Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

JÁ À VENDA A CONTESTAÇÃO DO LIVRO «1808», DE LAURENTINO GOMES

 

 Copyright © Isabel A. Ferreira 2008
 
 
 
 
 
 
De como Portugal tem o dever de defender a sua Honra
e a sua História 
 
Prefaciado pelo Dr. Mendo Castro Henriques, Professor de Filosofia Política na Universidade Católica Portuguesa, Presidente do Instituto da Democracia Portuguesa e Biógrafo oficial e membro do conselho privado de S. A. R. D. Duarte Pio de Bragança; e de João Gomes, editor de política, da Chiado Editora (a minha editora), este livro contesta o modo como a história de D. João VI foi apresentada pelo jornalista brasileiro Laurentino Gomes, no seu livro «1808 – Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil», cuja narrativa amesquinha Portugal, a Monarquia Portuguesa e os Portugueses.
Esta CONTESTAÇÃO pretende repor o período da História contada no livro «1808», e que é altamente desprestigiante para Portugal e para os Portugueses, essencialmente para D. João VI, que apesar de não ter sido “talhado” para reinar, reinou o melhor que pôde, conservando a dinastia de Bragança e o império português, com dignidade, não se vergando ao grande e poderoso Napoleão Bonaparte, que subjugou praticamente todos os monarcas europeus da época. Tento integrar as circunstâncias dos acontecimentos históricos apresentados no «1808», no contexto da época; analiso, sem preconceitos, as acções e consequências dos actos assinalados; e realço as virtudes da alma grande portuguesa.
 
Para Laurentino Gomes, D. João VI era um rei covarde.
Para mim (e para muitos historiadores), um rei corajoso, que deixou uma obra notável no Brasil.
 
Ao ler-se o livro de Laurentino Gomes chega-se ao final com a ideia de que os Portugueses foram (e ainda são) Feios, Porcos, Maus e Ignorantes. Os factos que o Laurentino narrou, fora do seu contexto, soam a preconceito. Logo, defender a Honra e a História de Portugal foi um dever que se me impôs.
 
 
 
 
ÍNDICE
 
 
PREFÁCIO
 
NOTA INTRODUTÓRIA
 
1 – DE COMO D. JOÃO, PRÍNCIPE REGENTE DE PORTUGAL, TEVE A CORAGEM DE NÃO SE VERGAR AOS PÉS DE NAPOLEÃO BONAPARTE
 
2 – DE COMO OS FACTOS HISTÓRICOS FORAM “DESVIADOS”
 
3 – DE COMO UM PEQUENO REINO SE FEZ IMPÉRIO, E DE COMO DETERMINADAS CIRCUNSTÂNCIAS FAZEM TODA A DIFERENÇA
 
4 – DE COMO A MÁ UTILIZAÇÃO DAS PALAVRAS PODE DISTORCER A REALIDADE
 
5 – DE COMO UM IMPÉRIO DITO DECADENTE CONSEGUE SOBREVIVER E IMPOR-SE ENTRE IMPÉRIOS PODEROSOS
 
 
6 – DE COMO SE DIZ QUE TUDO ESTAVA MAL NO REINO DE PORTUGAL SEM SE TEREM EM CONTA AS CIRCUNSTÂNCIAS
 
7 – DE COMO VIAJAR EM 1808 NÃO ERA PROPRIAMENTE CRUZAR OS MARES EM PAQUETES DE LUXO
 
8 – DE COMO A REVOLUÇÃO INDUSTRIAL ENGRANDECEU O IMPÉRIO BRITÂNICO À CUSTA DA EXPLORAÇÃO DO TRABALHO ESCRAVO INFANTIL E DAS MULHERES
 
9 – DE COMO PODEMOS CONFIAR NUM REPÓRTER IMPROVISADO MAIS DO QUE EM FONTES FACCIOSAS
 
10 – DE COMO SE “FABRICAM” MONSTROS COM BASE NO PRECONCEITO
 
11 – DE COMO A INGLATERRA DEVE A UMA RAINHA PORTUGUESA O REQUINTADO COSTUME DO «FIVE O’CLOCK TEA»
 
12 – DE COMO A ESCRAVATURA FOI A NÓDOA NEGRA NA SEDA BRANCA DE TODOS OS POVOS COLONIZADORES
 
13 – DE COMO NÃO PODE HAVER REQUINTE LONGE DA CIVILIZAÇÃO
 
14 – DE COMO PORTUGAL NÃO PERDEU A HONRA NEM ESTEVE NUNCA ABANDONADO
 
15 – DE COMO D. JOÃO VI NÃO SE LIVROU DE SER HUMILHADO
 
16 – DE COMO OS BRASILEIROS DEVERIAM ORGULHAR-SE DAS SUAS ORIGENS
 
ESCLARECIMENTO
 
 
Prefácio ao livro “Contestação”
 
 
Temos por certo que o estudo e a interpretação da nossa história, são duas tarefas fundamentais para a nossa definição enquanto povo e, mais do que isso, para a nossa afirmação actual enquanto país. Com identidade, o que é próprio de qualquer nação, mas acima de tudo com uma história riquíssima, do que nem todas se podem gabar.
 
Gabamos, no entanto, o trabalho de investigação de Laurentino Gomes que trouxe a público a importância da transferência da Corte para o Brasil, evento cujo Bicentenário comemoramos em 2008. Reconhecemos o Brasil como um país amigo e os brasileiros como um povo irmão onde João Ubaldo Ribeiro acaba de ganhar o Prémio Camões. E vemos na língua portuguesa a marca distintiva da Lusoesfera, passo evolutivo da Lusofonia, numa época em que Portugal pode ter influência para além dos países de língua portuguesa. Exemplo disso são as recentes aproximações à Comunidade de Países de Língua Portuguesa por parte de Galiza, Croácia, Venezuela, Ucrânia, Guiné Equatorial, Marrocos e Ilhas Maurícias, povos e Estados que a história aproximou de Portugal.
 
Como portugueses, temos um compromisso com a história, que nos leva a defender as aproximações à verdade e contestar os desvios da mesma. Por esse motivo, aceitámos prefaciar o livro da jornalista Isabel A. Ferreira. Assertivo e forte, patriótico e escrito com muita limpidez e, acima de tudo, um exemplo “de como Portugal tem o dever de defender a sua honra e a sua História”.
 
O livro de Laurentino Gomes é interessantíssimo do ponto de vista hermenêutico porque acumula quase todos os erros possíveis ao interpretar figuras históricas: falta de contextualização, acumulação de informação não tratada, confusão nos critérios de relevância, teoria explicativa deficiente, etc., etc. Sabemos hoje que D. João VI, ao contrário do que Laurentino Gomes nos afirma, não era um monarca cobarde, tendo sido um dos únicos príncipes europeus que não se vergou perante Napoleão Bonaparte. Poucos reis, durante a nossa história, foram tão perseguidos por motivos pessoais, como D. João VI. Quer pela loucura de sua mãe, quer pelo seu casamento infeliz e as conspirações de sua mulher e de fidalgos visando a sua abdicação. E contudo, poucos reis, na nossa história, foram tão consistentemente vencedores nos projectos a que se abalançaram, de mãos dadas com o seu povo e dirigentes. A sua permanência por treze anos no Brasil, permitiu-lhe ser o governante que garantiu a unidade do Estado, a que o Povo Brasileiro justamente acrescentou a independência.
 Concluamos, pois, que a lenda negra que pairou sobre o monarca português que nos trouxe ao “Portugal Contemporâneo” é muito bem contestada neste livro, deixando à opinião dos leitores avaliar onde está a verdade. Por este motivo, elogiamos o trabalho de Isabel A. Ferreira. Que esta obra ajude a clarificar o legado de D. João VI, o monarca luso-brasileiro!
 
Mendo Henriques
João Gomes
 
 
 
 
(Pintura de Debret) 
 
 
 
NOTA INTRODUTÓRIA
 
A presente crónica «De como Portugal tem o dever de defender a sua Honra e a sua História» nasceu da indignação de ver o meu país amesquinhado no livro, apesar de tudo, interessante, «1808Como uma rainha louca, um príncipe medroso e uma corte corrupta enganaram Napoleão e mudaram a História de Portugal e do Brasil», da autoria do muito ilustre jornalista brasileiro Laurentino Gomes.
 
Uma vez mais, Portugal e os Portugueses foram expostos ao ridículo, publicamente. Recentemente, na série televisiva «Os Tudors», apresentada num canal de televisão estatal, a corte portuguesa foi retratada com enorme desprestígio e leviandade. Há bem pouco tempo, e a propósito do caso do desaparecimento de Madeleine McCann, no Algarve, Portugal foi extremamente enxovalhado pela imprensa britânica. Isto apenas para falar de casos mais recentes.
 
Basta!
Portugal é um país territorialmente pequeno, mas não deve deixar que o amesquinhem deste modo tão acintoso, porque a sua alma é grande. Um povo deve celebrar os valores do seu país mais do que gritar ao mundo as suas desvirtudes. Estas devem ser redimidas na intimidade da sua auto-estima.
 
E porque tudo vale a pena quando a alma não é pequena (citando Fernando Pessoa), este é o meu contributo no sentido de resgatar o bom-nome de Portugal.
 
Todos os povos têm virtudes e defeitos. Portugal não foge à regra. Contudo, o maior defeito do povo Português é o de não acreditar nas suas virtudes, e encolher-se perante os juízos menores que dele fazem os que desconhecem a grandeza do seu percurso histórico, e de como sempre conseguiu manter-se na corda bamba, sem nunca perder completamente o equilíbrio.
 
E isso não é coisa pouca!
São essas virtudes que pretendo realçar nesta crónica.
          
Isabel A. Ferreira
 
 
música: http://www.livapolo.pt/index.php?action=artigo_detalhes&arti
publicado por Isabel A. Ferreira às 14:40

link do post | Comentar | Adicionar aos favoritos
Comentários:
De Jofre de Lima Monteiro Alves a 12 de Novembro de 2008 às 20:54
Penso ir amanhã a uma livraria para adquirir este seu livro, até porque o tema me interessa de sobremaneira, por diversos motivos, quanto mais não seja por ter vivido no Brasil e pela minha formação em História.

Tenho, contudo, uma “limitação” pois por mera opção somente leio livros de História, Genealogia, Heráldica, biografias, Etnografia e pouco mais. Foi uma opção perante tanto que ler e tanto para aprender.

Mas desta feita vou fazer uma excepção, pois conheço a obra do professor Mendo Castro Henriques, com quem troquei umas ideias acerca de Aquilino Ribeiro. Desejo-lhe as maiores felicidades.
De Isabel A. Ferreira a 13 de Novembro de 2008 às 15:44
Muito obrigada, pelas suas palavras.
De Luisa a 27 de Abril de 2009 às 17:55
Ainda bem que há portugueses alerta a estes livros que só podem vir do outro lado do Atlântico. Os brasileiros nunca entenderam verdadeiramente a sua "história" porque até 1822 foram Portugal.
Eu também coloquei um post a comentar a par a passo as inanidades que o autor disse. Sei que ele, Laurentino , vem a Portugal em Maio próximo porque vai escrever um livro sobre D. Pedro IV de Portugal e Pedro I do Brasil. Vai ser bonito. Vai apenas falar das amantes e dos filhos e sabe Deus como.
Estejam atentos/as.
Acabei de publicar D. Maria I. A Rainha Louca pela Esfera dos Livros e reponho a verdade sobre esta Rainha.
De Isabel A. Ferreira a 2 de Maio de 2009 às 18:13
Muito obrigada, pelo seu comentário. Seria interessante a minha «Contestação» estar na feira do livro de Lisboa, quando o Laurentino lá fosse autografar o 1808, como está previsto. A sua «D. Maria I» (que irei adquirir) estará de certeza. Talvez o jornalista possa levar um exemplar.
De Luisa a 10 de Maio de 2009 às 23:57
Cara Isabel Ferreira.
Hoje mesmo dia 10 estive numa sessão de autógrafos na Feira do Livro e Laurentino Gomes foi lá e trocámos os nossos livros. Deu-me o 1808 que eu já lera e comentara para mim apenas e um pouco para si. Ele é abordável e combinei um encontro para poder como portuguesa e investigadora de História falar-lhe do que falhou no livro dele. Ele aceitará ou não, mas não pode ficar insensível porque eu vou ser bem objectiva nas críticas. Ele até esqueceu que O Brasil só é país independente em 1822, se diz mal na História de Portugal diz mal da sua História.
Fico a aguardar uma critica ao meu livro que tem tido por parte de amigos intelectuais a melhor aceitação.
Até breve
De Isabel A. Ferreira a 11 de Maio de 2009 às 10:52
Prezada Luísa:

Obrigada pela sua mensagem.
Tentei junto à minha editora estar também presente na Feira do Livro, no dia em que o Laurentino Gomes lá esteve a autografar o 1808. Como sabe, é preciso ter sorte com as editoras. Eu não tive, porque além de não divulgarem a minha Contestação, também não se interessaram por estar presente na Feira. Acabei por não ir, porque fiquei sem chão. Sei que o Laurentino é uma pessoa acessível, porque já trocámos alguns e-mails, a propósito do meu livro (aliás ele foi o primeiro a ler o texto), e espero que vá ao seu encontro e receba uma lição de História, para não repetir os mesmos erros no próximo livro sobre o D. Pedro. Já encomendei o seu livro (ainda não chegou) e estou ansiosa por lê-lo.

Saudações amistosas.

Isabel A. Ferreira
De Eulalia Moreno a 10 de Julho de 2010 às 19:07
Ola Isabel
Já lhe escrevi no facebook e repito aqui. Colégio Estadual do Rio de Janeiro,não existe.Colégio Estadual de Minas gerais,não existe. Esses " professores" também não existem. Poirtanto, não perca o seu precioso tempo com anonimos . O que eu nunca imaginei é que todo o marqueting montado em torno do " 1808" chegasse a esse requinte de criar perfis anonimos para ofender uma Historiadora como voce. Vergonha maior só mesmo a atribuição do Jabuti a esse livro plagiado do Wilcken. Responder a anonimos? Esqueça.
De Eulalia Moreno a 10 de Julho de 2010 às 19:38
Em tempo:acabo de contactar a Reitoria da Universidade Gama Filho. Christiam Carvalho não é lá professor. Ou seja e reiterando: grupo de dois anonimos fazendo essa bagunça no seu site. Mais um palpite? Delete esses comentários ridículos, não dê trela a esses "Laurentinos" e " Laurentinas". Guarde os IPs desses comentários. Devem estar sendo todos enviados do mesmo computador.
De Isabel A. Ferreira a 10 de Julho de 2010 às 21:59
Obrigada, Eulália, pelo seu cuidado. Vou seguir o seu conselho. Realmente, se eles (sejam quem for) pensam que me pressionando deste modo covarde eu retiraria o livro das livrarias, engaram-se redondamente.

De Isabel A. Ferreira a 10 de Julho de 2010 às 22:03
Uma vez mais agradeço-lhe, Eulália.

Nunca imaginei que houvesse gente que pudesse chegar a este ponto.
Isto é para esquecer mesmo!
Obrigada.
De PEDRO DE ALVES a 11 de Julho de 2010 às 00:22
BOA NOITE,ISABEL A.FERREIRA.PARECE QUE FINALMENTE VOCE DESMASCAROU MEUS PERFIS ANONIMOS.MAS,AGUARDE,DA PROXIMA VEZ VOU CRIAR PERFIS TAO PLAUSIVEIS,QUE SERA IMPOSSIVEL,IDENTIFICA-LOS.ATE MAIS
De Mariana silva campos a 1 de Novembro de 2010 às 14:38
Oi Isabel,eu gostaria muito de saber mas seu livro,ja me encontrei com publicitarios do Laurentino Gomes e vi que ate hoje a campanha me publicidade do 1808 NAO ACABOU.
De Isabel A. Ferreira a 2 de Novembro de 2010 às 10:00
Olá Mariana:

Neste blog encontrará tudo o que escrevi sobre o meu livro.

Não farei mais propaganda ao «1808» que é tão redutor quanto o «1822», escritos por quem nada sabe de HISTÓRIA, bem como da arte de FAZER HISTÓRIA.

Vejo que o Laurentino está a precisar de propaganda...
De Danilo de Oliveira Firmino a 15 de Dezembro de 2010 às 00:13
Boa noite Isabel A. Ferreira quero primeiro agradecer por ser historiadora, algo categoria que no nosso mundo somos tão carentes. Após quero lhe buscar informação como faço para obter no Brasil o seu livro “Contestação"? Pois já tenho buscado e não logrei sucesso, se tiver uma livraria especifica que tenha o exemplar no Rio de Janeiro agradeço. Pois já conheço a obra de Laurentino, bem tenho percebido cá no Brasil o quando foi propagandeado esta obra. E disso, como tudo que é feito pela grande mídia em meu país tenho medo. Mesmo por ainda em parte lembrar que há pontos ali que concordo, por ainda ver nos meus resquícios daquele período, mas nunca vou concordar que Dom João VI era um simples medroso. Ao contrario, acredito que o que fez, fez por necessidade e pela condição económica que havia em Portugal, que a Inglaterra o pressionara de forma tremenda, tal como pressionou o Império do Brasil na guerra Cisplatina .
De Isabel A. Ferreira a 15 de Dezembro de 2010 às 11:02
Bom-dia, Danilo.
Obrigada, por ter passado por aqui.

Devo dizer-lhe que o meu livro «Contestação» não se encontra à venda no Brasil, e em Portugal, ao que parece, está esgotado.

Tenho preparada uma segunda versão, com outro título, aumentada, com documentação e apontamentos marginais, e aguardo que seja publicada.

No entanto, se quiser que lhe envie um exemplar (tenho ainda uns poucos) terá de me enviar um enderêço, e fazer uma transferência bancária. Coisas que poderão ser tratadas através do meu e-mail, que consta no Blog.

Muito obrigada, Isabel A. Ferreira
De Marco Aurélio Leite da Silva a 17 de Dezembro de 2010 às 16:47
Eu acho que os portugueses não entendem como é o espírito do brasileiro. Não se trata de menosprezo aos portugueses, os quais, ressalto com toda a ênfase, continuam sendo MUITO BEM TRATADOS nas terras além do Atlântico.

O brasleiro não é brasileiro somente a partir de 1822... Há até hoje, na verdade, muitos Brasis, todos irmanados no senso de unidade que permeia culturas em tudo diferentes. Um habitante da região norte usa de expressões que o habitante do sul (distante mais de 3.000 quilômetros) muitas vezes não entende. Mas há algo em comum a todos: a irreverência. Já era assim antes de 1822. Seja uma virtude, seja um defeito, pouco importa, o brasileiro ri de si próprio com a mesma facilidade com que abraça, com pirraça, os que lhe são caros. Somente a indiferença é dedidaca aos indesejados.

Para cá vieram muitos escravos. Povo belíssimo de cultura maravilhosa, o africano trouxe ao brasil a ginga que o português jamais conquistou. Lamento. Vocês continuam se ofendendo com a fuga do rei. Ora, o brasileiro não cansa de apontar, com todas as letras, todas as mazelas de nossa própria sociedade. O brasileiro não tem falsos pudores com quem não os merece.

O negro foi aqui espoliado, trucidado, e o Brasil (vejam bem: o Brasil, não Portugal) tem uma mácula fétida em sua história por ter sido o último a acabar com a escravidão.

Recentemente (em termos históricos) fomos os primeiros a depor um presidente por corrupção. Tivemos uma ditadura militar que cometeu atrocidades que são continuamente desnudadas hoje em dia.

Por que o rei não pode ser visto como covarde? Foi um ato de coragem? Deixou o povo português aguardando Napoleão sob a necessária proteção? Por que tanto melindre acerca de uma figura bondosa, inteligente, que talvez jamais devesse ter sido rei? Era hesitante... Era medroso.

Se o português se ofende com isso, deveriam os brasileiros ficar felizes quando o mesmo rei --- tão logo as coisas voltaram à calma --- resolveu retornar à pátria mãe e reconduzir o Brasil ao status de colônia?

Foi preciso coragem para retornar a Portugal e tentar reter o "projeto" de um "reino unido"?

Não, meus amigos. O português continua e sempre continuará sendo tratado como irmão no Brasil. Exatamente por isso, não tenhamos meias palavras entre nós.

O rei fugiu. É fato. Deixou o povo português à mingua de comando e proteção.

Nosso primeiro grande e valoroso brasileiro foi um português: Dom Pedro I. Era mulherengo e cresceu em meio à nudez com que os trópicos enlouquecem um jovem. Cresceu brasileiro. Brincalhão, dava ouvidos ao Chalaça ao invés de procurar os filósofos. Não se trata de menosprezo --- o próprio brasileiro continua sendo assim.

Graças a Deus!!!

Acabemos com essa piequisse de passar verniz sobre a madeira riscada. O rei fugiu. E daí?


De Isabel A. Ferreira a 17 de Dezembro de 2010 às 19:54
E daí, Marco Aurélio?

E daí, o rei NÃO FUGIU. Transferiu a corte.

E daí, o rei NÃO ERA UM COVARDE. Foi o único monarca que não se vergou a Napoleão e defendeu o seu Reino e o seu nome.

E daí, o rei NÃO DEIXOU O POVO SEM PROTECÇÃO.

E daí a história que nos contam no Brasil (e eu já estudei História no Brasil, inclusive a nível superior) não está correcta.

E daí, o autor do 1808 escreveu com muito preconceito.

E daí, eu não gostei.
E daí, contestei.
E daí, eu, que sou de cá e também de lá (daí do Brasil), tenho o privilégio de conhecer os dois lados da moeda.

E daí, Marco Aurélio, 80% da minha família é brasileira. Nada tenho contra o Brasil, nem contra os brasileiros.

E daí, eu defender a HONRA e a HISTÓRIA de Portugal, com a mesma garra que defenderia a HONRA e a HISTÓRIA do Brasil, e os brasileiros, se estes fossem tão maltratados, como foram Portugal e os Portugueses.

E daí, quem não sabe FAZER HISTÓRIA, é melhor NÃO FAZÊ-LA.

Estão muito interessados, neste momento, na minha «Contestação», porquê?

O «1822» está a ser um fracasso?
De Marco Aurélio Leite da Silva a 18 de Dezembro de 2010 às 00:41

A senhora diz:


1. "E daí a história que nos contam no Brasil (e eu já estudei História no Brasil, inclusive a nível superior) não está correcta.'

2. "E daí, eu não gostei.
E daí, contestei.
E daí, eu, que sou de cá e também de lá (daí do Brasil), tenho o privilégio de conhecer os dois lados da moeda."

3. "Estão muito interessados, neste momento, na minha «Contestação», porquê?
O «1822» está a ser um fracasso? "

Eu, respeitosamente, respondo:

1. Se a história que nos contam no Brasil não está correta, a Historiografia de ambos os povos deveria chegar a um consenso científico e comprovado, pois não? Se a senhora estudou história do Brasil em nível superior, meus parabéns. Eu não sou historiador. Sou da área jurídica. Nem por isso deixo de ler o que brasileiros e portugueses escrevem sobre História --- ainda bem, não é? Tanto que estou aqui, a opinar. Se a sua forma de ver não tivesse importância, por que estaria eu aqui a escrever? Exatamente por ter importância a visão dos portugueses é que estamos aqui a conversar (permita-me, por favor, assim me colocar).

2. Não gostou? Enfim... Isso não implica em estar o outro lado errado. Mas, se há provas historiográficas de que o rei não deixou os portugueses antes da invasão de Napoleão, se há provas de que o rei deixou proteção suficiente, se há provas de que tudo o que foi dito --- entenda-se "FUGA" --- está errado, ao invés de um livro de antítese não seria o caso de demonstrar, prova por prova, o erro? Já viu alguma enquete sobre o que os portugueses (aqueles iguais a mim, simples leitores) acham do episódio?

3. Quanto ao livro "1822", não sei se é um fracasso ou um sucesso de vendas... Não o li ainda. Não conheço pessoalmente o autor, tampouco tenho vinculação alguma com a Editora ou coisa que o valha... Mas já respondi no que toca ao interesse na obra "Contestação". É que a visão que a senhora expõe interessa por ser relevante. Já passa da hora de portugueses e brasileiros escreverem a História que vai de 1500 a 1822 de modo harmônico e uniforme. Afinal, a História é uma ciência ou fruto apenas de opiniões?

Não, minha cara senhora, não pense que estou a procurar desmerecer a sua obra. Acho apenas que essa coisa de "desrespeito", "visão preconceituosa", "não gostei", "sou doutora no assunto", etc etc etc não passam de escapismos para o tema proposto: sem vernizes!

Sua família é 80% brasileira? Que bom. Minha bisavó era portuguesa. Que isso significa para o tema? Nada...

Defender a honra?

Estamos tratando da honra de um povo?

Não acha a senhora que é no mínimo um exagero achar que um autor brasileiro poderia enodoar o povo português?

Não acha a senhora que é um pouco de megalomania achar que o seu livro pode "limpar a honra" de todo um povo?

É apenas a opinião de um escritor em contraposição a de outro.

INSISTO: Se não houve fuga da Corte, que se ponha, segundo a historiografia de ambos os povos, todas as cartas na mesa.

Sem vernizes...

Meus sinceros respeitos.

Ou, como se diz por aqui, um abraço! (sincero!)


De Marco Aurélio Leite da Silva a 18 de Dezembro de 2010 às 00:52
Em tempo:

Qual foi a proteção deixada pela Corte para os cidadãos portugueses quando da transferência da Corte?

Efetivamente, houve alguma proteção?

A pergunta é verdadeira! Como ignorante eu peço ajuda: há informação sobre a efetiva existência de um plano de transferência que levou em consideração a situação de defesa dos cidadãos portugueses que ficaram para receber as tropas francesas?

De Isabel A. Ferreira a 18 de Dezembro de 2010 às 14:43
Marco Aurélio, respondendo à sua questão:

No capítulo 14 da minha «Contestação» intitulado: «DE COMO PORTUGAL NÃO PERDEU A HONRA NEM ESTEVE NUNCA ABANDONADO» lê-se:

«O capítulo 25, de «1808», trata de «Portugal Abandonado».

Ora, enquanto a corte portuguesa permaneceu no Brasil, Portugal não esteve propriamente abandonado. Antes de partir, D. João nomeou uma Junta de Regência, para substituí-lo na sua ausência. E o marechal irlandês Beresford, por decreto real de 7 de Março de 1809, foi nomeado generalíssimo do exército português, e comandou Portugal em nome do Príncipe (é preciso que isto se diga deste modo, não vá pensar-se que os Ingleses governaram Portugal, por moto próprio) e foi ainda D. João que o mandou ocupar a Ilha da Madeira para que Napoleão não se instalasse nela.

Portanto, os Ingleses “governaram” Portugal, apenas porque D. João o consentiu. É preciso dizer-se igualmente que os Ingleses apoiaram Portugal. Sim. Desinteressadamente? Claro que não. Os Ingleses (como qualquer outro povo, naquela época e em todas as épocas) nada faziam sem contrapartidas. E para não perder Portugal (para os Franceses e Espanhóis) e as suas colónias (para os Ingleses), D. João viu-se obrigado a reduzir Portugal a colónia da antiga colónia (Brasil) elevada a reino. Tratou-se de um jogo se não bem planeado, pelo menos bem jogado. Uma boa estratégia política para manter o reino e a coroa.»

Foi assim, Marco Aurélio. E se D. João VI não tivesse feito o que fez, teríamos perdido o Reino, as Colónias e Portugal, como país independente, teria desaparecido do mapa.

Tanto no Brasil (onde tomou grandes medidas) como em Portugal, com uma estratégia inteligente, D. João VI mostrou ser um GRANDE REI, e não o covarde e feio rei do Laurentino Gomes.
De Marco Aurélio Leite da Silva a 18 de Dezembro de 2010 às 15:17

Que seja!

Nem Brasil nem Portugal precisam de defesa. Somos povos irmãos, com uma boa fatia de histórica comum.

Não vou tomar mais de seu tempo, mas afirmo-lhe: fico muito agradecido por sua atenção, sua sinceridade e a dignidade com que se põe mesmo sendo veemente (coisa que, reconheço, muitas vezes falta ao irreverente brasileiro).

Só tomei a liberdade de postar em seu Blog porque, num primeiro momento, achei que deveria ressaltar que ninguém neste País, por mais que se façam piadas, jocosidades de toda ordem, etc, deixa de querer muito bem aos irmãos portugueses em geral.

Mais uma vez: agradeço a sua atenção e sinto-me, sim, privilegiado e envaidecido por ter trocado palavras com a senhora.

Como dizem os portugueses: Bem haja!

Como dizemos por aqui: Até mais!

Marco
De Isabel A. Ferreira a 18 de Dezembro de 2010 às 17:30
Obrigada, Marco Aurélio.

Gostei igualmente de ter trocado este "bate-papo" consigo.

Fez muito bem em postar no meu blog, e volte sempre que quiser. E não pense que tomou o meu tempo.

Não tenho nads contra os brasileiros, pelo contrário. Sou meia/meia. Por isso também pertenço ao Brasil.

Bem-haja!
e
Até mais!

Isabel
De Isabel A. Ferreira a 18 de Dezembro de 2010 às 15:30
Marco Aurélio:
Li com muita atenção e RESPEITO este seu comentário. E tem toda a razão para o ter escrito nos moldes em que o escreveu.

Mas eu também tenho os meus motivos para “desconfiar” dos comentários que me chegam do Brasil, a propósito da minha «Contestação». E por vezes sou agressiva. Gostaria de remetê-lo para o comentário, mais acima, de um tal PEDRO ALVES (11 de Julho de 2010).

Por essa altura fui BOMBARDEADA por um sem número de comentários, cada um pior do que o outro (guardei-os, mas eliminei-os dos olhares públicos por serem demasiado estúpidos e ofensivos, todos escritos por esse tal PEDRO ALVES, e veja o que ele diz, nesse comentário que deixei aqui, de propósito:

«Boa noite, Isabel A. Ferreira. Parece que finalmente você desmascarou meus perfis anónimos. Mas aguarde, da próxima vez vou criar perfis tão plausíveis que será impossível identificá-los. Até Mais.»

Depois disto, qualquer um que me escreva, desconfio, e sou agressiva para me defender de uma possível fraude.

Ponha-se no meu lugar, Marco Aurélio. O Marco Aurélio pode ser um desses perfis plausíveis, mas falsos. Não é verdade? Como hei-de saber?

O Pedro Alves usou sempre nomes falsos (não anónimos). Falou em nome de TODOS os professores brasileiros, inclusive um que dava aulas na “Gama Filho” (o que vim a verificar que era falso) e foi aí que descobri tudo.

O senhor não me conhece. Não sou nada de “vernizes”.

O senhor leu o 1808? E leu a «Contestação»?
Se não leu não pode ajuizar das coisas.
Não me arrependo de ter escrito a «Contestação» de que todos falam, mas que ninguém leu.

E para me criticarem é preciso terem lido o meu livro, depois de terem lido o livro do Laurentino.

Acho estranho todo este interesse AGORA pela «Contestação» do 1808, quando já saiu outro livro do mesmo autor, que não está a ter qualquer sucesso, pelo menos em Portugal, como teve o outro.

A minha intenção sempre foi UNIR e não DESUNIR. Mas o que o tal Pedro Alves fez, quebrou a minha confiança nos meus irmãos brasileiros.

Um abraço, Marco Aurélio (se não for um perfil falso).
De Marco Aurélio Leite da Silva a 18 de Dezembro de 2010 às 15:58
Fique tranquila.

Meu nome é mesmo Marco Aurélio Leite da Silva, resido em São José dos
Campos/SP. Minha esposa chama-se Paula Cervantes (filha de uma espanhola, por óbvio). Mantenho alguns blogs. Se puder, por favor, visite-os (esoestudos.blogspot.com; rf1603.blogspot.com; falenasamenas.blogspot.com).

"Inté" (essa, a senhora conhece?) rsrsrs
De Isabel A. Ferreira a 18 de Dezembro de 2010 às 17:25
Muito bem, Marco Aurélio, não tenho por que não acreditar em si.

Peço desculpa se fui, de algum modo, grosseira na minha resposta.

Mas entendeu porquê.
Irei sim, visitar os seus blogs.
Se quiser ver mais sobre o que sou e o que faço, pode ir ao Facebook. Tenho lá uma página.

"Inté" Marco Aurélio. (Esta conheço e ainda uso por cá).
De Raquel de Sá Lemos Guedes a 27 de Janeiro de 2011 às 13:58
Drª Isabel Ferreira

Grande mulher a senhora é! Lamento, só agora a ter descoberto. Mas ainda vou a tempo. Detestei sempre a forma como D.João VI foi tratado. Vou ler e divulgar o seu livro. Obrigada
De Isabel A. Ferreira a 27 de Janeiro de 2011 às 17:17
Obrigada, Raquel, pela visita e pela gentileza das suas palavras.
De Isaac Vaz a 1 de Junho de 2012 às 14:54
Cara Dra.Isabel,

Sou Portugues e estive recentemente em Sao Paulo, onde trabalhando com um Brasileiro bastante instruido, calhou em conversa a independendia do Brasil. Este momento da historia nao e’ tao explorado nos manuais de historia nacionais pelo que acabei por comprar um livro para relembrar melhor este momento da historia dos dois paises.

Feliz ou infelizmente acabei por comprar o livro “1808”. Li metade do Livro entre Sao Paulo e Londres (cidade onde resido) e acabei por nao ler o resto.

Por curiosidade, fiz uma pesquisa na Internet para garantir que nao era o unico a sentir-me “violentado” com esta caricatura dos Portugueses. E’ triste constactar a pouca indignacao que gerou nos meios de comunicacao nacionais. Felizmente teve eco ao nivel da blogosfera.

Deveriamos zelar mais pela nossa historia e pelo patrimonio que deixamos no Mundo. Devemos isso aos nossos antepassados e aos nossos filhos. Certamente, nao fizemos tudo perfeito, mas fizemos. Estivemos onde nunca ninguem esteve, vimos primeiro, abrimos caminho; tivemos coragem. Outros vieram depois. E tambem escravizaram. Espanhois, Ingleses, Japoneses, Holandeses, todos sem excepcao, uns mais que outros, tem algo – assim como nos – sobre o qual se arrepender. Agora, sugerir que outro tipo de colonizador teria sido melhor e’ o mesmo de dizer que nao se gosta de ser Brasileiro e se preferia ser Holandes, Espanhol, Chileno, Ingles, Argentino, Italiano, Mexicano, etc. Ironicamente, acredito que muitos destes paises ate gostariam de ter a alma dos Brasileiros. O Brasil deveria ter orgulho do pais que e’, pela sua diversidade, pela lingua, dimensao, potencial...pelo seu passado (colonial mas tambem pelos 200 anos que seguiram). Assim como Portugal deveria ter orgulho e defender a sua historia.

Em suma, obrigado pela sua intervencao. Ainda nao li o seu livro, mas independemente do modo que foi redigido, so o facto de o ter feito, merece a minha maior consideracao e louvor.

Isaac Vaz
De maria moreira a 5 de Julho de 2012 às 21:12
olá sou luso descendente ,nunca morei em Portugal e meus pais fizeram questão de que tivesse aproximação a sua essência portuguesa, a musica, a culinária , alguma leitura.Procuro saber para quem esta no estrangeiro como se consegue obter o livro ?
De Isabel A. Ferreira a 6 de Julho de 2012 às 09:01
Para adquirir o livro utilize o seguinte link, por favor.
http://www.chiadoeditora.com/

Aproveito para informar que está finalizada uma segunda versão, mais completa, comentada e documentada, sobre esta matéria, e que será publicada e comercializada no Brasil, logo que possível.
De Jose Augusto Fonseca a 24 de Setembro de 2012 às 15:33
Caríssima Isabel, Li o livro de laurentino e ainda não o fiz do seu pois ainda não chegou. Observo que, pelo trecho de vossa obra aqui postada, não coloca qualquer evidência de vossas afirmações. Pois a obra de Laurentino é escrita com evidencias (cartas, publicações, correspondências, livros) retiradas do arquivo da Biblioteca Nacional Brasileira e Fontes Portuguesa, todas oficiais e reconhecidas. São inúmeras cartas e folhetins de Jornais e publicações da época que estão arquivadas e catalogadas nestes locais. Não pude, contudo, saber qual seriam as bases oficiais para que tenhas escrito este trecho do livro. Quais cartas evidenciam suas colocações? Quais evidencias se fazem provar o que está a dizer? Quais são suas fontes? Seria sua obra uma opinião isolada e sem lastro sobre o assunto?
De Isabel A. Ferreira a 25 de Setembro de 2012 às 11:34
Meu caro José Augusto Fonseca, por quem me toma?

Acha que eu publicaria um livro, baseado apenas «numa opinião isolada e sem lastro sobre o assunto (como diz)?

Ao contrário do Laurentino Gomes, um jornalista sem formação histórica que plagiou o «Império à Deriva» do australiano Patrick Wilcken (livro que o aconselho a ler, para constatar a veracidade do plágio que é o «1808» Prémio Jabuti (???????), eu sou Licenciada em História, pela Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra (tendo antes passado pela Universidade Gama Filho, no Rio de Janeiro).

Pois se o Laurentino utilizou fontes não muito credíveis no meio histórico, eu utilizei fontes históricas (uma longa bibliografia) que só não publiquei no livro “Contestação”, porque esse livro foi retirado de uma CARTA que escrevi ao Laurentino, e que depois coloquei em livro.

Contudo, para seu conhecimento, tenho escrita uma versão mais completa da minha CONTESTAÇÃO ao «1808», com, notas acrescentadas e no final a BIBLIOGRAFIA QUE UTILIZEI.

Esta versão, que se intitula: DOM JOÃO VI - Como um Príncipe valente enganou Napoleão e salvou o Reino de Portugal e do Brasil (CONTESTAÇÃO AO LIVRO «1808» de LAURENTINO GOMES) - (2ª versão Corrigida e Aumentada), ainda não foi publicada, embora tenha várias propostas de edição, que não aceitei por não concordar com algumas cláusulas dos contratos (não tenho pressa, e hoje só publicarei um livro segundo os meus princípios).
Portanto aguardo que apareça um editor mais adequado ao que pretendo.

Se o meu caro amigo, estiver interessado, deixar-me-á um e-mail, para o qual eu possa enviar as “NOTAS MARGINAIS” onde está incluída a Bibliografia que consultei, e poderá AVALIAR a diferença entre alguém que sabe utilizar FONTES HISTÓRICAS, e alguém que é apenas jornalista e não sabe “peneirar” as fontes.

Existe uma GRANDE DIFERENÇA.

Mas para já aconselho-o a ler o livro que lhe recomendei. São parágrafos inteiros copiados. Com uma diferença: o Patrick não tinha preconceito algum contra os Portugueses. E o Laurentino destila preconceito por todos os poros, e colocou-o no livro.

Comentar post

Mais sobre mim

Pesquisar neste blog

 

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
16
17
20
21
22
25
26
27
28
29
30
31

Posts recentes

LIVRES, BELOS, MANSOS E B...

ORÇAMENTO PARTICIPATIVO D...

A GRANDE MENTIRA DA TAURO...

NOITE DE LOUCURA COLECTIV...

DENÚNCIA: PREVISTA REALIZ...

AS TOURADAS NÃO SÃO SERVI...

«NÃO QUEREMOS A "PIOLHEIR...

CULTURA PARA TODOS

A CIDADE QUE SE DECLAROU ...

CARTA ABERTA AO PRESIDENT...

Arquivos

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Dezembro 2016

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Agosto 2016

Julho 2016

Junho 2016

Maio 2016

Abril 2016

Março 2016

Fevereiro 2016

Janeiro 2016

Dezembro 2015

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Agosto 2015

Julho 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Março 2015

Fevereiro 2015

Janeiro 2015

Dezembro 2014

Novembro 2014

Outubro 2014

Setembro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Direitos

© Todos os direitos reservados
RSS

ACORDO ORTOGRÁFICO

EM DEFESA DA LÍNGUA PORTUGUESA, A AUTORA DESTE BLOGUE NÃO ADOPTA O “ACORDO ORTOGRÁFICO” DE 1990, DEVIDO A ESTE SER INCONSTITUCIONAL, LINGUISTICAMENTE INCONSISTENTE, ESTRUTURALMENTE INCONGRUENTE, PARA ALÉM DE, COMPROVADAMENTE, SER CAUSA DE UMA CRESCENTE E PERNICIOSA ILITERACIA EM PUBLICAÇÕES OFICIAIS E PRIVADAS, NAS ESCOLAS, NOS ÓRGÃOS DE COMUNICAÇÃO SOCIAL, NA POPULAÇÃO EM GERAL E ESTAR A CRIAR UMA GERAÇÃO DE ANALFABETOS.

BLOGUES

O Lugar da Língua Portuguesahttps://blogcontraatauromaquia.wordpress.comhttp://mgranti-touradas.blogspot.pt/https://protouro.wordpress.comhttps://protouro.wordpress.comhttp://animasentiens.com/http://www.matportugal.blogspot.pt

CONTACTO

isabelferreira@net.sapo.pt