebe.

 

E a partir daqui é que estas histórias trágicas de assassinatos a tiro de caçadeiras começaram a expandir-se.

 

Quando o instinto assassino lateja nas entranhas de um indivíduo, qualquer pretexto, qualquer contrariedade leva o caçador a matar. E não lhe interessa qual seja o animal. Será o que estiver mais à mão: humano ou não humano.

 

Os mais desesperados suicidam-se depois. Os mais cobardes fogem ou deixam-se apanhar, tendo de arcar com a consequência dos seus actos. Mas nada aprendem.

 

Ora este instinto assassino teria tendência a dissolver-se, caso não fosse a caça uma modalidade desportiva, disfarçada de “necessária para o ecossistema”. Caso os lobbies dos caçadores e o da venda de armas não fossem poderosos e incentivadores deste instinto assassino. Caso os governantes tivessem a coragem de legislar a favor da evolução, da civilização e da cultura culta.

 

Enquanto não houver consciência, bom senso, responsabilidade e sensibilidade para as questões da Ética Animal, esses crimes continuarão a acontecer, pelas localidades mais atrasadas civilizacionalmente, onde uma boa fatia do povo ainda vive num estádio ainda muito primitivo. Mas não só.

 

Nem de propósito, ontem estive a ler uma entrevista de Sophia de Mello Breyner ao Jornal de Letras, nº 468, de 25 de Junho de 1991, e a alturas tantas o José Carlos de Vasconcelos (o entrevistador e director do jornal) afirmou:

 

- O seu pai estava ligado à alta burguesia do Porto.

 

Ao que Sophia respondeu:

 

- Mas era uma pessoa muito original. O que gostava era de caçar, da natureza, dos jardins e dos cães.

 

Agora entendo porque Miguel Sousa Tavares, filho de Sophia e neto do caçador que fazia parte da alta burguesia do Porto, diz o que diz e é o que é em relação à sua apetência por touradas, e à sua aversão pelos animais não humanos.

 

Alguém que gosta da caça, mas também da natureza, de jardins e de cães, não pode ser original. Será outra coisa, será tudo, menos original.

 

Alguém que goste de caçar, não pode gostar da Natureza, da qual os animais caçados fazem parte. Alguém que goste de caçar não tem a noção do ser cósmico. Alguém que goste de caçar está reduzido a uma dimensão meramente terrena, ainda pouco evoluída, pertença à burguesia, à realeza ou à plebe.

 

Quem não respeita um animal não humano, não respeitará o animal humano, e muito menos respeitará a si próprio.

 

E então os títulos de matanças surgem como cogumelos em matas húmidas:

 

- Homem mata pais e avó a tiro de caçadeira (Montemor-o-Velho)

- Mata ex-militar a tiro de caçadeira (Vinhais)

- Pai atinge filho com tiro de caçadeira (Ponte de Lima)

- Desavença termina com dois tiros de caçadeira (Alcochete)

- Jovem de 18 anos baleado a tiro de caçadeira (Almancil)

- Foi provocado em casa e matou rival com tiro de caçadeira (Santiago do Cacém)

- Jovem morto a tiros de caçadeira (Ferreira do Alentejo)

- Tragédia com morte a tiros de caçadeira (Mafra)

- Mata mãe a tiro de caçadeira (Paderne)

 

Estes são apenas alguns dos inúmeros títulos que podemos encontrar numa busca, no Google. Reparem nos nomes das localidades onde estes crimes foram cometidos. Não vos dizem nada?

 

Até quando os caçadores e as suas caçadeiras vão andar por aí a matar animais humanos e não humanos, apenas porque o instinto de matar, seja quem for (coelho, raposa, perdiz, javali, cão, gato, pai, mãe, filho, irmão, avós, vizinho, mulher) fala mais alto do que qualquer outro instinto mais humano?

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:20

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 26 de Maio de 2016

HÁ UMA LIGAÇÃO ÍNTIMA ENTRE TOURADAS À CORDA E O ESPÍRITO SANTO?

 

Um pertinente texto de José Ormonde, oriundo dos Açores

 

ESPIRÍTO SANTO.jpg

(Bandeira do Espírito Santo)

 

Os defensores das touradas à corda, nomeadamente aqueles que querem que aquela brutalidade seja considerada património imaterial da humanidade, pretendem fazer crer que não há festas do Espírito Santo sem touradas à corda.

 

Se formos às origens das festas do Espírito Santo em Portugal Continental ou mesmo nas várias ilhas dos Açores facilmente se concluirá que tal não corresponde à verdade. Com efeito, consulte-se os micaelenses Armando Corte Rodrigues ou Aníbal Bicudo e não verão qualquer referência a touradas nas festas do Espírito Santo. De igual modo, sendo a introdução das touradas em São Jorge e na Graciosa datadas do século passado, a partir da Terceira, prova-se que só passou a haver associação entre as duas coisas a partir de então.

 

Na ilha de São Miguel, sendo a reintrodução das mesmas mais recente, também se confirma que só por oportunismo da indústria tauromáquica e falta de fé, de compaixão, de educação e de escrúpulos, por parte dos mordomos de algumas irmandades é que se associam impérios do Espírito Santo a touradas à corda que até, em abono da verdade, não o são.

 

Se formos à ilha Terceira, onde as duas coisas parecem estar intimamente associadas, a verdade é que tal se deve ao oportunismo da indústria tauromáquica que se aproveita da ingenuidade, da deseducação e do vício das pessoas para sacar dinheiro. A confirmar o mencionado, o insuspeito historiador terceirense Frederico Lopes, no seu livro Notas Etnográficas, afirmou que as touradas à corda são o “remate certo de todas as festas, quer religiosas quer profanas”.

 

Como afirmou Frederico Lopes a indústria tauromáquica também associou touradas às festas do Espírito Santo, mas como se verá a seguir nem sempre às de corda. Com efeito, uma consulta ao jornal “O Angrense”, que se publicou na ilha Terceira entre 1836 e 1910, verifica-se que se realizavam touradas de praça para apoiar impérios e claro os ganadeiros e outros.

 

A título de exemplo, abaixo transcrevemos as seguintes notícias:

 

Realiza-se amanhã, 30, uma corrida de touros, na praça de São João em benefício do Espírito Santo de S. João de Deus” (O Angrense, 3 de Agosto de 1874).

 

Deve realizar-se, no próximo domingo, a corrida de touros, na praça de S. João, em benefício do Império dos Quatro Cantos”(O Angrense, 31 de Outubro de 1875).

 

Embora desconheçamos mais pormenores, parece-nos que no passado há algo de diferente com o que se passa hoje. Assim, se no passado as touradas, embora condenáveis, eram de beneficência, isto é, em princípio destinavam-se a financiar os impérios, hoje, com a inclusão das touradas nos programas dos impérios o objectivo é precisamente sacar dinheiro dos irmãos ou da irmandade, que se devia destinar à solidariedade com os mais desfavorecidos, para o entregar a uma indústria anacrónica e imoral.

 

Face ao exposto, por que mantém um silêncio cúmplice a hierarquia da Igreja Católica?

 

Açores, 26 de Maio de 2016

José Ormonde

***

(AVISO: uma vez que a aplicação do AO/90 é ilegal, não estando efectivamente em vigor em Portugal, este texto foi reproduzido para Língua Portuguesa, via corrector automático).

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 19:08

link do post | Comentar | Ver comentários (2) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 25 de Maio de 2016

HOJE É DIA DE PONTE DE LIMA MOSTRAR AO MUNDO O SEU ATRASO CIVILIZACIONAL COM A “VACA DAS CORDAS”

 

Hoje é dia dos limianos incultos (porque os há cultos) mostrarem ao mundo o seu monumental atraso civilizacional, com o aval da igreja católica portuguesa, ao celebrarem o Dia do Corpo de Deus, com uma prática, das mais estúpidas (porque as há mais cruéis) que existem no rol da selvajaria tauromáquica.


Deus não deve gostar que celebrem o seu CORPO deste modo tão vil. Eu, se fosse Deus, não gostaria.

 

Um bando de alcoólicos tortura um Touro que levou com uma garrafa de vinho na cabeça, AMARRADO a uma corda, pelas ruas da vila, constituindo a chacota do mundo civilizado.

 

VACA DAS CORDAS.png

 

Um touro com 450 quilos de peso chegou terça-feira a Ponte de Lima, para servir de diversão a um bando de bêbados, numa prática medieval, primitiva e muito estúpida, a que chamam “Vaca das Cordas’, para celebrarem, com o aval da igreja católica, o Santo Corpo de Deus, como se Deus aceitasse tal oferta pagã e parva.

 

Segundo o presidente da associação “Amigos da Vaca das Cordas”, Aníbal Varela, que há 35 anos organiza este ritual do tempo das trevas, o Bovino veio de uma ganadaria de Montemor-o-Velho, no distrito de Coimbra, sabe-se lá em que condições, para depois servir de diversão aos bugres.

 

O ritual macabro da ‘Vaca das Cordas’ obriga a que o desafortunado Touro saia para a rua conduzido por cerca de dezena e meia de pessoas já bastante bebidas, preso por duas cordas, e com os cornos embolados, levado até à Igreja Matriz, onde é preso à janela de ferro da Torre dos Sinos, com este detalhe patético conforme o grosseiro costume local: sendo-lhe dado um banho de vinho tinto da região “lombo abaixo, para retemperar forças”, diz o Aníbal.

E o "lombo abaixo" significa quebrar-lhe a garrafa na cabeça.
Quanta boçalidade!

 

Depois, dá três voltas à igreja, sempre com percalços e muitos trambolhões à mistura dos populares que ousam enfrentá-lo, após o que é levado para o extenso areal da vila, dando lugar a peripécias, com corridas, sustos, nódoas negras e trambolhões e até pegas de caras amadoras, tudo muito regado a vinho, cerveja e outras bebidas que tais, num ritual bem à moda dos ignorantes medievais, que junta um povo muito primitivo, que sobrevive ao redor de Ponte de Lima, e tem nisto o ponto alto das suas vidas.

 

A igreja católica abençoa e os governantes apoiam, sem saberem o que fazem, e a má fama que trazem a Ponte de Lima, uma vila onde o atraso civilizacional sai à rua neste dia.

 

Misturado com esta selvajaria, onde um pobre animal indefeso é usado e abusado como se fosse uma marioneta, não se tendo em conta que é um SER VIVO, retirado do seu habitat natural, animal como todos os animais que o atormentam pelas ruas, e já madrugada dentro, nas ruas do Centro Histórico faz-se tapetes floridos, por onde irá passar a procissão do Corpo de Deus, num acto altamente sacrílego, que a igreja católica consente.

 

E nisto consiste esta diversão de criaturas que pararam no tempo, recusando-se determinantemente a evoluir.

 

Hoje, Ponte de Lima é o caixote de lixo dos bugres.

 

Fonte:

http://bomdia.eu/hoje-e-dia-de-vaca-das-cordas/

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:46

link do post | Comentar | Ver comentários (41) | Adicionar aos favoritos

NOS AÇORES A BENEFICÊNCIA FAZ-SE COM TORTURA DE BOVINOS

 

Dos Açores chegou-me este apelo:

 

«Caros amigos,

Participem e peçam ao Governo Regional que repudie a realização de uma tourada supostamente para angariação de fundos para um hospital público. Foi tentada anteriormente a realização da mesma, sendo o beneficiário o Núcleo dos Açores da Liga Portuguesa Contra o Cancro. No entanto, a Direcção Nacional da LPCC reagiu, no dia 5 de Maio, anulando e recusando a verba proveniente dessa prática, e, pedindo, nas palavras do seu presidente, Dr. Vítor Veloso, “desculpas por tão insólita organização que só por descuido, desatenção e inexperiência foi anunciado”.

Obrigada

 

TOURADA AÇORES.jpg

Contactos:

Para:

presidencia@azores.gov.pt, sres@azores.gov.pt, CC: sres-drs@azores.gov.pt, sres-hseit@azores.gov.pt, hseit.adm.secretariado@azores.gov.pt, deputados@alra.pt, acoresmelhores@gmail.com

 

Exmo. Senhor

Presidente do Governo Regional dos Açores

Exmo. Senhor

Secretário Regional da Saúde

 

A Tertúlia Tauromáquica Terceirense e o Núcleo dos Açores da Liga Portuguesa Contra o Cancro anunciaram a realização de uma tourada de praça “de beneficência” para o próximo dia 29 de Maio que foi, muito bem, repudiada pela Direcção Nacional da Liga Portuguesa Contra o Cancro.

 

No entanto, depois da recusa desta organização, a verdadeira organizadora da tourada, a tertúlia tauromáquica terceirense, não desiste dela e como forma de lavar a imagem das sangrentas e cada vez mais repudiadas touradas alteram o beneficiário, que passa a ser Hospital de Angra do Heroísmo, nomeadamente o seu Serviço Especializado de Epidemiologia e Biologia Molecular.

 

Considerando que é um insulto ao sentir generalizado da maioria dos açorianos e de todas as pessoas que, em todo o mundo, respeitam todos os seres vivos, associar a tortura de animais a fins e propósitos nobres de beneficência,

 

Considerando que é um gravíssima afronta a todos os açorianos que um hospital do Serviço Regional de Saúde e, por extensão, o Governo Regional dos Açores e a própria Região, figurem publicamente como promotores de uma tourada,

 

Tendo em conta que é possível a angariação de fundos através de práticas pacíficas e consensuais, que não envolvem sofrimento de animais para divertimento de pessoas pouco sensíveis,

 

Pedimos ao Secretário Regional da Saúde, Sr. Luís Mendes Cabral, e ao Presidente do Governo Regional dos Açores, Sr. Vasco Alves Cordeiro, que repudiem, da mesma forma como já fez a Liga Portuguesa Contra o Cancro, a realização desta tourada e não permitam que a Região Autónoma dos Açores, ou um qualquer dos seus serviços públicos, figure como promotora de um espectáculo de tortura animal.

 

Com os melhores cumprimentos,

 

Nome

Isabel A. Ferreira

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 15:50

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Terça-feira, 24 de Maio de 2016

A CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM PERMITE QUE SE USE UMA CRIANÇA PARA FAZER PROPAGANDA À SELVAJARIA TAUROMÁQUICA?

 

À ATENÇÃO DA COMISSÃO DE PROTECÇÃO DE MENORES

 

(Repare-se em quem patrocina esta iniciativa: (JB) Aplaudir, Casa do Pessoal da RTP e CÂMARA MUNICIPAL DA PÓVOA DE VARZIM)

 

Eis o arauto da abertura da temporada da selvajaria na cidade:

um menino.

 

12472452_975312499225748_7130697607349935399_n[1].

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:21

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

NÃO ÀS TOURADAS PARA CRIA...

CARTA ABERTA ÀS AUTORIDAD...

REACÇÃO DO GRUPO PARLAMEN...

NA ILHA TERCEIRA (AÇORES-...

GRANDE TRAGÉDIA INCENDIAD...

ANGRA DO HEROÍSMO (AÇORES...

AO FIM E AO CABO O QUE SÃ...

NOVO APELO AOS “BOMBEIROS...

CARTA ABERTA DE RUI PALME...

AÇORES ILHA TERCEIRA TOUR...

Arquivos

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt