Quarta-feira, 21 de Outubro de 2009

«O PORTUGUÊS QUE NOS PARIU» - LIVRO DE ANGELA DUTRA DE MENESES

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
 
QUANDO OS PORTUGUESES SÃO HUMILHADOS E NINGUÉM SE INSURGE CONTRA ESSAS HUMILHAÇÕES...
(Parte II)
 
 
Continuando com o tema dos maus-tratos a que o povo português tem sido sujeito por parte de gente preconceituosa e que ignora o que fomos e o que somos, hoje debruçar-me-ei sobre o livro da jornalista brasileira Angela (sem circunflexo) Dutra de Menezes, intitulado «O Português Que Nos Pariu», publicado no Brasil, no ano 2000, pela Relume-Dumará, e editado em Portugal pela Civilização Editora, em 2007.
Quando me foi sugerida esta leitura, disseram-me: «Se ficou indignada com o livro «1808», de Laurentino Gomes, ao ponto de escrever a sua «Contestação», então com este ainda terá mais motivos para se indignar».
Confesso que fiquei curiosa.
Tratei imediatamente de adquirir o livro. E de facto fiquei estupefacta. Alguns autores portugueses vêem-se rejeitados pelas nossas editoras, com obras válidas, com qualidade literária e que respeitam a Língua Portuguesa. São rejeitados como lixo. Contudo essas mesmas editoras aceitam publicar tudo o que vem de fora, sem qualquer pejo, ainda que maltratando a nossa Língua e o nosso Povo.
É injusto. Muito injusto!
O Português que nos Pariu é um livro híbrido. Nem peixe, nem carne.
Comecemos pelo título, nitidamente conotado com aquela outra expressão vulgaríssima, que se usa para insultar a mãe dos outros (neste caso o pai). Um título infeliz e que diz muito sobre o conteúdo do livro.
Na contra-capa  lê-se que a escritora, «propõe uma nova maneira de encarar a História (...) lançando mão de uma linguagem bem-humorada e sem a rigidez dos livros didácticos. (...) A perspectiva da História que nos apresenta é um “olhar índio”. É como se (...) um audaz grupo de índios pegasse numa piroga e desembarcasse nas margens do Tejo para ver de onde (...) tinham surgido aqueles homens brancos e de hábitos estranhos que foram desinquietar as suas vidas».
Fiquei ainda mais curiosa. Um olhar índio. Eu, que quando estudei nas escolas brasileiras a parte da História comum aos dois países, sempre considerei que os indígenas brasileiros, esses sim, tinham muitas razões de queixa contra aquele povo que, um certo dia, entrou no seu território e se apossou das suas terras, transformando-as no quintal deles, e as suas crenças e a sua cultura foram tidas como coisas do “diabo”, que deviam ser banidas e substituídas pelos valores ocidentais da Cristandade.
 
Angela Dutra de Meneses
 
No entanto, que desilusão! O “olhar” não foi de índio, mas de uma ex-colonizada que ainda não “encaixou” o facto de aquele território ter sido dado a conhecer ao mundo por um povo pequeno, mas de alma grande (à parte os despautérios perpetrados contra os indígenas e mais tarde contra os escravos vindos de África, o que não tem perdão à luz da razão, mas pode ser admitido à luz dos archotes que então ardiam, por todo o mundo, ainda pouco iluminado, naquele tempo).
Devo dizer que em questão de contextualização, o livro da Angela (não sei o que me parece escrever este nome sem acento circunflexo) é mais correcto do que o do Laurentin Gomes «1808», que disse as coisas fora do seu contexto, o que retirou credibilidade à narrativa. No entanto, O Português que nos Pariu contém algumas imprecisões históricas, e é todo escrito num tom nitidamente escarnecedor (não de humor, humor é outra coisa), ao jeito do vídeo da Maitê Proença, uma brincadeirinha... que acabou com uma cuspidela na fonte (e os porcos somos nós!).
Já agora posso igualmente fazer uma referência ao filme da brasileira Carla Camurati, intitulado Carlota Joaquina, Princesa do Brasil, uma pretensa comédia, que faz uma caricatura pavorosa da coitada da Dona Carlota e do D. João VI, se bem que a interpretação dos actores seja admirável. Porquê esta aleivosia contra um povo que até nem foi dos piores no que respeita ao desempenho colonizador?
Antes de entrar propriamente nos meus comentários, devo dizer que fiz uma breve pesquisa na Internet, sobre este livro, e deparei-me com dois textos que me deixaram perplexa.
Um deles, numa página que suponho ser da editora Relume-Dumará, que inclui um texto não assinado, diz o seguinte (os sublinhados são meus):
Além de um casal luso, alguém sabe fazer um português?
«A receita está no livro O português que nos pariu - Uma viagem ao mundo dos nossos antepassados, de Angela Dutra de Menezes.Junto com a receita, o leitor leva, de brinde, "estórias" da História portuguesa. Fatos que, de um jeito ou de outro, marcaram o caráter brasileiro.
Tudo narrado com bom humor, já que a história oficial é insossa e arrastada. Por que não jogar na mesa que o grande Afonso Henriques provavelmente amargava um insolucionado Complexo de Édipo? Que dom Henrique, o Navegador, não sabia navegar? Que dom Sebastião, o tal do messianismo, não passaria em psicotécnico de nenhum Detran da vida? Descontração não anula a verdade dos fatos. Se o livro dá um "jeitinho" de colorir a História é porque nosso "jeitinho" também é herança lusa.
Nossos antepassados portugueses foram grandes e audazes. Inventaram o Estado-Nação, descobriram novos mundos e, um dia, olhando o mar, concluíram filosoficamente que aquilo era um caminho – para além havia terras. Lá se foram eles; aqui estamos nós.
Cinco séculos se passaram. Sobrou tempo para os portugueses inventarem a palavra saudade, enquanto se esbaldavam no estupro e no saque. Entre a ternura e a porrada, descobriram o Brasil, colonizaram o Brasil e inventaram um país mestiço, miscigenado e sofrido: mas cheio de graça. (...)»
Devo dizer que, de repente, pareceu-me regressar aos meus maus velhos tempos de estudante, quando ouvia estes e outros descalabros sobre a nossa História, nas escolas brasileiras (eu já havia estudado História em Portugal).
E fiquei triste, porque verifiquei que nada mudou, e já lá vão tantos anos! As mentalidades continuam preconceituosas. Continua a ensinar-se disparates. Como hão-de os Brasileiros ter uma ideia correcta da sua própria História? Do seu passado? Do que são e do que foram?
Reparem nos sublinhados: a história oficial é insossa e arrastada... Dito mais desditoso! Depende de quem a conta e de como a conta, nenhuma História é insossa e arrastada. Isto depende da inteligência e da sensibilidade de quem ensina História. E o que se diz de Afonso Henriques, do nosso Infante D. Henrique e de D. Sebastião! Quanta ignorância!
O livro não dá um jeitinho de colorir a História. A História que nele se conta está completamente enfarruscada pela fuligem negra que se despega das palavras.
E perdoem-me, mas o “jeitinho” brasileiro de que se fala neste texto, não é, de modo algum, herança portuguesa; é simplesmente o “jeitinho” daqueles que, depois da independência, se tornaram genuinamente brasileiros, mas não souberam “libertar-se” do que eles consideram o “estigma” português. Sim, porque hoje, no Brasil, nada sobra do que foi verdadeiramente português, a não ser as obras de arte, os palácios, a arquitectura que, por exemplo, transformou a cidade de Ouro Preto em Património Mundial da UNESCO. Nem sequer a Língua, que apesar de parecer, não é.
Fixemo-nos no último parágrafo do texto reproduzido: aquilo é de quem renega o seu passado e vive frustrado com o peso de uma ignorância, que não tem graça nenhuma.
Como se isto não bastasse, vagueei mais um pouco pela Internet e deparei com o blog do jornalista português Antunes Ferreira, antigo Chefe de Redacção do Diário de Notícias (1975-1991) e escritor.
Este senhor diz: «Êta livro fascinante. A Civilização Editora que o publica em Portugal merece um muito obrigado, à vontade. Firme. Sentido. Permitiu aos Portugas a leitura de um texto primoroso, cheio de graça, ironia (...) Falo de uma obra, neste caso perfeitamente prima, vinda de quem vem, 189 páginas magníficas (...)»
Sempre respeitei a opinião dos outros, e esta opinião merece todo o meu respeito, mas não a minha concordância: em primeiro lugar porque um Português que se preze não devia encontrar tanto fascínio numa obra que, de certo modo, e camufladamente, nos amesquinha. Em segundo lugar, a linguagem utilizada no livro é de uma vulgaridade tão nua e crua, que não pode ser (no meu entender) qualificada de primorosa e magnífica.
Um exemplo: «A arqueologia prova que os pré-históricos ibéricos já se assemelhavam aos gajos pós-modernos – ora, pois».
A autora dá-nos a receita de como se faz um português: misturam-se vários ingredientes (a que ela chama povos) e lá mais para diante diz: «Cuidadosamente misture os revoltosos (refere-se aos lusitanos), os romanos e as tribos que se lixaram para a invasão romana».
Diz também que «A cidade do Faro, no Algarve, última em poder dos muçulmanos, voltou a pertencer a Portugal». Seria a cidade do faro do cão de água português, que tanto cativou Barack Obama?
Apenas mais uma: «Até hoje, Portugal acredita que os gajos (refere-se aos portugueses emigrados) se esfalfaram de trabalhar em uma pobreza bíblica, desprezados pelos brasileiros, infelizes, desgraçados, maltratados. Só que voltar para lá quase ninguém voltou».
Sou testemunha de que sim, os emigrantes portugueses, no Brasil, menos privilegiados do que eu, esfalfaram-se a trabalhar e eram desprezados pelos brasileiros (obviamente) menos cultos.
Não regressaram a Portugal aqueles que apesar de trabalharem arduamente, não conseguiram juntar dinheiro suficiente para tal. Outros, mais afortunados, ficaram ricos e não regressaram, porque constituíram lá família e posição social privilegiada. Outros, ainda mais afortunados, embora não enriquecessem, puderam regressar à pátria (o meu caso), por se recusarem a viver cercados de preconceito, e porque as várias estadias no Brasil foram sempre provisórias,  por razões do foro privado.
Ao contrário, os emigrantes brasileiros em Portugal são tratados como iguais. São respeitados como seres humanos que são. Os Portugueses não costumam escrever livros a escarnecer dos ex-colonos: nem dos do Brasil, nem dos de África, nem dos do Oriente. Aliás, os Portugueses não costumam escrever livros que firam a honra de um povo.
Os Portugueses são um povo civilizado (há excepções, certamente, como em todos os povos). Passada a era dos archotes, evoluíram, e não lhes interessa humilhar ninguém, especialmente aqueles que, por infortúnio da vida, não são belos, cheirosos e ricos.
Voltando ao livro: se a obra é prima, então não sei de mais nada!
Além da linguagem vulgar (não a considero nem irónica, nem bem-humorada) é simplesmente vulgar, no sentido mais inferior da palavra, e gramaticalmente imperfeita, há várias imprecisões históricas e piadinhas que mostram (ainda) o desprezo que o brasileiro (é preciso frisar) menos culto tem pelos portugueses.
A Angela ao dizer que Portugal deve ao infante alguns mil quilómetros quadrados, embora naquela época, ninguém falasse em quilómetros, principalmente quadrados não fez mais do que aludir (rodeando a questão) à tão incómoda (para eles) “ignorância” dos portugueses, uma vez que o termo quadrado tem essa conotação.
Para terminar, gostaria apenas de deixar aqui uma sugestão aos Brasileiros que escrevem sobre os Portugueses, e aos editores portugueses:
Aos jornalistas brasileiros que escrevem sobre História, antes de se aventurarem a abordar o que quer que se seja, a esse propósito, sugiro que leiam os bons livros de História, já não digo os da autoria dos historiadores Portugueses mas, por exemplo, os de um prestigiado historiador brasileiro, Manoel de Oliveira Lima, para aprenderem a não se envergonharem do seu passado português. Procurem ler também algumas obras de escritores portugueses, e os vossos maravilhosos clássicos (como Machado de Assis, Jorge Amado, Olavo Bilac, Monteiro Lobato, José Mauro de Vasconcelos, entre muitos outros) para não perderem o jeito da Língua Portuguesa. Não se limitem a ficar com o que aprendem nas escolas. Nas escolas aprende-se o preconceito. E isso é mau. É péssimo.
Aos que publicam em Portugal estas escritas preconceituosas, aconselho a terem mais brio profissional, e a defenderem a Língua Portuguesa e o Povo Português.
Ao contrário do que muitos proclamam, defender a Língua e o Povo não é um conceito rançoso, de antanho, dos tempos das mariquinhas e dos manézinhos e dos chás das caridadezinhas. Essa é uma visão empalada da questão. Quem assim pensa, ficou parado na vida e no tempo.
Defender a Língua e o Povo, hoje, é simplesmente defender a própria dignidade, a honra, aquilo que fomos e que somos. O eu colectivo.
Dizer sim aos que nos humilham é negar-nos como povo. Não podemos dar razão a quem nos vê como uma gentinha ainda porca, ainda feia, ainda má, ainda ignorante, e deixar que isso corra mundo como uma verdade, nos filmes que os outros filmam, ou nos livros que os outros escrevem...
 Basta de estimular as mentes deformadas!
 Já não vivemos no tempo dos archotes. As luzes hoje são outras...
 
Isabel A. Ferreira
publicado por Isabel A. Ferreira às 10:50

link do post | Comentar | Ver comentários (9) | Adicionar aos favoritos
Quinta-feira, 15 de Outubro de 2009

«O AMOR ACONTECE» - FILME DE RICHARD CURTIS

 

 

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
QUANDO OS PORTUGUESES SÃO HUMILHADOS E NINGUÉM SE INSURGE CONTRA ESSAS HUMILHAÇÕES...
(Parte I)
 
Vem esta crónica na sequência da que dediquei a Maitê Proença, e a propósito de duas situações com que me vi envolvida recentemente, e me deixaram igualmente indignada.
Casualmente, num fim-de-semana em que me apetecia ver um filme leve, na televisão, para terminar relaxadamente um dia que fora demasiado fatigante, passei pelo Canal Hollywood e estava a iniciar precisamente o filme O Amor Acontece, tradução portuguesa do original Love Actually, de Richard Curtis (um roteirista neo-zelandês, naturalizado britânico– e isto é importante frisar).
Deixei-me ficar ali. O filme (já de 2003, mas eu ainda não o tinha visto) era uma comédia ligeira, falava de amor (que é algo sempre aliciante), uma das actrizes até era a nossa Lúcia Moniz, e um dos actores o Rodrigo Santoro, o sedutor Frei Malthus, da excelente e recomendável série brasileira Hilda Furacão, enfim, tinha ingredientes em dose suficiente para me cativar, e deixar pregada a um sofá.
Ora o filme contava uma série de histórias de amor, em tempo de Natal, época em que o ar fica misteriosamente impregnado de uma contagiosa benquerença, que, infelizmente, logo se esvai com o chegar de um novo ano, até que aconteça um outro Natal.
Peripécias daqui, peripécias dali, infidelidades, amores cruzados, amores tímidos, o enredo do filme decorria normalmente. A nossa Lúcia Moniz foi trabalhar como empregadinha doméstica, para uma casa alugada por um escritor chamado Jamie (o actor Colin Firth) enquanto este escrevia um livro. A Lúcia (Aurélia, no filme), era uma jovem bonita, atraente, meiga, educada, suave, limpinha, um pouco tímida, que coloria os dias tristonhos do escritor, deixando entrever que entre eles o amor andava no ar.
Quando este teve de deixar a casa, para seguir a sua vida, Aurélia foi dispensada. Ele, gentilmente, conduziu-a até ao bairro onde ela morava, um bairro demasiado sombrio para tão mimosa menina. Esta, ao despedir-se, dá-lhe um beijo na boca, que o deixou boquiaberto, pois era um rapaz tímido. Mas enfim, até aqui, nada a dizer. Tudo perfeitamente normal.
Entretanto, se não estou em erro, esta cena da separação dos dois acontece quase no final do filme. Enquanto os outros casais vão se recompondo, Jamie, a caminho do aeroporto, tem um rebate de consciência, pois Aurélia não lhe sai do pensamento. Decide então reconsiderar e ir procurá-la ao bairro onde a deixou. «Aurélia, onde fica a casa de Aurélia?». Perguntou. Lá lhe disseram. Bateu a uma porta. Abriu-lha um homem anafado, de aspecto besuntão, grosseirão, de fralda de fora, daqueles que até podem existir por aí, mas não são de modo algum o protótipo do homem português.
Quem era então este homem? O pai da Aurélia, em pessoa.
Jamie, que entretanto, por artes e artimanhas, aprendera a falar português, logo ali pediu para casar com a filha. O portuguesinho, embasbacado, pois não era todos os dias que um gentleman pedia a mão das filhas, chamou a que tinha mais à mão, aparecendo então uma mocetona, obesa, feia, horrorosa, grosseirona como o pai, descabelada, desdentada, oleosa, enfim, uma figurinha de fugir, o que também poderá existir por aí, mas não é, de todo, o protótipo da mulher portuguesa.
Ao ver tal criatura, Jamie apressou-se a dizer que não era aquela a sua amada, mas a Aurélia. Onde estava a Aurélia? Nestes entretantos, descendo as escadas, foi se aproximando a restante família de Aurélia, toda ela um pavor: porca, feia, grosseirona.
A Aurélia? Estava a trabalhar num restaurante. Era empregada de mesa. A família (toda) indicar-lhe-ia o caminho. E lá foram, beco fora, em procissão, Jamie e o pai grosseirão da Aurélia à frente, e atrás a irmã obesa, a mãe obesa, e demais família, todos com o aspecto mais seboso que possa imaginar-se.
Uma família portuguesa? Não, com certeza. Uma caricatura desprezível, sim.
Chegados ao restaurante, lá estava Aurélia, radiosa, linda, delicada como uma flor, o que destoava completamente da tal família sebosa. A discrepância era tal que se ficava com a ideia de que dentro de uma pocilga foi possível florescer uma rosa imaculadamente branca.
Aonde quero chegar?
Uma vez mais os Portugueses foram humilhados num filme realizado por um britânico (não interessa se naturalizado ou não). Um filme que teve sucesso, e que transmitiu uma péssima imagem dos Portugueses. Já com a série Os Tudors (do roteirista também britânico Michael Hirst) passada na RTP1, Portugal foi enxovalhado, como sendo um povo sebento, de poucas maneiras, enfim, os britânicos (entre outros) têm a ideia de que os portugueses são feios, porcos, maus e ignorantes, e fica tudo por aí, pois ninguém os contradiz.
(Recorde-se o livro «1808» do jornalista brasileiro Laurentino Gomes, que foi por mim contestado, e os Portugueses, salvo raras excepções, passaram por cima do preconceito do jornalista, transformando-o num best-seller, e e ignoraram igualmente o meu atrevimento, ao contestá-lo.)
Ora em relação à Lúcia Moniz, esta deveria ter-se recusado determinantemente a interpretar aquela personagem, tendo como família uma gente tão sebosa. Aceitava o papel, sim, se o realizador se desse ao trabalho de pesquisar melhor o protótipo das famílias portuguesas que emigram. Em mil, uma caracterizar-se-á, por ventura, como a que foi retratada no filme, porém, a personagem Aurélia, nunca poderia ser aquela menina mimosa e delicada, mostrada no filme, e que vicejou numa família tão pocilguenta.
Já a RTP1 deveria ter recusado comprar e passar Os Tudors, no pequeno ecrã, como forma de protesto contra a ignorância daqueles que têm ideias erradas e fixas, sobre o povo português, que ao que vejo, perdeu o brio e tem vergonha de ser patriota, isto é, tem vergonha de amar o seu país – Portugal. Que vergonha há nisto? Esses portugueses, ou melhor, esses portuguesinhos, que se envergonham de ser Portugueses não merecem ser filhos do pequeno e belo território que os viu nascer.
Voltando àquela noite...
Nessa noite, eu, que queria descontrair-me com um filme leve, irritei-me à brava.
Como se tudo isto não bastasse, e ainda no seguimento dos maus-tratos a que os portugueses estão sujeitos, por parte dos estrangeiros que ignoram tudo sobre o que fomos e o que somos (nem o mínimo sabem, mas nós sabemos o mínimo sobre o Quirguistão), e mesmo por parte dos Portugueses que não reagem a esses maus-tratos (e é por isso que o estudo da HISTÓRIA, banido das nossas escolas, é premente), poucos dias depois, aconselharam-me a ler um livro que foi publicado pela Civilização Editora (edição de Portugal) em 2007, intitulado «O Português Que Nos Pariu», da jornalista brasileira Angela (sem circunflexo) Dutra de Menezes, e sobre o qual o jornal O Globo (Brasil), comentou ser «um dos dez melhores livros do ano».
Porque isto tem muito que se lhe diga, deixarei o comentário desta obra para a segunda parte de Quando os Portugueses são humilhados e ninguém se insurge contra essas humilhações...
publicado por Isabel A. Ferreira às 14:48

link do post | Comentar | Ver comentários (4) | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 14 de Outubro de 2009

UM RECADINHO PARA MAITÊ PROENÇA

 

 

 

 

 

Cara Maitê:
 
 
 
A sua brincadeirinha foi de tão mau gosto que estive para não lhe dar importância nenhuma. Quase me apeteceu imitar Cristo na cruz: perdoai-lhe Portugueses, ela não sabe o que diz.
Mas decidi não ficar calada, pois já é tempo de, os que pensam que os Portugueses (na sua generalidade) são porcos, feios, maus e ignorantes, ficarem a saber que em todos os povos, inclusive no Brasil, infelizmente, há porcos, feios, maus e ignorantes.
Mas a nós, Portugueses, que somos um povo civilizado, não nos interessa andar por aí a maldizer os infelizes, que tiveram a desventura de não ter oportunidade na vida para deixarem de ser porcos, feios, maus e ignorantes.
Não se trata de nós, Portugueses, não termos “sentido de humor” (como a Maitê se lamentou). Até somos muito de rir de nós próprios e das nossas pinderiquices.
A verdade é que não gostámos nada das patetices que foram ditas naquele vídeo patético, sem graça, sem conteúdo. Triste como a ignorância!
Li o que o nosso humorista Nuno Markl escreveu, e ele tem muita razão. O dono daquela casa em Sintra, foi um génio ao colocar aquele “3” como colocou. Isso, sim, é ter sentido de humor, é ter espírito Português.
Por acaso a Maitê Proença já leu Camilo Castelo Branco?
Não? Então leia. E aprenda como se faz ironia. Depois grave os vídeos que quiser.
Esqueceu-se a Maitê que uma coisa é “fazer humor” com inteligência, outra coisa é fazê-lo com ignorância, dor de cotovelo, mau gosto, preconceito, vingança, ou outra coisa do género.
Eu, especialmente, eu, que já vivi no Brasil, e tenho-o como meu País irmão, estou farta daqueles brasileiros (não de todos, obviamente) apenas daqueles brasileiros preconceituosos, que sentem vergonha dos seus antepassados, e da época em que Portugal “governava” (bem ou mal isso é outra história) o Brasil, território dado a conhecer ao mundo pelos Portugueses, e desatam por aí a dizer disparates sobre o povo que lhe deu protagonismo.
Enquanto estudei no Brasil, nunca deixei que os brasileiros ignorantes me humilhassem. Eu tinha sempre um trunfo na manga, para dizer-lhes que só somos pequenos se nos deixarmos ser pequenos.
Continuarei a ser amiga dos brasileiros e a acolhê-los no meu país, com todo o carinho. Não vamos meter a todos no mesmo saco.
A Maitê, por quem eu tinha uma certa consideração, está agora no saco de serapilheira, onde meto todos aqueles que ainda têm muito que aprender sobre Civilidade, Respeito e Coexistência pacífica.
publicado por Isabel A. Ferreira às 11:29

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Segunda-feira, 12 de Outubro de 2009

OS ANIMAIS NÃO MENTEM...

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009
 
 
 
 
Quem me conhece sabe que sou uma defensora acérrima dos animais (de qualquer animal, seja doméstico ou selvagem, do cão, do gato, da formiga ao hipopótamo); dos seus direitos, e de como os considero meus irmãos, porque somos seres da mesma criação, com quem partilho o mesmo planeta e a mesma vida: respiramos o mesmo ar; bebemos da mesma água; alimentamo-nos do que a Natureza nos dá; temos as mesmas necessidades vitais – fome, sede, sono; sofremos as mesmas dores físicas e algumas dores morais – a saudade, a angústia, o medo, a tristeza; somos fustigados pelo mesmo vento; ilumina-nos o mesmo Sol; vela-nos a mesma Lua; abrasa-nos o mesmo fogo; somos atingidos pelos mesmos flagelos da Natureza, pelas mesmas doenças, pelas mesmas torturas que nos infligem os homens  que se dizem humanos.
 
Os que me conhecem sabem também que abomino as touradas; as lutas entre cães, galos, ursos e outros desditosos; os Jardins Zoológicos; os Circos que usam e abusam dos animais; as vergonhosas experiências laboratoriais; o uso de vestuário e outros acessórios de moda feitos com peles dos desventurados...
 
O que nem todos saberão é por que gosto mais dos animais do que de certos seres que se dizem humanos.
 
 
 
OS ANIMAIS
 
 
- São-nos fiéis em qualquer circunstância: nos bons e nos maus momentos; na fartura e na miséria; na saúde e na doença;
 
- Não mentem nunca;
 
- São inteligentes;
 
- Não têm vícios: não se embebedam, não se drogam... Não nos atormentam com a sua libertinagem, porque não são libertinos...
 
- Não são rancorosos;
 
- Não usam da violência para maltratar os da sua espécie (ou o homem) a não ser em legítima defesa ou por uma questão de sobrevivência...
 
- Não matam com prazer;
 
- Não são cruéis;
 
- Não sentem ódio, nem escárnio, nem inveja...
 
- Não poluem as águas, nem o ar, nem o solo...
 
- Não destroem o seu meio ambiente;
 
- Não desprezam os seus;
 
- Não inventam armas mortíferas;
 
- Não fazem massacres;
 
- Não são terroristas;
 
- Não fazem guerra;
 
- Não são bombistas suicidas;
 
- Não sequestram, nem violam, nem torturam os seus;
 
- Não são pedófilos;
 
- Não impingem o seu modo de vida a ninguém;
 
- Não são intolerantes;
 
- São afectuosos, pacifistas...
 
- Não são hipócritas, nem cínicos...
 
- São amorosos, perspicazes, laboriosos;
 
- Não agridem, se não forem agredidos;
 
- Não são ladrões, nem corruptos, nem traficantes de droga, ou de armas, ou dos da sua espécie...
 
- Respeitam as leis da Natureza e da Sobrevivência;
 
- Não andam no mundo só por verem andar os outros: intuem o sentido da vida e vivem-na sabiamente...
 
 
É TEMPO, POIS, DE APRENDER COM OS ANIMAIS, O CONCEITO DA COEXISTÊNCIA PACÍFICA E INTELIGENTE
publicado por Isabel A. Ferreira às 11:32

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Quarta-feira, 7 de Outubro de 2009

CARTA DE JOEL AO POETA LUÍS DE CAMÕES

 

Copyright © Isabel A. Ferreira 2009

 

 

 

 

Amigo Luís,
 
Para ti talvez seja difícil ler esta carta, no lugar onde te encontras. Por isso, vou ler alto estas palavras que te escrevo, porque sei que o eco da minha voz chegará até a ti.
O que eu tenho para dizer-te é muito simples.
Foste soldado, foste poeta e ninguém te celebrou em vida.
Deixaram-te morrer só, pobre, sem glória, a ti, que perpetuaste o nome de tantos heróis!
Mas sabes, a vida de poeta é mesmo assim. Ninguém o compreende, e queres saber porquê? Porque o pensamento do poeta nasce com asas e ele precisa de voar. E para ver um poeta voar é necessário sensibilidade.
Eu comparo o poeta às aves. O que aconteceria a uma ave se lhe cortassem as asas?
Tu, apesar de tudo o que sofreste, nunca permitiste que cortassem as asas do teu pensamento, por isso, o teu engenho e arte foram imensos. Contudo, foi preciso morreres, para que o teu talento fosse reconhecido.
Nunca vi o teu rosto, conheço apenas o teu pensamento e a dimensão da tua alma, através das tuas obras literárias.
Hoje, parece-me que sempre te conheci.
Sabes, sou amigo dos poetas. De todos os poetas. Compreendo-os. E se dependesse de mim, não ficaria nenhum por celebrar, porque o poeta, de todos os seres mortais, é o mais imortal. É o único que pode voar com as asas do seu pensamento, e deter-se na eternidade.
E como é bom voar com os poetas!
E dentre todos, tu foste o que voou mais alto.
 Joel
publicado por Isabel A. Ferreira às 18:15

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

Posts recentes

ANTÓNIO BARRETO ESCREVEU ...

A CRUELDADE ESCONDIDA DA ...

SE A IGNORÂNCIA PAGASSE I...

TAURICIDA ESPANHOL FICA G...

CARTA ABERTA A MARCELO RE...

« O TOUREIO TEM OS DIAS C...

«VINHO, TOUROS E MULHERES...

ENTÃO NÃO SE VÊ LOGO QUE ...

RÁDIO CLUBE DE ANGRA COME...

SENTENÇA JUDICIAL: «A TAU...

Arquivos

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt