Segunda-feira, 22 de Novembro de 2010

AO POETA VILA-CONDENSE DÁRIO MARUJO (A. MONTEIRO DOS SANTOS)

  

  Dário Marujo, no «Cantinho dos Poetas» da Cervejaria "Vela ATlântica" (Póvoa de Varzim) , no V Encontro dos Poetas da "Página Jovem», do "Cantinho do Nicolau" - (Foto: Isabel A. Ferreira)

 

 

(Na passagem do segundo aniversário da sua morte)

 

22 de Novembro de 2008/22 de Novembro de 2010

  

A notícia não me apanhou de surpresa. Mas doeu.

O meu amigo havia partido.

Mas deixou-nos os seus versos.

E é com um verso dele, do livro «SE EU FOSSE O DONO DA VIDA...» que lhe grito cá de baixo:

  

«Comandante! Não me esqueci de ti! E do contributo que deste à tua tão querida terra – Vila do Conde; e ao Clube do Poetas da Página Jovem, do “Cantinho do Nicolau”.»

 

***

 

FAZER VERSOS

Há os que dizem

Que só fazem versos

Quando estão tristes,

Melancólicos, solitários,

Deprimidos, infelizes,

Enfaixados na saudade,

Calcados, amargurados.

 

Eu, por mim, sou ao contrário:

Só escrevo versos

Quando estou alegre,

Quando me sinto amado,

Quando estou feliz,

Contente, radiante,

Quando sou amante.

Por isso, os meus versos,

Os feitos com o coração,

Tão poucos são,

E no tempo tão dispersos...

 

Até sempre, amigo!

 

 

© Foto e texto Isabel A. Ferreira

tags: ,
publicado por Isabel A. Ferreira às 14:58

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Sexta-feira, 19 de Novembro de 2010

JOSÉ NIZA FALA DE TOUROS, TOUREIROS E TOURADAS...

 

 

 

 

 Esta declaração de José Niza diz bem da mentalidade tacanha que ainda prolifera por aí, em lugares onde deveriam estar MENTES ABERTAS E LÚCIDAS.

 

Os argumentos que utiliza o José Niza são pacóvios. Cheiram a mofo, de tão velhos. Estão cheios de teias de aranha, sem aranhas. Não dizem nada de novo. É o blá blá blá dos que defendem os lobbies económicos por detrás desses Massacres de Touros.

 

José Niza, sabe o que significa "fundamentalista"? Não sabe, obviamente. Então vá aprender.

Além de pacóvios, há uma grande iliteracia entre os aficionados, uma vez que não entendem, por exemplo, o que diz a DECLARAÇÃO DA UNESCO 1980 (não somos nós que o dizemos) é a UNESCO:

  

«A tauromaquia é a terrível e venal arte de torturar e matar animais em público, segundo determinadas regras. Traumatiza as crianças e adultos sensíveis. A tourada agrava o estado dos neuróticos atraídos por estes espectáculos. Desnaturaliza a relação entre o homem e o animal, afronta a moral, a educação, a ciência e a cultura.»

 

Isto diz tudo.

 

 ***

Nov 16, 2010

Por: José Niza

 

(1)Todos os fundamentalismos são cegos e surdos. Mas não são mudos. A verrinosa saga dos abolicionistas da festa dos touros tresanda a inquisição de importação catalã e faz lembrar a ideologia hitleriana do extermínio dos maus para purificação dos bons.

 

(A INQUISIÇÃO E A IDEOLOGIA NAZISTA, QUE EU SAIBA, SÃO A FAVOR DA MORTE, DA CRUELDADE, DO MASSACRE, DA TORTURA, COISAS QUE NÓS ABOMINAMOS E VOCÊS APLAUDEM. QUEM SERÃO OS FUNDAMENTALISTAS, OS NAZISTAS, OS INQUISIDORES? NÓS? QUE SOMOS PELA VIDA?)

 

Todos os fundamentalismos são perigosos.

 

(POIS SÃO! TEM RAZÃO. SÃO PERIGOSÍSSIMOS. TORTURAM OS TOUROS E PÕEM-NOS A SANGRAR ATÉ À MORTE DIANTE DE UM POVO EMBASBACADO A BABAR-SE DIANTE DE SANGUE).

 

Quando se pretende destruir os usos, os costumes e as tradições de um Povo ou de uma Civilização, há sempre qualquer coisa que morre e que se perde em troca de nada.

 

(NEM MAIS, JOSÉ NIZA. MORREM OS TOUROS, EM NOME DE NADA, OU MELHOR, EM NOME DA DIVERSÃO DE UNS TANTOS NEURÓTICOS – A EXPRESSÃO É DA UNESCO).

 

***

 

(2) A tradição dos touros e das touradas em Portugal já leva séculos, é parte inalienável da nossa identidade nacional e tem uma matriz cultural e popular tão rica como o Fado ou a sardinha assada. É portuguesa! É nossa!

 

(O MASSACRE DE TOUROS TÃO RICO COMO A SARDINHA ASSADA E O FADO? ISTO É UMA ANEDOTA OU É MESMO PARVOÍCE?)

 

Bem sei que há quem não goste de touradas. Ou quem seja vegetariano. Ou que possa ser tudo aquilo que lhe dê na real gana desde que não atropele a liberdade dos outros.

 

(QUAL LIBERDADE? A LIBERDADE DE MASSACRAR TOUROS? QUEM VOS OUTORGOU ESSA LIBERDADE?)

 

Lembro-me de há um par de anos ter acompanhado António Guterres (então Primeiro Ministro) e Jorge Sampaio (então Presidente da República) a duas corridas da Feira do Ribatejo: enquanto Guterres assistiu ao espectáculo silenciosamente constrangido, já Sampaio exultava com as pegas e faenas. É assim a vida. Nem todos gostam de cozido à portuguesa. Mas nunca vi ninguém a proibi-lo.

 

(COZIDO À PORTUGUESA??? COMPARADO COM MASSACRE DE TOUROS? ONDE ESTÁ A SUA LUCIDEZ, JOSÉ NIZA? O SANGUE QUE ESCORRE DOS TOUROS ENTOPE-LHE O CÉREBRO?)

 

***

 

(3) Quando fui director de programas da RTP dei especial atenção à transmissão de corridas de touros e à divulgação da festa taurina. Não o fiz para realizar um gosto pessoal, mas porque sabia que com isso iria satisfazer centenas de milhares de aficionados. Diziam-me, na altura, que as touradas eram o espectáculo que mais público atraía, logo a seguir ao futebol. E hoje, até talvez mais.

 

(OLHE SE O POVO LHE DESSE AGORA PARA GOSTAR DE VER ENFORCAR BANDIDOS OU QUEIMAR BRUXAS EM PÚBLICO, COMO ERA DA TRADIÇÃO PORTUGUESA! LÁ TÍNHAMOS O SR. NIZA A FAZER A VONTADE AO POVO!!!!!)

 

Quando – há uma dúzia de anos – fui Presidente do Centro Cultural Regional de Santarém, numa direcção com 80% de mulheres (Graça Morgadinho, Idália Moniz, Natércia Salgueiro Maia e Teresa Costa), todos entendemos que Cultura não começava no Teatro de S. Carlos e acabava na Fundação Gulbenkian. E – por isso – abrimos as portas do Fórum Mário Viegas a “coisas” tão “culturalmente incorrectas” como a Tauromaquia, a Gastronomia, ou o Fado. Em 1998 e 1999 – com a ajuda decisiva do falecido jornalista Eduardo Leonardo – organizámos dois ciclos de conferências-debate que foram um enorme sucesso e, sobretudo, constituíram um forte estímulo para que a gente dos touros olhasse para o seu mundo com olhos de ver e ganas de fazer. E foi desses debates – mais tarde editados num livro com o mesmo título deste artigo – que nasceu a vontade de realizar em Santarém o II Congresso Nacional de Tauromaquia (2001).

 

(COMO TEM A PACOVICE DE COLOCAR NO MESMO SACO A TAUROMAQUIA, A GASTRONOMIA E O FADO? JÁ AGORA PODERIA INCLUIR IGUALMENTE AS PEREGRINAÇÕES A FÁTIMA E O FUTEBOL, PARA FICAR O QUADRO COMPLETO! EM PORTUGAL SERÁ MUITO CULTURAL MASSACRAR-SE TOUROS, MASSACRAR-SE PRATOS E MASSACRAR-SE GUITARRAS???!)

 

Escrevi então no prefácio desse livro: “Tratava-se de assumir e chamar a atenção para valores culturais e tradicionais, genuínos e enraizados, que em contraponto e em confronto com a globalização europeia e mundial constituem e corporizam a parte mais sã e original da identidade do ser-se português, sendo-se ao mesmo tempo cidadão do Mundo”.

 

(MASSACRAR TOUROS É A PARTE MAIS SÃ E ORIGINAL DA IDENTIDADE DO SER-SE PORTUGUÊS? O QUE SERÁ A PARTE MENOS SÃ?!!! ISTO É MESMO DE DOIDOS!)

  

 

 

 

(4) A investida dos fundamentalistas portugueses contra a Festa Brava – porventura animados com a proibição das corridas de toiros na Catalunha – acaba de esbarrar num muro intransponível de 50 mil assinaturas que acorreram em sua defesa. O facto de em dois dias se terem realizado quatro corridas de touros na Monumental Celestino Graça, às quais assistiram 45 mil aficionados, é a melhor prova de que as gentes da Festa, os que se sentam nas barreiras ou nas galerias, na sombra ou no sol, os que toureiam nas arenas ou criam cavalos e touros do Ribatejo aos Açores, os artesãos das bandarilhas e dos trajes, os que abrem as portas dos curros, os campinos, os que pegam os toiros pelos cornos, os que tocam o cornetim ou as bandas filarmónicas que aplaudem com a sua música, todas essas gentes pertencem a uma comunidade que nunca permitirá que algum cavalo de Tróia entre na sua fortaleza.

 

(OLHE QUE SE ENGANA, JOSÉ NIZA. O CAVALO DE TRÓIA JÁ ESTÁ MUITO “BATIDO”. TEMOS OUTROS TRUNFOS. NÃO PRECISAREMOS DE UTILIZAR ANIMAIS, NEM VIVOS, NEM DE PAU.)

 

Por tudo isto me solidarizo com o movimento, e saúdo o seu dinamizador, o meu amigo Francisco Moita Flores.

 

(FRANCISCO MOITA FLORES, QUE SABEMOS BEM, TEM OS SEUS INTERESSES NOS LOBBIES DOS GANADEIROS DE SANTARÉM. É ISSO QUE FAZ MOVER O ABOMINÁVEL MASSACRE DE TOUROS. COMO PODEM VIVER DE DINHEIROS MANCHADOS DE SANGUE?)

 

PS:-  Num momento em que tanto se fala e sente a falta de dinheiro, já alguém pensou – a começar pelos abolicionistas – no desastre económico que seria a extinção de uma actividade que tanta gente envolve e tanta família alimenta?

 

(POIS, POIS! MAS VÃO ALIMENTAR-SE À CUSTA DO MASSACRE DA VOSSA GENTE. NÃO DOS TOUROS QUE NÃO PRECISAM DE MASSACRAR OS HOMENS PARA SE ALIMENTAREM. UM SÓ TOURO TEM MAIS DIGNIDADE DO QUE VOCÊS TODOS JUNTOS... QUE DIZEM SER MILHARES, NÃO É?...)

 

 http://www.oribatejo.pt/2010/11/touros-toureiros-e-touradas/

 

 

publicado por Isabel A. Ferreira às 16:33

link do post | Comentar | Ver comentários (6) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 3 de Novembro de 2010

POUPEM OS QUE NÃO PODEM GRITAR O DESESPERO DELES!

 

 

 

Certo dia insurgi-me contra a prática do Tiro ao Voo, num Campo existente na cidade onde vivo, e sobre a qual prática, houve um dirigente desportivo que sentenciou: «São hipócritas aqueles que, face aos males da Sociedade, condenam o Tiro ao Voo. Toda a gente pensa que o tiro é o mal do Mundo. Quem não gosta, fica em casa».

 

Isto aconteceu há algum tempo. Nesse dia, cobri-me de penas e saí à rua em defesa dos pombos, gritando bem alto a minha indignação, para que o tal dirigente desportivo pudesse ouvir-me:

 

«Atrevo-me a dirigir-lhe estas palavras, uma vez que não consegue dizer claramente, com todas as letras, que o tiro ao voo, a que se refere, não é, certamente, o tiro ao voo de aviões, ou de helicópteros, ou de ovnis, ou de hélices, ou de pratos, ou de qualquer outra coisa que possa mover-se no espaço e ser abatida a tiro, por motivos de terrorismo, de guerra, de ódio, de insanidade mental, ou até de simples diversão.

 

Não! O tiro ao voo, a que se refere, é o tiro a inocentes pombos, meus irmãos, que, depois de se verem encerrados numa gaiola, são “libertados”, e quando intuem que estão novamente livres e dão às asas, num gesto de plena liberdade e, sem terem feito mal algum a ninguém, são covardemente atingidos com um tiro, nem sempre certeiro e mortal, para que não haja agonia. São mortos apenas para divertimento de uns tantos indivíduos que, à semelhança dos muito, mas muito primitivos povos, gostam de ver carnes dilaceradas e sangue vivo a jorrar, a borbulhar, a manchar o chão.

 

E quem não gosta fica em casa, diz você. Não! Isto nada tem a ver com “gostos” e muito menos com tradição, mas sim com evolução. Poderia referir um sem-número de tradições que, em nome de uma civilização culta e da evolução de mentalidades e da harmonia, foram abandonadas, e hoje apenas fazem parte da triste história de uma humanidade primitiva e inculta. Por isso, quem não gosta, como eu não gosto, deve sair de casa e vir para a rua expressar publicamente o seu repúdio perante uma tal demonstração de falta de respeito pelos outros seres e pela essência da própria vida, da falta de civilidade, e da falta de sensibilidade.

 

Quanto ao toda a gente pensar que o tiro é o mal do mundo, tenho a dizer o seguinte: quem, na verdade, pensa, não pensa que o tiro é o mal do mundo, uma vez que o mal do Mundo não é o tiro, mas o cérebro que comanda a mão que dá o tiro. Ou seja, o mal do mundo são aqueles indivíduos que ainda vivem nas trevas. Nada evoluíram, nem em mentalidade, nem em comportamento social. Até porque, quem consegue olhar para um pombo e nele ver uma criatura de Deus – aliás, bela e mansa, símbolo do Espírito Santo, para quem é Católico, e símbolo da Paz, para quem é Pacifista – e não um simples alvo para um tiro que lhe tira a vida, em nome da vã destreza de um atirador, jamais será capaz de matar um semelhante em nome de nada ou de uma guerra insana; vender droga a um jovem; violar uma criança; poluir um rio; cortar belas árvores, para dar vez a cimento e a latas; ou cometer qualquer outro crime contra a Humanidade ou contra o meio ambiente.

 

Ou seja, quem é capaz de amar um pombo, ama a Humanidade e a criação no seu todo. Ama a vida. Não aplaude a morte. Por outro lado, hipócrita é aquele que pretende viver no seio de uma sociedade humana, defendendo valores de morte. Ou será que ao dar-se um tiro num pombo que voa em plena liberdade, feliz por ser uma criatura alada, está a falar-se de defesa da vida?

 

Diz-se, por aí, que é fundamental manter as tradições, para não perder a identidade. Vamos a isso! E se retomássemos a tradição de enforcar os bandidos em praça pública? As nossas cadeias estão muito cheias. Ou queimar na fogueira as bruxas e as mulheres visionárias que por aí circulam? Ou recuar ao tempo dos duelos para lavar a honra deslavada dos homens? E se voltássemos a consagrar o coração de uma virgem-menina aos deuses para os apaziguar? Não andam as forças da Natureza em fúria, um pouco por todo o Planeta? E se furássemos o crânio de um homem carismático para lhe beber o sangue e tornarmo-nos invencíveis, e podermos vencer até os ventos?

 

O que me diz, senhor dirigente desportivo? Vamos a isto? É preciso manter as tradições dos nossos antepassados! São covardes, todos aqueles que torturam seres vivos, humanos ou não humanos, que não podem defender-se; que não têm como lutar pelos seus direitos, ou porque não têm voz, ou porque estão em desvantagem. Quais os países onde ainda é tradição o tiro aos pombos, o Massacre de Touros (com touros de morte ou sem touros de morte), a luta de galos, a luta de cães, a luta de ursos com cães, a luta de lagartos…

 

O homem devia envergonhar-se de ter inventado o tiro. Muito mais deve envergonhar-se de o utilizar contra um ser vivo, seja ele quem for, e por que motivo for, ainda menos se os motivos forem tão fúteis. Trata-se de vida. Da vida daqueles que não têm como gritar: não nos matem, nós não gostamos disso. Os que usam os animais para diversão (com morte ou mesmo sem morte) pararam no tempo. Querem a tradição das arenas? Deixem que homens lutem contra homens, voluntariamente. E deleitem-se a ver o sangue borbulhar e coalhar no chão da luta.

 

Mas poupem os pombos. Poupem os touros. Poupem os cães. Poupem os lagartos, ou ursos, os galos. Poupem os que não podem gritar o desespero deles».

 

© Isabel A. Ferreira

 

Web site da imagem: portalapui.com.br

publicado por Isabel A. Ferreira às 11:21

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
20
21
22
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

LIVRES, BELOS, MANSOS E B...

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO D...

A GRANDE MENTIRA DA TAURO...

NOITE DE LOUCURA COLECTIV...

DENÚNCIA: PREVISTA REALIZ...

AS TOURADAS NÃO SÃO SERVI...

«NÃO QUEREMOS A "PIOLHEIR...

CULTURA PARA TODOS

A CIDADE QUE SE DECLAROU ...

CARTA ABERTA AO PRESIDENT...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt